1. Spirit Fanfics >
  2. Look After You JunHao >
  3. Capítulo 4

História Look After You JunHao - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Eu falei que só ia postar um ou dois capítulos por semana,mas essa quarentena da me deixando tão entediada que decidir escrever mais um capítulo pra ver se meu tédio passa kkkkk

Boa leitura

Capítulo 4 - Capítulo 4


Eu estava petrificado, congelado de medo, meu coração batia desesperadamente no meu peito, eu estava achando que ele podia escutar. Mas aí lembrei que ele era um Alfa Lúpus, então ele realmente estava escutando meu coração desenfreado. Junhui deu um pequeno sorriso de canto e se ajeitou na poltrona. 

– Se acalme MingHao, só precisamos conversar. Sente-se – ele indicou o meu sofá, como se a casa fosse dele. Eu até poderia chamá-lo de arrogante ou presunçoso mas contando com o fato de que ele poderia arrancar minha cabeça em poucos movimentos não achei uma boa ideia. 

Caminhei para o sofá como se estivesse caminhando para a morte, porque talvez eu realmente estivesse. Me sentei no sofá, engoli em seco e esperei que JunHui começasse a falar. 

Whh JunHui é muito mais do que Woozi tinha dito. Ele é absurdamente lindo, tudo nele chama atenção, até o jeito que apoia seu rosto em sua mão e olha de canto para mim, parece um convite. 

Ao mesmo tempo em que é possível perceber o quão poderoso e perigoso é. 

Seu olhar parece avaliar cada pequeno detalhe, como se o tempo todo estivesse em diferentes possibilidades e em todas ele sairia ganhando. O grande problema, meu problema no caso, é que esse olhar estava voltado para mim no momento. 

– Park Kwan – ele falou esse nome vagarosamente - você conhece, não? 

– Sim - Sussurrei. 

– Seu marido? – por que ele fazia perguntas, das quais sabia as respostas? 

– Apenas no papel – respondi com o máximo de confiança que eu tinha, o que nem era muita. 

Mas Junhui pareceu gostar, já que seu sorriso de canto voltou, dessa vez um pouco maior. 

– Me falaram que você responderia algo do tipo, mas eu queria me certificar – ele disse. A voz dele era grave e levemente rouca – Então você não se importa se algo ruim aconteceu com ele? 

Eu fiquei tenso, quer dizer, mais ainda, JunHui percebeu isso.

 – Não. 

– Então por que ficou tenso? 

– Eu tenho medo – confessei quase sussurrando — Que você faça algo comigo ou com a minha filha. 

– Vocês fizeram algo de errado? 

– Não! Eu nem queria que ele fizesse seja lá o que estava fazendo, eu implorei para ele parar!– eu entrei em desespero, estava falando sem parar – Olha, todo o dinheiro que ele me deu, eu guardei – eu corri para pegar a caixa de madeira e entreguei para ele – Pode ver, está todo aí. Sei que ele deve ter roubado bem mais, mas se me der um tempo, eu posso conseguir o dinheiro! Sim, eu posso! Por favor, minha filha não tem nada a ver com isso, Nari nem gostava dele, na verdade o odiava, por favor... 

 – MingHao! – ele falou alto, me interrompendo. – Respire! Eu não farei nada com você ou sua filha. Nada de ruim. 

Fechei minha boca na hora. 

Ele não ia fazer nada de ruim? 

O que ele ia fazer? 

– Não quero esse dinheiro, use o para vocês, compre coisas para sua filha, faça o que quiser. Kwan já pagou a dívida que tinha comigo de outro jeito – ele me devolveu a caixa – Preste atenção, eu não gosto de enrolar. Eu sigo o Código de Conduta dos Alfas e você já deve saber o que aconteceu com seu marido. 

– Ele não é meu marido – eu o corrigi – e eu não sei o que aconteceu com ele. 

– Não? – ele levantou uma sobrancelha.

 – Não, só sei que ele não aparece aqui há cerca de duas semanas – será que When achava que eu o estava escondendo?

Pela primeira vez o alfa a minha frente esboçou alguma reação, algo parecido com o espanto. Talvez o fato dele perceber a minha sinceridade o tenha deixado surpreso. Junhui se levantou da poltrona e se sentou do meu lado no sofá, perto demais. 

– Você está dizendo a verdade, você realmente não sabe – ele parecia falar consigo mesmo, nossos joelhos se tocando e eu só conseguia pensar o quão próximos estávamos – sua marca não te avisou? 

- O que minha marca tem a ver com isso? – em um movimento rápido, ele puxou a gola da minha camiseta, deixando minha marca a mostra – Hey! – eu tentei me afastar, mas ele segurou meu braço com uma mão, enquanto a outra dedilhava a minha marca – Pare! – não doía, só era estranho porque eu estava me inclinando para longe dele e ele se inclinava para cima de mim. 

– Sua marca está completamente cicatrizada e fraca, parece que isso foi há anos – ele estava tão intrigado com aquilo, que não percebeu que se aproximava cada vez mais – e ela é tão rasa, quase superficial. Se me dissessem que é a cicatriz de algum corte, eu acreditaria, não parece coisa feita por um Alfa. 

– Sim, Kwan se estressava com isso também, até tentou me morder de novo algumas vezes, mas sempre ficava assim... Será que você pode se afastar? – finalmente seus olhos vieram para o meu rosto, estávamos tão perto, que eu sentia a sua respiração na minha pele. 

Os olhos dele eram como um universo, escuro e brilhante, eu podia dizer que eram os olhos mais lindos do mundo, mas para mim sempre seriam os olhos da Naomi . Então, com certeza, aquele par que me encarava ocupava o segundo lugar. 

– Certo – ele se afastou ligeiramente, também se livrando do transe que estava preso – Acabei me perdendo e não falando o que vim fazer aqui – ele passou a mão pelos cabelos, como o cabelo dele podia parecer tão macio? – Quero que preste bem atenção e não quero que em momento nenhum você sinta de medo de mim, entendeu?

– Sim – tarde demais, mas eu não ia retrucar. 

– Kwan está morto. 

– Oh Deus! 

– Eu o matei – ele falava calmamente. 

- Você o matou? 

– Sim, ontem a noite. 

– Ontem, claro, por que não? – respira, MingHao, respira! 

– Eu disse que você não precisa ter medo de mim. 

– Você invade a minha casa, fala que matou o Alfa que, que teoricamente, é meu marido e ainda diz que eu não tenho que ter medo? – me levantei e comecei a andar pela sala – Sabe que estou a um passo de entrar em pânico, não é? 

– Por que? – ele sorriu! Ele estava se divertindo com meu desespero! Além de mafioso gostoso, ainda era cretino! 

– Precisa mesmo que eu repita a minha última fala? 

– Sente-se MingHao – ele bateu a mão no sofá, do lado dele – Não sei se já ouviu falar de mim, mas eu sigo o Código de Conduta dos Alfas, o que quer dizer que em momento algum vou deixar você e sua filha desamparados. 

– Como? 

– É isso, não vou deixar que nada aconteça com vocês ou que lhes falte algo – Oh Deus! ele estava falando sério? – Eu verifiquei que falta muita coisa nessa casa, amanhã virei aqui com meus irmãos, faremos uma lista completa de tudo que precisamos comprar. Caso queira acrescentar algo, apenas informe Seungcheol. Também estipularemos um valor mensal de dinheiro para que eu te entregue, mas faremos as contas para que seja justo para vocês. Toda semana alguém fará uma visita, Jeonghan já se candidatou ao cargo, aliás, ele está animado em organizar uma festa para Naomi e... 

- Ow! Calma aí, lista? Dinheiro? Festa? Eu não estou entendendo nada! 

- Eu vou cuidar de vocês – ele sério e eu não vi um pingo de hesitação – MingHao, quero que entenda — ele se virou totalmente para mim, segurando as minhas mãos – Não sei como era o seu relacionamento com Kwan, mas ele quebrou todas as regras e passou do limite do aceitável. Mesmo sendo avisado diversas vezes, ele resolveu cruzar o meu caminho. Eu nunca perdoei a dívida de ninguém, não ia ser justo com a dele, um Alfa desprezível, que eu faria. Você não precisa saber dos detalhes, mas ele esteve em minhas mãos por dias. Um dos argumentos dele para que eu o liberasse, era que ele tinha família e vocês não conseguiriam sobreviver sem ele. Ao mata-lo, eu aceitei assumir esse papel. A partir de agora, irei cuidar de vocês. 

Acho que travei por alguns segundos. Fiquei paralisado. E, o pior, sabe qual foi a primeira coisa que pensei? 

- Que mentiroso! 

 – O quê? – JunHui perguntou confuso.

– Kwan! Ele é um mentiroso! Ele nunca cuidou de nós, mal dava dinheiro e o que ganhava, gastava quase tudo! Eu trabalhei logo depois que Naomi nasceu para nos manter. A única ajuda que vinha era quando a cada três meses, a mãe dele depositava dinheiro, por que do Kwan mesmo, só o dinheiro que está naquela caixa! Mas como ela me odeia, duvido que mande mais! Francamente, na hora de me bater ele não tinha essa de "cuidar da família"! 

– Te bater? – When perguntou e só então percebi que ele ainda segurava as minhas mãos. 

- Sim, algumas vezes ele me bateu e bem, ele era um Alfa estúpido. 

– Apenas posso dizer – JunHui falava controlado, enquanto soltava das minhas mãos – que fico feliz de já ter o matado, ou ele estaria ainda mais fodido. 

– Ok... – o que é esperado que eu diga, "Valeu por ter matado o meu marido?" – se serve de ajuda, eu realmente pedi para ele parar com isso. 

 – Eu sei, Jeonghan me contou – ele sorriu de canto – Hannie é ótimo para julgar caráter, nunca errou. Apenas uma vez eu achei que ele pudesse ter se equivocado, mas percebo que não. 

Nós ficamos em silêncio, eu podia dizer que estava tentando racionalizar absorver toda aquela informação, mas a verdade é que só fiquei olhando para aqueles olhos escuros.

– Que horas você vai buscar Naomi? – ele disse por fim, depois de um certo tempo. 

– Como? 

– Que horas você vai buscar Naomi na casa da seu amigo? 

– Como você sabe? 

– Eu sempre sei – foi a resposta dele. 

- Claro, óbvio que sabe – em um escala de um à dez, o quanto eu estou ferrado? – Dez e meia, combinei de ajudar a  Wonwoo organizar tudo. 

– Certo, estarei aqui as nove horas. Trarei alguém para consertar a porta do fundo – oque? consertar? – Depois de buscarmos Naomi podemos almoçar no shopping, eu vi que ela tem poucos brinquedos, a tarde meus irmãos virão aqui e poderemos conversar melhor sobre tudo o que falta na casa. 

– Espera, quê? – eu perguntei, ele estava se levantando, colocando seu casaco e pronto para ir embora. 

– Precisa que eu explique algo? 

– Pode ser tudo? Como assim vocês vão vir aqui? E eu não quero a minha filha no meio de nada disso! 

– Ômega, apenas...

– Não me chame assim! – eu vociferei. Me levantei e fiquei o encarando – Não me trate como inferior, só por causa do meu gênero! 

– Eu nunca faria isso com ninguém, muito menos com você – ele disse sério, colocando a mão no meu ombro – Apenas o chamei assim por força do hábito, mas te chamarei do que você quiser. Eu nunca faria algo para te magoar – eu via verdade no seu olhar e foi isso que me acalmou. Quando me sentiu relaxar, ele tocou o meu rosto – Ele o tratava assim? 

– Kwan me chamava de Ômega para justificar que eu sou inferior a ele – seu toque era tão bom, que me fazia querer dormir enrolado nele. 

– Esqueça que aquele "alfa" existiu, agora eu estou aqui – JunHui se aproximou de mim e beijou o topo da minha cabeça – descanse Hao, amanhã será um longo dia – então ele afastou – não esqueça de trancar a porta. 

Depois que ele saiu, ainda demorei alguns segundos para conseguir fazer meu corpo reagir, o que tinha sido tudo aquilo?

Tranquei a porta, corri para o banheiro e tomei um longo banho. 

When tinha falado a verdade? Agora ele "assumiria" a minha família? Mas o que isso realmente significa? Até que ponto isso é verdade? 

Me joguei no meu colchão ainda tentando entender o que realmente estava acontecendo. O pior é que eu não tinha com quem conversar, eu não tinha amigos de verdade. Mesmo Woozi e Taeyong, os mais próximos que eu tinha, não passavam de colegas de trabalho. Eu nunca tinha contado tudo o que acontecia dente da minha casa e, bem, não ia ser agora que eu ia contar. E, contra todas as possibilidades e pela primeira vez em muito tempo, eu dormi rápido e em paz, totalmente relaxado. Sonhando com olhos brilhantes.


Notas Finais


Então o que acharam??


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...