1. Spirit Fanfics >
  2. Love at first sight >
  3. Capítulo 26

História Love at first sight - Capítulo 27


Escrita por:


Notas do Autor


Oiiiiiiiiiii Kwamis 😊😊😊

Mais um capítulo 👏

Nada a dizer sobre esse capítulo kakakakakakaka

Me desculpem qualquer errinho ou se o capítulo estiver ruim

Boa leituraaaaaa 😊

Capítulo 27 - Capítulo 26


Fanfic / Fanfiction Love at first sight - Capítulo 27 - Capítulo 26

P.O.V Marinette

Eu não conseguia pensar em nada, só vi o tio Gabe sair do quarto voando e meu pai vim até mim, eu estava devastada e meu rosto todo molhado pelas minhas lágrimas

- Vamos pro hospital filha, trazemos notícias pra você_ nessa hora arregalei os olhos e voltei meu olhar pro seu rosto sentindo um leve incômodo no ombro pelo movimento repentino

- O que o senhor quer dizer com isso? Eu vou pro hospital_ tentei me sentar, mas minha barriga doeu muito

- Não é bom pra você ir pro hospital filha, você está debilitada

- Papai eu não ligo, eu só quero ver o Ad_ minha voz falhou nas últimas falas e mais lágrimas rolaram pela minha bochecha, meu pai maneou a cabeça e passou as mãos no meu rosto delicadamente tirando as lágrimas, o que não adiantou muito porque mais voltaram a cair, ele deu um beijo na minha testa e me ajudou a sentar

- Tudo bem, vamos_ ele me pegou no colo e descemos. Assim que meu pai pisou lá em baixo vimos tudo um caos. Minha mãe chorava e tentava consolar a tia Emis, a Chlo estava sentada no sofá com o rosto entre as mãos chorando, meu irmão foi em sua direção tentando acalma-la. Tikki se consolava no Plagg e o Plagg na Tikki e o mesmo se repetia com o Nino e a Alya e o Nath e o Marc e eu não tinha em quem me consola, porque a única pessoa que podia me consolar está no hospital agora. Tio Gabe estava andando de um Aldo para o outro freneticamente,  chorando e conversando com alguém no telefone. Meus tios choravam e estavam tentando consolar cada um ali e também em busca de apoio. " Ad, preciso de você" mas não tinha como, porque nesse momento ele estava no hospital, eu não sabia se era grave ou não, eu...eu...eu não sei de nada. Eu só chorei como se alguém tivesse arrancado a vida de mim. Meu pai se sentou no sofá e me colocou ao seu lado e esperávamos o tio Gabe nós informar. Eu chorava como se as lágrimas não tivessem fim

- Bem...an... O Adrien perdeu o controle do carro quando estava tentando freiar e acabou batendo na árvore. A polícia fez a perícia e viram que o carro foi sabotado_ nessa hora eu me lembrei da mensagem

- Kagami_ murmurei baixo

- O que Mari?_ meu pai perguntou, levantei o rosto e olhei pro tio Gabe que me olhava preocupado

- Kagami, foi a Kagami. Assim que liguei a televisão e vi a notícia chegou uma mensagem no meu celular por um número desconhecido que dizia " Se eu não posso ficar com ele, você também não poderá" é a Kagami eu tenho certeza, só ela faria isso e faz todo sentido, a mãe dela atirou em mim por esse motivo e ela está foragida_ concluí baixo com a voz embargada

- Aí meu Deus_ tia Emis levou a mão nos cabelos

- Vamos pro hospital_ concordamos e fomos prós carros e em poucos minutos já estávamos no hospital

- Adrien Agreste_ tio Gabe disse na recepção, enquanto meu pai me sentava na cadeira da sala de espera

- Bom eu não posso dizer o que houve com ele, mas daqui alguns minutos o médico vem falar com os senhores_ vi o tio apenas concordar


{...}

- Parentes do Adrien Agreste?_ concordamos, quis levantar, mas não consegui então permaneci sentada

- Bom_ ele deu uma pausa da morte pra mim, isso só me deixava ainda pior - Ele foi encaminhado pra enfermaria porque ele não teve nada muito grave devido o arbag ter funcionado e o impacto na árvore não ter sido tão forte porque a velocidade dele não estava alta. Ele bateu a cabeça, mas não teve nada além de um corte na testa, ele teve vários arranhões e alguns cortes profundos, ele foi sedado levemente pra podermos dar os pontos e limpar, então daqui meia hora mais ou menos ele acorda_ senti meu corpo falhar com toda aquelas informações mas ao mesmo tempo fiquei mais aliviada de ele não ter tido nada tão grave

- Obrigado doutor_ ele acenou com um sorriso e saiu

- Agora só nos resta esperar_ Plagg disse se sentando ao meu lado, apenas concordamos

- Ele vai ficar bem Mari, aquele ali aguenta tudo_ ele disse e fez um leve carinho no meu cabelo e deu um sorriso

- Eu sei_ disse tentando dar um sorriso, a Tikki sentou do meu outro lado

- Vai dar tudo certo prima, ele é forte_ concordei com a cabeça e ela levou minha cabeça até seu ombro onde eu acomodei ali, senti o Plagg passar o braço por trás de nós e ir até o ombro da Tikki em um meio abraço, ali sorri. Se não fosse por todos os nossos amigos, acho que eu já estaria em um quarto de hospital por ter desmanhado. Meus amigos, não são apenas amigos, pra mim eles são meu irmãos, sorri com esse pensamento e ali fechei os olhos me entregando ao sono mesmo eu não querendo

Acordei com a voz da Al me chamando

- Amiga, acorda amiga_ como eu queria que fosse a voz do Adrien me acordando e assim que eu abrisse meus olhos eu encontrasse seu lindo sorriso, mas não foi isso que aconteceu

- O que houve?_ perguntei

- O médico está aqui_ abri rapidamente meus olhos e foquei no médico que conversava com os adultos. Logo depois ele saiu e todos vieram na nossa direção, tio Gabe tomou a iniciativa de dizer para gente

- Ele está fora de perigo porque não teve nada além do o médico havia dito_ dei um suspiro aliviado, me permitindo respirar mais tranquilamente - Ele já pode receber visitas_ concluiu e todos olharam pra mim

- Pode ir tio Gabe e tia Emis, sei que vocês estão muito preocupados_ dei um leve sorriso - Posso esperar_ eles sorriram e vieram na minha direção dando um beijo nos meus cabelos

- Norinha, você é um anjo que desceu do céu pras nossas vidas_ sorri

- Obrigada tia Emis_ eles sorriram e sumiram pelo elevador


{...}

Nesse momento, minha mãe me empurrava pela cadeira de rodas até o quarto do Adrien. Eles disponibilizaram essa cadeira, porque ia ser difícil meu pai ou qualquer um dos meninos ficarem me levando

Assim que paramos na porta, minha mãe abriu e entramos no quarto vendo ele dormindo serenamente com alguns fios ligado ao braço, tanto de soro quanto de remédio e havia no seu dedo um oxímetro pra olhar os batimentos cardíacos. Minha mãe parou ao lado da poltrona e com a ajuda dela me levantei e me sentei ali

- Vou deixar vocês sozinhos_ ela me deu um beijo na bochecha assim como no Adrien, saindo logo em seguida. O observei bem. Seu rosto tinha um corte na testa assim como médico disse. Seus braços branquinhos agora estavam vermelho e com leves arranhões. Ele estava com a camisola do hospital e com o lençol até a cintura não me possibilitando ver sua perna e abdômen

- Oi Ad_ segurei sua mão entrelaçando nossos dedos - Você não vai demorar a acordar não né, você me assustou sabia_ algumas lágrimas caíram pelo susto, não foi nada grave mas me assustou muito, achei que tinha perdido ele - Achei que ia te perder_ soltei um soluço - Você está bem e não teve nada grave, mas...mas achei que não ia te ver nunca mais, parecia que alguém tinha tirado meu coração e sugado todo o meu oxigênio. Não me dá outro susto desse de novo, se não eu não suporto_ imaginei sua risada e depois ele diria " Nunca faria isso pequena" sorri com esses pensamentos - Te amo_ tomei coragem e dei um selinho nos seus lábios. Nós namorávamos e eu o amava com todas as minhas forças mas a minha vergonha era algo que não me permitia fazer grandes coisas por mais que eu tentasse de tudo controla-la. Deitei minha cabeça na maca em cima das nossas mãos unidas e foquei meu olha no seu rosto perfeito

Depois de um tempo assim vi seus olhos começarem a abrir e logo depois pudim vizualizar as esmeraldas que eu tanto amava. Levantei e esperei ele se acustumar com a luz forte do quarto. Levei minha mão pro seu rosto e logo depois ele me olhou e fez uma expressão confusa

- Quem é você?






























Eu gelei e meus olhos se encheram de lágrimas, tirei minha mão do seu rosto e encontrei minha voz conseguindo dizer

- Como assim quem sou eu??_ perguntei baixinho, eu...eu não conseguia acreditar que ele tinha perdido a memória, realmente a Kagami tinha razão, se ele não ia ser dela não ia ser meu, porque ele não se lembrava de mim. Desabei em lágrimas - Não, você não pode se esquecer de mim, o médico disse que você só teve um corte na testa, nada mais_ o olhei - Porque você se esqueceu de mim?_ perguntei mais pra mim mesma que pra ele, logo depois senti suas mãos no meu rosto

- Ei... ei, pequena_ o olhei pra ele vendo um sorriso no seu rosto, pêra, só ele me chamava de pequena - Ei eu não esqueci você eu nunca poderia esquecer você princesa, eu só queria aliviar a tensão, não achei que você acreditaria_ olhei pro seu rosto e suspirei aliviada

- Não faça isso de novo_ dei um leve tapinha no seu braço onde não estava machucado

- Não vou_ ele sorriu e me deu um beijo na bochecha - Mas... an... Marin poderia me explicar o que tô fazendo aqui?_ o olhei

- Do que se lembra?

- De eu tentando controlar o carro e não conseguindo então bati em uma árvore

- Seu carro foi sabotado Ad_ vi ele se assustar - Bem, quando você saiu eu não tinha nada pra fazer, então liguei a televisão e estava na notícia do seu acidente e bem, eu surtei e imediatamente chegou uma mensagem que dizia " Se ele não vai ser meu, não vai ser seu também" foi um número desconhecido, mas eu sabia que era a Kagami e depois você foi trago pra cá. Você não teve nada grave graças a Deus. Teve vários arranhões e alguns foram profundos e precisou de pontos, aí você foi cedado pra poder fazer os pontos e depois acordou e me matou do coração mais ainda, se demorasse mais um pouquinho talvez você não me tivesse mais aqui

- Nem brinca com isso_ dei uma risadinha - Por isso meu corpo doi e por isso meus braços estão vermelhos e arranhados. Onde eu levei pontos? 

- O médico não disse, deve ser nas pernas, porque no seu braço não tem_ dei de ombros

- Marin_ o olhei e ele tinha aquele sorrizinho que eu conhecia muito bem - Pode olhar pra mim?_ fez uma carinha de cachorrinho que foi impossível eu recusar, mesmo com a vergonha atingindo o grau máximo que eu só alcançava com ele. Levantei devagar o lençol e vi que suas pernas só tinham arranhões leves também

- Não é na sua perna_ ele concordou e começou a levantar a blusa que ele estava. Ele não estava com aquelas camisolas do hospital e sim uma calça de moletom e uma blusa do mesmo material das camisolas e assim que ele levantou a blusa foi impossível não encarar seus 6 gominhos bem marcados. Tentei não encarar e não pensar no dia que eu toquei eles, mas foi impossível quando o Adrien me chamou

- Pequena_ me virei pra ele - Pode olhar pra mim? Sinto que dói no final da minha barriga_ eu olhei e lutei com todas as minhas forças pra não encarar seus gominhos que eram quentes e que eu tinha vontade de enconstar a todo momento. Olhei e vi que realmente, havia três cortes ali. Um no final do abdômen, um no " caminho da felicidade" e um entre os gominhos, todos 3 com 3 pontos

- Tem 3 em lugares diferentes e com 3 pontos em cada um_ ele concordou

- Obrigado_ me sentei na poltrona sendo surpreendida pelos seus lábios nos meus em um leve beijo. Ele se distanciou um pouquinho, mas continuou com os lábios próximos aos meus - Eu já disse que você pode me tocar e me ver não é, não precisa ter vergonha_ corei até a minha alma e ele me deu um selinho rindo - Você fica a coisinha mais fofa e linda coradinha_ me deu um beijo nas maçãs do rosto por cima das minhas sardinhas e onde eu tinha certeza que tava vermelho escarlate de tanta vergonha. Sorri com o seu carinho e logo depois a porta foi aberta, por onde entrou toda a família

- A seu idiota, porque você assustou a gente assim?_ o Plagg veio até ele

- Não tive culpa ok_ o Plagg riu e bagunçou seus cabelos

- Porque seus olhos estão mais vermelhos Mari?_ a Al perguntou e olhei pro Adrien que riu um pouco envergonhado

- Talvez eu tenha fingido que tinha perdido a memória e ela se assustou muito_ o Plagg que tava do nosso lado caiu na gargalhada assim como todos da sala, me permite rir também porque agora foi engraçado mas na hora foi angustiante

- Na hora foi assustador_ disse depois que todos pararam de rir

- Imagino_ tia Emis disse

- Mudando de assunto_ o tio Gabe começou - O médico veio falar com a gente e você recebe alta amanhã_ ouvi ele murmurar um graças a Deus e eu fiquei morrendo de felicidade - E ele perguntou quem vai passar a noite aqui_ eu ia me pronunciar quando o Adrien me interrompeu

- Nem pensar amor_ corei até o último fio de cabelo com ele me chamando de amor na frente de todo mundo - Tem um monte de gente que pode ficar comigo menos você e o Luka, estão debilitados, principalmente você pequena_ fiz um biquinho

- Eu posso ficar_ o Plagg se pronunciou e vi o Adrien fazer uma careta

- Se não encher a minha paciência você pode ficar_ o Adrien resmungou rindo

- Você me ama Adrien, não se faça de difícil_ aí mesmo que todo mundo riu

- Sei não

- Então está decidido, o Plagg vai ficar_ todos vieram e se despediram dele e disseram que ia esperar a gente se despedir. Eu continuava com meu biquinho e me assustei quando vi o Adrien se aproximar e morder meus lábios

- Não faz esse beicinho, você sabe que é meu ponto fraco

- Mas eu queria ficar com você_ disse baixinho tentando superar minha vergonha

- Também, mas hospital pra você agora não é a melhor escolha e amanhã a gente vai se ver e você não pode dormir nessa poltrona machucada assim. Te amo_ me deu um selinho

- Te amo também_ engoli minha vergonha. Me levantei e dei um beijo na sua testa e outro na sua bochecha - Fique bem_ ele sorriu e segurou meu rosto

- Eu vou_ me deu outro selinho e o Plagg entrou no quarto

- Tchau Mari_ ele me deu um beijo nos cabelos e eu o abracei com meu braço bom

- Tchau Plagg_ saí e me sentei na cadeira de rodas e assim fomos pra casa

Fui pra casa tendo a certeza que tudo ia ficar bem agora

Assim que chegamos em casa recebemos a notícia que eles haviam achado a Kagami e que ela foi presa e o julgamento dela e da mãe aconteceria daqui uma semana

Depois de tomar banho com a ajuda da Tikki, porque agora mesmo que eu tava sem conseguir fazer praticamente nada, me deitei do lado do Adrien da cama e no seu travesseiro e com seu cheiro eu pensei que poderia dormi, mesmo que mal, porque eu já havia me acustumado com ele sempre ali pra mim. O Nath estava do meu lado, porque eu não ia conseguir dormir sozinha

- Dormi Mari, ele tá bem_ ele me deu um beijo na testa

- Eu sei, mas não consigo dormir sem ele_ disse o que tava preso na minha garganta

- Eu sei, mas tenta_ concordei

- Obrigada por tudo Nath_ ele sorriu e me deu um beijo na bochecha

- Não tem que me agradecer por nada Mari_ sorri e me concentrei no cheiro do Ad pra dormir


Notas Finais


Espero que tenham gostado

Eu preciso que vcs me digam que o coração de vocês estão bem, depois do susto que eu dei em vocês, sorry 🤭🤭👉👈👉👈

Comentários sempre bem vindos no meu coração ♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️♥️

Bjsss 😚😚😚😚
Tchauzinho 👋👋👋👋👋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...