1. Spirit Fanfics >
  2. Lost the game- Malec >
  3. - Had some drinks-

História Lost the game- Malec - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Oi gente, demorei um pouco mais que o normal, mas voltei. 😇
Boa leitura!❤

Capítulo 8 - - Had some drinks-


- Então Alec, como você se está sentindo?

 

Alec estava no consultório da doutora Jessa.

Fazia dois meses que ele não tinha uma crise ou um surto e dois meses e uma semana que ele estava na clínica. Nesse tempo, Alec teve a possibilidade sair três vezes com Magnus,  todas as vezes foram um sonho.

 

- Me sinto bem doutora.

 

Alec sentia-se mesmo muito bem. Os tremores quase eram inexistentes, assim como os suores e a vontade de tomar drogas. Ele não queria de todo desiludir o namorado e sabia que após dois meses de abstinência, a clínica começava a pensar em dar alta a um paciente. Então ele estava animadíssimo com a consulta, pois havia a possibilidade de sair dali.

 

- Isso é excelente, eu tenho dito que você fez progressos incríveis, muito bons para alguém que estava já bastante viciado em drogas. Também devo dizer que os remédios que nós te demos eram mais fortes, devido ao seu organismo já estar demasiado habituado às drogas. Como estão os tremores?

 

- Praticamente extintos.

 

Jessa anotou no seu caderno.

 

-Suores e pensamentos?

 

- Os suores pararam , os pensamentos também estão muito melhores. Já aceitei à muito tempo que Meliza não me quer como filho e está tudo bem com Magnus então.

 

Jessa levantou os olhos.

 

- Alec, eu devo dizer a você que, quando sair da clínica, vai haver muitos momentos de stress, é normal na vida de qualquer pessoa. Você poderá ter desentendimentos com Magnus, como em qualquer casal . Você tem que praticar aquilo que combinamos. A contagem até dez, ouvir música, ir caminhar, qualquer coisa que faça você se distrair e não se sentir tentado a voltar a ingerir drogas. Você está quase a receber alta. Já passaram os dois meses e as duas semanas de observação final. Você sempre tomou a medicação e vai ter de continuar a tomar.Vai ter consultas, agora numa fase inicial, duas vezes por semana, para podermos avaliar a sua situação.

 

Alec ouviu tudo com muita atenção. Ele sabia que nem tudo ia ser um mar de rosas, e claro, anteriormente, sempre que se sentira nervoso, ele recorrera às drogas. Mas agora era diferente, ele estava melhor, ele sabia como agir.

 

- Quanto à sua mãe, não posso dizer que compreendo a atitude dela, por mais que você tenha ficado com o Magnus, o amor materno deveria vir em primeiro lugar. Mas também você já me contou os problemas todos que vocês tiveram, então, não acho que vocês tenham uma relação comum de mãe e filho. Vocês nem amigos quase são. Eu não quero que você pense que não deve ser feliz apenas porque a sua mãe não concorda, você merece e deve ser feliz.

 

- Eu sei, às vezes é meio complicado lembrar de tudo que ela me disse, mas não me prejudica como antes prejudicava.

 

Jessa pousou o caderno e se levantou da mesa.

 

- Acho que pode fazer as malas Alec, você está limpo.

 

Alec levantou-se da cadeira e deu um abraço a Jessa, que rapidamente retribuiu. Ela tinha um grande carinho por Alec e tinha pena de tudo que ele teve que passar. Não podia estar mais feliz por ele ter tido força para ultrapassar o vício.

 

- Vemo-nos na próxima semana garoto, vou tentar saber se Magnus já chegou, ele não ligou para cá para confirmar que vinha buscar você.

 

Alec olhou interrogativamente para Jessa.

 

- Ele não ligou? Ele se esqueceu?

 

- Secalhar adormeceu querido, acontece a todos, não se preocupe, vá arrumar as suas coisas que eu depois irei até ao seu quarto  dizer algo.

 

Alec assentiu e saiu do consultório, não tinha ninguém para se despedir ali dentro, visto que não quisera fazer amigos. Jessa disse na altura, que ele deveria socializar, mas ele não queria. A primeira vez que o tentou fazer, acabou por ser provocado.

 

Alec chegou no quarto e começou a arrumar a pouca roupa que tinha, enquanto pensava em Magnus.

 

"Espero mesmo que não se tenha esquecido"

 

                                                                                          *****  

 


- Doutora Lígia, já ligaram para o responsável pelo Alec Lightwood?

 

- Ele não atendeu doutora, mas está lá fora a mãe dele. Ela assinou o termo de responsabilidade e disse que ia levar o filho.

 

Jessa pegou no termo de responsabilidade. Não era possível que após tanto tempo, a mãe de Alec se tivesse lembrado do filho, além disso, era estranho Magnus, que fora sempre muito presente, se ter esquecido.

 

- Bom, secalhar teve um imprevisto e veio a mãe, vou buscar o Alec. Obrigada doutora Lígia.

 

Jessa dirigiu-se para o quarto de Alec, perdida nos seus pensamentos, tão perdida que nem reparou que Alec estava mesmo à sua frente, na porta do quarto.

 

- Você já arrumou tudo?

 

- Sim, não tinha muita coisa, foi bem fácil. Magnus já chegou?

 

Jessa respirou fundo.

 

- Bem, não é ele que veio buscar você. É a sua mãe Alec, ela assinou tudo e está lá fora.

 

Alec ficou em choque, a mãe nunca o viera visitar e agora vinha buscá-lo? E porque raio Magnus não estava ali?

 

- Mas ela pode fazer isso? O Magnus não era o meu responsável?

 

- Sim, mas a sua mãe não deixa de ser a tua tutora legal, a partir do momento em que ele pode assinar o termo, ela pode vir buscar você. Sinto muito Alec, mas vamos manter a calma, ela pode querer falar com você, pode ter combinado com Magnus.

 

Alec assentiu. Por mais que preferisse mil vezes o namorado ali, e se sentisse levemente dececionado por ele não ter vindo, tinha que haver algum motivo para Meliza ter ido ali e em já o ia descobrir a seguir.

 

****



Só após ter passado da entrada da clínica para a rua e viu Meliza, é que Alec acreditou mesmo. A mãe estava exatamente igual desde da última vez que a viu.


 Jessa não o acompanhou, mas tinha lhe entregado uma folha com todas as indicações. Uma folha que Alec dobrava e remexia nervosamente.

 

- Oi…- disse Alec frente a frente à sua mãe. Não sabia realmente o que dizer a uma pessoa que nem teve a decência de o visitar.

 

Meliza aproximou-se mais do filho.


-Sei que deve estar se perguntando porque raio estou aqui eu e não o seu maravilhoso e paciente namorado, não é mesmo?

 

Antes que Alec pudesse responder, Meliza continuou.

 

- Bom, eu vou explicar tudo dentro do carro, vamos?

 

Alec estava com um pressentimento que algo estava errado, mas decidiu ignorar, secalhar a mãe tinha mudado de ideias.

 

Ambos entraram no carro.

 

Meliza ligou o mesmo e saiu do parque de estacionamento da clínica.

 

- Primeiro, o Magnus não está aqui, porque ele pensa que você sai amanhã da clínica.

 

Alec olhou chocado para Meliza.

 

- O quê? Não, ele sabia, eu lhe disse ontem!

 

Meliza sorriu.

 

- Pois, à noite eu liguei para ele e fingi ser uma enfermeira da clínica. Disse que você estava muito agitado e que já não ia sair hoje, mas sim amanhã. Como o horário de visitas começa às duas horas da tarde, ele ainda deve estar a dormir meu bem.

 

Alec começou a ficar agitado. A mãe mentiu a Magnus, algo estava mesmo terrivelmente errado.

 

- Mas porquê? Você não quis saber de mim este tempo todo! Não me visitou uma única vez! Eu já nem sei se sou seu filho.

 

Meliza parou o carro na beira da estrada, e se virou para o filho irritadamente.

 

- Ouve aqui moleque, você ficou com o meu namorado! Acha que eu ia ter a descareza de ir visitar você? VOCÊ?! Acha que eu tenho orgulho de ter um filho toxicodependente! Por favor Alec, eu até estou a ser muito generosa em lhe proporcionar uma oportunidade para ser alguém na vida!

 

Alec virou a cara e limpou uma lágrima que lhe estava a cair no rosto. Não ia chorar ao pé de alguém tão cruel.

 

- Então porque me foi buscar? Que oportunidade você está falando?

 

Meliza respirou fundo e voltou a ligar o carro, conduzindo de seguida.

 

- Você tem que entender que eu quero o  Magnus para mim, você é jovem, não foi difícil arranjar outra pessoa.

 

- O q-quê? Outra pessoa?

 

Alec, pela primeira vez, desde que entrou naquele carro, sentiu medo. Sem pensar duas vezes, Alec tentou abrir a porta do carro, mas para sem espanto, esta estava trancada.

 

- Você  está me sequestrando? Me deixa sair daqui, o Magnus não ama você, porque o quer obrigar a amar você?

 

Meliza apertou o volante com mais firmeza. Secalhar devia dopar o filho para que se calasse, mas dado o seu histórico com drogas, era má ideia.

 

- Eu vou explicar tudo com muito calma. Eu encontrei um homem de 30 anos, meu amigo, que está disposto a ficar com você. Ele é rico e está no aeroporto, num jato privado, à sua espera. Você vai com ele para Nova Iorque, onde irá estudar direito e viver com ele. Além disso, irá deixar uma mensagem ao Magnus a disser que sente muito, mas não pode fazer ser cruel com a sua mãe.

 

- NÃO! VOCÊ ESTÁ LOUCA! Eu não vou a lado nenhum com ninguém! Vo-você me vendeu para esse homem?

 

Meliza ia responder mas o seu celular começou a tocar. Pegou no celular e viu o nome do Magnus a brilhar na tela. Encostou novamente o carro, saindo de seguida para a rua, trancando também todas as portas para Alec não escapar.

 

-  Oi Magnus! Como você está querido?

 

- Onde está o Alec?

 

Magnus acordara à pouco e ligou o celular. Tinha seis chamadas perdidas da clínica e uma mensagem da médica de Alec a disser que Meliza tinha ido buscar Alec à clínica. Ele sentiu um pressentimento estranho, algo não estava certo, então decidiu ligar de imediato para Meliza.

 

- Ele está no carro querido, ele está dormindo, estava muito cansado, mas não se preocupe, eu vou levá-lo para casa, você pode ir lá ter se quiser, acho que está na hora de nos acertamos .

 

Alec se debatia dentro do carro. Magnus tinha de saber, tinha de o salvar, não podia ser assim!

 

- Eu quero falar com ele Meliza!

 

- Ele está dormindo, não o vou acordar obviamente! Nós vamos demorar uns trinta minutos a chegar a casa, já irá falar com o seu verdadeiro amor.

 

Meliza desligou a chamada, antes de ouvir a resposta de Magnus. Eles já estavam muito perto do aeroporto, uns cinco minutos chegavam lá, dava tempo de deixar lá o Alec, Magnus receber a mensagem e ela, o seu verdadeiro amor, o ir consolar. Tudo ficava perfeito, porque ela sempre ganha.

 

Entrou no carro novamente muito rápido. Alec poderia ter fugido nesse momento, mas ele estava preso com o cinto, um cinto que era electrónico, Meliza não era burra, Alec só sairia daquele carro sob a ordem dela.

 

- Mãe, você me odeia tanto ao ponto de fazer tudo isto? Eu sei que você e eu não temos a melhor relação mas… eu sou seu filho! Você está a destruir a minha vida. Eu não vou desistir. Mesmo que você me coloque naquele avião, eu vou tentar fugir, vou ligar à polícia, o que for!

 

- Você acha que sou burra Alexander? Eu não te odeio, mas amo o Magnus, além disso eu estou lhe dando um bom curso, um homem e uma estadia numa cidade incrível, pode parar de ser ingrato? Além disso, você não terá acesso a celular meu bem, está tudo acordado com  Mike. Você irá viver numa casa com ele, o curso será realizado em casa dele. Pelo menos até você perceber que não tem opção, senão aceitar.

 

Alec começou a entrar em pânico.

 

- Você está dizendo que vou ser prisioneiro numa casa com um homem que poderá fazer o que quiser comigo? Eu.. Meliza.. por f-favor.. não faça isso! Eu estou implorando.

 

- Você vai acabar por aceitar Alec, até porque já chegamos, logo pare com a choradeira.

 

- NÃO! EU NÃO VOU!

 

Meliza abriu o vidro e fez sinal a um homem para se aproximar do carro.

 

- Bom, como não podemos dopar você, vai ter que ser à força.

 

Alec, num ato de desespero, tentou puxar o cinto a todo custo, não podia ser sequestrado desta forma!

 

O homem que Meliza chamou, abriu a porta, agora destrancada , e  tirou o cinto de segurança a Alec.

 

- Não, p-por favor, s-senhor!

 

Meliza saiu também do carro e se dirigiu para o lado de Mike.

 

- Bom dia Meliza, quando você disse que o rapaz era inconstante, não pensei que era assim.

 

Alec estava a ser literalmente arrancado do carro por um homem, com o dobro do seu tamanho e muito musculado. Este pegou em Alec e o colocou às costas.

 

- Me larga! EU QUERO IR EMBORA!

 

Mike acabava de beber a sua bebida enquanto assistia o rapaz a debater-se com o seu segurança.

 

- Você vai  cumprir tudo do acordo? Alec não poderá nunca voltar aqui, nem poderá ter acesso a qualquer comunicação que lhe permita falar com Magnus.

 

Mike sorriu.

 

- Não precisa de se preocupar, tenho planos para ele. Mas tenho uma pergunta. Não a estou julgando, mas, bom.. você está vendendo o seu filho.

 

Meliza pensou por uns momentos. Ela deu à luz Alec, mas nunca o criou, não tiveram qualquer laço maternal, então após a morte do seu marido, ainda menos. Não, ela não sentia remorsos. Alec só tinha 19 anos, ela estava a fazer o melhor para ele.

- Não vou discutir isso com você Mike, apenas siga o contrato.

 

O homem que carregava Alec, chegou ao pé dele.

 

- Mãe.. mãe por favor, eu peço..

 

- Strike, coloca Alec lá dentro, no banco destinado a ele, eu já vou- ordenou Mike.

 

- NÃO! NÃO! SOCORRO! Por favor!

 

Alec sabia que ninguém o ia ouvir, então quando o homem o algemou ao banco, ele sabia, ele sabia que estava a ficar sem opções.

 

 *****

 


- Você já os conseguiu localizar?

 

Magnus estava em sua casa, ao lado de John, um amigo seu informático. Ele não comprara a história de Meliza, então chamou de imediato o seu amigo. De certeza que John os iria localizar, Magnus só rezava que fosse depressa, Alec poderia estar em perigo.

 

- Bingo! Eles estão no aeroporto!

 

Magnus empalideceu.

 

- Você tem a certeza?

 

- Absoluta Magnus, olha aqui esta câmara do aeroporto que eu consegui hackear.

 

Magnus olhou para o computador, e viu Meliza ao lado de um homem que ele não conhecia, para depois ver Alec a ser levado às costas de outro homem. O seu sangue ferveu.

 

- John, tenho de ir, meu deus !

 

- Não devíamos chamar a polícia?- perguntou John.

 

- Não há tempo!

 

 

 

Magnus saiu de casa a correr. Não podia deixar que levassem Alec para longe dele, tinha que ser rápido.

 

 

 

 


Notas Finais


Será que Magnus chega a tempo? Ou Meliza ganha o jogo desta vez?
Até ao próximo capítulo 🙏
Beijinhos❣

P.s-perdoem qualquer erro


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...