1. Spirit Fanfics >
  2. Look Around You. >
  3. Look Around You.

História Look Around You. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Tenho muito carinho pela história a seguir, então decidi postar vocês.

Ela baseada em um pedaço da minha vida, espero que gostem.

Um boa leitura a todos.

Capítulo 1 - Look Around You.



 

Magnólia era uma pequena cidade do interior, um lugar em que a ruas ainda eram feitas de pedras, era repleta de altas árvores e construções antigas, características essas, que a tornavam um excelente lugar para se viver. 

 

Apesar de todos os prédios serem vistosos, um deles chamava mais atenção que os outros, uma antiga mansão da cidade que havia sido transformado em uma escola de ensino médio, a Fairy Tail. 

 

Este lugar era onde adolescentes entravam e saíam de lá adultos, onde elas aprendiam sobre suas transformações, sobre seus amigos, sobre seus futuros e também sobre seus relacionamentos.

 

Cá estamos nós em mais um final de ano letivo, assistindo todas aquelas pessoas saírem daquele lugar, mais felizes do que nunca por mais um ano ter chegado ao fim.

 

Centenas de alunos saíam pelo portão mas dentre todos aqueles, um único casal era capaz de chamar a atenção de todos, ou pelo menos era o que parecia pois, na verdade, eles olhavam somente para a menina, ignorando completamente o garoto que andava ao seu lado.

 

Seu nome era Lisanna Strauss e ela era uma das garotas mais bonitas da escola, possuía cabelos prateados bem curtos, olhos azuis e um sorriso que ganharia sem dificuldade qualquer um ali. O garoto que andava ao seu lado era Natsu Dragneel e ele era apenas um amigo de infância dela, tinha estranhos cabelos rosados penteados em forma de tigela, olhos escuros e seu corpo era um pouco gordinho. 

 

As pessoas zombavam diariamente dele devido a sua aparência, achavam que ele não deveria se misturar com uma pessoa tão diferente dele, que deveria “se pôr no seu lugar”. Mas mesmo assim ele ainda possuía alguns amigos.

 

Os dois andavam em direção ao portão, quando a albina puxou conversa com ele.

 

Lisanna – E então Natsu, já fez planos para as férias? – perguntava ao jovem rapaz enquanto andavam. 

 

Natsu – Sim, irei amanhã para Crocus com meu pais. – a respondeu.

 

Lisanna – Tão cedo? As aulas mal acabaram. – ficou espantada com a notícia. 

 

Natsu – Sim... – coçou a cabeça.

 

Lisanna – Você sempre vai pra lá. – viu o garoto se envergonhar um pouco, não era normal uma pessoa fazer viagens sempre para o mesmo lugar – Nas próximas férias nós faremos uma viagem, você vai né? 

 

Natsu – Pode contar com isso. – pareceu pensar em algo mas deixou pra lá, se virou para a garota – E você, vai ficar por aqui mesmo? 

 

Lisanna – Sim, estava pensando aproveitar as festas de verão. – a garota se refere às tradicionais festas que a cidade organizava no mês de janeiro.

 

Ele era bastante tímido, mas ao pensar nas suas próximas atitudes se sentiu ainda mais envergonhado, queria falar algo para ela já fazia bastante tempo e essa era a hora, engoliu em seco e começou.

 

Natsu – Sabe Lis, como já irei viajar amanhã, eu gostar- – foi interrompido por um grito de uma garota.

 

Mirajane – Ei, Lisanna. – a garota que gritava era Mirajane, uma das primas de Lisanna que estudava na mesma sala que eles, ela era uma das mais inteligentes da classe – Me espera pra gente ir. 

 

A albina somente levantou o polegar pra ela e parou encostada na parede esperando pela prima. 

 

Lisanna – Você estava falando alguma coisa, pode terminar se quiser. – pediu.

 

Natsu – Não era nada. – vendo que a garota já estava se aproximando, ele decidiu que esperaria outra oportunidade – Ela já está chegando, vou indo pra casa. 

 

Lisanna – Se a gente não conseguir se ver, faça uma boa viagem. – e acenou para o amigo, vendo ele já se afastar. 

 

Natsu somente devolveu as palavras dela com um sorriso e seguiu seu caminho – °Perdi outra chance... mas talvez seja melhor assim, e se ela não gostar de mim dessa maneira?° 

 

Ele andava um pouco perdido em seus pensamentos quando um rapaz passa o braço em volta dos seus ombros, esse rapaz era seu melhor amigo, Gray Fullbuster. 

 

Gray era um rapaz moreno, o aluno mais cobiçado da sala por ter um corpo malhado, tirar boas notas e saber conversar com as garotas. Podia se dizer que ele o completo oposto do rosado, exceto pelas notas, que eram tão boas quanto.

 

Gray – Cara, você podia ter me esperado, sua casa fica no caminho da minha, preciso falar isso quantas vezes? – começava a apertar o pescoço do rosado com o braço. 

 

Natsu – D-Desculpe, estava falando com a Lis e acabei me esquecendo. – o amigo afrouxou o golpe. 

 

Gray – Você contou a ela? – questionou.

 

Natsu – Não consegui, de novo. – se lamentava, queria muito contar como se sentia – Dessa vez a Mira apareceu bem na hora. 

 

Gray – Cara, você não tem sorte mesmo hahaha. 

 

Gray sabia de toda a história, de como o tempo ia passando e o rosado não conseguia dizer o que sentia para a pessoa que amava e quando ele finalmente teve coragem de admitir, várias coisas aconteceram para impedir e quebrar o clima da conversa. 

 

Os dois seguiam andando pela calçada da rua principal enquanto o moreno sorria do azar do amigo, mas ao virar para o lado pôde ver que ele havia esbarrado em uma garota loira e a jogando no chão. 

 

Natsu, no mesmo instante, oferece a mão para ajudá-la e ela a segura para se levantar. 

 

Natsu – A gente precisa parar de se esbarrar, Lucy... – a loira que caiu ao bater no rosado era uma das velhas amigas que ele tinha, ela possuía grandes olhos castanhos que combinavam bastante com seu rosto, a deixando ainda mais bonita, porém suas maiores característica eram sua delicadeza e inteligência.

 

Lucy – Você que nunca olha por onde anda, só fica com a cabeça baixa. – olhou nos olhos dele e pôde ver que ele estava um pouco chateado – Não conseguiu de novo né? 

 

Natsu – Por que todos vocês ficam falando disso? Eu posso falar pra ela a hora que eu quiser. – ela continuou olhando fixamente pra ele, esperando ele admitir a verdade – Não, não consegui...

 

Lucy – Imaginei. – levou a mão até a testa e balançou a cabeça em negação – Vem comigo. 

 

Natsu – Mas eu tô indo embora com o Gray. – apontou para o moreno que estava do seu lado.

 

Lucy – Ele não vai se importar não é mesmo, Gray? – lançou um olhar mortal para o mesmo. 

 

Gray nem mesmo abriu a boca para falar, somente balançou a cabeça mostrando que não se importava e só pôde ver ela agarrar a mão do seu amigo e sair dali correndo com ele. Sem querer se intrometer na história dos dois, ele seguiu para casa. 

 

Lucy seguiu puxando o rosado por mais algumas quadras até parar em uma praça, onde se sentaram em um banco mais afastado para poder conversar. 

 

Lucy olhou nos olhos dele e começou – Você sabe que talvez ela nem sinta o mesmo por você, não sabe? 

 

Natsu – Eu sei.. mas eu não posso mandar no meu coração. – já nem conseguia mais esconder a frustração – Eu queria ter tirado essa dúvida do meu peito antes da viagem, mas não consegui.

 

Lucy – Viagem? Que viagem? – ignorou completamente o que ele disse e focou só nessa parte. Ele então contou a ela que passaria os próximos dois meses em outra cidade com os pais – Você tem coragem de não contar algo assim pra mim? 

 

Natsu – M-Me desculpe, foi de última hora. 

 

A loira, vendo que não iria ajudar em nada reclamar, seguiu com o assunto. 

 

Lucy – Natsu, desde que eu te conheci, você sempre esteve incomodado com esse sentimento. – ela tomou a atenção do rapaz – Você nem consegue se confessar e também não consegue a esquecer, nunca pensou em ficar com outra pessoa? Talvez isso o ajudasse.

 

Enquanto fazia suas perguntas, ela passava a mão por cima da orelha ajeitando o cabelo enquanto o olhava fixamente, esperando por uma resposta. 

 

Natsu – Não, desde pequeno eu sempre quis que ela fosse ela a minha namorada, nunca pensei em outra garota assim. – foi sincero, mas de certa forma, dizer aquilo causou um incômodo em si.

 

Essa resposta conseguiu transformar toda aquela expressão confiante e alegre que a menina tinha em uma de chateação e raiva, que dava pra ser vista mesmo após ela abaixar a cabeça para tentar esconder.

 

A loira segurou firme os joelhos e sem nem mesmo olhar para o rapaz, se levantou e virou de costas para o mesmo. 

 

Lucy – Divirta-se na sua viagem. – e em seguida saiu a passos rápidos, o deixando sentado sozinho no banco com uma expressão confusa. 

 

Natsu – °A voz dela.. estava trêmula.. ela estava chorando?° 

 

Ele ficou se perguntando isso por vários minutos, nunca antes havia ouvido a voz dela daquele jeito e isso o deixou com o coração apertado, mas no fim das contas não conseguiu descobrir o porquê daquela reação, então se levantou e foi pra casa.

 

Não precisou nem mesmo de uma longa caminhada pois sua casa era bem perto daquela praça. Andando pela rua, ele passou em frente há uma enorme casa antiga em reforma e pôde ver no alto uma placa. 

 

Natsu – Casa de cultura, inauguração dia três de fevereiro às dezenove horas com uma sessão de filmes no novo cinema da cidade. – leu em voz alta o que estava escrito. 

 

Aquilo fez com que ele tirasse a situação anterior da cabeça, ficou pensando se voltaria a tempo de participar desse evento.

 

Natsu – °Tomara que eu consiga, vai ser a ocasião perfeita pra eu dizer como me sinto.° – pensava alegremente enquanto seguia o caminho de casa. 

 

O dia passou rapidamente, ele tinha tantas coisas para fazer que nem mesmo percebeu a noite chegar. 

 

O rosado estava bastante cansado por causa de todo aquele trabalho empacotando caixas e enchendo malas. Assim que acabou, foi tomar um banho e depois se deitou na sua cama. Seu último pensamento antes de adormecer foi – °Eu vou voltar bem melhor, assim ela vai me notar e gostar de mim.° 

 

Q/T 

 

Já havia se passado uma semana desde o fim das aulas e toda a família do rosado já estava Crocus. Eles se hospedaram na casa na casa de uma das tias do rapaz, onde sua prima preferida, Meredy, morava.

 

Ela era mais nova que ele um mês, tinha longos cabelos rosados e, diferente do primo, ela possuía um corpo de dar inveja e uma aparência bem cuidada. Meredy era sua confidente, e inevitavelmente ele iria contar sobre tudo que tinha acontecido com ele naquele ano. 

 

Os dois ficaram horas e horas trocando histórias e após contarem todos os acontecimentos, ela decidiu que iria o ajudar a ser melhor, em todos os aspectos.

 

Meredy – Eu sei que você gosta dessa tal Lisanna, Natsu. – chamou a atenção do primo – Mas eu preciso dizer algo a você. 

 

Natsu – O que? – estava curioso. 

 

Meredy – Às vezes tudo que você procura está bem ao seu lado e você somente não vê. – as palavras dela deixaram ele confuso – Olhe ao seu redor.

 

Aquelas palavras o deixaram confuso e pensativo, ele não conseguia entender o significado daquilo então decidiu somente deixar pra lá.

 

Desde o dia em que chegaram até o momento, o rosado havia passado quase todo o tempo junto da menina. Eles pareciam irmãos de tão íntimos que eram, intimidade essa, que a levou a montar um plano para que pudesse o ajudar a melhorar e talvez conquistar a garota que sempre sonhou.

 

O plano era dividido em três partes. 

 

1. Mudar o visual (as roupas que ele usava não ajudavam).

2. Dar um jeito na barriguinha que ele tinha.

3. Mudar o corte de cabelo (aquela tigela eram horrível).

 

O plano foi posto em prática no dia seguinte a aquela conversa e até o momento estava dando certo. Eles passaram a semana toda indo de loja em loja a procura de roupas legais que combinassem com o rapaz e por sorte acharam várias, os exercícios também estavam fazendo efeito e, por incrível que pareça, ele estava perdendo peso mesmo em tão pouco tempo.

 

O único “problema” era o cabelo, procurar um penteado que combinasse com o rapaz e o deixasse bonito era essencial e, por “sorte”, Meredy era uma cabeleireira excelente e assumiu as rédeas da situação.

 

Neste momento, Natsu se encontrava sentado numa cadeira em frente a um espelho enquanto usava uma toalha em volta dos ombros. 

 

Natsu – Eu preciso mesmo disso? – viu a garota assentir – Eu gostava dele como estava. 

 

Meredy – Assim vai ficar muito melhor, vai chamar a atenção de várias gatinha com esse penteado. – piscou pra ele e deu um sorriso.

 

Natsu – Você sabe a atenção de quem eu quero chamar. – olhava pra ela pelo espelho com um sorriso sacana. 

 

Meredy – Confie em mim que vai dar tudo certo, feche os olhos. – ordenou.

 

Natsu – Por que fechar os olhos? – não entendia. 

 

Meredy – Pra você se surpreender com o quão bonito vou te deixar quando acabar, agora feche os olhos. – então fez o que mandou. 

 

Os minutos foram passando e o chão ia sendo forrado pouco a pouco de cabelos rosados. Quando ela acaba de cortar o cabelo do rapaz, começa a analisar o resultado do seu trabalho. 

 

Meredy – Pode abrir os olhos agora. – dizia satisfeita ao ver o resultado.

 

Natsu, ao ouvir o aviso, abriu os olhos e mal pôde acreditar no que via. Começou a se perguntar se aquela imagem que refletia no espelho realmente era ele. 

 

Natsu – Uau, você tem um poder especial? Como você conseguiu me transformar nisso? – a jovem somente sorriu da cara de bobo que ele tinha e começou a limpar o chão. 

 

Neste momento o celular do rapaz vibra, avisando que haviam novas mensagens. Ele então o tirou do bolso e viu que três pessoas mandaram as mesmas mensagens pra ele. 

 

•Gray: E aí, cara. Você já decidiu se volta para ver o cinema?•

•Lisanna: Bom dia Nat, quando você volta? Fiquei sabendo que vai ter um cinema na cidade•

•Lucy: Acho bom você me convidar pra ir com você na inauguração do cinema.• 

 

Naquela semana ele tinha conversado bastante por mensagem com seus amigos, em especial Lisanna, que sempre mandava mensagens animada pra ele e sempre perguntando quando voltaria, isso estava fazendo o rapaz criar altas expectativas. Ele também havia se acertado com Lucy e agora eles se falavam normalmente. 

 

Sem responder nenhuma das mensagens, o rosado foi direto para o banheiro, precisava tomar banho para que pudesse se limpar de todo aquele cabelo que havia perdido. 

 

Q/T 

 

Se dissessem para ele que aquelas seriam as férias mais longas da sua vida, ele não acreditaria. Toda a ansiedade que sentiu esperando pelo dia da sua volta somente fez com que o tempo que passou lá parecesse maior do que realmente era. 

 

Agora, ele finalmente estava arrumando suas malas para voltar pra casa afinal, os dois intermináveis meses haviam acabado. Ele poderia rever seus amigos e se confessar para a garota que nunca saiu da sua cabeça.

 

O plano para o melhorar tinha sido um sucesso, aquela barriguinha que o incomodava tanto havia sumido, suas roupas infantis agora não mais existiam, dando espaço para as novas que o deviam bem mais atraente e seu cabelo nunca esteve tão bom quanto estava agora. Iria surpreender a todos quando voltassem para casa.

 

Dia três de fevereiro seria a volta às aulas da escola, data perfeita para a inauguração da casa de cultura pois todos os estudantes e famílias já teriam voltado para a cidade, inclusive Natsu, que havia saído de Crocus no dia primeiro e acabara de chegar em Magnólia, um dia antes do início das aulas. 

 

Ele não contou pra ninguém que havia chegado, queria fazer surpresa ao chegar na sala todo diferente para ver a reação das pessoas. 

 

E assim seu último dia de férias passou, dando lugar ao primeiro dia de aula. 

 

O rosado acordou bem cedo, tomou um banho e sem seguida foi para o seu quarto se arrumar. Ele não poderia usar nenhuma das suas roupas novas pois a escola tinha um uniforme que era obrigatório, então se vestiu com o mesmo e já estava quase saindo, quando olhou para um cachecol que seu pai havia comprado para ele na viagem e decidiu o usar, dando a ele um charme a mais.

 

Ao ver no relógio que já eram 6:50, se levantou, pois já estava na hora de ir. 

 

Pegou sua mochila, a colocou nas costas e saiu. Andava a passos lentos, já faziam dois meses desde que havia andando por aquelas ruas então tentava aproveitar ao máximo.

 

Várias pessoas o olhavam quando passavam por ele, só isso o fez acreditar que o plano havia dado certo, se levar em conta que geralmente todos ignoravam sua presença. 

 

Enquanto se enchia de alegria por dentro, viu seu amigo passar por ele sem nem mesmo o cumprimentar e então o chamou.

 

Natsu – Ei Gray, não fala mais comigo? – ao reconhecer a voz ele se virou para falar com seu amigo mas parou estático por um minuto ao ver o jovem.

 

Gray – Quem é você e o que você fez com o Natsu? – estava meio boquiaberto, quase não o reconheceu.

 

Natsu – Hahaha a Meredy resolveu dar um jeito em mim. – pela primeira vez em muito tempo, ele dava um sorriso sincero. 

 

Gray – Ela tem algum poder ou algo do tipo? O que ela fez foi um milagre. – olhava o garoto de cima a baixo admirando o trato que haviam dado nele. 

 

Natsu – Eu me faço essa mesma pergunta até hoje. – realmente, quando ele perguntou, ela não o respondeu – Vamos embora, senão vamos nos atrasar. 

 

Gray – Você tá ansioso? – questionou.

 

Natsu – Pelo que? – se fez de desentendido. 

 

Gray – Você vai arrasar corações, meu amigo. – brincava e cutucava ele com o cotovelo. 

 

Natsu nada disse, apenas apressou o passo pra não se atrasar, sendo seguido pelo seu amigo. 

 

Ao entrar na escola, todos os alunos o olhavam como se nunca o tivessem visto antes, algo que de certa forma era verdade pois a pessoa que andava ali agora era completamente diferente da de antes.

 

Natsu havia crescido um pouco, perdido peso e agora seu corpo estava um pouco definido, dando a ele um ar mais velho mas isso não foi o que mais chamou a atenção das pessoas. Sua prima havia destruído aquele penteado de tigela que ele manteve por anos, raspando as laterais e o fundo e ajeitando em cima, o deixando com um pequeno topete. 

 

Seu novo visual causou inveja e desejo naquelas pessoas e satisfação no rosado, que esperava ansiosamente por esse dia durante muito tempo. O moreno que estava ao seu lado apenas sorria da situação, nunca esperava por algo assim. 

 

Seguiram seu caminho até a sala mas Natsu, ao chegar lá, parou em frente a porta. 

 

Gray – O que foi? 

 

Natsu – Ela está aí... – ele podia ter mudado sua aparência mas seu jeito tímido ainda era o mesmo. 

 

Gray – Vai e entra de uma vez. – empurrou as costas do rapaz que entrou com tudo na sala, surpreendendo a todos ali presentes, desde uma albina em um canto da sala até a loira que estava no outro.

 

O rosado, envergonhado, seguiu para se sentar em sua carteira no fundo da sala. Ele esperava que tivesse chamado a atenção daquela que foi o motivo de tudo isso.

 

Logo após se sentar, a menina de cabelos prateados foi até ele e se sentou na mesa do lado. 

 

Lisanna – Uau, você está maravilhoso. – aquilo o deixou feliz – Essas férias fizeram bem pra você em. 

 

Natsu – Haha achei que deveria mudar um pouco, você gostou? – coçava a nuca, desconcertado, enquanto falava com a menina. 

 

Lisanna – Eu adorei. – nesse momento a professora entra na sala – Te vejo no cinema mais tarde? - o rapaz fez que sim com a cabeça e ela sorriu e voltou para o seu lugar. 

 

Do outro lado da sala, de tempos em tempos, uma loira passa seus olhos sobre o garoto, esperando que ele fosse falar com ela mas isso não aconteceu. Ele estava tão perdido no pensamento de encontrar com a Lisanna a noite que esqueceu de tudo ao seu redor. 

 

As aulas foram chatas como sempre e quando a sirene da escola tocou, indicando o fim das aulas, ele somente bateu nas costas do Gray e saiu dali rapidamente, deixando várias pessoas comentando sobre ele pra trás. 

 

Andaram por algumas quadras até passarem por uma praça, quando o rosado parou de andar. 

 

Gray olhava confuso para ele, se pudesse chutar o que se passava com o amigo, diria que ele tinha acabado de se lembrar de algo.

 

Gray – Por que parou aqui? – não entendia.

 

Natsu – Tenho algo a resolver aqui, te vejo mais tarde no cinema? – perguntou.

 

Gray – Claro, me manda mensagem quando estiver indo. – o rapaz assentiu e então o moreno deixou o lugar. 

 

Vendo o amigo ir embora, Natsu foi em direção a um banco mais afastado naquela praça e se sentou. Colocou seus fone e ficou ouvindo música enquanto olhava para o céu, ele estava tão azul e bonito que chegava a ser reconfortante o admirar.

 

Enquanto o rapaz estava distraído, uma certa loira estava passando pela rua nesse momento e o viu sentado naquele banco. Se recordou de como ele havia a chateado da última vez que se viram, então parou por um momento e pensou se deveria ir ou não. 

 

Lucy – °Ele nem mesmo falou comigo hoje... vou pra casa, se ele quiser, que venha.° – e seguiu seu caminho, o deixando lá.

 

O tempo passou e vendo que ninguém apareceria ali, o rosado se levantou e arrumou suas coisas para sair.

 

Natsu – °Parece que ela não virá, queria pedir desculpas por não ter falado com ela hoje... acho que a verei no cinema, tomara que ela aceite falar comigo.° – em meio a esse pensamento, ele foi embora pra casa. 

 

Q/T

 

O relógio marcava 18:45, faltavam apenas quinze minutos para o filme começar. O rosado então pegou seu celular e mandou mensagem para seu amigo, que logo em seguida apareceu na sua porta para irem. 

 

O rosado vestia uma camisa preta de mangas compridas, calças pretas, um tênis branco e seu cachecol. 

 

Ao ver o amigo, viu que ele não ficava pra trás. Os  dois estavam bem arrumados para um evento assim, Natsu queria impressionar a albina já Gray, ninguém sabia o motivo.

 

Os dois então seguiram para a inauguração apressados. 

 

Assim que chegaram, puderam ver que o lugar havia ficado bastante bonito, as pessoas se empenharam bastante para aquela inauguração. 

 

Sem tempo para admirar aquilo, correram para a sala escura, onde rodarão o filme. Ela estava lotada, mas não dava pra saber quem eram as pessoas por causa da escuridão então, nos primeiros assentos que viram vagos eles se sentaram, tentariam achar as garotas mais tarde. 

 

O filme não demorou a começar, tomando a atenção de todos ali presentes, ou pelo menos era o que parecia. Se você prestasse atenção, dava pra ver algumas luzes de celular pela sala e uma delas estava bem ao meu lado.

 

Natsu – Gray, desliga isso. – mandava. 

 

Gray – É uma coisa importante, não posso deixar pra lá agora. – ele parecia bastante animado com aquilo. 

 

O rosado então olhou no celular dele e viu que seu amigo falava com a prima da sua amada, Mirajane. Mas antes que pudesse ver do que se tratava, Gray desligou a tela e virou para ele sorrindo.

 

Gray – Desculpe cara, preciso sair um pouquinho. – o rosado não entendeu nada daquilo – Volto antes do filme acabar.

 

Natsu só pôde assistir o moreno sair apressado dali, não sabia do que se tratava então ignorou, afinal de contas, ele também tinha algo pra fazer ali e isso iria ter fim hoje. Se virou para o filme e voltou a assistir mas sua atenção foi desviada no momento seguinte por ver, andando pelo corredor, uma moça de cabelos prateados bem curtos. Ele conhecia bem quem ela era, então se levantou e a seguiu. 

 

Natsu – Lis, eu preci- – foi cortado. 

 

Enquanto tentava chamar a garota, a prima dela o agarra pelo braço com um mão e com a outra, tampa a boca dele. 

 

Mirajane – Não, você não vai atrapalhar. – ela falava mas ele não entendia nada – Eu demorei muito tempo pra marcar esse encontro, volta pra sala e fica lá. 

 

Natsu – Encontro? Que encontro? Espera... – os segundos iam passando e a ficha ia caindo, ele finalmente começava a juntar as peças. 

 

Natsu – °Estava bonito demais... trocava mensagens com a mesma pessoa que está me segurando... havia saído sem dizer onde ia... sua amada havia corrido na mesma direção que ele... não tem erro... Gray e Lisanna iriam se encontrar ali.°

 

Uma mistura de raiva e chateação foi tomando o coração do rapaz e em um brusco movimento, soltou seu braço e correu para a saída. Ele precisava ver aquilo com seus próprios olhos, não podia acreditar que fosse verdade.

 

Ao atravessar a porta ele teve a pior visão da sua vida, a pessoa que ele tanto amava estava aos beijos com seu melhor amigo. 

 

Isso o deixou arrasado. Em seu rosto, não podiam ser vistas outras coisas senão lágrimas escorrendo por todo lugar. Mesmo que estivesse vendo, não podia acreditar que aquilo estava acontecendo, a pessoa que sempre o incentivou a ir em frente com esse amor agora estava o traindo de tal maneira. 

 

Sem aguentar mais estar ali, começou a correr, correr sem nenhum rumo, afinal, qualquer lugar que não fosse aquele estava bom, só não podia mais assistir aquilo. 

 

Ao notar que alguém passava por trás de si, o casal desmanchou o beijo para poder ver quem era e assim que descobriram, se sentiram envergonhados, mas já não tinha mais nada que pudesse ser feito para consertar o estrago. Os dois somente puderam assistir uma pessoa de cabelos rosas correndo para longe dali.

 

Gray – Natsu, espere. – gritava para ele, mas ele não parava – Espera, não é isso que você está pensando. 

 

Ele não parou de correr por um segundo, mas nem mesmo chegou a olhar para trás. Não queria ver de nenhuma forma aqueles dois que o magoaram desse jeito, levantou o dedo do meio para ele e depois voltou a correr. 

 

O moreno ia começar a correr atrás do amigo mas antes que pudesse fazer, uma enorme chuva começou a cair, contrariando aquele tempo perfeito que estava a pouca horas atrás. O rapaz não queria se molhar e então apenas correu para dentro.

 

Gray – Aquele idiota, nem deu a chance da gente se explicar. 

 

Nenhum deles sabia mas encostada na porta da sala escura, Lucy assistia a tudo aquilo inconformada, mal conseguia segurar seus sentimentos e quando ouviu o moreno dizer aquilo, o pouco controle que tinha, havia sido perdido. 

 

Ela andou a passos pesados e parou na frente dele, o encarando com um olhar mortal para logo depois desferir um tapa que marcou os cinco dedos da garota no rosto dele.

 

Lucy – Você tem a audácia de falar isso depois do que fez? Você traiu seu melhor amigo... e você. – apontou para Lisanna – Você sempre soube como ele se sentia e ainda o provocava, vocês dois se merecem.

 

Eles nem mesmo tiveram a chance de se defender, tudo que a loira falou era nada menos que a pura verdade. 

 

Assim que terminou de explodir com eles, ela saiu correndo atrás do amigo, mesmo com toda aquela chuva. Procurou por todos os lugares que ele gostava de ir mas não o achou em nenhum deles. 

 

Foi então que um lugar veio a sua mente – °Ele não pode estar lá... pode?° – correu com todas as forças até chegar na praça onde tinha deixado o garoto sozinho mais cedo e, para surpresa dela, ele realmente estava lá, sentado no mesmo banco em que meses antes eles se despediram. 

 

Ela então andou até ele e se sentou ao seu lado sem dizer nem mesmo uma única palavras. 

 

Natsu – Eles estavam juntos todo esse tempo... eu realmente pensei que ela gostasse de mim... eu sou um idiota... – falava em meio ao choro, que mal podia ser visto graças a chuva que caia.

 

Lucy – Sim, você é... todos os dias procurando por algo que sempre esteve ao seu lado... você é realmente idiota.

 

Natsu se surpreendeu com aquelas palavras, ele já havia ouvido elas antes quando contou tudo para sua prima. Em sua mente, uma luz apareceu, sabia o que deveria fazer e então fez.

 

Natsu – Olhe ao seu redor... 

 

Lucy – O que você dis-.

 

Não conseguiu terminar o que tinha a dizer pois seus lábios foram tomados pelos lábios do garoto ao seu lado. Um beijo conturbado, cheio de sentimentos mal resolvidos durante anos havia sido dado.

 

Mas aos pouco foi se transformando em um beijo calmo à medida que toda aquela tensão era posta pra fora e algo novo surgia entre eles.

 

Algo bom, algo que não os deixava parar aquele ato, algo que os fez perceber onde deveriam estar.

 

Aquele sentimento que os preenchia, esquentava seus corpos, os fazendo esquecer até mesmo daquela chuva gélida que caia sobre eles.

 

Após se separarem do beijo, ela o olhou com o rosto corado, completamente perdida no que havia acabado de acontecer. 

 

Lucy – O-O que foi isso? – estava envergonhada, ela nunca imaginou que algo assim fosse acontecer.

 

Natsu – Você tem razão, tudo que eu sempre procurei estava ao meu lado por todo esse tempo e eu não conseguia ver... – os olhos da loira começaram a marejar – Mas agora eu não quero mais desperdiçar isso.

 

Ela não entendi exatamente onde o rapaz queria chegar então somente ficou em silêncio esperando pelas próximas palavras dele. 

 

Natsu – Fica comigo, Lucy? 

 

Um pedido sincero, de um coração que após ser destruído, via novamente uma nova chance de amar.

 

Lucy – É claro que sim. – ele então a beijou novamente. 

 

Momentos após o sim, aquela tempestade que caia deu lugar a um céu limpo.

 

Natsu a abraçou de lado e os dois continuaram ali, sentados naquele banco enquanto admiravam aquele céu escuro cheio de estrelas, esperando que aquele momento não passasse nunca. 

 

                                                                                                        Fim...

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...