História Love Me Like You - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Colegial, Intrigas, Originais, Romance
Visualizações 48
Palavras 2.626
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Nome do capítulo: A Noite Será Longa...

Boa leitura!

Capítulo 15 - The Night Will Be Long



22:30.

As meninas dançavam fingindo normalidade, e tentando esquecer que os "problemas" estavam no bar se divertindo.

Alguns meninos mais novos, alguns meninos mais velhos, tentavam se aproximar delas. Chamando-as para dançar, ou pedindo diretamente para ficarem com elas. Mas elas estavam tranquilas, e só queriam dançar e se divertir, aproveitando o máximo a balada que, só iriam agora, daqui dois anos.

Elas deram de ombros, e até 23:22 as coisas ainda estavam tranquilas. Mas quando deu 23:45 em ponto, as coisas começaram a ficar... Estranhas...

Jenny, parecendo querer brincar com o satanás, puxou as meninas para onde? Isso mesmo. Para o bar. Parando bem ao lado do time de basquete.

- Aí, elas aí! Não adianta correr, amigos, elas são como imã e nós o metal... — Louis gritava de tão bêbado que estava.

As meninas olharam risonhas para os garotos, que estavam um pouco vermelhos pelo amigo tê-los praticamente entregados, que estavam falando sobre elas.

O barman serviu as garotas depois delas fazerem os pedidos das bebidas alcoólicas, mas ainda se sentiam desconfortáveis perto dos meninos, principalmente porquê os gritos de Louis eram mais altos, e sobre como elas eram.

Ayano se levantou do banquinho com seu copo de whisky, dizendo que iria dançar. Não aguentava mais ouvir comentários sobre suas pernas e como suas amigas haviam "fisgado" aqueles meninos.

Tyler se levantou também, dizendo que ia ao banheiro, era outro que não aguentava mais tentar calar a boca do amigo idiota.

Thomás estava se livrando aos poucos. Pegou seu coquetel que estava em cima do balcão, e sem deixar que seus amigos perceberem, pegou o braço de Emilly da cadeirinha, levando-a com ele até o outro lado daquela enorme balada, enquanto ela pedia para se soltar, e suas amigas, em uma tentativa falha de "ajudar o casal10", riam baixinho.

Mas aquela pouca risadinha acabou rapidinho. Jenny e Judie viram quando Fred e Carter desistiram de segurar Louis, e saíram, deixando o garoto com Edgar e Nicollas, que não conseguiram segurar o amigo por muito tempo.

- Jennifer Stewart. — ele a chamou com a voz embargada, mas tentando sair elegante. — De presente de aniversário eu gostaria de lhe pedir... Um beijo!

- Quê? — ela arregalou os olhos.

- Venha cá, chuchuca! — Louis começou a correr atrás de Jenny pela balada, enquanto passavam por pessoas se drogando, fazendo coisas ilícitas até mesmo em cima das poucas mesas do local, ou simplesmente se devorando com a língua.

Judie tentou ir atrás da amiga, mas ela já estava perdida no meio daquele pessoal esquisito, enquanto Louis corria atrás dela para lhe dar um beijo.

A mesma olhou de relance para os meninos que ainda estavam no bar, e viu que Edgar procuraria Thomás que havia sumido, e eles não o tinham visto.

Sentiu o coração acelerar, quando Nicollas sorriu para ela, e foi em sua direção. O que tinha acontecido mais cedo ainda estava bem vívido na mente dos dois. Ela estava sem reações. Ele sem a vergonha que nunca teve.

- Oi, Judie... — o Parker falou dando um sorriso torto para a menina, assim que se aproximou dela.

- O-oi, Nick. — ela deu um sorriso mínimo, e ficou com as bochechas levemente coradas.

- Está sem graça pelo que aconteceu hoje mais cedo, não é? Olha, não quero que a nossa situação fique estranha...

- Acho que isso não tem como... — Judie murmurou.

- Ter tem... — Nick fingiu pensar.

- Mas...

Nicollas ligeiramente puxou Judie para si, lhe dando um selinho longo. Ela, com os olhos arregalados, foi relaxando aos poucos e puxou o menino para mais perto.

Ele sorriu em meio aquele selinho, e intensificou o beijo, colocando as mãos na cintura da garota, que levou as dela até sua nuca.

Nick se separou dela quando o ar lhes faltou, e olhou no fundo dos olhos azuis da menina.

- E-eu... — ela tentou formular uma frase que saísse certa.

- Não saia correndo de novo, por favor... — o garoto murmurou baixinho e tão ofegante quanto ela. Judie olhou no fundo daquele olhos cinzas, tão... Brilhantes e diferentes... — Só... Repete comigo...

Ela sentiu o coração acelerar brutalmente e fechou novamente os olhos, ao sentir o que viria a seguir.

A noite seria longa...


                          ...


A japonesa de gole em gole, se soltava no meio da pista de dança, enquanto mexia os quadris com a música Mine, do Bazzi.

Alguns garotos tentaram dançar com ela, mas não se interessava. Estava plena enquanto descobria como tinha escondido aquelas habilidades de dança.

- Oi, Ayano. — a voz rouca de Tyler, foi ouvida atrás da garota, que com o susto deixou o copo cair no chão.

- O-oi, Tyler. — ela falou meio tonta.

- Está tudo bem? Se cortou? — perguntou preocupado.

- Não, não, eu estou bem, arigatō.

- Desculpe pelo susto.

- Imagina, está tudo bem. — sorriu simpática.

- Posso me redimir, te chamando para dançar? — ele abriu um sorriso maroto e sugestivo.

- Ahñ...

Sem esperar uma resposta mais convincente, Tyler a puxou para o meio da pista, e movimentou seu corpo junto com o dela.

Ficaram conversando um bom tempo ali, enquanto dançavam e riam alto quando um pisava no pé do outro. Ayano o puxou para o bar e pediu mais uma cerveja, acompanhado do garoto que ia para o terceiro copo.

         Conversaram por mais um tempo, até ele chamá-la para dançar Complicated, da Avril Lavigne, e riram um pouco no começo, já que a cabeça deles estavam um pouco tontas, mas completamente lúcidas.

Tyler parou de rir por um momento, e olhou para os olhos negros na menina, não eram tão negros quanto os seus, mas eram lindos e pouco misteriosos.

Ayano mordeu o lábio inferior, ao sentir os olhos dele sobre ela, a mesma abaixou a cabeça com vergonha, mas ele colocou a mão no queixo dela, e levantou-a.

- Sabe, essa noite não pode ficar mais maluca do que já está... — Tyler deu de ombros. — E nós sabemos que estamos aqui infringindo a lei, e tal... Então eu queria saber se... Se algo a mais acontecesse com você... Você não acharia, hm... Estranho...?

- Como assim? — Ayano questionou confusa.

Assim que ela fez essa pergunta, Tyler deu um sorriso de escárnio, tirou a mão do queixo dela, conduzindo-a para a sua bochecha fazendo um leve carinho encostou a testa na dela e ela arregalou os olhos com tal proximidade ele tem um soltou um risinho baixo.

- O-o que está fazendo? — ela piscou os olhos freneticamente, enquanto suas bochechas ficavam mais vermelhas.

- Bem... Estamos numa balada, com identidades falsas, a noite está bem mais maluca do que esperado, e então, achei que um beijo pode "acalmar" nossa situação...

- Be-beijo? O-o quê...?

Tyler não deixou-a terminar sua frase, e colocou a mão mais firme na cintura da garota, tocando levemente seus lábios nos dela deixando-a com os olhos arregalados de começo, mas depois ela simplesmente os fecha devagar, colocando a mão nos ombros dele e se entregando ao beijo.

Ele sorriu em meio aquilo, e intensificou o beijo deixando-a hipnotizada. Ela puxou os cabelos da nuca dele devagar enquanto ele ainda apertava sua cintura.

Puxou o lábio inferior dela com os dentes e ela tirou as mãos na nuca dele voltando-as ao seus ombros, apertando um mais forte para ele continuar com o ato.

Estava muito bom. Estava tudo muito bem. Mas como tudo que é bom dura pouco...

- Opa! O que vocês estavam fazendo, hein? — Jenny gritou perto dos dois, fazendo-os se afastar rapidamente.

- Ahñ... Nós, é... — Ayano tentava falar, mas não conseguia. Estava ofegante, corada até demais e nervosa, muito nervosa.

- Ah, isso não importa no momento. — Jennifer a cortou. — Ayano, preciso de você, agora.

- Mas... Jenny, eu... — ela olhou para o garoto, que observava a cena em silêncio.

- Não, não tem problema, pode ir. Amanhã nós conversamos melhor, pode ser? — Tyler deu uma piscadela.

- Pode, eu te encontro na escola ou em algum lugar, ou... Ah, a gente se vê... Tc-chau, Tyler...

- Tchau, Ayano, a gente se vê... — ele sorriu, e quando Jenny ia puxá-la, ele a gritou novamente. — Aliás... E-eu gostaria de tentar de novo, isso, sem interrupções... Foi... Muito bom... — deu um sorriso torto e brilhante.

- E-eu... — Ayano mordeu o lábio inferior, ainda um pouco corada, enquanto um sorriso bobo brotava em seus lábios.

- Blá, blá, blá... Sem essa melosidade de casal na minha frente, né gente? — Jenny revirou os olhos. — Vamos logo, Ayano. Amanhã você conversa com ele, pega ele quantas vezes você quiser, faz o caralho a quatro, isso não é problema meu, mas agora eu preciso de você, vamos!

Ayano deu uma risadinha sem graça, e Tyler acenou para ela, vendo-a ser arrastada por Jennifer, sumindo no meio da multidão.

Ele sorriu sozinho, e passou a mão pelos cabelos ansioso e feliz. Mas... Por que estava daquele jeito?

Só sabia que... A noite seria longa...


                            ...



- Droga, Jenny! Não podia ter esperado? — Ayano fez um bico emburrado, deixando seu rosto mais fofinho, mas ela realmente estava brava e frustrada.

- Não! Preciso me esconder do Louis, aquele louco bêbado quer ficar comigo como "presente de aniversário", e eu não achei nem a Judie nem a Emy para me ajudar. — a Stewart cruzou os braços.

- Aí você tinha que cagar com a minha ficada para fugir de uma... Que bela amiga!

- Me ajuda, Ayano, por favor! Você precisa me esconder. Não quero ficar com o Louis, muito menos um Louis bêbado!

- Como você conseguiu distraí-lo? — a Yamada revirou os olhos.

- Entrei na fila do banheiro feminino enquanto estava com tempo. Mas me ajuda! — Jenny mordeu o lábio inferior.

- Está bem, está bem! Mas quero algo em troca depois.

- Okay, tudo que quiser. Mas por agora, me ajude, please!

- Vamos... Estou vendo que a noite vai ser longa... — Ayano balançou a cabeça negativamente, seguindo a amiga.


                           ...



Thomás só parou de andar quando chegou com Emilly num canto mais afastado da balada.

Ele sorria cinicamente para ela, enquanto a mesma tentava se soltar e ir embora. Viram várias vezes Jenny correr pelo lugar, enquanto atrás dela vinha Louis, e isso deixava a garota com mais vontade de sair.

- Será que pode me soltar? Quero ir ajudar minha amiga, a correr do meu amiguinho esquisito. — Emy falou tentando puxar seu braço das mãos de Thomás.

- Deixa eles, formam um ótimo casal. Enquanto nós dois podemos ficar aqui... Curtindo a brisa... — ele piscou para ela.

- Logan, você é muito irritante mesmo. Me larga, agora!

- Olha, não precisa fazer escândalo. Peça por favor.

- Me solta, por favor.

- Não.

- Imaginei que diria isso... — ela bufou, desistindo de puxar seu braço. — Saco.

- Saco? Eu tenho entre as pernas. Quer ver? — Thomás ironizou, rindo alto em seguida.

- Nojento. Me deixa ir, por favor.

- Hm... Tudo bem...

Ele soltou o braço dela, e lhe deu um sorriso falso. Emy franziu o cenho, e olhou intrigada para Thomás, que apenas deu de ombros.

- Você me trouxe aqui atoa? Sério?

- Só queria chamar sua atenção.

- Parabéns, conseguiu.

- Olha, não estou mais te segurando. Se quiser ir embora, fique a vontade.

- A bipolaridade é foda mesmo...

Depois, olhou melhor para Thomás e viu que seu olhar estava meio cabisbaixo, mas não aparentava estar "triste".

Sentiu um leve aperto no peito, e colocou cuidadosamente a mão no ombro dele. O Logan levantou seus olhos da bebida, até os dela, onde viu uma imensidão acinzentada, que o deixou um tanto hipnotizado.

Emy, tão concentrada naqueles olhos negros, não moveu mais nenhum músculo, e mesmo um pouco preocupada por Thomás tê-la liberado "facilmente", esqueceu-se das perguntas que lhe faria.

Mordeu o lábio inferior, um pouco incerta. Por que ainda estava ali? Por que estava tão concentrada com ele naquele momento?

Olhou um pouco mais para baixo de seus olhos, enxergando sua boca meio avermelhada por conta das bebidas que já havia tomado. Lembrou-se das palavras dele no dia da Educação Física naquele corredor dos armários. Ela iria mesmo tomar uma atitude? Iria mesmo beijá-lo?

Aquele paradoxo deixou Emily totalmente confusa e ela simplesmente colocou as mãos no pescoço dele e tocou seus lábios no dele.

De princípio, ele arregalou os olhos com atitude inesperada da menina. Jamais pensaria que ela poderia mesmo tomar alguma atitude naquela relação — não tão — amistosa entre os dois.

Mas depois, com uma das mãos ainda segurando a bebida e ele ainda de olhos abertos, viu alguém passando perto deles lhe entregou a bebida sem dar qualquer satisfação, colocou as duas mãos na cintura de Emilly puxando a para mais perto fechando os olhos e finalmente retribuindo o beijo dela sorrindo em meio aquilo.

Ele não fez como nas outras vezes. Não teve que abaixar um pouco sua cabeça para poder intensificar o beijo. Como ela estava conduzindo, porquê ela tomou atitude, ele deixou que ela se virasse se realmente quisesse continuar beijando-o. Então, Emy ficou na pontinha dos pés alcançando na mesma altura, o rosto de Thomás tornando o beijo mais intenso.

Mas depois de um tempo, devido à falta de ar, ela se separou dele voltando a sua posição normal.

- É... Eu achei que nunca tomaria uma atitude... — Thomás falou ofegante e dando um sorriso torto, mas com satisfação e malícia.

Ela não conseguiu responder, simplesmente saiu correndo, deixando o Logan lá, do mesmo jeito fofo e malicioso.

A noite seria longa...


                          ...


01:18.


Emilly já estava na sua sexta dose de tequila. A noite estava sendo terrivelmente longa...

Tinha perdido suas amigas na multidão. Tinha visto Edgar, mas nem com ele falou. Tinha ignorado vários pedidos de dança, assim como flertes. E tinha beijado Thomás...

"Alguém lá em cima, realmente, não gosta de mim..."

Seus pensamentos de tristeza foram interrompidos, quando sentiu uma mão tocar-lhe o ombro e a outra tirar o copo de sua mão, puxando a garota para fora do banquinho do bar.

- E-Edgar? — Emilly olhou para o garoto, atônita.

- Emy, me responde uma coisinha? — ele perguntou sério.

- C-claro...

- Você tem alguma coisa com o Thomás? Eu vi vocês se beijando, naquele cantinho quando estava procurando ele...

- O-o que? Eu não estou ficando com o Logan, é só que, foi só de momento... Não significou nada, ele para mim não é nada.

- Bom... Isso é interessante de saber... — Edy deu de ombros.

- P-por quê? — ela perguntou nervosa.

Edgar deu um mínimo sorriso e segurou as bochechas dela com as duas mãos, puxando um pouco seu rosto mais para perto.

Emilly estava ansiosa pelo que já sabia que viria, mas a música foi abruptamente interrompida. Fazendo-os se separar para olhar o que acontecia.

         - Olha só, chefe... Drogados... — o policial que estava com um outro, que era o chefe de polícia, apontou para as pessoas que usavam becks e maconha. — Animais... — apontou para as pessoas que estavam no meio do "amor", em cima das mesas. — E pessoas jovens demais para um lugar como esse...

- Pois é, John, isso é decadente. A festa acabou pessoal. — o policial chefe falou com a voz grossa. — O delegado quer ver todo mundo aqui na delegacia.

- Eu disse que ia dar merda. Às vezes eu detesto estar certa... — Ayano passou a mão pela franja, preocupada, enquanto murmurava para si mesma. — A noite ainda vai ser muito longa...


Notas Finais


Link da música (Mine): https://youtu.be/Gc71AmT_b2k

Música: https://youtu.be/5NPBIwQyPWE

Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...