1. Spirit Fanfics >
  2. Lord Fate - Bang Chan - Stray Kids >
  3. One

História Lord Fate - Bang Chan - Stray Kids - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Estou começando essa nova fanfic com intenções de terminar kakakka.
Tia Bula ama vocês!

Capítulo 1 - One


[Los Angeles 13h20m]

- o que você está querendo dizer Michael?

- que quero terminar com você simples.

- ninguém termina com Lya Hale, eu termino com as pessoas!

- tá ok, então acabou?

- sim, acabou! - Digo e viro as costas para o mesmo.

- idiota. - Sai correndo em direção à saída do parque e sem ao menos perceber sinto uma batida muito forte contra meu corpo, e logo meu corpo e atirado ao chão.

- meu Deus, senhorita você está bem? - Olhei para o rosto da pessoa que perguntava e minha nossa senhora quanta beleza.

- senhorita? Pode dizer seu nome? - Finge desmaio Lya!

- senhorita? Ei! Ethan ela desmaiou corre! - Vamos senhor galã me leve ao hospital.

 

 

 

P.V. O SN

 

- aqui senhor seu café. – entrego o café para o cliente.

- SN seu celular não para de tocar!

Caminhei até a bancada da cafeteria e Anna me entrega meu celular. - Atendi a ligação.

- oi, quem fala?

- você é responsável por Lya Hale?

- sou sim, sou irmã dela.

- ela sofreu um acidente de carro e está hospital **** e senhora fica-

Desliguei a ligação sem ao menos esperar a mulher terminar.

- Anna eu preciso ir a Lya está no hospital! - Tirei meu avental e sai disparada em direção à saída e logo entrando em um taxi.

.

.

.

.

.

.

.

.

Depois de dez minutos eu chego ao hospital indo para recepção.

- olá boa tarde eu sou responsável por Lya Hale. - Ela começa a digitar algo no computador.

- com licença... - Sinto uma mão em meu ombro e me viro.

- sim?

- você é a responsável pela Lya?

- sim, quem é você? - Ele retira a mão de meu ombro.

- fui eu que a atropelei. - Levantei uma sobrancelha.

- mas ela está ótima e foi mais por culpa da garota...

- o que está querendo dizer? Que minha irmã quis ser atropelada e entrou na frente do seu carro?

- não!- Virei-me para recepcionista.

- pode me registrar? E me dizer o quarto?

- eu sei onde é o quarto. - Revirei os olhos.

- não precisa!

- é o quarto 320. - A moça da recepção me entrega um adesivo de visitante.

- obrigada. - Fui andando em direção ao elevador.

- senhorita pode me escutar? - O rapaz pergunta andando ao meu lado.

- diga.

- meu nome é Christopher Bang e eu-

- Eu não quero saber sobre isso!

- me desculpa, mas quero dizer é sobre o acidente. - O elevador abre e a gente entra.

- sua irmã parecia estar perdida enquanto corria então ela não viu o carro e atravessou a rua. - Olhei o homem alto em minha frente.

- mas ela deveria estar no colégio.

- eu não sei de nada.

- qual o andar? - Perguntei.

- quinto. - Ele aperta o botão e o elevador começa a subir.

- eu vou pagar as despesas. - Ele diz.

- não é necessário.

- eu insisto.

- eu disse que é desnecessária sua ajuda. - O elevador abre e eu vou à procura do quarto.

- eu disse que insisto, eu quero pagar.

- e eu não quero e recuso. - Achei o quarto e logo entrei.

- Lya!

Ao adentrar o quarto vejo que a mesma está acordada e que tem um medico junto.

- ela está bem? - Aproximei-me da minha irmã que estava sentada.

- está ótima, creio que foi só um susto e ela acabou desmaiando, apenas isso.

- apenas isso? Ela desmaiou! Olha o joelho dela!  - O medico solta uma risada.

- que mãe preocupada você.

- ela não é minha mãe.

- mas parece afinal ela agiu exatamente como uma agora. - Diz o tal Christopher.

- então você é o motorista? - Encarei-a que estava sorrindo.

- você me deixou preocupada Lya! Por que não estava no colégio?

- estava com meu namorado no parque.

- eu não pago seu colégio para você faltar às aulas! - Ela revira os olhos eu cruzei os braços.

- eu irei buscar a alta dela. - O medico diz.

- irei acompanhar você para pagar as despesas. - Virei bruscamente.

- eu disse que não precisa. - Digo ríspida e o rapaz sorri.

- vamos doutor?

- eu irei pagar você não precisa se preocupar. - Ele ignora e sai do quarto.

- irmã tá tudo bem, ele se ofereceu aceite.

- ele me irrita, ele por acaso acha que não posso pagar? - Ela faz uma careta.

- não... Talvez ele se sinta culpado e foi ele que me trouxe?

- pode ser isso também.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

- está pago, querem carona?

- não. - Lya me olha indignada.

- muito obrigada por pagar e desculpa pela grosseria da minha irmã. - Cruzei os braços.

- e também por esse bico e a careta birrenta. - Ele solta uma risada.

- sem problemas e eu poderia saber o seu nome? - Encarei o mesmo.

- é SN Hale.

- e ela está grata também.

- é obrigada, mas não precisamos da carona.

- é claro que sim eu ainda sinto dores. - Olhei para minha irmã preocupada.

- podemos pegar um táxi. - Abro minha bolsa para pegar a carteira.

- que? Cadê minha a bolsa? - Lya me encara sem entender.

- eu não vim de bolsa? - Arregalei os olhos e escutei alguém me chamar.

- ei senhorita! - Virei-me para ver quem chamava.

- você queria me passar à perna? Esses jovens de hoje em dia estão perdidos! - O velhinho do táxi diz.

- senhor me desculpa eu não tenho dinheiro aqui, se o senhor nos levar até a cafeteria novamente eu vou pagar as duas corridas.

- e quem me diz que não vai sair correndo de novo? Se não tem condições de pegar o táxi não faça isso! - Olhei-o indignada.

- senhor isso foi muito cruel, eu tenho condições e jamais iria deixar de te pagar!

- serio? Cadê o dinheiro então?

- aqui. - Christopher estende quarenta dólares para o senhor.

- ei!

- me deixe pagar sn.

- quarenta dólares é muito! O táxi custou só seis dólares! - Ele suspira.

- me pague logo rapaz! - Encarei Christopher.

- 6 dólares Christopher Bang. - Ele retira trinta dólares.

- dez pela espera e confusão. - O senhor agarra o dinheiro.

- obrigado rapaz. - Ele vai embora.

- carona? - Diz Lya sorrindo.

- claro!

.

.

.

.

.

.

.

- obrigada por nos trazer aqui. – digo saindo do carro e o mesmo desce.

- o que está fazendo? – encarei Christopher.

- eu vou esperar para levar vocês até em casa.

- não precisa é desnecessário.

- tudo para você é desnecessário SN Hale?

- vindo de você sim é.

- obrigada Christopher minha irmã vai pegar a bolsa dela e já vem. – Lya diz entrando na conversa.

- mas eu disse que-

- vai logo irmã... – ela sussurra e sorri para Christopher.

Fui caminhando até a cafeteria batendo os pés.

- dois ridículos. – sussurro para mim mesmo enquanto ando.

- oh Sn você ainda está por aqui. – Simon meu chefe diz.

- eu não sabia que estaria aqui senhor, eu tive que sair mais cedo pois minha irmã sofreu um acidente. – ele me olha preocupado. – mas ela já está bem.

- que bom que ela está bem diga que mandei melhoras.

- ela está ao na frente eu vim apenas buscar minha bolsa. – ele vai até o balcão e busca minha bolsa logo trazendo ela para mim.

- aqui está! Já irei fechar a cafeteria pode aguardar?

- claro! – sorri.

Ele desliga as luzes e pega a chave, caminhamos até a porta e saímos logo o mesmo a tranca.

- prontinho. – ele diz e eu lhe dou um sorriso.

Caminhamos até o carro e Lya abre um sorriso.

- olha se não o chefe gato da minha irmã! – a encarei com meu olhar assassino.

- olá Lya como está se sentindo? – ele sorri.

- estou com um pouco de dor, mas nada que um descanso não resolva.

Simon encara Christopher.

- e você quem é?

- Christopher bang. – sorri.

- Simon Hicks. – sorri.

Eles dão um aperto de mão.

- então já vamos indo. – digo dando tchau a Simon e logo entrando no carro.

- ele é seu namorado? – pergunta Christopher e Lya ri.

- ela diz que não, mas eu sei que ele é doidinho por ela, SN vive dizendo que não tem tempo para namorar.

- não sai dizendo sobre minha vida a desconhecidos.

- isso doeu! Afinal você já sabe meu nome.

- desconhecido.

- quer saber mais sobre mim então?

- não.

- sim.

Eu e Lya nos encaramos.

- não é preciso. – digo.

- tudo bem. – ele sorri.

.

.

.

.

.

.

- obrigada novamente pela carona Christopher Bang.

- posso ter seu numero SN Hale?

- não. – sorri.

- pode sim amigo, toma aqui. – Lya entrega meu numero em um papel.

- ei! Quem deu o direito? – digo com os braços cruzados.

- eu aqui! – ela ri e corre para dentro de casa.

- ridícula! – me virei para Christopher. – até nunca mais Christopher.

- veremos SN Hale. – ele sorri e vai embora.

- mas que? Que diabos foi isso?


Notas Finais


Desculpa se houver erros ortográficos o capitulo está revisado.
.
.
.
.
SN lerda como sempre kakaka


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...