História Lost in Love Paradise - Camren - Capítulo 43


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren, Ilha, Naufrágio, Vercy
Visualizações 308
Palavras 2.136
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha quem voltooou!
Prontos?!?! SIM CAPITÃ!

Boa leitura!

Capítulo 43 - Camila Tá Fodida!


 

LAUREN’S POV

 

 

Continuo estática encarando o monitor. Alguém me explica o que acabou de acontecer. 

Será que isso tem a ver com algum dos casos no qual já trabalhamos? Me levanto e começo a andar de um lado para o outro. 

E se isso tiver algo a ver com o caso atual? Eu prometi que não queria saber de nada do que a Camila fez, mas a curiosidade em entender no que estou metida é muito maior.  Eu deveria procurar Lucy ou Vero? Será que ter esse tipo de contato é um crime? Eu seria presa por isso?

- Porra, o que eu faço? - Noto minha xícara de chá e pego, talvez isso me acalme de alguma forma. 

Qual é a senha? Senha de quê? Para eu provar que sou quem digo ser?

Tudo bem, uma coisa é fato: Seja lá quem for esse tal de SilentMoth, certamente não sabe nada sobre mim. Não sabe onde estive por 3 meses e também não sabe que perdi a memória. Droga. Já é tão perturbador você tentar se lembrar das coisas e não conseguir, imagine quando você descobre que está metida em uma confusão atrás da outra e não consegue ter dimensão do problema.

Quando estive no médico, meus familiares aproveitaram para pedir novos exames e eles me receitaram remédios para ajudar com a memória. Disseram que como venho tendo flashes, isso pode ser um bom indicativo de que eu vou recuperá-la quase por completo, mesmo que leve anos. Mas sinto que eu não tenho esse tempo todo. Será que esse contato é algum tipo de ponte para os terroristas? Bem, eu nem sei se esse assunto tem mesmo algo a ver com Camila e a doença na qual estava trabalhando, mas se eu puder ser útil, talvez eu deva tentar. 

Me sento novamente e começo a mexer nos arquivos na esperança de encontrar alguma informação relevante, mas claramente eu sabia como confundir qualquer um que mexesse nessa porra, porque tudo parece criptografado ou precisa de senha. Os documentos por escrito não fazem sentido, são apenas números e letras, mas depois de longos minutos, uma pequena nota me chama a atenção, parece uma história infantil. 

“Era uma vez um animal atrasado em seu tempo, ninguém ligava para ele mais. Mas havia um segredo: ele sabia sobre tudo. A própria justiça decidiu dar esse poder a ele. Rabit aguardava ansiosamente pelo momento em que seria útil, mas se tratava de um paradoxo, já que ele era tão bondoso quanto perigoso.”

- Mas que porra?! Certeza que nesse dia eu tava drogada. 

Suspiro e decido dormir, ou pelo menos tentar. Quem sabe eu não consiga pensar com mais clareza quando acordar.


 

(...)



 

três dias depois...
 

118° Dia

 

Quinta-feira, Hora: 8:00

 

- Já deu, eu não tô mais aguentando com sua mulher, Lauren! - Vero entra na sala da minha casa como um furacão, após eu liberar sua entrada. Wren está brincando no tapete comigo. 

- O que houve? - Ela beija minha cabeça, a do pequeno e depois senta ao meu lado no chão. 

- Ela não fala nada realmente relevante, ela está jogando com a gente! 

- A Camila? - Seu olhar me fuzila. 

- Quantas mulheres você tem?! Virou sultão mulçumano agora? Tem um harém? - Reviro os olhos. 

- Desculpa. - Ela toca no meu braço após suspirar. 

- Não, desculpe a mim, não estou muito legal. 

- Com licença, - uma das empregadas aparece. - quer alguma coisa, senhorita Iglesias?

- Água, por favor. - A moça assente e faz menção de sair. - E sorvete, - diz um pouco mais alto e ambas a encaramos. - que foi?! Eu preciso afogar as mágoas, diz que tem, por favor. - A moça sorri de seu jeito manhoso assentindo. 

- Trago já. - Nos rende um aceno de cabeça e se retira.

- Você é tão abusada… - sussurro puxando o Wren para perto de mim. 

- Ah, não começa. Se você soubesse o quão perto eu tô de meter a porrada em Camila… - A encaro. - Tenho medo de você não, Rambo. É fome isso aí?

- Cala a boca, idiota. Você não vai encostar nela. É nem louca. - Ela nega com a cabeça pensativa pegando um carrinho do Wren e fingindo que vai atropelá-lo o fazendo rir. - O que ela fez? - Ela solta os ombros e o brinquedo  tornando a me olhar. 

- Ela está escondendo o jogo, não sei mais o que fazer para aquela garota confiar em mim. Eu sou uma pessoa confiável, certo? - Minha cabeça pende para o lado esquerdo. 

- Bem… - levo um tapa forte no braço. - Teoricamente vocês duas não estão na mesma equipe, né? 

- Se não estivéssemos, ela já estaria mancando a essa altura. - Sorrio e me lembro de algo, eu deveria falar sobre isso? - Nós sentimos falta de você, Laur. Você sempre sabia o que fazer. 

- Isso é fofo, mas eu tenho certeza de que  você e Lucy estão fazendo um ótimo trabalho. 

- Ai, nem me fale em Lucy. 

- Por que? O que houve agora? - Nega com a  cabeça. Jessie aparece com seu sorvete e sua água e ela pega agradecendo num sussurro. Ensaia algumas vezes as próximas palavras.

- A gente ficou semana passada. 

- Oi?! - Ela põe uma colherada na boca sem me olhar. - Ficou tipo… vocês transaram?

- Quê?! Não! 

- Ué, - dou de ombros. - pra que esse desespero todo? - Nega com a cabeça. 

- Velhos hábitos, eu esqueço que você não é mais nossa líder… bem, no momento.

- Pra ser sincera, me frustra estar sendo inútil. 

- Ei, não fala assim. - Seu semblante é triste. - Você tem feito muito pelo caso, juro. - Até parece. 

- Não quero falar disso, o que houve com você e Lu? - Engole um pouco mais da gordura vegetal hidrogenada em suas mãos. 

- Não aconteceu nada, ela assumiu que é apaixonada por mim, eu assumi que a amo pra caralho e foi isso. - Porra, que foda! Meu queixo cai num meio sorriso. - Não me olha assim, vou ficar com vergonha. 

- Não tem nada de errado em assumir seus sentimentos… Eu só queria dizer que já estava na cara. - Sorrio. - Estou feliz por vocês. 

- Não, a gente não tá junto. Políticas do nosso trabalho. 

 - Oh… 

- Mas  estou pensando seriamente em me aposentar quando esse caso da Camila acabar, Laur. Mesmo se Lucy não quiser, as coisas não têm mais as mesmas cores depois daquela conversa. - Sua voz sai carregada de sinceridade, nunca vi Vero tão exposta e vulnerável assim, não que eu me lembre. Mas é clara sua confiança em mim e principalmente os sentimentos dela por Lucy. 

- Até que parece uma boa ideia… se  você realmente quiser isso. - Ela não diz mais nada. 

- São quase 7 anos, Laur. Eu não aguento mais olhar para ela todos os dias e pensar que estamos perdendo algo… - olha para o Wren e sorri feito boba. - assim. 

- Oh… Isso é intenso. - Ela sorri. 

- Desculpa, eu esqueço que você não se lembra das nossas conversas, - faz uma careta. - deve estar sendo super estranho me ver assim. - Nego com a cabeça e aperto a mão dela. 

- Eu vou apoiar vocês em tudo o que eu puder, Vero. Eu descobri uma puta família em vocês duas, isso significa tanto para mim que às vezes me sinto grata por poder estar vivendo tudo isso para apreciar o amor, carinho e cuidado que sempre tive ao meu redor e talvez nem fizesse ideia. 

- Você fazia, - garante. - sempre retribuiu à altura, até seus funcionários são fiéis e leais a você por admiração. - Sorrio fraco. Meu filho estica a mãozinha parecendo só agora notar que Vero está comendo e não deu a ele. - Não, sua mãe não deixa a gente te dar doce… - faz uma vozinha de bebê. - Você é um nenenzinho, precisa comer coisas ruins de neném. - Sorrio.

- Titia… - Ele sobe no colo dela claramente não prestando a atenção no que disse, ou só não entendendo mesmo. Encara a taça de sorvete em suas mãos. Lambe a boquinha olhando para ela. 

- Vem cá, deixa tia Vero comer o sorvete  dela. - O pego, ele me encara com um beicinho, mas inicio um carinho que logo o distrai. Ficamos um tempo em silêncio, ela coloca a taça no chão do outro lado de seu corpo após terminar com o conteúdo, se encostando melhor no sofá atrás de nós. - Vero, - Com um som nasal me dá liberdade para continuar. - já ouviu falar de alguém chamado… - engulo seco. - Justice? - Ela me encara na mesma hora com as sobrancelhas juntas.

- Você se lembrou de algo relacionado a isso?

- Bem… não exatamente, mas você já ouviu falar? - Ela olha ao redor provavelmente para ter certeza de que estamos sozinhas. 

- Não mexa nisso, okay? 

- Por que? 

- É você essa e lida com pessoas perigosas, um passo em falso pode foder muita coisa. - Opa… - Ah não, o que você fez? 

- Nada. - Minto. 

- Porra, Laur. No que você mexeu? - Engulo seco. - Vamos, levanta.  Precisamos falar sobre isso em privado. - A observo ficar de pé. - Eu não estou brincando, bora. - Faz um gesto com a mão direita para que eu acelere. - Anna?! - Diz um pouco alto e não leva dez segundos para a jovem aparecer um pouco afobada. 

- Me chamaram? 

- Fica com o Wren, por favor. Lauren e eu precisamos conversar. - A moça me olha como que pedindo meu consentimento. Respiro fundo e me levanto o dando no colo dela. 

- Mamãe já volta. - Beijo meu pequeno e sigo Vero para as escadas. 


 

(...)

 

Quando chegamos no corredor do andar de cima, noto que ela para encarando a porta do meu escritório. Depois me encara com um semblante pensativo. Abre a porta do meu quarto e entra. Sento na cama. 

 

- Você sabe que pode causar problemas mexendo em coisas confidenciais? - Diz séria. Sento na cama.  

- Eu não fiz por mal, só estava olhando minhas coisas. - Ela cruza os braços ainda de pé. 

- O que você viu?

- Nada. 

- Lauren! - Diz firme e eu estremeço por causa do susto. - Está pensando que isso é algum tipo de brincadeira?

- Não, mas eu não vi nada demais… tá tudo criptografado e eu fiquei com dor de cabeça quando comecei a tentar entender. Estou tomando muitos remédios, acho que meu cérebro não está funcionando na mesma velocidade de antes. - Desvio o olhar. - Ou não lembrar de nada me fez esquecer tudo o que sei também.

- Lauren, não me faz mandar confiscarem suas coisas, eu sei quando você está mentindo para mim! 

- O quê? Eu não estou mentindo! - Me altero ficando de pé. 

- Alguma coisa você viu, pode ser importante para o caso! Fala! Eu não quero voltar com um mandato. 

- O FBI sabe sobre a coisa da Justice e tal?

- Óbvio, acha que somos o quê?! O clube da Luluzinha? 

- É possível que eu estivesse fazendo algo errado?

- Óbvio que não, você seria a última pessoa de todos nós a se corromper, por que? - Solto o ar que estava prendendo de forma aliviada, saber disso é bom. Muito bom. Suas sobrancelhas se erguem numa expressão surpresa como se tivesse acabado de se tocar de algo. - Alguém entrou em contato?! 

- Não… 

- Lauren! 

- Tá, talvez! - Continua aguardando. - Que foi?!

- Conta, porra! 

- Eu não, eu nem sei do que se trata. 

- Lauren, eu vou quebrar a sua cara!  - Diz claramente irritada com as mãos fechadas em punho. - O mundo tá correndo perigo e você de putaria?

- Você nem sabe se é sobre esse caso. 

- Óbvio que deve ser, você não estava trabalhando em mais nada! - Desvio o olhar, como sei que isso não daria problema? - Ótimo, já que não confia em mim, eu volto em uma hora pra tirar aquela máquina de você. - Segue em direção à porta, mas a seguro. 

- Não, espera. - Ela me encara. Talvez Camila corra perigo se o FBI todo tiver as informações que ela tem escondido para si.

- Vamos! - Pressiona.

- É um tal de Silent Moth. - Praticamente sussurro.

- Oh… - abre um sorriso imenso e aliviado. - Camila tá fodida! - Me puxa pelo pulso. - Vem! 

- Ei!  

 

 


Notas Finais


E aí, galereeees.... ?!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...