História Lost in Japan - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Park Jimin (Jimin)
Tags Bono, Bottom!jimin, Ggukiechu Day, Jikook, Kookmin, Presente, Songfic, Top!jeongguk, Top!jungkook
Visualizações 228
Palavras 3.632
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Musical (Songfic), Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Tô há alguns minutos atrasada, mas não me culpem! É muito trabalhoso postar pelo celular ehueheu

Espero que goste, unnie 😊

Boa Leitura!

Capítulo 1 - Capítulo Único


Eu nunca imaginaria que estaria agora num avião apenas para ficar algumas horas no Japão junto de uma pessoa sendo que tudo isso se iniciou há mais de um mês atrás quando o vi pela primeira vez na recepção do estúdio de Kim Namjoon. Lembro como se fosse hoje a primeira vez em que conversamos. Como eu era o carinha da recepção, poucos me notavam ali e dificilmente alguém se lembrava do meu nome, era um funcionário esquecido que só estava ali para cumprir as ordens do patrão.

Nesse dia, estava um pouco quente, e como tenho problemas de saúde nessa época — a minha amada dor de cabeça que me ataca em horas não permitidas por mim, por exemplo —, não estava conseguindo me concentrar no trabalho por conta da dor e nem mesmo estava prestando atenção nas pessoas que passavam por mim, mas ele não fizera como os demais que apenas falavam sobre os horários a ser marcados e tal, ele simplesmente parou para me observar, curioso como sempre era, e me chamou pelo meu nome que estava no crachá.

— Park Jimin, está tudo bem? — Aquela voz rouca chamando meu nome foi o auge de toda minha vida, pois, quando eu levantei meu olhar e ajeitei meus óculos, quase caí da cadeira ao ver de quem se tratava.

— J-Jeon Jeongguk?! — Sinceramente, quis bater em mim mesmo por ter sido tão bobinho nesse dia e gaguejar na frente de um homem tão amado pelas mulheres dos EUA — isso se dava pelo fato dele ser o garoto propaganda da marca de roupa íntima masculina mais famosa e conhecida pelo mundo. Posso até parecer um tanto estranho, mas eu guardava todas as fotos que ele tirou para a CK — e olha que não era poucas as fotos. Tentando desfazer a minha vergonha por acabar gaguejando na frente dele, sorri. Mamãe dizia que sorrir faz a gente esquecer de nossa vergonha, menos as pessoas à nossa volta irão esquecer. — Desculpe — sussurro. — No que posso ajudar?

— Tudo bem. Na verdade, queria saber se você está bem, pois, desde os dois minutos que entrei aqui, vi que está a todo segundo fazendo careta pela dor. — Sorriu. O danado tinha mesmo um sorriso de derrubar qualquer um da cadeira.

— Eu não faço caretas — murmuro e ele ri, imitando a minha forma de fazer caretas quando estou com dor. — Realmente, eu faço caretas. Só estou com dor de cabeça por conta do calor, mas daqui a pouco passa.

— Sei. Bom, como me perguntou sobre o que preciso de ajuda, tenho hora marcada com o fotógrafo daqui. — Na mesma hora minha ficha caiu. Seria Jeongguk o novo garoto propaganda do estúdio? Se ainda não perceberam, eu trabalho na recepção de um estúdio muito conhecido por aqui e todo mês uma atriz, ator ou qualquer pessoa famosa era contratado para ser garoto(a) propaganda e o escolhido dessa vez era o queridinho da CK. — Park?

— Ah, desculpe. Irei ver agora mesmo — digo um pouco exaltado e procuro pelo nome na agenda o encontrando rápido, pego o telefone para confirmar a subida do Jeon ao estúdio. — Já avisei, o fotógrafo está te aguardando. — Sorri.

— Muito obrigado, Park — me agradeceu antes de se afastar, mas, antes que chegasse ao elevador, virou-se em minha direção com um sorriso muito lindo nos lábios. — Cuida dessa dor aí, mocinho. Nos vemos depois.

Naquele dia, se eu pudesse, teria gritado que Jeon Jeongguk havia conversado comigo e ainda tinha dito que nos veríamos depois. Claro que, inicialmente, não acreditei, pois ele era um homem ocupado e cheio de coisas mais importantes para fazer do que ficar perdendo tempo com um simples recepcionista de um estúdio. E realmente estava certo. Jeongguk não conversou comigo depois e nem nos outros dias, mas, quando saiu as fotos da propaganda do estúdio e ele teve tempo livre, o primeiro lugar que procurou foi meu local de trabalho, vestido com uma roupa no estilo bad boy.

— Park? — me chamou no mesmo momento em que abaixava os óculos escuros, olhando por cima destes. — Já está de saída?

Seria ótimo se tivesse fingindo e dito a ele que não estava de saída e que teria de cumprir mais algumas coisas ali, mas minha vontade de ter a amizade com Jeongguk era grande.

— Sim, estou de saída.

— Bom, queria saber se tem algo marcado para hoje à noite — comentou como se não quisesse nada e, bom, eu fingia que também não queria, mas mesmo assim respondi:

— Não tenho nada marcado, mas eu planejava maratonar Doctor Who. — Sorri.

— Quer ir ao restaurante comigo? — Poderia negar? Sim, mas estava com fome e comida não se nega, então acabei aceitando. Não vou mentir, foi a melhor escolha que fiz.

Só sei que, depois daquele jantar cheio de conversas aleatórias, Jeongguk e eu entramos numa amizade e quando fomos perceber já estávamos naquela há mais de um mês e, a cada dia que se passava, a gente se encontrava. Sabia que estava começando a sentir algo diferente de amizade por Jeongguk e estava disposto a contar a ele no nosso próximo encontro — encontros estes que acontecem em todos os fins de semanas, visto que ele era muito ocupado e eu também. Nesse dia, havia caprichado bem na roupa para me encontrar com ele num pub conhecido por nós dois. Quando o vi encostado na árvore com a cabeça baixa, deixando sua franja tapar um pouco sua visão, enquanto me aguardava, sorri. Me aproximei e fui cumprimentado com um aperto de mão como sempre fazíamos em lugares públicos. Já estávamos no nosso quarto copo de uísque da noite. Eu era bem forte para bebidas, então não me preocupava muito.

— Jimin, tenho algo a contar — Jeongguk se pronunciou primeiro, me deixando um tanto esperançoso, achando que ele falaria sobre o mesmo assunto que eu. Ledo engano. — Consegui um convite especial para um ensaio no Japão e na segunda de manhã estarei indo para lá! — anunciou para mim todo eufórico me lançando um de seus típicos sorrisos de coelho enquanto tomava um gole generoso do uísque.

Eu não podia falar o que sentia, não podia simplesmente estragar aquilo tudo, ainda mais ele que vivia me dizendo que sua meta era ser chamado para algum ensaio fotográfico no Japão. E sendo um bom amigo que sempre fui naqueles poucos meses, disse:

— Meus parabéns, Jeongguk-ssi! — Fui retribuído com um abraço forte e vários "Obrigado" pronunciados de uma forma meio mole por conta do álcool no sangue. Enquanto as horas passavam e ele bebia, conversando de um jeito mais filosófico, eu já não estava mais com aquela disposição de início e quando dei por mim, estava pagando nossa conta e pedindo um táxi para meu apartamento, pois eu nunca havia perguntado a ele onde morava e preferia manter assim.

Sei que aquela noite foi um tanto difícil para mim, ainda mais sabendo que — depois de ajudar ele a subir os degraus do prédio — ele dormia em minha cama enquanto eu estava totalmente perdido nos meus pensamentos deitado no sofá duro da sala. Fiquei divagando sobre sua notícia e naquilo que sentia por Jeongguk. Talvez estivesse confundindo as coisas sendo que, desde o início, dissemos que seria apenas amizade — não que tivéssemos dito isso em voz alta, mas foi o que deu a entender para mim. Preferi deixar de lado aquilo e focar na felicidade de Jeongguk. Os dias passaram rápido, quando dei por mim, estava no aeroporto vendo ele seguir até o local de embarque para seu voo ao Japão. Tinha feito questão de ir me despedir do meu amigo.

Esperei cada minuto e, quando deu o horário do voo, me despedi silenciosamente do avião que se direcionava para a pista principal. Jeongguk ficaria por dois meses no Japão, eu tinha noção que sentiria falta dele e foi exatamente isso que aconteceu. Nem mesmo duas semanas se passaram e já sentia sua falta. Para onde ia, conseguia me lembrar de Jeongguk e de seus detalhes. Como na vez que saímos do shopping tendo que aguentar ele chorando por não ter conseguido comprar o boneco de coleção já que o menino de sete aninhos havia sido mais rápido que ele.

Seu Twitter estava a todo momento tendo novas postagens, Jeongguk estava em todas as fotos sorrindo muito, me deixando a cada vez mais com saudade dele. E foi depois de mais uma semana que não aguentei mais, precisava vê-lo. Mandei uma mensagem mesmo sabendo que ele não veria tão cedo por conta do fuso horário.

"Basta um voo

E nós estaríamos no mesmo fuso horário

Olhando a sua timeline

Vendo todos os arco-íris, eu

Eu tive uma ideia

E eu sei que isso parece loucura

Eu só quero te ver

Oh, tenho que perguntar"


Mas tudo bem se ele visse depois, eu iria pegar o voo para o Japão de qualquer forma. Enquanto estava a caminho do aeroporto com uma mala média, enviei mais uma mensagem.

"Você tem planos para hoje à noite?

Estou a algumas centenas de milhas do Japão, e eu

Estava pensando que poderia voar para o seu hotel hoje à noite

Porque não consigo tirar você da minha mente"

Sorri grande quando vi que tinha ficado online e as mensagens estavam sendo lidas. Meu coração bateu forte em meu peito quando cheguei ao aeroporto, faltava poucos minutos para meu voo. Enviei mais uma mensagem para Jeongguk.

"Eu pude sentir a tensão

Nós poderíamos cortá-la com uma faca

Eu sei que é mais do que apenas uma amizade

Eu posso ouvir você pensando sobre isso, sim"

Jeongguk visualizava as mensagens, mas nenhuma respondia. O medo me tomava com aquilo, pois estava embarcando no avião. Se ele não dissesse nada, eu seria apenas alguém perdido no Japão. E achando que não teria resposta alguma por já estar em meu lugar aguardando o avião decolar, uma notificação chegou. Abri rapidamente e sorri feito bobo para a tela quando li sua resposta.

"Kookie: Você não foi o único a ficar assim, te espero no aeroporto, hyung."

Jeongguk também estava pensando em mim da mesma forma que pensava nele. Aquela viagem nunca me pareceu tão longa, mas como estava cansado, consegui dormir. Porém, quando o avião pousasse, eu não o soltaria tão cedo dos meus braços. Quando o avião pousou, peguei a minha mala, indo até o portão de desembarque. Procurei por ele em todo o lugar, mas não o encontrei. Não querendo criar coisas em minha cabeça, puxei a mala em direção à saída e me sentei num banco ali por perto. Iria ligar para ele. Só que antes de que fizesse isso, senti uma mão tocar em meu ombro e, quando virei, dei de cara com a pessoa que vinha tomando boa parte dos meus pensamentos.

— Jeongguk! — O puxo para um abraço,sendo rapidamente retribuído. — Senti sua falta… sussurro contra sua jaqueta de couro sintético.

— Também senti, hyungele sussurrou rouco ao meu ouvido, me arrepiando por inteiro.

Jeongguk nada mais fala, apenas me guia até um carro onde seu motorista nos aguardava. Pelo pouco que conversamos no carro enquanto estávamos indo em direção ao hotel que estava hospedado que curiosamente — ou para minha sorte — era um quarto de casal, me disse que seu empresário contratou um motorista particular para si, já que ficaria por mais tempo aproveitando o lugar. Porém eu não poderia ficar muito contente sendo que, no outro dia, teria de pegar o voo de volta para casa por conta do trabalho. Quando chegamos no hotel, assinei os papéis para dividir a conta do quarto, mas desconfiava de que Jeongguk não deixaria pagar nada. Assim que entramos no elevador, sentia a todo segundo o olhar intenso dele em mim e quando a caixa de metal parou no andar indicado Jeongguk levou minha mala e entramos no quarto.

E antes mesmo que eu pudesse olhar o lugar, senti meu corpo ser agarrado e prensado contra a parede do corredor entre o banheiro e o quarto. Minha boca foi invadida por sua língua atrevida, suas mãos percorriam por cada parte de meu corpo, mas focava mais em ficar massageando a minha cintura. Soltava gemidos baixos a cada mordida que eu deixava em seus lábios. Sentia sua mão livre adentrar a minha blusa, subindo por meu tronco até parar sobre o meu mamilo direito, deixando um leve aperto ali. Seu beijo era intenso e bruto, me deixava com mais vontade ainda que ele me fizesse seu de uma vez. Ainda em meio ao beijo, sua mão deixou meu mamilo para ir de encontro a minha coxa, fazendo com que eu desse um pulinho ao ter aquela parte apertada sem pudor algum.

— Você é um tremendo de um gostoso, Jimin — sussurrou roucamente em meu ouvido enquanto depositava selares molhados sobre minha derme imaculada. Tombando minha cabeça para lado, lhe dei livre acesso ao meu pescoço para que fosse marcado por sua boca. Os arrepios causados por seus lábios em minha pele deixava aquele momento cada vez mais gostoso. — Precisei vir para o Japão para que você entendesse que eu realmente o queria para mim? — O safado riu. Passou a outra mão por minha coxa, me dando impulso para que ficasse em seu colo. Sorri e levei minha boca a sua orelha, deixando uma mordida fraca ali. Senti se mover em direção a cama e conforme era deitado,  seu corpo ficava por cima de mim, tendo um encaixe perfeito. Era como se fôssemos feitos um para o outro; Jeongguk era grande e forte e eu pequeno, mas não tão forte igual a ele, porém considerável.

Sim, aceito minha estatura com muito prazer e não fico choramingando pelos cantos por conta disso.

Seus lábios beijavam cada parte da minha pele enquanto suas mãos tentavam a todo custo tirar a minha blusa. Vendo seu desespero em tirar aquela peça de roupa, apoiei meus cotovelos na cama, lhe ajudando a tirar a blusa. E quando fiquei com meu tronco à mostra, seus olhos brilharem em minha direção.

— Não sabia que tinha piercing no mamilo, hyung — disse rouco e extremamente sexy para mim ao voltar a se aproximar.

— É que você nunca me perguntou, Jeongguk — respondi puxando e encaixando nossas bocas novamente. Sabendo que ele não perderia tempo, senti sua mão brincar com o piercing de meu mamilo. Nosso beijo era insano e sem pudor, Jeongguk não media nenhum gesto, muito menos eu, parecíamos dois loucos tentando ter o comando daquele beijo — o que era impossível.

Enquanto sentia selares descendo da minha boca em direção ao meu mamilo, fui desabotoando sua camisa social preta. Essa que deixava ele um tremendo de um gostoso, ainda mais com aquele cabelo comprido. E com ajuda dele, consegui tirar a camisa social, jogando-a ao lado da cama. Jeongguk não tinha dó, esfregava seu membro duro na minha pelve, mostrando o quão excitado estava. Sua boca abocanhou meu mamilo ao mesmo tempo que levei a minha mão ao seu membro, deixando um aperto ali. Enquanto sentia sua boca brincar, não resisti e, com minha pouca força — já que estava me deixando ser entregue a ele —, o empurrei e fiquei por cima de seu membro, tendo seu olhar surpreso em minha direção e suas mãos em minha cintura em seguida.

— Bem ousado, gosto disso — diz ele, me lançando um sorriso nada decente.

— Vou mostrar o quão ousado eu posso ser — digo, dando uma rebolada firme, sentindo suas mãos apertarem minha cintura e seus lábios ficarem presos entre os dentes, tentando conter algum gemido. Levo minhas mãos ao seu peito e desço até a bainha de sua calça usando minha curtas unhas em sua pele. Com isso, Jeongguk acaba gemendo baixo, me deixando satisfeito. Abro devagar o zíper de sua calça e faço questão de deixar a ponta dos meus dedos encostarem no tecido fino da boxer preta, fazendo-o soltar gemidos baixos e irritados em minha direção. Quando sinto sua mão sobre as minhas tentando adiantar as coisas, acerto um tapa em sua mão e faço uma cara de bravo. — Se fizer isso de novo, pode ter certeza que eu paro tudo e vou dormir.

— Você não faria isso, hyung.

— Quer mesmo testar, Jeonggukie? — rebato num tom de ironia e ele nega.

Volto ao que estava fazendo e retiro sua calça tendo ajuda. Me abaixo sem deixar de olhá-lo e deposito um selar sobre o tecido da boxer, ouvindo sua lamúria por estar brincando com sua sanidade. Minhas mãos apertam sua coxa forte e eu novamente me aproximo, prendendo o elástico em meus dentes, puxando-o com um pouco de força e retirando a peça de si. O olho e sinto todo o desejo que ele está sentindo por mim. E aproveitando seu olhar, me levanto da cama, passando a retirar lentamente a minha calça. Acabo sorrindo quando o vejo se apoiar em seus cotovelos para me olhar melhor. Retiro com cuidado minha calça junto da boxer azul e volto a me aproximar da cama. Ainda sem dizer nada, subo na cama, passando minha perna sobre sua barriga e deixo minha bunda empinada em direção ao seu rosto.

— Quero que me prepare, Jeonggukie. Vai cuidar bem do hyung, não é? — indaguei olhando desajeitado em sua direção. Como resposta, sinto um tapa forte na minha bunda. — Ah!

— Irei cuidar muito bem, hyung. Essa bunda aqui será muito bem tratada por minha língua e meu pau — disse sem vergonha alguma, me deixando com mais tesão ainda. Minha atenção volta para seu membro, onde deixo selares molhados até tê-lo em minha boca, o que eu conseguia, mesmo ele sendo bem dotado. E ao mesmo tempo que faço isso, sua língua invade minha entrada sem aviso algum, arrancando-me um gemido manhoso.

Suas mãos apertava e massageava minha bunda ao mesmo tempo que sentia sua habilidosa língua em mim. Precisava de autocontrole para poder fazer a minha parte, então passei a chupar seu membro sem pausa. Jeongguk não parava um segundo sequer com sua língua dentro de mim, estocava e uma vez ou outra usava seu dedo para me deixar bem preparado. Como já devia prever, sua mão foi ao meu membro, me estimulando tão rápido que não aguentei e acabei gozando forte em sua mão. Tentei voltar meu foco para seu membro em minha boca, porém ele não deixou, retirando-me de cima de si e me deitando na cama. Observava cada parte minha como se eu fosse uma obra de arte. Senti sua mão sobre minha coxa, essa que foi erguida e apoiada em seu ombro, dando-lhe mais facilidade de penetrar.

— Sei que queria que gozasse em sua boca, mas minha intenção desde do início era fazer isso aqui nesse lugarzinho — disse baixo e rouco, passando a ponta do dedo em minha entrada. — Será que você vai me abrigar todo, hyung? — perguntou como se estivesse me desafiando.

Ah, Jeongguk não diga isso, pois posso abrigar dois de você em mim. — Sorrio, vendo o brilho de seu olhar mudar ao mesmo tempo que seu membro me invade devagar. Recebo cada pedacinho seu em mim e, quando o tenho todo acolhido em mim, dou uma rebolada. Sinto-o estocar devagar, porém firme. — Ah, Jeonggukie!

Seus movimentos lentos como se estivesse querendo aproveitar daquela comida favorita estava me levando ao delírio. Minhas mãos agarravam o lençol da cama, pois aquela lentidão fazia com que eu perdesse o sentido da vida por alguns segundos. Achando que ficaria só naquilo, meu corpo tomou um solavanco ao ter a primeira estocada forte. Suas mãos seguravam firme a minha cintura conforme estocava bruto. Já não aguentava mais aquilo, estava me segurando para não gozar e as lágrimas de prazer em meus olhos deixavam a minha visão embaçada. Ao ouvir a voz de Jeongguk, sorri.

— Iremos gozar juntos, amor.

Apenas mais uma estocada foi precisa para enfim pudéssemos gozar. Eu forte, sujando nossos abdomens; Jeongguk dentro de mim, deixando meu interior preenchido. Ainda sem se retirar de mim, sinto sua mão tirar alguns fios molhados dos meus olhos e acabo sorrindo com aquele gesto. Mesmo cansado, levo minha ao seu rosto — onde os fios longos e escuros de seu cabelo estão —, o acariciando levemente enquanto sentia seu olhar sobre mim.

— Eu tenho que voltar para os Estados Unidos amanhã, Jeonggukie — digo, continuando em seguida: — Você vai continuar por aqui e…

— Irei voltar com você — ele diz calmo e eu acabo travando.

— Não. Jeongguk, você tem o contrato aqui, não pode ir assim do nada — digo e ele apenas ri, retirando-se do meu interior, me deixando com uma sensação de vazio, mas logo acabo deixando o pensamento de lado ao sentir sua mão acariciar meu rosto.

— O contrato já foi cumprido. Estava pensando em retornar aos Estados Unidos, só que um certo hyung acabou sendo mais rápido que eu. — Sorri. — Irei conversar ainda hoje com o meu empresário para poder ir embora com você amanhã. Não posso deixar que escape da minha mão facilmente, não é? Desde a primeira vez que te vi, não consegui parar de pensar em você e bom, posso ter demorado para entender…

— Nós demoramos para entender, Jeonggukie.

— Sim, é a verdade. — Ele ri. — Quero ter algo com você.

— Isso foi um pedido de namoro? — pergunto com um sorriso nos lábios.

— É, mas, quando formos para lá, eu faço um pedido decente com direito a jantar a luz de velas. — Ele ri alto e eu o puxo para um abraço, trocando um rápido selinho.

— Eu aceito ser seu namorado, Jeonggukie.


Notas Finais


Betagem por @KM_HyungJoon e capa por @starsggukie muito obrigada meninas 💕

Link da música que me inspirou: https://youtu.be/SAWzXkV3hHo

Para @Ggukiechu

Unnie, não vou dizer muita coisa aqui, pois vou te mandar mensagem no Twitter :) Mas, feliz aniversário! Te amo muito, muitão mesmo e espero poder comemorar muitos e outros aniversários seus 💕

Você sabe que é muito especial para mim e minha melhor amiga, às vezes acho estranho usar essa definição, pois nunca pensei que poderia dizer que tenho, realmente uma melhor amiga :) Desde que te conheci, muita coisa mudou tudo porque você me incentivou a melhorar (ainda insisto um pouco no erro, mas quem sabe um dia eu consiga). Tô desviando o assunto aqui, mas era isso. Bom, já disse que te amo, mas vou falar de novo que Te amo muito, muito, muito mesmo 💙

Espero que tenha gostado :')


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...