1. Spirit Fanfics >
  2. Love me If you dare - One Immortal Love - J-Hope ( BTS) >
  3. Sequestro

História Love me If you dare - One Immortal Love - J-Hope ( BTS) - Capítulo 25


Escrita por:


Notas do Autor


E como o prometido, aqui está um novo capítulo em menos de uma semana^^
Fiquei feliz com os últimos comentários e eles me deram ainda mais força para escrever então, obrigada 💜 obrigada por estarem lendo e... Como sempre, me desculpem qualquer erro! Bjos~~

Capítulo 25 - Sequestro


Fanfic / Fanfiction Love me If you dare - One Immortal Love - J-Hope ( BTS) - Capítulo 25 - Sequestro

Hoseok P.OV ON


Terminando... A YeonJoo acabou de terminar algo grande e profundo entre nós dois que ainda nem começou direito. Eu não consigo acreditar que ela terminou comigo só por que eu quis protegê-la. Eu sou um namorado tão terrível assim?...

- Você não vai mesmo ir atrás dela, Hyung? – Questionou JungKook parado ao meu lado enquanto eu observava o horizonte. Eu nem sei há quanto tempo estava ali, na porta de casa encarando a estrada que YeonJoo tomara para ir embora de minha vida. Suspiro por um longo período antes de responder ao questionamento do mais novo. 

- Do que adianta falar algo para ela se ela não vai me ouvir? – eu disse magoado – A YeonJoo é uma cabeça dura. Ela não vai me ouvir, Kook. - afirmei - Ela com certeza vai encontrar a desgraçada da Lise amanhã e então eu realmente a perderei, por que a Lise.. ela vai machucar a Joo e eu não vou poder fazer nada quanto a isso, por que não faço ideia de onde seja o local que Lise combinou com ela – eu disse frustrado por não poder fazer nada, passando as mãos em meu próprio cabelo, nervoso. 

- Sabe... Eu já amei várias vezes antes, Hyung. – começou jungkook – Como eu não sou um alfa como você ou Jin hyung, NamJoon hyung e Suga hyung, eu posso me apaixonar muitas vezes enquanto eu viver, sabe? – continuou – Em todas vezes que eu amei alguém, eu tentei fazer aqueles sentimentos valerem a pena. Eu sabia que teria terminar com aquelas pessoas por conta de quem eu sou depois de 3, 4 ou 5 anos, mas , ainda assim, eu fazia aqueles poucos anos valerem a pena para que não só eu, mas aquelas pessoas que eu amava também pudessem ser felizes, mesmo que nosso amor tivesse tido um final triste – disse sorrindo para o vazio, como se estivesse lembrando de bons momentos – Você tem a oportunidade de ver a pessoa amada pela eternidade ao seu lado e ainda assim não irá atrás dela só por causa de uma briguinha? Desculpe-me por dizer isso, mas... você é um tremendo idiota, Hoseok hyung. – disse ele e eu o encarei indignado. Jungkook estava perdendo a noção do perigo para xingar eu, seu Hyung assim? – Que foi? Não me encare assim. Você sabe que eu estou certo, Hyung. Se você não está disposto a ser ou parecer um idiota, então não está pronto para se apaixonar de verdade. Se você deixar ela ir assim, sem mais nem menos, então nunca a amou de verdade.

- Ainda que tenham doído, Estou impressionado com suas palavras... – bufei. O Maknae estava ainda mais filosófico a cada dia que se passava... acredito que ele estava andando muito com o Namjoon. – Droga, eu amo a Joo de verdade, mas o que eu faço, Kook? – eu perfuntei e ele revirou os olhos, pondo as mãos em suas cinturas

- O que já deveria ter feito há meia hora atrás ao invés de ficar aí parado olhando para o infinito e além! – disse ele em tom de sarcasmo – Apenas corra e vá atrás dela, Hyung. Assim como nos filmes – disse ele e eu o encarei, piscando por alguns segundos, ainda processando a informação – Vá agora! – disse ele impaciente e eu assenti, indo até meu carro e dirigindo até a casa de YeonJoo naquele mesmo instante. Levei apenas alguns minutos para chegar lá por que realmente corri até lá, mas assim que bati na porta, não obtive nenhuma resposta. Ela ainda estaria brava comigo?

- Joo... Sou eu, o Hoseok. – comecei apoiando minha testa na porta, para me sentir mais próximo dela, ainda que aquela porta estivesse nos separando – Será que podemos conversar por cinco minutos?.. – perguntei na esperança de que, assim que YeonJoo passasse por aquela porta, poderíamos conversar melhor e reatarmos o nosso namoro. Eu não podia admitir que, a partir de hoje eu não teria aquela baixinha marrenta ao meu lado me deixando com dor de cabeça ou deitando sua cabeça em meu peito todas as noites enquanto dormia. Eu precisava de YeonJoo da mesma forma que eu precisava respirar. Ela foi o melhor "talvez" que eu já tive. Esse "talvez" deixou de ser apenas uma certeza e virou um fato. Eu não conseguia fazer nada em meu dia que não me levasse a pensar nela. Eu dançava pensando em YeonJoo, eu comia pensando em Yeonjoo... Eu acordava e ia dormir pensando nela mesmo que ela estivese ao meu lado na maior parte do tempo. Se YeonJoo apenas desaparecer de minha vida assim como disse alguns minutos atrás, significava que eu seria obrigado a me acostumar com o vazio que era a falta de sua presença. 

- Joo?... – perguntei novamente após certo tempo sem resposta,  então percebi que não havia nenhum som sendo emitido no interior da casa. Nem mesmo Yuki fazia seus barulhos de cão. Aquilo estava estranho. A esta altura do campeonato ela já deveria estar em casa... será que ela foi para algum outro lugar?... Quem sabe na casa de alguma amiga?... Não. YeonJoo não tinha outros amigos além de Suho e MinHye e os dois estão longe. Suho desapareceu e MinHye fez a Joo ficar traumatizada. Ela não iria até ela novamente nesse momento. Então onde diabos YeonJoo estaria? Entro no meu carro novamente e começo a andar por seu bairro por alguns minutos até avistar seu carro estacionado na frente de uma mercearia. Estaciono atrás do carro de YeonJoo e entro naquela mercearia. YeonJoo não estava lá também. Vou até seu carro e percebo que apenas Yuki está lá. Yuki me encarava e chorava, ansioso. Tento abrir a porta do carro de Joo e consigo com sucesso. Aonde ela teria ido deixando Yuki sozinho no carro e com a porta do mesmo aberto? Até mesmo a chave ainda estava no contato...

 Pego Yuki no colo e ele se acalma, então faço um carinho em sua cabeça antes de levá-lo em meus braços para entrar naquele estabelecimento para saber alguma pista do que teria acontecido. Vou até ao caixa para perguntar se Joo entrara ali.

- Boa tarde... – começo receoso

- Boa tarde, moço – disse o atendente, atenciosamente e eu assenti em resposta.

- Você poderia me informar se uma garota mais ou menos desse tamanho aqui – mostro a altura média de YeonJoo – esteve aqui há pouco tempo? – pergunto e ele encara o teto, pensativo

- Ah, sim! Tinha uma mocinha maia ou menos desse tamanho agora há pouco. Ela parecia meio triste e comprou algumas bebidas. Ela bebeu bastante ali do lado de fora e pareceu desmaiar por conta do excesso da bebida. Eu ia tentar acordá-la para tentar perguntar se ela tinha um parente que pudesse buscá-la, mas um rapaz de jaqueta de couro disse que ele era namorado dela e a levou daqui. – Assim que ele me deu aquela informação meu corpo congelou

- Como assim? Ele levou ela embora? – perguntei e ele assentiu, simplista – Ele não era namorado dela! – eu disse irritado – Eu que sou! – eu disse com firmeza, com um leve tom de desespero. Yeonjoo.. no que você se meteu? – Posso ver as imagens da câmera de de segurança? Ela pode ter sido sequestrada por um cara que estava atrás dela, eu preciso mesmo saber, por favor! – pedi com nervosismo

- Eu não posso mostrar as imagens da câmera... meu chefe ficaria irritado se soubesse que alguém que não fosse da policia as consultou.... – disse ele acanhado e eu pus uma de minhas mãos em seu ombro

- Por favor, eu prometo que não direi nada ao seu chefe e posso comprar metade da loja em troca, apenas me mostre as imagens da câmera de vigilância! – eu disse implorando e ele assentiu satisfeito com minha proposta.

- Certo, já que é nesses termos... – sorriu ele – O meu chefe ficara feliz em saber que vendemos tanto.. eu poderia até mesmo ser promovido nessa espelunca? - sorriu animado e então ficou sério novamente - Mantenha a sua palavra e eu manterei a minha – disse ele arqueando as sobrancelhas e eu assenti com firmeza pois, graças a todos esses anos de vida, dinheiro era o que menos me faltava. E mesmo se ele pegasse todo meu dinheiro, eu não me importaria de ficar pobre se isso significasse ter YeonJoo ao meu lado, pois, quando ela estava comigo eu sentia que eu era o homem mais rico e feliz de toda a face da terra. Eu precisava dela... Mas ela não estava aqui, então meu peito doía com a ansiedade que era não saber seu paradeiro.

- Eu prometo... Eu sou rico, cara. - eu disse simplista e ele arregalou os olhos - Apenas mostre-me as câmeras para que eu possa salvar a YeonJoo, por favor! Não me importa o preço eu só quero me certificar de que ela estará segura – eu pedi sério e ele assentiu sorrindo

- Certo. Pague isso aqui e me mande o seu endereço. Acho que seria difícil você carregar tudo sozinho, mesmo que tenha um carro, então mandarei entregarem tudo lá. – Disse ele e eu assenti, pagando o valor enorme da compra de metade da mercearia e escrevi o meu endereço. Aposto que os caras lá em casa ficariam perdidos com tantas coisas sendo entregues em casa, mas isso era o que menos importava neste momento. Eles que lutassem comendo e bebendo todas aquelas porcarias – Certo, agora que já fez sua parte do acordo... Siga-me – disse ele sorrindo abertamente, obviamente feliz pelo dinheiro ganho, então ele me levou ate uma sala a parte do estabelecimento e me mostrou as filmagens de meia hora atrás na entrada do lugar. Era realmente a minha YeonJoo, ali. Ela parecia arrasada. Vê-la daquela forma me deixava comovido. Se ela iria ficar assim no final, por que ela terminou comigo? Idiota... 

O meu coração doía ainda mais por temer o que poderia acontecer com ela. Quem a levara?

- Joo... – eu disse após ver seu rosto triste, virando uma garrafa inteira de Soju de uma só vez. Ela era maluca...!

- É mesmo ela? – perguntou o vendedor eu assenti que sim mordendo meus lábios. A filmagem continuou sendo rodada e então eu vi... Eu pude ver com meus próprios olhos o exato momento em que Joo apagava e Hong... o desgraçado do Hong a pegou e a levou, desacordada até o seu carro.

- Eita... acho melhor você gravar isso e levar até a policia, se ele for mesmo um sequestrador, a sua namorada pode estar em apuros....- disse o vendedor – Tente anotar o número da placa também! Talvez ajude a localizar ela mais rápido – disse ele e eu assenti, gravando as imagens com um celular e então anotei o número da placa do carro em um papel à parte. – Boa sorte, rapaz. Espero que a encontre logo – disse ele dando tapinhas em meu ombro, como um tipo de consolo e eu assenti, ansioso.

- Eu também... Eu realmente preciso dela – eu disse nervoso e saí dali a passos largos, ainda com Yuki em um meus braços. Coloquei o mesmo no banco do passageiro e dirigi correndo até minha casa.

Ao chegar em casa, entro com Yuki e o coloco no chão para que ele ande livremente pela casa. Encontro Jin hyung e Namjoon na cozinha, comendo um pouco

- Jin hyung.... A Yeonjoo.. – eu comecei e ele me encarou

- Terminou com você, sabemos. Apenas supere, filho. Quem você quer não te quer e quem te quer você não quer. Mas relaxa. Ninguém vai sofrer sozinho... Todo mundo vai sofrer. - disse ele com tom de mãe e neguei com a cabeça

- Sabia que não deveria deixar aquele infectado brasileiro te mostrar essas músicas de corno, hyung... - Namjoon disse encarando o mais velho e eu suspirei

- Sim, terminamos, mas não é esse o problema! – eu disse alto e ambos me encararam confusos, por eu estar exaltado – Eu segui o conselho que o nosso maknae me deu e fui atrás de Yeonjoo para conversarmos . Ela não estava em casa, então andei pelo bairro e encontrei o carro dela parado numa mercearia. O Yuki estava dentro do carro, que estava aberto, mas a YeonJoo não. Então perguntei ao caixa se ele sabia de algo e ele me disse que a Joo foi levada por um cara que disse ser seu namorado, mas acontece que esse cara na verdade era o Hong! – disse rapidamente e ambos levantaram-se depressa de suas cadeiras.

- Precisamos ir atrás dela! Isso não vai dar bom... Hong e Yeonjoo na mesma cena nunca acabou bem – Namjoon disse e Jin concordou

- Mas como vamos encontrá-la? – Jin perguntou encarando Namjoon e o mais novo o encarou confuso, sem respostas

- Eu tenho o vídeo das câmeras de segurança do estabelecimento. Lá tem a imagem exata de Hong levando Joo ate seu carro. Tenho a placa do carro dele também e...

- Eu posso ajudar com isso – Disse JungKook entrando na cozinha de repente, como um gato – Eu posso tentar hackear o sistema de vigilância nacional para ter mais imagens de câmeras de segurança que estão espalhadas por aí e posso ir tentando rastrear o carro de Hong... Mas posso demorar algumas horas fazendo isso, ainda que eu seja rápido – Disse o Maknae e então eu pude ter uma esperança ao menos.

- Quantas horas, Kook? - Jin perguntou e o maknae ficou pensativo.

- Se tudo der certo, pelos meus cálculos... Umas três horas no máximo, mas isso só seria possível se eu fosse rápido e tivesse ajuda...

- Eu ajudo - gritou Taehyung do andar de cima.

- Essa meus amigos é a utilidade de termos super audição - Namjoon sorriu. - Taehyung é um futriqueiro mas isso será útil agora. Kook, apenas vá e faça isso com a ajuda do Tae. - disse dando tapinhas nos ombros do mais novo que assentiu com a cabeça.

- Você é incrível, kook. Obrigado. – eu disse grato 

- Ela é a minha aprendiz... Eu não posso deixar ela na mão. Ela se tornou realmente importante para mim. Acho que ela faz parte da nossa família agora. - disse ele com um olhar de tristeza. "Família".. sim, era aquilo que nós sete éramos e Yeonjoo entrara de repente em nossa família e bagunçou tudo de uma forma muito linda.

– Aqui estão as imagens – eu disse entregando meu celular ao mais novo

- Não preciso de seu celular, pode ficar com ele caso precise ligar para alguém ou ter notícias. Apenas me mande o número da placa do carro de Hong por mensagem e eu faço o resto. Vou tentar rastrear o celular da Joo também! Mas tenho que ser rápido... – disse ele correndo para subir as escadas e ir até seu quarto, que era cheio de computadores de primeira, já que ele trabalhava numa empresa de jogos e era o melhor. Pudemos ouvir a conversa de Tae e Kook no andar de cima, eles trabalhariam duro por Joo e eu estava feliz.

- Não se preocupe, criança. Logo a encontraremos - disse Jin me abraçando de lado e eu assenti que sim com a cabeça na esperança de que aquilo fosse verdade.E

Espero poder encontrar você logo, Joo... - pensei preocupado, rezando para que tudo desse certo e eu pudesse ter a YeonJoo em meus braços novamente o mais rápido o possível.

Hoseok P.OV OFF



MinHye P.O.V On


Ah.. Estava ficando tedioso perseguir infectados para  cima e abaixo, então decidi voltar ao meu plano original e seguir YeonJoo secretamente por aí, a vigiando dia e noite. 

Mas não demorou muito para que as coisas se tornassem ainda mais interessantes. Pude mostrar a ela como nós, os caçadores de infectados lidávamos com aquelas aberrações. Ela teve o privilégio de ver a morte de um infectado alfa... Foi tão lindo ver a cara dela de horror e espanto quando ele estava morrendo. Quem sabe a partir de agora ela mudasse de ideia e viesse de volta para o meu lado?

Seguir YeonJoo por aí de novo estava sendo um saco depois dela ter acabado com a graça do último espetáculo ao sair do nosso esconderijo aos prantos. Tive que garantir ao capitão que ela não nos traria problemas mais tarde e tive que me certificar de que ela não fosse delatar a alguém o local de nosso esconderijo. Eu fui obrigada por ele a jurar pela minha vida que eu não permitiria que um infectado ou quem quer que fosse invadisse o nosso playground. Se bem que, se isso acontecesse por um acaso, eu me certificaria de dar fim a qualquer intruso, pois aquilo não era mais apenas meu plano de vingança.

A partir do momento que eu matei aquele alfa, havíamos declarado guerra contra os infectados, pois um infectado alfa não anda sozinho. Aquele garoto não tinha aberto a boca ou nos contado sobre algo que pudesse nos ser útil, mas seu rosto dizia ‘’nobre’’. Ele com certeza não era um infectado qualquer com aquelas roupas... 

Seja ele quem quer que fosse, estava morto agora e eu sabia que seria o início de uma guerra a partir do momento que ele preferiu ser um mártir e morrer ficando em silêncio até o fim pela causa de seus semelhantes, os infectados.

Ao seguir Yeonjoo depois do dia em que eu mostrei a ela o nosso esconderijo, eu pude presenciar até mesmo o seu término com o cara bonito do curso de dança. O momento em que eles se ‘’despediram’’ na porta da casa dele e de seus amigos parecia uma cena de novela. Eu quase vomitei de tanto nojo, mas ver a cara dele de cachorro abandonado foi a melhor cena do dia. O amor deixa as pessoas fracas e vulneráveis, e ser fraca ou vulnerável é o que eu menos preciso neste momento. O que eu preciso agora é chegar no meu limite e ser forte para que eu possa proteger a raça humana desses malditos infectados. Eu preciso limpá-los deste planeta custe o que custar... Tudo é válido na guerra e no amor.

Sigo Yeonjoo discretamente em meu carro até sua casa, mas ela seguiu até uma mercearia onde encheu a cara. Mas que cena deplorável... Eu esperava mais dela. Sei que nós duas não estamos em melhores termos, mas se eu tivesse o cérebro brilhante dela, jamais choraria só por que terminei com um macho. Mesmo que eu o "amasse". Se bem que eu não sou capaz de amar. Não mais. Não existe mais um "eu". Só existe a minha causa...  Que é Matar.

Fico  encarando YeonJoo ali, enchendo a cara a ponto de ter um coma alcoólico até ver que a mesma apagou, ali na mesa do estabelecimento. 

Sério que ela ia simplesmente dormir ali? Eu quase fui até lá para dar um tapa na sua cara para acordá-la, mas um cara esquisito foi mais rápido que eu ao pegá-la e leva-la até seu carro. Por mais que eu odiasse a Yeonjoo agora por preferir os infectados a mim, eu não podia permitir que ela fosse sequestrada por aquele cara. 

Eu espero o carro do cara estranho sair para segui-lo discretamente. Em um ponto do trajeto, pude perceber que ele estava seguindo a estrada para fora da cidade.

Após um longo caminho na estrada, ele entrou numa saída que ia direto para uma propriedade particular. Eu não podia entrar ali de carro ou seria descoberta na hora, droga! Estaciono meu carro do lado de fora daquela saída da estrada e saio de meu carro, colocando minha máscara preta, um boné da mesma cor, luvas e pego minhas armas, que eram uma metralhadora e duas pistolas, e , de brinde, um canivete que ficava na minha perna. Nunca se sabe se eu precisaria usá-las ou não. Vai que eu encontrasse com mais de uma pessoa por lá. Eu precisava estar preparada para tudo.

Olho ao redor e tudo o que consigo escutar é o barulho das folhas da vegetação dali se mexendo. Já estava escurecendo, então eu tinha que ser rápida caso quisesse chegar até a propriedade antes de escurecer e eu me perdesse alí, em meio da escuridão. 

Arrumo a metralhadora na fivela que a segurava em meu peito e coloco uma pistola no cinto de minha calça. Levo a outra pistola na mão e sigo andando rapidamente pela estrada, pronta para me esconder na vegetação ao primeiro sinal de qualquer pessoa chegando ali, mas isso não aconteceu e eu agradeci mentalmente, pois com certeza haveriam ratos ali no meio de tanto mato.

 Sigo andando ali naquele caminho por mais alguns minutos até finalmente chegar na propriedade. Ela  parecia ser muito fina, aquele cara certamente tinha muito dinheiro. 

Eu podia avistar o carro dele estacionado ali. Tendo em conta que eu estava andando há aproximadamente 10 minutos, ele deveria ter chego aqui a mais ou menos 5, então ele já tinha entrado ali, com Joo desacordada em seus braços. 

Vou andando agachada até seu carro e, graças a ser uma propriedade rural eu podia ver as pegadas de seu calçado no chão barrento. Ando lentamente, ainda agachada até a ponta do carro e consigo ver o rumo em que as pegadas tomavam. Elas iam até a porta da frente, mas eu não poderia simplesmente entrar pela frente, ou seria descoberta. Olho ao redor mais uma vez e então, eu sigo andando a passos leves pelas laterais da casa, atenta a qualquer barulho que pudesse revelar alguma presença próxima a mim. Vejo uma escada de madeira do lado de fora da propriedade, ela estava próxima a uma janela. Se aquela janela estivesse aberta, eu poderia entrar por ali sem atrair muita atenção. E foi o que eu fiz, muito cuidadosamente para não fazer barulhos ou ruídos. Guardo minha outra pistola no lado livre de minha cintura e subo aquela escada.

- Está aberta por dentro... ótimo! – sussurro, me sentindo vitoriosa enquanto ia abrindo lentamente a janela e entrei na casa pela mesma, sem muitas dificuldades. O local em que a janela dava era um quarto, muito bonito por sinal, mas parecia não estar sendo utilizado por ninguém há um tempo, o que era ótimo. Ninguém entraria ali enquanto eu estivesse no cômodo. Pego uma de minhas pistolas novamente e ando lentamente até a porta do quarto. Coloco meus olvidos sobre a porta para tentar ouvir qualquer ruído que fosse do outro lado da mesma, e eu ouvi. Eles aparentemente vinham do andar debaixo da casa... mas com o eu poderia ter certeza de que eu era a única naquele andar?

-É tudo ou nada – eu disse num sussurro, destravando a minha pistola, ao mesmo passo que colocava um silenciador na sua ponta, para evitar chamar a atenção de possíveis testemunhas que pudessem acabar chamando a polícia. 

– Vamos lá...- Eu disse abrindo a porta bem lentamente para que a mesma não ocasionasse nenhum ruído. Ao pôr a cabeça para fora do quarto, percebi que era um corredor cheio de portas, que muito provavelmente eram outros quartos. Tento novamente ouvir qualquer ruído e novamente, só consigo ouvir ruídos que vem do andar debaixo. Deixo a porta do quarto entre aberta por precaução, caso eu precisasse de uma rota extra de fuga, então começo a andar novamente a passos leves pelo corredor de quartos e vejo uma escada extensa que vai até o andar debaixo. Agora não teria mais volta.

 Desço degrau por degrau com leveza, para não atrair nenhuma atenção de quem quer que estivesse no andar debaixo . Eu era uma caçadora e eu era muito boa em ocultar minha presença ou fazer o mais absoluto silêncio, quando precisasse. Com uma metralhadora pendurada no peito era difícil fazer silencio, mas nada era impossível para mim. Continuo descendo até a esquina da escada. Coloco minha cabeça ali discretamente para ver até onde ia aquele desvio da escada... eram apenas mais alguns degraus até o primeiro andar a partir dali, e a luz do cômodo abaixo estava acesa, alertando-me sobre a presença de alguém. As vozes se tornaram ainda mais evidentes e audíveis. Eu conseguia ouvir as vozes de dois homens e uma mulher, mas a voz feminina não era de YeonJoo. Não me arrisco a descer ainda e apenas ouço as vozes por um tempo, para descobrir mais sobre a situação em que me meti por YeonJoo.

- O que quer fazer agora, querida? Eu já trouxe a garota até aqui. – Uma das vozes masculinas disse. Era o sequestrador!.

- O que irei fazer é o que precisa ser feito, querido. Apenas coloque o tubo de transfusão em seu braço. – A voz feminina disse e eu franzi o cenho. Colocar um tubo para transfusão no braço da YeonJoo?... O que diabos ia acontecer aqui nesta casa?

- Não! – A outra voz masculina disse, parecendo cansado – Você não deve machucar ela – continuou. Pelo seu tom de voz, ele parecia estar debilitado ou doente.



...Espera um pouco!!! - meu cérebro me alertou 


Aquela voz... sinto que já conhecia ela de algum lugar. Ela me parecia familiar. Era só um pouco, mas ainda assim, eu sinto que já havia ouvido aquela voz por pelo menos uma vez em minha vida... mas de quem era?


- Eu não só devo, como vou. Se machucar ela um pouco signifique salvar você, eu o farei sem pensar duas vezes! – disse ela com firmeza – O sangue dessa garota pode salvar você! – continuou num tom firme 

- "Essa garota".. Você não pode ao menos ter um pouco de compaixão por ela?.. - perguntou amargurado - Não faça isso com ela.. Apenas me deixe morrer como é o ciclo natural da vida. - ouvir aquele cara falar as coisas daquele jeito me deixava ainda mais curiosa para saber sua identidade. Ele parecia gostar e se importar bastante com a YeonJoo.

– Hong, fure-a logo! – ordenou ela e eu me questionei internamente. 

Como assim o sangue de Joo poderia salvar o cara debilitado? O sangue dela nem era raro até onde eu sabia. Mesmo que esse cara quisesse se salvar de verdade, bastava ir fazer uma transfusão em um hospital, não aqui no meio do nada. O sangue da Joo é comum então, por que ela? Por que aqui?

- Sim, querida. Como quiser. – respondeu o outro. Então quer dizer que o dono da primeira voz se chamava Hong? 

Agora eu sabia o nome do sequestrador de YeonJoo. Desço mais alguns degraus com cuidado ate o final e me abaixo, me esgueirando pela parede e me escondendo na mesma. Pude observar uma mulher não muito velha de pé e o sequestrador de Joo limpava o braço da mesma e colocava uma agulha com um tubo. Joo ainda estava desacordada e amarrada numa cadeira e, ao lado dela, havia uma cama e acima dela estava um garoto, que também tinha um tubo em seu braço, era a outra ponta do tubo que estava sendo colocado em Joo. Eu o conhecia mesmo...

 Eu sabia que já havia ouvido aquela voz antes! Ele era um dos amigos de YeonJoo naquele dia do refeitório. Mas o que diabos ele fazia aqui? E recebendo o sangue de Joo ainda?

- Omma... Eu não posso deixar você fazer isso... - disse baixo, quase nim sussuro. Ele estava realmente debilitado - Nem que seja apenas para me salvar, eu não posso permitir que a Joo sofra por minha causa. Eu não.. Eu não pude fazer nada para ela até agora.

- Apenas aceite, meu filho... Sua irmã nasceu apenas para que ela pudesse te salvar. – disse a mulher, então eu fiquei ainda mais pasma... IRMÃ?!! Aquele garoto era irmão de YeonJoo? Como assim?...

Antes que eu pudesse pensar mais um pouco, o sequestrador aparece em minha frente de repente, com rapidez e me imobiliza, jogando minha pistola que estava em minhas mãos para longe. Droga, aquela força... ele era um infectado?

- Lise, querida... parece que temos visitas... – disse ele sorrindo e eu vi que aquele provavelmente seria o meu fim. Sozinha, imobilizada e sem armas, eu dificilmente conseguiria matar aquele infectado.

Me desculpe, Joo. Acho que eu não vou poder te salvar desta vez. Acredito que não poderei nem mesmo salvar a mim mesma nesta história. E é aqui que termina a minha história


MinHye P.OV OFF


Notas Finais


Eitaaaaaa o que acharam? Comentem bastante aí. Foi um capítulo meio tenso, né? Novamente a YeonJoo sumiu e agora virou a vaca de sangue do Suho por causa da Lise. E agora??? O que vai acontecer? É agora que a MinHye descobre a identidade da Joo? Kkkk agora que o fogo no parquinho vai acender de verdade. A Minhye realmente seria capaz de matar a própria amiga em prol de sua causa? Tan taan taaaaan descubra nos próximos capítulos :3 até a próxima 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...