1. Spirit Fanfics >
  2. Love for Contract - Percabeth >
  3. Álbum de fotos

História Love for Contract - Percabeth - Capítulo 72


Escrita por:


Capítulo 72 - Álbum de fotos


P.O.V Annabeth Chase:

Enquanto voltávamos para a casa de Poseidon percebi que Percy estava mais afastado e calado, além de levemente pálido.

-Você está bem? - Perguntei depois de dois minutos em silêncio sem conseguir me aguentar.

-Sim, claro. - Lancei um olhar pra ele deixando claro que ainda não acreditava no mesmo, mas se ele não queria falar eu não iria forçá-lo.

Quando estávamos prestes a entrar na casa, ele segurou o meu ombro.

-Qual é o problema? - Perguntei o olhando e ele respirou fundo.

-Me beija. - Franzi o cenho confusa.

-O que?

-Eu quero que me beije, antes da gente entrar.

-O que está acontecendo? Você está muito estranho. - Ele bufou revirando os olhos.

-Não posso querer um beijo da minha namorada? - Suspirei e me aproximei, passando meus braços pelos ombros dele.

-Você pode querer um beijo de quem você quiser, cabeça de alga! - Ele semicerrou os olhos e eu ri. - Só que eu sei que tem algo errado acontecendo porque você não me pediria um beijo como se estivesse morrendo ou como se nunca mais a gente fosse se ver.

-Se o problema é o pedido, tudo bem... - Ele me puxou e me beijou como se precisasse daquilo pra ter certeza de que eu estava ali e de que não iria embora.

Mesmo confusa, eu o correspondi porque é muito bom beijá-lo.

Quando nos afastamos nós dois estávamos sem fôlego.

-Tudo bem, já conseguiu o seu beijo então me diz o que está acontecendo... - Olhei para ele e o mesmo acariciou meu rosto gentilmente antes de dar um sorriso fraco de lado.

-Você já vai entender.

Ele pegou minha mão e a apertou de leve antes de entrarmos na casa de Poseidon.

Eu não dei nem dez passos para dentro quando meu corpo inteiro travou ao constatar a visitante da casa. Atena. Ela estava de pé, na frente do aquário, consequentemente de costas para a porta por onde tínhamos passado, observando os peixes.

-O que faz aqui? - Perguntei controlando minha voz para ela não sair tremida.

Minha resposta foi o silêncio.

Entendi todo o nervosismo do Percy na hora, ele tinha planejado todo esse encontro junto com ela, automaticamente soltei a mão dele.

Eu não sabia quem eu queria matar mais: Percy ou Atena. Talvez eu matasse os dois, tenho certeza que a nação mundial de pessoas que foram abandonadas e que tem o namorado mais intrometido do mundo iriam querer me defender.

Semicerrei os olhos para Percy e ele levantou os ombros.

Não, talvez eu torturasse ele antes de matá-lo.

-Tudo bem... - Ele assobiou e eu cerrei os dentes voltando meus olhos para o mesmo, já os olhos dele foram de mim para Atena, que ainda estava de costas. - Cabeças não rolaram, isso é um bom sinal.

-Você sabe que se eu quiser fazer cabeças rolarem eu não vou fazer isso minutos depois de ter sido vista por possíveis testemunhas como o Chris, a Clarisse e o Grover. - Ele deu dois tapas na própria coxa.

-É, e ainda assim eu durmo na mesma cama que você. - Ele deu um sorriso nervoso e foi na direção de Atena, que ainda estava de costas. - Você vai fazer com que a minha namorada me assassine, então começa a falar logo!

-Eu nunca quis ter filhos. - Ela falou e eu revirei os olhos, Percy deixou a cabeça pender para frente e massageou as têmporas.

-Não sei se você sabe, mas isso não ta sendo um bom começo e, na verdade, tá muito longe disso e agora até eu to te odiando e querendo que você desapareça. - Ele comentou e eu cruzei os braços limpando meu rosto de qualquer expressão que pudesse demonstrar o quão mal eu estava me sentindo.

Tudo bem, ela não me queria e eu sempre soube disso. Mas ouvir ela falando era mil vezes pior. E a verdade é que nem Frederick me quis, ele só ficou comigo porque julgava ser certo e não porque me queria.

"Fala sério, Annabeth. Quem mais iria te querer? Olha pra você!"

A voz de Luke ressoou pela minha cabeça e eu respirei fundo.

Atena finalmente se virou e seus olhos pousaram em mim, a expressão dela estava tão neutra quanto a minha.

-Eu era jovem...

-Tchau. - Me virei, andando até a porta e Percy veio correndo até mim parando na frente da porta e me impedindo de sair. - Sai daí ou eu juro que vou fazer você se arrepender por entrar na minha vida!

-Isso nunca vai acontecer... sobre o arrependimento. - Ele colocou a mão nos meus ombros e respirou fundo. - Agora... pode parecer que não, mas geralmente ela é boa com as palavras - Ele apontou para Atena com a cabeça. - e eu sei que você provavelmente está achando que eu concordei com isso por causa dela, mas não foi! Eu não me importo com o que vai acontecer com ela, eu me importo com o que vai acontecer com você se continuar alimentando essa raiva toda, a escute primeiro e depois tome a decisão de perdoá-la ou não.

-Eu falei pra você não se meter nesse assunto. - Rosnei e ele assentiu.

-Sim, eu sei. Mas eu não vou ficar parado vendo você sofrer por uma coisa que você nem entende. - Cerrei os punhos e fechei os olhos. - Por favor, Anna. Ela... ela falou com a minha mãe e ela acha que você deve ouví-la! - Abri os olhos rapidamente.

-Sally te disse isso? - Ele assentiu e eu procurei algum resquício de que era mentira, mas não encontrei nada. Percy estava tão sério que chegava a carregar uma expressão tensa. - Por que ela não me disse nada?

-Acho que ela pensou que você fosse tratá-la mal por causa do assunto...

-Eu nunca faria isso com ela! - Ele assentiu.

-Eu sei, acho que ela também achou que eu pudesse te convencer. - Dei um sorriso de lado.

-E por que ela acharia algo do tipo? - Apesar da fala sair fria, deixei que a ironia transparecesse por toda a minha expressão.

-Porque a minha mãe sabe que se ela acha que algo deve acontecer, principalmente se tratando de você, eu não vou deixar de tentar porque geralmente ela está certa. - Ele assumiu um tom mais sério. - Eu não vou deixar que você continue pensando que não vale a pena porque Atena não quis te criar ou porque Luke não te valorizou como deveria, tudo o que os dois fizeram a vida inteira foram se privar da pessoa incrível que você é e você precisa entender que isso não é sua culpa porque você não fez absolutamente nada de errado!

-O garoto tem... - Atena fez uma pausa e suspirou. - razão. - Fechei meus olhos novamente tendo total consciência de que ela estava a poucos centímetros de mim e Percy ainda apertava levemente o meu ombro. - Se você não quiser me olhar, está tudo bem. Se não quiser falar, está tudo bem também. Mas eu preciso que você me escute!

Continuei no meu estado de estátua e olhos fechados enquanto o silêncio se prolongava.

-Acho que essa é a sua deixa para falar... sogrinha! - Percy falou e Atena rosnou.

-Simplesmente insuportável. - Ela resmungou. - Annabeth, eu sinto muito pela cena no hospital! Eu não queria causar tumulto ou algo do tipo, estava verdadeiramente preocupada com você.

-Percy - Soltei um suspiro. - fala pra ela ir direto ao assunto.

-Eu falaria, mas ela ouviu e eu não quero receber ofensas gratuitas, obrigado.

-Como eu estava dizendo antes... - Imaginei que ela estivesse caminhando atrás de mim, mas lutei contra a minha curiosidade para não olhá-la. - eu entrei na faculdade com 19 anos e conheci seu pai, não estava interessada em relacionamentos amorosos, mas ele conseguiu chamar a minha atenção e nos tornamos amigos, e com um tempo as coisas ficaram menos amigáveis e mais românticas. Eu sempre me importei com Frederick, Annabeth! Mas não era amor.

Me virei pra ela e pude vê-la olhando uma foto de Percy, Tyson e Poseidon juntos.

-Quando eu descobri que estava grávida, eu entrei em pânico! Não tinha como eu ser uma boa esposa para Frederick porque eu sabia que ele iria querer casar caso soubesse, e Zeus também ia forçar casamento e, principalmente, não tinha como eu ser uma boa mãe para a criança... para você. - Os olhos dela encontraram os meus e brilharam por causa das lágrimas e eu me segurei para não revirar os olhos. - Eu sei o que é crescer sentindo o abandono, eu entendo todos os seus sentimentos em relação à mim e até mesmo em relação à si mesma, eu não queria que se sentisse assim!

Soltei uma risada amarga.

-É mesmo? Fez um ótimo trabalho evitando, parabéns!

-Mas você teve seu pai, Annabeth! Eu sabia que Frederick poderia te amar por nós dois e te dar muito mais amor do que eu poderia te dar. - Ela deu dois passos na minha direção e eu me afastei. - Eu passei a gravidez toda em  conflito sobre te deixar ir ou não e quando você naceu foi muito difícil te deixar, eu lembro que estava prestes a mantê-la comigo mas Hera adentrou o quarto em que eu estava e eu perdi a coragem, falei pra você que sua vida seria muito melhor sem mim e eu nunca vou esquecer a forma como você sorriu pra mim.

-Que diferença isso tudo faz agora? Você ainda não estava lá quando eu precisei e foi por sua causa que eu odiava cada célula do meu corpo ao me olhar no espelho, eu pensava que... se nem minha própria mãe foi capaz de me amar porque eu ou qualquer outra pessoa deveria fazer isso, você tem alguma noção do que você fez comigo? Você nem me amamentou! Você não me viu crescer! - Ela umideceu os lábios e limpou as lágrimas do rosto.

-Você não sabe da história toda! - Ela me deu as costas indo até o centro da sala, olhei para Percy com o cenho franzido e ele deu de ombros. - Duas semanas depois de te deixar, eu fui atrás de você e do seu pai, queria fazer parte da sua vida mesmo que não fosse o tempo todo...

-Você... você fez o quê? - Percy perguntou ficando ao meu lado e tão chocado quanto eu.

-Quando cheguei na casa, sua tia Natalie e seu pai estavam no jardim conversando e rindo enquanto você e seu primo Magnus, eu acho, estavam no colo deles. Acho que tinham ido dar um banho de sol em vocês porque ainda era bem cedo, a forma como eles olhavam pra vocês fez com que eu perdesse toda a coragem... de novo. - Ela se virou para mim e para Percy com um embrulho na mão em formato de um livro grande e o estendeu na minha direção.

Continuei parada, incapaz de me mover.

Ela soltou um suspiro e tirou de dentro do embrulho um álbum de fotos rosa com um desenho de uma coruja cinza em cima de um galho de árvore e tinha meu nome escrito. Ela abriu e na primeira parte tinha uma foto do meu pai e da minha tia comigo e com o meu primo no colo ainda bebês no jardim da nossa antiga casa.

-Isso é um pouco invasivo. - Percy murmurou analisando a foto. - O que você fez depois disso?

-Acompanhei seu crescimento de longe, - Ela respondeu como se eu tivesse perguntado, ela mudou a página e era uma foto do meu pai comigo dentro de um carrinho. As fotos eram nitidamente tiradas de longe. - sua tia me descobriu pouco tempo depois e me ajudou a fazer parte do seu crescimento sem revelar nada pro seu pai, seria menos doloroso pra ele. - Ela mudou de página e era uma foto dela me segurando, ela não estava olhando para a câmera e sim para mim com um sorriso enorme. - Você tinha 3 meses nessa foto.

-Por quanto tempo você fez isso? - Minha voz soou tão baixa que eu mal me escutei, mas ela entendeu. Senti Percy colocar a mão no meu ombro para eu saber que ele estava ali.

-Não por muito tempo. Felizmente, ou infelizmente, você já era super inteligente e quando começou a falar contou pro seu pai da sua amiga do parque, que era como me chamava, tive que parar de te ver de perto e voltei a observar de longe. - Ela foi passando as fotos e parou em uma na minha festa de dois anos. - Eu me vesti de animadora de festa pra passar o dia com você. - Observei ela dar um pequeno sorriso ao olhar pra foto e tentei forçar minha memória para ver se eu lembrava do rosto dela, mas obviamente não tinha nada. Ela fechou o álbum e o estendeu novamente, mas para Percy que o pegou sem pensar duas vezes. - Enfim, eu vou deixar que você veja com calma porque tem algumas anotações mas eu não posso te dar ele porque são as minhas lembranças da sua infância. Quando você tinha cinco anos, Zeus descobriu o que eu estava fazendo e conseguiu um emprego pra mim na Grécia e eu fui.

-Se me amava tanto, por que não ficou?

-Porque era o meu sonho. - Avancei nela com vontade de estapeá-la e a mesma rapidamente me impediu de tocá-la segurando meus dois braços.

-E eu sou sua filha! Isso não conta pra você? - Percebi que meu corpo estava tremendo e ele só relaxou quando eu comecei a chorar tudo o que tinha guardado nos últimos anos. Atena me puxou para ela, me abraçando e eu senti minhas pernas fraquejarem, a mesma não se importou de se ajoelhar comigo.

-Sally tem razão, Annabeth. Ser mãe é muito mais do que colocar no mundo e... - A voz dela tremeu enquanto a mesma me apertava contra ela. - eu nunca fui uma mãe pra você.

-Por que eu não era o suficiente pra você? Por que eu não sou o suficiente pra ninguém? - Ela afastou o meu rosto do ombro dela e tirou meu cabelo que estava grudado no rosto, o rosto dela estava vermelho por causa do choro e tão molhado com as lágrimas quanto o meu.

-Ah, minha menina, a questão aqui é que eu que nunca fui o suficiente para você. Uma pessoa que se sente incompleta nunca poderá amar outra pessoa completamente, mesmo se for o próprio filho, algo sempre faltará. - Abaixei a cabeça sentindo minha cabeça latejar. - Você precisa aceitar que as pessoas são o que são e às vezes nem sabem como são, estragam tudo achando que é o certo porque dizem que a verdade é só uma mas acontece que existem várias verdades diferentes e a minha, naquela época, era que você estaria melhor sem mim porque eu não tive o amor dos meus pais, não saberia te amar como uma mãe, eu esqueci de como você se sentiria como filha sem me ter por perto.

-Eu não sei se quero você na minha vida, você não me escolheu em momento algum. - Ela assentiu mas a tristeza estava nítida nos olhos dela.

-Vou te dar o tempo que for necessário e espero que um dia você possa me perdoar, não para que sejamos mãe e filha, mas que seja o suficiente para eu ter o privilégio de saber como você está. - Assenti me desvencilhando dela e fiquei quieta, não tínhamos mais o que dizer e ela entendeu isso porque assentiu levemente com a cabeça antes de me dar um beijo na testa e se levantar. Apoiei minhas mãos no chão voltando a chorar baixo enquanto tentava assimilar tudo o que tinha acontecido. - Cuida dela, por favor!

-Sempre! - Percy a respondeu e, enquanto eu escutava os passos dela se fastando, senti ele se ajoelhar ao meu lado colocando o álbum no chão e levantando o meu rosto para ele. - Me responde uma coisa rapidinho, amor - Franzi o cenho segurando o choro por alguns segundos. -, você vai me matar agora ou esperar eu te consolar primeiro?

Soltei uma risada que logo se transformou em choro e o mesmo me puxou para um abraço.

-Não tem graça, Percy! - Falei baixo fungando e ele acariciou meu cabelo.

-Eu sei, sabidinha. - Ele deu um beijo no topo da minha cabeça. - Odeio ver você assim!

-Lembre-se que a culpa é sua também.

-Você nunca vai me deixar esquecer isso, obrigado. - Ele me afastou segurando cada lado do meu rosto e acariciou minha bochecha. - Mas eu não me arrependo porque agora que você sabe de toda a verdade sobre ela, vai ficar mais fácil e eu vou tentar facilitar mais ainda estando ao seu lado.

O abracei com força sentindo que voltaria a chorar novamente a qualquer momento.

-Percy...? - O chamei quando a primeira lágrima escorreu depois de alguns segundos que poderiam facilmente serem confundidos com dois minutos.

-O que foi, sabidinha? - Ele perguntou no mesmo tom baixo que o meu.

-Eu te deixo bobo porque você está apaixonado por mim?

-Não, você me deixa bobo porque é a pessoa mais inteligente, corajosa e linda que existe, boa demais para ser de verdade. - Ele falou sem pensar duas vezes. - E é por essas razões que sou completamente apaixonado por você. Por que a pergunta?

Ele me apertou mais contra ele e eu suspirei.

-Porque eu estou completamente apaixonada por você.


Notas Finais


Eu não vou nem falar nada, o que vocês sabem que é a coisa mais difícil do mundo para a minha pessoa kk

Enfim, espero que tenham gostado, bjss 💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...