1. Spirit Fanfics >
  2. Lost Star's (dark) - NamJin, VKook, Yoonmin, VHope >
  3. I Will Wait For You To Come Back

História Lost Star's (dark) - NamJin, VKook, Yoonmin, VHope - Capítulo 64


Escrita por:


Notas do Autor


Oie meus amores! Conforme combinado trouxe mais um capítulo um pouco menor pra gente se distrair juntos na quarentena, espero poder postar outro o mais rápido possível! Estou disponibilizando meu Instagram e meu whatsapp para conversar com vocês, é só me chamar na MP que passo direitinho :) vou deixar algumas músicas nas notas finais, dêem amor a eles, a voz deles são lindas >< bem, é isso! Boa leitura 💜💜💜

Capítulo 64 - I Will Wait For You To Come Back


Fanfic / Fanfiction Lost Star's (dark) - NamJin, VKook, Yoonmin, VHope - Capítulo 64 - I Will Wait For You To Come Back

2 meses depois...


P.O.V Yoongi

O dia estava lindo não porque estava ensolarado anunciando a primavera e sim porque finalmente depois do complô que eu e a família Park fizemos Jimin aceitou sair comigo para algum lugar que fosse diferente do quarto escuro. Esse seria nosso primeiro passeio depois de meses e eu não conseguia esconder o quanto estava feliz em sair com ele. Observei sua silhueta coberta pelo cobertor branco dormindo tranquilamente depois de uma madrugada gemendo em dor e ardendo em febre. Eu realmente sentia muito em vê-lo assim, ou ainda o acorda-lo. Resolvi pegar a cadeira de rodas e deixá-lo dormir mais um pouco enquanto preparava o café da família Park. No silêncio da primeira primavera tive tempo de analisar a bagunça que a casa estava, e não só a casa, devia pontuar para mim mesmo, meu emocional também estava uma bagunça, com frequência sonhava com Geum voltando, com Boram sendo pego e como se já não bastasse ainda tinha que lidar com aquela mulher tentando participar da minha vida como se o passado não tivesse existido. Hyruna é tão doce que se ofereceu para cuidar de Jimin e me ajudar a fazê-lo aceitar Boram. Bem, seu plano já estava em ação. Pelo caminho da sala até a cozinha encontrei os sapatinhos e alguns artigos como chupetas, toalhinhas e toucas espalhados em móveis ou entre as quinas das paredes. Abri um sorrisinho ao me lembrar de como cada um foi comprado mas logo o sorriso se transformou em tristeza ao também me recordar que Jimin não estava ao meu lado. Não era um dia para se aborrecer, ignorei meus pensamentos e me dispus a entrar na cozinha. Para a minha surpresa, Hyruna estava escorada na ilha tomando alguma coisa na xícara de cerâmica observando o dia raiar.

- Bom dia sogra - falei mais baixo do que gostaria, talvez porque ela estivesse tão imersa em seus próprios pensamentos que não quis atrapalhar.

- Ah..bom dia filho, já está de pé a essas horas? - soltou um sorriso jovial ao me encarar.

- É que eu quis preparar o café hoje, estou tão empolgado que Jimin queira sair de casa pela primeira vez! Acho que nosso plano está dando certo - assenti para mim mesmo procurando pelos ingredientes.

- Jimin também já acordou? Percebi que ele teve outra crise durante a madrugada - ponderou deixando a bebida de lado para me ajudar.

- Sim - respondi triste - e ainda faltam dois meses para a chegada do Boram, todas as vezes que ele acorda com dor me dói também, por isso deixei o dormir um pouco mais, o dia vai ser longo! - peguei a chaleira com a intenção de fazer um pouco mais de chá.

- Eu estou preocupada Yoongi, muito preocupada... não só com Jimin e Boram mas com você também, se continuar assim quem irá adoecer é você. - pontuou.

- Comigo? Por quê? - foi minha vez de a encarar.

- Yoon você mal come direito, dorme picado durante o dia, está vivendo para o meu filho...e você tem outros problemas - aonde ela queria chegar?

- Jimin precisa de mim mais do que nunca, tudo pode esperar e eu me sinto bem, não têm com o que a senhora se preocupar - sorri pouco convencido.

- Não é apenas disso que estou falando Yoongi...sabe que eu o amo tanto quanto amo Jimin, não sabe? - assenti ponderando sobre o que ela queria dizer - sua mãe está sofrendo com isso tudo também, será que não poderia reconsiderar? Vamos precisar de toda ajuda agora mais do que nunca. - novamente aquele assunto? Eu já não havia sido claro o suficiente?

- Eu nunca vou a perdoar, pensei ter deixado isso bem explícito - respirei fundo.

- Eu sei que você ainda está magoado, mas ela é a sua única família viva, é isso mesmo que você quer Yoongi?

- Minha família é o Jimin, e sempre vai ser apenas ele e o Boram...eu não quero discutir isso outra vez - terminei de arrumar as coisas para o chá incomodado com o silêncio persistente - vou ver se Jimin acordou - ela concordou com um quase sorriso. Era só tocar no nome daquela mulher que toda a minha tranquilidade ia por água a baixo, pelo menos ver Jimin fazia a homeostasia voltar ao normal. Entrei no quarto e o vi sentado na cama envolto pelos cobertores, com os cabelos desgrenhados e um pequeno sorriso nos lábios - Ei, bom dia...e pra você também - apoiei a mão na sua barriga distribuindo selinhos - tá melhor meu pequeno? - me sentei ao seu lado.

- Acho que sim - respondeu baixinho.

- Está animado para o nosso passeio?

- Eu não quero ir mais - Jimin fez um bico frustrado.

- E por que não? - me exaltei.

- Eu estou cansado Yoongi, não dormi quase nada essa madrugada, você sabe que ando tendo pesadelos e acordo assim: pior do que quando fui dormir. - Jimin se justificou.

- Eu sei meu amor - me ajoelhei de frente para ele tocando seu rosto com delicadeza - mas passear vai te ajudar a distrair a cabeça, esquecer um pouco tudo isso, o dia está tão lindo Jimin, não duvido nada que ele esteja assim por sua causa - sorri devolvendo mais um selinho - você quer ajuda pra se trocar? - dei um quase sorrisinho ao imaginar Jimin nu outra vez. Ele concordou um tanto quanto incomodado, e eu sabia porquê. Faziam meses que ele evitava qualquer contato entre os meus olhos e seu corpo, achava que o deixaria de amar ao vê-lo. Quanta besteira. Eu nunca o deixaria de amar. Beijei o outra vez para que não se sentisse inseguro e o ajudei a tirar as peças, uma a uma. É errado sentir tanto desejo assim por ele? Achei que com o casamento ou a gravidez, as coisas mudariam, no entanto me sinto cada vez mais atraído pelos traços angelicais de Jimin. Percebo que uma lágrima está descendo seu rosto até encontrar a barriga pontuda de sete meses.

- Você ainda me acha bonito? - perguntou cheio de ressentimento. Balancei a cabeça negativando a mentira que saía de seus lábios.

- Eu te acho lindo Park Jimin, quer dizer.. você é lindo Park Jimin, não se esqueça disso um minuto se quer da sua vida - ele não acreditava em mim, podia ver escrito em seus olhos - o que foi Jimin? - mais supliquei do que perguntei.

- Faz muitos meses que a gente não...faz amor...e eu sei que é a culpa é minha, eu vou entender se você encontrar alguém que te satisfaça Yoongi, você não é obrigado a passar por isso comigo, você não tem que pagar por uma escolha minha - me afastei sem acreditar no que estava ouvindo mas de todas as reações que poderia ter ao ouvir tamanho absurdo, optei pela menos pior: voltei meus olhos na mesma direção dos de Jimin, indignados, me aproximei dele envolvendo seus lábios nos meus, não como da primeira vez, esqueci por segundos de todos os nossos impedimentos e intensifiquei nosso beijo com vontade, tomando suas costas com a espalma da minha mão e o deitando na cama sem desgrudar nossos lábios. Era como um jogo em que eu estava cruelmente perdendo para a insegurança, queria fazer Jimin acreditar em mim e qual seria o melhor jeito de o fazer se não demonstrando o quanto ainda o desejava em cada átomo do meu corpo. Soltei seus lábios com um sorriso entre as lágrimas, seu tórax se movia ofegante embaixo do meu demonstrando o quanto também sentia a minha falta.

- Como você pode me pedir para procurar alguém que me satisfaça se apenas você consegue Jimin? - analisei cada risco do seu rosto perfeitamente desenhado, sorri como um bobo ao saber que tudo ali era meu de alguma forma.

- Você tem suas necessidades Yoon...- respondeu frágil.

- Nada que uma punheta não resolva - fiz ele rir comigo - sexo não é tudo pra mim e não foi o motivo pelo o qual me casei com você - brinquei com os fios que escorregavam pela sua testa.

- Mas foi o meu motivo - oh, meu Deus, como senti falta desse Jiminie brincalhão.

- Eu achei que você não quisesse por isso nunca insisti...

- Querer eu quero - disse firme - mas tenho medo de me... machucar... você sabe que não sou o mesmo de antes, e eu não quero sentir dor mais Yoongi - implorou.

- Nunca te machucaria Minie... você quer...? - dei uma risadinha.

- Muito - respondeu manhoso, minhas mãos intensificaram os carinhos nos seus cabelos enquanto o beijava entregue em todos os sentimentos que pudesse ter guardado durante toda a minha vida. Eu o amava. O amava muito e essa certeza me fazia sorrir em meio ao beijo, não tinha como definir em qual momento da minha vida mais o amei porque quando pensei que já havia chegado ao extremo fui surpreendido pelo contrário. Longe de mim esquecer os cuidados que teria que ter com o novo corpo frágil de Jiminie, a começar pelos braços cheios de cortes cicatrizando aos poucos e a barriga mais protuberante do que o resto e também todos os ossos expostos pela epiderme fina e o pescoço dolorido... enumerar todos os cuidados que teria me deixava sem fôlego mas não do jeito certo por isso deixei os lábios de Jimin com meus dedos os acariciando e tratei de carinhosamente trilhar beijos do seu pescoço até o seu peito onde suguei com vontade alternando com mordidas. - Como senti falta disso...- ele estava chorando. Eu estava chorando. É dessas coisas que apenas amantes, almas gêmeas, a outra ponta do fio vermelho entende. Não acontece com qualquer um, duas pessoas que acima do sexo precisam se sentir conectadas e ligadas de uma forma inquebrável. Ele não sentia falta da minha boca o sugando no sentido literal, é entrelinhas, é subjetivo...ele sentia falta de ser tratado como um homem e não um doente, de ser amado e não receber apenas um "você está bem?", era a falta de ser esposo, pai e um ser humano. Parei meus dedos em sua pele a sentindo com todo seu calor e então troquei a função com meus lábios sem pressa, apenas sentindo o gosto dele, isso era simples e complexo ao mesmo tempo, Jimin poderia ser classificado como doce, angelical e até delicado como uma porcelana antiga dessas que nossas avós guardam para uma data especial mas de longe deixava de ser sensual, atraente, quente e magnético do mesmo modo que um ímã me puxando e sem frestas para se soltar. Suas bochechas estavam tão molhadas e a única coisa que eu queria é fazer esse sentimento passar por isso entrelacei nossos dedos e deslizei meus lábios pelo seu tronco e depois a barriga, onde estava o maior presente que Jimin pudesse ter me dado. Sei que seus olhos me procuravam entre gemidos roucos depois que sumi entre suas pernas. A mais bela seda estava levemente pressionada sob meus lábios: a virilha de Jimin. Rocei meu nariz sentindo toda a falta de meses sem o tocar embora tivesse que me controlar ao extremo, me desvencilhei da pele e voltei me a ele:

- Pra que isso dê certo, você precisa ser muito sincero comigo, me dizer onde quer que eu te toque e como, não quero de maneira nenhuma te machucar, tudo bem? - ele assentiu com um sorrisinho - você quer que eu te chupe? Você gosta da minha língua passeando pelo seu corpo assim...? - dediquei minha língua na extensão da virilha a deixando molhada.

- Oh...meu deus... Yoon, como consegui ficar longe...de você? - Jimin gemeu apertando minha cabeça contra sua pele.

- Acho que isso é um sim para continuar...- sorri e deslizei os lábios para um pouco mais pra baixo, quase no limite entre sua entrada e seu membro. Agora minhas mãos assumiram ele já endurecido e pronto para mim, minha boca não fugiu dos carinhos naquela região tão sensível, fiz com que ele sentisse ao máximo minha língua brincando até finalmente encostar na sua entrada, Jimin gemeu alto ao sentir o toque. Estava tudo bem. Me demorei ali beijando e chupando com certa fome. Quando senti que Jimin estava lubrificado o suficiente abandonei o por alguns instantes me livrando das minhas roupas. Seus olhos custaram abrir procurando entender meu afastamento repentino apesar de nada perguntar vocalmente. Voltei a deitar por cima dele me posicionando entre suas pernas. Alisei seus fios com minhas mãos e com um sorriso doce arranquei dele a pergunta entalada:

- Não quer outra posição? Sei que gosta quando eu me sento ou de quatro...- Jimin disse quase inaudível abafado pela timidez.

- Não é sobre o que eu gosto, é sobre você, quero que se preocupe apenas com o seu prazer agora, podemos fazer isso? - outra vez concordou ainda envergonhado - eu vou começar a penetrar em você e quero que olhe pra mim, nos meus olhos, quero ter certeza que prazer é a única coisa que você está sentindo, me dê suas mãos Jimin - ele o fez intrigado - se doer ou você não quiser mais, as aperte com força por favor...

- Você nunca vai me machucar, Yoongi - suas pequenas mãos tocaram minhas bochechas com amor. Peguei sua palma contra o colchão e friccionei meus lábios de forma carinhosa, em seguida encaixei meu membro na entrada dele sem avançar. Não era mais sobre nossos corpos e sim sobre conexão. Ignorei a pressa e o tesão da entrada apertada de Jimin, fixei meus olhos nos deles como prometido, selei nossos pacto com um beijo e sem soltar pouco a pouco o invadi sentindo seu beijo converter-se em um gemido de "recostume", sua carne quente e molhada o abraçando como amigos que não se vêem a anos e pedindo por um pouco mais. As mãos de Jimin espalmaram-se nas laterais da minha bunda respectivamente dizendo sim para que eu avançasse um pouco mais, não iria o obedecer, seguiria o ritmo lento e torturante tanto para mim quanto para ele. É melhor que fosse assim porque sinceramente se eu deixasse toda a minha vontade me dominar certamente o machucaria. Apesar do ritmo lento, meu corpo dava os primeiros sinais de exaustão: o suor mas nada que o sorriso de Jimin não compensasse. Ora sorrisos fartos, ora gemidos abafados contra o meu ombro. Suas mãos me arranhavam implorando por um pouco mais e por um fio não perdia o controle. Eu amava aquele som característico da minha pele batendo na dele, então já que ele queria por mais, eu o faria. Segurei suas mãos em cima da sua cabeça o impossibilitando de se mexer, me ajeitei novamente de modo que meu corpo ficasse obtuso ao seu, fechei meus olhos e mordi os lábios aumentando o ritmo. Nossas vozes se uniram em uma só sentindo nossos corpos alardearem por cada vez mais, é como se sentíssemos a necessidade de estar um dentro do outro até sermos apenas um. Jimin ergueu-se da cama e abraçou meu corpo me ajudando a penetrar mais profundamente. Suas mãos pousaram no meu cabelo brincando com eles.

- Como eu senti...saudades...de...ouvir...você...gemer - confessei sem fôlego. 

- E eu de ter você...dentro...de mim - mordiscou meu ombro.

- Eu só me sinto...completo com...você Jimin - segurei suas coxas como alavanca para aumentar o ritmo das sentadas.

- Não quero...ficar mais...longe de você...nunca mais - enquanto sussurrava "nunca mais" diversas vezes, aumentei ao meu máximo sem tantos medos, agarrei sua pele com pressão permitindo sentir aquele frio na barriga que a meses não sentia, nem mesmo com a punheta. Jimin jogava a cabeça para trás sem saber como expressar o que era aquilo que nos dominava e me motivava a aumentar a velocidade. Seus olhos azuis contaram a mim que estávamos bem próximos de gozar e eu não conseguia conter o sorriso. Ofegantes, apertamos nossas mãos de forma carinhosa deixando todo o suor escorrer, esse era o menor dos detalhes. Jiminie me beijo apaixonadamente contraído todo o meu membro dentro de si. Sim, ele estava gozando. Fechei meus olhos sorrindo eufórico, pendi meu corpo no seu e então a fisgada embaixo do ventre também me fez gozar. O menor descansou o corpo no meu cansado mas acordado o suficiente para acariciar meus cabelos.

- É a primeira...vez...em meses que...me sinto melhor - confessou se recuperando.

- Você não sabe como isso me deixa feliz - segurei as lágrimas.

- O pior é que sei - nos olhamos cúmplices, afinal eu já estive do lado de lá - e pelo visto... não fez bem só para nós dois...- Jimin olhou para a própria barriga sorrindo.

- Eu devo me empolgar? - disse eufórico ao pensar na possibilidade de Jimin começar a amar o nosso filho.

- Talvez não seja tão difícil assim mas...mas não quero te prometer nada Yoon... não quero te decepcionar - sua testa enrugou-se em desânimo porém estava tudo bem, esse era o grande passo que eu queria que ele considerasse dar.

- Vamos no seu tempo, eu e o Boram teremos uma vida inteira para te amar, sabe disso - sorri fazendo corações em sua barriga.

- Eu me apaixonei pelo Suga mas agora amo tanto você Min Yoongi, sabe...minha avó tinha razão...- observou com um sorrisinho.

- Sobre o que?

- Tudo. Quando eu achava que ela não sabia sobre algo, eu estava terrivelmente enganado. Não pense que minha avó é como essas idosas que gostam de um bom bingo, ela também gosta mas ela é tão diferente! Meus avós são casados mas nunca moraram juntos...

- Não? - o interrompi curioso.

- Não e têm dado certo assim Yoon, por incrível que pareça. Quando eu era criança também me perguntava como mas hoje eu a entendo.

- Você quer que moremos em casas separadas Park Jimin? - indaguei estupefato.

- Claro que não - sorriu jovial - se eu morresse, você deixaria de me amar?

- Você não vai morrer! - exagerei.

- Só responde a minha pergunta Yoongi...

- Eu nunca vou deixar de te amar mesmo que...eu não quero repetir isso não!

- Meu avô nunca deixou de amar minha avó mesmo em casa separadas. Vovó brincava que, era bom por dar saudades e quando se reencontravam o desejo estava ali tão vivo e juvenil, talvez seja esse o segredo de se viver os setenta anos com alma de criança. - finalmente havia entendido o que ele queria dizer.

- Não importa quanto tempo você fique longe de mim, eu sempre vou estar esperando você voltar - abracei seus dedos com meus polegares.

- Minha vó é muito forte, eu nunca conseguiria passar nenhum dia da minha vida sem você mesmo que pudesse ir na sua casa e te ver - Jimin chorou.

- A terra sobrevive bem com a distância entre o sol mas não sem a gravidade. Você é minha gravidade Jimin, é que segurou meus pés no chão quando queria voar - relembrei angustiado.

- E ela estava certa outra vez... foi com ela que aprendi que amar não é sobre prender mas dar motivos para alguém ficar mesmo podendo voar. Meu avô nunca traiu minha vó, primeiro porque ele tinha muito caráter, e segundo porque minha vó nunca o fez prisioneiro, ela o via como uma planta que precisa ser regada e cuidada para crescer, cresci me perguntando se um dia teria alguém assim até que você chegou e você me ama assim Yoongi...me ama sem que eu precise fazer nada.

- Você fez muito por mim...

- Claro, você é o amor da minha vida - nos beijamos outra vez com desejo, existia jeito melhor de terminar um sexo matutino? - sabe o conselho que minha avó dava para saber se alguém é o amor da sua vida? - balancei a cabeça curioso.

- É muito simples...quando alguém é o amor da sua vida, não importa o que separou vocês, ou a distância ou o motivo por não estarem juntos, você sempre vai esperar ele voltar como a gente espera o sol depois da tempestade, porque a lei é muito clara: depois da tempestade vem a bonança e não existe uma milimétrica partezinha minha que não te espera chegar por aquela porta e me fazer sorrir só por existir.

- Você quer me fazer chorar? - roubei outro beijo mas o destruímos com uma gargalhada intensa. - Bem senhor romântico, acho melhor que nos arrumarmos para o nosso passeio, você vai gostar muito do que preparei para você - então vi seu sorriso se definhar pouco a pouco - o que foi amor?

- Você...você...pode me levar até o banheiro e me ajudar...a me vestir? - perguntou envergonhado.

- Claro, vem...vamos tomar banho juntos, se apoia em mim - ajudei Jimin a sentar-se na beira da cama e o peguei no colo caminhando para a suíte do quarto. Voltei a colocar-lo sentado no vaso enquanto preparava as coisas para o banho distraidamente. Assim que voltei ouvi um choro baixinho abafado. Eu teria que começar tudo outra vez? - achei que estivesse feliz...- observei ligando o chuveiro permitindo que minha mão se enchesse de água o suficiente para molhar o tronco de Jimin.

- Foi ótimo fazer amor com você, não é isso Yoon...não é você...o problema sou eu! Me sinto tão ridículo dependendo de vocês o tempo todo...nunca achei que estaria nessa situação...isso não sou eu, entende? É horrível estar bem e do nada sentir essa angústia, essa raiva apesar de você e meus pais fazerem tudo por mim, eu me odeio por não ter feliz, por deixar nosso filho passar por tudo isso, ele nem nasceu Yoon e eu não consigo sentir afeto por ele, tem algo errado comigo, eu me sinto tão estranho! É como se eu fosse um peso pra vocês, pra ele e pra mim...- abaixou a cabeça demonstrando o quanto estava triste. Essa não era a primeira vez que ele se sentia assim e na verdade eu até entendia esse sentimento de incapacidade, tudo o que eu poderia a fazer é ser amável e paciente, faltavam dois meses para Boram nascer e podermos finalmente tratar o tumor. Talvez Jimin precisasse de ajuda psicológica, ou talvez precisasse apenas de um tempo para que tudo se ajeitasse por isso sorri doce e continuei dando banho nele.

- Como pode ser um peso pra mim se assim eu fico mais tempo com você? - ele deu um quase sorriso suspirando - não que eu goste de te ver doente mas eu gosto de cuidar de você e de ver que está melhorando...- esfreguei seus braços com delicadeza por cima dos cortes.

- Melhorando? - devolveu a retórica confuso.

- Olha para os seus braços - ele fez como pedi - o que você vê?

- Cicatrizes.

- Um dia foi um ardeu e sangrou muito, no outro transformou-se em um corte doloroso e agora é só uma cicatriz. É um processo Jimin e eu vou passar por ele com você e por falar nisso, estou muito feliz que seus braços estejam melhores, suas cicatrizes da vitória - sorri beijando uma a uma.

- Me desculpa ser tão mal agradecido...

- Ei - ele sabia que quando o chamava assim era uma doce repreensão e que logo em seguida eu o beijaria com vontade o fazendo esquecer o motivo da nossa conversa. Voltei a deslizar a espoja suavemente pelo seu corpo tratando de tirar quaisquer vestígios do nosso sexo mas havia algo que não poderia tirar tão facilmente: as marcas dos meus dedos nas suas costas. Sorri o enxaguando mantendo a doçura nos olhos, e quando terminei enrolei a toalha em seu corpo - quer que eu te leve para o quarto?

- Quero ficar te vendo tomar banho...- sorriu contido. Assenti procurando um pouco de shampoo para lavar meus cabelos impregnados de suor, e depois lavei meu corpo sem perder o olhar sutil de Jimin, devolvi o mesmo olhar contente.


(...)


Depois de garantir que Jimin estava bem protegido por debaixo da máscara preta e as duas blusas de seda igualmente pretas, poderia empurrar a cadeira de rodas com certa confiança afinal não podíamos brincar com a imunidade dele nem no digníssimo Namsan. Há tempos queria reconhecer aqui, na verdade, desde criança e uma vez Geum até se arriscou a me trazer mas acabamos perdidos.


Eu estou aqui, Geum.


- Por que está sorrindo? - Jimin perguntou tapando o sol forte com as mãos.

- Geum me trouxe aqui quando éramos crianças...- olhei cautelosamente cada detalhe do enorme chafariz central em comprido enfeitado pelas flores da estação recordando a primeira vez que vim aqui. Apesar da pouca idade e o medo da polícia vir atrás de nós me lembro claramente de Geum subindo na estátua do chafariz dizendo eu sou o dono do mundo.

- Você ainda sente falta dele?

- Se eu dissesse que não estaria mentindo - confessei segurando o choro.

- Você pode sentir saudades deles, isso não quer dizer que você o perdoou, assim como pode o amar e sentir raiva por ele ter procurado a própria morte - pontuou me encarando.

- Obrigado - assenti pensando no quanto Jimin me permitia ser livre ao seu lado - se Geum tivesse aqui sei que gostaria que eu fizesse isso por ele... - sorri sapeca tirando meus sapatos e caminhando em direção ao chafariz.

- O que você vai fazer seu louco? - Jimin gargalhava eufórico assistindo a minha loucura. Dobrei a barra da minha calça social até formar uma bermuda e entrei na parte mais rasa, Jimin ria muito tirando minha câmera da bolsa. Respirei fundo, esperei a água cessar um pouco e escalei a estátua com orgulho - Olhe para cá, quero tirar uma foto, vai ficar incrível - Jimin gritou lá de baixo. Algumas pessoas passavam com seus olhares ora intrigados, ora curiosos. Fiz como Jimin pediu, ergui meus olhos até a imensa Seoul Tower e gritei com o máximo de fôlego que havia em meus pulmões:

- GEUM!

- Acho que deu pra te ouvir lá na Tower - sorriu tirando diversas fotos.

- Será que deu para ouvir do céu?

- Tenho certeza que sim - gritou de volta - agora desce daí, não quero que se machuque.


(...)


- Agora é minha vez de tirar fotos suas...vamos, vou te ajeitar para que a Tower fique atrás, sua mãe vai gostar de te ver assim... você pode fazer alguma pose com o Boram? - Jimin revelou-se apreensivo.

- Claro...assim está bom? - alisou a própria barriga de forma desconfortável. Ajoelhei no chão e testei os ângulos mais confiáveis. Depois de tirar fotos o suficiente fui olhar com mais calma se precisava de outras.

- Nossa...essa ficou realmente incrível e...

- Yoon...meu... Deus... Yoon...eu...eu.. tô ficando sem...ar...me ajuda...



Continua...


╔════

Eu acho que alguém
Está rezando por alguém

Eu acho que posso ouvir suavemente
Um poema de amor que foi silenciosamente escrito

Isso claramente voa até você
Eu espero que ele te alcance antes que seja tarde demais

Eu estarei lá, atrás de você quando você caminhar sozinho
Cantando até o fim, essa canção que não terminará
Abra seus ouvidos por apenas um momento
Eu cantarei para você, que está caminhando por uma noite especialmente longa

Mais uma vez, no seu mundo
Uma estrela está caindo

As lágrimas silenciosamente derramadas
Estão fluindo aqui

No meu coração silencioso, que perdeu todas as palavras
Eu ouço uma voz, como se ouvisse uma memória

Eu estarei lá, atrás de você quando você caminhar sozinho
Cantando até o fim, essa canção que não terminará
Respire fundo
Eu cantarei para você, que esqueceu como chorar bem alto

Aqui estou eu, olhe para mim
Cantando até o fim, eu nunca irei parar de cantar essa música
No dia em que sua longa noite chegar ao fim
Quando você levantar a cabeça, eu estarei bem lá...

                                                     ════╝



Notas Finais


>•>•>• 𝑷𝒍𝒂𝒚𝒍𝒊𝒔𝒕 𝒀𝒐𝒐𝒏𝒎𝒊𝒎 •<•<•<
° https://www.youtube.com/watch?v=PFJS6yqd9ok

° https://www.youtube.com/watch?v=uHf0LH7sPuc

°
https://www.youtube.com/watch?v=k5OHSRjKspg


Espero que curtam bastante, e logo tem mais 💜💜💜💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...