História Love Game || Larry Stylinson - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Ariana Grande, One Direction, Zayn Malik
Personagens Ariana Grande, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Alternativeuniverse, Bottom!harry, College, Larry, Larrystylinson, One Direction, Soccerplayer, Top!louis
Visualizações 285
Palavras 3.715
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem e boa leitura

xoxo

Capítulo 27 - Red And Blue


Fanfic / Fanfiction Love Game || Larry Stylinson - Capítulo 27 - Red And Blue

- Bom dia, queridos! – Louis acordou radiante como o Sol, beijando Liam, Lottie e as empregadas na bochecha de forma efusiva e se juntando á eles para tomar café.

- Uau, o que deu em você? – Lottie esfregou a mão no local para tirar a baba do beijo.

- O que mais seria? Hoje Louis volta a jogar! – Liam respondeu alegre. – E aí bro, preparado?

- Logico, eu não fiquei treinando feito doido por 5 horas de segunda a sexta á toa – A empregada o serviu com café e ele tomou um gole longo – Mas confesso que estou nervoso, queria pelo menos fazer um gol só para calar a boca de todo mundo.

- Principalmente do Horan né? – Liam constatou o obvio.

- Principalmente do Horan – O olhar do jogador era ganancioso.

- Louie, esquece ele, ele não vale a pena. Em vez disso você bem que podia fazer um gol para mim né? – Lottie cruzou os braços, fazendo bico.

- Tem razão, se eu fizer um gol hoje eu dedico á você – Ele acariciou seu rosto e ela sorriu – Á propósito por que o Tommy não veio com você? Por acaso ele se afogou no mar? – Brincou.

- Não Tommo, ele deve ter sido fisgado por alguma sereia linda tipo a Ariel – O empresário entrou na onda dele.

- Ha ha ha, muito engraçado, por que não montam uma dupla de palhaços e vão pro circo?

- A culpa não é minha se seu noivinho é pescador! – Louis expôs.

- Ele não é pescador, já falei que ele trabalha no negocio da família dele que é uma companhia de pesca...

-... Como pescador – Liam interrompeu, recebendo um olhar furioso da amiga.

- Não acredito que minha irmãzinha vai se casar com um cara que fede a peixe e se tornar a Miss Mexilhão, que lindo! – Ele falou com a voz empostada até sentir um pedacinho de pão voar direto no seu olho e Liam segurar a vontade de rir.

- Cala a boca idiota! – Lottie riu de sua própria atitude infantil.

Liam olhou no relógio e tomou as rédeas da situação.

- Crianças, o recreio acabou. Vamos Louis, a gente tem que chegar cedo ao estádio.

Ele limpou sua boca com o guardanapo e se despediu da irmã com um afago e um beijo no topo da cabeça.

x-LS-x

Uma coisa de que Louis não podia negar era que ele era adorado e querido por onde passava. Prova disso foi que assim que chegou ao treino, todos do Castelle – dos jogadores aos dirigentes – foram cumprimenta-lo e desejar boas vindas ao time. Entretanto a festa foi cortada para eles se prepararem para enfrentar um de seus maiores adversários: Manchester City.

- Seguinte pessoal – Louis estava na roda com o time – Precisamos recuperar a vantagem, estamos á 2 pontos do Manchester e essa é a rodada decisiva, por isso vamos focar no ataque, não temam o inimigo, nós vamos conseguir. REDCAS! – Gritou.

- REDCAS ATÉ A MORTE! – Responderam.

- VAMOS ACABAR COM ELES CARALHO! – Estenderam as mãos no ciclo, pulando para em seguida jogarem no ar.

Por mais confiante que estivesse, Tomlinson ainda sentia hesitante quanto ao seu pé, ele tinha medo que dessem um carrinho ou que falhasse na hora de alguma marcação importante. Ele afastou os pensamentos negativos e entrou em campo com sangue nos olhos que ele guardava desde que Niall o fraturou.

“Começa Manchester e Castelle direto do Etihad Stadium!”

O jogador começou frio, errando alguns chutes e perdendo a bola para os rivais, mas tentava de tudo para recuperar o tempo perdido. Embora seus companheiros fossem compreensivos não podia entrar em desespero e entregar os pontos tão fácil assim.

Mesmo ao fim do primeiro tempo com o Castelle na frente por 1 a 0, Tomlinson percebeu que não estava dando seu melhor e seu pé começou a latejar levemente.

- Tem certeza que você não quer ser substituído? – Colin, um dos co-treinadores, sugeriu.

- Não, eu estou bem Colin, é só questão de pegar ritmo. – Ele suspirou pesado – Me dá 5 minutos sozinho, por favor.

O auxiliar saiu, deixando o jogador no vestiário respirando fundo e com vontade de chorar. Ele detestava se sentir inútil logo com que ele mais amava no mundo, para ele o futebol era sua razão de viver, o legado mais valioso que seu pai tinha deixado.

E foi nele quem o castanho pensou, era á ele quem Louis recorria quando as coisas estavam difíceis.

- Pai, me ajude, eu não quero desistir, mas... Eu não sei se posso aguentar. – Era quase como uma oração que ele proferia baixinho. E imediatamente sua mente o transportou para sua infância, mais precisamente para o antigo campinho do Doncaster Rovers, como se ele estivesse ali fazendo parte da cena.

- Muito bem Louie – Mark corria com ele, acompanhado os movimentos do filho com um sorriso paternal – Isso, agora chuta!

O menino com cabelo de corte de tigela foi todo afoito para cima da bola e acabou escorregando e caindo, ganhando um ralado superficial no joelho. O pai foi até o filho que estava chorando no gramado, mesmo sabendo que não era nada grave.

- Calma, foi só um machucadinho – Ele levou o filho ao banco, preparando um curativo.

- Papai, eu não quero mais jogar! – Esbravejou com o cenho carrancudo.

- Ora e por que não?

- Porque eu não consegui acertar aquela bola e vou me machucar de novo. – O pai deu uma risada, da qual Louis não achou graça nenhuma.

- Filho, você não pode desistir das coisas só porque elas parecem difíceis – Passava o antisséptico e Louis resmungava – Você tem que saber usar a dificuldade para te fortalecer, transforma-la em um motivo para continuar. Se você cai, levanta de novo. Se tornar a cair, levante de novo, até conseguir ficar em pé.

- Mas isso é chato papai, não é mais fácil desistir logo?

- Fácil é, mas aí você nunca vai saber se você é o melhor se não tentar. Em vez de pensar que você errou, pense o que está dando errado, como um aprendizado. Por exemplo, você estava chutando com o bico da chuteira, por que não experimenta chutar de lado?

O menino olhou para o pai, absorvendo suas dicas e correu de volta ao campo, pegou a bola e se posicionou. O pai observava os movimentos dele em silêncio. Louis tomou distancia, correu e bateu com a lateral do pé e a bola finalmente entrou no gol.

- Gol papai! Gol! – O menino pulava contente com o feito e o pai foi até ele segura-lo e roda-lo para o alto.

- Parabéns, campeão! Viu, tem que pensar diferente. E aí, não vai querer mais jogar? – Perguntou desafiador.

- Não, eu quero!  – Disse empolgado, pegando a bola novamente e voltando a correr. Mark só analisava o filho sorrindo todo orgulho e Louis via aquela interação com um aperto de saudades no peito.

- Louis, está na hora! – Colin avisou da porta, acordando Louis para seu presente. Ele sorriu, agradeceu seu pai mentalmente e saiu do vestiário.

x-LS-x

25 minutos do 2º tempo.

Louis estava bem mais ágil e enérgico do que antes, mas seguia frustrado por não conseguir marcar um gol.

- Jack! Jack, aqui! – Sinalizava para o lateral tocar a bola á ele que estava livre. Vendo que não conseguiria passar dos adversários que o bloqueavam, Jack chutou e Louis começou a arrancar pelo estádio, passando por qualquer jogador do City como um foguete.

O de olhos azuis estava bem próximo da área e tudo que fez foi dar um toque de lado, o goleiro bem tentou se esticar, mas não deu.

“GOOOOOOOL DO CASTELLE! LOUIS TOMLINSON MARCA SEU GLORIOSO GOL DE RETORNO!”

Ele corre pelo estádio que estava enlouquecido, sendo atacado e abraçado pelos seus companheiros de time. Ele sai daquele embolo por um momento, vai até uma câmera de TV e faz um “L” e um “T” com os dedos, como sempre fazia quando dedicava um gol á Lottie.

O Castelle, lógico, ganhou de 2 á 0 e a equipe, com energéticos e uma caixa de som potente, fez a maior festa no vestiário, mesmo suados e alguns molhados do chuveiro, como Louis.

- Lad, é serio, a gente vai começar a te chamar de “pé de anjo”! Que passe foi aquele? – Doug batia nas costas do atacante.

- Você é louco cara, chutou tão forte que nem parece que estava com o pé enfaixado – Jack disse impressionado.

- Sabe como é né? – O jogador estava no auge de seu narcisismo, até ver seu celular tocando. Ele saiu do local, que estava um barulho infernal, para atender. – Fala Lottie.

- Eu vi na TV o que você fez para mim! – Ela gritava toda animada – Você é o melhor irmão do mundo!

- Eu sei – Disse rindo.

- E que gol foi aquele hein? Foi incrível.

- Sim, fiz como papai me ensinou. Na verdade, fiz o gol porque pensei nele no intervalo – Os dois se mantiveram calados na linha.

- Ele ficaria muito orgulhoso de você.

- Eu sei que ele está, eu acredito nisso – Mais um momento de silêncio nostálgico de ambos – Bom, eu preciso desligar, os meninos estão berrando para eu ir comemorar.

- Vai lá, divirta-se e juízo viu?

- Pode deixar mamãe. Tchau.

Louis desligou e seguiu com sua festa de comemoração.

x-LS-x

Harry levantou as mãos para o céu quando Louis lhe mandou mensagem avisando que estava de folga na sexta, adiantou o que pode de pendência para estar livre no mesmo dia.

Fazia algumas semanas desde seu termino com Nick, ele continuava triste e lhe apertava o coração toda vez que via o mais velho na faculdade, além disso seus amigos e sua família (principalmente sua mãe) seguiam inconformados e desacreditados com o fato, ainda que Harry explicasse a historia mil vezes. E como não era garantia de que Louis correspondia seus sentimentos, resolveu deixar a tempestade passar para dizer á ele.

- Senhor, seu amigo chegou – Agnes avisou ao patrão que estava na sala de piano.

- Ah sim, pode pedir para ele entrar – Disse sorrindo.

A empregada saiu e Harry logo apareceu na porta, carregando a case preta do seu violão.

- Harry Styles, que bons ventos o trazem aqui? – Ele foi abraça-lo o mais terno e forte que pode.

- Ai, desse jeito você vai me sufocar! – No fundo o garoto até que estava gostando.

- Desculpe – O soltou – Olha só, você pintou as unhas! Por que o anelar está com cor diferente?

- É que eu gosto de pintar assim – Ficou sem jeito, escondendo as unhas vermelhas com os anelares de azul.

- Está lindo. – As orbes esverdeadas do maior dobraram de tamanho ao ouvir o elogio. Louis ficou fazendo carinho em suas mãos, o garoto lutava contra suas expressões encabuladas, sobretudo suas covinhas saltadinhas.

- Ouvi dizer que sentiu minha falta. – Se afastou do jogador.

- E quem te disse? – Indagou divertido.

- Um passarinho me contou – Caçoou enquanto colocava o violão em um canto – Falei com seu empresário um tempo atrás, foi ele quem me disse.

- Ah, então vocês andam de segredinhos? Bom saber...

- Qual é, está com ciúmes Louis? – O mais velho congelou ao ouvir a palavrinha magica.

- Eu? Não, que isso, só estava brincando – Desconversou – E o que nós vamos aprender hoje?

- Eu ia te perguntar isso, por isso trouxe o violão.

- Por que não aprendemos uma de cada coisa? Se você quiser, claro.

- Sim, concordo. Vamos começar pelo piano. – Disse animado, se sentando em frente ao instrumento.

- E você andou treinando? – Se sentou ao seu lado.

- Bom... Mais ou menos – O maior ficou envergonhado, sua vida estava tão bagunçada que nem se lembrou de exercitar.

- É, confesso que não pratiquei muita coisa também por causa dos treinos do time então estamos quites – Eles riram – Vamos treinar essa aqui, é mamão com açúcar.

- Mamão com que? – Harry começou a gargalhar.

- Esquece, gíria de velho. – Ele organizou as partituras e deu inicio as melodias para Harry repetir.

 

Want to

I think I love you

You got ripped jeans

I'm only 19

What do you wanna do?

 

(Quero

Acho que amo você

Você veste jeans rasgados

Eu só tenho 19 anos

O que você quer fazer?)

 

Podia ser impressão, mas a tensão entre os dois parecia estar pior do que nunca. Louis dizia á sua cabeça para parar de tocar nas mãos do Harry, de encostar “sem querer” em seu ombro, de absorver sua colônia de baunilha tão marcante e inebriante, de sorrir como um idiota toda vez que Harry acertava e mostrava suas covinhas. Mas o corpo simplesmente dava um grande “foda-se!” todas as vezes.

Já Harry conseguia se controlar mais e estava bem menos receptivo aos gracejos do mais velho, como se ainda não tivesse caído a ficha que ele agora era um homem solteiro e não devia mais nada para ninguém; seu coração se sentia como um traidor.

- Então você toca o ré, mi, mas cuidado para não se mi-jar – Louis tentava sua sexto trocadilho naquela tarde, sem sucesso – Acho melhor parar.

- Não é isso, é que eu não estou me sentindo confortável nesta situação.

- Eu não entendo. – Respondeu tentando resolver aquele enigma.

- É que... Eu terminei com o Nick, tem umas semanas. – Louis arregalou os olhos em um misto de surpresa e uma proibida euforia.

 

You got your cigarette

I got my headset

We're two of a kind

You're spades and I'm diamonds

And you know that too

 

(Você tem os seus cigarros

Eu tenho o meu fone de ouvido

Nós somos cada um de um tipo

Você é de espadas, e eu de ouros

E você também sabe disso)

 

- Mas por que?

- Não estávamos mais dando certo e eu terminei tudo. A questão é que eu não gostava mais dele, na verdade acho que nunca gostei, pelo menos não como namorado. E não queria mais prende-lo. E também acho... – Olhou suas mãos pousadas em seu colo – Acho que estou gostando de outra pessoa. – Levantou seu olhar para Louis.

- Quem é? – Se aproximava lentamente, estando centímetros de distancia do cacheado.

- Não é ninguém que você conheça – Ele apenas fechou os olhos e suspirou, o coração ritmava forte.

- É alguém desta sala? – Questionou em um tom suave e sexy.

- Pode ser... – Sorriu de lado maliciosamente.

- Por acaso é alguém charmoso, bonito, dotado de lindos olhos azuis e cuja profissão é relacionada ao esporte? – Suas mãos suadas foram escorregando entre os cachos macios de Harry e direcionava a boca para a do outro.

- Eu... Acho melhor passarmos para o violão – Ele se levantou de supetão do banco e o mais velho ficou frustrado mas certamente, não iria desistir.

 

Yeah you can see clearly

That I am the one you want

But I must admit that

I'm everything you're not

 

(Yeah, você consegue ver claramente

Que sou eu quem você quer

Mas devo admitir que

Sou tudo que você não é)

 

Harry e Louis iniciaram a aula de violão, agora com o jogador bem mais provocador e o estudante mais tenso, apesar de nenhum dos dois voltar ao assunto do termino.

- E dai você toca a casa A, acorde 3.

- Não seria o contrario? – Louis notou a confusão.

- É, isso mesmo, casa 3, acorde A, desculpa.

- Se acalme, professor – Piscou e o outro bufou com o gracejo.

O menor repassava a ordem dos acordes á medida que Harry ditava, lançava olhares rápidos, mas efetivos em querer desestabilizar o amigo que se perdia na fala ao ser hipnotizado pelos olhos azuis que pareciam penetrar sua alma.

- Não, não é esse acorde – Harry aproximou seus dedos da corda do instrumento, tocando o acorde correto – Assim, rapidamente.

- Como? Assim? – Tocou com o dedo do maior sob o seu, aproveitando para alisa-lo e continuou o olhando sedutor.

- É, assim mesmo. – Harry queria esconder o rosto que começava a formar leves pontos vermelhos na altura da bochecha.

Eles alternavam os olhares entre seus olhos coloridos e suas bocas vermelhas, a aproximação recomeçou. Styles não queria prosseguir, dentro de seu ser aquilo era errado, ele tinha dito tantas vezes que jamais cairia na teia de Louis e lá estava ele, como um animalzinho indefeso, pronto para ser atacado.

Mas quem disse que ele também não era um caçador?

Harry mandou tudo para o inferno e avançou na boca do jogador, cedendo aos seus pecados. E que deliciosos e macios pecados!

Louis aproveitou e segurou a nuca do mais novo, controlando o ritmo que se intensificava, sentindo fogos de artificio explodirem ao sentir o gosto do outro em sua boca, doce e quente, que o entorpecia a cada roçar de língua e a cada pequena mordida de lábio.

 

Yeah, I am red, you are blue

I'm old school and you're so new

But I guess I could forgive you tonight

When you're cold, I like to burn

I cut lines, you wait you turn

But I guess I could forgive you tonight

Tonight, tonight, tonight

 

(Yeah, eu sou vermelho, você é azul

Sou de antigamente e você é todo moderninho

Mas acho que poderia te perdoar hoje à noite

Quando você está com frio, eu gosto de queimar

Eu furo fila, você espera a sua vez

Mas acho que poderia te perdoar hoje à noite

Hoje à noite, hoje à noite, hoje à noite)

 

Harry abriu os olhos, despertando-se da insana fantasia que foi aquele beijo.

- Eu... Eu preciso ir! – Levantou desesperado, pegando seu violão e sua bolsa e arrumando tudo de qualquer jeito.

- Ei, espera, calma – O garoto continuou arrumando sem olhar na cara dele – Harry, olha para mim! – Ele parou e virou com as mãos na cintura.

- Louis, não dá! Eu acabei de sair de um relacionamento e...

- Você está solteiro agora, por que está dificultando as coisas? Você está com medo?

- Sim, eu tenho medo Louis, tenho medo porque tudo que eu quero é um namoro normal, sem ter que ficar me preocupando se eu estou ou vou ser trocado. Alguém que seja fiel e se importe com comigo, não só com que tem dentro das minhas calças. E, você me desculpe, mas você é a ultima pessoa que eu penso quando se trata de confiança.

- Ok, eu admito, eu não vou a pessoa mais confiável do mundo e confesso que meu passado me condena, e muito. Mas serio mesmo que você achou que namorando com o Nick seria melhor? Você mesmo disse que nunca gostou dele.

- Oh, e o que você queria que eu fizesse? Ficasse me arrastando por você, como os outros fazem para depois ser chutado? – Cruzou os braços – Vamos ser honestos, você só está insistindo em mim porque eu não dei a mínima para você.

- No começo sim, mas... Não mais, não agora – Ele se aproximou – Eu estou apaixonado por você Harry, acredite em mim. Você me mudou para melhor. E eu quero ficar com você para valer, sem joguinhos. Eu faço o que for para ser somente seu e de mais ninguém.

 

You won't forget me when I'm gone

This feels so good, it can't be wrong

I recommend a one night stand

I know we're just friends

But you're my kind of man

Just for tonight

Just for tonight

Just for tonight 

 

(Você não vai me esquecer quando eu me for

Isso é tão bom, não pode estar errado

Eu recomendo uma noite juntos

Eu sei que somos só amigos

Mas você é meu tipo de homem

Só por essa noite

Só por essa noite

Só por essa noite)

 

- E mesmo que eu confiasse em você, não tem como isso funcionar. Somos muito diferentes, temos mundos, rotinas, visões de vida diferentes. Você é um super astro do futebol e eu ainda estou na faculdade, você é mais velho e bem mais experiente do que eu. E ainda tem o stunt com a minha irmã, como ela fica nessa historia? E se alguém descobre? E se a mídia descobre? Entenda, eu quero, mas não é tão fácil.

- Sabe, uma vez um homem me disse que não podemos desistir das coisas só porque elas parecem difíceis. E eu não desisti de você mesmo quando me dava patadas e me maltratava, até mesmo quando não desgrudava daquele idiota do Nick.

- Ah não fala assim dele – Ficou com pena do ex.

- Está bem, não falo – Revirou os olhos – E outra coisa que ele me ensinou é que você nunca vai saber algo se não tentar. E sim, nós somos opostos em quase tudo e eu sei que vai ser complicado, ainda mais que estou no armário e “namorando” sua irmã, mas eu estou disposto a arriscar, eu quero me jogar de cabeça e engolir tudo de uma vez sem se importar com as consequências. Eu só te peço uma chance – Ele estendeu a mão.

 

Even though I'm red, you are blue

I'm old school and you're so new

I know we could be great for tonight

When you're cold, I'll make it burn

You'll never have to wait your turn

Yeah I guess I could forgive you tonight

Tonight, tonight, tonight

 

(Mesmo que eu seja vermelho, você é azul

Sou de antigamente e você é todo moderninho

Eu sei que poderíamos ser ótimos essa noite

Quando você está com frio, vou fazer queimar

Você nunca vai ter que esperar a sua vez

Yeah, acho que eu poderia te perdoar essa noite

Hoje à noite, hoje à noite, hoje à noite)

 

Styles o olhou interrogativo e sorriu maroto, surpreendendo Louis com mais um beijo ardente e com mais vontade, sentia como se tivesse jogado seu corpo num vulcão e ele não dava a mínima. Tomlinson agarrou sua cintura e o ergueu, sentando-o no topo do piano e ele entrelaçou seus pés na cintura do outro, sem quebrar o contato.

Aos poucos foi desacelerando com pequenos beijinhos e se olharam profundamente, misturando o azul e o verde em uma cor única.

- O que somos agora? – Perguntou Harry.

- O que você quiser – Respondeu Louis, ainda sorrindo e o olhando sem acreditar na loucura que estavam prestes á se meter.


Notas Finais


ALELUIAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA OS LARRY TÃO JUNTOS!!! 🧡💙💜❤💛💞💖💝💟💞💓💖💓💝💟💚❤❤❤💛💚💜💛❣💞💓💖💟💓💙💖💓

Obrigada pelos comentários no ultimo cap, isso me deixou muito feliz!

PS: queria fazer uma correção no cap anterior, quando o Harry disse que o Louis era mulherengo, foi erro meu, porque foi no sentido de ser pegador, não de pegar mulher.

Até semana que vem!

Twitter: @Krla_Barbosa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...