História Love Across The Universe - Liar King And Secret Mage - Capítulo 1


Escrita por:

Visualizações 35
Palavras 1.749
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Comédia, Ecchi, Ficção Adolescente, Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Prólogo - Escape!


Fanfic / Fanfiction Love Across The Universe - Liar King And Secret Mage - Capítulo 1 - Prólogo - Escape!

“Aaaah.... Aaah... Testando... Testando... Todos podem me ouvir? …..... Excelente!”

Upupupu... Sejam bem-vindos! Desculpem a bagunça com o microfone, o nosso produtor é um novato........ Hein? Bem-vindos a que? Ops, tem razão... AHEM!

Mais uma vez... Sejam MUITO BEM-VINDOS ao programa “AMOR QUE CRUZA O UNIVERSO: EQUIPE SALMÃO”! Vocês já me conhecem, mas eu falo de novo! Meu nome é Monokuma, o mascote e apresentador deste reality show.

Este fofo ursinho que vos fala está muito feliz de apresentar mais uma edição deste show de sucesso. Ah... Quem não gosta de um belo romance, não é mesmo? Colegiais a procura de paixão, hormônios a flor da pele... Upupu... Meu coração já está disparando, pessoal! Estão ansiosos para saber de onde vieram nossos dezesseis participantes desta vez? Pois preparem-se! Vou revelar... Vieram da... Kibougamine Gakuen!

É isso mesmo! Os casais desta edição serão formados por famosos alunos “Ultimates”, aqueles que tem um talento absoluto, considerados os melhores no que fazem, na categoria juvenil! Mas que talentos serão esses? Já, já, vamos descobrir!

 

O garoto deitava no carpete azulado da grande sala pouco iluminada. Aos poucos, seus olhos cor de violeta abriam-se, ainda sonolentos. Assim que ajusta sua visão, move a cabeça para os lados.

- Onde... Onde é que eu tô? Pensei que tivesse ido pra escola... - Ergue seu braço esquerdo, levando-o até seus cabelos escuros, com alguns tons puxados para o roxo. Desliza os dedos nas madeixas. - Lugarzinho mal iluminado... Também, com esse lustre a luz de velas...

Podia de fato ver um imenso lustre circular de madeira, pendurado por grossas correntes de metal. Nele, haviam cerca de nove velas acesas. Típico de um lugar bastante antigo.

- Me sinto pesado, mas... Preciso levantar e checar que raio de lugar é esse. - Porém, quando o garoto tenta levantar-se, percebe que havia realmente algo sobre seu corpo. De no mínimo trinta quilos, ele diria. - O que é isso, agora? Quem tá aí?

- Nnnaa... - Um pequeno resmungo é ouvido.

- Eh...? Ei... Sério, quem é?

Ele começa a apalpar a “criatura”. Macia e quentinha. Também sente texturas de tecidos. Ao descer mais as mãos, sente ainda mais maciez, junto de um material mais áspero.

- Uoh... Fofinho... - Começa a apertar as “coisas” macias. Quando ouve o resmungo outra vez.

- N-nyeeeh... Não... Isso é estranho...

- Q-que? Isso aqui é... “Essa voz... Fofura... E essa parte que eu tô apertando... U-UM TRASEIRO... E É UMA...”

Garota. Sim, há uma garota deitada bem em cima dele, completamente desajeitada. Por conta dos toques não intencionalmente safados, ela afinal acorda, levantando a cabeça e olhando o garoto bem nos olhos, a centímetros de seu rosto. Alguns segundos passam-se, e...

- NYEEEEEEHHHHHH!!!! TARADOOOOOO!!!! - A mocinha trata de afastar-se dele imediatamente, mesmo ainda um pouco tonta e com as saias desarrumadas.

- Aaaaaaahhhh? Eu não, menina! Você que tava em cima de mim por nenhuma razão! - Justifica-se, enquanto senta-se no chão, mesmo.

- Nnnaaaa! Você levantou minha saia e apertou a minha bunda! Como se atreve a fazer uma coisa dessas com uma donzela? - Sacode os braços, irritada. - Agora não vou poder casar...

- Pfft, quem é que vai casar com uma feiosa que nem você? E sua bunda é tãooo magrela! Apertei foi pra saber que tipo de criatura não identificada tava em cima de mim! - Debocha, levantando-se aos poucos. Sorria com escárnio.

- O QUE? NNNNAAAAA!!!! EU VOU TE TRANSFORMAR EM SAPO, SEU... - Levanta e corre furiosa até ele, dando-lhe pequenos socos nos ombros.

O garoto não consegue deixar de rir um pouco. Todas as palavras más foram mentiras. Afinal, mentir é uma das suas especialidades. Só que quanto a ela ser bonita ou feia, ele não pode realmente dizer, pois a iluminação ainda está muito ruim. No entanto, de súbito, as velas da sala apagam-se por completo, deixando tudo escuro.

- N-nyeh! - Encolhe-se por instinto, rente ao peito do menino. Aperta-lhe a blusa branca, sem pensar.

- Hmmm~ Parece que só o tarado aqui pode te confortar não é? - Permanece de braços soltos, sem abraçá-la, como a maioria dos rapazes fariam.

- M-me deixa... Foi por instinto, tá? No escuro, em um lugar desconhecido... É normal ter medo!

- Então você também não sabe aonde estamos... Que coisa. E agora vai ser difícil eu desbloquear aquela fechadura no escuro...

- Nna... - Apalpa os ombros do garoto. - Você é mesmo homem? Tem quase minha altura...

- É claro que eu sou! Altura não quer dizer nada... - O tom de voz fica um pouco alterado.

- Mentiroso... - Tenta se distrair com a conversa, mas continua trêmula.

- “Ai, ai... Que baixinha, viu... Não tenho lá muita escolha por enquanto...” - Lhe dá batidinhas carinhosas na cabeça. Quem sabe assim ela relaxa... - Desencana, daqui a pouco aparece o responsável por essa doideira. E não precisa ter me...

- Nnnnnaaaaaa~ - Ao invés de parecer um resmungo, essa voz parece muito mais feliz e satisfeita. Tanto que a menina chega a roçar sua cabeça no pescoço do garoto.

- H-hã? O que, o que foi? “Parece um gato!” - Não entende nada, até acaba ficando sem graça com a situação.

- Quero mais carinho na cabeça~ Por favor... - A voz soa... Desejosa?

- “Não acredito que isso deixa ela excitada! Tô ferrado!” Não é uma boa ideia, mocinha... - Tenta afastá-la, nervoso.

- Por favooooor~~~ - Engancha suas mãos no pescoço do menino, puxando-lhe o rosto para perto do seu.

Porém, quando ela parece estar quase beijando-o por nenhuma razão importante, luzes elétricas regulares acendem-se. Finalmente eles são capazes de ver um ao outro com clareza. E a menina sai de seu “transe”, afastando-se rápido, muito envergonhada. Ele permanece perto da parede, observando-a.

- Nnnnyeeeh!!! N-não acredito que eu fiz isso de novo! Que vergonha, que vergonha! - Coloca as mãos no rosto, resmungando novamente.

- “Essa foi por pouco...” Hyuuuu.... Finalmente! Um pouco de luz normal! E aí, tá mais calma agora?

- Es-es-estou! - Sequer consegue olhar para ele.

Ele a observa ainda melhor... Baixinha... Ruivinha de cabelos chanel... Olhos caídos... Lábios saltados... O jeito que se veste lembra o de uma bruxinha, ainda mais depois de colocar o chapéu pontudo de volta na cabeça. Talvez fosse uma cosplayer. Sem contar...

- Hã, olha só... Ela é branca, né?

- Nyeh? O que é?

- Tô vendo sua calcinha bufante. Nishishi, parece uma abóbora, mesmo.

A garota ainda não havia arrumado as saias. Começa a arrumá-las rapidamente, ainda mais envergonhada. Enquanto o garoto acha sua estola xadrez no chão, a juntando e vestindo.

“Eeeeiii!!! Vocês ainda não podem ficar de namoro! Ainda não está valendo, pô!”

Os dois levam um susto com a voz que sai dos auto-falantes ligados ao grande monitor grudado em uma das paredes. Este liga-se sozinho, e nele, aparece Monokuma.

Bom diaaa! É um prazer conhecer vocês... Ouma Kokichi-kun e Yumeno Himiko-chan! Desculpem-me pela demora. Vocês já estavam quase tendo um filho aí, né? Upupupu~

- Nnaaa! E-eu fiquei com medo do escuro, ok? Quase me mijei de medo!

- “Que sincera...” Então você é nosso sequestrador, hein?

Eeeeu? Sequestrador? Fiquei chateado... Pelo contrário, vou dizer como vocês vão sair daí! Porque eu preciso de vocês dois lá no Ginásio, sabem?

- Ginásio... Então isso aqui provavelmente é uma escola... Se bem que esse quarto aqui parece coisa de ritual para magias... - Ouma especula.

- V-verdade?- Yumeno olha para todos os lados.- Nyeh! É sim! Que incrível!

Upupu, como é esperto, Ouma-kun. Mas eu vou dar mais detalhes logo mais, certo? Tem um mapa para o Ginásio grudado na porta... Mas ela só vai se abrir se vocês fizerem uma coisinha específica...

- Que seria? Ir plantando bananeira até lá? - Ouma brinca.

- Essa não! Assim minha calcinha vai aparecer de novo! - Yumeno acredita.

Nah, é bem simples. Tudo o que precisam fazer é... Ir de mãozinhas dadas até lá~ Que nem um casalzinho~

- Entrelaçando os dedos e tudo mais? - Puxa a aba do chapéu para baixo

- Nossa, Yumeno-chan~ Não é emocionante? - Ouma sorri como se estivesse realmente apaixonado.

- P-pare de zombar! Nnnaa! - Irrita-se, sem graça.

De dedinhos e tudo mais~ Mas perto do que outros colegas de vocês fizeram, isso não é nada de mais. É só dar as mãos agora e não se largarem até lá! Feito?

Kokichi olha-a, roçando sua mão esquerda na direita de Himiko, que olha-o de volta. Embaraçada, lhe dá a mão, logo sentindo os dedos maiores entrelaçando os dela. Ele pensa como aquela mão é pequenina comparada com a dele...

Muito beeeem! Mas que belo casal! Acho até que podem dar certo~ Então, espero vocês lá, combinado? Tchaaaauuu!

O monitor desliga-se. Tal como Monokuma pediu, permaneceram de mãos dadas até chegar a porta, aonde Ouma apanha o mapa grudado na porta esquerda. E afinal, ambas abrem-se.

- Hmmm, ar fresco! Claridade! - Respira fundo. - Que alívio, Yumeno-chan!

- S-sim... - A ruivinha olha para baixo.

- O que foi, hm? Por que não quer olhar pra mim? Sou mais feio do que você pensava?

- Não! Não é isso... Eh... Me desculpa... Por antes... - Balança a mão unida a dele.

- Antes? Ooooh... Você tem um fetiche por carinho na cabeça e queria me seduzir? Nishishi... - Sorria malicioso.

- NYEH! NÃO! E-eu... - Aperta as mãos juntas.- Eu só me sinto muito bem... Muito feliz... Quando alguém me elogia... E dizem que eu sou boazinha... E me... Dão tapinhas na cabeça... - Fala baixinho.

Kokichi estica a cabeça, tentando olhar o rosto de Himiko de qualquer jeito. Mas a menina virava e virava a cabeça sem parar. Sem escolha, o menino captura-a pelo ombro esquerdo, afinal podendo olhá-la nos olhos, bastante arregalados.

- Te peguei~ - Mostra a língua. - Por que não posso ver essas bochechas redondinhas, hein?

- Nnnaa... Ouma... Pare... - Fecha os olhos.

- Eu gosto como diz o meu nome... Se não abrir os olhos, vou te beijar... - Sussurra.

- Nyeeeeehhhh.... - Abre os olhos. - Por favor, não roube meu primeiro beijo.

- …..... Mentira! Não vou beijar, mesmo! - A deixa ir, só segurando a mão direita dela.

Himiko resmunga, Kokichi ri. Finalmente, seguem até o Ginásio, em silêncio... Apesar das brincadeiras e mentiras, ele pensa...

- “Não faço ideia do que tá acontecendo aqui, mas... É mais divertido com ela por perto.”

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...