História Lost Souls - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias XXXTentacion
Personagens Personagens Originais, XXXTentacion
Tags Boonk Gang, Gangster, Lil Pump, Rapper, Ski Mask, Trippie Redd
Visualizações 243
Palavras 5.084
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


V O L T E I

Desculpem se o capítulo estiver uma merda, estou um pouco sem criatividade hoje.

Sugiro que escutem "Save Me" do X enquanto lêem a parte que ele canta e também "Blame It On Me" do Post quando chegar na parte da Kath.

Sorry se estiver muito grande o cap.

OBS: LEIAM AS NOTAS FINAIS, É IMPORTANTE!

Boa Leitura! <3

Capítulo 19 - Save Me


Fanfic / Fanfiction Lost Souls - Capítulo 19 - Save Me

Los Angeles (Califórnia) > (1:40 Am.)

Katheryn Winnick

Assim que chegamos na mansão, abri a porta do carro mas X segurou meu braço me impedindo de sair, sentei novamente encarando seu rosto.

– O que foi? – Perguntei meio sonolenta.

– Não queria que tivesse visto eu e a Taylor lá na piscina. – Ele me olhou com uma expressão.. culpada? – Sinto muito!

Soltei um riso nasalado negando com a cabeça levemente.

– Só me deixa em paz! – Abri a porta do carro e sai o mais rápido possível.

– Katheryn! – Ele me chamou mas o ignorei totalmente.

Entrei na mansão e dei de cara com Taylor e suas amiguinhas sentadas na sala fazendo alguma merda que não estava nenhum pouco interessada em saber. Ouvi alguns cochichos enquanto eu subia a escada mas não queria fazer um escândalo por causa disso, deixe que falem, não ficando no meu caminho tá ótimo!

Assim que entrei no quarto tranquei a porta e joguei meu vestido junto com os saltos longe, ouvi meu celular apitar várias vezes e vi algumas chamadas perdidas da Jenny e da Melissa, mandei uma mensagem pra Jennifer avisando que já estava em “casa” e que ela não precisava se preocupar, explicaria tudo pra ela depois.

Travis tinha me mandado algumas mensagens perguntando como eu estava e onde eu estava, disse pra ele que amanhã daria uma passada na boate e que mais tarde poderíamos sair pra almoçar já que não nos encontramos mais.

Nem esperei pela resposta dele, apenas joguei meu celular em cima da cama e peguei o controle do ar-condicionado, puta calor do inferno! Olhei em cima na estante onde estava a TV e vi um controle provavelmente do som, conectei o Bluetooth do meu celular no rádio e coloquei a música Blame It On Me do Post Malone no último volume e fui para o banheiro.

Liguei a hidro vendo ela começar a encher, jogueis alguns sais pra fazer espuma e deixei a luz do banheiro baixa, eu queria paz, um único momento de paz!

Entrei na hidro depois dela estar cheia e relaxei meu corpo encostando minha cabeça na borda, fechei os olhos ouvindo apenas a música ecoar pelo quarto.

[…] Eu costumava dizer que estava livre

Agora todas essas pessoas continuam arrancando pedaços de mim

Eles tiraram tudo, tinham tudo que eu precisava […]

Ouvi algumas batidas na porta do quarto sendo abafadas pela música alta mas não me importei, eu não queria ver ninguém, não queria falar com ninguém.

[…] Me observe sangrar

Você me cortou de joelhos

Não importa o que você acredita

Eu acho que nós dois podemos concordar

Que você não pode me culpar, yeah

Não é minha culpa, não é minha culpa, não é minha culpa […]

As batidas na porta foram ficando mais fortes e apenas mergulhei ficando completamente embaixo d’água, pude ouvir a música abafada enquanto as bolhas da água passavam por cima do meu rosto, relaxei mais meu corpo e tudo o que eu conseguia ouvir eram os meus batimentos cardíacos.

Senti minha respiração começar a falhar mas eu não subiria ainda, eu queria ficar ali embaixo onde tudo parecia em silêncio, parecia que ali eu encontraria paz pros meus dias perturbados.

Nunca pensei em morte, nunca pensei em me machucar pra ver se toda a dor passava por que eu sabia que não passaria eu só sentiria mais dor ainda mas naquele momento, por um segundo eu realmente pensei em abandonar tudo de vez, eu me sentia tão cansada, tão desgastada de aguentar as coisas e tentar ser forte pra tudo como se nada me machucasse.

Por um segundo eu pensei se a morte seria realmente uma boa opção, por um segundo, eu desejei que tudo acabasse!

 XXXTentacion

Bati na porta pela milésima vez mas tudo o que eu ouvia era o som alto dentro do quarto e um barulho de água, eu queria vê-la, queria falar com ela, queria olhar pra ela.

Porra, eu mal sabia do por que eu estava me sentindo culpado sendo que nem havia motivo pra isso, na verdade tinha mas essa foi a primeira vez que me abalou, eu realmente não queria que ela tivesse me visto com a Taylor naquele momento.

Eu vi a raiva estampada na cara dela, eu vi que ela estava triste e eu simplesmente fui um idiota tentando não me importar. Por algum motivo eu queria conversar com ela, eu percebi quando ela não tirou os olhos de mim um segundo sequer enquanto nós vinhamos pra cá, naquele momento eu queria ter o poder de ler mentes, eu queria saber o que ela estava pensando, merda!

Por que eu estou me importando tanto com essa garota? Ela é a irmã de um dos meus melhores amigos e só isso, nada mais! Porra Jahseh!

Passei as mãos pelo meu rosto e me escorei na porta do quarto dela, mil pensamentos se passaram pela minha cabeça me fazendo quase ter um surto.

Suspirei cansado e fui até meu quarto pra pegar a chave reserva do quarto dela, foda-se a privacidade que ela tinha, eu entraria naquele quarto de qualquer jeito!

Assim que consegui entrar no quarto abaixei um pouco o volume da música.

– Katheryn? – A chamei mas nenhuma resposta veio, ela deve estar no banheiro.

Me aproximei e vi que a porta estava aberta, estranhei mas fui até lá. Quando entrei no banheiro senti meu corpo gelar, um arrepio passou por minha espinha e senti mil facadas no peito.

Katheryn estava dentro da hidromassagem desacordada. Corri até ela e a tirei de lá de dentro, seu rosto estava pálido e sua boca começando a ficar roxa. Deitei ela com cuidado no chão e conferi a respiração dela, por sorte ela ainda estava respirando normalmente, coloquei seu corpo em posição lateral e ela vomitou logo em seguida.

Massageei suas costas levemente ajudando ela a se sentar enquanto tossia algumas vezes.

– Olha pra mim! – Peguei em seu rosto com cuidado e ela me olhou. – Você está bem? – Ela assentiu lentamente e soltei um suspiro de alívio. – Que merda garota! – A abracei. – No que estava pensando? Nunca mais me assuste assim! – Beijei sua testa.

Sentei no chão de frente pra ela, minha respiração estava acelerada e eu ainda tremia um pouco. Peguei uma toalha que estava pendurada ao meu lado e enrolei seu corpo que estava coberto apenas por uma lingerie.

– Eu vou te levar no hospital, vem! – Ela negou rapidamente.

– Eu estou bem! – Falou baixo tentando se levantar.

Fiquei de pé e a paguei no colo levando-a até a cama.

– O que estava tentando fazer Katheryn? – Me ajoelhei na frente dela que agora estava sentada na cama. – Caralho garota, estava tentando se matar?

– Eu não tentei me matar. – Ela me encarou com lágrimas nos olhos, senti um aperto no peito. – Eu só.. – Suspirou. – Esquece!

– Como assim esquecer? – Fui rude. – Tem noção do quanto me assustou? Porra! – Passei as mãos pelo rosto sentindo que meus nervos explodiriam a qualquer momento.

Ouvi um resmungo baixinho e olhei pra ela vendo seu rosto inchado e encharcado pelas lágrimas. Ela passou as mãos pelo rosto tentando esconder que estava chorando mas foi em vão, em um instante a puxei para um abraço apertado.

Acariciei seus cabelos molhados e isso foi o suficiente pra ela desabar chorando, eu não sabia o que fazer, eu nunca tinha visto ela tão frágil assim, eu nunca tinha visto ela chorar e isso me pegou de surpresa.

Senti suas mãos trêmulas e geladas em minhas costas e percebi que ela estava agarrada a mim, apenas a abracei como se tudo fosse acabar ali e realmente quase tinha acabado.

Quando eu a vi desacordada eu, eu.. Puta merda, eu pensei que iria ter um infarto! Eu não sei o que eu faria se ela tivesse morrido, eu não entendia o por que de toda a minha preocupação com ela, eu só sabia que queria vê-la bem.

Depois de mais alguns minutos, ela começou a se acalmar e parou de chorar.

– Está mais calma? – Perguntei quase em um sussurro e ela assentiu levemente.

Katheryn levantou seu olhar e me encarou por alguns segundos até me empurrar e se levantar rápido.

– Eu estou bem, já pode ir! – Franzi o cenho a encarando.

– Por que está assim? – Eu sabia que tinha alguma coisa errada, ela nem conseguia me olhar direito.

– Não é nada! – Respondeu com a voz rouca.

Caminhei até ela e encostei em seu braço, instantaneamente ela se afastou pra longe.

– Kath.. – Ela negou com a cabeça me olhando brevemente.

Ela ficou de frente pra mim e logo foi até a porta deixando-a aberta.

– É melhor você ir. – Fiquei em silêncio a olhando tentando entender por que ela estava fazendo isso.

– Eu não vou ir em lugar nenhum! – Me aproximei dela que não moveu um músculo.

– Jahseh, por favor! – Sussurrou fechando os olhos.

– O que você tem Kath? Por que está me expulsando? – Ela negou com a cabeça evitando olhar pra mim.

– Taylor deve estar te procurando, por favor, só vai!

– Está assim por causa dela? – Perguntei mas não obtive resposta alguma. – Me responde Katheryn. – Pedi calmamente.

– Não! – Falou baixo. – Eu só estou cansada, quero dormir um pouco. – Ela parecia ser sincera.

Soltei um longo suspiro e acenei com a cabeça desistindo.

– Tudo bem! – Falei. – Qualquer coisa me chama, ok? – Ela assentiu e antes de sair depositei um beijo em sua testa.

Fiquei alguns segundos no corredor em frente a porta de seu quarto que agora já estava fechada, por que essa garota tem que mexer tanto comigo? Inferno!

Ouvi alguns gritos da Taylor vindo do andar de baixo e respirei fundo, eu não aguento mais isso!

 Katheryn Winnick

Depois de ter secado meu cabelo e colocado uma roupa confortável deitei na cama e fiquei observando o teto, eu não tinha nada a dizer ou pensar sobre o que havia acontecido antes. Eu só deixei me levar por alguns segundos e sei que foi um erro mas isso não vai mais acontecer, ou, pelo menos, espero que não. Eu definitivamente não sou uma suicida, não é como se eu fosse ficar tentando me matar, não quero isso!

Respirei fundo e fechei os olhos agarrando o edredom que estava por cima de mim, podia ouvir um som alto mas abafado vindo do jardim mas isso não me incomodou nenhum pouco, eu estava cansada, precisava dormir.

Senti meu corpo relaxar conforme eu respirava calmamente, senti minhas pálpebras pesaram e sabia que a qualquer momento eu pegaria no sono.

– NÃO JAHSEH! – Me assustei quando ouvi um grito no corredor. – PARA DE ME IGNORAR! – Abri os olhos vendo algumas sombras por baixo da porta do quarto.

Fiquei ali apenas escutando os berros da Taylor e seus saltos ecoarem pelo mármore do chão.

– Quero você fora daqui! – Era a voz do X e pelo seu tom ele parecia cansado.

– NÃO VOU IR!

– Para de gritar Taylor! – Falou alto o suficiente pra ela ouvir e pra mim também, mas ele não sabia. – Já chega de discussões, me deixa em paz! – Ouvi a batida forte da porta de algum quarto, provavelmente do quarto dele.

Escutei alguma coisa ser jogada contra a porta mas dessa vez do meu quarto, respirei fundo e pensei se devia ir até lá ou não mas optei por não ir, que se foda, aquela merda tá trancada mesmo!

Virei para o outro lado e fechei os olhos novamente depois de um tempo acabei dormindo.

 XXXTentacion

Sentia a minha cabeça latejar a cada batida que e eu ouvia na porta do quarto, entrei no banheiro e tomei um banho pra ver se eu me acalmava, eu acabaria fazendo merda se não me calmasse imediatamente.

Assim que terminei o banho percebi que as batidas tinham cessado e soltei um suspiro de alívio, fui para o closet e vesti uma calça de moletom e logo me joguei na cama, eu precisava dormir ou, pelo menos, tentar.

Após perder a conta de quantas vezes me virei na cama, olhei no celular e já eram quase quatro da manhã. Percebi que não conseguiria dormir e decidi sair do quarto, desci as escadas e vi que Luke e Ryan estavam jogados no sofá e no chão babando de tanto dormirem, bati com o pé nos dois mas foi em vão, continuaram dormindo igual dois bichos-preguiça.

Soltei um longo suspiro e fui até meu escritório pegar meu violão, aproveitei pra pegar uma garrafa de whisky também e sai pela porta de trás dando a volta na piscina, passei pelas árvores e logo eu estava de frente pro mar.

A maré estava um pouco alta e a água estava a poucos metros da escada de pedra que tinha ali mas não me importei muito, me sentei em um murinho que dividia a areia da grama e tomei um longo gole de whisky.

Olhei para o céu vendo as estrelas mais brilhantes do que nunca, a luz da lua refletia no mar e o som das ondas quebrando quando chegavam a areia trazia um ar calmo e tranquilo. Fechei os olhos respirando fundo algumas vezes, eu não estava bem, eu não me sentia bem e isso já acontecia a dias, meses ou talvez anos.

Passei meus dedos pelas cordas do violão e deixei a minha voz ecoar pelo local esperando que, pelo menos, algum peso saísse do meu coração.

Katheryn Winnick

Eu já estava acordada a um tempo, eu consegui dormir apenas por alguns minutos antes da insônia causada pelos meus pensamentos me invadir. Estava sentada em uma poltrona na sacada observando as estrelas, sempre gostei de ficar observando o céu, achava tudo tão magnífico, tão perfeito.

Comecei a ouvir um violão sendo tocado e franzi o cenho procurando de onde vinha aquele som, olhei pra baixo mas não vi nada mas sabia que vinha dali.

Sai do quarto e desci as escadas, prendi o riso quando vi Luke no chão agarrado ao braço de Ryan que estava jogado no sofá quase caindo. Peguei meu celular e tirei uma foto daquela cena, eu zoaria muito eles quando acordassem.

Fui para fora em busca de quem estava tocando violão a essa hora e assim que me aproximei das árvores o som se fez mais presente. Passei por elas tentando fazer o mínimo de barulho possível e me surpreendi ao ver o X sentado em um pequeno murinho de frente pro mar.

Mantive uma distância segura pra que ele não me visse e fiquei ali escutando ele começar a cantar.

[…] Quem eu tenho do meu lado?

O céu e o inferno, meu amigo...

(Meu amigo)

Eu não me encaixo aqui

Tudo tem que acabar […]

Senti um aperto no peito ao ouvir cantar, ele soava tão triste, sua voz estava calma mas triste..

[…] Olá, lado da escuridão

Alguém aqui quer ser meu amigo?

(Meu amigo)

Quero que tudo termine

Diga-me, quando essa porra vai acabar?

Vozes na minha cabeça

Me falando que vou terminar morto […]

Me aproximei lentamente já sentindo algumas lágrimas escorrerem pelo meu rosto.

[…] Então me salve

Antes que eu caia

Então me salve

Eu não quero ficar sozinho […]

Em questão de segundos me joguei contra seu corpo abraçando-o por trás com toda a minha força, encostei meu rosto em seu pescoço inalando seu perfume embriagante. Ele não moveu um músculo sequer mas o vi se arrepiar com meu toque, senti uma de suas mãos entrelaçar junto a minha e naquele momento eu percebi que ele sabia que eu estava ali, ele sabia que era eu.

Funguei mais algumas vezes e distribuí alguns beijos leves pelo seu ombro, me sentei ao seu lado e virei seu rosto calmamente em minha direção, senti meu coração se partir em mil pedaços ao ver seus olhos vermelhos e marejados, ele parecia estar tão frágil.

Sem esperar puxei ele pra mim e o abracei. X escondeu seu rosto na curvatura do meu pescoço e retribuiu o abraço me segurando firme como se eu fosse fugir a qualquer momento, mas eu não iria, nunca iria!

– Você está bem? – Perguntei baixinho e o mesmo confirmou com a cabeça lentamente.

Ficamos alguns minutos abraços apenas ouvindo o som do mar e da calmaria no ambiente, eu sentia sua respiração contra minha pele me causando arrepios por todo o corpo mas estava fazendo o máximo pra não demonstrar o quanto ele mexia comigo apenas com um toque seu.

– O que está fazendo acordada? – Ele desfez o abraço e encarou meu rosto com um leve sorriso nos lábios.

– Não consegui dormir mais depois dos gritos da Taylor. – Dei de ombros.

– Ela sabe como fazer um escândalo. – Revirou os olhos e eu assenti sorrindo.

Passei minha mãos em seu rosto e ele fechou os olhos aproveitando o meu carinho.

– Isso é bom! – Sorriu.

– Aproveita por que é por tempo limitado. – Ele soltou uma risada baixa e eu o acompanhei.

– Por que você é tão boa comigo? – Ele pegou na minha mão e me encarou.

– Como assim?

– Você sempre fica ao meu lado mesmo depois que eu te magoo. – Deu de ombros.

– Isso se chama “ser trouxa”. – X negou com a cabeça abrindo um sorriso lindo.

– Você não é trouxa. – Sorri. – Talvez só um pouquinho. – Dei um leve tapa em seu ombro e ele deu risada.

– Idiota! – Encarei as ondas sorrindo.

Fechei os olhos e soltei um longo suspiro. Senti ele acariciar minhas mãos com as pontas dos dedos e sorri sem mostrar os dentes, sabia que ele estava me observando.

– Posso te perguntar uma coisa? – Ouvi ele fazer um som de confirmação. – Você ama a Taylor? – Encarei seu rosto que por acaso estava com uma expressão de surpresa.

Ele ficou em silêncio por alguns segundos e soltou um suspiro baixo.

– Não, eu não amo! – Arqueei as sobrancelhas não esperando que ele realmente fosse ser sincero a esse ponto comigo.

– Sério? – Ele assentiu. – Então por que tá com ela?

– Sinceramente? Eu não sei! – Deu de ombros. – Eu me acostumei com a presença dela e isso já faz anos.

– Anos? – Franzi o cenho. – Como vocês se conheceram?

– Você não acha que já fez perguntas demais não? – Neguei sorrindo. – Tudo bem! – Ele soltou um longo suspiro e desviou o olhar pro mar. – Eu conheci ela em uma boate, ela era stripper. – Como eu já suspeitava! – Na época eu tinha 18 anos e ela 16, por um acaso do destino ou por azar mesmo. – Sorri. – Eu fui em uma boate do Adam, naquele tempo eu só estava querendo conhecer quem ele era pois eu ainda não tinha visto ele de perto então eu fui lá. – Ele me encarou e eu assenti pra que ele prosseguisse. – Eu lembro que eu tinha cheirado umas cinco carreiras de cocaína e quando eu ia pra sexta um dos aliados do Adam chegou com duas vadias e a Taylor.

– A Taylor também se prostituía? – Ele negou.

– Ela tinha acabado de entrar no ramo e por enquanto era só stripper mas naquela noite esse aliado do Adam que por acaso era um traficante conhecido por mim, tentou estuprar ela. – Arregalei os olhos. – Antes que ele fizesse isso na frente de todo mundo eu o impedi.

– O que você fez? – Ele apertou minha mão e me encarou novamente.

– Eu o matei! – Preferi ficar calada tentando assimilar cada palavra que ele dizia. – Eu tava meio fora de mim e quando eu vi o desespero dela eu não aguentei, eu sabia o quanto aquela merda era errada e fodidamente nojenta.

– Realmente! – Fiz uma careta. – Ninguém merece sofrer qualquer tipo de abuso. – Ele assentiu concordando.

– Depois de atirar nele, um tiroteio começou e eu sai de lá o mais rápido possível, acabei levando Taylor junto comigo, não queria deixar ela sozinha. – Encostei minha cabeça em seu ombro e ele deixou um beijo na minha testa. – Ela não tinha pra onde ir, não tinha família e nem nada além da sua irmã prostituta que morava em outra cidade, então eu deixei ela ficar comigo por alguns dias mas esses dias se tornaram meses e de alguma forma ela se apaixonou por mim e a gente foi se aproximando cada vez mais até que se tornou isso que é hoje.

– Um namoro? – Dei risada.

– É, essa merda aí! – Deu de ombros me fazendo sorrir.

– Se ela passou por tudo isso por que ela é assim, tão ignorante? – Perguntei quase num sussurro.

– Taylor sempre foi uma garota mimada, sempre amou viver em meio ao luxo e riqueza. Os pais dela eram milionários antes deles perderem tudo e abandonarem ela junto com a irmã. – Abracei ele e o mesmo retribuiu percebendo que estava começando a esfriar. – Quando ela veio morar comigo deixei que ela vivesse como antes afinal, dinheiro não era problema pra mim então nunca me importei.

– Agora tá explicado o por que ela se acha melhor que as outras pessoas. – Ele me encarou sorrindo.

– Ela não era assim no começo mas com o tempo as coisas se tornaram pior, ela se tornou pior!

– E você nunca impediu ela de ser assim? – Perguntei e ele negou.

– Como eu disse, eu nunca me importei! – Prendi meus lábios entre os dentes contendo o que eu queria saber. – Eu sei que você tem mais perguntas, aproveita, essa é sua hora! – Abri um sorriso amarelo tomando coragem.

– Ér.. V-você se importa comigo? – X me encarou e senti minhas bochechas corarem, merda!

– Você tá parecendo um tomate. – Ele sorriu e abri a boca ficando mais envergonhada ainda.

Filho da puta!

– E-eu.. – Ele foi se aproximando de mim e tudo o que eu conseguia fazer era gaguejar sem tirar os olhos de seus lábios. – N-nã.. – Fui interrompida por um beijo seu.

Ele agarrou minha cintura e me puxou pra ele, instantaneamente me apoiei em seus ombros e coloquei minhas pernas uma em cada lado das suas. X soltou um gemido abafado pelo nosso beijo quando rocei em seu membro coberto pela sua calça de moletom.

Pedi passagem com a língua e ele imediatamente cedeu, começamos um beijo agressivo e cheio de desejo e eu simplesmente não conseguia mais ter controle sobre mim, eu o desejava mais que tudo.

Senti suas mãos subindo pela minha coxa e apertando a minha bunda com força, soltei um gemido baixo e isso só fez com que ele ficasse mais excitado e atacasse meus lábios com mais vontade ainda.

– Porra Katheryn! – Ele gemeu quando dei uma leve rebolada sobre sua excitação.

X deixou uma mordida forte em meu lábio inferior me fazendo soltar um gemido de dor misturado com prazer.

Paramos o beijo por falta de ar e nossos olhares se encontraram instantaneamente. Sua íris estava mais escuras que o normal e seus lábios inchados me instigando a beijá-lo novamente.

– Você é tão fodidamente gostosa! – Sussurrou contra meus lábios.

Dei um gritinho quando ele deu um tapa estalado na minha bunda, empurrei seu corpo e ele caiu deitado na grama, continuei por cima dele e segurei seus braços pra cima começando a rebolar levemente sobre seu membro.

Ele gemia prendendo seu lábio inferior entre os dentes, seu olhar não desviada um segundo sequer do meu, me mostrando o quanto ele me desejava.

Dei uma rebolada mais forte e em questão de segundos ele trocou de posição agora ficando por cima de mim.

– Então você gosta de provocações? – Ele entrelaçou suas mãos nas minhas levando acima da minha cabeça. – Responda Katheryn! – Soltei um gemido longo quando ele pressionou sua excitação contra a minha.

– S-sim! – Sussurrei com dificuldade.

– Caralho, eu preciso foder você! – Me arrepiei inteira e distribui beijos pelo seu pescoço parando perto da sua orelha e deixando uma leve mordida em seu lóbulo.

– Então me fode! – Ele sorriu maliciosamente e pressionou seu membro contra minha vagina novamente.

– Repete! – Mordi seu lábio inferior e gemi lentamente.

– Me fode Jahseh!

– Puta merda! – Sussurrou.

Ele me encarou com um sorriso malicioso e atacou meus lábios em um beijo lento e sensual me deixando cada vez mais excitada.

Passei minhas mãos por seu abdômen sentindo seus músculos bem definidos e entrelacei minhas pernas em sua cintura.

X distribuiu leves chupões pelo meu pescoço e em segundos rasgou minha regata deixando-a em pedaços. Logo ele abocanhou meu peito direito o chupando com força me fazendo soltar um gemido alto.

O puxei novamente contra minha boca e o beijei enquanto arranhava levemente suas costas, nossos corpos estavam mais quentes do que nunca, nossas respirações estavam cada vez mais aceleradas e nosso desejo só ia aumentando. Assim que eu toquei no cós da sua calça de moletom fomos interrompidos por um grito.

– X? Cadê você cara?

– Ah, qual é?! – Ele sussurrou e soltei uma risada baixa.

Ouvimos novamente alguém gritando pelo nome dele mas dessa vez reconheci de quem era a voz e por azar era do Luke.

– Acho melhor você ir ver o que aconteceu. – Ele me encarou com a cara fechada e o puxei novamente dando um selinho em seus lábios.

X me apertou contra seu corpo e soltei uma risada baixa.

– Eu não quero te soltar! – Falou contra meu pescoço. – O Luke que se foda!

– Bobo! – Sorri e o encarei. – Deve ser alguma coisa importante, vai lá! – Ele soltou um suspiro longo e se levantou.

Ergui minha mãos e ele sorriu me ajudando a levantar também.

– Isso não acaba aqui! – X me deu um selinho rápido e sumiu em meios as árvores.

Soltei um longo suspiro percebendo agora que eu estava sem camisa e sutiã algum, puta merda! Como vou entrar sem que ninguém em veja assim? Olhei pro chão vendo os pedaços da minha regata espalhados na grama. Maldito XXXTentacion!

 XXXTentacion

Entrei pra dentro e encarei Luke e Ryan concentrados em alguma notícia na TV.

– O que foi filhos da puta? – Perguntei impaciente.

– Onde você tava? – Luke me encarou.

– Não te interessa! – Ele revirou os olhos enquanto Ryan ria.

Foda-se! Eu estava puto, quem mandou ele estragar a minha – quase – foda.

– O que querem? Falem de uma vez! – Meu celular começou a tocar e revirei os olhos pegando ele e vendo o nome da Taylor brilhar no visor.

Ignorei e guardei o celular novamente.

– Temos algo muito importante pra te contar! – Luke falou.

Continuei encarando os dois esperando que continuassem.

– Adam está em Nova York. – Ryan falou.

– Tá e o que eu tenho a ver com isso?

– A tia da Katheryn está lá! – Soltei um longo suspiro e neguei com a cabeça não acreditando que ele realmente tenha feito o que eu imaginava.

– Ele pegou ela! – Eles assentiram. – Merda! – Passei as mãos pelo meu rosto.

– Não contem nada a ela! – Me referi a Katheryn. – Ela vai ter um ataque se souber disso.

– Ok, mas o que pretende fazer? – Luke perguntou.

– Eu ainda não sei, vou ter que bolar um plano mas até lá tratem de descobri tudo sobre o que ele anda fazendo por lá. – Os dois assentiram. – Eu tenho que viajar hoje então um de vocês fica aqui e o outro vai pra Nova York.

– Eu vou! – Ryan falou rápido.

Eu assenti mesmo preferindo que ele ficasse, não queria o Luke muito perto da Katheryn e muito menos enquanto não estou aqui. Sabia que ele ia tentar se aproximar mais dela e sinceramente isso me deixava com uma tremenda raiva.

– Então eu fico! – Luke deu de ombros.

– Vou arrumar minhas coisas e chamar Ryck e Ski Mask pra irem comigo. – Ryan falou ficando em pé. – Te aviso se descobrir alguma coisa. – Assenti vendo ele sumir nas escadas.

Encarei Luke e me aproximei dele lentamente.

– Se você encostar na Katheryn, eu mato você! – Falei entredentes e ele abriu um sorriso irônico.

– É impressão minha ou você está apaixonado por ela Dwayne? – Soltei um riso nasalado.

– Não viaja Wright! – Ele abriu um sorriso debochado. – Só não se aproxime muito dela, você sabe que não gosto que toquem no que é meu!

Dei as costas pra ele indo em direção a escada.

– Ela não é sua! – Falou alto.

Me virei pra ele e abri um sorriso irônico.

– Veremos! – Ele me encarou sério.

Ignorei e subi as escadas indo para o meu quarto. Ele pode trabalhar pra mim e ser um dos meus amigos mas ele sabe o que acontece quando me desafiam, eu não tenho dó nem piedade. Se for pra matá-lo eu faria sem pensar duas vezes, ainda mais pela minha garota!

Ryan Hierra

Assim que terminei de arrumar minha mala, mandei uma mensagem pro Ski e pro Ryck mandando eles me encontrarem no aeroporto.

Sai do quarto e encontrei X no corredor com uma cara nada boa.

– Preciso que fique atento a cada passo que o Adam der. – Assenti. – Se achar a Jessalyn salve ela e qualquer coisa me avise!

– Tudo bem! – Nos cumprimentamos com um abraço rápido. – Pode deixar comigo.

– Se cuida bro! – Acenei com a cabeça e desci pro primeiro andar.

Acabei encontrando Katheryn sentada no sofá enrolada em um roupão de banho.

– Hey, bom dia! – Ela sorriu vindo me abraçar e eu retribui. – Vai viajar? – Ela encarou a mala na minha mão.

– Vou sim mas eu volto logo, não se preocupe! – Dei um beijo em sua testa. – Preciso resolver alguns assuntos que deixei pendente. – Menti.

– Oh, ok! – Ela abriu um sorriso triste.

– Não fica assim! – A abracei. – Eu prometo que eu volto! – Ela assentiu.

Dei mais um beijo nela e sai porta afora. Coloquei minha mala no banco do passageiro do meu Bugatti Chiron e assim que liguei o carro meu celular começou a tocar.

Olhei no visor vendo que era um número desconhecido.

Ligação ON

– Alô? Quem é?

– Não me diga que já esqueceu do seu próprio pai. – Soltei uma risada nasalada.

– Claro que não!

– Como andam as coisas por aí?

– Por enquanto tudo bem, ainda não vieram atrás de mim!

– Mesmo assim tome cuidado Ryan.

– Eu sei Hierra. – Revirei os olhos. – Por quê me ligou?

– Ué, um pai não pode querer matar a saudade do filho?

– Corta essa! – Ouvi sua risada. – O que aconteceu?

– Só liguei pra dizer que preciso que volte logo, está na hora de passar meu império pra você filho! – Abri um sorriso orgulhoso.

– Eu preciso resolver um trabalho por aqui e assim que terminar eu volto!

– Ok, e como está o Onfroy?

– Louco como sempre! – Ouvi sua risada.

– Saudade desse pivete, diga que espero vê-lo em breve.

– Deixa comigo! – Sorri.

– E como está sua.. – Fez uma pausa. – Irmã?

– Ela passou por muita coisa mas está bem.

– Isso é bom! Mal posso esperar para conhecê-la.

– Em breve pai, em breve! – Ouvi um som de confirmação.

– Preciso ir, hasta luego hijo!

– Hasta luego padre! – E desligou.

Ligação OFF

Soltei um longo suspiro e liguei o carro saindo cantando pneu pelas ruas de LA, mal posso esperar pra voltar pra casa! 


Notas Finais


Então, eu não sei quando que vou postar novamente por que eu realmente não estou tendo muito tempo.
Tenho que trabalhar, estudar, tenho meus dois cursos e tá sendo um pouco dificil pra mim ter tempo então eu realmente não sei quando vou postar os próximos capítulos. Peço que tenham um pouco de paciência comigo e prometo que assim que sobrar um tempinho eu posto pra vocês!

Quero agradecer por estarem me apoiando, seja favoritando ou comentando, realmente muito obrigada! <3
Eu amo os comentários de vocês e por favor continuem comentando por que isso me incentiva muito e também posso saber se estão gostando ou não.

Eu amo vocês muitão!

Continuem comentando, favoritando compartilhando pra outras pessoas lerem também e é isso! Obrigada e até logo bitchs! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...