História Love and Hate - Capítulo 31


Escrita por:

Postado
Categorias TWICE
Tags 2yeon, Dahmo, Michaeng, Satzu (couple Principal), Sohyo
Visualizações 239
Palavras 5.230
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Fluffy, Hentai, LGBT, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Aeee finalmente mais um cap cheiroso pra vocês xD Espero que gostem, me digam o que acharam e o que acham que vai acontecer, alguém tem teorias ou suposições sobre essa reta final? Me falem <33 Desculpem pela demora e qualquer erro que tenha passado <33 Amo vocês demais demais <33 Boa leitura gente <3 E lembrem-se esses são os últimos capítulos da fic.

Capítulo 31 - Uma chance.


Aeroporto 05h20min:

 

  A noite fora um tanto longa na casa de Sana, as duas não pregaram muito o olho, primeiro Tzuyu conferira as malas, depois ela e a japonesa foram juntas afim de estrear a cama nova que ainda continuava levemente dura segundo elas. Assistiram um filme mais ou menos voltado para o típico clichê romântico e por fim a hora de Tzuyu sair chegara, essa fora uma das piores horas, mas ainda sim correra tudo tranquilamente. Agora as duas estavam sentadas no aeroporto esperando pelo horário do embarque da Chou, Sana segurava a mão de Tzuyu como uma criança segura a mão da mãe para não se perder dela, a outra estava deitada com a cabeça em seu ombro, estava com sono por não terem dormido.

 

—Ah Tzu estou com tanta saudades já... Você realmente não pode ficar menos tempo lá? — A japonesa murmurou já com um tom mais voltado para o choro, Tzuyu suspirou imaginando que poderia até tentar voltar, mas preferia não dar falsas esperanças para ela. —Você mesma disse que eu não fico sem você, eu assumo isso... Realmente não fico, quero você comigo Tzu.

 

—Eu sei Sannie, mas infelizmente não posso garantir nada, depende de como as coisas vão seguir, sabe que eu sou uma das modelos importantes do desfile e não posso dar mancada com o meu agente, ele é muito legal. — Sana suspirou diante da fala da esposa e ficou levemente emburrada. —Own não fica emburradinha meu bem, vai dar tudo certo e em poucos dias estarei com você em casa.

 

—Você pelo menos vai me ligar sempre que tiver um intervalo? Nem que seja só pra dizer que sou importante, me dar bom dia ou coisa parecida. — Falou fazendo um biquinho tão fofo que por um momento Tzuyu sentiu vontade de mata-la de tanto beijar, mas não o fez. —Eu vou te ligar também é claro, mas gostaria que você me ligasse também sabe.

 

—Own, mas você é muito manhosa e chorona Sannie. — Tzuyu deu um selinho na japonesa aproveitando o bico da mesma e sorriu. —Mas bom, sempre que sobrar um tempinho eu prometo que vou te ligar e te atender, só que você tem que ter paciência, pois é tudo muito corrido e pode ser que as vezes só sobre tempo tarde da noite, devo ligar mesmo assim?

 

—Deve meu bem, nem que seja só pra me dizer boa noite, bom dia ou boa tarde, para dizer que eu sou especial pra você ou que sente minha falta. — O tom de choro que Sana carregava ainda era enorme, a japonesa realmente estava triste por ter que ficar longe de sua amada por longos quatro dias. —Para me dizer qualquer coisa sabe, estarei pronta para te atender.

 

—Sana as vezes acho que você não existe, você é tão única... — Tzuyu sorriu de um jeito bobo, não podia negar para si mesma o quanto estava apaixonada por Sana e isso fora algo que viera tão naturalmente com a convivência ao lado dela. —Sei lá, o jeito é diferente.

 

—Acho que entendo, eu sou especial né, sou escrava do amor que sinto por você, droga que saudade já Tzu... — De choro o tom de da japonesa virara um mais meloso e doce, Tzuyu sorriu e voltou a encara-la direito. —Eu vou sentir muito a sua falta droga, por isso estou assim manhosa e chorona, eu normalmente não sou assim...

 

—Ultima chamada para o voo 276 com destino a Paris. Passageiros, favor embarcarem no portão 4. — As duas se encararam ao ouvirem as palavras da mulher e Tzuyu se levantou, infelizmente elas teriam que se despedir de vez agora.

 

—Sana eu v... — Tzuyu começou a falar, mas fora calada pela japonesa que a puxou e lhe beijou sem se importar com nada nem ninguém. Não fora o beijo mais longo que deram nessa vida, mas fora um dos mais especiais perante a visão de Tzuyu, ela até mesmo soltou a bolsa no chão e sentiu as pernas bambearem de leve. —Quando eu voltar a gente vai quebrar a cama nova.

 

—Com certeza amor, agora vai lá e arrasa na passarela, vou procurar vídeos ou alguma stream pra tentar te assistir. — Falou sorrindo, estava triste, mas iria fazer o possível para segurar e não chorar na frente dela, faria isso no carro quando estivesse indo trabalhar. —Quando chegar lá me liga?

 

—Eu ligo sim Sannie e se achar como assistir os desfiles assisti sim, depois me manda mensagens ou liga. — Falou apanhando sua bolsa e começando a caminhar até seu portão de embarque, Sana respirou o mais fundo e conseguiu e cruzou os braços em frente ao corpo, estava se segurando muito pra não desabar, sabia que estava sendo bem dramática mas não podia evitar. —Bye e boa sorte...

 

  Sana ficou esperando que Tzuyu embarcasse e saiu dali rapidamente, não queria nem ver o avião subir. Ela adentrou seu carro e finalmente se permitiu chorar, já estava imaginando o quanto seu dia seria péssimo, mas tinha que aguentar, pois em breve teria uma reunião enorme sobre a linha de cosméticos, sua mãe estaria presente, os acionistas principais, Taeyeon e outras pessoas que poderiam vir a fazer bem para a empresa no futuro que Sana queria dar para os negócios. A japonesa fizera uma breve parada em casa para trocar de roupa, colocou um traje mais voltado para o social e tomou caminho até a empresa, pretendia chegar cedo mesmo, provavelmente nesse horário apenas a segurança e as pessoas da limpeza estariam lá naquele horário. Para Sana isso era até bom, assim ela poderia passar um tempo tranquila e pensar em seus passos durante o resto da semana, pretendia dar passos estratégicos para não fazer besteira, agora sem Tzuyu agir sem pensar era fácil, então tinha que parar e pensar direito em tudo.

------------------------------------------------------

Apartamento de Jihyo e Somi - 08h20min:

 

  Já fazia um pouco mais de meia hora que Somi tinha despertado, ela se levantara lentamente sem mexer com Jihyo, havia acabado dormido no quarto da Park devido ao estado da mesma a noite. As duas estavam voltando pra casa quando Jihyo sentiu-se um tanto quanto mal e acabou vomitando, tendo febre e outras coisas. A Jeon tentou leva-la para o médico de todas as formas possíveis, mas Jihyo era absurdamente teimosa e acabara conseguindo não ir, porém concordara em se medicar e tomar um bom chá que Somi conseguiu a receita com sua mãe. Após se arrumar parcialmente para o trabalho, ela caminhou novamente até o quarto e observou sua tão amada coreana dormindo, se aproximou sentando na beirada da cama e tocou a testa da mesma.

 

—Hm, não tem mais febre... Ei Jih, que tal acordar e tomar um cafezinho da manhã bem nutritivo e leve? — Falou docemente e Jih se remexeu na cama já abrindo os olhos. —Bom dia flor do meu dia, como se sente?

 

—Com preguiça e um pouco de fome, tenho que ir trabalhar... A Tzuyu viajou e a Sana vai precisar de um suporte na presidência. — Jihyo tinha um tom mole devido ao sono, ela se levantou e esfregou os olhos antes de encarar a Jeon. —Bom dia Somi, obrigada por cuidar de mim ontem a noite e ficar aqui no quarto.

 

—Jamais te deixaria sozinha Jih. Agora sobre o trabalho, não seria melhor você ficar e descansar mais um pouco? — Perguntou e Jihyo negou com a cabeça, Somi suspirou por ela ser teimosa. —Tudo bem, mas qualquer coisa você vai me ligar né?

 

—Sim, eu vou te ligar minha salvadora. — Disse e inclinou-se para frente deixando um beijo pelos lábios da Jeon. —Hm, você esta cheirosa, já esta meio pronta pra trabalhar, nossa quanto tempo você me deixou dormir em?

 

—Tempo suficiente para o  seu corpo se recuperar do baque de ontem a noite. Agora toma um banho em temperatura media e vamos tomar café. — Somi falou com uma expressão boba e Jihyo sorriu se aproximando dela e lhe dando mais um selinho, dessa vez mais demorado que o anterior. —Eu vou ficar muito mal acostumada desse jeito.

 

—Sem problemas, pois não pretendo parar de beijar você. — Jihyo sorriu e se levantou da cama lentamente, Somi ficou encarando a mesma com um sorriso bobo e fofo até que ela sumiu de sua visão ao entrar no banheiro. —Ai Somi... — Resmungou para si mesma de dentro do banheiro.

 

  Enquanto Jihyo se banhava, Somi fora até a cozinha terminar de arrumar o café da manhã, havia feito seu melhor baseado no que achara que seria bom Jihyo comer, afinal após passar mal a noite não era bom chegar assustando o estomago com alimentos pesados, podia não ser médica, mas quando se tratava de Jihyo ela sabia tudo que fazia bem para ela. Somi estava bem feliz, pois sua relação com Jihyo vinha melhorando bastante, elas não brigavam mais, as conversas fluíam bem, os passeios eram divertidos demais e as vezes a Jeon tinha a honra de sentir os lábios dela contra os seus.

 

  Após o banho, Jihyo se arrumou bem, conferiu tudo que tinha levar para Sana e o que teria que ver com ela, já que Rosé muito prestativa havia lhe enviado uma copia da agenda particular da japonesa, assim ficava mais fácil acompanhar o ritmo dela e antecipar seus movimentos. Jihyo conhecia bem Sana, bem demais para saber que ela estaria bem mau humorada devido a ausência de Tzuyu, o que para a Park era compreensível já que elas estavam vivendo uma fase boa do casamento finalmente. Depois de conferir e apanhar tudo, Jihyo seguiu para a cozinha, onde encontrou Somi lhe esperando enquanto lambiscava o queijo e mexia no celular.

 

—Vamos comer senhorita Jeon? — Perguntou chamando a atenção da mesma, Somi sorriu e lhe encarou finalmente, guardou o aparelho no bolso e sentou-se com ela. —Por mais que já faça tempo, eu continuo me surpreendendo quando você faz algo pra comer, fica lindo e do meu gosto.

 

—Ah gentileza sua Jih, sei que ainda não fica totalmente do seu agrado, pois eu não consigo evitar queimar a bordinha da panqueca... Mas mesmo assim você come e fica feliz quando eu faço, hoje eu não fiz porque acho que é meio pesado. — Somi segurou de leve a mão da Park por alguns segundos, mas fora impedida de soltar quando Jihyo lhe segurou sorrindo. —Amo seu sorriu...

 

—E eu amo o seu. Mas não é sobre sorrisos que eu quero falar, eu quero falar sobre nós Somi e serei bem direta, um dia você veio e me pediu uma chance... Bom, hoje eu venho e lhe dou essa chance Somi, você finalmente pode me namorar, mas com respeito viu, nada de safadeza sou moça de respeito. — Falou sorridente e beijou a mão da outra, Somi soltou a colher que tinha na outra mão e abriu a boca totalmente surpresa. —Você vai beijar a minha boca agora amor ou será que eu vou ter que reconsiderar?

 

—É que e-eu estou muito surpresa, caramba Jih! — Somi levantou e deu a volta na mesa, Jihyo se virou e a Jeon se curvou um pouco para baixo, assim finalmente podendo beijar os lábios da outra, não fora um beijo demorado mas o significado dele era gigantesco para ambas. Ao se separarem ambas sorriram. —Você não vai se arrepender Jih, eu prometo que vou fazer valer a pena cada segundo que passarmos juntas, vou sempre te fazer feliz e terei o maior respeito do mundo do com você, nada de safadezas sem seu consentimento.

 

—Eu acredito em você meu anjo. Vamos fazer dar certo finalmente, porém vamos com calma tudo bem, nada de meter os  bois na frente do carro. — Falou divertida e puxou Somi para mais um selinho antes que ela voltasse para seu lugar. —Você é muito fofinha, adoro quando te beijo e você fica com as bochechinhas vermelhas, linda.

 

—Nha para vai, esta me deixando encabulada Jih. — Falou completamente envergonhada, Jihyo era demais, ela se sentou novamente e sorriu ao encara-la. —Agora vamos comer linda, você precisa se alimentar pra ficar fortinha novamente.

 

  Jihyo sorriu para ela e assentiu concordando, em seguida ambas começaram a de fato tomar o café da manhã.

--------------------------------------------------------

Apartamento de Mina e Chaeyoung - 09h10min:

 

  O apartamento estava silencioso, os cômodos meio bagunçados devido a preguiça e cansaço que cairá sobre o casal quando chegaram do trabalho, era também devido a esse motivo que estavam deitadas ainda dormindo serenas. Chae bem ajeitada do lado esquerdo, enquanto que Mina estava esparramada no direito, a Son só entraria no trabalho as dez e Mina tinha um única audiência a uma hora. Então podiam sim se dar o direito de descansar mais um pouco, pois apesar de ser uma única audiência, era a mais importante por ser a decisiva no caso e Mina tinha que estar com a cabeça pronta para aguentar firme as horas que iria passar frente a frente com o juiz. A coreana tinha algumas reuniões pra discutir a nova estratégia de marketing de algumas empresas com as quais tinha contrato, incluindo a de Sana, mas sua reunião seria com a presença de Jihyo, pois Sana tinha mais coisas para o mesmo horário e não podia ser alterado.

 

  Pela fresta da porta um pequeno ser adentrou o quarto, chamou pelas novas "mães" algumas vezes mas infelizmente não fora atendido, então com um pouco de força em suas patinhas o mesmo conseguira subir na cama grande, ele pisara em cima das costas de Chaeyoung e fora indo até o outro lado, até por fim chegar em Mina, onde começou a mexer com a patinha no cabelo da mesma. A japonesa se remexera um pouco, mas não acordara com apenas isso, então logo ele começara a miar, provavelmente por estar com fome ou coisa parecida, porém suas donas não acordavam, então ele acabara sem querer batendo com a pata no nariz de Mina que abriu os olhos de imediato.

 

—AHH... PORRA CHAENG OLHA ESSE BICHO... — Gritou e Chaeyoung abriu os olhos achando que se tratava de uma barata ou algo parecido com isso, a pobrezinha acabara caindo da cama quando fora se virar para ver. —Ele bateu com a pata em mim...

 

—Ai pinguim... Acho que fraturei a bunda ou coisa parecida... — Chae falou se levantando e vendo o pequeno gatinho se acomodando contra seu travesseiro, Mina mantinha uma distancia segura do bichinho e por um momento Chae não sabia se olhava o gato ou os seios de Mina que haviam ficado a mostra quando a coberta cairá devido a movimentação dela. —Aish é só o Zeref, deve estar com fome o coitado...

 

—Alimenta ele logo, eu vou tomar um banho... Me assustei bastante com ele droga. — Mina se sentou direito na cama e Chae saiu do quarto afim de pegar a ração do gatinho, porém deixou o mesmo ali em seu lugar na cama. —Aff, eu não sei como Chae acha você fofinho ou coisa parecida, você é um assassino com garras eu acho... — Falou observando o pequeno, ele não parecia tão agressivo, na verdade ele parecia completamente indefeso, mas Mina preferia manter uma distancia segura.

 

  Passados alguns minutos, Chae finalmente voltou para o quarto, Mina ainda continuava ali, por algum motivo ela não tinha ido se banhar.

 

—Pronto Zeref, eu acho que isso vai matar a sua fome. — Disse oferecendo a pequena vasilha com ração para o bichano, enquanto com uma mão segurava para ele não derrubar com a outra mexia nas pequenas orelhinhas do mesmo. —Hoje ele vai precisar ficar um pouco com você pinguim, sei que tem medo, mas de uma chance ao baixinho ele é adorável.

 

—Claro, ele não te acertou uma patada né. Mas tudo bem, desde que ele não me atormente para coisas que não envolvam comida. — Falou tentando soar brava, mas Chae sabia que ela não estava. —Acho que você não precisa ficar segurando, deixa ele comer sozinho Chae e venha me dar um beijo de bom dia, até agora só deu atenção pra ele.

 

—Ai poxa, mas que namorada mais ciumenta essa que eu tenho. — Resmungou já deixando o pequeno e indo até a japonesa. Com calma sentou perto dela e lhe deu um selinho simbolizando um bom dia. —Você vai ficar bem? Ele não acertou você de propósito, ele apenas queria chamar sua atenção. — Perguntou a encarando nos olhos, Mina selou os lábios dela e assentiu que sim, bastava se lembrar que ele não era um assassino. —Ok, eu vou tomar um banho e ir pra empresa.

 

  Mina sorriu observando Chae seguir até o banheiro com sua toalha, sentira uma vontade imensa de ir tomar banho com ela, mas desistira ao observar o gatinho já alimentado deitado no lugar da Son na cama, ele parecia muito bonitinho agora todo calminho, mas ainda sim era complicado para ela aceitar que ele não podia lhe fazer mal, pois sempre tivera medo de bichinhos assim. Afim de não pensar nisso e não pensar no quanto tomar banho com Chae seria bom, Mina apanhou seu celular do criado mudo e começou a jogar.

---------------------------------------------------------

Café próximo do hospital - 15h00min:

 

  Com um sorriso no rosto, Dahyun entregou a ficha de suas pacientes na recepção e caminhou até a saída do hospital, estava com mais ou menos uma hora e meia livre para poder tomar um café e relaxar, por isso pretendia aproveitar para conhecer o tão falado café novo que havia inaugurado a pouquíssimo tempo perto dali. A Kim adentrou o local com animação, olhando tudo ao seu redor, era bem espaçoso, a decoração das mesas era fofa até e o ambiente em si parecia bem aconchegante. A mesma escolheu uma mesa próximo da porta e se sentou, não se importaria se outra pessoa sentasse junto de si, gostava de fazer novas amizades mesmo e havia algumas pessoas do hospital por ali, provavelmente relaxando antes de continuar o plantão do dia.

 

—Com licença, será que eu posso me sentar aqui com você jovem senhorita? — Uma voz conhecida ecoou  e Dahyun virou um pouco para o lado, desviando seu olhar do cardápio para a dona daquela voz tão conhecida. Ao ver Momo ali parada ela automaticamente sorriu, ainda a amava tanto que não podia evitar os sorrisos. —Ou esta esperando por alguém?

 

—Tem lugares que são reservados para algumas pessoas sem termos certeza de que elas de fato vem, então sim é claro que pode Momori. Isso me faz lembrar de quando almoçávamos juntas... Era sempre muito bom. — Comentou observando Momo se sentar de frente consigo, agora restava apenas uma cadeira vazia e provavelmente não seria ocupada, pois casais merecem ficar em paz. —Mas o que faz por aqui? Achei que estivesse acertando os tramites da clinica.

 

—Eu resolvi tudo que tinha para hoje na parte da manhã, então vim tomar um café nesse lugar novo, parece ser tão bom. — Explicou tomando o cardápio em mãos e começando a olhar. Dahyun fez o mesmo, ambas estavam nostálgicas com aquela situação, parecia que tinham voltado no tempo. —Acho que quero um capuccino e um pedaço de bolo, você vai querer o que Dubu?

 

—Hm, acho que o mesmo que você, sei que você sempre teve um bom gosto para comida Momori. — Dahyun sorriu e Momo sentiu as bochechas ficarem levemente vermelhas, mas sorriu também e logo sinalizou para que o garçom viesse até elas. —E quando vai ser a inauguração da clinica?

 

—Creio que em um mês mais ou menos tudo vai estar pronto, estou bastante ansiosa com tudo sabe. Mas sei que vai dar tudo certo e vai ser um sucesso, tenho me empenhado bastante em cada detalhe. — Falou e logo pausou-se para pode fazer o pedido. —E no hospital como vai tudo? Os riquinhos que frequentam reclamam muito?

 

—Não muito, é mais quando o atendimento no balcão atrasa, mas isso é raro sabe. Confesso que sinto um pouco de falta de trabalhar no hospital publico, era mais agitado. — Dahyun suspirou longamente se lembrando do quão bom era trabalhar com pessoas mais divertidas que apesar de cercadas de coisas complicadas continuavam a tentar levar sorrisos para as pessoas que atendiam. —Eu esqueci de comentar aquele dia, mas eu amei seu novo corte de cabelo.

 

—Ah obrigada, você também ficou ótima loira, não tem o que não combine com você Dubu, parece que você nasceu para todos os estilos. — Momo comentou e Dahyun sorriu meio sem graça, a japonesa estava com o cabelo mais curto agora, continuava morena, mas o cabelo estava um pouco a cima do ombro, bem parecido com o corte de sua mãe na verdade. —Eu sinto falta do hospital publico também, mas quando a clinica abrir pessoas de todas as classes vão poder frequentar, serei justa e o orfanato não precisara pagar nada, cuidarei das crianças gratuitamente.

 

—Muito lindo da sua parte querer fazer isso Momori, realmente fico feliz. Você sempre foi assim, voltada para o lado de ajudar as pessoas mais carentes e que precisam de bom atendimento, escolaridade e coisas assim mas não tem dinheiro pra arcar. Fora que você ama crianças, vai ser uma ótima mãe um dia. — Dahyun comentou e tomou um longo gole de seu capuccino que havia acabado de chegar. Momo arqueou a sobrancelha e sorriu meio boba, por um momento imaginara o quão bom seria ter filhos com a Kim. —Hm... Bebida aprovada, pena que daqui a pouco tenho que voltar, mas a conversa também esta ótima viu.

 

—Eu concordo, uma pena mesmo. — Momo soltou um suspiro que parecia passar certa chateação ao saber que a Kim tinha que lhe deixar em alguns minutos, o tempo passara tão rapidamente que nem viram direito, Dahyun percebera facilmente, pois conhecia bem a japonesa. Momo bebericou sua bebida e lambiscou o bolo, sua fome já estava sumindo, comentaria com Tiffany quando fosse se consultar mais tarde sobre o momento ao lado dela. —Não deixe de comer seu bolo em.

 

—Pode deixar, já vou comer. — Comentou e de fato começou a comer, Momo silenciou-se também e ficou observando o jeito adorável que ela ficava quando parava para degustar lentamente o bolo que levava até sua boca. —Maravilhoso! Mas já que não vamos poder conversar direito hoje, que tal se você fosse lá em casa no sábado e passássemos um fim de semana divertido? Eu voltei a jogar videogame sabia.

 

—Ah sabia disso não mocinha, mas de qualquer forma você deve estar enferrujada, aposto que ganho facilmente de você. — Momo gabou-se, era realmente boa mas dependia muito do jogo, fora que muitas vezes gostava de deixa-la ganhar, no entanto sabia o quanto ela era boa em alguns jogos. Dahyun sorriu largo e comeu mais um pedaço de bolo, adorava competições com Momo. —Não pense em competir comigo, vou arrasar com você facilmente Dubu.

 

—Isso quer dizer que você aceita? Pode ser como nos velhos tempos, jogamos, comemos bobagens, assistimos alguns filmes e os episódios atrasados das séries. — Dahyun sorriu ladino enquanto a observava Momo que tinha uma expressão pensativa no rosto, a Kim queria muito que ela aceitasse o convite. —Vamos lá Momori, vai ser como nos nossos tempos de ouro.

 

—B-bom e-eu aceito sim Dubu. — Por um momento Momo pensou em recusar para continuar dando espaço para Dahyun, mas também não podia ficar fugindo de interações a sós com ela, estavam reafirmando seus laços de amizade. Dahyun sorriu terminando seu bolo, Momo também comeu seu ultimo pedaço, era pequeno mesmo. —Os tempos de ouro eram tão bons né? Eu realmente gostava muito quando fazíamos tudo isso.

 

—Eu também, mas enfim Momori, infelizmente eu já tenho que voltar. — Dahyun limpou a boca com o guardanapo e se levantou apanhando sua bolsa. —Eu vou deixar a minha parte paga no balcão Momori. — Disse e Momo se levantou também, limpando sua boca e ajeitando suas roupas, Dahyun também ajeitou o jaleco.

 

—Eu pago pode deixar Dubu. — Momo sorriu sapeca e Dahyun deu de ombros, não ia nem discutir com ela, porque Momo quando queria fazer algo do tipo ninguém tirava de sua cabeça. —Você me manda uma mensagem depois falando que horas posso ir pra sua casa no sábado, tudo bem?

 

  Dahyun concordou com um murmuro e as duas seguiram até o balcão, Momo pagou a conta e elas seguiram seus caminhos.

---------------------------------------------

Paris, hotel∕quarto de Tzuyu - 20h00min:

 

  Lentamente adentrou o quarto saindo do banheiro, havia tido um dia cansativo, pois chegara de viagem e não tivera tempo de descansar, apenas se hospedara junto com as demais modelos e fora para o pré desfile, agora finalmente estava em seu quarto novamente e iria poder descansar um pouco. No fundo estava com uma saudadezinha de Sana já, gostaria de estar em casa com ela, tomar banho junto e relaxar na sala vendo qualquer coisa ou fazer bobagens. Sentou-se na cama e apanhou o celular, não podia estar com ela, mas podia ligar como havia prometido fazer, talvez ouvisse um pouco de manha por não ter ligado mais cedo, mas fora isso provavelmente só ouviria coisas boas, por fim discou o numero e aguardou que ela atendesse.

 

—Tzuyu amor da minha vida inteira, porque não ligou quando chegou ai em? — Sana atendera já fazendo manha com a outra, Tzuyu riu baixo e sorriu boba, adorava demais esse jeitinho manhoso de Sana, podia até mesmo imaginar o rostinho dela e o bico enorme nos lábios. —Como você esta? Hospedaram você em um lugar bom?

 

—Desculpa Sannie, mas eu só tive uma parada agora. A gente chegou e foi fazer o pré desfile, ver as roupas que cada uma usar pra não ficar uma coisa meio injusta, hospedagem e tudo mais. Só agora eu tive liberdade pra tomar um banho, comer e descansar direito, então estou te ligando porque bateu saudade. — Confessou espontaneamente e Sana do outro lado da linha sentiu o coração disparar de felicidade, ela sentiu sua falta. —Como foi seu dia?

 

—Muito chato... Estou muito nervosa com a reunião que a empresa vai ter amanhã, queria que você estivesse aqui Tzu... Não sei como vou fazer amanhã, tenho medo de errar ou coisa parecida. — Disse com certa aflição e suspirou cansada, Tzuyu suspirou também, pois entendia o lado dela e realmente gostaria de estar com mesma em um momento importante como tal, mas amava seu trabalho também e não podia deixa-lo de lado. —Nha nem acredito que daqui algumas horas o dia vai amanhecer e você não esta aqui comigo...

 

—Vai dar tudo certo você apenas precisa de um banho, uma bela refeição e dormir bem Sannie, amanhã vai ser um dia e tanto, mas vai dar tudo certo confie em si mesma assim como eu confio. — Tzuyu falou e só então se lembrou do fuso horário, estavam em países diferentes agora e a hora era diferente demais. —Inclusive eu acho que fiz mal em te ligar, é madrugada ai e você tem que dormir bem.

 

—Ah droga você descobriu... Não devia ter falado que já ia amanhecer. Mas eu entendo, você só quer que eu fique bem pra amanhã. Você já vai dormir também? — Perguntou manhosa e Tzuyu resmungou um breve sim. —Promete que vai sonhar comigo?

 

—Prometo Sannie, agora volte a dormir e lembre-se que você é especial demais pra mim meu bem. — Disse sorrindo e Sana sorriu também antes de bocejar longamente. —Boa noite Sana.

 

—Boa noite Tzu... — Resmungou meio mole e ambas desligaram.

 

  Tzuyu jogou o celular sobre o criado mudo e suspirou cansada, com saudades e muito sono, porém ainda tinha certa fome e pedir algo ao serviço de quarto ainda estava em tempo, ela se levantou para ir até o telefone, mas logo se sentou novamente devido a um mal estar, seu estomago revirara bastante e sua cabeça girou, mas não chegara a vomitar apenas ficar  o máximo quieta possível até que passasse. Já tinha alguns dias que estava sentindo tais coisas, suspeitava de algo, mas não queria em hipótese alguma contar para Sana sem ter certeza, não era o tipo que pessoa que fazia alarmes sem tem absoluta certeza de algo.

 

—Droga, de novo isso... Preciso conversar com alguém sobre isso. — Resmungou para si mesma e apanhou o celular novamente, cogitando a idéia de que talvez, apenas talvez mesmo Nayeon estivesse acordada naquele horário, podia ligar para sua mãe também, mas ela sem duvidas faria um alarme e falaria para Sana. Por fim decidiu ligar para a amiga mesmo, se ela não atendesse tentaria outra hora ou esperaria. —Vamos Nay, por favor... Mas que o bebê não acorde.

 

—Oh céus Tzuyu, porque esta me ligando a essa hora? Saudades do Jongin? — Nayeon estava acordada, havia acabado de amamentar Jongin e não conseguia dormir, por isso estava olhando a TV do quarto, não tinha coisas legais passando mas quebrava o galho, pois causava tédio e dava sono. —Aconteceu alguma coisa? Me fala criatura.

 

—Eu tenho sentido umas coisas meio estranhas, como você se sentia quando estava grávida Nay? — Tzuyu não queria ficar enrolando, queria tirar suas duvidas logo ou ficaria maluca sem ter pelo menos uma certeza. A coelha arqueou a sobrancelha direita e olhou para Jeongyeon que dormia na cadeira de visitas, uma fofura, não como Jongin, mas era fofa também.—Você sentia sono direto? Enjoo com quase tudo? Vontade de fazer besteiras com a Jeong? Tontura? Mais fome do que a Momo?

 

—Então, sim eu senti tudo isso quando estava no começo, porque depois que os meses vão avançando os sintomas meio que mudam e claro a barriga cresce. — Nayeon começou a explicar e Tzuyu focou totalmente em suas palavras. —Mas no começo é basicamente isso, sono, enjoo, tonturas, dor de cabeça, cansaço fácil... Hm, os seios ficam inchados e sensíveis também, cólica, inchaço abdominal, fora a variação de humor e o corrimento que pode vir a qualquer hora.

 

—Ai Nay... Então corrimento rosa que vem é disso? — Perguntou e Nayeon resmungou "Sim" o que fez Tzuyu suspirar aliviada. —Menos mal, achei que pudesse estar doente. Mas ai Nay, o restante eu tenho sentido, não é todo dia igual sabe, mas cada dia vem de um jeito. Já faz mais de uma semana que eu tenho sentido esses sintomas, não sei o que fazer...

 

—Amiga, na melhor das hipóteses você esta grávida da Sana, mas como você não gosta de fazer alarmes, vai na farmácia e compra uns dois testes. Faz quando acordar, porque é bom fazer com a primeira urina do dia, só assim pra você ter alguma certeza e se ainda achar que esta em duvida. Quando voltar da viagem faz o exame do hospital, esse é 110% de certeza amiga, não engana. — Nayeon falou calmamente e soltou um leve bocejo, Tzuyu sentiu-se mais confiante e animada, estava pronta pra tirar suas duvidas. —Depois que você fizer me liga, não importa a hora me conta o que deu. Ah e antes que eu me esqueça, trás um presente bem lindo pra mim e um pro Jongin também.

 

—Pode deixar eu vou levar sim e vou te ligar quando souber o resultado, obrigada Nay, você é uma ótima conselheira e amiga. — Falou já se levantando, estava se sentindo melhor e iria ir até a farmácia mais próxima atrás do teste. —Agora vou deixar você dormir, boa noite amiga, de um beijo no Jongin por mim e um abraço na Jeong.

 

—Dou sim, boa noite e boa sorte amiga. Até mais. — Disse e ambas desligaram em seguida.

 

  Tzuyu se trocou tirando o pijama e saiu dali pronta para tirar duas duvidas ou não, já que não era uma certeza de fato...

 


Notas Finais


Enfim é isso, espero que tenham gostado, me digam o que acharam e o que acham que vai acontecer nessa reta final, me contem suas teorias e suposições <3 Desculpem os erros e a demora <33 Amo vocês demais <33 Até mais gente <3333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...