1. Spirit Fanfics >
  2. Lives Next Door - Taegi >
  3. Capítulo 06

História Lives Next Door - Taegi - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Capítulo 06


Fanfic / Fanfiction Lives Next Door - Taegi - Capítulo 6 - Capítulo 06

— Estou tão feliz por termos conseguido nos encontrar! — Jinho disse, quando Yoongi chegou ao restaurante. Gaivotas voavam no alto, perseguindo os corvos. Os corvos retaliavam, correndo atrás das gaivotas em uma batalha pelo território rico em alimentos. Da janela de onde estavam sentados, Yoongi conseguia ver uma foca preguiçosa tomando sol no píer. O dia estava lindo e ele sentia o início da felicidade brotar em sua alma. Havia sido um período longo e sombrio. Sua vida andava seca e sem graça desde o dia em que Peter anunciou que queria o divórcio.


— Queria falar com você sobre Taehyung — Jinho disse, olhando fixamente para o cardápio.


Yoongi já esperava algo do tipo e, para dizer a verdade, concordou em almoçar com Jinho pela mesma razão. Queria muito saber mais sobre Taehyung. Ele era um executivo atraente e bem-sucedido. Tinham quase a mesma idade, e não conseguia entender como ele havia chegado aos 33 anos sem se casar.


— Percebi que você e Taehyung têm se encontrado bastante ultimamente.


Yoongi não sabia por que a verdade a deixava tão incomodado, mas se viu mexendo em seu guardanapo, embolando-o em suas mãos, ansiosa.


— Ele vai visitar a Chou.


A risada suave de Jinho revelou o quanto ele havia achado aquilo engraçado.


— Não é na Chou que ele está interessado, e nós dois sabemos disso. Ele está de olho em você há mais de um ano. O problema é que o meu querido irmão não sabe ser sutil.


Yoongi discordou.


— Ele tem sido bastante paciente.


— Verdade — Jinho disse, relutante.


— Ele não queria assustar você. Falamos de você várias vezes. Ele queria minha opinião. Fui eu quem sugeri que ele lhe enviasse flores. Ele estava completamente desanimado depois que você o recusara tantas vezes. Quem diria que aquele gato semvergonha seria responsável por fazer com que vocês dois se aproximassem?


Yoongi ajeitou o guardanapo de tecido sobre o colo. Não era hora de se fazer de tímido.


— Gosto muito de seu irmão.


— Ele é maravilhoso mesmo. — Mais uma vez Jinho admitiu, relutante. — Ele gostou de você na primeira vez que o viu.


— Mas por quê? — Quando Yoongi se mudou para o prédio, estava um caco. Não fazia nem um mês que o divórcio havia saído. Naquela época ele não havia percebido, mas parecia um zumbi.


O olhar de Jinho era sugestivo.


— Taehyung é assim. Ele sabia que alguém o havia machucado muito e que você precisava de ajuda, assim como Cão. Ele o encontrou em um beco escuro, desnutrido e tão perturbado que não deixava que ninguém se aproximasse. Várias semanas se passaram até que ele reconhecesse Taehyung como amigo — ele pausou, inclinou-se para frente e apoiou os cotovelos sobre a mesa.


— Mas Taehyung foi paciente. Ele também tem sido paciente com você e está sendo recompensado por isso. Não me lembro da última vez em que o vi tão feliz.


— Não sou um gato de rua — Yoongi disse, na defensiva. Ele não havia gostado da comparação, mas não pôde deixar de perceber as semelhanças.


— Não, claro — Jinho falou rapidamente. — Não foi isso que quis dizer. Taehyung me mataria se eu insinuasse uma coisa dessas. Mas você estava machucado e ele percebeu isso. Se quer saber a verdade, acho que ele deveria ter virado médico. É parte de sua natureza querer ajudar os outros.


— Entendo. — Yoongi não estava achando essa conversa nem um pouco lisonjeira, mas não podia negar o que Jinho havia dito. Durante o ano que se passou, ele se fechara para o mundo. Só quando Taehyung surgiu em sua vida que ele entendeu o quanto era importante lidar com o divórcio.


Jinho suspirou e colocou o cardápio de lado.


— Taehyung é maravilhoso. E é por isso que é tão difícil entender por que ele é tão irracional em relação a Dylan.


— Não sabia que Taehyung podia ser irracional.


— Mas pode — Jinho disse, mantendo a cabeça baixa como se estivesse prestes a chorar. — Amo Dylan. Queremos nos casar um dia. Só não podemos nos casar agora, por diversas razões. Às vezes acho que Taehyung o odeia.


— Tenho certeza de que isso não é verdade. — Yoongi achava impossível Taehyung odiar qualquer pessoa, mas ele podia entender com facilidade o porquê de Taehyung ser superprotetor.


— É verdade — Jinho disse exaltada. — Taehyung se recusa a ter qualquer coisa a ver com Dylan e sabe por quê? — Yoongi não teve a chance de responder. — Porque Taehyung acha que ele está me usando. Nada que eu diga pode convencê-lo do contrário. É a coisa mais ridícula que já ouvi e é só porque estamos morando juntos. Meu irmão precisa acordar para a vida!


O garçom chegou com copos de água gelada e uma cesta cheia de pães quentes. Yoongi lhe agradeceu com um sorriso, aliviado pela interrupção. O aroma do pão fresco era divino, mas a conversa o estava deixando desconfortável. Ele não sabia bem o que dizer para Jinho. Preferia lhe fazer perguntas sobre Taehyung a brincar de pombo-correio entre os irmãos. Taehyung podia ser superprotetor, mas ele não conseguia imaginá-lo odiando Dylan sem uma razão concreta.


— O que eu queria mesmo era que você falasse com Taehyung para mim — Jinho disse, com os olhos suplicantes. — Ele vai escutar você porque...


— Não posso fazer isso, Jinho — Yoongi interrompeu.


— Esperava que você ao menos pensasse no assunto. Pensei que, se você conhecesse Dylan, poderia constatar o quanto ele é maravilhoso. E então contaria a Taehyung. Não se importa se ele se juntar a nós, se importa?


Mais uma vez, Yoongi não teve chance de escolher. Jinho se levantou só um pouco de sua cadeira e acenou. Um jovem sofisticado saiu do bar e foi na direção dos dois, levando um drinque consigo. Yoongi o estudou, tentando manter a mente aberta. No quesito aparência, era um homem atraente. Ele beijou o rosto de Jinho, mas seus olhos se moveram lentamente até Yoongi e se demoraram em sinal de aprovação. Trocaram um breve aperto de mão enquanto Jinho os apresentava.


— Espero que não se importe de eu me sentar com vocês — Dylan disse, puxando uma cadeira. — Embora todas as pessoas aqui possam pensar que sou ganancioso por estar sentado com os dois homens mais lindos do restaurante.


Dylan não precisava dizer mais nem uma palavra para que Yoongi entendesse por que Taehyung não gostava dele. Era muito bajulador. E ele não gostou de como Dylan o olhava, um pouco interessado demais. O que não entendia era como Jinho podia ser tão cego.


— Jinho e eu estamos diante de um pequeno dilema. — Dylan pegou a mão de Jinho.


— Precisamos de ajuda com Taehyung — Jinho explicou. — Dylan sugeriu que nos encontrássemos com você para conversarmos sobre isso. Não sei se é uma boa ideia, mas Dylan parece achar que você...


— Isso — Dylan interrompeu. — Achei que você poderia dizer algo que acalmaria os ânimos entre Jinho e o irmão dele para mim.


— Você quer que eu converse com Taehyung em seu favor? — ele perguntou. Aparentemente Dylan não tinha nenhum receio em confiar a ele essa função. O que ele não entendeu era que Taehyung reagiria negativamente a isso. O pouco de respeito que Taehyung tinha por ele poderia ir por água abaixo.


— Só diga que conheceu Dylan — Jinho tentou persuadi-lo. — Não precisa fazer nenhuma tempestade em copo d’água. Tenho certeza de que ele escutaria você. Sabe, Taehyung vive na Idade Média. Dylan acha que ele tem ciúme. Meu irmão e eu costumávamos ser muito unidos. Eu lhe contava tudo sobre minha vida. — Um olhar melancólico ofuscou seus belos traços. — Mas as coisas mudaram entre nós. É muito triste brigarmos tanto assim. Não posso deixar de concordar que pareça ciúme.


Yoongi se perguntava se isso era verdade.


— Taehyung já se encontrou com Dylan?


— Sim, várias vezes. E desde a primeira vez implicou com ele.


— Não começamos muito bem — Dylan admitiu friamente.


— O que aconteceu? — Yoongi perguntou.


— Nada — Jinho respondeu, na defensiva. — Absolutamente nada. Mas nunca havia tido uma relação séria com alguém e Taehyung não consegue aceitar isso.


Yoongi não queria tomar partido, mas acabou dizendo:


— Não conheço Taehyung tão bem assim, mas não consigo imaginá-lo sendo do tipo ciumento.


— Eu sei, mas, sabe, sou louco por Dylan e Taehyung sabe disso, e, na concepção de Dylan, e na minha também, Taehyung precisa aceitar o fato de que o irmãozinho dele cresceu. Mas ele simplesmente se recusa. — Absorta, Jinho partiu um pedaço de pão e o segurou com as mãos, como se não soubesse o que fazer com ele.


— Você pode nos ajudar, Yoongi?


— Duvido — ele disse da maneira mais direto e honesto que conseguiu.


— Taehyung escutaria você — Jinho disse.


Yoongi sorriu ao perceber o quanto Jinho acreditava que ele tinha alguma influência sobre Taehyung.


— Sou apenas o vizinho.


— É aí que se engana — ele disse, com voz mais exaltado pela força de sua convicção. — Taehyung realmente gosta de você; mais que de qualquer pessoa há muito tempo.


Yoongi também não tinha certeza disso, mas deixou passar. — Você quer que eu diga a seu irmão que você é um homem maduro e capaz de tomar as próprias decisões, quer ele concorde, quer não.


— Exatamente — Jinho disse.


— É isso que ele precisa ouvir — Dylan concordou.


— Como é um homem adulto, é livre para amar quem quiser — Yoongi continuou.


— Isso mesmo. — O volume da voz de Jinho aumentou. Ele se sentia mais convencido ainda disso. Dylan sorriu para Jinho e ele sorriu em resposta.


— Sabemos o que estamos fazendo. Não é, querido?


— Já sou maior de idade e vacinado — Jinho anunciou.


— Vocês dois são capazes de julgar o caráter das pessoas — Yoongi acrescentou.


— É claro. — O sorriso de Jinho se abriu. — Eu mesmo não poderia ter dito melhor.


Eles foram momentaneamente interrompidos pelo garçom, que voltou para anotar os pedidos.


— Taehyung não é irracional — Yoongi continuou.


— Se é assim que pensam, não precisam de mim para dizer isso a ele. Façam isso vocês mesmos, juntos.


— Mas ele não vai nos ouvir! — Jinho protestou.


— Vocês já tentaram?


Dylan partiu o pão em dois e baixou a cabeça.


— Não exatamente, mas também não tivemos muitas oportunidades.


— É o fato de morarem juntos que o está incomodando? — Yoongi perguntou.


— Isso não é permanente — Jinho disse.


— Pretendemos nos casar um dia — Dylan disse. — Mas não agora. Queríamos nos casar do nosso jeito e não como o irmão mais velho dele quer.


Yoongi ficou em silêncio, pois sentia que seu ponto de vista sobre o assunto não seria bem-vindo. Com o passar dos anos, várias amigos seus optaram por apenas morarem com os namorados. Pode ter sido coincidência, mas todos saíram desses relacionamentos arrependidos.


— Amar meu Dylan não é um erro! — Jinho insistiu, com certo exagero na voz.


— Somos perfeitos juntos.


O garçom serviu as saladas, mas, nessa altura, Yoongi já havia perdido o apetite.


— E Jinho é perfeito para mim — Dylan completou antes de pegar o garfo e espetar o camarão suculento que decorava o topo de sua enorme salada.


— Dylan me ama e eu o amo — Jinho concluiu.


— Em minha opinião, isso é o mais importante.


Yoongi percebeu que os dois achavam que podiam fazê-lo mudar de ideia. Era importante deixar tudo bem claro.


— Espero que entendam por que não posso falar com Taehyung em favor de vocês. 


— Sim — Jinho disse decepcionado.


— Só queria que Taehyung não fosse tão hostil.


— Jinho? — A voz masculina e rouca vinha de trás de Yoongi. — Yoongi? O que vocês dois estão fazendo aqui?


Era Taehyung.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...