História Love is strange - Capítulo 37


Escrita por:

Postado
Categorias The Vampire Diaries
Personagens Alaric Saltzman, Bonnie Bennett, Caroline Forbes, Damon Salvatore, Elena Gilbert, Enzo, Giuseppe Salvatore, Jeremy Gilbert, Matt Donovan, Rebekah Mikaelson, Sheila Bennett, Stefan Salvatore
Tags Bonenzo, Bonnie, Delena, Enzo, The Vampire Diaries, Tvd
Visualizações 48
Palavras 2.801
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


EU FALEI QUE IRIA VOLTAR!!! Aaah estou tão feliz por conseguir um tempinho pra escrever pra vcs... e obrigada por não desistirem de mim...*-*

Mais um..♥️

Capítulo 37 - Lados sórdidos





PV Bonnie

Escuto zumbidos distantes. Talvez vozes alteradas. Não sei ao certo. Só queria poder dormir por mais um tempo, ficar deitada em minha cama sem ter que abrir os olhos e enfrentar o mundo.  Mas então, como um flash, lembranças dos últimos acontecidos invadem minha mente. Eu desmaiei, acordei no hospital com Damon. Um médico. Gravidez. Abro os olhos em um rompante, me pondo em uma posição sentada, uma vertigem me atinge mas me obrigo a ignora-lá. Sinto meu coração bater fortemente em minha caixa torácica. Talvez eu tenha um ataque cardíaco. 

Olho ao redor e encontro Damon e Elena discutindo no canto do quarto. Aparentemente Elena não quer devolver o celular de Damon, que permanece nas mãos da morena que o encara com uma carranca, enquanto Damon gesticula com as mãos durante sua falha tentativa de persuasão.

- Você não vai ligar para ele Damon..- Elena exclamou autoritária. 

- Elena, você não entende...

- Você realmente acha que a Bon....- Elena interrompeu sua fala ao ouvir minha movimentação na cama. Dois pares de olhos alarmados se viraram em minha direção, enquanto me levantava da maca. 

Resmunguei ao ser atingida por uma vertigem. O que fez Damon se projetar ao meu lado em segundos. 

- Bonnie, como se sente..? Está sentindo alguma dor..? - Perguntou preocupado. Elena se aproximou afagando minhas costas, então fechei os olhos e respirei fundo.
- Eu estou grávida...- Não foi uma pergunta. Mas Damon trocou olhares com Elena em busca de uma resposta.

- Que tal voltar a se deitar..? - Damon perguntou forçando um pequeno sorriso. 

- Eu estou bem Damon..- Exclamei ao me desprender de suas mãos, que ainda me apoiavam como se pudesse voltar a desmaiar a qualquer momento. - Eu só... só estou grávida..- Reafirmei, tentando de alguma forma concretizar a ideia em minha mente. - Céus.. eu estou grávida..- sussurrei sentindo meus olhos se arregalar. 

- Bon... não é tão aterrorizante como parece...- Disse Elena ao se aproximar cautelosamente.

- Não..?! - Declarei incrédula. - Eu estou grávida, Elena... Acabei de me demitir, não faço idéia de como vou ajudar minha vó agora... e o pai dessa criança... céus, o pai dessa criança...- Sussurrei enterrando o rosto entre as mãos.

- É o Enzo, não é..? - Damon perguntou com as sobrancelhas arqueadas. Respirei fundo, sentindo meus pulmões arderem com a entrada de ar. Tirei as mãos do rosto e voltei a me sentar na maca.

- É claro que é o Enzo...- Exclamei suspirando. 

- Eu sabia... eu vou ser o melhor tio do mundo...- Damon exclamou radiante, com direito a braços levantados e um grande sorriso no rosto.

- Damon..- Repreendeu Elena lhe estapeando o braço. Damon abaixou os braços e fez uma falsa careta de dor. Não pude deixar de sorrir. 

- Tudo bem Elena...- Afirmei. - É claro que tudo isso é muito assustador.. e ainda acho que minha ficha não caiu..- Disse levando uma mão até minha barriga. - Mas... seria estranho se eu dissesse que me sinto feliz agora..? Quer dizer... eu ainda estou assustada.. Muito assustada. Mas... eu não sei explicar..- Declarei suspirando.

Elena abriu um sorriso largo e pude perceber as lágrimas se acumulando em seus olhos enquanto a mesma se aproximava para me abraçar. 

- Fico tão aliviada que tenha dito isso. Porquê eu estou prestes a gritar de felicidade por saber que terei uma sobrinha ou sobrinho para mimar.. Mas queria respeitar seu tempo..- Declarou emocionada. Senti as lágrimas encherem meus olhos também e minhas bochechas doerem com o sorriso inesperado que surgia em meus lábios.

- Oh amiga... isso tudo é tão bizarro..- Exclamei lhe arrancando uma pequena risada.  

- O que na sua vida não é bizarro Bonnie Bennett..? - Perguntou, e foi minha vez de rir.  

- Acho que tem um cisco no meu olho..- Declarou Damon chamando nossa atenção, enquanto secava uma lágrima imaginária dos olhos. 

Abri meus braços o chamando para um abraço que foi rapidamente correspondido. Damon me apertou e depositou um beijo em meus cabelos, antes de aproveitar a oportunidade para abraçar Elena em seguida, fazendo a morena corar com sua atitude, mas logo o correspondeu. Eu sabia que as coisas entre eles não estavam indo muito bem, por isso não me manifestei quando ambos permaneceram agarrados um ao outro por um tempo que se tornava constrangedor para quem estava de fora, no caso, eu.

Agradeci os céus quando a porta se abriu e Caroline entrou carregando uma bandeja com sanduíches e um copo que parecia ser de suco de laranja. O casal se separou rapidamente com o estourar de sua bolha íntima.

- Bonnie, ainda bem que está acordada..- Caroline declarou aliviada enquanto se aproximava de meu leito para depositar a bandeja em minhas mãos. - Agora coma isso antes que desmaie novamente..- Exclamou.

- Obrigada Care, mas acho que não consigo comer nada agora..

- Bonnie Bennett, não me obrigue a enfiar esta comida goela abaixo.. pois é o que farei caso se recuse a comer. O médico deixou bem claro a importância de manter uma boa alimentação durante sua gestação..- Afirmou decidida, mas logo arregalou os olhos e tapou a boca com as mãos em sinal de espanto. - Oh meu Deus Bon, vc está grávida... eu nem consigo acreditar...- Disse ela, abrindo um sorriso luminoso. - Eu serei a melhor tia desse mundo!

- Hey, esse cargo é meu..- Protestou Damon me fazendo rir. 

- Eu amo vocês... e fico muito feliz em saber que terei tanto apoio, mesmo sendo algo tão inesperado..- Afirmei, recebendo sorrisos gentis em resposta. Damon pigarreou, ajeitando a gravata já amassada em seu pescoço, enquanto se sentava ao meu lado. 

- Não querendo estragar o clima, mas.... Você sabe que precisará contar a ele, não sabe..? - Perguntou arqueando as sobrancelhas.  

- Damon, eu entendo que ele é seu irmão... Mas eu realmente não consigo pensar nisso agora... eu nem ao menos digeri tudo isso ainda, minha vida está um caos agora... Então eu preciso muito pensar com calma..- Exclamei suspirando.

- Eu entendo Bon.. Mas essa criança é da minha família, assim como você. Então saiba que vou estar ao seu lado para o que precisar..- Afirmou ele apertando minha mão entre as suas. Sorri em resposta, agradecendo internamente por suas palavras.

- Oh, eu vou chamar o médico. Por Deus, ele disse que era a primeira coisa que deveríamos fazer quando ela acordasse..  que belos acompanhantes que nós somos..- Exclamou Elena enquanto deixava o quarto.

Dr. Kol apareceu logo em seguida, fez algumas perguntas sobre como me sentia e receitou uma lista de cuidados que eu deveria seguir de agora em diante e os exames que eu deveria marcar. Recebi alta minutos depois, Damon fez questão de me levar em casa, alegando que era inviável eu pegar um ônibus ou táxi sozinha depois dos acontecimentos do dia. Claro, não contestei, tudo que eu queria era chegar em casa, me jogar na minha cama e permanecer lá por um bom tempo. Talvez para sempre. Só eu... e agora meu bebê. 








PV Enzo

Fechei os olhos e pressionei as mãos em minha cabeça, numa falha tentativa de amenizar a dor. Me esparramei ainda mais no sofá da sala de descanso do hospital e respirei fundo três vezes seguidas. Por que eu fui beber tanto ontem a noite..? Agora eu me lembro bem do porquê eu havia parado de beber. Marcel, meu companheiro de trabalho e também colega de quarto, havia me arrastado para uma boate no centro da cidade na noite passada. Segundo ele, eu tenho que ter uma vida além do hospital, já que tenho dobrado turnos todos os dias, afim de me manter ocupado.
Nós saímos. Eu bebi. Algumas mulheres tentaram se aproximar, me interessei por uma, mas acabei a chamando por outro nome enquanto nos agarrávamos perto dos banheiros.. um nome do qual tento esquecer todos os dias. Ela me bateu, com razão é claro, então foi embora. Marcel me questionou o acontecido e eu contei o drama da minha vida enquanto virava algumas garrafas. Por fim, só restou a dor da ressaca e das lembranças... uma bela noite de "curtição".

- Oh.... você está péssimo..- A voz de Maggie ecoou pela sala. 

Apertei os olhos com mais força. Talvez se eu continuasse a ignorando, ela finalmente me deixaria em paz. 

- Não adianta me ignorar querido, uma hora ou outra você vai ter que falar comigo..- Exclamou ela e pude ouvir o arrastar da cadeira até estar próxima ao sofá. - Anda.. me conta o que tem te deixado tão depressivo assim..- Insistiu me fazendo suspirar.

- Eu não vou bater papo com você Maggie.. se eu ainda falo com você é apenas por puro profissionalismo. - Exclamei. 

- Por que você me odeia tanto, Lorenzo..? - Perguntou. Abri os olhos e soltei uma risada forçada, tamanha minha incredulidade. 

- Preciso mesmo responder a isso..? - Perguntei arqueando as sobrancelhas. Maggie revirou os olhos, se reencostando na cadeira.

- Eu não sou o monstro que você pensa..- Declarou ela. - E eu realmente estou querendo ser gentil com você. - Afirmou, o que só me arrancou mais um riso.

- Me deixa em paz Maggie..- Declarei ao me levantar e seguir em direção a porta. Ouvi seu longo suspiro e o barulho de seu corpo se ajeitando na cadeira. 

- Então você não vai me contar sobre Bonnie Bennett..? - Perguntou me fazendo paralisar. Apertei os punhos e me virei em sua direção. 

- Como sabe sobre ela..? - Perguntei estreitando os olhos. Maggie abriu um sorriso ao perceber que havia capturado minha atenção. 

- Tenho alguns contatos naquela cidade...- Falou dando de ombros. - Há muitas coisas que você não sabe, Lorenzo... E esse é um dos motivos a qual quero conversar com você..- Exclamou me fazendo franzir o cenho.

- O que você sabe para achar que sabe mais que eu..? E onde Bonnie se encaixa nisto..? - Perguntei voltando a me aproximar. 

- Eu sei de lados sórdidos da sua história que você deixou passar despercebido, apenas por se deixar levar pelas pessoas....- Afirmou me fazendo franzir ainda mais o cenho. - E sei que você se envolveu com essa tal de Bonnie, por quem aparentemente se apaixonou... porém ela partiu seu pobre coração... Mais uma vez. Assim como eu fiz..- Declarou por fim. Tentei controlar minha respiração desregulada, na tentativa de esconder minha surpresa por suas palavras e voltei a me sentar sobre o sofá, focando meus olhos em Maggie. 

- Do que você está falando..? - Perguntei curioso. 

- Acho que você merece saber sobre algumas coisas..- Disse ela, com o olhar perdido em algum canto do chão. 

- Então pare de enrolar e me diga... Porque se esse for mais um dos seus joguinhos...

- Não estou brincando com você, Enzo..- Exclamou me encarando outra vez. - Você acredite ou não, mas eu gosto de você de verdade e eu não estou falando de um jeito amoroso. Eu te acho um cara incrível que não merece passar por isso outra vez.... E não acho que essa garota também mereça esse sofrimento...- Declarou suspirando. 

Maggie se ajeitou na cadeira novamente,  cruzando os braços junto ao corpo. Ela respirou fundo algumas vezes, como se estivesse se preparando para o que iria falar, ou escolhendo o melhor jeito. Senti um frio passar por minha espinha pela ansiedade e o súbito nervosismo que me atingia. Ela levantou seus olhos negros até os meus e suspirou.

- Eu não te trai com o Damon porque eu simplesmente quis, por mais que eu tenha dito isso quando descobriu....- Começou, me fazendo arquear as sobrancelhas. - Eu comecei a me relacionar com Damon a pedido do seu pai..- Exclamou. Foi inevitável o riso de escárnio que escapou de minha garganta. 

- Ah, por favor Maggie...- Murmurei sem paciência. Ela realmente achava que essa história iria me convencer..? Não é possível. Estava prestes a me levantar novamente quando ela continuou. 

- Eu fui uma cadela sem escrúpulos, admito isso..- Exclamou rapidamente. - Deixei minha luxúria e ganância falarem mais alto. Seu pai sabia que eu não recusaria uma boa oferta...- Disse ela, parando um momento para respirar fundo. - Então ele fez.... uma parte das ações da St. John Empire depositada todo mês direto em minha conta, como uma acionista anônima. E tudo que eu tinha que fazer era te fazer entender que "Amor, casamento e mulheres não valem a pena. A não ser por conveniência". Palavras do próprio Giussepe Salvatore. - Declarou, levantando as mãos em inocência. - Uma oferta tentadora para uma garota com sonhos tão grandes como os meus. E bom, Damon não era nenhum sacrifício... convenhamos que a genética dessa família é admirável...- Exclamou com um pequeno sorriso. 

Afundei o rosto em minhas mãos e reprimi um grunhido de raiva. Suas palavras rodavam em minha mente, enquanto meu consciente brigava entre acreditar em sua história, ou simplesmente ignora-lá outra vez. Até porque.. Era Maggie quem a está contando, e seu histórico de caráter não é dos melhores. 

- E por que diabos meu próprio pai teria tanto interesse em me ver infeliz..? - Perguntei ao levantar a cabeça.

- Você quer minha opinião sincera..? - Perguntou arqueando as sobrancelhas,  e antes mesmo que eu pudesse responder, ela continuou. - Eu não acho que seja apenas o lance de querer que você se foque em seguir os passos da família. Cá entre nós, mas você meio que não foi planejado na vida dele... foi um imprevisto gerado por um pequeno deslize, que caiu de paraquedas na vida dele após a morte de sua amante.. Então é provável que ele esteja te "castigando"..- Finalizou dando de ombros. 

Me reencostei no sofá, soltando uma lufada de ar dos meus pulmões sufocados. Minha cabeça girava e a dor parecia ter triplicado agora. Todas as coisas que meu pai já havia me submetido voltaram como um filme, ou melhor, peças de um grande quebra-cabeças tentando se encaixar. Ele não seria tão baixo assim, seria..? Como um pai seria capaz de destruir a vida do próprio filho..? 

- Não espero que acredite em mim.. Nem estou tentando justificar minhas ações. Mas se você realmente gosta daquela mulher... eu sugiro que pense no que acabei de te contar e veja se a história não está se repetindo.... e se estiver... não a deixe cometer o mesmo erro que eu..- Declarou ao se levantar. - Agora eu vou voltar para o meu posto, até porque o dinheiro que banca meus estudos aqui não foi fácil de se conseguir..- Exclamou me lançando uma piscada antes de sair. 

Permaneci naquele sofá por longos minutos, ou horas talvez. Minha mente estava totalmente em branco. Meu pai pagou minha ex-noiva para me trair com meu irmão... Ele teria comprado Bonnie também..? Não, ela não faria isso comigo por dinheiro.... ou faria..?! Céus, eu já não sei de mais nada. Lembrei das coisas que Damon tem me contado quando me liga. Segundo ele, meu pai tem feito Bonnie comer o pão que o diabo amassou... e se isso tiver algo a ver com algum acordo deles..? Acho que estou enlouquecendo. Não posso continuar assim, não com tantas questões em branco, sem respostas e mais perdido do que jamais estive. 

Nunca me senti tão enganado em toda minha vida, nem mesmo quando encontrei Maggie e Damon na cama. Tudo foi uma grande mentira, um grande teatro... e pensar que Bonnie pode estar fazendo o mesmo agora, me faz querer socar algumas coisas, entre elas, o rosto de Giussepe Salvatore. Não apenas por ser um pai de merda. Mas pelo homem miserável que é.
Pego meu celular no bolso do jaleco, sentindo meus dedos tremendo pelo ódio, ou talvez apenas pelo nervosismo que se apossou de todo meu corpo. Percebo algumas chamadas perdidas de Damon e só consigo pensar que isso é um sinal verde do destino para decisão que acabo de tomar. Disco seu número e espero impaciente sua voz surgir.

- Hey irmãozinho..- Exclamou ele forçando uma falsa animação. - Já sei o que você vai dizer, então não irei perder meu tempo tentando te convencer do contrário.. mas eu realmente acho que agora seria uma boa hora para você....

- Cala a boca, Damon...- O interrompi. - Eu estou voltando.. e vou precisar de um whisky bem forte...

























Notas Finais


Espero que estejam gostando.. :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...