1. Spirit Fanfics >
  2. Lord Of The Mazes >
  3. A Caminho da Cidade

História Lord Of The Mazes - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá a todos!
Demorou mas depois de uma boa sequência até concluir a fanfic de Dungeon ni Deai, eu começo a fanfic que de Arifureta! Já tinha anunciado a alguns meses, não planejo fazer uma história muito longa como a minha fanfic de Madan no Ou to Vanadis que estou escrevendo desde 2017 kkk, mas penso em um tamanho próximo ao que foi a fanfic de Dungeon ni Deai... enfim, sem mais delongas, espero que aproveitem e se divirtam!

Capítulo 1 - A Caminho da Cidade


Fanfic / Fanfiction Lord Of The Mazes - Capítulo 1 - A Caminho da Cidade

- HAHAHAHA... HAHAHAHA! – gargalhava a pequena garotinha de cabelos azuis que corria pela beirada daquele rio enquanto uma outra garota a “perseguia”.

- Venha aqui, Myu-chan! Desse jeito seu banho nunca vai terminar! ♪

- HAHAHA Shea-one-chan é engraçada, vamos brincar mais-nano! ♥

- Então... já que é assim... AHHHHH! – com um rosto desafiador, Shea inclina suas orelhas de coelho para a direção de sua “presa” e salta sobre ela.

- YAAAAA HAHAHA! – agilmente a pequena Myu desvia de Shea e joga água no rosto dela com as duas mãos enquanto se divertia alegremente.

Ao mesmo tempo que Shea corria atrás e tentava pular sobre Myu, Tio lavava seus belos e longos cabelos negros em outra parte da mesma beirada do rio. Sobre a grama um pouco para dentro do solo firme, estavam Yue e Hajime que tinham como teto a folhagem de uma enorme árvore centenária.

- Hajime? – indaga a garota de olhos vermelhos e cabelos dourados.

- Hum? ...?! – o beijo inesperado de Yue surpreendeu Hajime, afinal, eles não costumavam fazer esse tipo de coisa com a Myu por perto.

- Mas o que foi isso do nada? – Hajime pergunta assim que a garota se afastava um pouco dos seus lábios.

- Nada demais... noite passada não conseguimos ficar juntos por causa da chuva com trovões que assustou a Myu, então quero tirar um pouco um atraso hehe... ♥

A pequena vampira falou com um sorriso travesso no rosto e logo em seguida lambeu os lábios olhando fixamente de forma provocante para Hajime.

De fato, durante a noite anterior, a chuva com trovoadas que se seguiu por grande parte da noite, assustou a pequena Myu que ainda era criança e mesmo dormindo em uma pousada em uma cidade próxima de onde estavam agora, Myu correu para o quarto de Hajime e o abraçou fortemente sem perceber Yue atrás do garoto. Tremendo assustada com os trovões, Myu foi abraçada por Hajime que desistiu assim como Yue e ambos dormiram abraçados com a pequena garota que não tinha mais medo dos trovões sentindo-se segura e feliz.

- Humpf!

Olhando para o local de onde viera o som atrás, Hajime e Yue notam finalmente a presença de Kaori que acabara de voltar do carro onde havia pegado algumas toalhas para usarem.

- Não posso nem piscar? – indaga severamente Kaori para Yue.

- Piscando ou não, o Hajime é meu. ♥

- Pode parar por ai! – exclama a garota de cabelos negros apontando como uma facada para Yue que não recuava.

- Shirasaki, esta...

- ... Tudo bem? Você vai dizer?! Hajime! Quando sairmos na próxima vez, eu vou me sentar ao seu lado!

- Não mesmo! – a resposta súbita veio de Yue com as bochechas infladas.

- Vamos com calma...

- Mestre, parece estar em apuros esta manhã. ♥

- Ah... Tio. – O cabelo negro ainda pingando, balançava ao vento conforme Tio caminhava movendo-se de forma provocante com suas belas proporções. Seu olhar afiado e ao mesmo tempo doce de seus olhos dourados em contraste com suas roupas negras e seios parcialmente à amostra lhe davam um ar de uma verdadeira mulher madura em assuntos sexuais, mesmo que fosse como diria Hajime “uma pervertida”. – Obrigado.

O agradecimento de Hajime foi sincero, em reposta, Tio levou sua mão direita ao seio esquerdo com uma profunda respiração quase ofegante.

- Desculpem interromper a divertida conversa, mas preciso de uma toalha. ♥

- Esta aqui, Tio.

- Obrigada-no-dja. – a bela mulher-dragão imediatamente começa a secar seu longo cabelo com a toalha trazida por Kaori.

- Hajime-kun, a próxima cidade é para o norte, certo?

- Sim.

- Lembro de ter ouvido alguns soldados do reino comentarem que existe uma cidade turística nessa região, acho que podemos fazer uma pausa.

- Pausa? Mas, o que nós estamos fazendo aqui já não conta?

- Me refiro a você. Yue-san deve concordar, você anda um pouco cansado, faria bem parar por alguns dias, talvez uma semana... além disso podemos dar um pouco de divertimento diferente para a Myu-chan antes de partir para a cidade aquática, certo?

- Eu concordo com a Kaori... – Yue responde prontamente para o olhar de Hajime. – ... dessa vez...

- Pelo menos dessa vez, né? – Kaori coloca as mãos na cintura com um olhar ameaçador para Yue que sorri pelo canto direito de sua boca.

- Eu vou seguir o Mestre aonde quer que vá. – Tio que terminou de secar seu cabelo, agora o balançar ao vento de um lado para o outro respingando ainda algumas minúsculas gotículas de água cristalina. Esse gesto foi o golpe final para a decisão de Hajime que se levantou logo em seguida.

- Certo, mas precisamos ir logo se quisermos chegar lá antes das pousadas servirem a janta de amanhã.

Imediatamente, Yue, Kaori e Tio abrem belos sorrisos.

- Ei! – gritou Kaori para Shea e Myu que ainda brincavam no rio. – saiam logo para se secarem, vamos partir logo!

- Mas já-nano? – Myu franze as sobrancelhas e com um rosto triste encara Kaori que responde prontamente.

- Acalme-se Myu-chan. – Kaori chama com um gesto de mão a pequena Myu para fora da água e assim que obedeceu, Myu passou a ter seus cabelos azuis secados pela garota com uma toalha branca.

- Algo aconteceu? – indaga Shea. – Hajime não costuma sair tão de repente assim logo que chega em algum lugar, estávamos nos divertindo tanto, Hajime malvado!

- Acalme-se você também segunda criança.

- Quem é segunda criança?

- Bem... tanto faz, mas podem ficar tranquilas, convenci Hajime a visitar uma cidade turística ao norte, devemos chegar lá amanhã antes da janta das pousadas se sairmos agora e lá tem muitas atrações divertidas pelo que eu ouvi falar.

- AHHHHH – Myu abre os braços com alegria estampada em seu rosto em um belo e fofo sorriso. – o papai vai levar a Myu para passear!

- Não, vai nos levar. – responde Shea.

- Não! Vai me levar!

- Não!

- Ah... – Kaori suspira diante da discussão infantil que se seguia diante de seus olhos entre Shea e Myu.

***

Distante de onde Hajime e seu grupo partia, um conjunto de carroças seguia pelo estreito de uma montanha, dentro de uma delas uma velha senhora oferecia um lanche para uma garota esbelta de longos cabelos negros e portadora de uma espada negra em sua cintura.

- Muito obrigada. – disse a garota ao aceitar o lanche da senhora.

- Não. Eu, ou melhor, nós é que agradecemos, se não fosse por sua ajuda não poderíamos passar por aquela estrada, acredito que já não tenha mais monstros pelo caminho como lá atrás, mas gostaria de pode contar com sua ajuda se aparecerem, Yaegashi-san.

- Pode contar comigo! – responde a garota antes da segunda mordida em seu lanche tentando manter uma expressão estoica diante do incrível sabor daquele alimento. – a propósito, não que eu esteja compressa, mas quanto tempo falta para chegarmos nessa cidade?

- Ah, sim, devemos chegar amanhã pouco antes do sol se pôr, não se preocupe, ficaremos pouco tempo, apenas para vender nossas mercadorias aos comerciantes locais e depois poderemos voltar.

A garota assentiu com a cabeça e olhou para o lado de fora da carroça enquanto mastigava, ela precisou fazer uma breve pausa para retirar algumas pequenas migalhas de pão que havia caído sobre o tecido de sua roupa que cobria seus seios.

“Aceitei essa missão de escolta porque queria me afastar um pouco do grupo de Kouki para pensar mais claramente, mas... incrivelmente, não sinto vontade de... – ela balança a cabeça para os lados como se quisesse afastar alguma ideia que lhe ocorrera. – onde será que Kaori e Nagumo-kun estão agora? Imagino que aquele grupo todo deve ser bem barulhento hehe...”

Shizuku Yaegashi era o nome daquela garota de 17 anos que discretamente ria sozinha imaginando as situações complicadas envolvendo Hajime, Kaori e a jovem de cabelos dourados e olhos carmesins chamada Yue.

Quando o sol começava a se pôr no horizonte, a estrada curva ao redor da montanha dava lugar para um terreno plano e cheio de árvores, foi quando o grupo de carroças decidiu parar para acampar.

Shizuku se banhou em um rio próximo do acampamento e depois de uma quente refeição cercada pelas garotas do acampamento que admiravam sua beleza e cabelos longos, Yaegashi, a apóstola de deus nesse mundo se esgueirou para fora do acampamento para treinar alguns movimentos leves com sua nova espada dada à ela por Nagumo Hajime, sendo ele próprio quem criou aquela fina e eficiente arma em formato genuíno de uma katana.

“O corte é muito suave e preciso.”

Ela pensou enquanto balançava seu corpo de um lado para o outro mexendo seus braços que empunhavam a katana negra.

Shizuku se lembrou da reação do ferreiro chefe da guarda de elite do reino quando ele a viu empunhando uma arma nova que ele próprio via pela primeira vez. Suas palavras foram “Apóstola Yaegashi-san, por que esta usando uma arma diferente do que lhe oferecemos?”, Shizuku disse apenas que a outra havia quebrado dentro de um labirinto, o ferreiro imediatamente disse que providenciaria outra muito melhor do que uma singela espada fina e frágil como à que ela portava agora, rapidamente Shizuku exclamou que não precisava, que a katana era seu tipo de arma ideia além de aquela katana negra em especial era muito importante para ela, sem dizer que havia ganho de Hajime, ela queria analisar a reação dos membros da corte incluindo o rei diante dos outros feitos de Hajime antes de dar algum detalhe.

O ferreiro insistiu com convicção em sua fala, então pediu para ela o deixar analisar a katana negra, quando ela entregou ao ferreiro bastou apenas alguns instantes em suas mãos para que ele ficasse pálido.

“Q-Quem é o ferreiro que forjou essa arma?!”

A resposta de Shizuku foi um seco “Isso não importa.”, o homem que estava perplexo insistiu.

“Importa sim! Por favor me diga! Eu preciso falar com ele, uma obra de arte magnífica como essa é algo muito além do que o reino pode fazer, se tivermos esse tipo de habilidade conosco... veja, essa arma, ela esta no mesmo nível que as armas sagradas, não... talvez até mais, por favor...”

Shizuku tomou a katana de volta e embainhou em sua cintura novamente dizendo apenas que a pessoa que forjou a katana não estava ao alcance do reino.

Como se voltasse do breve mergulho em suas memórias daquele dia com o ferreiro, Shizuku voltou a girar seu corpo próxima do acampamento das carroças que escoltava, em um dos movimentos ela parou sua espada apontando para o céu noturno.

Ela pensou ao olhar para a ponta da katana.

“Você é incrível, Nagumo-kun...♥”

***

No dia seguinte, o sol estava escaldante no céu azul, o carro que levava grupo de Hajime pela floresta seguia em grande velocidade, não demorou muito para o refrescante clima da floresta dar lugar para o árido clima do deserto.

Foi Yue quem ligou o ar-condicionado do carro para o alívio do calor ambiente e divertimento de Myu, Kaori também reagiu com alívio por estar com uma acomodação tão confortável durante a viagem, se fosse com os outros do seu antigo grupo certamente a viagem ou seria à cavalo ou com carruagens, de uma forma ou de outro, o calor seria intenso e sem quase nenhum alívio além de algum cantil com água quente.

- Shirasaki.

- Hum? – a garota ficou surpresa com a garrafa de água oferecida a ela pelo jovem de cabelos prateados que dirigia. – obrigada, Nagumo-kun.

O simples gesto fez Shea e Yue olharem de lado para Kaori que se preparava para beber da água cristalina alegremente. Para o espanto de Kaori a água estava parcialmente gelada.

“Incrível, mas... será que eu deveria me surpreender com isso...?”

Ela pensou enquanto olhava para Hajime que dirigia sem desviar a atenção da estrada, de fato, se for analisar logicamente, fazer um carro com ar-condicionado surgir do nada era algo muito mais incrível do que ter água fresca no meio do deserto, tratando-se da mesma pessoa e especialmente se a água é oferecida dentro desse mesmo carro, uma lógica um tanto óbvia para Kaori que sorriu.

- Hajime-san, me da água?

- Mestre, sua humilde serva aqui gostaria de um pouco de água.

- Hajime.

Shea, Tio e Yue pediram em sequência, Hajime já se preparava para gritar que não era garçom já que Yue poderia alcançar o compartimento onde estavam as garrafas de água fresca quando uma voz frágil e doce emergiu do colo de Yue.

- Papai, Myu esta com sede.

- Hum... aqui, Myu.

- Você é muito gentil com a Myu. – disse Yue diante do gesto em que Hajime oferece água para a pequena garota sereia de cabelos azuis.

- É claro, porque Hajime-san, é o papai da Myu. – Shea falou de modo a provocar Nagumo que acelerou o carro.

- O Mestre não consegue resistir à Myu. – a mulher de longos cabelos negro e olhos dourados falou quase ao ouvido de Hajime através do banco.

- Vocês poderiam parar com conversas sem sentido e olhar o mapa?!

- Sim! Deixa comigo! – exclamou a garota-coelho.

- E então?

O carro seguia seu curso no deserto que nem mesmo os poucos cactos do início apareciam mais.

- Bem... de acordo com o mapa... – Shea fez uma breve pausa antes de voltar a falar, agora com uma voz um pouco séria. – ... nós...

- Hum?

- Já chegamos...

- QUE?!


Notas Finais


Título do próximo capítulo: O ataque no deserto


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...