História Lost Souls - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias XXXTentacion
Personagens Personagens Originais, XXXTentacion
Visualizações 36
Palavras 4.754
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, tudo bem com vocês?

Depois de muito tempo estou de volta com a história reescrita e espero que gostem.

Obs: Deixem suas opiniões nos comentários.

Boa Leitura!

By: Naty <3

Capítulo 2 - Capítulo 01


Fanfic / Fanfiction Lost Souls - Capítulo 2 - Capítulo 01

Katheryn Winnick

02 de outubro de 2019 – 04:30 PM

Makers & Finders Coffee

Las Vegas – NV

°°°

Respirei fundo apoiando meus pés sobre a cadeira na outra mesa e joguei minha cabeça para trás sentindo um alívio enorme por saber que meu expediente acabou. Sexta-feira é sempre assim, muito movimento, principalmente por conta dos estudantes de uma universidade próxima a cafeteria.

– Parece que alguém cansou. – Ouvi a voz da Mary e apenas assenti. – Nem pra falar um “A” se quer.

– Foi mal Mary, essa semana foi bem corrida, ainda mais porque era semana de provas. Realmente estou exausta!

Mary apenas soltou um “Entendo” e disse que faria um drink pra nós antes de irmos embora e soltei um belo sorriso satisfeita. Eu conhecia a Mary a mais de dois anos e toda sexta-feira era assim, desde que ela abriu essa cafeteria, sua clientela só tem crescido mais junto a fama deste estabelecimento.

Ela inaugurou esse local faz apenas 9 meses e seus lucros vem crescendo cada vez mais e eu apenas agradeço, pois, meu salário aumentou e assim eu tô dando conta de pagar a minha faculdade. Já passei por muitos momentos difíceis mas graças a Mary pude dar a volta por cima e ter como me sustentar pelo menos, já que meu pai é um fodido na vida.

– Voltei! – Mary falou me entregando uma taça com algum líquido vermelho. A encarei meio surpresa pois ela nunca tinha feito algo assim mas acabei dando de ombros e bebendo o drink, que por sinal era realmente bom. – E aí, me conte sobre como anda a faculdade.

– Anda superbem, já estou no último semestre e hoje foi o último dia de provas, então agora tenho exatamente 2 meses de férias. – Falei com um enorme sorriso no rosto.

As faculdades daqui sempre são assim quando alguma turma está quase se formando, eles fazem uma semana inteira de provas e logo após dão um período longo de férias antes de voltar e ter as últimas aulas antes do encerramento e a formatura do curso. O que pra mim é uma maravilha, preciso muito de férias, principalmente depois de 4 anos cursando Design Gráfico.

Mary quase surtou de felicidade por mim, pois ela sabe do quanto eu ralei muito até aqui pra conseguir dar a volta por cima depois de tudo o que aconteceu na minha vida e agora estar quase me formando e tendo um emprego está fazendo eu me sentir realizada. Nós continuamos conversando por longos minutos até eu decidir que já estava na hora de ir pra casa. Já se passavam das cinco da tarde e eu ainda tinha que ir pra casa tomar um banho e ir ver minha tia Jess, ela quer muito que eu vá jantar na casa dela, mas antes preciso ir na boate onde ela trabalha resolver uns assuntos da mesma.

Algum tempo depois…

02 de outubro de 2019 – 05:20 PM

Casa da família Winnick

Las Vegas – NV

°°°

Após alguns minutos no banho sequei meus cabelos e fiz uma maquiagem leve em meu rosto, passando um creme hidratante pelo corpo em seguida. Decidi vestir uma roupa confortável e curta (LK1) já que o tempo em Vegas estava mais quente que o normal, e finalmente peguei as chaves do meu carro junto com meu celular e sai indo em direção a boate da Jess.

XXXTentacion

02 de outubro de 2019 – 04:50 PM

Mansão Dwayne

Los Angeles – CA

°°°

– Grita de novo pra ver se eu não faço picadinho do teu corpo filha da puta! – Falei com o maxilar travado enquanto Ski Mask apenas me encarava com ódio.

– Vai se foder seu babaca, o plano de assaltar a merda daquele banco foi um sucesso e você tá mal humorado por culpa de uma vadia que parece estar muito bem sem você. – Senti meu sangue esquentar dentro das veias. – Para de ser um desgraçado e fingir que sofre por amor quando na verdade tu só quer vingança.

– Cala a boca! – Gritei. – Você sabe o quanto aquela vadia da Ketlyn tá fodendo com alguns dos meus negócios. – Ski soltou uma risada nasalada mostrando o quanto ele estava puto.

– Tu deve lembrar que foi você que ajudou a Badley a crescer, ela não seria uma das traficantes mais poderosas se você não tivesse ajudado ela a dar um golpe no velhote do papaizinho dela, o que rolou entre vocês foi a mais de seis anos, para de se estressar com essa merda.

Dei um soco na parede e passei a mão pelo meu rosto tentando controlar a vontade de matar a família Badley inteira. Antigamente eu era obcecado pela Ketlyn, aquela vadia era o grande amor da minha vida mas tudo acabou quando ela decidiu me dar um tiro e fugir com toda a minha grana. Nós éramos adolescentes e nos conhecemos em um reformatório quando fui mandado pra lá por ter matado um cara que tentou estuprar minha mãe. Desde aquele momento em que cheguei, nós criamos uma amizade muito foda e isso só levou a algo mais profundo e quando me dei conta nós estávamos roubando e sendo procurados pela polícia por sermos traficantes, enganamos o pai dela que era milionário e investimos todo o dinheiro no tráfico, até que um dia acabamos fugindo pra outro país mas aquela filha da puta me drogou e me entregou pra polícia deixando uma bala alojada no meu abdômen antes de fugir com toda a grana que nós tínhamos lucrado com o tráfico e desde então aquela desgraçada tem me tirado do sério interferindo nos meus negócios.

– Tu teve a chance de acabar com a vida dela mas não teve coragem então agora, trate de lidar com as consequências! – Ski falou e virou as costas pra mim me deixando sozinho no quarto.

Respirei fundo e enchi um copo de whisky na mesa de frente pra janela do meu quarto e saboreei com a maior calma cada gole que eu bebia do copo. Encarei as luzes da cidade através da janela e soltei um longo suspiro, eu me tornei o maior traficante dos EUA, porque ainda não me sinto satisfeito? Puta merda!

Ouvi meu celular tocar em cima do criado-mudo e encarei o visor vendo o nome do Ryck brilhar na tela.

Ligação ON

E aí, quanto tempo! – Falei e ouvi sua breve risada ecoar.

E aí bro, faz muito tempo desde a última vez que você me ligou chorando implorando pra eu voltar e te ajudar com as gangues de LA. – Revirei os olhos e soltei uma risada falsa, tão piadista. – Tô brincando! Viu, adivinha onde eu tô.

No puteiro?! – Ele soltou uma risada alta.

Não, mas logo vou pra lá! – Apenas respirei demonstrando o quanto eu não me importava com sua vida. – Eu tô em Las Vegas meu irmão!

Uou. – Falei impressionado. – Não sabia que tinha voltado pro EUA.

Pois é bro, por mim eu não teria voltado mas o Ryan decidiu vir. – Enruguei a testa confuso.

Ryan? Ele não tinha dito que não ia mais voltar? – Ryck fez um barulho concordando.

Sim, porém tu sabe… Aquele lance de irmão protetor e pá. – Revirei os olhos.

Ele voltou por ela?! Qual é, ele não confia em mim?

Pergunte a ele mesmo! – Ouvi a voz do Ryan resmungar no fundo. – Tu tá fodido filho da puta, eu disse pra tu não chegar perto da minha irmã mas tu fez totalmente ao contrário, venha pra Las Vegas agora e vamos resolver isso!

Soltei uma risada nasalada e dei mais um gole no whisky, eu sabia que ele ia descobrir em algum momento que eu cheguei perto da irmã dele, só não esperava que ele viesse resolver isso pessoalmente.

Chego aí em algumas horas! – Apenas falei e desliguei.

Ligação OFF

Parece que as coisas vão ser um pouco mais divertidas agora.

Katheryn Winnick

02 de outubro de 2019 – 06:57 PM

Boate BadGirlz

Las Vegas – NV

°°°

Estacionei meu carro na vaga onde estava o nome da Jess e sai do mesmo conferindo se estava tudo “Ok” com minha roupa. Guardei as chaves do carro na minha bolsa junto com meu celular e entrei pela porta dos fundos da boate.

Assim que entrei ouvi a música Motivation da Normani ecoar pelo local enquanto algumas strippers ensaiavam no palco principal, as observei dançar e sorri ao ver Travis cantando e dançando enquanto vinha na minha direção.

– Andou aprendendo alguns passos né. – Ele deu de ombros enquanto continuava a dançar e eu decidi o ignorar e ir até o escritório da Jess.

Caminhei calmamente pelo corredor iluminado pelas luzzes vermelhas até abrir a porta onde estava gravado o nome da Jess.

– Oi meu amor! – Jess pulou em mim me abraçando como se eu fosse um urso de pelúcia.

– Oi tia. – Falei tentando conseguir ar para respirar. – Quanto tempo, não?

– Nem me fale, faz séculos que você não aparece por aqui, e eu também nem fui mais na tua casa.

– Você e meu pai ainda estão brigados, né? – Perguntei com indiferença.

Ela apenas assentiu à minha pergunta e voltou a sentar na poltrona atrás da sua mesa. O escritório era luxuoso, assim como sua boate. O local era muito espaçoso e sua estrutura apesar de ser um pouco mais antiga apenas complementou a decoração que a mesma possuía.

– E como anda esse lugar? Agitado como sempre?

– Mas é claro, né! – Jess falou com orgulho. – Fico feliz de ver que meus negócios estão dando certo, temos muitos clientes e empregados colaborando pra que isso aqui se erga mais e mais. Nós já recebemos até alguns famosos, sabia?

– Uau! – Falei com nenhuma empolgação.

Não é como se isso importasse pra mim mas a Jess adorava contar sobre sua vida e seus negócios, então apenas dei um breve sorriso e isso foi como um gatilho pra ela ficar mais empolgada para falar.

– Eu sei! – Ela abriu um sorriso empolgado. – Amanhã teremos um belo show, adivinha de quem?

Fiz uma careta demonstrando que eu não fazia ideia e ela bufou me encarando como se eu fosse um ET.

– FRENCH MONTANA! – Ela gritou animada.

– Nossa! – Sorri. – Meus parabéns. – Dei um abraço nela e ela agradeceu. – Sei que é foda conseguir shows desse tipo mas você parece estar sendo mais reconhecida por aqui.

– Simmm, tu não faz ideia de como é complicado conseguir que famosos façam shows privados em boates que não são tão famosas, porém, tenho meus contatos. – Sorri sentindo orgulho por ela estar fazendo o que gosta e ser feliz com isso.

Ficamos conversando mais alguns minutos antes de darmos umas voltas pela boate enquanto a Jess conferia se estava tudo preparado para amanhã. Ela realmente é rígida quando se trata de trabalho, principalmente ao dar ordens para seus empregados.

Após conferirmos tudo, finalmente fomos para sua casa. Liguei o rádio no carro enquanto íamos conversando sobre coisas aleatórias pelo caminho.

Eu sentia que sempre poderia me abrir com a Jess, desde pequena foi assim porém minha mãe sempre evitava me deixar perto dela, as duas realmente nunca se deram bem e por conta disso surgia muitas brigas com meu pai, mas por sorte me acostumei com isso e parei de me importar tanto a medida em que eles iam se resolvendo ou não já que minha queridíssima mãe sumia por dias deixando meu pai maluco e cada vez mais embriagado.

Após chegarmos na casa da Jess, ela foi direto para o banho enquanto eu escolhia alguns filmes aleatórios para maratonarmos a noite toda. Nós sempre tínhamos noites assim, algumas eram de baladas e algumas eram apenas de bons e ruins filmes e muita pipoca. Tinha dias que minha melhor amiga Jennyfer nos acompanhava mas quando ela não estava com nós com toda certeza ela estava dando pra alguém em algum lugar.

– Pronta pra mais um dia na minha bela companhia? – Jess falou assim que se jogou ao meu lado no sofá, dei risada e assenti animada. – Puta merda, a pipoca! – Ela correu pra cozinha lembrando que tinha deixado no micro-ondas já que pra fazer no fogão ela queimava tudo.

Dei risada observando o quanto ela era desastrada pra algumas coisas, é de se admirar que com quase 40 anos ainda não saiba fazer uma pipoquinha não sendo as de micro-ondas.

Respirei fundo dando pause no filme enquanto a Jess não voltava e senti meu celular vibrar em cima da mesinha de centro, estiquei meu corpo até conseguir pegar o celular e o nome da Jenny brilhou na tela.

Ligação ON

Fala piranha! – Falei calmamente e ouvi seu resmungo do outro lado da linha.

Piranha é seu cú mas também não deixa de ser verdade que eu sou mesmo. – Ouvi sua risadinha e apenas revirei os olhos. – O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO NESTE EXATO MOMENTO MI AMOREEE? – Ela falou gritando e eu afastei o celular do ouvido, não é por nada mas eu não to a fim de ficar surda sendo tão nova.

Noite de filmes! – Ela bufou.

Eu não acredito que em plena sexta-feira vocês duas inventaram de ver filmes, podia ser em qualquer outro dia, não na sexta-feira. Que puta desperdício! – Dei de ombros mesmo sabendo que ela não podia ver. – Se arruma e vem curtir a noite comigo, seja uma boa amiga!

Deixa eu pensar… Hã, não! – Falei entediada. – Realmente não estou no clima hoje.

Você é uma estraga prazeres, sabia? – Respirei fundo enquanto continuava a ouvir sua voz gritando por cima da música alta por trás. – Eu não vou insistir pra você vir porque já tô muito bêbada pra isso.

A essa hora e você já está bêbada? Credo! – Ela resmungou algo em resposta mas acabei não entendendo e muito menos tentando entender.

Eu sei, eu sei! Eu estou muito fraca pra bebidas ultimamente porém uma guerreira nunca desiste de suas batalhas. – Soltei uma risada nasalada de mais uma de suas frases irrelevantes. – Já que você não vai vir me deseje boa sorte pois estou indo dar.

Muito boa sorte e por favor use camisinha, não quero amiga minha com AIDS tão cedo. Deixei pra ter isso quando ter uns 90 anos aí da uma vez só e aquieta o fogo. – Ouvi sua risada alta.

Pode deixar, eu vou cuidar bem da minha larissinha. TE AMO VAGABUNDA, TCHAU! – Foi a última coisa que ela me disse antes de desligar na minha cara.

Ligação OFF

Já estou prevendo eu ter que acordar as três da manhã pra ir buscar ela enquanto ela me liga completamente embriagada, como já aconteceu muitas vezes! Aiai, mais um dia normal na minha vida!

Algum tempo depois…

03 de outubro de 2019 – 04:20 AM

Casa da Jessalyn Winnick

Las Vegas – NV

°°°

– ACORDA VIZINHANÇA DO CARALHO! – Acordei assustada ouvindo gritos.

Olhei ao redor vendo que eu e Jess tínhamos pegado no sono, peguei o controle e desliguei a TV enquanto levantava me espreguiçando. Ouvi berros novamente e fui até a sacada vendo um monte de gente no meio da rua, a casa que ficava de frente para o apartamento da Jess era uma mansão gigantesca e até então estava a venda, porém eu não sabia que já tinha novos moradores na mesma.

– VOLTA AQUI COM MINHA DROGA, INFERNO! – Olhei para o portão da mansão vendo dois caras bebendo e gritando enquanto fumavam um cigarro ao qual parecia ser de maconha.

Olhei ao redor vendo que a rua estava fechada por carros e vários seguranças, puta merda, eu não acredito que eles fecharam tudo só pra dar uma festa no meio da rua a essa hora.

Ouvi o toque do meu celular e quando o peguei vi várias chamadas perdidas da Jenny, retornei sua ligação mas a mesma não me atendeu. Respirei fundo passando as mãos pelo meu rosto e fechei a porta de vidro da sacada pra pelo menos abafar um pouco o barulho, imaginei que é possível que já tenham chamado a polícia pra controlar essa situação, então não tem o que eu fazer. Peguei os potes de pipoca do sofá e os lavei na cozinha deixando tudo limpo, eu já tinha perdido o sono mesmo, então o que restava era fazer algo e depois tentar dormir de novo.

Sentei no balcão de mármore da cozinha enquanto mexia no meu instagram, passei vários stories até chegar no da Jennyfer onde mostrava ela e mais algumas meninas bebendo e dançando. Ela parecia estar se divertindo muito! Olhei a hora antes de bloquear a tela do celular e no mesmo instante ouvi batidas na porta.

Franzi o cenho e fui calmamente até a porta, olhei pelo olho mágico e vi a Jenny fazendo várias caretas. Respirei fundo aliviada e abri a mesma vendo a guria parecendo uma fugitiva com a maquiagem toda borrada.

– Deus é pai! – Falei enquanto ela sorria igual uma psicopata. – Que merda tu tá fazendo aqui? – Perguntei baixinho enquanto ela entrava segurando os saltos na mão.

– Você viu a festa que estão dando lá em baixo? – Ela perguntou baixo vendo que a Jess estava dormindo no sofá e eu assenti com indiferença. Não é como se eu estivesse surpresa com isso, afinal é Las Vegas. – Eu estava lá! – Ela falou animada. – Tu não tem noção, a gente tinha começado a festa na boate e do nada alguém apareceu e disse que iam transferir a festa pra cá e que estava tudo pago pra quem estivesse dentro da boate. – Ela contou enquanto pegava água na geladeira.

– E você decidiu vir na festa de um estranho Jennyfer? – Ela assentiu.

– Sim, não é louco? – Ela perguntou animada. – Eu sei que é loucura mas eu nunca me diverti tanto, exceto pelas milhares de vezes que ficamos bêbadas nas baladas por aí.

Cruzei os braços negando enquanto via ela bebendo água desesperadamente.

– Não me olha assim, você devia se divertir assim também e não ficar trabalhando igual uma escrava. – Revirei os olhos.

– Você não entende a minha vida, seu pai é rico Jennyfer, não é como o meu! – Ela deu de ombros não se importando muito.

– Falando no seu pai, ele apareceu? – Neguei.

Já fazia dias que Petter, meu pai, não aparecia em casa. Ele sempre fazia isso, inventava alguma desculpa e sumia de casa por dias e até meses. No início eu até procurava e me preocupava com ele porém com o tempo eu fui parando de me importar, ainda mais por ele quase sempre estar embriagado e chapado, tanto pra não lembrar de mim ou me tratar como lixo. Hoje em dia eu prefiro que ele fique fora de casa por meses do que ver ele em casa agindo como um saco de merda.

– Não apareceu e espero que não apareça tão cedo. – Ela assentiu concordando, Jenny sabia o quanto era foda conviver com ele. – Agora me diga, já cansou de festejar? – Ela assentiu.

– Me deixa dormir aqui? – Assenti mas mandei ela ir tomar um belo de um banho antes.

A mesma foi tomar o banho e depois foi deitar na minha cama já que era enorme, então caberia nós duas tranquilamente. Antes de ir deitar acordei a Jess e ela foi para seu quarto.

Tranquei tudo e dei uma última olhada pela sacada na festa que acontecia na rua, o povo já estava mais calmo e pelo jeito a maioria estava dentro da mansão. Tanto que os guardas já estavam liberando a rua, graças a Deus eu poderia dormir em paz de novo.

XXXTentacion

03 de outubro de 2019 – 12:40 PM

Restaurant Gourtk

Las Vegas – NV

°°°

– Olha quem decidiu vir. – Ryck falou assim que sentei na cadeira ao redor da mesa onde tinham reservado. – Depois de uma noite de festa sem convidar os amigos, decidiu dar as caras e se juntar aos pobres? – Mostrei o dedo do meio pra ele enquanto escolhia algo do cardápio.

– Para de encher meu saco! – Arrumei meus óculos escuros e fiz meu pedido para o garçom. – Cadê o Ryan? – Perguntei e vi Ski Mask fazer uma careta.

– Ele tá desmaiado no hotel, o babaca não quis nem levantar pra comer.

– Depois reclamam de mim quando eu encho a cara. – Ryck e Ski deram de ombros e começaram a conversar sobre como a festa de ontem foi louca, a festa a qual eu nem faço ideia, já que estávamos em lugares diferentes mas não é como se eu me importasse com o que eles fizeram, por isso apenas os ignorei.

Eu não lembro de quase nada que fiz ontem ou hoje de madrugada, apenas lembro de ter chegado em Vegas e comprado uma casa de última hora, eu odeio ficar em hotéis por mais que sejam luxuosos e por conta disso adquiri mais uma mansão pra minha bela coleção. E além disso, também lembro de uma boate, festa, drogas, putas e eu acordando do lado da piscina usando a bunda de alguma vadia qualquer como travesseiro. E por fim agora tô com uma puta ressaca e completamente faminto!

Após alguns minutos o garçom apareceu trazendo meu pedido e logo comecei a comer enquanto olhava meu instagram e respondia algumas perguntas de fãs no meu stories.

Além disso, comecei a ver alguns vídeos que estavam me marcando a todo momento. Se tratava da última briga que teve no meu show em Los Angeles, qual é, eu não tive culpa de um filho da puta ter mexido com meus seguranças até eles perderem a paciência e arrebentarem o rosto do cara, porém, como se tratava do meu show, meu belo nome também ficou como principal nos tabloides de fofoca que insinuava que na verdade fui eu que mandei eles baterem naquele cara de merda.

Puta que pariu! As coisas sempre tem que se complicar pro meu lado, não dá pra fazer um show em paz que sempre acontece alguma merda pra ferrar com tudo e me deixar como o cara violento de sempre. Não que eu seja um santo e que não pratique nenhuma violência mas odeio que declarem meu nome em vão por algo que eu não fiz.

– Que merda tu tá pensando aí? – Ryck perguntou me encarando enquanto apontava pro celular.

Respirei fundo e olhei ao redor vendo o Ski de longe paquerando uma das garçonetes do restaurante, é o meu orgulho mesmo!

– Meu nome sendo alvo de críticas mais uma vez, se pá logo logo surge um novo processo contra mim. – Revirei os olhos.

– Tu tem um azar benzido pelo capeta, né?! – Dei de ombros preferindo nem comentar sobre isso. – Enfim, tu viu que as negociações com a gangue de NY estão entrando em consenso? – Assenti. – Depois de mais de dois anos em guerra com aqueles merdas de traficantes luxuosos, finalmente conquistamos um novo território bem acessível.

– Tu sabe muito bem que eu podia ter resolvido este assunto há muito tempo. – Falei vendo as mensagens do grupo de líderes da gangue de NY.

– Eu sei! – Revirou os olhos. – Mas tu deu pra mim cuidar desse caso e agora está finalmente resolvido, eu sei que se tu fosse resolver ia matar todo mundo e deixar só os grandes pra ser mais fácil de negociar.

O encarei mostrando que era o mais óbvio que deveria ser feito, deixar só os líderes seria o mais simples pra fazer negociações e se eles não colaborassem bastava apenas encurralá-los através de suas famílias. A família em quase todos os casos são o maior ponto fraco desses caras.

– Você não entende! – Ryck continuou. – Se você matasse todo mundo, muita gente ficaria com raiva de você e ia perder muitos aliados pequenos mas que é o meio mais fácil de comercializar as drogas. – Neguei com a cabeça vendo a bomba que tinha acabado de explodir e ele nem percebeu.

Apesar de ser um dos maiores traficantes dos EUA, algumas cidades e estados ainda era um grande obstáculo pra mim para conseguir expandir os negócios com o tráfico de drogas, ainda mais quando as gangues mais poderosas que é com quem eu procuro fazer parceria, se odeiam. Essa merda de rixa pra saber quem é o melhor sempre estraga tudo e só complica ainda mais conseguir entrar em um acordo entre ambos.

Um caso desses aconteceu há dois anos, quando a maior gangue de Nova York tinha uma rixa pendente com a maior de Chicago. Aqueles merdas se odiavam mais que tudo e tentar fazer com que eles colaborassem um com o outro seria um saco e uma perca de tempo, e apesar de saber que pra mim isso se resolveria fácil, eu tinha muita coisa pra lidar na época, ainda mais com a transição de tráfico de corpos no mercado negro que o pai do Ryck estava comandando. Aquela merda realmente não era pra mim mas o pai dele insistia em encher meu saco pra colaborar com ele e isso só me deu dor de cabeça, então tive a bela ideia de deixar que o Ryck resolvesse o caso de amor e ódio entre Nova York e Chicago e isso acabou durando esse tempo todo. Depois de ver que ele realmente estava interessado em resolver, deixei tudo na responsabilidade dele, porém, sempre soube de longe sobre o que acontecia, afinal eu sou o chefe dessa porra toda.

– Meus parabéns por ter conseguido fechar um acordo entre eles e sinto muito por isso ter durado tão pouco. – Ryck franziu o cenho enquanto eu me levantava da cadeira. – Olhe no grupo dos líderes de lá, parece que os dois principais chefes acabaram de ser mortos.

– O QUÊ? – Ele gritou com os olhos arregalados e apenas dei de ombros antes de virar as costas e ir em direção a porta de entrada.

– Aprenda a sempre estar preparado pra tudo Hierra! – Falei antes de sair do restaurante deixando o dinheiro pra pagar a conta.

Algum tempo depois…

03 de outubro de 2019 – 01:20 PM

Mansão Dwayne

Las Vegas – NV

°°°

Estacionei minha Lamborghini em frente a mansão e assim que saí do carro meu olhar se encontrou com a garota que eu menos esperava ver nesse momento, a irmã do Ryan. A encarei de cima abaixo vendo o quanto ela estava diferente desde a última vez que nos encontramos, a garota realmente tinha crescido e se tornado a porra de uma gostosa.

Tirei um cigarro de maconha do bolso e o acendi enquanto a observava em frente ao prédio do outro lado da rua conversando com outra garota. Ela estava distraída e por conta disso nem percebeu que eu estava ali, aproveitei pra tirar uma foto dela e mandar para seu querido irmãozinho, ele ia ficar putasso comigo mas fazer o que, né?!

A observei por mais alguns longos segundos e ouvi alguém gritar meu nome. Olhei para trás vendo Alyssa de biquíni parada na escadaria. Neguei com a cabeça não acreditando que essa filha da puta me seguiu até aqui, dei uma última tragada no meu cigarro de maconha e virei o rosto soltando a fumaça fazendo com que meu olhar se encontrasse com a irmã do Ryan.

Dei um breve sorriso de canto de boca e virei as costas indo em direção a Alyssa.

Katheryn Winnick

03 de outubro de 2019 – 01:20 PM

Casa da Jessalyn Winnick

Las Vegas – NV

°°°

Encarei o moreno de dreads azuis do outro lado da rua e percebi que o mesmo me olhava de cima abaixo como se eu fosse um pedaço de carne suculento. Franzi o cenho tendo a impressão de que eu já havia visto ele em algum lugar mas acabei deixando esse pensamento de lado quando o mesmo virou as costas e entrou portão adentro na mansão.

– Ei, está me escutando? – Jenny estalou os dedos na frente dos meus olhos e acabei voltando a prestar atenção nela.

– O que foi? – Perguntei meio desorientada sobre o assunto que ela estava falando.

– A festa de hoje, você vai? – Soltei um longo suspiro enquanto revirava os olhos. – Qual é Katheryn, é sábado!

– Você não vai me deixar em paz mesmo né? – Ela negou dando um sorrisinho. – Tá bom menina, eu vou, eu vou! – Falei me rendendo. – Tá satisfeita?

Jennyfer abriu um belo sorriso demonstrando que sim e eu apenas neguei com a cabeça logo avistando que o Uber dela tinha chegado. Nos despedimos rapidamente com ela me agradecendo por ter deixado ela posar aqui e por ter alimentado o dragão que habita em seu corpo, e é claro que dei muita risada disso mas passou e a morena finalmente foi embora.

Fiquei observando o carro se afastar cada vez mais e então quando ele dobrou a esquina avistei meu pai vindo com a roupa rasgada e com manchas de sangue pelo corpo enquanto segurava uma garrafa de vodka na mão.

– E aí caralho! – Ele falou assim que me viu.

Que inferno! De novo essa merda?!  


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...