História Live And Let Die - Capítulo 71


Escrita por:

Postado
Categorias Guns N' Roses
Personagens Axl Rose, Dizzy Reed, Duff Mckagan, Izzy Stradlin, Slash, Steven Adler
Tags Alan, Amber, Axl, Duff, Emma, Izzy, Naomi, Slash, Steven
Visualizações 87
Palavras 2.429
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Esse capítulo me deixa bem triste </3

Capítulo 71 - It's been a long day


Fanfic / Fanfiction Live And Let Die - Capítulo 71 - It's been a long day

  — O quê? — Ele perguntou surpreso. — De quem?

Axl não esperava, ele apenas sentiu uma dor em seu lábio causado pelo soco que Amber deu, justamente no mesmo lugar que Vince deu um soco nele, isso fez seu lábio sangrar novamente.

— Porra! — Reclamou colocando a mão no lugar do machucado e sentiu o gosto do sangue.

— Isso é pra você parar de ser idiota! — Ela falou revirando os olhos. — Desde que começamos a ficar, eu não transei com mais ninguém, imbecil!

— Tá. Era só uma brincadeira. — Ele falou colocando o gelo no lábio novamente. — Não precisava me agredir.

— Desculpa, eu to nervosa. — Ela falou suspirando.

— Você tem certeza?

— Não. — Ela o encarou. — Depois que você saiu hoje mais cedo, eu olhei a data e percebi que to atrasa uma semana e eu nunca atraso.

— Fez teste?

— Eu não confio nesses testes. Depois que vi o atraso, fiz uma consulta e o resultado sai às 10 horas da manhã.

— Posso ir com você?

— Vou precisar de alguém comigo pra ouvir a verdade.

— Vem cá. — Ele disse a puxando para deitar em seu peito. — Aconteça o que acontecer, eu vou estar ao seu lado. — Falou dando um beijo no topo de sua cabeça.

— Eu estou com medo. — Ela falou enquanto ele acariciava sua cabeça.

— Eu também.

[...]

8:30 da manhã na Hell House...

— Por que você quer todo mundo aqui? — Steven perguntou revirando os olhos.

Estavam Steven, Duff e Slash sentados no sofá e Naomi encarando eles.

— Não estão todos aqui ainda. — Slash falou.

— Eles já sabem. Nós vamos as compras! — Ela falou animada.

— Eba! — Steven falou animado.

— Vocês não. — Naomi falou e Steven desanimou. — Vocês vão pintar o quarto do bebê.

— Ah não, eu não quero. — Steven ficou emburrado. — Por favor! Me deixa ir com vocês!

— Eu já decidi! 

— Eu não sei pintar nada, coloca outra pessoa! 

— Como você é chorão, Steven! — Naomi revirou os olhos. — Tudo bem. Você vem com a gente, Duff e Slash pinta o quarto.

— Legal! — Steven comemorou.

Izzy entrou na casa e todos o encarou, ele estava com o nariz roxo. 

— Nossa, ficou feio isso aí, hein. — Duff falou rindo.

— Não enche! — Ele falou de mal humor.

— O que aconteceu? — Naomi perguntou surpresa.

— Eu fico uma festa sem ir e arrebentam sua cara, Izzy? — Slash perguntou rindo dele. 

— Vai se fuder, Slash.

Axl entrou em casa e toda a atenção foi pra ele.

— Caralho... — Steven riu do ruivo.

— Sério, o que aconteceu com vocês dois? — Slash perguntou rindo.

— Pergunte ao Izzy. — Axl falou irritado e subiu as escadas.

— Axl, não esquece que temos compras hoje! — Naomi falou, mas Axl ignorou.

Eles só escutaram a porta ser fechada com força no andar de cima.

— Gente... Mas o quê... — Naomi não terminou, pois Emma entrou na hora.

— Izzy já contou a nova pra vocês? — Ela perguntou com cara de tédio.

— Eu vou lá pra cima. — Ele disse revirando os olhos e subiu.

— Ah eu quero saber! Conta, conta... — Naomi falou animada. 

— Aquele filho da puta tirou a blusa de uma garota a força e o namorado dela deu um soco nele. Axl foi defender e acabou que todos saíram na porrada. — Emma explicou. 

— Era namorada de quem? — Slash perguntou. 

— De quem? — Duff perguntou rindo e encarou Slash. — Vince. Ele e Axl brigaram feio.

— Axl já não ia com a cara do Vince, agora então. — Steven riu.

— Eu não aguento isso. — Naomi falou. — E a Amber? Ela não apanhou também não, não é?

— Não. Axl disse que ela está bem.

— Minha vontade é de voltar lá e socar a cara dele de novo. — Axl falou descendo as escadas.

— Você já está com a cara toda fudida, ainda quer ir lá de novo? — Slash perguntou.

— Ele ainda não teve o que merecia. — O ruivo disse irritado.

— Querem parar com isso? Que tal irmos fazer compras para o mini Slash? Melhor, não é? — Naomi perguntou.

— Vou tomar um banho. — Axl falou com tédio e subiu as escadas novamente.

— Eu vou ver o Izzy.

Emma subiu as escadas, entrou no quarto de Izzy e encontrou o moreno saindo do banheiro com uma toalha enrolada na cintura. Ele se jogou na cama e encarou o teto.

— Pode me xingar. — Ele falou. — Eu sei que ontem você não fez isso porque eu estava muito bêbado.

— Dessa vez, não. — Suspirou e caminhou até ele para se sentar ao seu lado na cama. — Eu vou dar uma de Amber e vou te perdoar.

— Como assim? — Perguntou confuso, franzindo o cenho.

— Eu sei que se o Axl tivesse feito a mesma coisa que você fez, ela teria o perdoado. — Ela falou o encarando e ele continuou em silêncio. — Sabe por quê? — Ele não disse nada, pois não sabia a resposta. — Porque ela o ama. Quem ama perdoa, não é?

Ele sorriu e se sentou na cama para dar um beijo nela. Foi um selinho demorado.

— Desculpa. — Ele falou acariciando o rosto dela. — Eu estava com raiva, acabei exagerando na bebida e fiz merda.

— Não precisa pedir desculpas, eu te perdoo. Não somos perfeitos. — Ela sorriu e ele também. — Agora se veste, temos que ir com a Naomi.

— Ah, sério? — Ele perguntou com tédio e jogou a cabeça no travesseiro.

— Sério. Anda logo! — Ela falou se levantando e pegou na mão dele, o fazendo se levantar.

POV Amber

Eu estava na loja de bebês com o pessoal, estávamos olhando alguns berços e outras coisas que Naomi queria comprar para pôr no quarto. Só de pensar em ter um filho, me dava ânsia. Sério, eu não me vejo sendo mãe. Ok! Talvez no futuro, depois dos 35 eu penso nisso, mas eu só tenho 23 anos. Ter um filho agora ia acabar com tudo.

— Amber, olha isso... — Axl falou e eu me aproximei dele. — É uma mini bateria para crianças. — Ele falava com um sorriso.

Não sei o porquê, mas acho que no fundo Axl até estava gostando dessa ideia de ter um filho. Revirei os olhos e sai de perto dele.

— Ei. — Ele veio atrás de mim e me puxou pelo braço. — O que houve?

— O que houve? — Perguntei sussurrando pra ele. — Eu não sei se você percebeu, mas eu não quero ter um filho!

— Olha, eu também não quero, mas se isso acontecer, temos que aceitar. — Ele falava tranquilo e isso me dava mais raiva.

— Olha só... — Falei apontando para um vídeo que passava na TV. — Olha o que iremos ter que aturar.

O vídeo mostrava como era cuidar de um bebê. Mostrava os pais acordando de madrugada, limpando fralda suja, não tendo tempo pra nada.

— Eu acho que já está na hora da gente ir, não acha? — Ele perguntou.

Acho que ele mudou de ideia em relação a isso.

[...]

Eu e Axl estávamos dentro do consultório, o médico havia saído pra pegar o resultado e eu estava tremendo.

— Pensando bem, algo me diz que ter um filho agora seria um erro. — Axl comentou. — Mas se tiver que ser...

— Não podemos fazer nada. — Completei. — Eu não sei nem segurar uma criança!

— Eu também não. E se eu deixar cair? — Ele perguntou assustado.

— Ou se eu esquecer de alimentar? — Perguntei também assustada. — Meu Deus, seríamos péssimos pais.

— Deus, não deixe que dois seres humanos horríveis tenham filhos! — Axl falou.

O médico entrou e eu e Axl ficamos olhando para ele, esperando a resposta.

— Bom... — Ele olhou o exame e me encarou. — Você não está grávida. 

— ISSO! — Eu e Axl comemoramos.

O médico olhou para nós dois confuso e a gente ficou sem graça, mas a felicidade dentro de mim era tão grande que eu não conseguia esconder.

— Obrigada, Doutor! — Falei. — Agora sim eu posso ficar em paz.

— É, vamos sair daqui que esse lugar cheio de coisas que bebê me dá calafrios. — Axl falou me puxando pra sair.

Nós saímos de lá e começamos a caminhar pela calçada.

— Axl... — Comecei e ele me encarou. — Me diz uma coisa.

— Fala.

— No fundo você queria ter um filho, não é?

Ele ficou um tempo em silêncio enquanto caminhávamos. Parecia que ele queria dizer algo, mas estava com receio.

— Eu não vou mentir pra você. — Ele começou sem me encarar. — Acho que eu sempre quis ter um filho.

Eu sabia! Era estranho o Axl dizer isso, ele é um cafajeste, pega qualquer coisa que tenha um buraco pra ele meter (tá, exagerei), mas o que eu quero dizer é que ele não parece ser o tipo de cara que quer formar uma família.

— Desejei que as coisas dessem certo entre mim e Erin. Eu estava planejando tudo, já estávamos casados, eu ia comprar uma casa, já tinha minha banda, parecia que estava tudo perfeito. É engraçado o modo como tudo acaba rápido, não é? — Perguntou agora me encarando.

— É... — Respondi pensando em nosso relacionamento, pra mim foi a melhor época da minha vida e eu queria muito voltar atrás.

— Bom, eu não sei você, mas eu vou encher a cara e aproveitar que estou solteiro e não tenho filhos pra cuidar. — Ele disse rindo e saiu andando na frente.

Aquilo me deixou um pouco mal. Às vezes eu ficava triste vendo ele assim, todo solto, às vezes eu ligava o foda-se. Eu não sei. Acho que quero o Axl de volta.

[...]

Resolvi ignorar tudo e deixar pra lá. Ignorar meus sentimentos é a melhor coisa tenho a fazer.

Eu estava lindamente em meu apartamento, fumando um cigarro e tomando meu velho whisky e fumando um cigarro. Pra mim meu dia não poderia melhorar. Até que meu telefone começou a tocar.

— Alô? — Falei.

O sorriso que estava em meu rosto sumiu, a felicidade que eu estava sentindo diminuiu por completo, quando ouvi o médico me dizer que precisava conversar comigo em seu consultório. Ele disse que era um assunto sério e que eu precisava ir lá. 

A primeira coisa que veio em minha cabeça, era que ele tinha errado e que eu realmente estava grávida. E se isso fosse verdade? Dessa vez eu estava sozinha. Axl não estava comigo e eu não queria chama-lo novamente. Se caso eu realmente estivesse grávida, eu não ia contar a ninguém, e eu também não iria ter esse bebê. 

POV Off 

[...] 

Mais tarde... 

Todos estavam juntos novamente na loja de bebês e dessa vez era a de roupas. Amber também estava lá com eles. Steven estava maravilhado com tantas roupinhas de bebês com símbolos de banda. Até que ele viu uma do Guns e quase morreu de amores na hora.

— Olha, Amber... — Steven falou a mostrando. — É da nossa banda!

Amber encarou a roupinha por alguns segundos e saiu correndo para fora da loja. Eles ficaram observando a cena, sem reação.

— O que houve? — Emma perguntou confusa.

— O que aconteceu, Steven? — Naomi perguntou ao loiro.

— Eu não sei. Só mostrei essa roupa pra ela e ela saiu correndo. — O loiro falou confuso.

— Eu vou falar com ela. — Axl falou e saiu da loja.

POV Amber 

Eu estava no meio da estrada, no caminho de minha casa, encarando aquele trânsito. Minha cabeça estava uma confusão desde que eu saí do consultório daquele hospital.

Flashback-on 

— Algum problema, doutor? — Perguntei com receio. 

Ele estava com algumas folhas na mão, provavelmente alguns exames meus.

— Eu tomei a liberdade de fazer outros exames. — Ele falou e não estava com a cara nada boa. — E eu não tenho uma notícia boa.

— O que foi?

— Eu sinto muito, mas... Você não pode engravidar.

— Como assim?

— Você é estéril, Amber.

Naquele momento, eu me arrependi amargamente de tudo que disse. Sobre não querer ter filhos, sobre aborto, sobre tudo. Eu não queria antes, mas eu poderia mudar de ideia a qualquer momento, agora não. Mesmo se eu mudar de ideia, eu não vou poder ter, e isso é triste.

— Você tem alguém com quem conversar? — O médico me perguntou.

Então comecei a pensar em como seria se eu contasse para os meus amigos.

Steven e Naomi eu tenho certeza que iam começar a chorar feito crianças. Izzy ia me encher e presentes aleatórios. Slash ia querer fazer alguma comida exótica. Duff ia contar piadas sem graça e Emma ia ficar falando de outros métodos de ter um filho.

Agora Axl... Eu não sei qual seria a sua reação, e sinceramente, eu tenho medo. Por isso decidi deixar em segredo.

— Não se preocupe com isso. — Respondi ao médico com um sorriso triste.

Flashback-off

Cara, tem sido um longo dia 
Estou preso, pensando nisso, enquanto dirijo pela rodovia 
Me perguntando se eu realmente tentei tudo o que podia 
Sem saber se eu deveria tentar um pouco mais

Eu estava decidida a conversar com Axl sobre o nosso relacionamento, mas admito que eu estava tremendo e de medo.

Oh, mas eu estou morrendo de medo 
De que talvez não exista outro igual a esse 
E eu confesso que estou só segurando em um fio fino, fino 
E eu estou chutando o meio-fio porque você nunca ouviu 
As palavras que você tanto precisava 
E eu estou chutando a poeira porque eu nunca te dei 
O lugar que você precisava ter 
Eu estou tão triste, triste

[...]

Assim que cheguei em casa, me sentei no sofá, derrotada e encarei a TV desligada a minha frente. Logo a porta foi aberta e Axl entrou. Ele se sentou ao meu lado e me encarou.

Cara, tem sido uma longa noite 
Apenas sentado aqui, tentando não olhar pra trás 
Continuo olhando para a estrada que nunca seguimos 
E me pergunto se a que escolhi foi a certa

— O que houve? — Ele perguntou ainda me encarando.

— Axl... — Eu o encarei com os olhos cheios de lágrimas, mas segurei o choro. — Você acha que podemos voltar a ser o que éramos antes? — Ele me encarou surpreso. — Acha que o que temos vai chegar em algum lugar? 
 

Oh, mas eu estou morrendo de medo 
Que talvez não haja outro como este 
E eu confesso que estou preso só por um fino, fino, fio 
E estou chutando o meio-fio porque você nunca ouviu 
As palavras que você tanto precisava 
E estou chutando a poeira porque eu nunca te dei 
O lugar que você precisava ter 
Eu estou tão triste, triste

E doeu ver que ele não respondeu nada e estava estampado em sua cara que ele não me queria de volta. Eu sei que o Axl quer muito uma coisa que não posso dar e eu só ia contar se caso ele me quisesse de volta, mas pelo visto...

— Foi o que eu pensei. — Falei me levantando.

Sai da sala e fui para o meu quarto, Axl continuou sem dizer uma única palavra, e aquilo me machucou bastante. 
 

Eu estou tão triste, triste


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...