1. Spirit Fanfics >
  2. Lobos do vale >
  3. Capítulo 4

História Lobos do vale - Capítulo 4


Escrita por: Shadow-Wolf

Notas do Autor


Novo capítulo para vocês, esse esta mais longo que os outros, não era o planejado mas pensei direito que descidir deixar assim já que há alguns acontecimentos nele que fez estar tão grande, espero que gostem e tenha uma boa leitura, o próximo capítulo saia amanhã se der :3

Capítulo 4 - Capítulo 4


 A aldeia inteira estava em completo silencio, não se escutava os risos das crianças que uma vez viveu ali, as conversas dos senhores que contavam histórias intrigantes e que levavam os jovens a querer a escutar mais sobre elas, até os cantos dos pássaros não teve naquele dia, a aldeia que um dia era coberta por felicidade e esperança, teve seus moradores mortos cruelmente por feras sedentas de sangue, a aldeia morreu junto com as pessoas que um dia viveram ali. 

 A garota que foi salva pelo caçador antes de ser devorado acordava, uma gota que caiu do teto da casa e acertava seu rosto a fazia acordar, ela se sentava e olhava a janela que havia ali, ao se aproximar ela podia ver as casas e o portão principal daquela aldeia destruído, não havia restado nada inteiro ali, os lobos que apareceram na noite de ontem fizeram o trabalho de não deixar nada inteiro ali. Mas por que a casa onde ela estava não havia sido destruída também? A garota ficava a se perguntar sobre isso, ela ao fechar os olhos lembrava da cena que presenciou, de todos seus amigos, conhecidos e pessoas que cuidavam dela como se fosse filha deles, sendo mortos e caçados por aqueles enormes monstros.

  Não querendo mais lembrar disso, pois sentia seu peito doer, aquilo havia a traumatizado mais do que ter visto a morte de Ki-wu. Ela saiu do sótão e ia para a sala da casa, ela verificava os danos que foram causados aos móveis da casa, ao chegar nas escadas que levava a sala ela via um enorme caminho de sangue, ela sabia de quem era e ao pensar de encontrar o corpo ou os pedaços do que sobrou dele a deixava com ânsia de vomito e apavorada. Tomando coragem ela descia as escadas e ao chegar na sala ela via que o rastro de sangue ia até a entrada da casa, os lobos haviam quebrado a porta e levado o corpo do caçador para a floresta, Mei-Sun saia da casa e caminhava pela aldeia ou pelo menos o que sobrou, o chão estava molhado por causa da chuva que teve de manhã e o clima que estava naquele local mostrava a tristeza da aldeia e dos que morreram. 

 Não era o momento de desistir e ela sabia disso, mas uma parte dela queria apenas desistir, talvez ter morrido por aqueles lobos teria sido mais fácil e sua dor acabaria, poderia se encontrar seu pai e seus amigos, tudo teria sido mais fácil, mas algo nela dizia que caso isso acontecesse as pessoas que se arriscaram para a salvar teriam morrido em vão e ela não queria isso, ela decide que precisa continuar, e faria isso por todos seus amigos que se sacrificaram por ela, Mei-Sun faria aquele que matou sua família pagar por isso, nem que custe sua vida. 

 Mas por onde começar agora? Ela se pergunta, nunca havia saído para ir tão longe da aldeia, mas naquele momento ela precisava fazer isso, pela primeira vez ela iria sair para explorar o enorme mundo que no momento é desconhecido para ela. 

      - Tudo que eu tinha foi tomado de mim, aqueles desgraçados mataram todos que eu amava me deixando sem nada, eles tiraram a minha esperança...mas eu os farei pagar, eles irão se arrepender pelo que fizeram, principalmente o líder daquele bando! 

 Ela respira fundo para se acalmar e sentindo sua raiva diminuir, havia um longo caminho e não podia deixar seus sentimentos a dominar naquele momento, Mei-Sun ia nos destroços da casa dela e ao vasculhar ela pegava a mochila dela, e ia a casa onde era a única inteira e pegava os suprimentos para sobreviver já que não sabia quantos dias iria demorar para encontrar uma outra aldeia. Estando preparada ela saia dali e adentrava a floresta, ela precisava atravessar a floresta para poder chegar a um pequeno vilarejo chamado Nosdrorn, ele fica localizado ao norte dessa floresta, esse vilarejo abriga tipos diferentes de raças, mas há mais humanos já que outros tipos de raças não se dão bem com humanos pelo fato deles serem gananciosos e sempre haver intrigas. 

 A garota caminhava pela floresta tranquilamente, passar por ali de dia era mais confortante do que durante a noite, já que os predadores costumam atacar durante a noite pois tinham mais vantagem sobre suas presas. Durante o caminho que fazia ela notava que algumas árvores tinham marcas enormes de garras, e outras estavam completamente torradas, tinha algo perigoso naquele local além dos enormes lobos, haviam criaturas que nunca foram descobertas, mas que muitos reis as queriam para poder absorver seus poderes e usar para ter vantagem nas guerras, as vidas desses seres para os humanos e outras raças que tinha uma ambição pelo poder não passava de apenas algo insignificante, para ter o que almejam eles são capazes de acabar com a vida desses animais em um piscar de olhos sem pensar duas vezes. Mei-Sun sabia desses tipos de pessoas, mas nunca se importou como era humana ela sabia que nunca seria pega por um dos homens dos reis já que não era uma dessas criaturas.

      - Eu realmente espero não dar de frente com essas criaturas, eu apenas tenho uma adaga para me defender e pelo que vi nas árvores o que tem aqui tem garras e solta chamas que podem me fazer virar pó 

 Ela tremia em apenas imaginar ser atingida pelas chamas do ser que tinha naquela floresta, além de se preocupar com lobos a noite tem de ficar alerta com o que tinha naquele lugar. Após um longo tempo andando e começando a achar que aquela floresta não havia fim, ela escutava a voz de dois homens que pareciam estressados com algum animal já que não paravam de reclamar com ele e até ameaçava o agredir caso ele não ficasse quieto e parece com os truques dele, isso deixa Mei-Sun curiosa com a situação, ela resolve ir na direção das vozes e ao chegar ela se escondia em um arbusto e ficava paradinha observando. Havia uma carroça parada no meio da trilha e atrás dela havia um tipo de jaula que estava com a porta trancada por grandes cadeados, na frente da jaula havia dos soldados que seguravam uma grande lança nas mãos e a usava para a passar pelas aberturas da jaula e espetar um tipo de pássaro grande de cor avermelhada, esse que dava alguns pulos para trás assustado e sentindo dor ao sentir a pontas das lanças tocar seu peito, os guardas ao ver que a ave havia finalmente ficado quietas voltavam até a frente da carroça e subia nela, um deles conduzia fazendo os cavalos andar pela trilha, Mei ficava surpresa com aquilo, não imagina encontrar guardas reais naquela floresta e ainda carregando na carroça um tipo de animal raro. 

      - Isso é estranho, por que guardas reais estariam nessa floresta e transportando um animal daquele? E pelo que vi o pobre animal não parece estar muito feliz em estar ali, eu não deveria me envolver nisso, mas não posso deixá-los levarem aquela ave, está na hora de fazer um resgate 

 Ela segue a carroça escondida para não ser vista, se escondendo nos arbustos ela arma um plano para fazer os guardas pararem a carroça, ao ver uma cobra passar na frente dela ela tinha uma ideia, ela a pega sem olhar como a cobra era, ela escala uma árvore de forma ágil e rápida sem ser notada, ela salta alguns galhos para ficar na frente da carroça e esperava ela passar, enquanto esperava ela sentia algo estranho e via que a cobra havia começado a se enrolar em seu braço. 

      - Desculpe, mas vai ter de procurar outro jantar 

 Ela dizia e tenta pegar a cauda da cobra para a fazer a soltar, mas pegar no que seria a cauda ela percebe algo estranho, ao olhar o que é ela percebe que era uma outra cabeça, ela não havia verificado como a cobra era e agora estava com problemas, precisando se livrar da cobra sem levar uma mordida pois o veneno dela era bastante letal, ela tenta se soltar devagar e com cuidado, a cabeça da frente da cobra a olhava e se preparava para o bote, Mei-Sun já percebendo isso pegava a adaga que estava em seu bolso da calça e assim que ela ia a morder ela corta a cabeça da cobra que cai no chão, ao conseguir se soltar ela joga a cobra da no chão para não correr o risco de ser atacada novamente. A carroça passa bem na hora que ela solta a cobra que cai no colo de um dos guardas que no susto salta da carroça tentando se livrar da cobra, seu parceiro para os cavalos e ia o ajudar, Mei-Sun tendo sua chance ela desce da árvore e se aproxima de jaula, ela ao estar próxima olha a ave que estava a olhar o chão, a garota faz um som baixo para chamar a atenção da ave que rapidamente a olha confusa e curiosa do por que ela estava ali. 

      - Eu irei lhe tirar daí, mas fique quieto ou os guardas nos pegaram~ 

 Ela sussurra baixo para o pássaro que continuava a olhar, ela pensava em um jeito de abrir os cadeados, mas não tinha nada que a ajudasse, ela olha os guardas percebendo que ainda estavam ocupados com a cobra e via no primeiro guarda uma chave pendurada em sua cintura, ela pegava a lança de um deles que haviam deixado na carroça e ela a usa para pegar as chaves com cuidado, o guarda se mexia bastante então isso deixa as coisas complicadas, ela precisa ter calma para pegar as chaves mas isso estava começando a ser difícil pois o guarda não parava de se mexer, após várias tentativas fracassadas ela finalmente consegue e ao pegar as chaves ela abre a jaula e faz sinal para o pássaro sair rápido, a ave saia e ao tentar voar os dois olhavam os guardas que haviam visto a jaula aberta e os dois, os dois ficavam irritados e um deles pega a lança e aponta para eles. 

      - Garota você não deveria ter se intrometido na mercadoria do rei! Coloque a ave na jaula e deixaremos você ir! 

 Ela olhava o pássaro e depois os guardas e grita fazendo o pássaro abrir suas grandes assas com penas avermelhadas e começar a voar para longe dali. 

      - Isso voe seja livre! Não os deixe lhe pegar! 

 Ela olhava o grande pássaro voar para fora da floresta, mas ao se distrair com isso ela não notava um dos guardas se aproximar dela por trás e agarrar as mãos dela e a prender atrás dela, Mei-Sun tentava se soltar, mas por mais que se esforçasse ela não conseguia se soltar. 

      - Eu avisei garota, levaremos vc como mercadoria no lugar da ave, já que agora ela se foi por sua culpa! Por mais que você não vá ser útil a ele, você irá virar uma escrava ou irá viver sua vida inteira em prisão haha 

 Mei-Sun segurava a vontade de chorar, ela não imaginava passar toda sua vida em uma prisão ou sendo escrava de um rei de merda. Os guarda iam a levar para dentro da jaula quando ouviam o som da ave e ao olhar para cima via ela vir na direção deles e ela agarrava o guarda que estava a segurar forte os braços das garotas e o levava para o alto passando a folhas das árvores, a garota e o outro guarda apenas escutavam os gritos do guarda que a grande ave havia pegado ao estar bastante alto ela o soltava o fazendo cair de uma altura enorme, ao estar perto de cair no chão ele era pego novamente pelas garras do pássaro que o jogava dentro da jaula e em seguida pousa atrás de Mei-Sun, ele ficava a olhar o guarda de forma agressiva e abria suas grandes asas para assustar o guarda, e uma voz que nenhum deles imaginava escutar era ouvida. 

      - Se não quiser ser jogado das nuvens suba na carroça e saia daqui o mais rápido que conseguir ou...VOCÊS DOIS TERÃO UMA MORTE DOLOROSA!! 

 Ao escutar o que o pássaro disse o guarda rapidamente subia na carroça e fazia os cavalos galopar rápido para sair dali o mais rápido possível, virar comida de pássaro não estava em sua lista. Após os sons dos cascos dos cavalos batendo no chão sumirem a garota se afasta da ave vermelha e a olha um pouco assustada por ter a ouvido falar. 

      - V-você fala? O que você é? 

 O pássaro a olhava após ter ficado calmo e ele abria mais suas asas e soltava um grunido alto e uma luz forte aparecia nele fazendo com que a garota tivesse de fechar os olhos e colocar as mãos na frente de seus olhos para se proteger da luz. Após alguns segundos a luz sumia e ao abrir os olhos e olhar para onde a ave uma vez estava não se via, mas ela ali, mas sim um garoto ruivo de olhos verdes a olhava sorrindo com um sorriso nervoso. 

      - Desculpe pelo que lhe fiz passar, eu até fiquei surpreso quando vi você querer me salvar e ter visto aqueles guardas a querer lhe prender me fez sentir uma irá imensa e não pude me conter querer mandar aquele cara para o inferno, mas consegui antes de fazer besteira 

 Mei-Sun continuava em silencio tentando entender o que estava acontecer e isso deixa o garoto mais nervoso. 

      - Ai cara será que quebrei ela? Foi muita surpresa para ela? Não sabia que os humanos reagiriam assim quando me vissem se transformar... 

 A garota saia de seus pensamentos percebendo que não estava a ver coisas, ela olhava o garoto a sua frente que parecia preocupado por ela não falar nada e para o acalmar ela sorria suavemente e dizia. 

      - Apenas fiquei surpresa por aquele pássaro ter virado um humano, mas já passou  

      - Que bom, achei que tinha lhe traumatizado para sempre, mas fico feliz que tenha voltado a realidade hehe 

 Mei-Sun ria ao ver como ele havia ficado mais calmo e menos preocupado, ela lembrava de não ter conseguido lutar contra os guardas que queriam a levar para algum reino como mercadoria. 

      - Eu não consegui fazer nada novamente, eu nem consigo me proteger, como irei chegar ao outro lado dessa floresta? Eu sou uma inútil 

 O garoto vendo que ela parecia abalada pelo que aconteceu tenta a confortar e se aproxima sorrindo e diz. 

      - Você achava que iria conseguir bater naquelas latas? Aquela armadura é muito resistente então não se culpe por isso, eu mesmo não tive chance com eles por isso fui capturado, não se ache inútil, eu sei que você é forte 

 Ela o olhava e sorria sabendo que era verdade sobre as armaduras que eles estavam a usar, respirando fundo ela olhava para o caminho que eles haviam ido e pensava em seguir pois provavelmente levaria saída daquele lugar, ela olhava o garoto. 

      - Tenho de continuar meu caminho, foi bom lhe conhecer, e caso nos encontre novamente eu poderia saber qual é seu nome? 

      - Ah claro me chamo Hiroshi e você?  

      - Eu sou Mei-Sun, fico feliz em ter lhe conhecido e ter lhe salvado daqueles idiotas 

      - Eu lhe agradeço por isso 

 Ele sorria a olhando e os dois ao olhar para cima apenas vendo as folhas das árvores e um pouco do céu percebiam que estava começando a escurecer e o perigo estava ficando mais próximo, Hiroshi não querendo deixar ela para morrer tem uma ideia. 

      - Está anoitecendo e esse lugar fica bastante perigoso durante a noite ainda mais por causa de lobos sanguinários que vagam essa floresta em busca de suas presas, deixe-me lhe levar para aonde moro, é um vilarejo aqui perto e você estará segura, de manhã você pode partir caso queira 

 Mei-Sun pensava nisso vendo que realmente seria perigoso prosseguir seu caminho para fora dessa floresta, pois não sabia quanto tempo ficaria andando, ela aceita o convite do garoto enquanto sorri, ele ficava animado e pede para ela a seguir e começava a andar pelo meio dos matos já que o único caminho que tinha não levava ao vilarejo dele. Os dois andavam por bastante tempo até chegar a uma árvore grande que era diferente das outras, ela ficava confusa e olhava em volta para ver se via alguém ou algum vilarejo, mas não encontrava nada e olha Hiroshi confusa. 

      - Tem certeza que é aqui? Eu não vejo nada  

      - É por que é um lugar escondido, somos caçados por humanos e para nos proteger deles e das betas que vivem nessa floresta nossos antepassados fizeram nosso vilarejo escondido, veja 

 Ele se aproxima da árvore e fazia alguns toques estranhos nela, não acontecia nada por alguns minutos, mas depois, no tronco da árvore aparecia uma entrada a parte do meio dela havia se aberto para eles, a garota ficava surpresa com aquilo pois nunca havia visto algo assim, o garoto a olhava sorrindo e segurava o riso ao ver a reação dela. 

      - Pelo visto você nunca viu algo assim né? Você vai se acostumar não se preocupe, tem muitos lugares nesse mundo onde vários tipos de outras raças usam esse truque para terem um lugar seguro para se esconder 

      - Entendi, fiquei curiosa de que raça você é?  

      - Eu sou um Kanayr-Sendi, a raça de homens pássaros 

      - Oh já ouvi falar de vocês em algum livro 

      - Tem vários livros sobre a gente, os aventureiros que viam aqui anotavam algumas coisas sobre nós e depois de terem tudo o que precisava fizeram o livro. 

 Ao entrarem a entrada atrás deles se fechava rapidamente, os dois seguiam andando por um lugar estreito e chegavam a um local que Mei-Sun não imaginava, havia um lugar imenso naquele lugar e muitas coisas para ela explorar. 

 


Notas Finais


Esse foi o quarto Capítulo, espero que tenham gostado, e realmente foi mais longo que os outros.
No proximo capítulo pode acabar ser grande tambem, pois dessa vez haverá lutas, depois de quatro capítulos finalmente Mei-Sun mostrará o que pode fazer com quem cruza o caminho dela.
Eu sei foi um pequeno spoiler mas não vai afetar nada. Bye :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...