História Long Way - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Annie Leonhardt, Armin Arlert, Bertolt Hoover, Dot Pixis, Eren Jaeger, Franz Kefka, Grisha Yeager, Hannah Diamant, Hannes, Jean Kirschtein, Keith Shadis, Levi Ackerman "Rivaille", Marco Bott, Mikasa Ackerman, Mina Carolina, Personagens Originais, Reiner Braun, Samuel Linke-Jackson, Sasha Braus, Thomas, Thomas Wagner, Ymir
Tags Attack On Titan, Levi, Scarlet
Visualizações 45
Palavras 1.761
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Luta, Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha ai o primeiro dia de treino da nossa querida Scarlet.
Boa leitura!!

Capítulo 4 - Primeiro Dia


Fanfic / Fanfiction Long Way - Capítulo 4 - Primeiro Dia

_Primeiro faremos um teste de equilíbrio – o instrutor Shadis disse alto – quem não puder fazer isso não serve nem de isca!

Todos os cadetes reunidos ao redor dos guindastes de treino enquanto aos poucos cada um passava pelo teste, vários conseguiam e saiam com sorrisos vitoriosos, mais houve aqueles quem balançavam e caiam.

Aqueles que não conseguissem voltariam aos campos de plantio e eu tinha que admitir, o nervosismo começava a me consumir, mais me mantive seria e vesti o cinto, dei em aceno e as cordas começaram a me puxar pra cima.

Quando finalmente estive fora do chão, suspensa no ar, eu percebi o quão ridículas eram minhas ressalvas, isso era absolutamente fácil, quase como estar em um balanço estreito.

Flexionei minha perna esquerda e, pronto, o peso foi jogado uniformemente e minhas mãos estavam livres para dar um sinal encorajador a Eren.

Mikasa estava assim como eu, equilibrada e calma, Armin balançou, mais se equilibrou eventualmente, mais Eren era outro caso, virou de ponta cabeça e Shadis o cobriu de gritos e ameaças.

 

Encorajador...

 

No final da tarde eu, Mikasa e Armin ainda estávamos tentando ajudar Eren com algumas dicas.

_Faça o básico e não pense muito – Mikasa disse – concentre-se o equilíbrio no centro e distribua o peso nas fivelas da cintura e pernas – ela explicou

_É como um balanço estreito, não vá muito para trás nem para a frente, o equilíbrio é mantido no centro – eu acrescentei

_Se fizer com calma vai conseguir, até eu consegui – Armin disse

Mais não adiantou nada, assim que os pés de Eren deixaram o chão ele foi direto com a testa no solo e apagou.

Eu e Mikasa o socorremos as pressas e levamos ele a enfermaria, mais isso foi só mais estresse.

Assim que a moça havia dito que terminou eu franzi o nariz, um péssimo trabalho como enfermeira, as ataduras iriam cair a qualquer momento e ela nem havia checado para ver se havia contusão.

Desde os oito anos eu ajudava minha tia em seu trabalho como medica e, modéstia a parte eu e ela éramos as melhores de Shiganshina, junto com o pai de Eren.

Assim que ela deixou a sala eu ajeitei as ataduras e fiz testes de coordenação motora e sinais cognitivos, e para meu alivio Eren só tinha um enorme galo e uma forte dor de cabeça, além de é claro, uma autoestima baixa.

Mais tarde no jantar eu me sentei com Eren e os outros, hoje todos pareciam quere estar longe de Eren, ou contrario da noite anterior quando todos queriam saber sobre os titãs.

Armin e Mikasa lançaram suas palavras tranquilizantes, mais eu permaneci de olho na minha comida, milhões de coisas na minha cabeça, se Eren não conseguisse e fosse expulso eu já podia imaginar Mikasa indo junto, Armin não continuaria aqui sem eles e depois de tanto tempo juntos eu não podia simplesmente dizer “ei eu estou ficando, boa sorte lá fora”.

Não havia lar para voltar, não havia família nos esperando e nem futuro para nós além de sermos soldados.

Eu senti os olhos verdes de Eren pousarem em mim e pela primeira vez naquela noite eu ergui meus próprios olhos da minha refeição.

Os olhos de Eren era verdes, me lembrava a uma floresta distante nas memorias e a fúria ali era igual a um catástrofe natural.

_Você vai conseguir Eren – eu disse calmamente – você tem que conseguir, ou vamos voltar atrás!

 

mais tarde...

 

Naquela noite eu deixei os dormitórios sorrateiramente, vesti a capa verde dos cadetes e me esgueirei pela escuridão sem rumo, apenas querendo ver as estrelas, mais as nuvens essa noite não facilitavam nada.

Um som a minha direita me chamou a atenção e eu observei Eren e Armin junto com mais dois garotos altos, todos com capas como as minhas e uma lamparina a óleo para iluminar a noite.

Me esgueirei atrás deles e me pronunciei, oque resultou em suspiros apavorados.

_Eren – eu o chamei – oque faz aqui fora a esse horário? – questionei

Cruzei os braços e lhe dei um olhar serio, Armin parecia que ia derreter, mais Eren franziu o cenho.

_Eu poderia perguntar o mesmo – Eren rebateu

_Eu sou a mais velha aqui – rebati novamente

Ele pareceu surpreso por um momento, mais no momento seguinte fez bico e me respondeu com um resmungo.

_Eu só estava...   – mais ele foi contado no meio da sua fala

O loiro alto deu um passo a frente, quase como se quisesse enfatizar nossas diferenças de altura, deu-me um olhar serio e disse.

_Agora, onde isso pode ser da sua conta? – ele questionou sarcasticamente

Armin e Eren arregalaram os olhos, e o menino moreno alto deu um passo pra trás com o meu olhar.

_Agora, escute aqui seu pirralho – eu apontei meu dedo e cutuquei seu peito – são meus irmãos mais novos, e desde que estão saindo na calada da noite com dois estranhos isso passa ser da minha conta – eu disse irritada

A cada duas palavras eu cutuquei seu peito e de repente a pose de durão caiu e a expressão dele assou para perplexo.

_M-me desculpe – ele disse nervoso

Eu dei a volta nele e parei diante de Eren e o pequeno loiro assustado.

_Onde vocês estão indo? – questionei novamente

_Só íamos dar uma volta – Eren respondeu nervoso

Eu assenti devagar, e depois sorri minimamente.

_Eu também estava dando uma volta – eu expliquei – posso ir também? – questionei

Eles se entre olharam e depois assentiram, o caminho até as arvores foi quieto, o silencio sendo quebrado apenas quando Armin se dirigiu a mim.

_Scarlet – ele me chamou

_Hm?

_Você disse que éramos seus irmãos – ele disse timidamente – era verdade? – ele questionou

Eu o olhei confusa e ele rapidamente acrescentou.

_Q-quer dizer, você nos considera assim? – ele disse nervoso

Pela visão periférica eu podia ver Reiner e Berthold olhando por cima dos ombros, mais não me importei.

Passei meu braço direito sobre o ombro de Armin e o trouxe para perto com um sorriso gentil.

_Claro que sim, maninho – respondi

_E-eu sempre quis ter uma irmã – ele confessou

Meu sorriso desapareceu e eu o olhei incerta.

_E esta feliz com a que tem? – questionei

_Sim! – ele disse com um grande sorriso

Eren se aproximou e tentou por um braço sobre meu ombro, mais eu o ignorei e o afastei, para surpresa dele.

_Você tem Mikasa, Eren – eu disse olhando em frente – eu sou apenas do Armin!

As bochechas do loiro ficaram vermelhas e Eren me olhou chocado enquanto eu ria freneticamente.

_EI, volte aqui – ele mandou correndo atrás de nós

Dessa vez eu deixei que o moreno se agarrasse a mim também e nós três compartilhamos sorrisos divertidos.

_Então...  - o loiro alto, Reiner, disse – vocês nãos são irmãos de verdade?

_Não temos laços sanguíneos, se é oque você quer saber – respondi clamamente – mais estamos juntos desde muito antes de tudo isso.

_Sim, eu conheço Scarlet desde sempre – Eren disse

_O mesmo – Armin disse

_Eu vi o pequeno Eren vir ao mundo, e conheci Armin quando ele ainda era pequenininho – eu sorri – quer dizer, menor.

_Ei – Armin protestou – você é menor que eu!

_Sim, mais isso não te faz alto – eu disse rindo

 

 

_A maioria dos jovens estão aqui apenas pela aparência na sociedade – Berthold disse – maior parte dos sobreviventes eram vistos como covardes, mais eu também não sou diferente deles. Escolhi ser um recruta para poder me tornar policial e viver na segurança da capital – ele fez um pausa

Estávamos subindo, o terreno se tornando cada vez mais perigoso.

_Se não der certo, acho que abandonarei tudo pois eu não tenho vontade própria – Berthold continuou

_Se preocupar com sua vida não é ser covarde, ou não ter vontade própria – eu respondi – qualquer um com mais bom senso que Eren presa sua vida – eu disse seria

_EI – Eren protestou e eu apenas dei de ombros

Passamos uma cerca de arrame farpado, e continuamos subindo.

_Eu quero voltar para minha terra natal – dessa vez era Reiner – é só isso que eu penso.

_E você, por que se tornou soldado? – Berthold questionou Eren

Um olhar determinado tomou conta da expressão de Eren e eu podia ver cenas daquele dia em minha mente.

_Eu desejo mata-los – Eren respondeu – matar os titãs com minhas próprias mãos!

Os meninos pareciam satisfeitos com a resposta de Eren, mais então o olhar do loiro alto caiu em mim.

_E você? – ele questionou

Eu pensei por um instante antes de responder, cenas dos dias pacíficos em Shiganshina, da minha tia do meu pai, e da destruição, do sangue e morte ao meu redor.

_Eu decidi que entraria para a tropa de exploração muito nova, após a morte do meu pai – respondi – mais sinceramente, hoje minhas razões são outras, eu quero cumprir um velha promessa e descobrir a verdade sobre tudo isso, quero trazer paz duradoura as pessoas na esperança de que ninguém mais tenho que ver o inferno que eu vi.

_Scarlet Hope, certo? – Reiner questionou com um sorriso

_Sim, isso mesmo – respondi retribuindo o sorriso – Reiner Braun, certo?

Ele assentiu em concordância e em seguida, pra minha surpresa, ele bagunçou meus cabelos.

_Você é uma mulher corajosa

 

 

No dia seguinte todos se reuniram ao redor de Eren enquanto ele fazia o teste novamente, e para surpresa geral, ele se equilibrou bem e todos comemoraram felizes.

Mais infelizmente, no momento seguinte, ele perdeu o equilíbrio e virou de ponta cabeça novamente.

Seu cinto soltou um som estranho e eu franzi o cenho, pensei brevemente sobre as aulas que meu pai havia me dado sobre o equipamento e dei um passo a frente quando Shadis mandou abaixar Eren.

_Com licença, senhor – eu pedi

O homem me olhou e franziu o cenho

_O que é, cadete Hope – ele questionou

_Acredito que o cinto do cadete Jaeger esteja com um problema – eu disse seria

_O que lhe faz pensar nisso? – ele questionou de repente interessado

_Posso? – apontei Eren

Ele assentiu e eu andei até Eren, outro cadete o abaixou e eu agarrei seu cinto ainda em seu corpo, mexi e puxei algumas coisas fazendo o corpo dele balançar e depois desafivelei e tirei da cintura dele.

Mexi na fivela agora em minhas mãos e me aproximei do instrutor com o cinto oferecido a ele.

_Teste outra, essa esta quebrada, senhor – eu disse convicta

_Como você sabe disso? – ele questionou

Tirou o cinto da minha mão e a avaliou com cuidado assentindo para um cadete trocar de cinto com Eren.

_Meu pai foi capitão da tropa de exploração e me ensinou muitas coisas, senhor – eu disse com uma pitada de orgulho.


Notas Finais


E então??


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...