1. Spirit Fanfics >
  2. London >
  3. Workshop de tattoo - parte 01

História London - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


OI MEUS AMORES, ESTÃO TODXS SAUDÁVEIS? espero que sim szz
Gente, eu tenho que admitir que eu estou com um baita fetiche nos meninos tatuados Kkkk
então, eu trouxe essa 2shot na calada da noite, e eu espero que vocês gostem, porque eu particularmente amei o plot sz

☆ Avisinhos;

》Ao decorrer da história existe menção ao álcool, ao sexo, ao ato de se tatuar, à amizade colorida e entre outros. MAS, AQUI SÃO APENAS FATOS FICTÍCIOS;
》Todos na história são maiores de idade;
》O gênero é este, lê quem sente vontade.

sem mais, boa leitura xuxus sz

Capítulo 1 - Workshop de tattoo - parte 01


Fanfic / Fanfiction London - Capítulo 1 - Workshop de tattoo - parte 01

Inglaterra — Londres

09:52 A.M.

Workshop de tattoo — parte 01


Dedos gélidos tocavam meu rosto, junto de uma voz grave, chamando-me com o objetivo de me despertar. Abri meus olhos lentamente e avistei Taehyung agachado em minha frente, sorrindo. Olhei ao meu redor e percebi que estava no meu quarto, o que me fez franzir o cenho por não entender como eu havia ido parar ali.


— Como eu vim parar aqui? — Disse em um tom baixo me sentando, logo em seguida.


Observei o meu melhor amigo se levantar e pegar na blusa que estava em seu ombro, para vesti-la. O observei a cada ato, e mordi meu lábio ao ver suas tatuagens totalmente à mostra. Taehyung era um gibi ambulante e aquilo era inacreditavelmente sexy! Seus braços eram completamente fechados, — com desenhos que o mesmo, às vezes, não sabia me explicar bem o que eram; pelo simples fato de muitos desses desenhos sem nexo, ele os havia feito bêbado — e parte do seu peitoral, era coberto por um dragão enorme, onde a cabeça aparecia em seu peito esquerdo e o corpo do dragão se entendia desde a parte direita do seu pescoço até as costas do mais velho. Ele era um deus grego tatuado!


— Quando voltamos da Cassie, você mal se aguentava em pé! — Prendeu o riso. Me veio leves flashes da noite passada e pelo visto, eu havia exagerado naquelas doses de vodka. — Você caiu no sofá e por lá estaria se eu não estivesse menos bêbado e não tivesse trazido você para o quarto.

— Você só estava menos bêbado porque estava se agarrando com a Alice. — Revirei os olhos. — Se estivesse comigo…

— Eu teria ficado tão bêbado quanto você e talvez nem tivéssemos chegado em casa. — Me interrompeu e continuou. — Eu não estava me agarrando com a Lice! O que aconteceu foi que ontem não passou de uma dança e umas conversas quentes. — Começou a rir e bagunçou os cabelos se aproximando. — Deixe esse ciúmes, S/n. O seu melhor amigo é todo seu!


Me beijou no rosto e piscou o olho para mim se afastando.


— Eu vou para o evento, você vai? — Franzi o cenho sem entender.

— Que evento, Tae?

— Não acredito que você esqueceu. — Suspirou e colocou as mãos na cintura. — O workshop de tattoo, lembra? Nós iríamos fazer algumas tatuagens.


Arregalei os olhos e me levantei em um salto apenas.


— Como assim? Taehyung! Como pode ter deixado eu esquecer?!

— Eu não mando na sua memória, querida. — Revirou os olhos. — Princesa, sem chilique! Ainda temos tempo, o workshop vai durar três dias.

— Eu não deveria ter bebido ontem, agora estou com dor de cabeça e sem tatuagem! — Me sentei novamente, chateada.

— Isso é o de menos, você ainda tem amanhã e depois! Falei com uns amigos meus e eles irão fazer um bom preço para nós. — Comentou animado. — Eu vou hoje só para ver o evento e ver em que local eles estão. E claro, ver algumas meninas!

— Você não tem jeito, Kim! — Contive um riso.

— Mulheres com tatuagens são os meus fetiches! Você é a prova, cada vez que eu vejo a tatuagem em seu quadril, eu… — Taquei o travesseiro na cara dele, explodindo de rir. — Você não me leva a sério! — Formou um bico manhoso em seus lábios.

— E era para mim levar? — Arqueio uma sobrancelha parando de rir.

— Ora, não faça parecer como se fosse de tudo, um absurdo! Sabemos muito bem o que acontece entre nós algumas vezes. — Deu língua e eu ri baixinho negando. — Bom, eu já vou indo! Qualquer coisa me liga.


Foi até a porta do meu quarto mas, parou girando os calcanhares e voltando a me olhar.


See you later, princess! (Até mais, princesa!) — Disse abrindo a porta.

Bye, bye my love! (tchau, tchau meu amor!)


O vi sair do meu quarto e fechar a porta novamente; me deitei em minha cama e afundei entre meus travesseiros. Fechei meus olhos e comecei a pensar no modo em que eu havia conhecido Taehyung, nós éramos colegas do estúdio e eu nem mesmo sabia.


[FlashBack On.]

Droga!

Já passava das onze e eu havia perdido o meu ônibus, o próximo sairia daqui a uma hora, no mínimo. Fui para o ponto de ônibus e me escorei no muro de um canteiro, olhei o céu e suspirei pedindo com todas as forças que viesse um ônibus o mais rápido possível.


A noite está linda, não é? — Me assustei com o tom de voz grave ao meu lado, e o olhei.


Era um homem — muito bonito por sinal, — que o seu tom de voz era terrivelmente familiar para mim, mas não conseguia me lembrar de onde. O olhei atentamente e o mesmo estava com uma camisa branca escrita “The Beatles” e uma jaqueta de couro preta, junto com uma calça jeans da mesma cor. Semicerrei os olhos e pude notar, algo como uma tatuagem em seu pescoço mas, não dava para distinguir bem do que se tratava por causa da pouca luz no lugar e pelo fato, de sua camisa não me permitir ver o resto.


— Está. — Disse simplista.

— Perdeu o ônibus? — O olhei desconfiada. — O que foi? Não me interprete mal, geralmente à este horário quem pega ônibus, sou eu. É bom ter companhia. — Exibiu um sorriso sem mostrar os dentes e me fez sorrir também.

— Sim, perdi. — Disse desviando do seu olhar. — Trabalha por perto daqui?

— Ah, não. — Franzi o cenho sem entender.— Eu faço aulas de jazz, no estúdio.


Arregalei os olhos e minha boca se abriu, formando um perfeito “o”.


— Não pode ser! — Disse ainda incrédula, isso explicaria o fato dele me parecer tão familiar. — Eu também faço jazz.

— Eu sei! Não é porque você nunca me viu, que seja o mesmo ao contrário. — Coçou a nuca envergonhado. — É difícil não notar a aluna prodígio. — Arqueou uma sobrancelha convencido e eu não pude conter um riso.

— Até parece! — Disse entre risos. — O seu tom de voz me pareceu muito familiar, eu só não tinha certeza de onde.

— Talvez, seja por que de vez em quando ao invés de você ser chamada, para a frente da turma, eu sou. — Disse em um tom convencido.

— Não sou sempre chamada, e você é muito convencido.

— Aluna prodígio. — Desdenhou.

— Isso é inveja. — Comentei antes de começar a rir juntamente à ele.

— A propósito, Kim Taehyung. — Disse seu nome quando paramos de rir e eu estendi a mão pegando na que ele estendia.

— Me chame de S/n. — Sorri abertamente.

[FlashBack Off.]


Nós nos conhecemos de uma maneira tão por acaso, que eu nem mesmo percebi quando já estávamos comendo juntos todos os dias. A linha tênue que separava o desconhecido do conhecido, não existia mais; de repente, saíamos para os mesmos lugares e sempre conversávamos quando íamos lado à lado no ônibus. Quando menos percebemos aquela conversa banal no ponto de ônibus, havia nos tornado melhores amigos.

Passaram-se meses e o contato só aumentava — junto com a intimidade, — ainda me lembro do dia em que ficamos pela primeira vez, claro sempre dissemos que aquilo fora apenas para espantar pessoas indesejáveis.


[FlashBack On.]


— Taehyung! Vem cá! — Explodi em risos quando o ruivo bufou ao ser puxado do quase beijo com a loira que ele estava cantando desde quando chegamos. — Já eu devolvo ele. — Pisquei para a mulher que me olhava como se quisesse me torturar até a morte.


Naquela noite havíamos combinado que iríamos beber todas e nos divertir como ninguém já que era a primeira vez que íamos à uma boate juntos, metade do acordo estava completa. Eu estava parcialmente bêbada, e pelo estado do cabelo de Taehyung que estava bagunçado, da sua blusa está quase completamente aberta — dando a visão de seu abdômen semi-definido, o que atraía vários olhares não só pelo físico mas, as tatuagens mais visíveis agora — ele estava no mesmo estado do que eu.


— O que quer, anjo? — Disse rouco e pausadamente.— Eu ‘tava quase beijando a loira. — Formou um bico em seus lábios e automaticamente, eu umedeci os meus.


Me aproximei do mesmo à ponto de quase colar nossos corpos, coloquei meus braços ao redor do seu pescoço e pude notar o mesmo franzir o cenho — obviamente sem entender coisa alguma,— me pus nas pontas dos pés e coloquei minha boca rente ao seu ouvido.


Quero que me beije. — Sussurrei e pude notar seus pêlos se eriçarem. — Somos amigos, não é? — Pude sentir suas mãos tocarem a parte nua da minha cintura, colando nossos corpos.

— Somos. — Disse sem rodeios e eu me afastei apenas para ver o seu semblante. — Por que quer que eu a beije?

Só me beija logo, Tae! — Disse impaciente.


Ele me olhou por alguns segundos com a sobrancelha esquerda arqueada estranhando o meu pedido mas, diferente do que eu imaginei; ele não hesitou. Me beijou logo em seguida, seus lábios eram exigentes e macios. Sua língua estigava a minha com toques suaves enquanto meus dedos tratavam de bagunçar ainda mais e puxar aqueles cabelos cor de fogo do mesmo, ele tinha um gosto peculiar; um gosto meio adocicado, imaginei que fosse pelas caipirinhas de morango que o mesmo não parava de pedir — aquilo só deixava o ósculo ainda mais gostoso, — sentia suas mãos passearem pelo meu corpo sem nenhum resquício de vergonha iminente, arrancando arfares pesados de nós dois. Quando a falta de ar se fez presente, o mesmo mordiscou meu lábio o puxando para si sem abrir os olhos. Abri meus olhos lentamente acompanhada do mesmo, que me olhou com um sorriso totalmente malicioso.


— Não pergunte, apenas siga o jogo. — Me virei e comecei dançar rente ao corpo de Taehyung, minhas costas batiam em seu peito quase desnudo. — Vai ser divertido! — Sussurrei. Então o mesmo deu de ombros, me seguindo.

Você não disse que estava acompanhada! — Ouvi uma voz atrás de nós dois, o que me fez sorrir e nos viramos lentamente.— Aqueles olhares, pensei que significasse algo!


Olhei para Taehyung e ele estava com uma sobrancelha arqueada em direção ao homem, me virei para ele e coloquei minhas mãos em seu peito o olhando como se fosse sua namorada, se é que aquele olhar existisse.


— Honey, what's he talking about? (Querido, do que ele está falando?) — Falei em um tom manhoso e Taehyung reprimiu os lábios, ele estava segurando o riso.

— Baby, he said you were looking at him too much. And he thought it meant something. (Bebê, ele disse que você estava olhando demais para ele. E ele pensou que isso significava alguma coisa.) — Foi a minha vez de prender o riso, visto que, Taehyung interpretava tão bem.

— E agora essa! Nem falar a minha língua, ela sabe. — Revirou os olhos e eu fiz a melhor cara de confusa que eu pude.

— Desculpe, cara. Chegamos ontem, e ela ainda não se adaptou bem ao inglês. — Taehyung falou em um tom calmo.

— Esquece, cara.


Dito isso, ele virou as costas e saiu de perto da gente. Esperamos ele sair do nosso campo de visão para começar a rir que nem dois cúmplices, quando paramos, Taehyung me olhou.


— Você não presta! — Disse entre risos e parou fazendo uma pausa drástica. — Me sinto usado! — Falou colocando as mãos no peito, em um gesto teatral.

— Você adorou! — Falei convencida.

— Isso eu não nego! Estou aqui sempre que quiser! — Provocou.

— Vou lembrar disso, agora volta para sua loira!

[FlashBack Off.]


Depois daquele dia, nossa intimidade aumentou em um nível que depois de algumas semanas estávamos morando juntos. Nos lembramos bem daquele dia, e não sei se queremos esquecer — pelo menos, da minha parte, nem pensar — aquele modo de dar foras em pessoas, nunca mudávamos; as pessoas vinham de ambas as partes e se caso não quiséssemos, esse era o modo sutil de dizer “não” à elas. O irônico é que nunca falhava! Chegava até ser cômico a cara das pessoas ao ver que estávamos “juntos”, e aquilo acabou virando uma piada interna entre nós. Tanto que, quando nos despedimos um do outro, sempre fazemos isso em inglês.

Eu gostava daquilo que nós tínhamos, aquela amizade colorida sempre nos rendia bons momentos.


(...)


Fui até a sala de estar, apenas de calcinhas e meias — era assim que eu costumava ficar quando estava completamente sozinha em casa — parei em frente ao espelho, e me olhei. Tateei com as pontas dos dedos a tatuagem do meu quadril, era um gato preto com mínimos detalhes até o meio da minha coxa direita. A minha paixão felina, era de fato os gatos — tanto os selvagens, quanto os domésticos —. Sempre quis fazer uma flecha com detalhes de penas na ponta, nas minhas costas, pensei que poderia significar algo coragem e uma pessoa totalmente destemida, claro que a estética favorece também.

O que eu ia fazer, com certeza, nesse workshop. Parei e me veio a idéia de repente, por que não fazer o mesmo que Taehyung? Eu não iria fazer nenhuma tatuagem hoje, mas eu poderia ver como estava o evento e claro, alguns garotos não iriam me fazer mal.

Olhei para o relógio e era um pouco mais das sete da noite; então sem pensar duas vezes corri para o banheiro.


(...)


Vesti um vestido branco com um série de rasgos nele, com uma fina renda por baixo desse vestido. Me olhei no espelho e vi que um determinado corte na horizontal do vestido na minha coxa direita, mostrava parcialmente a minha tatuagem. Arrumei o meu cabelo, com uma simples escova — o lado bom de ter cabelo curto — baguncei ele um pouco propositalmente, e fiz uma maquiagem leve, saí do quarto me perfumando e calcei meus sapatos.

Peguei meu celular e me olhei uma última vez no espelho da sala, aquele vestido havia caído como uma luva em meu corpo, ele delineava bem as minhas curvas. Dei uma última encarada e segui saindo do apartamento.


(...)


Havia demorado um pouco para conseguir pegar um táxi devido ao trânsito caótico que era em Londres, mas eu tive paciência e consegui. Peguei meu celular e coloquei no contato de Taehyung;


“Me espera na entrada do evento? Eu resolvi ir dar uma olhada. ;)”


Ele não tardou a responder, dizendo que estaria me esperando no acesso A; pedi para o taxista estacionar logo à frente. Quando desci do carro, procurei com os olhos o meu amigo e o achei ao lado da placa “Acesso A”, ele estava com as mãos dentro dos bolsos e aparentemente, não havia me visto chegar. Fui andando até ele e quando o mesmo virou para me olhar, arregalou os olhos.


Princesa… — Falou boquiaberto.

— Estou gostosa, não estou? — Falei convencida.

— Demais! — Ele bateu umas palminhas e assobiou em admiração. — É para me provocar? Porque eu estou vendo sua tatuagem daqui. — Sussurrou mordendo os lábios.

— Talvez. — Pisquei retribuindo a provocação. — Vamos entrar logo!


Ele demonstrou um sorriso enquanto negava com a cabeça; entrelaçei nossos braços e entramos no evento, observei tudo enquanto o Tae nos dirigia até onde os amigos dele estavam. O evento estava completamente lotado, haviam pessoas fazendo tatuagens em todos os cantos que se podia olhar. Algumas com uma toalha cobrindo determinadas partes do corpo devido, as partes onde iriam fazer as tatuagens serem um pouco “inusitadas” para ser mostradas ao público, que especulava.

Alguns tatuadores estavam com uma equipe de repórteres, fazendo uma entrevista. Taehyung no meio do percurso, disseram que os amigos deles já haviam feito a entrevista mais cedo. Eu pensei que era para todos os tatuadores, mas pelo visto, só para aqueles que se destacam. Quando chegamos no local onde os amigos de Taehyung estavam, franzi meu cenho ao não entender. Parecia algo como uma loja de um shopping center, mas não fazia sentido já que todos os outros estavam em espécies de tendas.


— Por que eles estão aqui? E não em uma tenda como os outros? — Perguntei visivelmente, confusa.

Por que ganhamos o concurso de mais tatuagens em um certo período de tempo.


Disse uma voz atrás baixa atrás da gente, quando nos viramos, pude notar um homem com os cabelos escuros, asiático como o Taehyung, um pouco mais alto que ele e talvez, com mais tatuagens que o mesmo. Ele estava com uma regata preta, — o que deixava a mostra os seus ombros largos e os seus braços musculosos, cobertos de tatuagens. Algumas coloridas outras, sem cor — usava uma calça moletom, o que não deixava que eu não visse o volume que tinha as suas coxas.


— Ganhamos? — Perguntei sem entender, já que era o plural e eu só via ele.

— Sim, ganhamos princesa. — Disse outra voz, dessa vez vindo do lado de Taehyung.


Olhei para o lado e vi um homem loiro, um pouco mais baixo que os dois mas, mesmo assim mais alto do que eu. O mesmo tinha uma touca em seus cabelos e apenas alguns fios claros de seu cabelo caíam sobre sua testa, ele tinha uma tatuagem em hangul na lateral de seu pescoço que por conta da distância, não pude traduzir. O mesmo tinha menos tatuagens, algumas até o antebraço de ambos os braços e pude perceber algo em seus ombros — o que por conta da camiseta que o mesmo usava, não me deixou ver — pela camiseta, dava para notar alguns músculos do mesmo e suas pernas, as duas bem malhadas. Ele por sua vez, usava uma calça de couro preta que era justa ao ponto de perceber até um certo volume na frente.


— Está bem, já que apareceram; conheçam a S/n, rapazes.


Eles me olharam e o moreno se pronunciou rapidamente, me olhando com um olhar intenso que mesmo com o ar-condicionado forte, me deixou com muito calor.


Eu sou o Jungkook. — Estendeu sua destra para mim, que prontamente eu apertei.

E eu, o Jimin. — Soltei a mão do outro e ele foi mais ousado, beijando as costas da minha mão sem tirar os olhos de mim. — Você não contou que a sua amiga era tão… Linda. — Contive um riso sabendo que não era aquilo que ele queria dizer.

— É Taehyung, você omitiu vários detalhes. — Disse o outro, ainda me encarando.

— Se eu contasse como ela era, tenho a plena certeza que vocês dois iriam querer se hospedar lá em casa! — Taehyung comentou como se fosse óbvio.

— Eu não acharia ruim! — Disse rapidamente. — É sempre bom ter companhia em casa, principalmente, quando são homens tão… Lindos. — Brinquei e eles riram, vieram para mais perto e nos disseram para entrar.


(...)


Não tinha a noção das horas desde quando havíamos entrado, mas tenho certeza que já fazia bastante tempo. Eu estava sentada na maca em que eles faziam as tatuagens, conversando abertamente com os três; Taehyung estava quase ao meu lado na poltrona, e os outros dois estavam em cadeiras com as pernas abertas. Eles haviam encerrado o horário deles na hora em que eu havia chegado, e desde então a conversa havia fluído normalmente entre nós. Às vezes, Jimin ou Jungkook soltavam cantadas disfarçadas, e eu as respondia sem nenhuma vergonha; afinal, como Taehyung aqueles dois homens me provocam sensações, e olha que nem havia acontecido nada.


— Então, quer fazer uma flecha em suas costas? — Assenti rapidamente e Jimin continuou. — Adoraria ser quem a tatuaria.

— Não vejo por que não, seria uma maravilha!

— Então, amanhã a primeira tatuagem do dia será a sua.


Piscou para mim e eu sorri abertamente cruzando minhas pernas.


Agora me diga, S/n. — Começou Jungkook e logo continuou. — Taehyung nos falou sobre a amizade colorida de vocês dois, mas nunca passou disso, não é?

— Não. — Arqueei uma sobrancelha, não entendendo o propósito daquele assunto.

— Gostaria que passasse? — Arqueou uma sobrancelha e me encarou intensamente.


Meus lábios se curvaram num sorriso ladino e eu olhei para Taehyung, que agora me olhava intensamente.


— Eu não mandei ele perguntar isso. — Levantou as mãos em sinal de rendição. — Mas, também é uma curiosidade minha.

— Não se preocupe, Tae. A verdade, é que sim, não sabem como eu queria. — Disse livremente e pude notar Taehyung morder seus lábios.

Será que com a gente também teria uma amizade colorida assim? — Foi a vez de Jimin se pronunciar.

— Até bem mais, se duvidassem. — Pisquei e pude ver ele sorrir maliciosamente.


Jungkook se aproximou de mim lentamente e colocou ambas as mãos em cada lado do meu corpo se abaixando para ficar com o rosto da altura do meu. Se esticou e colocou seus lábios rente ao meu ouvido, roçando seus dentes em meu lóbulo.


Então, por que não com nós três ao mesmo tempo? — Mordiscou meu lóbulo e pude sentir todos os pêlos do meu corpo se eriçarem.


Notas Finais


KKKKK EU AMO O JUNGOO ASSIM, E CÁ ENTRE NÓS MEU SONHO TODO ESSA FIC
O HOT VEM MEUS BENS KKKKK
ME DIGAM O QUE ACHARAM E É ISTO, AMO VOCÊS.
primeiramente, quero agradecer a @busan97 me ajudando novamente com os meus plots inacabadoskkkkk você é um anjo, amor.
segundamente, a pessoa maravilhosa que fez a capa, salvando a minha pelekkkk eu não achava capista livre em lugar nenhum, enfim você é um amor, mo. OBRIGADA @cosmicpony

Perfil: @taemotiva.

até o hot, quer dizer, capítulo que vem kkkkk beijos xuxus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...