História Little plane - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Baekhyun!bottom, Baekyeol, Blowjob, Boyxboy, Chanbaek, Chanyeol!top, Lemon, Public Sex, Pwp, Semi Pwp, Smut
Visualizações 320
Palavras 2.050
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


espero que vocês gostem da baekyeol que fiz com muito amor e semi-putaria

boa leitura

Capítulo 1 - C.P - Relax, Boy.


Os vôos transatlânticos foram uma bênção e uma maldição. Significava doze horas preciosas, sentados em uma lata, que se moviam no céu com os tornozelos inchados, pele seca e banheiros horríveis. Mas também foram doze horas para acompanhar o trabalho ininterrupto por telefonemas e horários de última hora, ou doze horas para dormir, ou doze horas para brincar e se refrescar.

Enquanto esperam para passar pela segurança, Baekhyun descansa a testa no pescoço de Chanyeol, respirando o perfume almiscarado e floral da colônia. 

Eles estão sentados próximos do portão quando o gerente sai com o agendamento aberto e lembra a todos sobre os horários nos próximos dias após a chegada. 

— Temos essas duas fileiras aqui. — diz o gerente, apontando para os assentos da classe executiva quando finalmente embarcam no avião.

Seus assentos estão todas no lado esquerdo do avião, duas por fila. Por pura sorte, Baekhyun acaba com o assento da janela, ao lado de Jongin e em frente a Chanyeol. Eles estão se programando para que cada assento tenha acesso ao corredor, o que significa que Baekhyun não terá que passar por cima das pernas de Jongin enquanto ele estiver dormindo.

Baek se acomoda em seu lugar e bebe seu champanhe antes da partida, perguntando-se qual item em sua lista de tarefas intermináveis ​​ele deveria passar no vôo. Depois de alguns minutos, Jongin desliza pela divisória que os separa, o olhar em seu rosto é insolente.

— Yah, você viu o que o Yixing acabou de postar no grupo?

— Eu já desliguei meu telefone —murmura Byun. Ele esfrega a testa, sentindo o começo de uma dor de cabeça. 

— Você quer ver?

— Não, realmente não quero. 

Jongin faz beicinho, mas olha para o rosto de Baek com cuidado antes de encolher os ombros e mexer na divisória. — OK. Eu vou manter isso fechado.

Baek termina seu champanhe e tira seu roteiro do filme acompanhado de seu lápis porque ainda há linhas mais do que suficientes para ele praticar, e ele não quer parecer um idiota. De qualquer forma, ainda é de manhã na Coréia, o que significa que ele precisa ficar acordado por mais algumas horas antes de pensar em dormir. Mas ler e memorizar as falas está indo devagar - Baek acha que leu a mesma página cerca de quinze vezes e ainda não consegue se lembrar de nada.

Ele trabalha em sua refeição a bordo, comendo com uma mão e virando as páginas com a outra, e acende a luz de leitura quando a iluminação do avião é reduzida. Ele acha que talvez alguma música tranquila o ajude a se concentrar, com o benefício adicional de bloquear o coro de ronco ao redor dele, então ele escolhe uma lista de reprodução do monitor na frente e coloca os fones de ouvido.

Ele nem tem certeza de que muito tempo se passou quando Chanyeol embaralha pela abertura estreita até onde estava.

— Oi — Baek diz, a voz grossa de desuso.

Baek não está reclinado em seu assento, e Chanyeol se dobra de forma deselegante e se senta no chão na frente dele.

— O que está acontecendo? —Baek sussurra, marcando seu lugar no roteiro antes de fechar e colocar de volta em sua bolsa.

— Vi que você ainda estava acordado, então eu queria ver se você estava bem — a voz de Chanyeol é ainda mais suave do que a de Baekhyun: — Você parecia estressado mais cedo.

Merda. 

— Eu sinto muito, eu só -

— Eu sei, você tem um monte de coisas pra fazer agora.

As mãos de Chanyeol descansam nos joelhos de Baek, e ele solta um suspiro que nem sabia que continga. Ele odeia dizer isso porque sabe o quão sortudo e ele é por ter tudo o que faz, mas está estressado. Às vezes, com o quão ocupados eles estão, ele pode até esquecer quanta pressão está sofrendo. Mas depois há os tempos de silêncio, como esses vôos de longa distância e o fardo cai sobre os ombros dele.

— Você está bem, Byun?— Chanyeol olha para ele pensativo.

— Sim, eu estou bem. — Baek se move para frente em seu assento, então ele está um pouco mais perto, então é mais fácil para ele embalar o rosto de Chanyeol entre as palmas das mãos. Ao lado deles, ele pode ouvir Jongin roncando alto. 

Ele recebe uma sacudida de cabeça em resposta, e então Chanyeol está segurando o pulso de Baek, guiando sua mão para perto de sua boca para que ele possa envolver seus lábios ao redor do polegar do Byun. É preciso todo o seu poder cerebral para não soltar um gemido ao ver os lábios de Chanyeol em volta do dedo, a sensação de sua língua deslizando sobre a pele.

— O que você está fazendo? — Baek tira o dedo da boca de Chanyeol para que ele possa obter uma resposta adequada à sua pergunta.

Um pequeno arrepio percorre Chanyeol antes de ele sussurrar, quase inaudível: — Eu sei que você não está bem. Deixe-me ajudá-lo a relaxar um pouco.

Chanyeol se vira e aperta um beijo na palma da mão de Baekhyun. Está claro o que Chanyeol quer dizer, ajudando-o a relaxar. Mas aqui? Agora? A pele de suas bochechas fica flamejante enquanto pensa sobre o que ele quer dizer. Os dedos em sua coxa se apertam com mais força e vagam um pouco mais alto. Porra.

Embora ele estivesse dormindo, Jongin estava bem ao lado deles, apenas uma tela fina de distância. E, claro, estar no pod de janela significava que eles tinham muita privacidade, mas qualquer pessoa que passasse por perto ainda seria capaz de ver por cima das paredes e saber exatamente o que estava acontecendo.

— Nós não devemos. — Baek sussurra, seu coração pulando uma batida quando alguém na cabine tosse, — Esta não é uma boa ideia, Yeol.

Chanyeol levanta uma sobrancelha e deixa o dedo de Baek deslizar da boca dele. Ele move as mãos para cima, para segurar o comprimento meio duro do mesmo através do seu jeans preto. Que porra é essa? Ele nem percebeu que tinha ficado duro. — Você realmente acha que é uma má ideia?

Alternando entre toques fortes e provocantes, Chanyeol olha para Baekhyun com um olhar tímido no rosto, os cílios tremulando. Seu cabelo é macio e suave quando Byun passa os dedos por ele, seus lábios cheios e bonitos. É definitivamente uma má ideia, e não há como qualquer um deles negar isso, as mãos de Chanyeol são insistentes, trazendo Baek para a dureza total, e ele pode sentir-se derretendo na cadeira, sua respiração se tornando difícil. É uma má ideia - talvez a pior ideia - mas foda-se.

Chanyeol apenas puxa as calças e boxers de Baekhyun para baixo o suficiente para libertar seu pênis, claramente mordendo um gemido quando ele sai livre. Já existe uma pequena gota de pré-gozo na ponta, e Chanyeol a passa com o polegar para espalhá-la pela cabeça do pau de Baekhyun. Chanyeol solta um pequeno suspiro de entusiasmo quando se inclina para frente para pegar a cabeça entre os lábios. Baek tem que morder o lábio inferior para não gemer quando Chanyeol lambe a cabeça em círculos, olhando para ele com os olhos arregalados e os cabelos bagunçados. Ele está em choque que eles estão fazendo isso, mas a emoção é mais forte do que o medo.

Chanyeol puxa de volta para que ele possa cuspir no pau de Baek, espalhando-o com a mão e sacudindo por alguns momentos antes de envolvê-lo em sua boca novamente.

— Hey Byun — Jongin de repente sussurra na escuridão. Baek sente como se seu coração voasse para fora de sua garganta e seu estômago fosse para os dedos dos pés. Ele tenta empurrar Chanyeol, mas não está tendo nada, simplesmente pegando o cobertor e jogando-o sobre a cabeça como se isso fosse ajudar em alguma coisa. — Baek! Você está acordado?

Eles ficam em silêncio, e as palmas das mãos de Baekhyun estão escorregadias de suor nervoso, mas se alguma coisa seu pau é ainda mais difícil. Seu pré-gozo inundou a boca de Chanyeol, que engole o pau de Baek para beber. Olhos rolaram e o mesmo agarra um punhado de cabelo Chanyeol para tentar se aterrar.

Ele faz a única coisa em que consegue pensar - fecha os olhos e finge estar dormindo. A parede é alta o suficiente para que ele não consiga ver o colo de Baekhyun a menos que ele se incline. Parece que o tempo congela, e Baekhyun pode sentir o batimento cardíaco em seus ouvidos.

Seu pênis ainda está na parte de garganta de Chanyeol, que balança a língua contra a parte de baixo e pega um puxão no cabelo em resposta. Porra, Jongin provavelmente está olhando para o rosto dele agora.

Depois de mais alguns segundos, ele consegue ouvir a partição sendo levantada novamente e Jongin muda de alvo. — Jongdae, você está acordado?

— Não.

Chanyeol puxa o cobertor de cima de sua cabeça e começa tudo novamente, tomando todo o comprimento de seu pênis para que seu nariz toque o cabelo rijo na base antes de deslizar de volta para cima. Mais e mais, está tão quente e úmido, e a língua de Chanyeol está desenhando formas enquanto balbucia.

Sabendo que eles poderiam ser pegos a qualquer segundo Baekhyun ficou tão excitado que ele está praticamente tonto. É melhor do que qualquer boquete que ele já teve, e talvez mais tarde eles tenham que discutir o quanto ele realmente gostou disso. 

Chanyeol parece igualmente afetado - ele puxa o pau de Baekhyun para respirar fundo, masturbando seu próprio pau. Está escuro na cabine do avião, mas Baek pode ver a cor vermelha escura e a umidade brilhante na ponta. Chanyeol se segura, mãos para cima e para baixo em seu eixo. Mas os sons molhados e rítmicos são praticamente inconfundíveis, e Baek reza para que o ruído no ambiente do avião o cubra bem o suficiente.

Foda-se, as bocas de Chanyeol, os olhos se fechando enquanto Byun arrasta a ponta do seu pênis contra a bochecha de Chanyeol, deixando uma trilha molhada para trás. Ele estremece ao se aproximar silenciosamente do punho, boquiaberto.

É praticamente a coisa mais gostosa que ele já viu, e precisa apertar a base do seu pau para não vir também. Baekhyun puxa a mão de Chanyeol para a boca, limpando o gozo com a língua.

Achatando a língua para poder pegar o Byun mais confortavelmente, Chanyeol engole de uma só vez. Com cílios trêmulos e olhos marejando, ele pisca para Baek, que embala o rosto de Chanyeol em suas mãos. É praticamente inaudível, mas Baekhyun sabe que Chanyeol pode ler seus lábios de qualquer maneira. Ele diz como ele é bonito, o quão incrível sua boca é, o quão perto de gozar novamente ele está.

Chanyeol coloca as mãos de Baek em sua cabeça e puxa seus quadris até que Baekhyun a pegue e comece a penetrar em sua boca, a cabeça de seu pênis na garganta de Chanyeol a cada estocada.

— Você gosta disso?— Baekhyun sussurra e Chanyeol assente, finalmente escorregando pelo seu rosto. — Porra. Eu vou gozar.

Ele bate duas, três, quatro vezes até que ele se solte na garganta de Chanyeol, as bolas esticadas e coxas tremendo. Sua respiração está mais próxima de suspiros do que de respirar regularmente, e Chanyeol pula um pouco nos últimos poucos jatos de gozo. Ele surge para beijar Baekhyun, os lábios vermelhos e inchados e a boca molhada. Eles se beijam desesperadamente, o gosto do seu esperma persistente no ósculo.

Chanyeol gentilmente coloca Baek de volta em suas calças e dá beijos apaixonados ao longo do pescoço e a clavícula. Ele respira fundo com o nariz pressionado na dobra do pescoço de Baek, os dedos apertando a cintura.

— Bem — murmura Chanyeol, — eu não sei você, mas eu me sinto melhor. 

Baek bufa, acariciando a cabeça de Chanyeol. — Eu também, bebê. Obrigado.

Não é muito confortável compartilhar o assento com os dois. Com o assento totalmente reclinado, Chanyeol deita e deixa Baek se enrolar em cima dele, descansando a cabeça no peito de Chanyeol, colocando o cobertor sobre os dois e abraçando-os. É como se houvesse pequenos pesos nas pálpebras de Baekhyun, puxando-os para se fechar, seu corpo formigando enquanto ele paira na barreira entre o sono e a consciência.

Pode ser mais responsável trabalhar, mas Baekhyun não pode deixar de dormir profundamente pelo resto do vôo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...