1. Spirit Fanfics >
  2. Love Beyond Time >
  3. Carta de despedida.

História Love Beyond Time - Capítulo 97


Escrita por:


Notas do Autor


Capp novo❤❤
GENTE E AGORA ASSUNTO SÉRIO: VOCÊS QUEREM UMA MARATONA TIPO.... AMANHÃ? DÊEM A OPINIÃO DE VOCÊS (MAS NÃO VALE SÓ UMA PESSOA FALAR QUE QUER HEIN!!)

Capítulo 97 - Carta de despedida.


Fanfic / Fanfiction Love Beyond Time - Capítulo 97 - Carta de despedida.

Elle narrando

Acordei no outro dia, com a minha cabeça latejando de tanta dor. Mal conseguia ficar sentada.

Olhei pros lados, vendo que estava deitada no sofá da sala. No chão estavam Yellen, Alexy e Rosa. Só Kate que tinha sumido. Provavelmente estava lá em cima com nossas crias.

Não conseguia lembrar de nada do que tinha rolado ontem. Nada mesmo. Só lembro que enchi a cara e devo ter feito bosta.

Com muita força de vontade, consegui levantar. Tudo girava. Senti um embrulho no estomâgo e corri pro banheiro, colocando tudo pra fora.

"Merda! Porque eu tive que beber?" Pensei, me sentindo mal pra porra

Lavei o rosto, pra ver se adiantava de algo. Não adiantou. Eu estava pique zumbi.

Suspirei e voltei pra sala, chacoalhando meus amigos.

- Hum.... Pera aí. Aly resmungou

As outras duas nem se mexeram. Bufei, desistindo. Não conseguia me esforçar muito, sem sentir dor. Só me joguei no sofá e fiquei parada, sentindo minha cabeça latejar.

- Meu Deus..... Mas o que aconteceu aqui? Ouvi a voz de Cida, entrando pela porta

- Shiuu. Mais baixo. Minha voz saiu quase que como um gemido

Ela veio até mim, com as sobrancelhas arqueadas.

- Elle! Parece que te bateram menina! Disse negando com a cabeça

Fiz bico, colocando a mão na cabeça. Cida suspirou, olhando pros meus amigos. Depois, foi até eles.

- Bora. Acordem! Falou firme

Os três começaram a resmungar e ela os chacoalhou, até que abrissem os olhos.

- Calma, calma mona! Alexy disse ainda estirado no chão

- Ai minha cabeça. Yellen resmungou

- Nossa.... A gente exagerou ontem! Leigh deve estar atrás de mim. Rosa suspirou, levantando rápido e gemendo de dor em seguida

- Todo mundo subindo pra se arrumar. Vou preparar um café preto pra vocês! Anda! Cida mandou, ouvindo reclamações, porém nem rendeu. Colocou todo mundo pra cima.

Eu por minha vez, tava mall memo. Papo. Mesmo depois de ter vomitado, meu estômago revirava. Como se tivesse alguma coisa dentro do mesmo.

- E a senhorita? Não vai me obdecer? Vou ter que pegar o chinelo? Disse séria

- Eu não tô bem..... Murmurei

- Claro que não está! Encheu a cara. Respondeu cruzando os braços

Ia responder, mas fui tomada por outro enjoo. Corri até o banheiro, vomitando novamente e me sentando no chão, passando mal. Cida veio atrás, me colocando sentada na bacia e jogando água em meus pulsos.

- Ai minha filha..... Você não tem jeito mesmo. Negou com a cabeça

Depois, me ajudou a levantar e fomos até a cozinha. Lá, me deu um remédio pra enjoo e outro pra dor de cabeça. Tomei os dois, debruçando em seguida sobre a mesa, deitando a cabeça nos meus braços e fechando os olhos.

Ouvi passos. Olhei de canto dos olhos, vendo meus parceiros. Um pior que o outro. Isso é, menos Kate. A mandada estava plena. Com Jade no carrinho e Pedro no colo.

- Bom dia! A cacheada falou alto

- Shiuu! Geral disse, inclusive eu

- Cês são muito fraco pra bebida né? Porra! Respondeu tirando com a gente

Porém ninguém rendeu. Nem pra isso, estavámos prestando.

Kate veio se sentar comigo e me deu Jade. Suspirei, pegando-a. O foda de ser mãe, é que tu pode tá pessima. Mas tem que continuar cuidando da cria.

- Tomem! Vocês vão melhorar. Cida disse, distribuindo café preto pra todos

Começamos a tomar, quietos. Jade brincava com a minha aliança. A qual eu não tinha tirado. E por enquanto, nem conseguia.

Aos poucos, a cara do povo foi dando uma melhorada. E uns papos começaram a surgir......

- Mas então... Rosa deu uma pausa, antes de completar olhando pra mim..... Você se lembra de alguma coisa de ontem?

Franzi as sobrancelhas

- Não! Porque? Perguntei confusa

Vi geral desviar o olhar. E já entendi que tinha feito merda.

- Anda, solta a voz. Falei sem paciência

- É que a bebida né amiga, é assim, realmente uó. Aly enrolou

- Pois é. As vezes a gente acaba agindo no impulso também.... Rosa disse engolindo á seco

Bufei

- Que porra eu fiz? Falei sentindo meu coração acelerar

Todos em silêncio.

- Solta a voz porra. Repeti, mais alto

- Tu quer mesmo saber? Então pega teu biriri aí. Kate mandou retinho

Engoli á seco, pegando meu celular já com o cú na mão. Entrei no whatsapp e quando vi a última mensagem que passei, tive um surto.

Não era possivel. Eu não podia ter feito essa porra.

Minha respiração começou a falhar. Meu corpo tremia todinho.

Deixei a Jade na cadeirinha e comecei a andar de um lado pro outro na cozinha, com as mãos na cabeça.

- Puta que pariu! Porque ninguém me impediu? PORQUE? Me descontrolei

- A gente tentou! Depois que você ligou pro Nathaniel a.... Rosa ia dizendo, mas interrompi

- EU LIGUEI PRO NATHANIEL? BÊBADA? Gritei desesperada

Eu já imaginava o papo que eu devia ter mandado pro loiro. A humilhação que devo ter passado. Meu Deus!

- Amiga, se acalma! Tu vai criar um burraco aí no chão pô. A cacheada falou

- Tu quer que eu faça o quê? Eu PERMITI que o Dake pudesse ver a Jade. Falei, com os olhos já lacrimejando

- Vêm aqui mona, vem..... Aly disse, me colocando sentada denovo

- Olha, ele respondeu? Rosa arqueou as sobrancelhas

Olhei pro meu biriri denovo. E infelizmente a porra da minha mensagem tinha resposta...... Ele agradecendo a oportunidade e marcando um encontro pra hoje á tarde. HOJE Á TARDE PORRA.

- Eu quero morrer! Quero MORRER! Falei tendo outro surto

- É, pelo jeito ela teve resposta.... Yellen falou, tomando mais um gole de seu café

- Sim eu tive! Eu tive! HOJE! HO-JE. Respondi, chorando

- Hoje? Taporra. Kate falou mordendo os lábios

Rosalya suspirou e chegou perto de mim, me obrigando á olha-lá.

- Amiga, sei que você deve estar morrendo de arrependimento agora. Mas nada na nossa vida é atoa, de verdade! Lembra o que eu te falei ontem? Pois é. VOCÊ tem mágoas contra o Dake. E com razão. Ele foi um grande filho da puta. Mas, agora, você é mãe. E uma mãe, muitas vezes põe o bem estar do filho, na frente de tudo. Falou séria, limpando minhas lágrimas

- Mas é o que eu tô fazendo. Visando o bem dela! E o bem dela, é longe daquele pau no cú! Falei indignada

- Será? Ou isso é o que você acha? Porque, como eu disse, você tem mágoas dele. Por erros do mesmo. Mas a Jade.... Ela não tem nada haver com isso amiga! Ela não tem mágoa do pai dela! Até porque é uma bebê. Você tá se baseando no que passou, nas suas frustações com esse surfista. Só que as pessoas mudam..... Terminou de dizer

Eu não sabia o que pensar. Será que eu estava sendo..... Egoísta?

Olhei em volta, pra minha filha e suspirei.

- Sua amiga tem razão querida! Cida opinou por último

- Eu..... Preciso pensar. Respondi mordendo os lábios 

Todos voltaram a tomar o café. Enquanto eu, me matava de gastar neurose.

.....................[.....]............[.....]....................

E lá estava eu. Indo pro shopping com Jade, encontrar o Dake. Sim, eu tinha decidido deixa-ló conhecer a piveta!

Gastei muita neurose com o que a Rosa disse. Muita mesmo. Também me xinguei muito, por ter mandado aquela mensagem ontem. Mas no fim, talvez tenha sido o destino.

Rosalya tava na razão. Talvez, eu tivesse impedindo a Jade de ter uma relação com pai biológico, por traumas meus. Por medos que EU tenho. E isso, egoísta.

Não quero que minha filha cresca com a sensação de que foi renegada pelo pai. Por mais que Nathaniel decida continuar a tratando com filha. Tô ligada que no futuro, minha bebê possa á vir sentir necessidade de saber sobre o surfista. Já vi isso acontecer muito. E não vou deixar acontecer com ela. Não quero me sentir culpada por ter impedido essa relação.

Além de que, ainda tem o bagulho dele vir á exigir seus direitos na justiça e acabar descobrindo sobre minha relação com traficantes. 

Até porque, mesmo estando separada do Nathaniel, o nome dele ainda está na certidão da Jade. E eu não consigo ser tão injusta ao ponto de querer mudar isso. E mesmo que o loiro "sumisse". Minha relação com o tráfico ia bem além disso. Meu pai era traficante. Meu primo era traficante. Meus parceiros, ou eram traficantes ou fiéis dos mesmos. Não tinha como ignorar todo esse bagulho.

E também não tem como esconder isso do Dake pra sempre. Se ele fosse mesmo querer continuar com essa parada de ser "pai", uma hora ou outra, eu ia ter que mandar a real.

Mas, enquanto eu pudesse esconder, esconderia. Primeiro, quero sentir qual é a dele. Na real memo. E se por acaso, quando eu TIVER que mandar a real, esse surfista vim com o papo de querer tirar minha filha de mim, eu sumo! Pego a Jade e sumo. Largo tudo. Nathaniel, meu pessoal, meus amigos. Tudo! Minha bebê sempre vai estar em primeiro lugar.

Sai das minhas neuroses, chegando no estacionamento do shopping.

Suspirei, tentando me manter calma e olhei pra trás, vendo Jade na cadeirinha.

- Vai dar tudo certo viu, princesinha da mamãe! Falei forçando um sorriso e ela fez balbucios com a boca

Mordi os lábios e sai, a colocando no carrinho, fechando todo o carro e esticando pra dentro do lugar.

Tinha marcado de ver Dake na praça de alimentação. Fui até lá e já o avistei de longe.

Engoli á seco, firmando os pés no chão e ignorando toda minha aflição. Quando o surfista me viu, fixou os olhos em mim. Parecia nervoso. Só não sei se mais do que eu.

Em passos curtos e sentindo minhas pernas bambearem, fui até ele. Respirei umas três vezes, antes de parar em sua frente.

- Oi.... Disse com um sorriso fraco

Respondi com um aceno de cabeça

Seus olhos foram pra baixo, parando no carrinho. Ele ficou um minutos quieto, meio assustado, encarando Jade.

Depois de uns instantes de silêncio, Dake soltou

- Ela é..... A Jade? Perguntou piscando algumas vezes

Tomei forças pra dizer

- É, é ela!

O surfista arqueou as sobrancelhas. Parecia não saber como agir. Fiquei parada, em pé, esperando. Porém nada acontecia.

Bufei, tomando uma atitude.

- E então? Me fez vim aqui, pra ficar parado aí feito trouxa? Mandei retinho

Ele pareceu sair do seu transe, me olhando.

E-eu.... Caralho. Disse coçando a nuca

Suspirei, sentando em uma mesa e pegando Jade no colo.

- Vem aqui! O chamei

Dake se aproximou cuidadoso, se sentando ao meu lado. Peguei minha filha, a posicionando de forma confortável no meu colo.

Em seguida o surfista se aproximou dela, abrindo um sorriso.

- Ela parece com você. Muito! Comentou

Concordei, indiferente.

- Olha filha..... Esse é o Dake! Falei com a voz fina, pra minha bebê que observava tudo com seus olhinhos verdes e mordia suas próprias mãos

- Quer pegar? Ofereci, depois de mais um tempo de total silêncio

O surfista me olhou, meio surpreso.

- Acho melhor não. Vai que eu a machuque..... Respondeu nervoso

Revirei os olhos de leve.

- Eu te ensino. Só relaxa. Falei séria

O mandei ajeitar os braços, de forma que eu pudesse encaixar Jade entre os mesmos. Depois, o fiz segurar com uma mão, a cabecinha da piveta, e com outra, seu corpinho.

Ele fez direitinho. Porém ainda estava bem tenso.

- Viu? Não é tão complicado. Falei dando de ombros

Dake estava usando toda sua concentração pra segura-lá. O sorriso estampado em seu rosto, parecia verdadeiro. Ele tava pousado na na Jade.

Porém, minha bebê começou a fazer sua manha básica e o vacilão me olhou meio desesperado.

Achei até graça. Jade era um doce, porém sempre fazia graça com quem não conhecia.

- Relaxa. Só balança ela devagarzinho e vai falando com ela, baixinho. Aconselhei

Ele assentiu, engolindo á seco.

- Oi, Jade.... Começou a dizer, dando uma pausa, antes de completar..... Você é muito linda!

O surfista parecia um idiota falando com uma bebê. Mas a cena, não estava tão ruim.

Ele continuou falando e aos poucos, Jade foi se acostumando com o mesmo. As vezes o surfista me dava umas olhadas, como se dissesse "Tô fazendo certo?". Eu só concordava e observava. Em um momento, quase soltei um sorriso, mas segurei.

Na gravidez, eu imaginei essa cena, uma pá de vezes. E agora ela tava acontecendo. O bagulho não estava tão ruim quanto eu pensava que seria. Quer dizer, eu ainda tinha muita mágoa desse filho da puta. Mas sei lá. Querendo ou não, ele tinha me dado á melhor coisa da minha vida. A minha filha!

- Eu.... Trouxe uma coisa pra ela. Soltou, sem tirar os olhos da piveta

- O quê? Arqueei as sobrancelhas

Dake me devolveu Jade, com cuidado. Em seguida, tirou um tipo de caixinha do bolso e me entregou. Abri curiosa, vendo uma pulserinha, em forma de concha.

- A concha representa o mar, que é o que eu amo. Comprei pra ela se lembrar de mim! Explicou

Fala pra tu, tava até meio impactada.

- Valeu! Agradeci e peguei a pulseira, colocando em Jade com delicadeza

- Olha meu amor, como ficou linda! Falei pra ela, que já queria levar a pulseirinha na boca, porém não deixei

- Ficou linda mesmo. Acho que ela gostou, não? Perguntou me encarando

- Olha, tudo o que ela gosta, coloca na boca..... Então, eu acho que sim. Falei sorrindo fraco e ele soltou um risinho

Continuamos dando atenção pra piveta, até que a mesma começasse a ficar com sono e dormisse. A coloquei no carrinho. Agora tinhamos ficado só eu e Dake.

Precisavamos bater um lero. Eu tinha que saber qual era a dele, daqui pra frente, contando que já conheceu Jade.

- Eai? Qual vai ser daqui pra frente? Mandei retinho

Na moral, vi o surfista ficar até meio pá.

- Como assim? Falou confuso

- Tu queria conhecer ela. Pronto, conheceu! E agora? Decidiu se vai querer continuar com isso? Mandei serinho

Ele engoliu á seco.

- Eu senti algo diferente. Uma coisa, que não consigo explicar. Mas é bom! Então.... Sim. Queria ter a oportunidade de me aproximar mais! Falou sério

Senti meu coração apertar. Porém não deixei isso aparecer.

- Sabe Dake, eu pensei. Pensei muito. E não vou tentar te impedir de ter uma relação com a Jade! Querendo ou não, tu é o pai dela. E quero que a gente resolva isso entre nós dois. Falei o encarando

Vi uma expressão de relaxamento tomar conta do mesmo.

- Elle eu.... Valeu. Valeu mesmo. Vou fazer tudo como você quiser! Disse abrindo um outro sorriso

Senti um tipo de alivio. Se ele iria fazer as coisas do meu jeito, isso quer dizer que não ia ter justiça no meio, certo?

- Tá..... Então NO COMEÇO fazemos assim. Tu pode ver ela, quando quiser. É só me passar mensagem, e a gente se encontra. Depois, vamos vendo como que fica. Mandei retinho

Ele assentiu. 

- Agora, me diz uma coisa.... E tua carreira de surfista? Porque que eu me lembre, tu só veio pra um torneio. Falei arqueando as sobrancelhas

Dake suspirou.

- Eu, vou dar um tempo nisso. Quero ficar aqui, conhecer mais dela. Respondeu firme

Uma pontinha de frustação me atingiu. Quem me dera se uma onda levasse esse filho da puta. Mas enfim, se não tinha jeito......

- Tá, então tá bom! Falei simples, fingindo estar o mais plena possível

Dake ficou olhando meu rosto por quase um minuto. Já tava ficando meio incomodada.

- Qual foi? Perguntei a olhando

- Elle, eu estava pensando.... Quando fui embora, você estava de rolo com aquele Nathaniel. E agora, me disse que estava noiva. Você não vai casar com ele, vai? Mandou serinho de uma vez

Fala pra tu, minha respiração chegou a falhar. Não podia jogar a real agora. Mal tinhamos acabado de nós "entender" sobre o perreco de Jade. Ainda não tinha conseguido o decifrar a ponto de saber como reagiria se descobrisse sobre meu rolo com o Nathaniel. E com o tráfico.

- Não! Terminei meu rolo com o Nathaniel a muito tempo. E sobre meu noivo.... Não deu certo! Menti, porém nem tanto né

- Mas então, porque você ainda está com o anel? Franziu as sobrancelhas

"Merda!" pensei, me xingando

Respirei fundo, antes de respnder

- É..... Meu noivo, eu gostava muito dele. Muito mesmo. Ele amava a Jade também. Tratava ela muito bem. E tudo acabou derrepente. Ainda não superei!

Fala pra tu, quase que eu choro na frente desse pau no cú denovo. Falar disso ainda doi tanto, que tu nem imagina! Sem contar que usei todo meu auto-controle pra não explanar que foi graças aquele maldito beijo, que minha vida virou um inferno.

- Sinto muito pelo seu noivado. De verdade! Falou me encarnado e continuou.... Mas, fico aliviado pela parte de que se afastou do Nathaniel. A fama dele pela cidade não é nada boa. E me preocupou muito pensar que você poderia estar envolvida, com a Jade, no meio disso.

Paralisei. Meu ar faltou denovo. Fiz de tudo pra tentar manter minha cara neutra, mas se pá, nem consegui.

Dake tinha acabado de deixar claro, que não iria aceitar o Nathaniel envolvido com a Jade. 

"Meu Deus.... Porque? Porque tanto perreco na minha vida?" pensei com um nó na garganta

- Elle, tudo bem? Perguntou confuso

Assenti, pegando meu biriri e olhando as horas.

- Eu, preciso ir! Falei rápido

Dake arqueou uma das sobrancelhas.

- Mas já? Disse

- É.... Eu tenho que.... Enfim, a Jade já está cansada! Respondi toda atrapalhada

O surfista olhou pra piveta, que tava capotada de sono no carrinho.

- Bom, tudo bem. A gente se vê? Perguntou, como se quisesse ter certeza

- Sim! Quando tu quiser ver ela, como o combinado. Falei firme

Ele respirou mais tranquilo, abrindo um sorriso simpático.

- Muito obrigado Elle. Mais uma vez. Você não vai se arrepender. Falou me olhando

- Já me arrependi. Murmurei de forma que só eu ouvisse e depois o olhei, sorrindo sínica

Em seguida Dake se despediu de Jade, que ainda estava dormindo. Depois me despedi, só com um aceno de cabeça e estiquei de lá, o mais rápido que podia.

Precisava de ar. Precisava respirar! Minha cabeça, que já doía por conta da ressaca, só piorou.

As palavras daquele surfista sobre Nathaniel, não saiam da minha mente.

Será, que seria um surto muito grande, se eu pegasse Jade e sumisse agora? Porque no momento, era essa minha vontade.

Podia ser que, daqui um tempo, quando Dake ficasse mais próximo da Jade, ele conseguisse entender sobre a ligação dela com o loiro. Sobre tudo o que aquele idiota fez pela piveta. Ou, se pá, não entedesse porra nenhuma e jogasse na minha cara que coloco minha filha em risco perto de traficantes.

Só ficava em dúvida, se eu queria pagar pra ver, pra onde esse bagulho iria.....

Tentei ficar mais mec. E quando consegui, fui em direção a minha nave, entrando novamente nela, com a Jade. Em seguida, meti marcha pra quebrada.

Cheguei lá rapidinho, passei a barreira e fui subindo, porém quando estava no meio do morro, meu carro foi parado por uma moto.

"Qual será o B.O da vez?" pensei suspirando

Um muleque desceu da moto, e quando tirou o capacete, vi que era o DG. Arqueei as sobrancelhas e desci os vidros da nave.

- Qual foi? Perguntei confusa

- Cadê tua amiga? Parecia transtornado

- Que amiga, doido? Franzi as sobrancelhas

- A Bruna caralho! Respondeu grosso

- Ué.... Ela não tava na goma da tia dela? Falei, ainda mais confusa

A cara do DG estava péssima. Uma mistura de ódio e tristeza.

- Então tu não sabe de nada? Nada mesmo porra? Insistiu

- Não! Falei firme

Ele bufou

- Cola lá na goma dela. Mandou e voltou pra sua moto

Assenti, meio pá e fui o seguindo até a casa da minha amiga. Cheguei e já desci com Jade no colo, entrando na goma com DG.

Parei, quando vi um certo alguém sentado no sofá. Vulgo Nathaniel. O bagulho estava ficando cada vez mais estranho.

- Que porra tá acontecendo aqui? Falei séria, já sentindo um aperto no coração

- Ah, então tu vai falar que não sabe caralho? Nathaniel se virou pra mim, com seu olhar frio

- Já falei que não! Respondi revirando os olhos

O loiro soltou um riso seco

- Tu não vem com câo, que eu não caio mais não, tá ligada? Tu é tão vacilona, quanto tua amiga. E se ela criou esse perreco, foi com a tua ajuda. Falou raivoso

Fala pra tu, meu dia já não tinha sido fácil. E ele estava conseguindo piorar.

- Tu tá ficando maluco? Faz dias que eu não vejo a Bruna! Ajudei no quê? Falei alto

- Vai se foder, mentirosa do caralho. Falou no mesmo tom que eu, completando pro DG..... Não acredita nessa porra não fioti.

- Escuta aqui.... Comecei a falar, porém fui interrompida pela Jade, que acordou e começou a fazer manha

- Ae, tá vendo..... Vocês conseguiram até acordar a piveta com essa palhaçada. DG disse cruzando os braços

Ficamos quietos. Tentei balançar Jade, pra acalmar, mas sem sucesso.

- Dá aqui. O idiota falou seco

Franzi as sobrancelhas, pensando em negar, mas o choro alto da minha filha me fez desistir na hora. A entreguei pro Nathaniel, que a colocou sobre o peito. No mesmo momento, ela se agarrou no loiro e começou a se enroscar nas correntes do pescoço dele.

Suspirei, olhando á cena.

- Ela sente tua falta.... Comentei

Nathaniel só me olhou de cima á baixo, indiferente e em seguida voltou sua atenção pra piveta.

Neguei com a cabeça, fingindo não ter me afetado e virando pra DG.

- E então.... Qual foi? Perguntei séria

- Lê essa bosta. Me entregou um papel

Estranhei. Mas abri o bagulho, fazendo o que ele tinha dito.

"Bom, sei que agora, vocês devem estar me odiando. Me achando uma filha da puta, completamente egoísta. Mas espero que um dia, entendam minha decisão. Porque não tá sendo fácil pra mim. Podem ter certeza que não. Porém, a vida que eu estava levando, não me satisfazia mais. Juro que tentei. Tentei DG, passar por cima de tudo o que eu queria e ser apenas sua fiel. Tentei Madu, assumir um papel de "mãe" e cuidar de tu. Tentei Elle, seguir todos os seus conselhos (inclusive saiba que eu ouvi todos. Todos eles. Você é maravilhosa e nunca deixem que te façam pensar o contrário) mas enfim, não consegui! Fui e sou completamente falha com vocês! E espero que um dia possam me compreender e se pá, perdoar. Amo todos, com todo o meu coração!

Ass: Bruna

Fala pra tu, acabei de ler aquilo, completamente impactada. Eu não tava crendo no que a Bruna tinha feito. E o foda, é que tinha certeza, que aquele tal policial tinha influência nisso. Pelo menos, um pouquinho.

Um misto de sentimentos tomou conta de mim. Raiva por ela ter me deixado, saudade, surpresa...... E por outro lado, compreensão. Bruna sempre foi muito parecida comigo. Nossas idéias sempre bateram. Porém ela sempre foi mais corajosa. E decidida também. Se um bagulho não tava bom, minha amiga simplesmente abria mão. Sem pensar muito nas consequências.

Ela nunca quis viver como fiel de traficante. Nunca foi fã dessa vida. Bruna queria mais. Queria viajar, conhecer o mundo, ser rica, sair da quebrada. Assim como eu. 

Mas ao contrário de mim, que acabei mudando e abrindo mão de muita convicção minha, ela não conseguiu. Não conseguiu fazer isso. E eu, a entendia pra caralho. Na real, no momento, até queria ter um pouco dessa coragem que minha amiga teve.

- Eae caralho.... Sabe de algum bagulho? DG me tirou dos meus pensamentos

Arqueei as sobrancelhas

E-eu... Não. Não sei. Tô tão chocada quanto tu! Falei engolindo á seco

Não ia comentar sobre o policial. A merda só ia piorar se eu falasse.

- E porque ela falou que tu deu conselho aí porra? Continuou insistindo

- Pra mim essa vacilona tá de câo. O outro se meteu

- O que tu tá fazendo aqui mesmo? Porque que eu saiba, nem parceiro da Bruna tu é! Mandei retinho pro loiro

- Se liga carai. Eu podia ter meus desacertos com a mina, mas antes de tu pensar em colar nessa quebrada, eu já conhecia a Bruna. E eu também tô dando uma força pro meu parceiro. Tenho um bagulho chamado fidelidade com quem corre comigo. Mas tu não deve saber o que isso né caralho? Disse a última parte com irônia

- EAI PORRA. Cês podem focar aqui caralho? DG chamou a nossa atenção

Suspirei

- Escuta DG, eu realmente não sei de nada. Os conselhos que ela citou aí, é tipo conselho amiga de pra amiga, tá ligado? Nada demais. Falei séria

O muleque pareceu se convencer.

- MERDA! Vou matar aquela desgraçada. Gritou, dando um soco no sofá

Fala pra tu, eu tinha dó dele. DG era pousado na da Bruna.

Mordi os lábios, olhando em volta, até que lembrei de uma coisa. Ou melhor.....

- E a Madu? Perguntei afoita

O traficante suspirou.

- A piveta tá lá no quarto. Não quis ver nem comédia ali. Falou apontando pro Nathaniel

Fechei os olhos. A piveta deve tá sofrendo tanto....

- Eu vou tentar! Falei firme

- Tu que sabe. Deu de ombros, continuando.... Último quarto, a direita.

Concordei, olhando de canto de olhos e vendo Jade toda calma, no colo do idiota. Aproveitei e segui á direção que o outro tinha me dado.

Cheguei em uma porta colorida. Bati. Mas só ouvi um silêncio.

Respirei fundo.

- Sou eu princesa... Abre pra titia. Pedi

- Não quelo! Uma vozinha fina ecoou

- Por favor Madu! Eu só quero te ver. Insisti

- Não. Nenhum adulto gosta da Madu. Todo mundo deixa eu. Disse, e eu a ouvi fungar

Meu coração se apertou, com as suas palavras.

- Oh minha pequena.... Os adultos são complicados mesmo. Mas eu não quero te deixar. Eu quero te ver princesa. E te dar um abraço bemm apertado. Falei com a voz doce

Silêncio denovo. Suspirei, sentando no chão, encostada na sua porta.

- Eu vou ficar aqui, até tu abrir.

- Pode fica. Respondeu teimosa

Mordi os lábios. Eu não ia desistir.

Comecei a ficar com frio. Hoje estava meio frio e o chão estava gelado.

Depois de um tempo, espirrei.

- Ocê vai ficar doentinha.... Ouvi uma voz, perto da porta

Sorri

- Se uma certa pessoinha me deixar entrar e cuidar de mim, talvez eu não fique.... Comentei, fazendo biquinho, mesmo que ela não pudesse ver

Ouvi uns passos e logo a porta se abriu. Levantei rápido, aliviada.

Olhei seu rostinho. Os olhos inchados não negavam que Madu tinha chorado.

Minha única reação foi me abaixar na sua altura, e a envolver nos meus braços. Pra minha surpresa, a piveta aceitou, me apertando. Senti suas lágrimas molharem minha blusa.

A peguei no colo, indo com a mesma até a cama. Fiquei com ela no colo, me apertando, por mó cota, até que a mesma se afastasse um pouquinho.

- Titia.... Porque minha maninha não gosta de mim? O que eu fiz? Perguntou, com o dedo na boca

Mordi os lábios. Estava quase chorando junto com a Maria, por ve-lá assim.

- Madu, eu.... Tua irmã gosta de tu. Gosta muito. Mas ela precisava, fazer uma viagem. Que talvez, demore um pouquinho. Tentei ser convincente

- Madu sabe que a minha maninha foi embora. E me deixou. Rebateu, deixando lágrimas cairem

Eu estava completamente perdida. Não sabia como lidar com isso.

- Deita aqui no colo da titia. Pedi

A piveta me olhou, se aproximando e fazendo o que eu tinha dito.

Respirei fundo.

- Sabe Maria..... Quando algo me deixava muitoo chateada, minha mãe sempre cantava uma música pra mim. Que me fazia ficar melhor. Falei acariciando seus cabelinhos

- Qual titia? Disse baixinho

Respirei fundo, fechando os olhos e lembrando da música que minha coroa sempre cantava. Tentei não chorar, e comecei....

{Eu encaro meu reflexo no espelho

Por que estou fazendo isso comigo mesma?

Perdendo minha cabeça por um pequeno erro

Eu quase deixei meu verdadeiro eu de lado

Não, não, não, não, não

Não perca quem você é no borrão das estrelas

Ver é enganar, sonhar é acreditar

Tudo bem não estar bem

Às vezes, é difícil seguir seu coração

Lágrimas não significam que você está perdendo

Todo mundo se machuca

Só seja verdadeiro com quem você é}

Quando terminei, foi impossível não deixar descer algumas lágrimas. Eu lembrava muito da minha mãe com essa letra. E também, ela se encaixava muito no que eu estava vivendo!

- Escuta Madu..... As pessoas nem sempre vão ser totalmente boas com nós. Na real, elas vão fazer o que tiver no alcançe delas. Ou as vezes, nem isso. Mas TU não pode se perder. Porque tu é muito mais do que a merda, que a vida as vezes pode te fazer parecer ser! Falei, limpando suas lágrimas e as minhas também

Ficamos em silêncio. A sentia se acalmar.

- Titia.... Maria chamou minha atenção depois de um tempo, me encarando

- O que foi pequena? Falei arquando as sobrancelhas

- Jura que não vai deixar a Madu? Perguntou, me olhando, o medo dominava seu olhar

Naquele momento, mesmo com todos os B.O, mesmo mal tendo como me sustentar, ou sustentar a Jade, meti o foda-se. Não podia deixa-lá. E tenho certeza que a vontade de Bruna, era que sua irmã ficasse comigo.

- Não vou! Tu vai vir comigo, pra onde eu for! Prometo! Respondi, a encarando profundamente

Madu abriu um sorriso, em meio ao choro, me abraçando forte, novamente.

E no momento, só isso importava!


Continua.....



Notas Finais


Ai minha Madu💔💔


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...