1. Spirit Fanfics >
  2. Love of Blood - Imagine Jeon Jungkook >
  3. I. Files

História Love of Blood - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Ooi gente, tudo bem?

Bom, que já tinha lido dos três primeiros capítulos dessa fanfic saiba que eu não mudei praticamente nada, foram só uns detalhezinhos que eu não tinha gostado, mas agora vou continuar a publicar os capítuloss

Boa leituraa!💞

Capítulo 1 - I. Files


Fanfic / Fanfiction Love of Blood - Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 1 - I. Files


Domingo, 03 de março, 16:46 P.M.

Coreia do Sul, Seoul.

Dou uma última olhada ao redor da porta e em seguida me abaixo novamente ficando um pouco abaixo do que a altura do muro em que estávamos.

— Yurine, tá tudo certo? — pergunto recarregando minha arma, sem deixar meu olhar escapar da entrada do pequeno galpão

— Os seguranças já estão longe da entrada, podem entrar. Vocês têm menos de quinze minutos. — a garota nos alertou do outro lado do ponto, e então olhei para Marshmallow tentando ter alguma conexão com o nosso olhar para ver se ela estava pronta

— Não vai demorar menos de quinze minutos pra gente entrar e sair. — ela sorriu maléfica, e levantou rapidamente seguindo para a entrada do galpão 

Logo me levantei também, caminhando ao lado dela, e relembrando pela última vez o plano. De acordo com Yurine, lá dentro, tinha no máximo seis pessoas logo na entrada, fáceis de passar, e depois deveríamos seguir até achar um porta á nossa direita.

Bom, ela vai nos guiando até lá.

Paramos na porta de entrada onde finalmente Marshmallow abaixou sua máscara e sacou sua pistola colocando a mão na maçaneta da porta do galpão velho.

— Você é muito descuidada. — comentei, olhando ao redor para ter certeza de que não tinha câmeras por perto

Mas havia uma sim, e se Marshmallow cuidou para não mostrar seu rosto para a câmera, por sorte ela não gravou nada.

— Cala boca, assim tudo fica mais emocionante. — mirou na câmera, logo atirando dela

Ela abriu a porta sem o menor cuidado ou delicadeza, fazendo ela bater na parede ecoando um som muito alto dentro do local, e todos os homens que estavam ali olhar na nossa direção.

Seis ao todo, todos com uma feição assustada, mas mantendo a postura nesses segundos que estão nos olhando. Bonito. Caminhamos alguns passos para entrar no galpão, e imediatamente todos se puseram em posição de defesa.

— Vocês...— um dos homens comentou, e eu sorri largo

— Em carne e osso. — apontei para o homem, ao mesmo tempo que Marshmallow apontou para outro, e apertei o gatilho sem exitar

Corri na direção de outros dois, dando um soco na cara de um, e o outro um chute na barriga que o fez cair encima das caixas que estavam atrás dele. Dei mais dois socos no homem atrás de mim, para depois atirar em sua cabeça, virei-me para o que eu tinha derrubado antes que estava se levantando e logo atiro em sua testa.

Não demorou muito para que Marshmallow terminasse com os outros dois, e então corremos adiante das caixas encontrando duas portas, uma à esquerda e outra à direita.

— Entrem na porta à direita. — Yurine nos avisou, mas antes que entrássemos, três homens apareceram no galpão pela porta contrária a que iríamos entrar

— E aí, Yurine?! — Marshmallow irritou-se, e apontou a arma na direção deles

— A culpa não é minha, o Reborn tinha que ter cuidado deles! — a garota defendeu-se e Marshmallow bufou

— Vai que eu cuido deles. — mandou, e eu assenti depois de atirar em um dos homens

Passei pela porta rapidamente subindo às escadas na mesma velocidade, já que era o único lugar que dava para ir.

— Segue pelo corredor, dobra a esquerda e entra na primeira porta à direita. — esse cara gosta de portas à direita 

Fiz todo o longo processo que ela mandou, e sem querer fiz a mesma coisa que Marshmallow quase quebrando à porta ao entrar no cômodo. O mais velho que estava sentado na cadeira atrás da mesa rapidamente olhou em minha direção sem expressão alguma, e sorriu.

— Acabo de chegar na minha sala e você já aparece? — disse em um tom sarcástico e encostou suas costas na cadeira cruzando os braços — Quanto tempo não é, Allu? — senti meu sangue ferver mais ainda quando ele pronunciou o meu outro nome enquanto eu me aproximava lentamente

— Não estou aqui para reencontros de amigos, Chul. — parei logo em frente de sua mesa, onde tinha um computador aberto, e cruzei meus braços — Onde está o Taeshin?

Ele gargalhou alto sem tirar os olhos de mim, apoiou seus cotovelos na mesa e mexeu em alguns de seus papéis de cima da mesa.

— Tenho certeza de que não veio até aqui só para saber onde Taeshin está. 

— Tem razão, isso é uma das coisas. Então, me diga onde ele está. — levantei minha arma na direção do rosto de Chul — Agora.

Ele manteve sua expressão séria por alguns segundos mas desmanchou-a gargalhando novamente. Droga, como ele me irrita fazendo isso! 

— Você não mudou nada, Allu. — sorriu maléfico — Ou será que devo chamar você de Mi? — bati com minha arma no rosto dele mas permaneci apontando-a para ele

— Cala essa boca e me diz onde ele está! — ordenei e ele riu mais uma vez. Se antes eu não estava, com certeza meus olhos estavam pegando fogo nesse instante

— Não se preocupe. — limpou o canto da boca enquanto olhava para mim — Quando eu encontrar com ele, digo que a encontrei...— ajeitou-se na cadeira, porém fazendo um movimento estranho para baixo —...mas você já estará morta!

 Olha a arma.

Antes mesmo que ele pudesse pegar a arma, apertei o gatilho. Só se foi possível ouvir o som do tiro no cômodo e depois o corpo de Chul caindo no chão sem vida. Guardei a arma no bolso traseiro e sorri ironicamente.

— Acho que eu deveria dizer isso sobre você quando encontrar o Taeshin, não é mesmo? — caminhei para a cadeira onde ele estava, cuidando bem para não tocar no corpo imundo dele, e sentei-me em seu antigo lugar colocando a senha que Yurine havia me dito antes — Aliás, belo tiro Hurricane.

Consegui entrar no computador de Chul, e procurei seus arquivos, ou melhor, um em específico que nós queríamos.

— Achei que não iria dizer nada sobre isso. — a mesma se pronunciou, e a escuto recarregar sua arma — E também não é à toa que eu estou aqui, só esperando para dar um único tiro na cabeça desse idiota e não podendo estar aí, curtindo a emoção.

Gargalhei com o comentário dela, e peguei o pendrive de meu bolso conectando com o computador de Chul.

— Nossa, quanta emoção Hurricane. Matar seis pessoas, que no caso eu matei só três, e pegar alguns arquivos. Uau. — comecei a copiar seus arquivos, e apoiei minha cabeça na mão — Na próxima trocamos de lugar. O roubo do banco de Seul foi bem mais legal que isso.

— É, tem razão. Porém eu ainda não escutei um “Obrigada por salvar minha vida, Hurricane”. — ri soprado, e olhei pela pequena janela a minha direita, tentando achar o prédio que elas estavam

— Sério mesmo que você quer que eu te agradeça? — levantei as sobrancelhas escutando ela rir

— Talvez, mas, está vendo esse ponto vermelho no seu braço? — olhei para o lugar que ela mencionou vendo que era a mira de sua arma — Ela pode ir para a sua cabeça e você levar um tiro, o que acha?

Gargalhei alto, e vi que já estava quase todos os arquivos no pendrive. Ela só pode estar querendo alguma coisa, essa vadia.

— Claro, o que você quer?

— Ah, que tal um novo celular? — dei um gritinho e olhei de novo para a janela

— É sério isso?! Você já tem um celular novinho, e também eu não tenho dinheiro pra isso! — ela só pode estar brincando

— Não tenho não, a Yurine quebrou a minha tela ontem. E você tem bastante dinheiro, sua falsa! — bufei e vi que faltava apenas um porcento para terminar de passar os arquivos para o pendrive 

— Em minha defesa, o celular dela não deveria estar no chão. — Yurine defendeu-se e Hurricane rosnou

— E você deveria olhar por onde anda!

— Tá tá, nem comecem vocês duas. — suspirei um pouco irritada  — Mesmo que você só precise trocar a tela, eu compro um novo celular para você. Já que ainda estou te devendo um presente de aniversário. — porra, esses um porcento parecem demorar um ano!

— Muito obrigada por me dar o mais novo modelo do IPhone. — revirei os olhos pensando em quanto eu teria que gastar por nada e ela riu — E em recompensa, estou te avisando que tem sete homens aí com você na sala. — meu corpo todo paralisou e eu sorri perversa — Atrás desse armário aí que tem ao lado da janela. — olhei diretamente para o lugar e levantei-me da cadeira

— Com máscara? — tentei parecer o mais normal possível como se eu ainda estivesse conversando com Hurricane

— Deixa eu ver! — Yurine pediu e elas ficaram em silêncio por alguns segundos — A maioria, mas tem um sem.

— Alluka, onde você pensa que vai?

— Aonde você acha? — ironizei 

Eles estão cagando nas calças, não vão fazer nada! Agora senta essa bunda na cadeira e termina de fazer o que a gente veio fazer aqui porque não temos muito tempo! — Hurricane mandou, e eu olhei entediada pela janela

— Tá legal, chefe. Só porque é importante eu vou. — voltei para o meu lugar de antes e vi que já estava completo. Retirei o pendrive e no mesmo segundo Marshmallow entra na sala

— Temos que ir. Agora. — avisou-me e eu assenti indo até ela

Antes de sairmos, ela pegou uma lata de spray desenhando o nosso símbolo na parede e eu me encarreguei de colocar fogo na sala, para destruir qualquer evidência. Assim que eu comecei o fogo, nós duas saímos correndo da sala, para a saída do galpão. Que aqueles sete homens se virem para sair de lá.

Descemos as escadas rapidamente, e assim que chegamos na porta primeira porta que entrei para chegar aqui, no máximo, uns quinze homens apareceram na entrada do galpão.

— Era por isso que tínhamos de ser rápidas? — perguntei já sabendo a resposta

— A culpa não é minha se vocês demoraram mais de quinze minutos. — Yurine se pronunciou antes que xingássemos ela um dos homens atirou na nossa direção, mas por sorte ele não tem boa mira 

— Vamos por aquela porta! — Marshmallow me puxou para a porta da nossa frente e os homens vinham logo atrás de nós 

— Reborn, Ripper, estão prontos? — passamos pela porta e corremos para a direita, o único lugar que dava para irmos e onde Reborn tinha que estar

 Eu estou na minha posição inicial, não tem ninguém aqui. — Reborn avisou 

— E eu estou indo para onde o Reborn está, fiquem vocês todos ali que eu já estou chegando! — Ripper mandou. Eu e Marshmallow concordamos e corremos o mais rápido possível para onde Reborn está

Assim que chegamos na esquina da rua em que corríamos dobramos à esquerda. Eu consegui ver pelo canto dos olhos que os homens estavam atrás de nós, alguns atirando mas nada deles conseguirem nos acertar, e mais para frente estava o Reborn.

Faltava alguns passos para chegarmos mas Ripper chegou antes de nós, parando o carro rapidamente e nós três entramos em um piscar de olhos. Ripper dobrou a esquerda e acelerou na velocidade máxima, fazendo mais algumas curvas.

— Acho que já despistamos eles. — Reborn avisou, tirando a sua máscara 

— E eu consegui sair sem nenhum arranhão na minha Maserati. — Ripper se gabou. Ele era o único já sem máscara 

— É meio óbvio isso, estamos de carro e eles a pé! — Marshmallow falou um pouco irritada tirando a máscara 

— Tá, não vamos começar a brigar! —  pedi antes que eles comecem e tiro a minha máscara também — Vamos pegar a Yurine e a Hurricane para vermos o que tem dentro dos arquivos de Chul.

✘✘✘

Não sei quanto tempo exato nós estamos esperando, mas Misaki já deve estar a mais de duas horas dentro daquela sala olhando os arquivos de Chul. Bom, não culpo a garota, eu sem querer baixei todos os seus arquivos de uma vez ao invés de pegar o específico que procurávamos. 

Bom, pelo menos temos os arquivos.

— Acho que ela deve ter achado vários pornôs no meio daqueles arquivos e agora está vendo todos eles. — Peter gargalhou, mas não parou nem um segundo com o seu jogo no PS4

— Que isso Peter, Misaki é muito pequena para essas coisas. — Alisson repreendeu ele atirando uma almofada em seu rosto

— Ei! — jogou a almofada longe — Estou em um momento importante aqui!

— É caralho, mas se tu quebrar a merda dessa mesa eu quebro o PS4 em ti e enfio todas as partes quebradas dele no teu rabo! — Clover gritou com o mais novo, colocando a almofada no sofá um pouco indelicadamente 

— Não fui nem eu que comecei...— revirou os olhos e por fim largou o controle pela sua partida no Fortinite ter acabado

— Foda-se, não me interessa.

Clover saiu pisando forte e nos quatro acabamos rindo um pouco da atitude do mesmo. Clover sempre é o mais irritado e explosivo de todos, eu espero tudo dele, imagina se ele fosse conosco nas “missões”. Na verdade, é melhor nem imaginar.

Me espreguicei na cadeira conferindo mais uma vez o relógio. Não consigo me segurar, estou muito ansiosa para saber o que tem naquele arquivo, na verdade todos estamos, mas não demostramos nada.

— Gente, eu amo o Clover. — Marcy gargalhou sozinha e olhou para ver se ele estava por perto

Todos nós sabíamos que ela estava brincando, porque é a personalidade dele que ela gosta — muito parecida com a dele por sinal —, já que na maioria das vezes ele está brigando. Mas é o jeito que ele fala que é muito engraçado.

— E eu acho ele um saco. — Peter bufou pesado — Se eu pudesse matava ele enquanto dormia. Por que ele está aqui mesmo? 

— Aish, nem começa. — levanto do sofá caminhando para o andar de cima — Lin está treinando, não é? Então, eu vou lá falar com a Misaki para ver como está as coisas.

— Opa, tô indo também! — Alisson pulou da cadeira correndo escada acima, e os outros dois fizeram o mesmo depois

Leio automaticamente a placa que tem na porta da sala da Misaki e sorrio involuntariamente. “Danger, do not enter.”, ela é mesmo uma criancinha. Entro na sala sem ao menos bater, e demoro alguns segundos para me acostumar com a falta de iluminação da sala. Misaki costuma deixar o quarto no escuro total e ter apenas a claridade do computador em que ela esta mexendo na sala.

Caminhei para onde a garota estava, ficando atrás dela, e me apoio em sua cadeira para ver o que ela fazia.

— Conseguiu alguma coisa? — perguntei, e ela suspirou fundo jogando suas costas na cadeira

— Seria mais fácil se tivesse menos arquivos. — nem fiz questão de responder alguma coisa sobre isso, pois eu sabia que era verdade. Eu já havia explicado para eles o que eu fiz e recebi alguns xingamentos da Misaki

— Você achou algum pornô aí? — Peter perguntou com um sorriso pervertido 

— Até agora nenhum, mas se tiver algum pode deixar que eu mando pra você. — ela fez alguma coisa no computador e em seguida disse — Se for de gays melhor ainda para você, não é?

Todos na sala riram da cara de bunda do Peter que pareceu se irritar com o que a mais nova disse. E lá vai eles começarem a brigar.

— Cala essa boca, Misaki! Não sabe nem o que é meia nove e vem querendo debochar da minha cara! — retrucou 

— Deixa de ser homofóbico, seu idiota. E quem disse que eu não sei? Posso estar na escola ainda mas eu sei bem que tem bastante garotos na minha escola só querendo um buraco novo.

— Misaki! — Alisson repreendeu ela

— O quê?!

— Eu não sou homofóbico!

— Ah, calem a boca! — Marcy gritou para que todos escutassem alto e claro, e cruzou os braços — Então você não descobriu nada? — direcionou a pergunta à Misaki

— Sobre os arquivos não, mas descobri de outra coisa. — arrumou sua cadeira na direção do computador, e começou a digitar alguma coisa no teclado

— E o que seria? — pergunto curiosa, tentando entender o que ela fazia no computador

— Lembra daqueles sete homens que eu vi na sala do Chul hoje à tarde? — Alisson pigarreou — A Alisson na verdade. — assenti sem fazer nenhum som — Com apenas o rosto do que estava sem máscara, eu consegui descobrir quem eles são.

— Eu não sabia que tinha sete caras na sala do Chul. — Peter olhou para mim confuso

— Você não escutou nossa conversa? — franzi o cenho

— Acho que eu não estava com aquele treco no ouvido ainda. — sorriu sem graça e eu revirei os olhos

— Descuidado.

— Bom. — Misaki pigarreou — Eles são de uma outra máfia, não muito conhecida mas eles vem fazendo alguns estragos por aí.

— Quem são eles? — Alisson perguntou

— Eles são denominados Bangtan Boys, mas são mais conhecidos como BTS. — Peter riu 

— Parece nome de um grupo de K-pop.

— Podem ter se baseado nisso. Será que eles gostam de K-pop? — Alisson perguntou para si mesma

— Você está na Coreia do Sul, acho que eles devem gostar sim. 

— Gente, vocês estão perdendo o foco. — Misaki chamou nossa atenção — Não sei o que eles estavam fazendo lá, mas consegui a foto e o nome de todos eles.

Ela passou a imagem para um projetor atrás dela, mostrando a ficha de todos eles com suas fotos. Kim Namjoon, Kim Seokjin, Min Yoongi, Jung Hoseok, Park Jimin, Kim Taehyung e Jeon Jeongguk.

— Eles usam abreviações do nome deles! — Alisson apontou para os nomes

— RM, SJ, YG, JH, PJ, V e JK...acho que eles não são muito inteligentes. — Peter comentou

— Qual desses abestados que estava sem máscara? — Marcy perguntou

— O Kim Taehyung.

— Tem cara de burro mesmo.

— Mas foi um dos únicos que não usou abreviação do nome. — Misaki retrucou

— E o que eles fazem? — pergunto para a mesma

— Até agora, eles só roubaram pequenas lojas e um banco, nada de mais. — revirei os olhos entediada

— Eles estão mais para gangue do que máfia. — caminhei para a porta da sala — Espero que eles tenham morrido no incêndio que eu fiz, assim vai ter menos inúteis no mundo.

— Aí, como você é má. — Marcy comentou — Por isso você é a melhor. — gargalhei 

— Misaki, guarda as fichas de todos eles, mas não vamos precisar delas. — abro a porta para sair, mas Peter me chama

— Porquê? E se eles forem importantes? — sorri ironicamente e me apoiei na porta

— Peter, você viu alguma coisa de interessante neles? Porque eu não. Então porque perder o nosso tempo com esses dai? Temos mais coisas importantes para fazer do que cuidar de uma gangue.

Nós temos vários planos, varias metas e pessoas para matar, não posso perder meu tempo com passatempos. Temos que focar no nosso objetivo, e quando nos atingirmos ele, talvez eu volte nesse tal de BTS para acabar com eles também. Se ainda estiverem vivos.

— Agora, temos uma pessoa para matar. Depois disso, nos preocupamos com o “BTS”. — saio da sala, fechando a porta como estava antes de entrarmos — Se é que iremos precisar fazer isso.


Notas Finais


Como eu disse antes, os nomes podem ser confusos no início mas depois, eu acho, que vocês pegam kkk Eu estava muito animada pra fazer essa fic então espero realmente que vocês gostem. E queria avisar vocês que eu vou começar a escrever outra também kkk, já tenho até a capa dela

O que vocês acharam? Gostaram? Comentem pra mim saber!
Não esqueçam de lavar as mãos e não sairem de casa gente! Corouna vairus não vai nos pegar kkk

Se quiserem ler mais fanfic’s minhas; @NinaaS2
Obrigada por me aturarem até aqui!💞


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...