História Lives And Deaths - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 3
Palavras 1.323
Terminada Não
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 7 - 7-Hipnose... (1S)


      Depois de uns minutos, Moon aparece na porta de casa, no meio da noite, então eu vou lá abrir pra ela.

      -Oi... - falo meio nervoso.

      -Oi... Por que você me chamou aqui no meio da noite?

      -Olha, eu sei tá?!... Me desculpa, mesmo. Eu não te chamaria se não fosse importante. - falo com dificuldade de controlar minha respiração.

      -Você tá bem?

      -To, to... É só que...

      Abro mais a porta, convidando ela a entrar.

      -Vem, você precisa ver...

      Ela entra, entao eu tranco a porta assim que ela entra, logo indo em direção ao meu quarto.

      -O que você quer me mostrar? - ela fala me seguindo, olhando pra casa enquanto anda.

      Chegando na porta do quarto, abro a mesma, revelando a tal garota que estava deitada na minha cama, pois havia deitado ela lá, não podia deixar ela no chão.

      Ela começa a andar na direção dela, então se senta na cadeira que ficava perto da cama.

      -O que você fez? Sequestrou ela? - ela fala como se estivesse falando sério, mas dava pra perceber que ela estava brincando.

      -Não, ela só apareceu no meu quarto do nada...

      -Como assim do nada?! Ela só, Puf, apareceu?

      -Bem isso, mas teve uns raios de luz no lugar do Puf...

      Ela põe a mão no rosto, então fica olhando pra garota que estava deitada na minha cama.

      -Tá dizendo que ela é uma espécie de anjo? É isso?

      -Não, não tô dizendo isso... Só tô dizendo que de alguma forma ela apareceu misteriosamente no meu quarto em forma de purpurina. Se ela é um anjo ou não, já não sei. - falo me sentando no chão escorando minhas costas na parede. -Desculpa, é só que...

      -Você tá nervoso, eu sei... - ela fala olhando pra mim, sorrindo, mas logo volta a olhar pra tal garota. -Aliás, por que você me chamou?

      -Você é uma garota certo? Então eu te chamei por isso.

      -O que o fato de eu ser uma garota tem haver?

      -Você é uma garota, ela também... Por isso, caso eu tentasse ajudar ela, tinha medo de violar alguma lei de proteção contra a mulher e tals, por isso resolvi chamar uma...

      -É, você tá bem nervoso mesmo. - ela ri um pouco.

      A garota que estava deitada na minha cama começa a se mexer, levantando suspeitas de que ia acordar, então, tanto eu quanto a Moon ficamos de pé, olhando pra mesma.

      -Se ela acordar... - Moon fala olhando pra ela, logo depois pra mim. -O que a gente faz?

      -Não sei, a gente conversa com ela. Pergunta sobre quem ela é e o que ela veio fazer na minha casa descendo num raio. - a última parte falo brincando, lógico.

      -E se ela não se lembrar nada disso?

      -Bom, aí já não sei. A gente pode tentar fazer ela se lembrar... Você disse que sua mãe é psicóloga né?

      -Sim, por que?

      -Tem um método na psicologia que dá pra fazer uma pessoa se lembrar de um acontecimento que ela esqueceu...

      -Uma memória apagada...

      -Exatamente. A gente só precisa pegar umas coisas que se precisa pra fazer isso dar certo e...

      Eu já estava quase saindo do quarto, quando ela segura meu braço, me impedindo se sair do mesmo.

      -Isso é brilhante, mas... Como você sabia disso? Quer dizer, eu sou filha de uma psicóloga, e ainda não sabia...

      -É que, quando se passa muito tempo sozinho devido a um distúrbio mental que você possui... - falo olhando pro chão, meio pensativo, logo depois, olha pra ela, disfarçando um breve sorriso. -...você acaba tentando se diagnosticar sozinho, quando vários psicólogos não apresentam um diagnóstico convincente, e acaba lendo mais do que deveria...

      Ela sorri, acho que era disfarçado, mas com mais uma agitação repentina da garota, nós dois saímos do quarto a procura dos materiais necessários para aquele procedimento, só para se caso ela não se lembrasse de muita coisa ou de pelo menos das coisas importantes: quem é ela? Como ela apareceu no meu quarto? E por que?...

...

      Depois de procurar e pegar o que era necessário, como uma luz que não fosse nem forte para cegar a garota, nem fraca de mais, Moon e eu nos reencontramos na escada.

      -Pegou o que? - ela fala segurando umas coisas.

      -Deixa eu ver... - começo a mexer nas coisas que havia pegado. -...uma lanterna, e algumas coisas que podem servir de pêndulo.

      -Pêndulo? Você planeja hipnotizar ela? - ela fala, quase rindo.

      -Sim, por que?

      -Por nada, é só que...

      Escutamos um barulho vindo do quarto, então subimos as escadas com pressa e entramos no quarto. Chegando lá, encontramos a garota acordada, então nós dois ficamos encarando ela enquanto ela parecia olhar confusa para nós dois, mais precisamente, pra Moon. Então ela faz surgir uma espada do vento, literalmente e a aponta pra Moon.

      -Se afasta dele. - a garota fala, com uma expressão séria no rosto.

      -Ex-namorada? - Moon fala olhando pra mim, começando a se afastar lentamente.

      -Err, não. A não ser que a minha namorada imaginária tenha criado uma forma física e tenha aprendido a criar espadas. - fala sendo sarcástico.

      -Hum, sei... - ela fala já estando afastada de mim.

      -Enfim, err... - olho pra garota, que ainda não tinha largado a espada. -...quem é você e por que apareceu no meu quarto?

      Ela parecia surpresa com a pergunta.

      -Eu... Eu sou... Meu nome é... - ela põe a mão na cabeça, como se estivesse tentando se lembrar.

      Depois, a espada da mesma some subitamente e ela começa a cair no chão. Eu seguro ela, a ajudando a se sentar no chão, jogando as coisas que eu tinha pego mais cedo no chão.

      -Ficaria surpreso se você se lembrasse... - falo olhando em volta, logo depois, olho pra Moon. -Me dá uma mãozinha aqui rapidin?

      -Qual a garantia que ela não vai apontar uma espada pra mim de novo? - ela põe o que ela tinha pegado encima da cama.

      -Dá pra vim logo, por favor?

      -Tá tá...

      Ela me ajuda a sentar a garota na minha cadeira, de costas pra mesa do computador, então quando ela parecia estar melhor, eu pego a lanterna e um pêndulo improvisado.

      -Segura aqui pra mim? - falo entregando a lanterna pra ela.

      -Ahn, tá. Você vai mesmo tentar hipnotizar ela com isso? - ela fala apontando pro pêndulo que tinha achado, enquanto segurava a lanterna com a outra mão.

      -Vou... - olho pra ela. -Por que?

      -Nada, é só que, é pequeno de mais sabe... - ela tira um colar do pescoço, ele tinha um amuleto com uma lua e me entrega, pegando o outro "pêndulo" que eu estava segurando.

      -Err, valeu... - falo olhando pro amuleto, não sabia se achava coincidência o amuleto ser uma lua, ou se não ficava surpreso, devido ao nome. Mas sorrio mesmo assim.

      -O que eu faço com isso? - ela fala ligando a lanterna e a apontando pro meu rosto.

      -Bom, você liga e fica segurando a lanterna a apontando pro rosto dela.

      -Pro rosto dela?

      -Sim, só que assim... - pego na mão dela e ergo a mesma, então aponto a lanterna pro rosto da garota, num ângulo que não machucava seus olhos, iluminando o rosto dela de cima para baixo.

      -Ah, entendi. - ela fala olhando pra mim, mas logo olha pro braço dela e apoia o braço que estava levantado com o outro braço. -Vai logo, isso cansa sabia...

      -Tá, tá... Ser bonita também deveria cansar... - falo, logo começando a tentar hipnotizar a garota, balançando o colar dela suavemente, fazendo a garota se concentrar no pêndulo. -Vou pedir para que você feche os olhos está bem?

      Ela demonstra obediência e fecha os olhos. Então eu continuo falando, fazendo perguntas, já não havia necessidade de balançar o amuleto, então coloco o mesmo encima da minha mesa e pego um caderno, começando a anotar o que ela respondia...

(Continua...)



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...