História Little Things - Dylan O'Brien - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Arden Cho, Cameron Dallas, Crystal Reed, Dylan O'Brien, Holland Roden, Magcon, Teen Wolf, Tyler Posey
Personagens Arden Cho, Cameron Dallas, Crystal Reed, Dylan O'Brien, Hayes Grier, Holland Roden, Personagens Originais, Tyler Posey
Tags Aspen Mansfield, Cameron Dallas, Comedia, Dylan O'brien, Magcon, Teen Wolf
Visualizações 38
Palavras 2.455
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, LGBT, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Violência
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oioi 🎈

Capítulo 20 - De coração, me desculpem!


Fanfic / Fanfiction Little Things - Dylan O'Brien - Capítulo 20 - De coração, me desculpem!

Dylan O'Brien.


Passou-se alguns dias, faltava pouco tempo para o meu aniversário de 18 anos. E por incrível que pareça, Alana faz em um dia e eu no outro… na sequência! Quando éramos crianças, ela ficava ansiosa por nós dois quando o nosso mês entrava. Bons tempos!

Bom, já que estou falando dela… vou resumir o que aconteceu nos últimos dias. Alana quase não apareceu no colégio, corre o risco dela ficar na recuperação e possivelmente, não se formar. Crystal tenta se aproximar dela as vezes, mas não deu muito certo! Tyler não fala comigo desde aquele dia no refeitório e Holland… bom, ela ainda tá superando o dia do corredor! Eu queria poder ajudá-la a superar logo isso, mas eu tenho medo de piorar a situação.

{…}

Era quase 11pm. Como de costume, fico sentado no telhado ao lado da janela do meu quarto observando as estrelas brilhando lá no alto. Parece gay, mas ter um momento em que eu posso esquecer de tudo e todos… é uma sensação incrível!

Hey… – ouço uma voz familiar e me estico para ver quem era.

Alana? O que faz aqui? – pergunto olhando ela.

– Hã… podemos conversar um pouco?

– Se for pra me humilhar mais uma vez, te aconselho a dar meia volta e ir embora! – encosto na parede.

– É sobre isso que eu quero falar…

Não falei nada, apenas observei ela subindo na árvore até chegar no telhado da minha casa. Caminhou até mim e se sentou ao meu lado.

– Tô ouvindo! – olho ela.

– Sinto muito por… aquele dia no refeitório. Eu estava tão confusa por causa das mensagens anônimas, por causa da Crystal, do Tyler… eu cometi tantos erros nesses últimos anos!

– Sei disso.

– Dylan… – ela me olha. – Eu… eu lembro de tudo que a gente viveu no passado! De quando andávamos de bicicleta juntos, brincávamos juntos na rua, de quando você dormia na minha casa… de tudo!

Até do nosso primeiro beijo?

– Sim… – ela sorriu fraco. – De tudo! Quando meus pais se separaram, eu fiquei sem rumo na minha vida. Minha mãe já estava com outro cara, meu pai viciou em drogas… tudo aconteceu rápido demais! Depois disso, foi tudo diferente… eu me tornei o oposto da filha perfeita que eles queriam!

– Por que você me tratou como se eu fosse um qualquer no primeiro dia?

– Eu não sei… talvez eu queria esquecer tudo do meu passado. Principalmente, o meu primeiro beijo! – fico calado e ela continua. – Eu queria apagar as minhas melhores lembranças por causa de uma coisa que aconteceu comigo! Eu estava sozinha, Dylan. Minha mãe se importou mais comigo, era… é como se eu fosse a Cinderela e ela a madrasta malvada! – risos.

– Vai usar a Disney como exemplo? – gargalho.

– Não é atoa que eu sou a Cinderela.

Olho ela por alguns instantes e viro o rosto suspirando.

– Eu tenho tantas perguntas pra te fazer, Alana… 

– Fica a vontade, vou responder todas. – encostou a cabeça na parede.

– Você se lembra de tudo mesmo?

– Lembro das mensagens, do nosso primeiro beijo, você indo lá em casa como meu namorado de mentira, eu e você cantando depois do tiroteio, lembro da gente se despedindo quando você se mudou para Hollywood…

– Espera, volta!

– Lembro da gente se despedindo quando você se mudou para Hollywood.

– Antes disso!

Eu e você cantando depois do tiroteio… – nos olhamos ao mesmo tempo. – Eu disse "I'm not in love with you" ao invés de "I'm in love with you", depois disso eu desmaiei e fiquei entre a vida e a morte na cirurgia.

– Lembra de quando você disse no seu quarto que achava que me amava?

– Sim, lembro.

Você me ama ou falou aquilo da boca pra fora?

– Eu sempre te amei, Dylan! Eu disse a você que ia te esperar voltar de Hollywood para ficarmos juntos, depois que os anos se passaram… eu perdi a esperança! – os olhos dela começaram a marejar. – Eu não aguentava mais esperar, a gente perdeu o contato e eu resolvi seguir em frente.

– Eu pensei isso de você também, então resolvi começar a namorar.

Ficamos um tempinho em silêncio olhando para as estrelas.

– Dylan…

– Fala.

Eu te amo.

Olho ela. – Como posso ter a certeza de que você não está falando isso da boca pra fora?

– Eu vou embora para Nova York amanhã à noite e queria que você soubesse disso antes de eu ir embora. – ela me olha. – Dessa vez, acho que nunca mais vamos nos ver!

– Nunca diga nunca. – sorrio fraco.

Ela pegou a minha mão e estrelaçou nossos dedos.

– Antes de eu ir, quero acertar tudo de ruim que eu fiz naquele colégio e eu vou fazer isso amanhã.

– Sobre o dia da marca de batom na camiseta, eu e a Crystal nunca ficamos juntos. Nós somos como irmãos e ela ama você e o Tyler, ela nunca trairia vocês! E a marca de batom foi um acidente.


Flashback

– Hey Dilly! – Crystal veio até mim e me abraçou. – Como vai? Hoje não te vimos no colégio.

– Eu tive que sair mais cedo por causa do encontro de fãs e o Q&A do filme, foi uma correria do caralho. – dou uma risada.

– Eita, marquei sem querer a sua camiseta! – ela passou o dedo no local marcado pelo batom.

– Não tem problema, depois eu tiro.

– Quantas vezes eu vou ter que te lembrar que você tem que abaixar para me cumprimentar?

– Desculpe Crystal gigante. – gargalho.

– Dê um soco na sua cara linda antes que eu dê, Dylan O'Brien!

– Quanta agressividade.

– Olha a hora! – olhou no celular. – Nos vemos depois, Alana deve estar me esperando no Starbucks. Beijinho! – ela mandou um beijinho e saiu andando.

Flashback


– Foi isso que aconteceu, nós não ficamos. – digo.

– Sinto muito por ter terminado com você de um jeito bem dramático e humilhante.

– Tá desculpada.

– Certo, agora a minha pergunta! De onde você tirou aquelas cantadas nas mensagens? – Alana gargalhou.

– Tenho tudo memorizado. –sorrio.

– Claro, acredito em você.

– Isso foi o seu sarcasmo?

– Sim, foi.

– Qual é? – gargalho.

– Então… – ela soltou a minha mão e levantou. – Acho que já vou indo…

– Nos vemos amanhã no colégio?

– Claro. – ela sorriu e saiu andando pelas telhas.

– Alana… – a chama e ela olha pra trás. – Também te amo!

Ela sorriu e continuou andando, desceu pela árvore e quando chegou lá embaixo, me olhou.

Hey Dilly… – ela me chama e eu me estico para olhá-la. – Me liga! – fez um sinal de ligação com a mão e mandou uma piscadela.

Dou uma risada e balanço a cabeça. Quando ela saiu do ponto de vista, entrei para o meu quarto e fechei a janela.

*****

Alana Walker.


Depois que falei o que eu estava sentindo para Dylan, voltei pra casa. Entrei pela janela do me quarto para evitar o blá-blá-blá da minha mãe e deitei na cama.

– Espero que você seja feliz, Dylan. – digo em um tom baixo e viro pro lado.

{…}

Eu agora estava à caminho do colégio para o meu último dia em Santa Monica. Caminho até o meu armário para desvaziar e vejo os garotos do time de basquete zoando a Holland por ser bissexual.

– Que foi, Roden? – um do garotos passa a mão na bunda dela. – Não consegue ficar molhadinha comigo ou é só com as garotas? – os garotos em volta começaram a gargalhar.

Holland estava totalmente paralisada e chorando muito na frente deles e mesmo assim, não tiveram piedade. Eles estão abusando dela!

AI OTÁRIO! – grito, chamando a atenção de todos no corredor. – Gosta de passar a mão em todas por aqui? – me aproximo deles. – Por que não experimenta passar a mão nessa loirinha aqui?!

– Fica na sua, por que o assunto não é com você! – o maior de todos respondeu.

– Toca nela mais uma vez e você vai ver!

– Vai fazer o que, Cinderela? – o loiro perguntou entre os risos.

– Experimenta pra ver.

Quando ele ia tocar mais uma vez na Holland, eu simplesmente cheguei e dei um belo soco em seu maxilar, fazendo o mesmo cair no chão.

– Gosta de brincar com o fogo, né? – me abaixo e puxo ele pela gola da camiseta. – Toca em outra garota sem permissão mais uma vez e você vai visitar Jesus bem cedo! Entendeu? Ou eu preciso ser mais específica?

Ele confirmou com a cabeça e eu o soltei. Levanto recebendo vários aplausos da galera que estava no corredor e me aproximo de Holland.

– Mais algum voluntário? – olho os outros garotos e eles simplesmente se afastaram. – Foi o que pensei! Vem Holland, vamos sair daqui. – tiro ela dali.

{…}

Nesse momento, eu estava com a Holland no refeitório. Ela ainda tava paralisada, mal tocou na comida em seu prato.

– Vai ficar tudo bem, tá? – toco o ombro dela. – Eles não vão mexer com você e nem com outra garota!

– Por que fez isso?

– Preciso fazer uma boa ação para ficar com a consciência limpa antes de ir para Nova York.

– Isso não muda o fato de você ter me humilhado na frente de todos!

– Tem razão… – subo na mesa. – AI GALERA! – recebo a atenção de todos mais uma vez.

– Que porra você vai fazer agora?

ESSA GAROTA AQUI… – aponto pra Holland. – É A MINHA AMIGA! ELA É BISSEXUAL IGUAL MUITOS DESSE COLÉGIO, MAS ISSO NÃO TE DAR O DIREITO DE ABUSAR OU ALISAR OUTRA PESSOA SEM PERMISSÃO! ALGUNS SE ASSUMIRAM E OUTROS AINDA ESTÃO NESSA FASE DA AUTOACEITAÇÃO, NÃO DEVERIA TER BULLYING POR CAUSA DE UMA COISA ASSIM! EU TENHO VÁRIOS AMIGOS GAYS, LÉSBICAS, TRANSSEXUAIS, ENFIM… SE VOCÊS PARASSEM COM ESSA HIPOCRISIA DE FICAR ZOANDO OU AGREDINDO A PESSOA DE VÁRIAS FORMAS SÓ POR QUE NÃO QUER SEGUIR O SEU CAMINHO, SERIA TUDO MAIS FÁCIL! SE VOCÊ ZOA ALGUÉM DA COMUNIDADE LGBT, VOCÊ É AUTOMATICAMENTE UM IMBECIL QUE NUNCA CONSEGUIU NADA NA VIDA! BULLYING QUE GERA OUTRO BULLYING SÓ FAZ DE VOCÊ UM BABACA! ENTÃO GUARDE SEUS COMENTÁRIOS PARA VOCÊS MESMOS, NINGUÉM PRECISA SABER A SUA OPINIÃO SOBRE O ASSUNTO. APENAS RESPEITE E SERÁ RESPEITADO TAMBÉM! – digo e recebo vários aplausos.

Desço da mesa e me sento ao lado dela novamente.

Obrigada… – disse ela sem me olhar.

– Desculpe, acho que passou uma mosca por aqui. Poderia repetir o que você disse?

– Eu disse… – ela me olha. – Obrigada!

– De nada. – sorrio. – Sem rivalidade?

– Ah, qual é? Eu ainda quero tacar fogo em você e depois te derrubar do penhasco!

– Entendi.

– Obrigada, Cinderela. Cuidado com o sapatinho de cristal!

– Pode deixar, Ariel. – levanto. – E mais uma coisinha… Kira Arden gosta de você, deveria investir mais nela!

– Como você sabe?

Ela sorriu quando eu disse que você é bissexual… – dou alguns tapinhas no ombro dela e saio andando.

Ando à procura de mais uma pessoa que eu deveria ter me aproximado a muito tempo!

Hey… – encosto no armário, ao lado de Crystal.

Ela me olhou por alguns instantes antes de me responder.

– Hey… – respondeu ela, em um tom frustrada.

– Hã… essa roupa ficou bem em você.

– Obrigada.

Dou uma leve mordida no lábio inferior e olho ela.

– Eu estava arrumando meu quarto por causa da mudança e… – coloco a mão no bolso da minha saia e retiro uma foto nossa no baile de formatura do ensino fundamental. – Eu não vou terminar os estudos aqui, então… – entrego a ela. – Quero que fique com você!

Nós estávamos sorridentes nesse dia, não tínhamos par para o baile, então nós fomos juntas. Aproveitamos cada segundo daquele baile e esse últimos dois anos passaram voando. Nem da pra acreditar que falta muito pouco para a formatura!

Ela pegou a foto e ficou observando cada detalhe.

– Você estava linda nesse dia. – digo.

– Você também!

– Então… – suspiro e coloco as mãos no bolso.

– Você vai pra onde? – ela me olha.

– Vou morar com o meu pai a partir de amanhã! – meus olhos começaram a marejar. – Vou embarcar para Nova York e… vou terminar os estudos lá!

Vou sentir sua falta!

– Também vou sentir a sua falta!

– Essa é a parte que a gente se abraça! – ela deu uma risada e abriu os braços. Não pensei duas vezes e a abracei fortemente.

Apenas um abraço consegue falar por si só o que eu estava sentindo naquele momento. Um pedido de desculpas nesse momento, seria inútil!

– Se a gente perder contato, eu vou te procurar em Nova York e vou arrancar seu precioso cabelo loiro!

– Okay… – dou uma risada.

{…}

Olho Tyler do outro lado do campus. Ele estava tão concentrado no celular que nem me viu chegando!

Tyler… – digo e ele levanta o olhar. – Podemos conversar?

– Sobre?

Tudo! Dylan, Crystal, nós dois… absolutamente tudo!

– Você disse que eles são traidores e merecem ficar juntos!

– Eu me enganei, okay? Dylan é o seu melhor amigo desde sempre, Crystal é a sua namorada e ela te ama mais que tudo! Eles são como irmãos e eles nunca trairiam a gente, ainda mais pra deixar uma evidência a mostra.

– E a marca de batom?

– Foi um acidente. Eles foram se cumprimentar e ela marcou a camiseta dele sem querer! Eu realmente sinto muito por tudo isso que passamos nessas últimas semanas, você gosta da Crystal e eu gosto do Dylan!

– E o que pretende fazer?

– Eu já fiz a minha parte e eu queria que você voltasse a falar com o Dylan, como antes!

– Não sei se vai ser possível.

– Você é muito importante pra ele, vocês são como irmãos! – ele ficou calado e eu continuei. – Eu vou para Nova York hoje à noite, vou terminar os estudos lá e eu queria muito ir embora com vocês reunidos novamente!

– Tudo bem, vou falar com eles.

– Obrigada! – sorrio e saio andando. – E mais uma coisa… – me viro para olhá-lo. – Você é o meu irmão!

– E você é a minha irmã.

Sorrio mais uma vez e continuo andando. Eu me sinto feliz por fazer essa mudança, me sinto muito bem! A tristeza se foi…

{…}

O último sinal tocou. Arrumei as minhas coisas e saí do colégio, Crystal me ofereceu uma carona, mas eu tinha que passar no mercado para comprar algumas coisas para a viagem/mudança. Faltava poucos quarteirões para eu chegar em casa, mas eu estava tendo a sensação de estar sendo seguida desde o mercado! Olho pra trás algumas vezes e vejo a mesma pessoa usando um capuz preto. Droga! A cada passo que eu dava, a pessoa parecia que estava cada vez mais próxima de mim. Entro no primeiro beco que vejo e me escondo atrás de uma das caçambas de lixo.

– Meu Deus! – digo pra mim mesma.

Olha só o que a maré nos trouxe! – a pessoa do capuz para na minha frente e revela a sua verdadeira identidade abaixando o capuz.

– Quem é você? – ergo uma sobrancelha. A pessoa (não vou dizer quem é ainda kkk) ergueu um pedaço de madeira pra mim e sorriu.

Eu sou o seu pior pesadelo, gatinha.

– Vai pro inferno, vadia psicopata!

Ela mirou o pedaço da madeira em mim e sem exitar, me acertou com aquele troço! Depois que a minha cabeça encostou no chão, eu não lembro de mais nada.


Notas Finais


Você perdoaria a Alana? Quem vocês acham que apagou ela?
Responda aí nos comentários ❤
Boa madru 😴


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...