1. Spirit Fanfics >
  2. Love Beyond Time >
  3. Troca de tiros.

História Love Beyond Time - Capítulo 99


Escrita por:


Notas do Autor


Maratona 2/3

Capítulo 99 - Troca de tiros.


Fanfic / Fanfiction Love Beyond Time - Capítulo 99 - Troca de tiros.

Will narrando

Fala pra tu, tava nem crendo ainda, no papo que a Yellen tinha mandado pra mim. Porra, eu traí a mina e mesmo assim ela me mandou ir atrás de quem eu gosto. Por uns bagulho desse tipo, que por uma cota, não quis deixar a morena. Ela é foda e eu não queria fazer mal pra mesma. Mas hoje tô ligado, que ela merece alguém que a ame, e não que fique com ela, por admiração ou amizade.

Enfim, o proceder é que, graças a ela eu tô esticando atrás da Ambre. A loira ficou puta comigo, depois do ano novo. Não queria me ver nem fudendo. E eu nem julgo. Fui um filho da puta memo, mesmo não querendo machucar ninguém. Acabou que fudi com tudo. Por isso achei melhor manter distância. 

Mas agora, eu tô disposto a tentar conquistar a Ambre. A tentar fazer que ela me dê uma chance. Porra, eu amo aquela mina! E não vou conseguir viver longe dela não pô.

Pilotei minha moto a milhão, até colar lá no aero. Provável que ela já estivesse aqui, porque pelo que eu tava sabendo, Ambre ia pegar o diploma e já vazar pra cá.

Respirei fundo, antes de entrar no bagulho. Na moral, mó cota que o coração não acelera dessa forma. Nem quando eu tenho que dá fuga nos cana.

Depois de uns instantes, parei de gastar neurose e entrei. Tava ligado que tinha que ir até o check-in. Segui pra lá, vendo a mina e aquele guitarrista com umas malas. 

Cada passo que eu dava, ficava mais pilhado. A porra do ar tava até em falta pra mim.

Cheguei perto dela, que estava de costas e engoli à seco, antes de soltar

- Loira.... 

Na hora a mina virou, com os olhos arregalados

- Will? Mas o q-que.... O que você tá fazendo aqui? Perguntou confusa

- Era só o que faltava.... O ruivo disse, porém nem rendi

Só foquei nela e tomei toda coragem, pra falar

- Vim até aqui, porque não quero te perder loira. Não imagino minha vida sem tu do meu lado, correndo comigo pelo certo. Tô ligado que fui um vacilão e se você me falar que não quer mais olhar na minha cara, eu vou entender. De verdade mesmo. Mas eu não podia te deixar vazar daqui, sem falar que eu te amo. E porra, mesmo que tu decida entrar nesse avião, vou continuar te amando. E vou te esperar. Porque ninguém pra mim, é igual a tu. E eu nunca te vi como uma amante. Tu é a mulher da minha vida e sempre vai ser. A única que tem meu coração todinho!

Mandei retinho, tudo o que eu queria. Quando terminei, tava até suando frio.

Ela me olhava meio confusa, meio emocionada. Parecia pensar. Ficamos em silêncio. E meu coração tava quase saindo pela boca.

Depois de uns segundos, a loira se virou pro Castiel. Não vi qual foi a cara dela pra ele, ou se mandou algum papo, só vi que o guitarrista lá suspirou, abrindo um meio sorriso e soltando um "Vai ser feliz. Você merece!"

Depois disso, a mina virou pra mim de novo, respirando fundo, antes de me olhar profundamente. Já tava surtando, quando vi mó sorriso em seus rosto, enquanto lágrimas começavam a descer.

Em seguida, correu até mim, me abraçando. Fala pra tu, nunca fiquei tão feliz. Acho que nem agora pouco, quando peguei meu diploma.

Porra, nesse momento eu tava segurando meu mundo todo. E isso era o que mais importava pra mim.

- Eu te amo imbecil! Cacete, eu te amo muito! Falou, me apertando mais

Me afastei um pouco dela, só o suficiente pra ficar bem perto da sua boca. Sem esperar, tomei seus lábios pra mim. Ambre retribuiu. 

Nosso beijo passava todo o bagulho que estávamos sentindo. Era o melhor beijo da minha vida! 

Enquanto nos beijávamos, soltavamos uns sorrisinhos de vez em quando. Ela só se afastou, quando ouvimos......

"Última chamada pro voo 332".

Ela me olhou, sorrindo fraco.

- Espera aqui! Pediu e eu assenti

Foi até o Castiel e falou algum bagulho. Ele não parecia puto, mas meio pá. Mesmo assim a abraçou. Fala pra tu, eu até tinha um pouco de ciúme desse cabelo de menstruação aí, mas tava ligado que a amizade deles era importante pra Ambre. E se era importante pra ela, pra mim era isso suave. De verdade memo.

Depois, Castiel seguiu pra dentro e eu vi a loira voltando pra mim, toda feliz. Chegou e me abraçou.

- A gente já pode ir! Falou animada

Na moral, eu tava feliz pra porra. Tinha conseguido a mulher que eu amo. Mas, de repente, comecei a ficar na neurose

- Ambre.... Me afastei

- Hun? Disse, meio confusa

- Mano, tu tá ligada que hoje é o dia mais feliz da minha vida. Mas.... Fui interrompido

- Você vai começar novamente? Porque se for, me avisa. Ainda dá tempo de embarcar. Mandou serinho

Suspirei.

- Não é isso loira, calma! O que quero dizer, é se TU tem certeza do que tá fazendo, ficando aqui comigo. Tô ligado que tu ia pro estrangeiro, fazer sua carreira. E eu não quero atrapalhar isso. Quero te ver brilhar, perto ou longe de mim, tendeu? Falei sincero

O sorriso dela aumentou mais ainda. Na moral, fiquei sem entender nada.

- Você é perfeito! Sério. Deu uma pausa, completando.... Porém tenho certeza do que estou fazendo. Na real, eu estava mais indo viajar pra ficar longe de você, do que por conta da minha carreira. Mas agora, não tenho mais motivo pra deixar tudo. Quero ficar aqui, do seu lado. E não, eu não tô desistindo de ser modelo. Pelo contrário. Ainda vou ser a melhor e internacional. Mas com VOCÊ do meu lado. Como um advogado famoso, que é o que vai acontecer. E vamos viajar esse mundo todo! Disse me olhando no fundo dos olhos

Fala pra tu, eu não conseguia tirar o sorriso pique coringa, do rosto.

A abracei de novo, dessa vez levantando seu corpo do chão.

- EU TE AMO! Gritei, enquanto ela gargalhava

E pô, o som dela gargalhando, se tornou o meu preferido.

Elle narrando

Na moral, estava mortinha de cansaço. Já eram quase cinco horas da manhã e tinha acabado de deitar na minha cama, depois de ter chegado da festa de formatura.

Sim, eu fui. Graças a Yellen. Ela não me deixou ir pra minha goma, como era a minha vontade. E no momento, agradecia a ela. Porque senão, perderia um dos momentos mais importantes da minha vida.

Quando cheguei na festa, não estava animada não. Achava que não merecia me divertir. Porque sou uma filha da puta, que fez mal pro cara que eu amo.

Mas depois de umas taças de champanhe, e de ouvir Kate e Yellen na minha mente, gastando neurose, eu me permiti curtir.

Porém o sentimento de culpa, ainda gritava dentro de mim. Porra, o Nathaniel tinha voltado a ser totalmente perturbado. E eu me culpava sim! Pra caralho.

Enfim, pelo menos, consegui esquecer do todo e qualquer B.O, por uma noite. Pique a cinderela, tá ligado? Eu parecia a mesma Elle de antes. Por um única noite, consegui recuperar minha alegria. 

Meu coroa e JP, não puderam ficar quase nada na festa. Afinal, eles não podem vacilar. Qualquer bobeira, os canas metem na gaiola. Foda né? Até porque queria os dois comigo lá. Mas essa é a vida que escolheram, então...

O fato é que, quando os dois esticaram pra casa, levando Jade, Madu e Pedro junto, porque já era tarde pros pivetes. Conclusão, ficamos só em garotas, curtindo, tá meu anjo? 

No fim, cheguei no morro, com os saltos numa mão e o resto de uma garrafa de champanhe na outra, um pouquinho bêbada (pra não dizer bêbada pá porra), com minhas parceiras e Rose.

Bom, agora mesmo deitada, eu não estava com um pingo de sono. Na real, eu estava com FOME. muita. Nem a ressaca me faz perder a vontade de comer nesse momento.

Decidi levantar devagar, pra não acordar a Madu que dormia do meu lado, e descer até a cozinha, procurar algum bagulho pra matar minha larica. Quando abri a geladeira, senti uma vontade imensa de comer azeitona com doce de leite. Estranho? Pra caralho. Mas eu tava com vontade pô!

Peguei um pratinho, colocando as azeitonas e peguei o pote de doce de leite. Me virei pra ir para o sofá, tomei mó susto.

- Porra! Coloquei a mão no coração

- O que você tá fazendo aqui? Yellen disse arqueando as sobrancelhas

- Tava com fome! Dei de ombros, completando..... E tu?

- Sede! Falou simples e veio pra perto de mim, pegar á água. Porém, quando viu o que eu ia comer, parou, estranhando

- Você vai comer azeitona com doce de leite? Sério? Disse fazendo cara de nojo

- Vou ué. Tô com vontade! Respondi

Yellen ficou com uma cara mais pá ainda. Não conseguia decifrar.

- Qual foi? Perguntei

- Eu.... Ia dizendo, mais parou, balançando a cabeça e completando.... Esquece. Bobeira minha. 

Nem rendi. Povo estranho, eu hein!

Peguei meu pratinho e fui até a sala, sentando no sofá e ligando a TV. Yellen pegou a água e se juntou a mim.

Comi aquilo com todo o prazer do mundo. A morena me encarava como se eu fosse de outro mundo.

- Isso pelo menos tá bom? Franziu as sobrancelhas

- Maravilhoso! Respondi de boca cheia

 A Yellen riu, negando com a cabeça e em seguida, focou na TV. Ficamos uns minutos em silêncio, até ela soltar.....

- Conversei com Will. Ele me pediu desculpas.

Arqueei as sobrancelhas, surpresa.

- Sério? E ai? Falei curiosa

- Não consegui perdoar. Ainda tô muito magoada. Mas mandei ele ir atrás da Ambre! Suspirou

Engoli a seco, arregalando os olhos.

- Qual foi a da fita? Perguntei impactada

A mina me contou o proceder. Fala pra tu, eu tava realmente muito impressionada com a sua mudança.

- Caralho.... Antigamente tu teria infernizado a vida dos dois. Lembro até hoje de quando tu ficava com o Nathaniel e eu vim morar aqui. Falei, achando até graça

A mina mordeu os lábios.

- Para vai.... Eu era ridícula! Disse 

- Como tu falou mesmo?...Fiz uma cara de quem parecia pensar, antes de completar, zuando.... "Tu deu o golpe da barriga pra ficar com o meu gatinho".

Yellen colocou o rosto no meio das mãos, morta de vergonha. Eu gargalhei.

- Para Elle! Repetiu, dessa vez me cutucando

Na moral, na época eu fiquei puta. Mas hoje, achava muita graça. É aquilo né.... Chora agora, ri depois.

- Tu quase tirou minha faculdade mano! Continuei

A morena me encarou, com os olhos semicerrados.

- E você fez a faculdade toda saber que eu transei com o Nathaniel tá? Retrucou, convencida

Nos olhamos por segundos, sérias, antes de gargalharmos.

- Nossa... Que merda! Falei, negando com a cabeça

- Tudo isso por causa de homem! Completou, ofegante pela risada

- A gente é muito idiota mesmo. Falei, colocando mais uma azeitona na boca

- E é por isso, que hoje, eu deixei o Will livre. Não quero repetir esse mico. Disse, fazendo um "cruz credo" com a mão

A olhei, dessa vez sorrindo. Sem zuação. Eu estava feliz de vê-la assim. Mesmo depois de tudo que passou. Yellen entendeu. E retribuiu o sorriso.

Porém, esse momento fofo, foi interrompido quando ela olhou pro meu prato de novo, voltando a fazer cara de nojo.

- Não dá Elle! Isso é muito.... Eca! Falou, se arrepiando toda

Revirei os olhos, mostrando a língua e dando de ombros. 

- É ótimo, mandada! Respondi, voltando a comer

Ficamos trocando um lero, até amanhecer. E eu, finalmente conseguir voltar pra minha cama.

................[.....]..................[.....]................

- Acho que tá tudo aqui! Falei pra mim mesma, olhando a bolsa de Jade

Ontem, passei o dia deitada, me recuperando da minha ressaca. Meu coroa e minha madrasta passaram o dia aqui na minha goma, e cuidaram das meninas pra mim. Hoje os dois já iam esticar pra Pluveir novamente.

Falando nisso, mandei a real pro PH sobre Madu estar morando comigo aqui. Meu pai me chamou de doida e os caralho à quatro, porque sou muito nova pra ser responsável por duas pivetas. Mas no fim, acabou ficando suave. E me fez aceitar um dim. Teimei pra porra, não queria aceitar, mas no fim concordei, pro coroa parar de gastar neurose na minha mente.

Enfim, meu dia teria sido perfeito, se não fosse pela mensagem que recebi no fim dele. Dake queria ver Jade.

E aqui estou eu agora, terminando de arrumar minha filha pra ver aquele pau no cú. Já tinha me conformado que não teria jeito pra esse perreco. Pelo menos por enquanto.

Peguei Jade no colo, os bagulhos dela e desci. Yellen tinha saído, fazer compras com Madu. Estiquei pra fora, entrei no quarto e meti marcha. Hoje, íamos pro zoológico. Idéia do surfista.

Cheguei lá, se pá, uma meia hora depois. Fiquei dentro do carro, esperando o surfista brotar. Logo, o avistei vindo até minha nave. Respirei fundo, descendo com Jade, e ajeitando a mesma no carrinho.

-Bom dia Elle! Disse me cumprimentando e completou, mexendo em Jade…. Bom dia princesa. 

Pelo jeito minha filha já estava se acostumando, porque nem estranhou com da outra vez. Só resmungou.

-Bom…. Vamos entrar? Perguntou

Concordei, e fui andando junto com ele pra dentro do parque. Fala pra tu, hoje tava calor pá bosta e eu estava toda enjoada. Só vim pra não descumprir o meu combinado com Dake. 

-Posso pegar ela no colo? Perguntou receoso

- Tu já sabe como faz! Respondi dando de ombros

Dake respirou fundo, e se envergou até o carrinho, a pegando direitinho. Só ajudei a ajeitar a cabecinha dela. A minha filha, o olhou, fazendo barulhinhos com a boca.

-Oi… deu uma pausa, antes de completar…. Filhota.

Na moral, nem disfarcei. Ele a chamou de…. Filha?

Olhei pra cara do mesmo. Porém no mesmo instante vi Jade sorrir pro mesmo.

Fiquei boquiaberta.

-Você viu… ela sorriu pra mim! Falou meio bobo

Concordei, meio impactada.

-Acho que ela gostou…. Do filhota. Comentei baixo

Dake sorriu fraco

-Ainda é meio estranho chamar alguém de filha. Mas é…. Bom! Disse acariciando a cabecinha de Jade

Apenas concordei, e acabei soltando um meio sorriso.

-Mas enfim. Tô vendo que ela continua com a pulseirinha. Fico feliz! Disse sincero

- É…. Talvez a mãe dela tenha achado bonitinho! Admiti

- Olha, um elogio? Estamos melhorando! Zuou

Abri um sorriso sínico.

-Não se anima muito não. Respondi, jogando uma piscadinha

………………..[.....]..........[.....].................

Tínhamos passado a tarde no zoológico. Dake mostrou praticamente todos os bichos daqui pra Jade. Ela por sua vez deve ter se amarrado, porque não dormiu em nenhum momento.

Fala pra tu, estava QUASE me acostumando com esse bagulho todo.

Agora, estávamos sentados num banco. Eu tinha comprado uma pipoca, porque tava morrendo de fome.

-Hum… eu acho que ela fez xixi. Dake falou, atraindo minha atenção

Larguei minha pipoca, colocando a mão em seu macacão e vendo que estava molhado. Suspirei.

-Vou trocar ela! Pera aí. Falei, já levantando

O surfista concordou e me entregou a piveta. Já ia andando, quando pensei melhor…..

Ele queria ser pai? Pois bem.

-Vem comigo! Falei o olhando

Dake franziu as sobrancelhas.

-Como assim? Disse confuso

- Tu vai trocar a fralda dela. Mandei retinho

Vi o vacilão engolir a seco.

-Mas eu…. Não faço a menor idéia de como fazer isso Elle! Contestou

- Eu te ensino! Tu não quer ser pai? Então, é isso aí! Falei debochando

O surfista suspirou, levantando. Sorri vitoriosa e segui com ele pro fraldário. Entramos e já coloquei Jade em cima do bagulho lá.

-Primeiro, tu tira o macacão, assim oh…. Falei, mostrando, enquanto Dake prestava atenção

- Depois, pega o lencinho ali e vai passar nela! Continuei, porém dessa vez deixei p bonito fazer

Ele me olhou meio assustado, porém só arqueei as sobrancelhas, falando um "Anda".

O mesmo então se aproximou, fazendo o que eu tinha dito, com cuidado. Aos poucos foi se acostumando.

-Tô mandando bem, olha só…. Disse já se achando

E foi aí, que a Jade cortou a onda do surfista, dando uma jorrada de xixi na cara dele.

-Porra! Xingou

Coloquei a mão na boca, não me aguentando e começando a gargalhar.

-Hey…. Tô todo mijado. Reclamou

M-meu Deus! Falei sem fôlego, de tanto rir

Dake revirou os olhos, mas acabou rindo junto comigo.

D-deixa que eu termino. Consegui dizer, depois de recuperar um pouco do ar

-É, acho melhor! Falou brincando, e pegou um lenço pra se limpar

Terminei de trocá-la, olhando a mesma.

-Tu não gostou que o seu pai trocou sua fralda filha? Falei pra ela, sorrindo

Na hora a piveta soltou um sorriso banguela e sapeca.

-Olha que safada meu! Dake falou, desacreditado

Ri de novo, pegando minha filha no colo e ajeitando a mesma no carrinho.

Voltamos pra parte de fora. 

-Eu tenho que ir agora. Infelizmente! Falou, olhando o celular

 Assenti. Por uma tarde quase esqueci do tempo!

-Eu também! Respondi, me lembrando de todos os meus B.O

- Valeu por hoje. De verdade! Falou sorrindo de lado

- Foi bom…. Disse

- O segundo elogio hoje hein! Falou arqueando as sobrancelhas

Revirei os olhos.

-Tchau Dake! Falei debochada

- Tchau Elle! Disse no mesmo tom

Depois se despediu da Jade e então seguimos caminhos opostos.

Entrei de volta na minha nave, prendendo a piveta na cadeirinha. Fui pro banco de motorista e saí catando pneu.

Em pouco tempo estava na estrada. Tudo estava mec e minha filha tinha capotado de sono.

Porém, de repente, vi um movimento estranho, nos carros de trás. Já fiquei meio pá, e passei pra pista ao lado. Um carro me seguiu.

"Merda!" pensei

Fala pra tu, quando tu é envolvida com o tráfico, isso não é bom sinal não.

Acelerei o máximo que podia. E foi aí, que dispararam um tiro. Que só não pegou em mim, porque minha nave é blindada. Meu coração acelerou. Era oficial. Eu tava fodida.

Pensei rápido e foquei primeiro em proteger minha filha. Ultimamente, estava andando com uma peça no carro. Ainda mais depois daquela invasão que o Arthur inventou, contra outra facção.

Peguei a arma, e abri meu vidro. Outro tiro veio em minha direção. Desviei, revirando.

 Começamos uma troca de tiros. Eu dirigia com apenas uma mão, enquanto a outra atirava.

Jade acordou, chorando muito. Meu coração se apertou ainda mais. Tentei não render no seu desespero e focar no que estava fazendo. Se eu fosse atingida, tudo tava fodido de vez.

Minhas balas já estavam acabando. Estava conseguindo desviar. Porém eles também. E a nave deles também era blindada.

"Pensa Elle. Pensa caralho!" 

Foi aí, que tive uma idéia. Minha mira era boa. Pra caralho. Eu só precisava acertar um tiro, no pulso, do filho da puta. Que no caso, era a única parte do corpo dele, que estava pra fora.

Juntei TODA minha concentração, mirei bem e pá… Atirei! E acertei. Na hora, o desgraçado soltou a arma no meio da pista da estrada, com o pulso sangrando. Aproveitei a brecha, e dei uma de piloto de fulga. 

Joguei meu carro na contramão e meti marcha. Virei em um canteiro de mato, da estrada, indo pra outra pista. E meti marcha. Fui indo, até estar segura.

Quando parei, em uma rua qualquer, respirei fundo. E não pensei duas vezes em virar pra minha filha.

Foi aí que meu mundo parou. O bracinho dela estava sangrando. Arregalei os olhos. Me tremia toda. 

Uma parte de mim queria chorar junto. Mas eu precisava ser forte.

F-filha por favor… calma! Calma! Falei pra piveta, como se ela fosse entender

Jade berrava de dor. E aquilo me quebrava. Liguei o carro de novo e totalmente transtornada, saí cantando pneu até o primeiro hospital que vi.

Estacionei de qualquer jeito, peguei ela no colo e saí correndo até o pronto socorro.

-Preciso de ajuda. PRECISO DE AJUDA CARALHO! Estava desesperada

Uma enfermeira veio até mim.

-O que aconteceu senhora? Perguntou

M-minha filha porra. Atiraram… atiraram nela! Falei sentindo que ia desmaiar

A mulher arregalou os olhos, pedindo uma maca que veio na hora. Colocou minha filha lá e foi entrando. Segui, sentindo lágrimas descerem.

Eu não queria que minha filha estivesse passando por isso. Juro que não. Não queria que ela vivesse o que EU já vivi. Agora um tiro…. Era demais pro meu coração!

-Senhora…. Fique aqui! Pediu, quando chegamos na porta de uma UTI

- NEM FUDENDO! EU VOU ENTRAR! Falei, explodindo

- Senhora se controle. Por favor! Disse séria

- Como tu quer que eu me controle? Como? Minha filha tomou um tiro! Respondi alto, sentindo uma tontura forte

- Eu sei que é difícil! Mas pelo bem da sua filha. Preciso que você colabore! Disse me encarando

Acabei cedendo. E vi entrarem com ela, me deixando pra trás.

Me sentei na cadeira pra não desmaiar. Não ia aguentar! Se algo acontecesse com ela, eu MORRIA! E não tô falando da boca pra fora.

Meu coração doía. Meu corpo também. Mal conseguia respirar.

Peguei meu celular. Se não tivesse ninguém aqui comigo, não ia suportar.

Não podia ligar pro Dake, porque não podia explicar o que rolou. E também não ia ligar pro Nathaniel. Não tinha forças pra aguentar provocação. Acabei chamando o Will.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Telefone on

Elle: W-Will

Will: Irmãzinha?

Will: Qual foi? Tu tá chorando?

Elle: V-vem pro hospital.

Elle: A Jade Will…. Atiraram nela.

Will: Atiraram na piveta caralho?

** Sons de burburinhos**

Elle: Will? Tu tá ouvindo?

Elle: Só vem pra cá, por favor.

Will: Conta um cinco. E aguenta aí.

Telefone off

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Eu não conseguia levantar. Mas também não conseguia ficar parada. Já ia era invadir aquela porra. Precisava de notícias. Ou iria ter um infarto.

…………………..[....]...........[....]................

Se passaram meia hora e eu só chorava. Já tinham vindo uns dois enfermeiros me oferecerem calmante. E nada do Will.

Estava com o rosto entre as mãos, quando ouvi uma voz.

-Que porra aconteceu?

Levantei a cabeça devagar, olhando a pessoa na minha frente. Suspirei. Nathaniel!

-Cadê o Will? Foi a única coisa que falei

- Me responde caralho! Disse sem nenhuma paciência

E-eu…. A Jade. Atiraram nela. Falei, exausta e voltando a chorar

-Quem foi o desgraçado? Como tu deixou essa porra acontecer? Falou alto

Só o olhei. Não tinha forças pra tretar. Nem pra aguentar seus surtos. Nem pra nada.

Abaixei a cabeça de novo, deixando mais lágrimas escaparem. O ouvi bufar e sentar do meu lado.

-Onde ela tá? Perguntou, dessa vez baixo

L-lá dentro. Respondi, quase que em um sussurro 

Ele se levantou com tudo. Porém coloquei a mão em seu braço, o fazendo parar.

-Não pode entrar! Falei engolindo à seco e completando…. Não faz merda. Por favor.

Pela primeira vez, desde que nosso perreco começou, ele me ouviu e respeitou o que tinha dito. Se sentou ao meu lado, bufando.

Continuei de cabeça baixa. Meu estômago se revirava. Já tinha passado o dia enjoada, mas agora, essa merda só tinha piorado. 

Precisei levantar rápido, quando o vômito veio. Estiquei até o banheiro, vomitando tudo o que tinha comido. Nesses últimos tempos, como todo esse perreco, toda vez que fico muito estressada, acabo botando tudinho pra fora. 

Tentei me recompor um pouco, saindo do lavabo. E quando fiz isso, dei de cara com loiro.

-Qual foi? Falou seco

Suspirei, tentando não chorar. Sem sucesso.

M-minha filha levou um tiro Nathaniel! U-um tiro. Eu tô com medo! Falei me tremendo toda, quase caindo

Num impulso, ou sei lá o quê, ele me abraçou forte.

Fiquei sem reação nenhuma. Mas retribui, o apertando, como se pudesse passar um pouquinho da dor que eu tava sentindo.

Ficamos nessa posição. Por um instante, me senti segura.

-Ah, ache a senhora! Uma voz ecoou e me fez se afastar

Olhei pra enfermeira afoita.

-E então? Perguntei sentindo um nó na garganta

Ela ficou em silêncio por um segundo.

-Eae caralho, solta a voz. Nathaniel se intrometeu, fazendo a mina se assustar

Neguei com a cabeça, suspirando.

-Desculpa, ele tá nervoso. Falei pra amenizar o perreco e completei… pode falar. Como minha filha tá? 

- Bom…. Ela está ótima! Foi só um susto. E o tiro, foi de raspão. Demos um remédio na veia pra dor e já pode ir pra casa. Tem que cuidar do machucado e só! Disse tudo de uma vez

Fala pra tu, ouvir aquilo foi como se tivessem tirado um peso enorme de mim. Consegui finalmente respirar direito.

-Eu quero ver ela! Falei firme

-Vou junto. Nathaniel completou

-Vocês dois podem me seguir. A enfermeira falou

Esticamos até um quarto, vendo minha bebê deitada na cama, dormindo. Seu bracinho, com curativo. 

Sorri, chegando perto da mesma, e fazendo carinho nos seus cabelos.

-Oh minha filha…. A mamãe tá aqui. Me perdoa por ter te feito passar por isso. Falei no seu ouvido, beijando sua bochecha

O loiro foi pelo outro lado da cama, pegando na mãozinha de Jade. Parecia bem aliviado.

-Bom, agora que os senhores estão mais calmos, precisamos fazer um boletim. Afinal, atiraram na sua filha! A tal enfermeira disse

Gelei. Não podia abrir boletim porra nenhuma. Bagulho não funcionava assim no tráfico. 

-Pode deixar que a gente vai fazer. Mas não agora. Ela ainda tá muito bolada. Nathaniel tomou a frente, mandando retinho pra mina

-Eu entendo, mas não posso deixá-los sair daqui sem o boletim.

Respirei fundo, usando todo meu poder de convencer alguém.

-Eu acabei entrando em um tiroteio, no meio do morro onde moro. Não tem o que denunciar, infelizmente. Foi só mais um caso daqueles confrontos entre bandido e polícia! Falei a encarando

A tal enfermeira abriu a boca, num "ah sim".

-Sendo assim… vou trazer os papéis da alta. E sinto muito, pelo ocorrido. Disse sincera

Agradeci, e ela esticou.

Ficamos só nós de novo. Esperando a alta. Quando isso aconteceu, peguei Jade com todo cuidado, e junto com o loiro, vazei dali.

-Valeu por ter vindo. Falei o olhando

Ele só deu de ombros. Tinha voltado à ser indiferente.

Engoli à seco.

-Já tô vazando então. Falei por último, e já ia me virando, porém….

- Tu vai comigo. Mandou

Franzi as sobrancelhas

-Acho melhor…. Ia falando, mas fui interrompida

-Não tô te dando opção. Os pau no cú que armaram pra tu, ainda devem tá por aí. Bora. Falou frio e se virou, carregando a bolsa de Jade

-Mas e o meu carro? Falei ainda parada

-Os vapor vem buscar depois. Respondeu

Bufei. Não ia ter como fugir. O foda é que eu tava evitando, porque não queria ouvir humilhação hoje. E sei que com a gente junto, isso vai acabar acontecendo.

Fui até a nave do loiro, sentando com minha piveta atrás, enquanto ele entrava. Em seguida meteu marcha.

Fui até a quebrada, totalmente focada na Jade. Estava morrendo de culpa pelo que tinha acontecido.

Na moral, quando decidi que teria minha filha, quis fugir dessa vida, justamente pra não fazê-la sofrer. Porém fui a porra de uma vacilona, e não consegui! E agora, estamos aqui….

Fala pra tu, naquele momento, eu só pensava em arrumar um trampo bom na minha área, e deixar toda essa bosta pra trás.

Sai das minhas neuroses, quando passei da barreira da favela. Rapidinho, estava na frente da minha goma.

Sai do carro, seguida pelo loiro, e entramos. Quando brotei na sala, Yellen veio correndo até mim.

-Cacete, como você está? Will me disse sobre o que aconteceu! E a Jade? Falou tudo afoita

- Tá tudo mec, agora! O tiro foi de raspão e ela só tá dormindo. Respondi com a voz fraca

- Nossa, ainda bem! Quase morri de preocupação. Falou, suspirando aliviada

Sorri fraco.

-E a Madu? Perguntei olhando em volta

- Tá dormindo. Não falei sobre o que aconteceu, pra não assustá-la.

Concordei. Era melhor mesmo. Maria também já estava passando por muito B.O.

-Vou colocar ela lá em cima. Falei olhando pra morena e pro Nathaniel

- Preciso ter um lero com tu. O loiro falou me encarando

Suspirei.

-Se quiser eu coloco ela lá em cima. Aí vocês conversam! Minha amiga se meteu

Olhei bem pra minha filha. Não queria me desgrudar dela. Mas era melhor já saber qual era o proceder que Nathaniel queria me passar. Pelo visto era mais B.O.

-Toma cuidado com ela! Falei séria pra Yellen, a entregando Jade

A morena concordou, segurando a piveta com delicadeza e subindo.

Quando só estavam nós dois, o encarei.

-Qual foi? Perguntei

-Proceder é o seguinte…. Á partir de agora tu só sai da quebrada com vapor te acompanhando. Mandou retinho memo

Fiquei meio segundo boquiaberta, tentando entender.

-Qual foi a da fita? Falei desacreditada

-Tu tá surda caralho? É isso aí. O bagulho tá ficando doido por aqui. E te atacaram pra me atingir. Não quero tu saindo daqui, sem proteção. Disse, porém fez uma pausa, antes de completar… Melhor. Se tu quiser sair sem vapor, sozinha, o B.O é teu. Tô pouco me fudendo. Agora, quando a piveta estiver junto, tu só estica da quebrada com segurança.

Respirei fundo, sentando no sofá. 

Não sabia nem o que pensar. Sempre odiei sair com vapor atrás de mim. Quando o bagulho ficava feio lá no meu coroa, ele também me obrigava a sair com uns frango atrás de mim. Eu não obedecia, porque odiava. E foi assim, que fui sequestrada uma pá de vezes.

Porém agora eu tinha a Jade. E pra protegê-la, faria de tudo.

Decidi também não render pra parte que o loiro disse que tava pouco se fudendo pra minha segurança.

Porém, tinha um problema ainda…. Eu estava levando Jade pra encontrar Dake. Se os vapores fossem atrás de nós, iam bater pro Nathaniel. E porra, ele ia ficar mais puto comigo ainda. Não queria isso. Nem queria magoá-lo, mais do que já fiz.

-Firmeza. Mas prefiro que uns vapor do morro do meu primo façam minha segurança. Respondi séria

Pelo menos, os muleques que trampam pro JP, vão bater as coisas que faço, pro meu primo. E não pra esse idiota.

- Nem fudendo. Vou escolher gente da minha confiança. Falou já nervoso

Me segurei para não bufar. 

-Na humildade Nathaniel. Tem uns vapor lá, que já conheço a cotas. Vou me sentir mais mec com eles, do que com esses daqui. Menti

O loiro me olhou travando a mandíbula. Mas acabou cedendo.

-Vou mandar o papo pro seu primo então.

Respirei, mais tranquila.

O clima voltou a ficar pesado. Ficar com ele, fazia me fazia ficar toda trouxa. Eu sentia tanto, sua falta.

-Sinto tua falta. Soltei, antes que pudesse controlar

Ele me olhou com tédio, e soltou um riso seco.

-Papo que sente. Tu não tem mais ninguém pra bancar teus luxos. Mandou retinho

Neguei com a cabeça.

-Tu sabe que nunca fiquei com tu por luxo! Respondi o olhando séria

- Tu é pilantra caralho. Tava comigo por luxo sim! Mas aí encontrou outro, pra dar o golpe, não foi? Falou, o ódio exalando

- Vai se foder Nathaniel! NUNCA fui interesseira. Disso tu não pode falar! Falei indignada, dando uma pausa, antes de completar…. E eu não encontrei outro, porra! Quantas vezes vou ter que dizer?

O loiro me olhou com deboche

-Ae? E aquela porra de foto era o quê? Montagem carai? Disse arqueando as sobrancelhas

Fechei os olhos, respirando fundo.

-O Dake me roubou o beijo! Não fui eu! Falei de uma vez

Nathaniel riu irônico

-Ae caralho, me erra com seu câo. Disse negando com a cabeça

- Eu tô falando a real! Tu me conhece Nathaniel! Acha que eu passaria por tudo de cima que passei, pra no fim te trair? No fundo sabe que não! Falei o olhando profundamente

Vi por um segundo, ele aliviar seu olhar de ódio. Mas logo voltou a ser frio.

-E ele também te arrastou até aquela porra de restaurante caralho? Hein? Falou cruzando os braços

Mordi os lábios. Era a minha chance de mandar a real. Finalmente!

-Nath, eu fiz tudo isso, porque o Dake po….. Ia dizendo, mas num momento de noção, parei, o olhando de cima á baixo.

Lembrei da minha tarde com Dake. De como a Jade estava se dando bem com ele. E de como o surfista poderia ser importante na vida da minha filha.

Depois observei o Nathaniel. Esse que tá aqui na minha frente. Ele tinha voltado a ser aquele filho da puta, sem controle. E eu não tinha mais o poder de acalmar seus surtos. O loiro não me ouvia mais.

Se eu mandasse a real agora, e SE ele acreditasse, ia explodir de uma tal forma, que ia dar merda. Ele ia atrás do surfista. Ia querer "resolver" do jeito dele. Ainda mais, como envolve Jade no meio. E só depois que o perreco já tivesse acontecido, ia se dar conta da bosta que fez.

Eu não podia permitir isso. Porque talvez, estivesse começando a aceitar a presença de Dake na vida da Jade. E também porque, não quero que minha filha saiba, um dia, que seu pai biológico "foi cobrado" pelo namorado traficante da mãe. Não quero esse tormento na vida dela.

-Eae caralho…. Não queria tanto se explicar? Tô esperando. O loiro me tirou das minhas neuroses

Respirei fundo. Se pá, o que eu ia falar, acabava com qualquer chance entre a gente.

-Não tem explicação….. Só espero que um dia tu entenda. Falei, me segurando pra não chorar

Ele revirou os olhos, negando com a cabeça.

-Tu é uma filha da puta. Sei nem porque parei pra te ouvir. Falou indiferente e foi indo até a porta, porém antes de sair, me olhou de novo…. Se a Jade precisar, tu liga nóis. Mas no contrário, tu despousa de mim desgraçada.

Dito isso, a porta foi fechada. E mais uma vez, estava me sentindo um nada.

Quando lágrimas iam começar a descer, Madu surgiu na sala, correndo

-Titia, tu chegou… Disse, se jogando no sofá

Disfarcei, segurando o choro e a encarando

-Oi minha princesa! Como tu tá? Falei, a pegando no colo

- Tô bem titia….. Mas a Madu seria mais boa se à titia assistisse barbie com ela! Pediu com biquinho

Acabei rindo.

-Tu é demais garota! Neguei com a cabeça, completando…. Bora vai. Vou fazer uma pipoca, e vamos assitir Barbie, junto com a Jade! 

- Obaaa! Falou, correndo de um lado pro outro e batendo palma

Sorri com a sua alegria. Madu tinha sido minha salvação, pra hoje!

Continua….


 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...