1. Spirit Fanfics >
  2. Look after you - Chaesoo >
  3. Capítulo 19 - 18

História Look after you - Chaesoo - Capítulo 18



Notas do Autor


3/4, mais um aqui para vocês, espero que estejam gostando.


Boa leitura.

Capítulo 18 - Capítulo 19 - 18





— Você vai me dizer o que aconteceu? — perguntei para ela.

Jisoo ainda não tinha me soltado, eu ainda estava no seu colo, contra a parede.

— Eu vou te proteger, é isso — ela resmungou.

— Jisoo, você não pode fazer toda essa cena e não falar nada. Me conta o que está te perturbando, podemos resolver juntas —  falei segurando seu rosto entre as minhas mãos —  Confie em mim.

— Eu confio — ela respondeu — completa e cegamente.

— Então por que não me conta o que houve? — Jisoo me colocou no chão a contragosto — Por favor.

— Jisoo, talvez a Rosie tenha razão, é melhor ela saber — Momo aconselhou.

— Não! — Jisoo foi categórica, então se virou para mim — Você não precisa saber das merdas que acontecem na minha vida. Você não merece estar no meio de tudo isso.

— Chu, se você está no "meio de tudo isso", eu quero saber. Você disse que quer me marcar, me fazer sua companheira, então divida as coisas comigo.

— Você lembra o que aconteceu comigo? — Dahyun perguntou — Lembra o que aconteceu quando resolveram me proteger e não me contaram toda a verdade? — Jisoo concordou — Eu tenho certeza que você não quer que isso aconteça com a Rosé — Jisoo me apertou ainda mais em seus braços.

— Eu não sei o que aconteceu, mas eu prometo que posso aguentar. Se nós vamos ser parceiras, eu também quero fazer parte do seu mundo —  falei — apenas conte.

— Certo — Jisoo se sentou no sofá, me levando com ela e me fazendo se sentar no seu colo. Ela estava tão transtornada, que não me importei de Momo, Sana e Dahyun estarem vendo isso. Aliás, elas se sentaram no outro sofá, de frente para nós — Rosie, lembra daquele leilão que o alfa que te atacou falou que Woojin queria fazer? — Jisoo parecia escolher com cuidado cada palavra.

— Sim, por que?

— Porque — ela respirou fundo — Woojin realmente o fez.

O choque foi enorme.

Eu sabia que Woojin era desprezível, mas me leiloar?

Me tratar com um mero objeto?

— Você tem certeza? — perguntei hesitante.

— Rosie — Momo falou — aquela caixa que estava escondida no armário de Woojin, estava repleta de recibos e comprovantes bancários.  Você sabia que Woojin tinha contas em diferentes bancos?

— O que? Não —  respondi artudida — A única conta que ele tinha era conjunta comigo. Ele nem gostava de ir no banco.

— Eu encontrei pelo menos três contas, sendo que duas são em bancos internacionais fora da Coréia — quanto mais Momo falava, mais assombrada eu ficava —  Não somei o exato valor total ainda, mas juntas dão milhões de wons.

— Milhões? — perguntei assustada.

— Alguns milhões, talvez vários — Hirai respondeu.

— Desde quando?

— Eu não consegui acesso a todas as informações, mas sei que isso tem, pelo menos, dois anos.

— DOIS ANOS? — eu não podia acreditar naquilo —  Eu quase passei fome para a minha filhote ter o que comer! Eu trabalhei sem parar, quase não dormia, comprava roupas em brechós ou bazares beneficientes, enquanto Woojin tinha milhões em contas no banco?

— Rosie, ainda tem mais — Jisoo disse.

— Mais do que isso? — perguntei assustada.

— Para ter certeza de tudo, só se você, a herdeira direto, assinar uma procuração para que eu resolva tudo sozinho  — Momo explicava — Mas eu tenho alguns contatos em vários lugares e eles me falaram que a última transação bancária foi um depósito muito alto na conta de Woojin. O código usado foi de vendas, Woojin vendeu algo muito valioso.

— O que ele tinha de tão valioso assim? — perguntei sem entender.

— Você — Jisoo disse sobriamente.

(...)

— Rosie, eu me arrependo muito de ter matado Woojin — Jisoo falou baixo —  eu deveria te-lo deixado viver para tortura-lo de novo, dia após dia.

Estávamos no nosso quarto, depois de saber que eu tinha sido vendida e que agora eu precisava de segurança o tempo todo, porque elas não sabiam se meu comprador ia querer vir atrás de mim (Momo ainda não sabia quem tinha "me comprado"), eu precisei dar um tempo.

Jisoo me levou para o banheiro, ela deu banho em mim. Sem malicias, apenas carinho. Agora estávamos deitadas na cama, abraçadas.

— Eu não seria contra isso — resmunguei.

Como alguém pode ser tão vil? Ele sempre me tratou como objeto, mas isso?  Eu realmente não valia nada!

— Rosie, eu entendo como você deve estar se sentindo — Jisoo disse com cuidado — mas o que Woojin fez diz apenas sobre ele. Diz que ele era um verme desprezível sem respeito por nada. Ele tinha você do lado dele, ele tinha uma família e poderia ter sido feliz, mas escolheu ser um filha da puta e causar dor — ela respirou fundo — Você ainda continua sendo alguém maravilhosa, eu sou muito sortuda de ter você — eu tinha lágrimas nos olhos.

— Mas eu estou tão cansada das pessoas me machucarem — falei baixo.

— Pessoas que machucam as outras, principalmente por egoísmo, são pessoas medíocres — Jisoo me abraçou — Ninguém vai te machucar mais.

— Eu queria entender o que tem de errado comigo.  Meu pai, Woojin. . . Eles tinham vergonha de mim, por eu ser uma ômega, por eu ser uma menina em vez de menino, por eu não ser bonita. . . Eu nunca era apresentada a ninguém, eu nunca ia a lugar nenhum — desabafei.

— Rosé, eu vou falar algo bem sério — ela disse olhando nos meus olhos — nunca mais diga coisas terríveis sobre si mesma. Se esses "alfas" não tiveram a capacidade de ver o quanto você é especial, merecem ir se foder! — sua voz era seria — Você é perfeita do jeito que é, cada detalhe seu é interessante e maravilhoso. E se alguém te disser o contrário, me avise que eu faço a pessoa voltar a razão no soco!

Eu ri, em meio as lágrimas. Jisoo era alguém muito especial, eu tinha sorte por tê-la.

— Agora você vai se arrumar, nós vamos sair! — ela disse decidida — Dahyun foi buscar Som na escola, vou ligar para elas nos encontarem no restaurante!

— Chu, do que você está falando?  — eu ri de toda a animação dela.

— Você disse que eles nunca te apresentavam a ninguém e nunca te levavam a nenhum lugar, não é? Hoje nós vamos jantar em algum ótimo restaurante de Seul e depois eu vou te levar para conhecer um dos meus negócios.  Quero que todos te conheçam e saibam que estamos juntas.

— Por que você está fazendo isso?  — perguntei sorrindo.

— Eu tenho orgulho de ter você do meu lado e quero que todos vejam isso — ela disse e me beijou — E também porque aí todo mundo já vê você comigo e vão saber que se mexerem com você, eu os mato — Jisoo sorriu, como se aquilo fosse uma grande ideia.

Eu apenas ri, eu já tinha aprendido que quando a Jisoo tem alguma ideia, não adiantava tentar convencer do contrário.

Quando a Jisoo falou que iríamos em um ótimo restaurante, eu não achei que nós fossemos ir no "Yang GOOD", que é um dos restaurantes mais famosos de Seul!

— Jisoo, tem certeza? Olha como estou vestida! — eu estava com um short jeans e uma blusa simples cinza com alguns detalhes. Eu estava pronta para ir numa rede de fast food, não a um restaurante internacional.

— Rosie, aqui não tem código de vestimenta — Jisoo me falou. Assim que descemos do carro, ela pegou na minha mão e foi nos conduzindo para dentro.

— Claro, fácil falar, olha o jeito que você está vestida! — Jisoo usava uma blusa curta branca, calça escura e botas — Você parece uma modelo que acabou de sair de um desfile! — Jisoo riu alto.

— Você está linda, não se preocupe — ela beijou a minha cabeça — Pense pelo lado bom, a tala do seu braço é cinza, combina com a sua blusa — ela escapou rindo do tapa que eu tentei dar nela.

— Reservas? — a beta que estava na recepção nos perguntou. Ela usava um vestido preto e seu cabelo estava perfeito. Ela olhou Jisoo de cima a baixo, passeando seus olhos pelo corpo dela, mas fez uma nítida expressão de desgosto quando seu olhar caiu sobre mim.

— Eu não fiz reservas — Jisoo disse despreocupadamente. Na hora em que ela pegou na minha mão, a beta ficou chocada e me fuzilou com os olhos.

— Sinto muito senhorita — ela disse — mas estamos lotados, precisavam ter feitos reserva. Mas há algo mais que eu possa fazer pela senhorita? — o tom dela foi nojento, ela deixou bem claro que tipo de coisas ela podia fazer por ela.

Eu confesso que fiquei com raiva, muita raiva! Óbvio que não era ciumes, não, claro que não!

Só fiquei um pouco irritada pela falta de respeito da garota, só isso!

Já Jisoo parece ter achado graça e sorriu divertida.

Que bom que alguém estava se divertindo, não é?

— Me perdoe — Jisoo falou calmamente — mas você não entendeu, eu nunca faço reservas. Meu nome é Kim Jisoo — a garota empalideceu na hora — então, por favor, nos leve até a nossa mesa logo, pois eu e MINHA ÔMEGA não gostamos de ficar esperando.

— Cla. . . Claro. . .eu vou. . . Chamar alguém!  — ela se virou para chamar pelo garçom na mesma hora.

— Precisava de tudo isso? — perguntei para ela que riu.

— Ah qual é?  Foi divertido!  — ela se defendeu, então me abraçou — E não é como se você não quisesse voar no pescoço dela.

— Não tenho a menor ideia do que você está falando — respondi.

— Não mesmo?  — ela provocou mordendo o meu pescoço.

— Sra. Kim — um garçom nos chamou, me salvando — por aqui, por favor.

Nós seguimos pelo salão do restaurante, a maioria das mesas estavam ocupadas, muitas cabeças se viraram para nós, nos encarando.

Eu sei que na verdade estavam olhando para Jisoo, não tinha como uma mulher daquelas passar despercebida.

Ainda mais uma Alfa Lúpus Pura!

— Já vão pedir? — o garçom perguntou.

— Apenas nos traga a entrada — Jisoo falou — Estamos esperando convidados, quando as Hirai's  chegarem, as traga direto aqui, por favor

— Certo — o garçom se retirou.

— O que está achando Rosie? — Jisoo perguntou passando a mão pelo meu cabelo.

— Ainda é estranho, eu nunca estive em um restaurante — respondi — e as pessoas não param de olhar para cá.

— Normal — Jisoo se aproximou ainda mais de mim, pegando na minha mão e entrelaçando nossos dedos — elas sempre olham, espere até Momo e as outras chegarem, aí piora.

— Esqueci que estou acompanhada de uma famosa Alfa Lúpus — eu a provoquei e ela riu.

— Resolveu dar as caras — uma voz nos interrompeu. Era uma mulher mais velha, mais de 40 anos, uma alfa com cabelos castanhos — Tanto tempo sem aparecer, até tive esperanças que finalmente tivesse morrido.

Eu fiquei chocada com as palavras daquela mulher, mas Jisoo pareceu se divertir.

— Olá inspetora Sun, quanto tempo não nos vemos! Ainda esta obcecada por tentar me prender ou resolveu viver a sua vida e deixar a minha em paz? — Jisoo perguntou sorrindo, a mulher não achou graça.

— Depois de tanto tempo, te encontro jantando em um restaurante conhecido. Não sei se você é muito corajosa ou muito estúpida.

— Estou apenas jantando com minha companheira, inspetora. E se a senhora for nos incomodar, receio que terei que chamar a segurança.

— Companheira? — a mulher me olhou, me medindo de cima a baixo — Encontrou uma ômega para destruir a vida dela — Jisoo ficou séria — também vai larga-la quando ela não te servir mais? Vai a impedir de fazer o que?

— A única pessoa que está me impedindo de fazer alguma coisa é você, que está nos impedindo de continuar o nosso jantar — eu falei. A tal inspetora se surpreendou com as minhas palavras, já Jisoo sorriu.

— Ômega atrevida! Como ousa a. . .

— Sun — Jisoo falou séria — saia daqui agora e não se atreva a incomodar minha companheira de novo. Se você acha que fiquei brava quando ameaçou Dahyun, você não vai me querer na sua frente se importunar a minha Rosé, entendeu?

Sun nos olhou feio e apenas saiu, voltando para a sua mesa que era longe da nossa.

— Me desculpe por isso — Jisoo me falou — a inspetora Sun é só uma oficial que subiu na polícia puxando sacos e tem uma certa obsessão comigo.

— Você fez algo para ela te odiar tanto?

— Eu não fiz nada — Jisoo falou tão maliciosamente, que eu tive certeza que ela pode não ter feito nada, mas foi a culpada pelo o que aconteceu.

— Mamães — Som veio correndo até nós, ela me abraçou e me beijou, depois foi a vez da Jisoo, que também a pegou no colo.

— E aí? — Sana perguntou enquanto se sentava. Dahyun e Momo se sentaram também. Hirai parecia séria.

— Impressão minha ou eu acabei de ver a Sun?  — Momo perguntou e Sana começou a procurar em volta, também parecia tão brava quanto Momo.

— Sim, ela já veio nos encher a paciência — Jisoo falou enquanto ajudava Som com o cardápio — Rosie a colocou no lugar dela.

— Rosé? — Sana riu — Essa é a minha garota!

— Sua o que? — Jisoo perguntou na mesma hora.

— Isso vai ser divertido — Dahyun riu.

— Tia Sana — Som a repreendeu — Mamãe Rosé é da mamãe Jisoo. Você já tem a Tia Momoring e a Tia Dahyunie, não seja egoísta!




Notas Finais


Som é meu orgulho kkjkkk, já já tem mais meus lindos.



Até já. ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...