1. Spirit Fanfics >
  2. Love Maze >
  3. Capítulo 5

História Love Maze - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Agradecemos aos leitores, todos que favoritam e comentam!!! = ̄ω ̄=(★ ω ★)

Para mais informações ou se quiserem bater um papo com as autoras,
nos sigam no Twitter: @giseledute | @isidoroka ;)

Capítulo 5 - Capítulo 5


Jimin estava com vergonha quando saiu do banheiro do apartamento, pois tivera uma boa noite, porém quando acordara a cama estava fria e nem um recado tinha para ele. Talvez fosse idiota por esperar algo de um caso de uma noite, porém ainda assim se sentia magoado de alguma maneira. A verdade é que tinha que parar de tentar encontrar algum tipo de carinho e amor em bares e boates quando esses não eram exatamente os locais para se encontrar ninguém que queria algo sério. Talvez devesse ficar em uma cafetaria o dia inteiro e esperar a pessoa da sua vida aparecer por lá. Ele riu do pensando, mas não continuou com a mesma expressão ao ver Taehyung, pois no mesmo instante percebeu que o melhor amigo não tinha dormido.

— Tae? O que aconteceu? — Jimin perguntou preocupado, aproximando-se do outro para segurar seu rosto com carinho. — O-oh, espera! Você trouxe o pedreiro gostoso, é isso? Ele ainda está por aqui?

Park nem esperou a resposta e logo ajeitou a sua roupa para o caso de alguém bem bonito sair do quarto amigo.

Taehyung riu.

— Quem dera! Mas o garoto teve que ir embora… Não trouxe ninguém ontem à noite.

— Ué?! Então, por que dessa cara de que não dormiu?

Hm… Você trouxe alguém, né?

Jimin ficou confuso por um instante, até que o entendimento lhe veio à mente. Ele arregalou os olhos e em seguida levou as mãos a boca, envergonhado.

— Não! — disparou o mais baixo, escondendo o rosto nas mãos. — Me desculpa, Tae! Ai, que horror!

O mais alto deu uma risada e sacudiu a cabeça negativamente, buscando as mãos do amigo com cuidado — que ainda estavam escondendo o rosto do outro —, e beijando os dedos antes de o puxar com delicadeza para a cozinha. Jimin era adorável quando ficava envergonhado e Taehyung não poderia deixar de ter vontade de sempre ver Park daquela maneira.

— Eu fiz o café-da-manhã — afirmou Kim, sorrindo. — Vamos comer e conversar.

Park nada comentou, mas se sentou na mesa, de frente para o outro e para evitar conversa por alguns minutos, logo fez o seu prato e começou a comer; nem havia reparado como estava com fome até aquele momento.

— Está gostoso?

— Você sempre foi um bom cozinheiro — comentou o mais velho, com um sorriso. — Obrigado por fazer comida…

— Sem problemas.

Os dois tinham algumas regras para o funcionamento daquela divisão de apartamento e uma delas era que Jimin fazia o café da manhã, já Taehyung fazia o almoço e jantar, porém o loiro sabia que Park não acordaria com muita vontade de preparar algo para comerem, então não viu problemas em fazer mais aquilo, o amigo já fazia tanto, uma coisa a mais não o afetaria em nada.

— Quer conversar, Minnie?

O ruivo sacudiu a cabeça negativamente. Ele não queria conversar, pois agora estava duplamente envergonhado, o que mais faltava para ele passar mais vergonha ainda? Não tinha certeza da resposta.

— Okay, então eu falo — Taehyung disse, sabendo que quando ele começasse a falar como foi a noite, o amigo iria relaxar e dizer que pensava. — Você foi dançar e eu fiquei lá no tédio, até que vi o Gostoso sozinho. Mas você não vai acreditar, Minnie!

— No quê?

— Ele é super tímido, de gaguejar!

O mais baixo arregalou os olhos.

— Sério?!

— Sim, ele mal conseguia formular uma frase, tive até que diminuir o flerte, mas no final ele já estava mais soltinho…

O ruivo riu.

— Vocês transaram no banheiro?

— Que nada! Ele foi mesmo embora!

Jimin mastigou mais um pouco, processando o que o outro lhe contara. De alguma maneira não achava o rapaz tímido, mas pelo visto estivera enganado.

— E é isso? Qual o nome dele?

Taehyung suspirou pesado, sacudindo os ombros.

— Ele se chama Jungkook. Não peguei o número dele, mas ele disse que durante a obra fica com muita sede…

Hmmm… — Jimin riu, bebericando o suco de laranja e fitando o amigo por um momento antes de desviar o olhar. Seria somente outro, não faria diferença para o loiro de qualquer maneira, era sempre assim com todos. — Sinto muito por você não ter conseguido nada com o cara.

— Não ter conseguido ainda — afirmou o mais alto, picando um dos olhos. — Enfim, já falei demais. E a sua noite como foi?

Park remexeu o copo, vendo o líquido laranja se mover de forma circular. Como havia sido realmente a noite? Não sabia dizer.

— Ele era bom de cama — murmurou o mais baixo, com um suspiro. — Mas eu me senti off? — Jimin estalou a língua e sacudiu os ombros. — Foi bom, eu curti, ele curtiu, mas… sei lá.

— Sei lá o que? Você… hm… chegou , né?

Jimin fitou o melhor amigo e revisou os olhos.

— Você pode falar gozou, Tae.

O loiro deu a língua para o outro, fazendo uma careta.

— Eu estava tentando ser educado — retrucou, jogando um guardanapo no outro. — Sou um homem respeitador.

— Ah, ‘tá bom! — Jimin riu, usando o guardanapo que o outro lhe jogou para limpar o canto dos lábios. — E sim, nós gozamos, mas… acho que me arrependi depois.

— Como assim?! — Taehyung disparou alarmado. — Jimin, e-

— Não! — Jimin afirmou, sacudindo as mãos rapidamente para interromper a fala do outro. — Não dessa maneira, Tae! Eu quis, okay? Eu só… acho que não queira casos de uma noite, entende?

Taehyung, agora que respirava aliviado, concordou com a cabeça, buscando a mão do amigo por cima da mesa.

— Você é do tipo que namora, desculpa te arrastar para uma boate quando você não queria.

O mais velho somente sacudiu os ombros, estava fazendo muito aquilo ultimamente, era mais fácil que parar para ficar triste com algo.

— Tudo bem, eu me diverti um pouco.

— Mas não tanto… — Taehyung projetou o lábio inferior. — Eu deveria saber que aquele cara não ia te divertir tanto assim, ele deu encima de mim antes e foi bem bleh.

Jimin largou o talher e fitou o outro.

— O que você disse?

— Que o papo dele era bleh, o cara só estava atrás de uma transa rápida, aposto que vocês nem conversaram direito — comentou.

Park fitou o outro por longos segundos antes de afastar a cadeira e se levantar. Não podia acreditar no que tinha acabado de escutar! Então o homem não foi bom o suficiente para Taehyung, mas seria para ele? Kim realmente tinha o deixado ir para o apartamento com alguém que claramente só procurava por sexo? A verdade é que o ruivo sabia que não tinha muito sentido ficar irritado de algo como aquilo, mas céus, ele estava com raiva agora.

— Minnie?!

— Eu não acredito que você fez isso — disse o mais baixo, rindo sem humor. — Eu não posso acreditar, de verdade!

— O que eu fiz?!

— Ainda pergunta!

Taehyung nada entendeu, mas também se levantou. O que tinha dito de errado para deixar Jimin daquela maneira?

— Não estou entendendo Jimin…

— Você me deixou dormir com um qualquer, Taehyung! Pior! Você me deixou dormir com alguém que só me quis como segunda opção!

O loiro abriu e fechou os braços, mas respirou fundo para não falar besteira e irritar ainda mais o amigo.

— Minnie, você acha que eu fui a primeira opção dele?! Aquele cara só queria alguém, não importava quem fosse.

— E aí, você foi lá e deixou que eu fosse qualquer um?!

— Jimin, é sexo. Não é como se você estivesse atrás de um namorado ali, não é?

Jimin sacudiu a cabeça em negação, com um riso sarcástico no rosto.

— Talvez eu estivesse!

Taehyung suspirou pesado, esfregando a nuca.

— E desde quando se arranja namorado em boate? Você mesmo disse que queria alguém para transar — falou o mais alto, estalando a língua. — Olha, eu entendo que você se sentiu mal por ele ir embora sem nem falar com você, mas… foi sua escolha, né?

O ruivo então abaixou o olhar, deixando as lágrimas teimosas rolarem por suas bochechas. Céus, estava cansado de se sentir daquele jeito. Rejeitado e sozinho.

— Minnie… ah, Minnie. — Taehyung murmurou, aproximando-se do mais baixo e o envolvendo em um abraço apertado, mesmo que este tentasse o empurrar para longe. — Me desculpa, okay? Me desculpa. Eu… não queria que você saísse com aquele cara, mas eu pensei que… você ia ficar com raiva ou… sei lá. Eu deveria ter dito, por favor, não chora!

Jimin se sentia patético naquele instante, mas acabou deixando que o melhor amigo o abraçasse. Na realidade, ele mesmo não se entendia mais, afinal tinha dito para si mesmo que nunca tentaria nada, que conhecia o outro bem o suficiente para saber que nunca daria certo e que Taehyung não sentia nada por ele, então por que agora estava se sentindo tão sozinho? O pior que não era coisa recente, o que partia ainda mais o seu coração.

— Jimin, por favor… Aconteceu mais alguma coisa? Você está tão estranho ultimamente… — Taehyung deixou que seus dedos afagassem o cabelo do outro. — Você pode me falar qualquer coisa, sabe disso, né?

— Só estou cansado.

Park empurrou o outro de leve somente para se afastar. Não queria falar sobre aquilo, não quando estava chorando igual um idiota, afinal sabia que se falasse algo com relação aos seus sentimentos, Taehyung iria mentir e talvez tentar uma relação, porém não queria aquilo, não queria se enganar daquela maneira.

— Minnie…

— Obrigado por fazer café para mim.

— E o que eu não faria por você, hn? — Taehyung murmurou, abraçando o outro de novo. Era praticamente uma dor física ver Jimin chorar. Se sentia péssimo e inútil por não conseguir proteger Park das coisas ruins do mundo. — Eu… posso te perguntar algo, bebê?

Hm?

Taehyung respirou fundo.

— Você… está apaixonado por alguém? Por isso se sentiu mal, foi isso?

Jimin engoliu a seco, negando a cabeça.

— Nada… foi besteira.

— É alguém da faculdade? Eu conheço?

O ruivo se afastou outra vez, fitando o outro e dando um sorriso.

— Taehyung, você realmente quer que eu fale? Porque acredito que seja meio óbvio, né?

Kim engoliu a seco, sem saber o que falar naquele momento. Ele sabia, claro que sabia, mas se escutasse em voz alta, teria que fazer algo sobre aquilo e não fazia ideia do que seria.

— Foi o que eu pensei — disse Jimin, suspirando pesado. — Eu vou sair, tenho que ir na biblioteca…

— Não! — disse o mais alto. — Você teve uma noite ruim, eu que tenho que sair — afirmou Taehyung, dando um fraco sorriso e se aproximando do outro com cuidado. Jimin não se afastou, então ele o beijou na testa. — Se hidrate, okay?

O mais velho apenas fez um som de concordância enquanto secava o que restou de suas lágrimas enquanto via Taehyung se mover pela cozinha, pegando suas coisas de qualquer jeito.

O loiro já estava com tudo arrumado e perto da porta quando travou e se virou para o ruivo. Ele precisava dizer alguma coisa, sabia disso, mas o que poderia dizer sem fazer com que Jimin se afastasse dele? E então ele soube o que falar.

— Eu te amo, Minnie — disse o loiro, com um olhar triste. — Você sabe disso, não é? Eu realmente te amo.

Jimin deu um sorriso fraco e concordou. De alguma forma era bom escutar tal coisa.

— Eu também te amo — afirmou o mais velho.

Taehyung concordou com a cabeça e então finalmente saiu, sentindo-se mal por não poder realmente retribuir os sentimentos do melhor do amigo.

 

***

           

Jimin ainda fez alguma coisa pelo apartamento antes de pegar nos seus livros para estudar e quem sabe conseguir escrever alguma coisa do seu TCC, mas nada fluiu, sua mente estava longe e sentia um cheiro estranho no quarto, algo que não pertencia àquele lugar. Park suspirou pesado e então foi faxinar o local, sabia que provavelmente só estava agitado e precisava focar em algo.

Uma hora depois, voltou a se sentar, porém após uma página sofrida de escrita, ele desistiu e foi atrás de biscoitos para se sentar na janela, estava cansado e queria ver gente bonita.

Assim que estava na janela, logo avistou os funcionários do local, porém não viu o tal Jungkook, mas não sentiu a diversão que sempre tivera antes ao esperar, agora não parecia mais ter graça, sabia até o nome do outro, não era mais um desconhecido, não havia mais um jogo de descoberta.

— Jimin, você é mesmo um inútil. Vai fazer alguma coisa!

Park tinha o péssimo hábito de se xingar quando as coisas não estavam indo bem, pelo menos Taehyung não estava ali para reclamar de tal coisa.

— Ai, esse homem aí não vai te trazer nada mesmo. — O ruivo suspirou pesado, colocando mais biscoitos na boca. — Vamos, saia daí preguiçoso!

Como se o universo o escutasse de alguma maneira, o interfone tocou.

Ele olhou por cima dos ombros e foi até o aparelho, ajeitando o cabelo sem nem saber o porquê.

— Senhor Park, tem duas pessoas aqui te procurando.

Jimin franziu a testa. Ele não estava esperando a ninguém. Então, quem seria?

— Okay, pode liberar a subida.

O ruivo então se apressou para trocar as roupas de dormir e arrumar o cabelo, afinal não queria aparecer apenas de cueca e camiseta na frente de desconhecidos. Terminava de colocar a calça quando a campainha tocou.

— Se for mamãe de novo com aquele papo de culto…

Jimin nem queria pensar no caso de ter que lidar com aquele tipo de gente, mas ainda assim abriu a porta, encontrando dois homens ali parados.

— Eu disse que ele seria mais bonito do que eu, Joonie!

— Ele certamente é mais bonito que eu.

Park estava confuso, quem eram aqueles dois e porque eles estavam o elogiando ainda que parecessem fingir que ele nem ali estava?

Hm… Quem são vocês?

— Nós somos os namorados do seu namorado, docinho — o loiro proferiu, ele era alguns centímetros mais baixo que o outro e um rosto extremamente bonito, com ombros largos e cintura fina.

— Jin! Nós ainda não sabemos se ele é namorado também!

Jimin fitou os dois mais alto e fechou a porta. Eles eram loucos, não ia ficar ali perguntando o que queriam quando podiam o matar, como dizia sua mãe: nunca se sabia o que passava na mente dos outros.

Porém, antes que saísse dali, escutou a campainha tocando.

— Desculpe, mas eu não vou abrir — afirmou Park.

— Ai, Joonie! Assustamos ele.

— Isso é culpa sua que o chamou de docinho.

Houve uma pausa, mas Park logo escutou uma das vozes novamente.

— Eu sei que parece estranho, mas ontem te vimos com o nosso namorado. Não queremos te fazer mal, okay? Porém queríamos te avisar caso Jaehwan seja seu namorado também, porque fomos enganados por ele.

— Fala todas as palavras Joonie: ele é um safado escroto!

— Jin! Vai assustar o cara!

Park suspirou pesado, absorvendo o que aqueles dois estavam falando. Ele realmente tinha dormido com um homem que enganava os namorados? Estava mesmo no fundo do poço. Assim, um pouco receoso, abriu a porta, porém pronto para fechar a qualquer instante.

— Como vocês sabem onde eu moro?

Os mais altos se fitaram e o loiro sorriu sem graça.

— Eu falei para o seu porteiro como você era e ele disse que era você — explicou. — Nós… só queríamos te avisar, sabe? Jaehwan é o lixo dos lixos.

— Nós… só queríamos fazer a coisa certa — disse o mais alto e Jimin o fitou, vendo o sorriso genuíno do homem. — E… hm… se você quiser conversar também, para entender melhor. Nós temos um tempinho antes de termos que trabalhar — explicou.

O ruivo mordeu a parte interna da boca, não acreditando que estava ponderando em realmente deixar aqueles dois entrarem. Se eles o assassinassem, nunca se despediria de Taehyung, seria triste.

— Eu não sou namorado dele. — Jimin resolveu logo esclarecer.

O loiro bateu com o pé no chão.

— Aquele desgraçado não se dá por satisfeito com nós dois, Joonie! Olha que absurdo!

— É… — murmurou o mais alto.

— Até lingerie eu comprei para babaca!

— Oh… Muita informação — Jimin murmurou, mas não pode deixar de imaginar que o loiro deveria ficar bonito com lingeries, mesmo com a calça jeans grossa ele podia perceber as pernas torneadas.

— M-me desculpa por isso! — O mais alto se apressou a dizer. — Nós acabamos de descobrir a traição, sabe? Ainda estamos digerindo tudo. Me desculpe… Hm… eu me chamo Kim Namjoon e este é Kim Seokjin.

— Oh, vocês não são irmãos, não é? Já é bizarro o suficiente…

Seokjin riu.

— Claro que não! E se fossemos, Joonie iria roubar todos os meus namorados com essa carinha — disparou Seokjin de forma tão natural, que Namjoon sentiu as bochechas queimarem. Jimin olhou de um para o outro e deu um sorriso. — Nós nem nos conhecíamos, não até três dias atrás.

Ah, foda-se! Jimin pensou, abrindo mais a porta e dando passagem para os dois. Eles o fitaram por um momento e entendera a deixa. Pelo menos eu passo o tempo com essa gente estranha.

Logo, Park já havia servido café para os recém-chegados e finalmente se sentou de frente para eles e se pôs a ouvir o relato. E céus, parecia coisa de filme. Como alguém conseguiria manter uma mentira daquelas por tanto tempo?

— E foi isso, queríamos avisar para que você não fosse enganado também. Agora podemos ficar tranquilos e terminar com ele sem medo de que você seja feito de bobo — Namjoon finalizou com um sorriso simples, mas que exibia covinhas que Jimin achara adorável.

— E vocês vão só terminar? Assim?

Os mais altos se fitaram antes de olhar para o outro.

— Como assim? — perguntou o mais velho.

— Ah, esse cara merece mais do que só término! Isso é muito fácil para ele. Vocês vão terminar e ele vai continuar fazer a mesma coisa com outras pessoas. Ele precisa de uma lição!

— Uh… eu gosto da maneira com que você pensa.

— Gente… — Namjoon diferente de Seokjin já achava que aquilo tudo seria uma péssima ideia. Era melhor só terminar e cada um seguir seu caminho. — Não acho que seja legal e ele é advogado — ponderou.

Seokjin colocou a mão na boca, falando somente com Jimin, mesmo sabendo que Namjoon também escutava.

— Ele tem um medinho de advogados.

— Advogados são crias do demônio, okay?!

— O que você tem em mente, Jimin? — O mais velho continuou ignorando a fala de Namjoon. — Quebrarmos o carro dele?!

Namjoon bateu com a mão na própria testa.

— Não! — disse Jimin, colocando a xícara de café na mesinha de centro. — Isso aí é arriscado demais e ninguém aqui que gastar dinheiro com processo. Mas… eu pensei em algo que o envergonhasse. Jaehwan tem cara daqueles que morrem para manter o status.

— Ah, sim… Ele gosta de manter a imagem impecável — Seokjin confirmou.

— Ele não consegue aguentar nem quando os amigos o zoam — o mais alto completou.

— Sério? Hm… então eu acho que tenho a ideia perfeita.

Jimin sorriu de lado, levantando o dedo indicador ao pedir um minuto antes de correr para o quarto, os dois mais velhos se fitaram e sorriram.

— Espera, a gente vai confiar em um cara que acabamos de conhecer? — questionou Namjoon, em tom baixo.

— Eu confiei em você, não foi?

Touché. — O professor suspirou pesado, recostando no sofá. — Aqui é bonito, acho que ele é burguês.

— Mas um burguês legal — afirmou o mais velho. — Joonie… você acha que ele usava preservativo com todos?

Quando o professor fitou o mais velho alarmado, Jimin voltou a sala com um caderno e canetas. Ele nem notou o clima estranho do local, somente se sentou para falar o seu plano.

— Tem alguma data de comemoração próxima de algum de vocês? Aniversário de namoro, essas coisas…

Seokjin apareceu pensar por um momento, mas Namjoon levantou a mão como se tivesse em uma classe.

— Meu aniversário é daqui dez dias.

— Perfeito. Você irá convidá-lo para um motel — Jimin respondeu sorrindo tão inocente que nem parecia que poderia propor tal coisa.

— Como é que é?! N-nós n-nunca fomos a um…

— Oh, Joonie… Você é um bebê! — Seokjin riu alto, apertando a bochecha de Namjoon, que logo ficou com as bochechas vermelhas. — Ele não é fofo, Jimin?!

O mais baixo sorriu.

— Super fofo.

Namjoon grunhiu, escondendo o rosto nas mãos. Nunca apresentaria aqueles dois a Hoseok, se não estaria ferrado.

— Continua seu plano, Jimin.

— Então… Namjoon irá chamar Jaehwan para comemorar o aniversário e então vai propor apimentar a relação o vendando e amarrando na cama. — Jimin sorriu ao notar o sorriso crescendo aos poucos nos lábios de Seokjin e os olhos de espanto de Namjoon. — E então…

— Nós dois aparecemos e ele vai morrer de vergonha! — Seokjin completou, sorridente. — Ai, eu adorei!

— Okay, até que… não é a pior coisa — comentou o mais alto. — Acho que gosto da ideia.

Jimin levantou a sobrancelha, estalando a língua.

— Sim, vocês vão aparecer, mas também irão tirar fotos dele na posição constrangedora e mandar para todos os contatos dele. Depois ainda o deixarão amarrado lá para ser descoberto.

— É perfeito! Perfeito! Jimin, você é um anjo! — Seokjin comemorou. — Eu estou puto por Jaehwan conseguir reunir tanta gente bonita e maravilhosa! Desgraçado.

O professor já sacudia a cabeça negativamente, pensando em como não faria aquilo. Ele não era louco de levar um processo! Bendita hora que tinha ido procurar Seokjin e agora Jimin; era melhor ter terminado de uma vez e ido embora.

— Pode deixar que eu vou o convencer — afirmou o mais alto, puxando Namjoon para abraçá-lo de lado. — Você é um gênio Jimin.

— Ah, eu tento. — Jimin deu outro sorriso. — Até que foi legal conhecer vocês, eu estava em um momento bem… autodepreciativo por aqui. Desculpa, vocês não querem saber disso.

Namjoon foi o primeiro a proferir algo.

— Se você quiser conversar, o mínimo que podemos fazer é ouvir e tentar ajudar.

— Sim! Podemos virar amigos, não é?! — questionou o loiro. — Pau-irmãos!

O mais alto revirou os olhos.

— Você disse que ia parar de falar isso, Jin! Que vergonha!

Jimin riu com todo o corpo. Ver os dois discutir sobre o uso termo era engraçado. E o melhor é que eles pareciam se dar muito bem para pessoas que se conheciam haviam tão poucos dias. Park gostava daquele tipo de coisa, tornara-se amigo de Taehyung no mesmo dia que o conhecera.

— Ei, ei, ei… vejo um olhar triste — disparou o mais velho, apontando para Jimin. — O que houve? Por favor, a quem devemos matar?

— Oh, não… se você o matar eu vou me sentir pior. — Jimin riu, mexendo a mão como um gesto que o outro deixasse o assunto para lá.

Hm… Isso tem cara de amor não correspondido. O que acha, Joonie?

Namjoon arregalou os olhos.

— Não é Jaehwan, certo?

— Cruzes, claro que não! — Jimin sacudiu os ombros, suspirando pesado. — Meu melhor amigo. Na verdade… é meio que por isso que saí ontem, queria esquecer, mas pelo visto voltei com um lixo tóxico.

— Ai, ufa… Jaehwan não merece amor de ninguém — Namjoon proferiu aliviado. — Mas… o seu melhor amigo…

Hm… Eu nunca cheguei a me declarar para ele, mas Tae sabe… Ele não é burro e eu não sou bom em esconder.

— E ele brincou com seus sentimentos? — O mais velho questionou dessa vez.

— Oh, não… Ele… Ele meio que foge? Hoje de manhã ele perguntou se eu gostava de alguém e quando eu insinuei que ele não queria realmente saber Tae literalmente correu. — Jimin sorriu fracamente. — Ele é o que chamam de fuckboy? Acho que é esse o nome.

— Ah, entendi! É galinha — disparou Seokjin. — Vai pela gente, melhor desistir.

— Jin! — Namjoon sacudiu a cabeça em negação. — Você não pode falar essas coisas!

— Joonie ele claramente está em busca de alguém que o arrebate! Que seja um bom namorado e se esse menino que ele gosta ainda está na fase de ficar com várias pessoas, claramente não é o que Jimin procura — ponderou Seokjin. — Vai por mim, é melhor ele saber agora e pela gente que no futuro quando um outro namorado dele bater na porta dizendo que está sendo feito de corno há quatro meses e que até mesmo mora com essa outra pessoa!

Seokjin respirou fundo e logo viu os outros dois o fitando com espanto. Ele então pegou a xícara de café e tomou para disfarçar o rápido surto.

— Jin, depois daquela vez no parque, você chorou? — perguntou Namjoon, com delicadeza.

— Não…

— Se você quiser chorar, eu posso te abraçar.

— Oh, Joonie! — Seokjin largou o café de qualquer maneira e abraçou o moreno com força. Jaehwan lhe trouxera muita tristeza, mas conhecer Namjoon tinha sido uma benção. — Nunca mude, por favor!

Jimin sorriu, de alguma maneira já gostava dos outros dois, eles eram fofos e seu lado romântico não podia deixar de pensar se talvez um romance não saísse dali, seria uma bela história.

O ruivo ainda sorria para o abraço na sua frente quando escutou o barulho de chave. Ele ficou tenso no mesmo instante e remexeu no cabelo, ajeitando de qualquer maneira.

— Minnie, consegui aquele bolo que você tanto gosta. Por favor, me perdoa… Oh!

Taehyung arregalou os olhos para as visitas no apartamento e sem saber o que fazer, fitou o melhor amigo. Quem eram aqueles?

— É ele?! — Seokjin murmurou a pergunta. — Até eu teria uma crush

Shiu! — Namjoon fez um som com a boca. — Não é a hora, Jin!

Jimin pigarreou.

— Oi, Tae. Estes são Namjoon e Seokjin, eles são namorados do cara que eu transei ontem — Jimin respondeu com um sorriso simples. Podia ser um pouco insensível, mas ainda não havia superado o fato de Taehyung ter o deixando dormir com Jaehwan. — Mas não se preocupe que estamos nos dando bem.

O loiro mais novo estava confuso, mas em silêncio deixou a caixa com bolo no aparador da sala e fitou Jimin, sem nem saber o que falar, então fitou os outros dois e soube menos ainda.

— Foi culpa minha — Taehyung disse para os mais velhos. — Jimin… não sabia de nada, ele só estava tentando se divertir, eu tinha que ter sido um amigo melhor.

— Oh, não. Eu acho que a culpa foi dele sim. Como Jaehwan seria capaz de resistir a esse rostinho lindo? — Seokjin proferiu, cruzando os braços e suspirando dramático. — Jaehwan é apenas um homem no final das contas.

Um coletivo “Uh” preencheu o ambiente para em seguida todos rirem.

— Eu amaria ficar conversando com você o dia inteiro, Jimin, mas infelizmente o proletariado aqui tem que trabalhar — afirmou Seokjin.

— Eu também e ainda nem fiz meu plano de aula. — Namjoon suspirou cansado. — ‘Tô tenso agora.

— Joonie, vai dar certo! Vamos, vamos, eu te dou carona!

— Sério?! Muito obrigado!

Taehyung estava confuso, pois aqueles dois pareciam viver em uma sintonia diferente da dele, mas em silêncio observou Jimin trocar número de celulares, combinar alguma coisa — ele tinha escutado a palavra vingança? —, e depois abraçar aos mais velhos. Sua mente definitivamente parecia bugada.

— Eu mando detalhes por mensagem — afirmou Jimin, rindo. — Vamos fazer esse babaca pagar!

— Obrigado! — Seokjin abraçou Jimin com força. — Se cuida, pode mandar mensagem para qualquer coisa. Somos pau-irmãos!

— Ai, minha divindade…

Houve uma rodada de risadas até os mais velhos finalmente saírem do apartamento e não passou despercebido para Jimin o fato de Seokjin logo puxar Namjoon pela cintura para andarem abraçados. Ele sorriu, torcendo para que um romance despertasse dos dois. Seria fofo demais!

— Jimin?

O ruivo suspirou pesado.

— Está tudo bem, Tae. Vamos esquecer esse assunto, okay?

O loiro sorriu, logo puxando Jimin para um apertado abraço. Ele odiava saber que o melhor amigo estava magoado com ele.

— Eu prometo nunca mais te deixar sair com traste.

— Eu agradeço.

Hm… você quer bolo?

Park sorriu fracamente e concordou com a cabeça

— Vamos comer bolo que eu te conto toda a história…

— Ufa! Achei que ia ficar sem tea.

Os dois riram e Taehyung logo voltou a abraçar Jimin. Amava-o tanto que doía somente pensar em perdê-lo, então faria de tudo para sempre o ter ao seu lado e nunca o magoar, era a uma promessa que tinha consigo mesmo e nunca falara para mais ninguém. Assim, quando sentaram para comer bolo, o loiro pensou em como manteria aquele juramento para o resto da vida, pois era tudo o que o outro merecia.

Jimin era a luz da vida de Taehyung e o loiro nunca queria perdê-lo.

           


Notas Finais


LAVEM AS MÃOS E FIQUEM EM CASA!

Gostaram do capítulo? Divulguem a fic!

E, por favor, deixem comentários com as suas opiniões; amamos lê-los.

Leiam as AUS da Tiny: https://twitter.com/aateezing

Até amanhã ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...