1. Spirit Fanfics >
  2. Little Bitch 2:Recomeço >
  3. Olhos escuros

História Little Bitch 2:Recomeço - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Olha eu aqui de novo! Minha vida continua uma correria e uma bagunça, porém sempre me pego digitando algo no bloco de notas de meu celular, sim, meu PC continua quebrado, na vdd já o perdi faz tempo kkk Enquanto não compro outro sempre me pego pensando em Eva, Harry e Niall, sempre. Então digito pensamentos, frases, e continuo essa história deliciosa de escrever. Já faz parte de mim e de quem sou. Espero que gostem, ultimamente tá mais corrido, mas mesmo assim não posso abandonar e não vou abandonar essa fic perfeita para mim. Obrigada por não desistirem de mim e dessa história. Prevejo ótimas coisas por vir, agora o rumo da história vai ficar bem mais dark que antes, bem mais sombrio, espero que gostem tanto quando eu estou amando de escrever!

Um beijo, obrigada novamente e já comecei o próximo capítulo, então fiquem atentos !!!

Obs:Tem um vídeo novo que fiz pelo meu celular mesmo, sobre essa nova fase, então nas notas finais vai ter o link levando pro YouTube e pro vídeo que editei. ❤️

Capítulo 4 - Olhos escuros


Fanfic / Fanfiction Little Bitch 2:Recomeço - Capítulo 4 - Olhos escuros

Harry Styles

Seattle, 7:00 da manhã.

  Mais uma madrugada sem dormir pensando em olhos escuros e cinzentos me encarando, novamente bem durante a madrugada. 
  Acordo por volta das 5 horas e praticamente pulo da cama, me encaminhando diretamente para o local onde sei que terei as lembranças completas da dona desses olhos. Já em meu escritório acho várias fotos que pedi que conseguissem de como Eva está agora, aparantemente feliz, bem melhor longe de mim. 
 Resolvo me sentar em uma das poltronas no canto do cômodo, depois de ter pego as fotos de uma pasta logo em cima de minha mesa. 
  Abro a pasta e retiro o seu conteúdo, algumas fotos são da divulgação da própria boate dos Malik, onde Eva está de joelhos em cima do palco, ao lado do pole dance, apenas de calcinha, uma calcinha de renda preta, fitas pretas formam um X em seus mamilos, enquanto tiras de couro completam tudo, circulando todo o seu tronco, adornando completamente com a coleira de submissa que está usando, que tem uma estrutura em forma de anel para colocarmos a comanda, também usada como gargantilha hoje em dia, porém sua finalidade é justamente guiar a submissa como um cachorrinho.
  Como se já não bastasse a beleza da foto e de Eva em si, uma luz vermelha ambiente a torna ainda mais provocativa. Sinto meus olhos arderem com a mistura perigosa da raiva e do tesão que sempre me atormentam ao ver essas fotos. Eva olha diretamente para mim, olha para dentro de mim, na imagem com seus belos olhos cinzentos quase brancos e sua sombra preta.
  Passo as fotos e vejo toda a coleção, como sempre, várias delas são de Eva saindo do apartamento onde está morando com Niall, já que contratei alguém de minha segurança pessoal em Londres para ficar de olho nela. Ela está cada dia mais linda.
  Depois de muito tempo sentado, olhando todas as fotos ao menos umas 3 vezes, decido me ocupar, se não tenho certeza de que vou encher a cara e não irá adiantar de nada. Preciso resolver algumas papeladas da boate que irei comprar, preciso resolver isso logo, já que quero voltar rapidamente para Londres, de onde nunca deveria ter saído. 
  A ligação de Julia também me perturbada, onde me avisa que Angel está de volta, então levanto rapidamente me servindo de uma dose generosa de uísque, vou até minha mesa no centro do cômodo e me acomodo, assim que me sento abro o notebook e começo a digitar um e-mail com ordens minuciosas de reforçar a segurança sobre Eva. Noto uma mensagem piscando e a abro assim que termino de enviar o e-mail ao Kylie, meu chefe de segurança. É de Julia, não tem assunto.

  "Querido Harry, quero que saiba que depois do que soube de Angel, cancelei minha viagem em direção ao sul da França, continuarei na Alemanha por um tempo, ficando assim em Berlin, no hotel que reservou com carinho para mim e meus garotos. Bem como sabe. Mantenho o contato. Com amor, sua esposa."

  Leio enquanto um sorriso amargo percorre meu rosto, e pensar que um dia me apaixonei por essa vibora a ponto de me deixar convencer a manter um casamento de fachada, apenas para conseguir o pódio de CEO que tenho hoje. De nada me ajudou, ao menos de nada bom. 
  Acabo escolhendo por não responder, já que a única resposta que tenho em mente é um "Vá para o inferno, se assim desejar, não me importa.", então apenas fecho meu e-mail e pego a papelada ao lado do notebook. Abrindo o bloco de notas digital no notebook, começo a ler todo o conteúdo, folha por folha, e faço anotações de projetos e ideias para os detalhes que obtenho da construção e da boate em seu atual estato desprezível.
  Assim que Liam chegar terei que passar tudo para ele, de todo jeito temos que resolver logo isso, e a vontade de ver Eva com meus próprios olhos, me dá ainda mais força de vontade, então em poucas horas termino todas as folhas e fecho o notebook assim que reparo no horário. 
  Preciso de um banho, já são 9 da manhã e a qualquer momento Liam chegará. 
  Faço meu caminho de volta para o quarto e entro no banho, tentando a todo momento não pensar em Eva e em sexo.
Às 10 em ponto, já estou pronto e ouço quando Liam entra sem cerimônia na sala, estou sentado no sofá lendo o jornal, onde vejo notícias de minha própria empresa e como as coisas estão mudando para melhor. Liam está de terno assim como eu, e apenas ergue as sobrancelhas ao me encarar, satisfeito ao ver que não estou lendo sobre Eva e sim sobre a empresa. Porém, não fala nada. 

- Eai, vamos fechar esse negócio? - Pergunta bem humorado. 

  Solto um suspiro e levanto do sofá, jogando o jornal onde antes estava sentado. Não respondo, apenas pego meu celular e a pasta que preparei com as anotações agora imprimidas, Liam percebe que não quero papo e pega seu caminho para a saída, encontrando o motorista no Hall do elevador, apenas dou ordens para irmos a filial da empresa e pegamos nosso caminho para a garagem. 

Eva Thramell

Londres, 10 da manhã. 

  Chego a boate depois de me despedir de Niall com um selinho rápido já que é ele que me deixa todo dia aqui e parte para seu escritório em sua recém comprada, Ranger Rover preta. 
  Desço do carro com promessas de almoçarmos juntos e entro na boate sendo recepcionada por Phill que vem correndo ao meu encontro, está lindo de calça jeans escura e uma blusa social branca. Ele sabe ser estiloso. 

- Caramba, hoje você demorou em? Bom dia, querida. - Murmura enquanto me abraça. Não respondo apenas olho rapidamente ao redor sobre seu ombro, notando que o local está vazio, apenas algumas garotas circulam, umas se maquinando, outras apenas conversando entre si. 

  Noto Kylie, a vagabunda que quer roubar meu posto, segundo Phill e todas as garotas daqui. Ela não esconde o desprezo que sente por mim quando vê que estou a encarando, revira os olhos e segue com sua cara enjoada de sempre, é uma das que está se maquinado sentada em um dos bancos. 

- Bom dia, Phill. - Repondo em fim retribuindo o abraço, porém quando olho para ele percebo que está com o rosto tenso assim que me solta. - O que foi? 

- O John voltou de viagem e quer ver você na sala dele. Agora. Mandou avisar assim que você chegasse. Zayn está com ele. - Fala apressado. Franzo as sobrancelhas perdida. 

- O Zayn aqui? - Phill apenas confirma com a cabeça. - Tá bom, vou lá então. - Phill segura minha mão quando começo a tomar o caminho para sala de John, me detendo. 

- Boa sorte, lindinha. - Murmura em meu ouvido, estranho, porém apenas abro um sorriso e ele me solta. Esta muito preocupado. Porque está tão preocupado? 

Depois de passar por algumas meninas entro no corredor abaixo da escada e dou de cara com a porta preta da sala do senhor Malik. Paro por apenas um segundo e solto um suspiro bem audível, antes de girar a massaneta e entrar. 

Assim que abri a porta, vi Zayn sentado em uma das duas poltronas que ficam de frente pra mesa de vidro de seu pai, ele não me olha, está de costas para mim, já John, seu pai, também sentado porém atrás de sua mesa, olha para mim assim que entro e abre um sorriso estranho. Já que ele é meu chefe, apenas retribuo o sorriso e começo meu questionário. 

- Olá, senhor. Precisa de mim? - Pergunto sabendo que isso provoca Zayn. Ele sabe a relação que seu pai mantinha comigo e não gostava nem um pouco. Não sei se era pela falta de respeito por sua mãe falecida na época, ou se era por nunca gostar de mim mesmo. Mesmo estando de costas, percebo quando Zayn fica tenso ao me aproximar. Seu corpo fica mais ereto na cadeira. 

- Eva, querida. Sente-se ao lado de Zayn, precisamos conversa com você. - Me sinto estremecer um pouco por seu tom de voz. A forma como fala, frio, não me dá pistas nenhuma do teor da conversa que vai se iniciar aqui dentro. Merda. Faço o que ele manda. Não me dou ao trabalho de olhar Zayn, mas consigo sentir que me encara, deve estar puto de raiva ainda pelo fato de que fui eu que fiz seu pai expulsá-lo daqui. Não me importo. 

- Então, do que se trata? - Pergunto impaciente, enquanto John apenas nos observa, na verdade, principalmente observa Zayn. 

- Depois do que aconteceu, e desse tempo todo que se passou, resolvi esquecer as mágoas e perdoar meu filho. - Começa John. Apenas permaneço calada, ouvindo.- É agora ele estará de volta mandando aqui, enquanto irei tirar umas férias, merecidas, pela Itália. Tenho coisas a resolver por lá. Quero vocês dois trabalhando juntos aqui. Se não se incomodar, é claro. Por isso resolvi reunir os dois, acho que meu filho lhe deve desculpas pela forma que vinha se comportando antes. 

Meu Deus, fazem dois anos e ainda esse assunto. Espera, ele perdoou Zayn ou está sendo obrigado a perdoar. A forma como fala é muito estranha, a dureza nas palavras. Enigmático demais para mim. Então Zayn começa a falar ao meu lado. 

- Eva, espero sinceramente que aceite minhas desculpas. - Fala como um cachorrinho enquanto o olhar de seu pai, sai de mim, e paira sobre ele, autoritário e observador ao mesmo tempo. Não falo nada enquanto os dois voltam a me observar esperando minha resposta. Isso tudo está muito estranho. 

- Se o senhor faz questão... - Falo lentamente olhando para os quadros atrás de John, tentando entender o que realmente pode estar acontecendo entre esses dois. Não tem a ver comigo, com certeza. 

- Obrigado, Eva. - Fala Zayn, achando que me direcionava a ele como senhor. Coitado. 

- Falo com seu pai. - Agora olho pra Zayn, seus olhos cintilam de raiva ao meu corte de suas palavras. Ouço a risada rouca e baixa de John então me levanto, ainda olhando para Zayn. 

- Preciso passar as músicas do show de hoje. - John levanta também, apenas Zayn continua sentado me olhando com cara feia. Viro para seu pai e espero que me deixe ir. 

- Claro. Pode ir querida, obrigada.- E é exatamente o que ele faz, cordial. Apenas balanço a cabeça e saio rapidamente da sala, me dirigindo para meu antigo quarto. 

Em meu antigo quarto não resta muita coisa, só os móveis que não eram meus, roupas que não são minhas, e a minha guitarra, que deixo aqui já que é da boate. Pego-a e assim que vejo que está afinada, começo a me dirigir para o bar, onde encontro Phill como sempre arrumando as bebidas e a sujeira da noite anterior, onde um bando de bêbados procuraram confusão e sujaram tudo de Tequila e Uísque, uma mistura bem perigosa. Por sorte nada aconteceu com Phill. 
Ele sorri quando me vê com a guitarra e sento em um dos bancos de couro preto, ele ergue as sobrancelhas e larga o pano que tinha nas mãos para falar comigo. 

- O que era? - Pergunta curioso. Phill está me parecendo um pouco estranho esses dias, e agora com Zayn aparecendo tão suspeito, do nada. E com o que aconteceu ontem com Kylie... Decido omitir o que acho da conversa . 
- Queria falar que Zayn está de volta e que vamos trabalhar juntos enquanto ele sai de férias. Apenas isso. 
-Sério? - Ele estranha, claro. 
- Sim. - Dou de ombros para trazer mais credibilidade e começo a tocar os acordes da primeira música do show de hoje. Isso o distrai, e ele volta a seu trabalho de deixar tudo limpo. Enquanto começo a cantarolar.

O dia passa rapidamente e na hora do almoço ligo para Niall, para pedir que me busque. Não vejo a hora de sair daqui, sinto Kylie me olhar a todo instante e pra piorar Zayn sai do escritório do pai e passa várias horas no bar, pedindo doses de uísque a Phill, também me encarando entre conversar com uma garota ou outra. Niall atende no segundo toque. 

- Oi, pode vir me buscar. - Digo feliz da vida, mas o que escuto faz essa felicidade cair rapidamente. 
- Então, amor. Estou meio preso aqui, sabe como é... Esses autores novos dando chilique sobre suas obras e... Infelizmente não vai dar para almoçarmos juntos hoje. Desculpa. - Mais uma desculpa de Niall Horan. Estamos no começo da semana e já é a terceira. - Eva? Está aí? 
- Sim. - Respondo rápido assim que percebo que estava calada. Minha mente está a mil, mas quando preciso responder fico calada. - Tudo bem. Deixamos pra próxima então. Bom trabalho. - Falo claramente irritada, mas recebo apenas um "Te amo" como resposta. 

  Encerro a ligação e percebo Phill me encarando. Reviro os olhos e abro um sorriso para ele, guardando o celular. 
  Ele ouviu tudo e já imagina o que seja, já que sabe que Niall sempre dá desculpas, então apenas larga suas coisas em cima do balcão, dá a volta e pega minha mão para irmos almoçar juntos. 
  Como sempre vamos no restaurante japonês na outra rua, que apesar de bem movimentado é aconchegante e organizado. Pegamos a mesa de sempre ao ar livre e faço o pedido de meu prato favorito, Phill que sempre gosta de inovar pede um prato que nunca ouvi falar. Nossos pedidos chegam e ele me distrai falando sobre suas conquistas e desilusões amorosas. 

  Depois do almoço voltamos para a boate e começo a me arrumar para o show da noite. Começo cedo e com calma, preparo a pele, tomo um banho relaxante, coloco uma roupa linda e claro, ouço muita música boa, enquanto passo a sombra preta pelo meu olho.
 Quanto estou satisfeita com meu visual, blusa rasgada bem decotada dos lados, short de couro, fitas nos mamilos, gargantilha também de couro, maquiagem impecável e botas altas o bastante para me sentir confiante, jogo um beijo para a mulher incrível e destemida que encontro no reflexo do espelho e pego minha guitarra para passar a música nova, não quero fazer feio quando tiver que subir ao palco. 


Niall Horan

Londres, Hotel, 11 horas. 

  Angel me recebe assim que entro no hotel em que está hospedada. Está perfeita em seu robe preto de seda, os cabelos escuros descem até sua cintura, os lábios carnudos abrem um sorriso para mim e retribuo. Não posso negar o quão bonita ela é, porém infelizmente já estou envolvido demais por Eva. 

- Olá, querido.- Ela fecha a porta assim que entro e antes que possa responder ou pensar em algo, se atira sobre mim. 

  Angel me beija, sua língua percorre toda minha boca e não vejo escolha se não retribuir, afinal, estamos aqui para isso. Agarro sua cintura com força e afago sua língua com a minha, seu sabor é de uísque e não tenho como negar que mexe comigo. Ela tira suas mãos que estavam puxando meu cabelo e desce até seu robe, abrindo a peça e jogando-a no chão, se afastando de mim para que possa admirar a rouba incrível que está vestindo. 
  Um conjunto de calcinha e sutiã de couro preto, adornam suas curvas com tiras também de couro, que pegam todas suas curvas, até seu pescoço, onde se fecham em uma gargantilha com detalhes dourados. Parece que ela está totalmente presa pela peça, e que tudo se completa. Sinto meu pau latejar dentro da calça no instante em que ela torna a de aproximar e sussurra em meu ouvido de forma provocante suas ordens. 

- Ajoelhe. 

  Obedeço imediatamente, sem nem pensar. Já passamos por isso antes, é a quinta vez que venho ver Angel dês de que voltou para Londres, já tive muito contato com ela na época que estava próxima de Harry, dividimos tudo, literalmente, então sei bem o que vai me pedir em seguida. 

- Tire minha calcinha e me chupe. Agora. - Ordena em um tom macabro e delicioso de voz. 

  Encaro seus olhos cor de mel e abro um sorriso malicioso enquanto sigo suas ordens e tiro sua peça. Ela não desvia o olhar nem um segundo enquanto ergo uma de suas pernas e pouso sobre meu ombro, começo a prová-la com movimentos ávidos de língua, me deliciando com seu sabor e observando enquanto joga a cabeça para trás. 
  Então a raiva e o desejo tomam conta de mim, só com ela posso me soltar e ser quem realmente sou, e ela sabe o efeito que tem sobre mim, agarro sua cintura com as duas mãos e a chupo com força, passando por seu clitóris fazendo movimentos frenéticos enquanto sinto seu corpo tremer, e ouço seus gemidos altos ecoarem pela sala. 
  Aperto sua cintura com tanta força que quando a sinto gozar gemendo meu nome, e a solto, percebo a marca vermelha de cada um de meus dedos em sua pele pálida. Ela me encara com o mesmo misto de prazer e raiva e espero sua próxima ordem. 

- Tire sua roupa e me coma. - Abro um sorriso enquanto levo as mãos ao cinto da calça. Começo a tirar a calça enquanto sem paciência, ela avança sobre mim e puxa minha camisa, arrancando todos os botões e abrindo com rapidez. 

  Estou finalmente nu e vejo a pressa em seu olhar, para que faça o que ordenou como dominatrix. 

- Onde você quer que eu faça isso, senhora? - Pergunto com o melhor tom de voz que tenho no momento, de obediência. Ela ergue as sobrancelhas e agarra o meu pau duro com suas mãos. Chega perto de meu ouvido e depois de morder o lóbulo sei o que vai falar. 

- Por toda a casa. - Me encara depois de sussurrar isso e morde os lábios agora já bastante vermelhos. - Me fode. Agora. 

  Era tudo o que precisava para ergue-la sem a menor dificuldade e enfiar o meu pau com força, em uma estocada profunda, dentro dela. 
  Ela se agarra a minhas costas enquanto com passos rápidos me aproximo de uma das paredes da sala, onde nos apoiamos enquanto meto dentro dela, com força e rapidez, seus gritos ecoando pela sala, suas unhas arranhando com força minhas costas, seus olhos revirando enquanto nos beijamos e nos lambemos desesperados por mais. 

- Mais. Mais. Mais. 

  Berra jogando a cabeça pra cima, batendo contra a parede. Não ligamos para mais nada. Apenas a obedeço sentindo os arranhões em minhas costas. Sou seu brinquedinho e quando enjoamos ela é o meu, e adoro isso. 
  Não a amo, não mesmo, mas a forma como fodemos, da forma que não posso fazer com Eva, se não meu plano de bom garoto iria por água a baixo, é delicioso. 
  A forma como o que temos envolve a raiva que sentimos pelo meu irmão e o prazer da dor que geramos um ao outro, a excitação, o perigo de sermos pegos, é viciante e não consigo mais parar. Na verdade nunca consegui, apenas quando ela foi embora por um bom tempo, foi que consegui focar em outra pessoa, Eva. 
  Meto com tanta força que sinto que vou explodir, então sem conseguir mais me segurar ordeno trocando os papéis. 

- Goza pra mim. Agora. Goza, sua vagabunda. - Angel grita meu nome e eu apenas enterro minha cabeça em seu pescoço, enquanto gozamos juntos. 

Estamos apenas começando, temos a noite e a madrugada inteira para isso. 

- Puta merda. Você não vai sair daqui hoje. - Fala quando a coloco no chão, saindo dela. Abro um sorriso e explico o que não tinha informado ainda. 

- Já liguei para Eva após o almoço avisando que não volto nem tão cedo, já que tenho reuniões importantes com autores. - Ela ergue uma das sobrancelhas e solta uma risada. 
- Tenho pena da fé que essa garota deposita em você, Horan. - Diz me fazendo revirar os olhos. Ao menos não xinga Eva, se não já teríamos acabado tudo, e ela sabe disso. Nunca escondi o que sinto por Eva e o que sinto por ela. Angel me dá as costas e começa a seguir seu caminho para o quarto. - Vem, idiota. Agora vamos foder na cama, com as algemas. - Percebo que estava parado olhando para a parede pensando em Eva. Então abro um sorriso e a sigo. 


Eva Thramell

Londres, Boate dos Malik's, 12:00 horas. 

- Então ele te disse que tem reunião durante a madrugada? - Confirmo com a cabeça. - Que merda em? - Phill suspira enquanto me serve uma dose caprichada de tequila e deixa metade de um limão em minha mão. 

  Já estou vestida a caráter e já passei a música, a maior parte dos clientes já chegaram, e a música já está rolando, altíssima, mas mesmo assim no bar o clima é mais aconchegante, sensual e o som fica mais abafado, para minha sorte, já que estou brava demais para isso agora. Viro a dose e chupo o limão em seguida, mecanicamente, nem faço careta. 

- Qual é, você não vai ficar assim por causa do Niall né? Nós sabemos que você nem gosta dele. - Phill diz e revira os olhos quando bate o copo no balcão e jogo o limão no chão. 

Ele está certo, droga, me conhece bem demais. 

- É, você tá certo. - Suspiro e peço outra dose para aquecer mais. - Bota uma dupla pra mim, queridinho. - Abrimos um sorriso e ele se vira para fazer o que pedi. 

  Olho ao redor e noto a multidão de pessoas dançando, clientes com garotas sentadas no colo, meninas dançando em pole dances espalhados pelo local. Porém meu olhar para em Zayn que me encara pronto para vir em minha direção, com seu terno azul marinho ridículo e seu copo de uísque na mão. Ele que manda não é mesmo? 
  Quando chega perto o suficiente me olha de cima a baixo como se fosse abrir minhas pernas e me comer ali mesmo em cima do bar, porém apenas abre um sorriso quando paira seu olhar sobre o meu. 

- Está na hora do seu show, Little Bitch. - Anuncia, já que cuida dos horários dos shows. 

  Neste momento Phill pousa meu drink no balcão ao meu lado, apenas pego e viro, rápida e sem careta, Zayn abre ainda mais seu sorriso nojento e Phill toca meu ombro como apoio. 

- Bom show, querida. - Fala Phill. O encaro rapidamente com um sorriso de agradecimento e passando por Zayn, sigo meu caminho para o palco principal, passando entre as pessoas. 

  Assim que subo ao palco, observo vários clientes antigos interessados, porém não posso mais ser negociada, ordens de Niall, ainda bem. Então apenas cumprimento a plateia e dou início com a música que acabo de escrever. Enquanto canto tento não pensar nele, mas é impossível, já que escrevi pensando nele. Tudo que faço é pensar nele. 

"Eu não posso ter você, não
Como você me tem... " 

  Assim que acabo a música, sinto as lágrimas escorrerem por minhas bochechas. Droga. 
  Todos estão me olhando sem entender nada, então de longe vejo Phill vindo rapidamente em minha direção, ele já estava no meio das pessoas. Ele abre um sorriso de pena e me entrega uma garrafa de uísque, enquanto sussurra com os lábios um "Boa sorte." que agradeço com um sorriso cheio de lágrimas. 
  Tomo um gole do uísque e ouço as pessoas gritando, felizes enquanto me abaixo, coloco a garrafa no chão e tiro o vestido que estava. As fitas pretas formando um X em meus mamilos brilham com a luz vermelha ambiente que surge, estou apenas com elas e uma calcinha de couro, fio dental.
  Me sinto livre, vesti minha personagem e enquanto os acordes conhecidos de "Going To Hell", minha música, surgem ao fundo, pego o microfone  e desço até o chão, abrindo as pernas para a plateia. Olho nos olhos da maioria dos clientes enquanto sussurro a introdução que sempre faço antes de começar a cantar. 

"Senhoras e Senhores, hoje, todos vocês iram para o inferno."

  Então um sorriso malicioso surge em meu rosto quando levanto e sigo até o poste de pole dance. 

"Não me abençoe, padre, pois eu pequei." 

  Todos vão a loucura quando canto o começo da música e giro ao redor do poste. Eles não viram nada. 

Harry Styles

Aeroporto de Seattle, 1:00 hora da madrugada. 

  Liam está contente pela primeira vez, em me ver voltando para Londres. Sempre que tocava nesse assunto recebia conselhos e sermões como resposta, agora que fechei o negócio da boate e voltei a resolver os problemas da empresa e acalmar os idiotas dos investidores, consigo sua aprovação, não que importe tanto, para voltar sem sermões, ao menos. 
  O carro nos deixa na pista, ao lado de meu jatinho, e não consigo esconder minha ansiedade em entrar rapidamente na aeronave.
  Finalmente dentro, tiro meu paletó e minha gravata, finalmente desabotoando os primeiros botões de minha camisa. Respiro fundo enquanto ligo para Kylie, que sempre cuidou de minha segurança, agora também da de Eva. Ele atende rapidamente. 

- Kylie, senhor. - Saúda.
- Kylie, preciso de algumas informações. - Vejo de canto de olho, Liam me observando, mas não fala nada. 
- Nome, senhor. - Diz e ouço barulhos, provavelmente dele digitando em seu computador. 
- Eva... Eva Thramell. Preciso saber onde ela está agora, nesse exato momento. E também, quando pousar daqui à algumas horas. - Espero alguns segundos. 
- Está na Boate Malik, senhor. Porém ao que tudo indica, já está saindo de lá, seu show acaba de terminar. Segundo um dos nossos que está mais perto, está se despedindo de seu amigo. - A informação de Eva me faz sorrir relaxado. Solto um suspiro e olho para Liam, que sorri achando graça. 
- Como foi o show de hoje? 
- Senhor? - Pego Kylie de surpresa. Então repito minha pergunta. 
- Como foi o show? Algo de diferente? 
- Sim, senhor. Ela chorou cantando uma das músicas, ao que tudo indica, uma música nova. - Franzo as sobrancelhas. 
- Sabe o nome dessa música nova? - Kylie responde negativo e não me contento com isso. - Preciso que consiga o nome e a letra da música, agora. 
- Sim senhor. - Respiro fundo e apenas desligo. 

  Preciso saber o porque de Eva chorar em pleno palco e  se tiver algo a ver com Niall, juro que o mato. Mas e se tiver algo a ver comigo? Droga, essa distância está me matando. 
  Lembro da fotos que recebi assim que fingi minha morte e simplesmente fui embora, várias semanas de Eva chorando, ou sozinha na boate. Sei que sente algo por mim, tem que sentir. Eu preciso que sinta. 
  Na verdade, acho que preciso que ainda sinta algo por mim. Depois de todo este maldito tempo, se Eva tiver desistido de mim, de nós, como realmente faz parecer, não saberei o que fazer. 
  Assim que o voo começa, recebo a letra da música e sinto-me um impotente diante do que leio. Jogo o celular na mesinha a minha frente, e peço um uísque a aeromoça que está encarando Liam sem parar de se jogar em cima dele, preciso me acalmar. 

- Já estamos quase chegando, cara. Precisa se acalmar ou vai surtar antes de encontrá-la. - Murmura ao meu lado, observando meus punhos cerrados, relaxo as mãos. Reviro os olhos e minha cara fechada ao encará-lo já lhe dá a resposta de que não quero papo agora. Fique na sua, Payne. 

  Encosto a cabeça sobre a poltrona do avião e quando o uísque finalmente chega, bebo tudo em dois goles. Rezando para que Eva me perdoe, para que ainda me ama, principalmente, para que não ame Niall como faz transparecer. Estou disposto a mudar por ela, apenas por ela. Acho que já mudei. Este é o problema. 
  Com toda sua birra, sua marra e sua falta de educação, Eva me mudou sem nem mesmo se esforçar para tal. Se ela não me der essa chance, não sei o que será de mim. Não vou aguentar vê-la com ele ou com qualquer outro homem. 
  Solto um suspiro bem ruidoso e exasperado que faz Liam revirar os olhos agora. Ele solta uma risada e levanta de sua poltrona depois de me dar uma piscada de olhos, chama a aeromoça com os dedos e com um sorrisinho envergonhado, ela o acompanha até o banheiro da aeronave. Ótimo, agora todo mundo trepa, menos eu. 

- Ah, Eva, o que fez comigo? - Sussurro fechando os olhos, tentando relaxar. 


Eva Thramell

Boate dos Malik, 3 horas da madrugada. 

  Finalmente o show termina, e depois de ter que despensa vários clientes que insistem em dar cantadas e pedir para aceitar suas ofertas de programas, me encaminho para o bar, onde fico conversando com Phill que está morto de cansado assim como eu. Porém, a boate só fecha lá pelas 6 da manhã e somos obrigados a ficar aqui até as 5 horas, ou seja, temos muito o que aguentar. 
  Phill me recebe com um sorriso assim que me vê sentando no banco de couro, apenas vira de costas e serve os dois drinks que havia pedido, colocando os copos à minha frente no balcão. 

- Bem lembrado! - Pego um dos drinks e bebo rapidamente. - Então, recebeu tantas cantadas quanto eu? 

Pode paracer estranho, mas Phill recebe mais cantadas que eu, e posso comprovar lembrando a quantidade de clientes que ele tinha no passado. 

- Infelizmente não tanto. - Abre um sorriso malicioso e se aproxima um pouco para falar em meu ouvido. - Mas o cara logo ao seu lado direito, me chamou para um programa pouco antes da última música. - Se afasta e morde o lábio inferior enquanto espera que eu olho de canto de olho para o rapaz. 

  O cara é baixinho, musculoso, cheio de tatuagens, piercing na boca e no nariz, loiro, está bem vestido em seu jeans escuro e camisa preta aberta, mostrando todo o peitoral. Abro um sorriso malicioso para Phill assim que acabo de analisar. 

- Se você não for com ele hoje, não vai nunca mais em? - Phill responde apenas arqueando uma das sobrancelhas com um belo sorrisinho no rosto. Já entendi que aceitou minha provocação e pretende fazer exatamente isto. 

  As horas que faltavam passam rapidamente, enquanto seguro vela para Phill que não para de dar em cima do carinha e bebo, bebo bastante. 
  Finalmente chega meu horário e já estou pegando meu caminho para a saída da boate. Pego meu celular no bolso de minha jaqueta assim que chego na rua, depois de dar um selinho de despedida em Phill e praticamente ordenar que tenha juízo. 
  Assim que desbloqueio o aparelho, vejo que não tenho nem uma ligação de Niall, disse que avisava quando fosse para casa. Reviro os olhos e digito seu nome na procura da lista de contatos, ligando para o mesmo. Chama, chama, chama, chama, nada dele atender.
 Então como meus pés estão me matando, chamo um carro no aplicativo mesmo e assim que vejo o aparelho aparecer, dou sinal e entro, cumprimento a motorista, que graças a Deus é mulher, e seguimos trajeto caladas. 
  Quando chego no nosso apartamento só quero me jogar na cama, mas ainda tenho forças para tomar um banho rápido e após vestir apenas uma calcinha e uma blusa larga de Niall, faço o que queria dês de cedo, me jogo na cama gigante e praticamente desmaio de sono. 


Harry Styles

Londres, 5 da manhã, aeroporto. 

Chego depois de um voo bem conturbado, na verdade não o voo e sim minha mente. Liam me deixa com o motorista no carro principal que me aguarda assim que desço do jatinho, na pista, e sai de mãos dadas com a aeromoça para continuarem algo que já começaram. 
  Apenas me lembra da reunião que teremos à tarde e me manda descansar, mas quando falo meus planos rapidamente, apenas aperta minha mão e me deseja boa sorte aos risos. Assim que entro no carro dou ordens para irmos rápido para o local que tenho em mente. 
  Durante o trajeto pelas ruas de minha cidade, apenas respiro fundo e saco meu celular do bolso, olhando a foto de Eva que tenho no mesmo. 

- Ah, Eva. O que farei com você? - Sussurro baixinho. 

  Depois de algum tempo o carro para e saio de meus pensamentos assim como saio do veículo. Dou ordens para o motorista me esperar na rua mesmo, e após dar um bolo de dinheiro ao porteiro, finalmente consigo o número do apartamento que desejo, pego meu caminho para o elevador e digito o número da cobertura, esperando impaciente enquanto ele sobe. 
Parece uma eternidade até que as portas se abrem e vejo a porta do apartamento à minha frente, finalmente. 

Eva Thramell 

Apenas 1 hora depois:

  Acordo assustada, pulo na cama pelo susto e me sento rapidamente, passando as mãos em meu rosto, estou toda suada, tremendo e com falta de ar, após mais um pesadelo envolvemdo meu pai e Harry. Neste, Harry me segurava pela cintura e tampava minha boca enquanto meu pai me estuprava, não sei o que isso pode significar, nem quero saber. Já é o suficiente para me deixar assim. 
  Levanto da cama e ando trêmula até a sala, com a casa mergulhada na penumbra, assim que entro no cômodo que tem a melhor iluminação pelos janelas de vidro, olho para o relógio brilhando ao lado da Tv, vejo que dormi apenas 1 hora, são 6:00 da manhã agora e o céu cinzento me faz paralisar por um momento, ali no meio da sala, com um calafrio percorrendo minha espinha. 
  Estou com uma sensação estranha, me sinto quente, me falta o ar, porém meus pés estão congelando, caminho até a varanda, abrindo uma das porta de vidro e saindo para sentir o ar frio da manhã Londrina. 
  Me abraço pelo frio e apenas fico olhando a vida seguindo lá embaixo, longe de tudo e de todos, apenas observando. As pessoas saindo de casa para o trabalho, os carros seguindo seu caminho em direção ao centro da cidade, as buzinas soando como nunca, os casais se despedindo para seguirem suas vidas. Porém, o céu é o que mais prende minha atenção, sempre. É esplendoroso. 
  Estou me sentindo estranha, como se estivesse febril, então apoio uma das mãos em minha testa, tentando perceber minha temperatura, mas um barulho vindo da sala me faz dar um pulo e me segurar no parapeito da janela. Deus, o que foi isso. 
  Só o fato de estar aqui sozinha, já me deixa apreensiva o suficiente, ainda mais quando o barulho volta a ressoar pela madeira da porta, são batidas e permanecendo congelada com os olhos arregalados pelo susto, me sinto uma idiota. Então abro um sorriso nervoso, percebendo que só pode ser Niall que esqueceu a chave de novo. Típico dele. 
  Caminho lentamente, não tenho a menor pressa, enquanto escuto as batidas se repetirem, ao menos não são batidas fortes e urgentes. Estou apenas de lingerie, mas não me importo, quando finalmente coloco a mão na maçaneta fria e giro, outro arrepio me percorre, então apenas abro a porta. 
  
- Sentiu saudades de mim, docinho

Puta que pariu ! 

 

 


Notas Finais


Link do vídeo: https://youtu.be/V_x2lbjNrUs

Bem, espero que tenham gostado, sintam-se à vontade para comentar o que acharam e desculpem qualquer erro de português, pontuações e etc, ou até mesmo a formação do texto, estou postando pelo celular e não fica a mesma coisa, na verdade é bem complicado. Obrigada novamente ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...