1. Spirit Fanfics >
  2. Love for Contract - Percabeth >
  3. Titio Percy

História Love for Contract - Percabeth - Capítulo 73


Escrita por:


Capítulo 73 - Titio Percy


P.O.V Percy Jackson:

A voz de Annabeth dizendo que estava apaixonada por mim ecoou pela minha cabeça e eu demorei alguns minutos para entender exatamente o que estava sentindo.

Desde o Halloween não era novidade pra mim que nossos sentimentos um pelo outro tinham a mesma intensidade e que o meu já estava fazendo com que eu me sentisse aterrorizado por ser algo muito novo, muito rápido e principalmente muito intenso.

Por fim, cheguei à conclusão de que o sentimento que ganhava ao ter a certeza dos sentimentos dela era o alívio. Annabeth tinha razão quando falou sobre a minha insegurança, apesar de tudo eu sempre nutria o medo de que a qualquer momento ela fosse me deixar, não para voltar com o Luke porque isso eu tinha certeza de que ela já tinha superado graças aos deuses, mas porque ela veria que talvez eu não fosse bom o suficiente pra ela e que só estava colocando ela em confusão.

Mas todas as minhas dúvidas tinham desaparecido no momento em que ela deixou claro os sentimentos dela por mim, Annabeth nunca diria algo do tipo só por dizer.

-Ei... sabidinha... - Annabeth fungou se afastando de mim e eu tentei secar o rosto dela, mas mesmo que ela estivesse mais calma as lágrimas ainda desciam, eram 23 anos de choro acumulado. - vem, vamos lá pra cima.

-Não, eu vou sozinha. Você precisa encontrar o Grover. - Ela murmurou olhando ao redor, parecia perdida.

-Ei - Virei o rosto dela pra mim. -, eu não vou te deixar sozinha.

Ela ficou alguns segundos me encarando e então os olhos voltaram a marejar, eu a puxei pra mim para abraçá-la.

-Obrigada. - Ela sussurrou e eu sorri.

-Uau, eu ganhei uma declaração e um "obrigada" no dia em que eu pensei que perderia a vida - Ela se afastou revirando os olhos e secando o rosto. -, para esse dia ficar ainda melhor eu poderia ganhar um sorriso.

-Você não acha que ganhou coisa demais depois que armou uma cilada pra mim? - Ela arqueou as sobrancelhas.

-Você está ficando bem dramática, Chase. - Comentei me aproximando dela e a mesma semicerrou os olhos.

-Ninguém supera você, Jackson. - Fingi que estava ofendido colocando a mão no coração e ela riu. - Eu não disse?

-Como ousa, senhorita? - Meu drama durou pouco pois logo fiquei sério novamente e acariciei o rosto dela. - Olha Anna, me descul... - Ela engoliu todas as minhas palavras ao juntar nossas bocas em um beijo, puxei ela mais pra mim fazendo com que nossos corpos ficassem grudados.

Nos separamos apenas quando o ar se fez necessário, mas ainda assim a mantive próxima de mim.

-Não precisa pedir desculpas. - Ela murmurou e colocou a testa na minha.

-Se você diz... agora vamos, você precisa descansar porque você lidou com emoções demais e o tipo de pessoa que não sabe lidar com uma. - Passei o braço pelo ombro dela enquanto a gente subia as escadas.

-Não era vulnerabilidade que você queria?

-E estou muito arrependido disso. - Ela riu e eu dei um beijo na têmpora dela. - Mas se quiser chorar mais, meu ombro e colo é todo seu.

-Sendo sincera, e nem um pouco convencida, essa é uma das coisas que eu mais tenho certeza na minha vida. - Adentramos o quarto e ela se afastou para me olhar nos olhos. - Espero que algum dia, eu possa retribuir tudo o que você faz por mim!

A declaração dela ecoou pela minha cabeça juntamente com todas as acões dos últimos meses e eu sorri, o que fez com que ela franzisse o cenho confusa.

Ela nem fazia ideia de como as atitudes dela, a confiança em mim, eram tudo pra mim.

-Vamos deixar as coisas como estão porque são perfeitas assim.

Nos deitamos em silêncio e eu fiquei a acariciando o cabelo dela até o momento em que a mesma pegou no sono abraçada ao meu tronco.

Enquanto ela dormi, olhei no celular e tinha muitas mensagens do Grover, respondi ele avisando que já estava indo e me desvencilhei dela com cuidado para não acordá-la, observei o rosto dela por alguns minutos e ainda estava vermelho e levemente inchado.

Antes de me afastar, dei um beijo na testa dela e sorri ao vê-la suspirar.

Assim que pus o pé para fora de casa levei um susto com Atena que segurou meu braço.

O rosto estava vermelho e inchado, os olhos pequenos de tanto chorar.

-Como ela está?

-Ela chorou muito e agora está dormindo. Acho que se você demonstrar que se importa, ela te perdoa. - Ela soltou meu braço assentindo.

-Obrigada por fazê-la me ouvir. - Acenei com a cabeça.

-Agradeça minha mãe... e eu fiz isso pela Anna, não por você.

-Você faz questão de deixar isso claro sempre. - Ela respondeu mas não tinha nenhum desprezo ou ceticismo na voz. - Ainda assim, é meu dever agradecer.

-Tudo bem, mas eu espero de coração que você esteja sendo sincera em relação à ela, Annabeth não merece passar por outro sentimento de abandono.

-Eu estou sendo sincera, Perseu. - Assenti, ainda sério.

-Se era só isso, dá licença que eu preciso ir em um lugar. - Ela franziu o cenho.

-Vai deixá-la sozinha ali dentro?

-Qual é? Ela está dormindo, além do mais ela vai sobreviver alguns minutos sem mim! - Atena apenas revirou os olhos.

-Só não a deixe sozinha por muito tempo. - Assenti.

Assim que me livrei dela, corri em direção à praia já que tinha marcado de encontrar Grover para colocarmos o papo em dia.

Observei a praia e o encontrei sentado em cima de uma pedra na beira do mar, costumávamos ir ali para conversar sempre que possível já que depois da faculdade o mesmo começou a viajar para pesquisar sobre os impactos que os seres humanos têm causado no meio ambiente e mal nos víamos.

-Pensei que ia me dar um bolo! - Ele resmungou quando viu que eu estava me aproximando, sorri.

-Se atrasar pra um encontro é um charme, faz com que a gente não pareça desesperado. - Ele revirou os olhos rindo enquanto eu ia até ele. - Foi mal, aconteceram umas coisas em casa com a Annabeth.

-Vocês brigaram? - Ele me observou e eu encarei o mar, infelizmente Grover tem a facilidade de saber o que eu estou pensando ou sentindo, às vezes é irritante.

-Não, é coisa dela mas não acho que eu possa falar muito sobre. - Ele assentiu.

-Entendi... - Ele soltou uma risadinha e eu olhei pra ele confuso. - Eu ainda não acredito que estão juntos, é algo que nunca imaginei que fosse acontecer.

-Somos muito bons juntos, se não viajasse tanto teria visto isso. - Ele deu de ombros, ainda sorrindo. - Falando nisso, por que voltou tão cedo? Vocês não iam ficar pela América do Sul por um ano?

-Tivemos que voltar, Percy. - Esperei que ele dissesse algo a mais só que o mesmo ficou calado com um olhar distante. - O que andou acontecendo por aqui? Fiquei sabendo de algumas confusões que você se meteu nos últimos meses.

-É complicado...

-Eu tenho tempo. - Olhei para a janela do meu quarto, a cortina balançava mas não dava para ver nada além disso. - Se você quiser voltar pra ela não tem problema.

-Não é isso, eu só não sei se quero envolver você nas coisas que aconteceram porque já é ruim o bastante todo mundo que eu amo estar envolvido. - Ele encolheu os ombros.

-Quanto mais gente melhor.

-Quanto mais gente mais problema e mais perigo. - Grover olhou pra mim e eu sustentei o olhar dele por um tempo.

-Não sabia que era algo tão grave.

-Nem eu sabia, até Annabeth quase morrer e olha que isso foi depois que Beckendorf morreu...

-O que aconteceu com ele foi um acidente, Percy! Eu queria ter estado aqui com todo mundo, foi um dos motivos que Juniper usou para me convencer a voltar e ficar vez. - Olhei pra ele confuso.

-Como assim "voltar e ficar de vez"? Você não vai mais viajar e salvar o planeta? - Observei como Grover tinha mudado nos últimos meses, parecia mais sério e corajoso, os olhos ainda mais determinados e brilhantes como se contesse uma felicidade que ele tentava não demonstrar mas que a qualquer momento iria explodir. - O que aconteceu Grover?

-O que quer dizer?

-Você está diferente... não de um jeito ruim, mas é estranho te ver assim. - Ele assentiu com um pequeno sorriso.

-Mais tarde você vai saber, agora você vai me contar tudo o que eu não sei.

Enquanto eu falava, Grover não fez nenhuma pergunta porque eu o conhecia o suficiente para saber quando não estava entendendo alguma coisa e explicava antes que ele se desse ao trabalho de gastar energia para perguntar.

Quando eu terminei, ficamos em silêncio por um período longo demais para o meu gosto.

-Por que não me falou sobre essas coisas antes? - Ele perguntou e eu suspirei.

-Eu nem me liguei, e também tem gente demais envolvida. Pra minha sorte, Tyson e Ella estão viajando juntos, acho que nem sabem sobre a morte de Beckendorf.

-Percy somos amigos há tanto tempo que você sabe que não tem que ficar preocupado comigo em relação à essas coisas! - Assenti lentamente enquanto o mesmo passava a mão pelo meu ombro. - Mas também te conheço e sei que se os outros não tivessem se envolvido, você nunca deixaria eles se envolverem, principalmente a Annabeth.

-Ela teria descoberto por si mesma e acabaria comigo. - Comentei e ele riu concordando.

-Você conseguiu a garota! - Olhei pra ele com os olhos semicerrados.

-Eu odeio que você soe tão surpreso quando fala disso. - Revirei os olhos voltando a olhar pro mar. - Mas sim. E a melhor parte é que eu tive a confirmação hoje.

-Cara... - Ele soltou um suspiro. - a garota quase morreu queimada por causa de um cordão que você deu! A Annabeth é inteligente e não faria isso se a pessoa não fosse realmente importante, se você não conseguia ver isso antes deve ser por causa daquela coisa de que o amor deixa a pessoa burra.

-Apaixonados? Com toda a certeza, mas amor? A gente está junto há pouco tempo, talvez amor seja um exagero.

-E quem é você pra medir os sentimentos e em quanto tempo eles se desenvolvem? Você só está com medo porque é a primeira vez que se sente assim. - Ele me olhou sério. - A Annabeth não faria tudo o que fez por qualquer pessoa e eu tenho total certeza de que a intensidade dos sentimentos dela só perdem pros seus.

-Já provou seu ponto? - Ele sorriu.

-Você sabe que tô certo e por isso nem vai tentar argumentar, Percy. - Dei de ombros. - Só não assusta a garota com um pedido de casamento por pura emoção.

-Eu poderia fazer isso, já passamos por tantas coisas que é como se eu a conhecesse minha vida toda. - Ele riu balançando a cabeça. - Mas não farei, não enquanto eu não tiver total certeza de que ela está segura.

-De que vocês dois estão seguros. Se você morrer o casamento não acontece, lembre-se disso. - Dei de ombros porque não faria diferença.

-Quem vai casar? - Grover sorriu ao escutar a voz da namorada e me lançou um olhar divertido.

-Fica assim, não se mexe! - Ele mandou e eu fiquei parado encarando o mar, confuso.

-Por que? Eu já vi a Juniper milhares de vezes, esqueceu que eu peguei vocês em um momento... nada bom pros meus olhos atrás de uma árvore?! - Ele saltou da pedra dando uma risadinha enquanto eu afastava a imagem deles se pegando da minha cabeça.

-Desce daí só que de olhos fechados. - Ele mandou e eu escutei a risada dela.

-Ele vai cair!

-Do chão não passa. - Grover garantiu e eu soltei um grunhido indignado.

-Ótimo melhor amigo. - Resmunguei descendo com cuidado, como subíamos muito ali quando éramos pequenos, eu já tinha o macete e podia realmente descer da pedra de olhos fechados.

Assim que pisei na areia esperei por mais instruções e fiquei escutando eles cochicharem.

-E então...?

-Vem aqui, fica parado e de olhos fechados, - Ele me posicionou como queria e eu me arrependi porque podia estar sendo vítima de alguma pegadinha idiota. - vira quando eu mandar.

-O que está acontecendo?

-Calma, é algo bom Percy! - Juniper falou super animada, quase podia vê-la saltitando e dando cambalhotas por aí.

-Pode virar e abrir o olho! - Fiz o que Grover mandou e ele estava a abraçando por trás, os dois me olhando com expectativa e um sorriso enorme, franzi o cenho.

-Vocês querem que eu tire foto? - Grover suspirou revirando os olhos.

-Percy, presta atenção na Juniper e nos diz o que está diferente... - Olhei ela de cima a baixo e dei de ombros sem notar nada, ela soltou o ar perdendo a animação.

-Eu disse que não cresceu o suficiente! - Ela resmungou dando um tapa na própria testa.

-O que não cresceu? - Perguntei e Grover ainda tinha o olhar divertido.

-Não importa amor, eu tinha certeza que se tivesse gigante ele não ia notar. - Me senti ofendido, mesmo estando confuso. Ele se abaixou e pegou uma caixa que estava pintada como se fosse o fundo do mar. - Trouxemos pra você! Faz parte da surpresa.

-Ahn... obrigado? - Os dois me olharam ansiosos enquanto eu segurava a caixa, estava prestes a sacudí-la quando Juniper deu um grito.

-Não sacode! - Grover balançou a cabeça colocando o braço em volta do ombro dela. - Não seja estúpido!

-Tudo bem, desculpa.

Abri a caixa com cuidado e prendi a respiração quando vi um par de sapatinho branco de bebê em cima de um porta-retrato com o mesmo 'tema' da caixa e um ursinho ao lado, na parte superior por dentro da caixa estava escrito: "Aviso importante: o melhor amigo do papai foi promovido a melhor titio. To chegando!"

Olhei para os dois que sorriam tanto que eu tinha certeza de que nada poderia arrancar o sorriso deles do rosto.

-Pelos deuses! Isso é... - Não consegui dizer nada enquanto os abraçava ainda em choque. - Quando descobriram?

-Mês retrasado, mas queríamos ver a reação das pessoas. - Juniper respondeu voltando a soar animada.

-E eu que pensei que você só estivesse gorda... - Ela me lançou um olhar mortal e eu ri. - To brincando, eu nem tinha notado. - Abracei ela novamente e olhei para Grover ainda sem reação. - Você vai ser pai!

Ele riu concordando com a cabeça.

-Sim, e antes de você! Sempre achei que encontraríamos alguma mulher dizendo que estava grávida de você.

-O que? - Juniper riu enquanto eu franzia o cenho.

-Não importa. Você foi a primeira pessoa pra quem contamos, espero que guarde segredo. - Tinha uma ameaça sutilmente escondida atrás de um sorriso, assenti rapidamente e dei dois tapas no ombro de Grover.

-Você amadureceu muito, visualmente falando. E foi isso que notei!

-Estou me preparando para cuidar de alguém que vai precisar de mim quando nascer - Pude ver um pouco de pânico nos olhos do mesmo. -, é aterrorizador pensar isso! E é muito bom também, é confuso.

-Não se preocupe, vou te ajudar a fazer tudo errado. - Juniper bufou.

-Eu mereço. - Eu e Grover rimos. - Então, sobre o que estavam falando? Quem vai casar?

-Will e Nico. - Dei de ombros e Grover me deu um soco. - O que? Menti?

-A gente estava falando sobre a vontade do Percy de casar. - Juniper começou a rir como se Grover tivesse contado a piada mais engraçada do mundo.

-Ahn... eu não entendi qual é a graça.

-Desde quando você ta pensando nisso? Eu lembro muito bem de como você ridicularizava relacionamentos e isso não tem nem um ano. - Ela cruzou os braços com a sobrancelha arqueada.

-Ele pensa assim desde que Annabeth Chase entrou na vida dele. - Grover sorriu e eu fechei a caixa que ainda estava aberta na minha mão.

-Isso não é verdade, eu só comecei a gostar de estar em uma relação e foi no relacionamento com ela, nada demais...

-Seu primeiro relacionamento de verdade. - Grover observou e eu dei de ombros.

-Eu me envolvi com a Rachel!

-Mas vocês eram mais amigos do que qualquer outra coisa, se tivesse sentimento romântico vocês não iam querer respirar o mesmo ar - Juniper deu um sorriso vitorioso e eu revirei os olhos. - e por isso seu relacionamento com a Rachel não conta.

-Tanto faz, mas vocês estão falando como se eu fosse pedir em casamento amanhã e isso definitivamente não vai acontecer! - Eles deram de ombros e meu celular tocou, o nome de Annabeth apareceu no visor e quando eu ia atender ela desligou, automaticamente olhei para a varanda do quarto, ela estava lá e acenou.

-É melhor você ir. - Grover comentou com um sorriso malicioso e eu revirei os olhos.

-Claro, mas antes preciso falar com você... - Olhei para a caixa na minha mão. Juniper nos olhou desconfiada mas não disse nada, apenas observou enquanto nos afastavamos dela.

-Qual o problema?

-Não tira a Juniper daqui, é o único lugar realmente seguro pra ela e o bebê! Espera resolvermos tudo primeiro. - Ele olhou para a namorada, assentindo relutantemente. - E não conta nada pra não deixá-la preocupada, tudo pelo bem do bebê!

-Tudo bem! - Sorri pra ele mal podendo me conter.

-Cara... você vai ser pai! Isso é estranhamente incrível! - Ele riu e balançou a cabeça.

-Eu também mal posso acreditar.

-Você vai ser um bom pai, te conheço o suficiente pra ter certeza disso. - Apertei o ombro dele de leve.

-Obrigado, Percy. Agora vai ver se a loira está bem.

Depois de me despedir de Juniper, voltei correndo pra casa do meu pai. Fiquei com medo de Atena aparecer de algum lado para gritar comigo mas graças aos deuses ela não fez isso.

Cheguei no quarto e a loira estava sentada na cama encostada na cabeceira olhando para o álbum de fotos fechado, apesar dos lábios estarem levemente trêmulo ela não chorava e tinha o cenho franzido como se estivesse concentrada em fazer algo importante.

Ela levantou a cabeça assim que entrei no quarto e deu um sorriso de leve.

-Não precisava ter deixado seus amigos. - Coloquei a caixa em cima da mesa de computador.

-Eles vão ficar bem. Como você está? - Me joguei na cama, deitando de bruços, e a observei.

Ela deu de ombros.

-O que tem na caixa? - A expressão curiosa tomou conta dela rapidamente enquanto ela apontava com a cabeça para a caixa.

-Um anúncio de que serei tio, Juniper está grávida! - Ela sorriu meio surpresa.

-Nossa, isso é ótimo! - Ela ia deixar o álbum de lado, mas o peguei e a mesma apenas me entregou sem resistência. - Eles devem estar muito felizes.

-Sim, ele estão, mas é segredo. - Eu ia abrir o álbum mas ela segurou minha mão e balançou a cabeça, suspirei assentindo e colocando ele do lado meu travesseiro. Fiquei de lado ajeitando minha cabeça no travesseiro. - Deita aqui comigo!

Ela se deitou de lado ficando de frente pra mim, entrelaçamos nossas pernas e eu mantive a minha testa colada na dela, acariciei o rosto dela observando os olhos da mesma se fecharem.

-Iremos pra casa amanhã, tudo bem por você? - Ela sorriu, ainda de olhos fechados. - O que foi?

-Eu... só acho legal quando você fala como se fosse nossa casa, sai tão natural. - Soltei uma risada.

-Estamos morando juntos, é nossa casa!

-Estou passando um tempo na sua casa. - Ela abriu os olhos e afastou a cabeça, me desafiando.

-Cada um com as suas crenças, prefiro continuar acreditando que estamos morando juntos. - Dei de ombros e ela riu.

-Você lembra quando ficou frustrado quando descobrimos que poderíamos ter nos conhecido anos atrás e eu disse que aconteceu o que tinha que acontecer? - Bufei assentindo, ainda não tinha superado aquilo. - Me sinto frustrada igual. Você é uma pessoa tão incrível e eu queria muito ter tido você na minha vida ao longo dos anos, apesar de sentir que te conheço a vida toda. E às vezes eu penso que é como se estivéssemos destinados a nos conhecer, - Ela franziu o cenho e voltou a se aproximar devagar. - é loucura pensar isso?

-Não porque eu acho o mesmo, só não queria que fosse tão tarde e em meio à tanto caos. - Ela soltou uma risada. - Mas antes tarde do que nunca.

-Concordo. - O sorriso dela sumiu de repente. - Sinto muito por ser tão complicada.

-O charme está no complicado, querida. - Ela sorriu e eu a beijei rapidamente. - Eu não mudaria nada. Quer dizer... - Ela levantou a sobrancelha. - talvez o humor levemente azedo e agressivo.

Ela me olhou com falsa indignação enquanto eu ria.

-Tudo bem, depois dessa eu vou voltar pra minha vida em São Francisco! - Ela fez menção em se levantar mas eu a puxei de volta quando estava sentada e a prendi no colchão.

-Não vai não, você assinou um contrato! - Ela riu enquanto fingia se debater para sair dos meus braços.

-Isso é sequestro! E o nosso contrato não falava nada sobre eu não poder me mandar quando quisesse.

-Deveria ter prestado atenção nas letras pequenas. - Ela levantou a sobrancelha. - Estava bem embaixo do meu lábio inferior, mas ao invés de olhar cuidadosamente você preferiu me beijar. - Ela ficou dois segundos me encarando antes de cair na gargalhada e eu a observei com um sorriso.

-Você é um idiota, sabia? - Ela me abraçou, colocando a cabeça no meu peito.

-E você gosta.

-Sim. Muito. - Sorri acariciando o cabelo dela enquanto o silêncio reinava no quarto e podíamos escutar o barulho das ondas ao longe.

Mal notei quando peguei no sono.


Notas Finais


Teve cenas que foram colocadas de última hora, espero que não tenha ficado nenhum furo.

GROVER PAPAI = TUDO PRA MIM! 🤧🤧

🤡🤡🤡 = eu vendo que a fanfic não vai terminar antes do capítulo 75 e muito menos em fevereiro, sofroh 🤡

Espero que tenham gostado, bjss 💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...