História Love of Blood - Long Imagine Park ChanYeol - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol
Tags Crimes, Drama, Exo, Imagine, Imagine Chanyeol, Imagine Exo, Máfia, Park Chanyeol, Sexo, Você
Visualizações 271
Palavras 2.181
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi minha gente, tudo bem com vocês?

Puta que pariu, se eu tivesse demorado mais um pouco seria um mês sem atualização dessa bebezinha. Eu quero pedi desculpas desde já por ter demorado tanto e queria dizer que eu estava em um pequeno HIATOS nesse tempo. Por isso dessa GRANDE demora..

Venho com ótimas notícias para vocês... Estava pensando um pouco talvez eu atualize a fanfic duas vezes em uma semana. Nas Quartas-feiras e aos Sábados. Ainda vou decidir isso, mas se caso eu trazer outro capítulo na quarta que vem vocês já sabem que irá rolar Att duas vezes na semana :)

Boa leitura =

Capítulo 4 - Tensão no primeiro encontro.


Fanfic / Fanfiction Love of Blood - Long Imagine Park ChanYeol - Capítulo 4 - Tensão no primeiro encontro.

Meu pai tinha acabado de me ligar, pedindo para eu comprar algumas coisas no mercado pois ele iria se atrasar no trabalho e não daria tempo de comprar o que desejava. Parecia que ele iria fazer a janta hoje por isso me pediu para eu mesma comprar o que faltava no momento. Eu não reclamei, até porque deveria sair de casa um pouco, ainda não tinha feito uma semana que estava aqui, mas eu saí de casa apenas para comprar meus remédios de cólica e voltei logo em seguida, deveria aproveitar e sair pelo menos duas ou três vezes na semana para explorar mais um pouco de onde meu pai mora.

Peguei um dos carrinhos e entrei no mercado em seguida a procura de tudo que ele havia anotado na lista, que deixou pregado na geladeira. Tudo era mais para a parte dos congelados pois era o que precisava para ser feito, algumas coisas eram verduras e aproveitei também para pegar algumas frutas pra mim comer enquanto estiver sozinha em casa. Como ele havia deixado o cartão de crédito junto com a senha, talvez ele não se incomode um pouco.

— Oh, não acredito que eu te encontrei novamente. — levantei minha cabeça para olhar quem era e percebi que era o mesmo homem que havia falado comigo naquele dia. Park Chanyeol. — Ainda lembra de mim não é? — Ele foi fraco passando suas mãos por seus cabelos.

— Claro que me lembro, seria impossível esquecer de você. O garoto que agora está me devendo um jantar, certo? — rimos fraco e ele assentiu.

— Eu mesmo, e estou aqui para marcar esse encontro agora. — eu sorrir enquanto andava a caminho de mais coisas que precisava. — Posso acompanhar a madame? Terminei de fazer minhas compras, então quando termina as suas podemos seguir até o caixa, tudo bem para você?

— Tudo ótimo pra mim, senhor Park. — peguei uma das carnes no congelado que seria perfeito para meu pai preparar a comida. — Então, quando vai sair esse suposto encontro?

— Hoje a noite, é o único dia que eu estou livre pela noite. Pode ser ou você tem outro compromisso?

— Só para você saber senhor Park, eu não tenho compromissos algum. Esse é o primeiro que tenho é ainda é com você. Será o destino? — rimos mais uma vez.

— Depois de tanto azar jogado em mim, chegou a hora de alguma coisa de bom acontecer não é? — assenti segundo para outro caminho agora. — Então, que horas está bom para nos encontramos? A hora que quiser eu estarei livre para te buscar!

— Que tal as dezessete horas? Vai ficar muito cedo, muito tarde?

— Está ótimo pra mim. Bem, eu só não sei onde você mora. Alguém vai te levar para casa depois que sair daqui?

— Não! Você tem carro? — espero que ele me leve para eu não ter que pegar ônibus com essas compras.

— Sim, estou com ele aqui. Então, eu posso te levar e já fico sabendo onde é sua casa. — assenti. — Mas por precaução de eu não me perder, anote seu número aqui. — me entregou seu celular e então anotei o novo número que comprei.

— É número novo, mas me ligue caso se perca que eu me encontro com você no local ou sei lá. — ele assentiu e eu fui pegar mais algumas coisas que faltavam. Eram poucas dessa vez, então ele quis esperar mais um pouco por mim. Mas pedi para passar logo suas compras que ficava mais fácil para ambos.

18:50 PM - Casa de seu pai.

Estava sentada no sofá mexendo em meu celular, e meu pai ainda estava no trabalho. Acabei ligando para ele e disse que não esperasse por mim para comer pois iria sair com um amigo meu. É claro que eu não quis deixar, já que não conhecia a pessoa, mas depois que eu tanto insisti para poder ir, ele deixou mas disse que as onze horas eu teria que está em casa. E se caso não chegasse nesse horário, ele nunca mais me deixaria sair com ninguém.

Ouvi uma batida em minha porta e então levantei as pressas do sofá para receber a pessoa, já sabendo quem poderia ser. Arrumei meu vestido mais um pouco e abri a porta para receber Chanyeol. Ele estava lindo com uma calça Jean, blusa de mangas, um tênis e seus cabelos normais, sua tatuagem no pescoço e seu piercing em ambas das orelhas e na sobrancelha. Esse menino é lindo de qualquer jeito.

— Boa noite senhorita. — segurou minha mão e beijou ela em seguida. — Está linda, como sempre é.

— Boa noite senhor. Você também está muito lindo. — peguei as chaves reservas de casa e coloquei dentro da bolsa que levava comigo, tranquei minha porta e segui Chany até seu carro. Sentei no banco ao lado e ele fui até o outro depois que fechou a porta para mim. — Deixe-me te contar uma coisa, meu pai disse pra mim está em casa antes das onze horas. Então, só podemos ficar juntos até às dez e cinquenta nove. Está bom para você?

— O tempo que eu preciso para o encontro dar certo, senhorita.

— ______. Meu nome é _______, senhor Park. — ele apenas sorriu e assentiu em seguida. — Você não me disse para onde a gente vai.

— Restaurante! Eu pesquisei alguma próximos de sua casa e achei um muito bom. Vou aproveitar para te levar até lá comigo, e se caso não te agradar, podemos seguir para outro que deseja.

— Eu sei que vou gostar, Park.

Como ele havia dito, o restaurante não ficava muito longe de minha casa, e logo chegamos até lá. Ele passou pelo seu carro e abriu a porta pra mim, segurou minha mão e me ajudou a sair de lá, como estava em um salto e um vestido, me ajudou bastante para não poder cair na hora. Mesmo assim, passei minhas mãos por seu antebraço e ele me olhou por um momento querendo me dizer alguma coisa.

— O que foi? Tem algo errado comigo?

— Já disse que você está muito linda? A garota mais linda que já vi até agora. — ele disse me levando para dentro do lugar, que não estava muito lotado. Apenas rir com sua cantada.

— Já te disseram que você é péssimo com cantadas, Park Chanyeol? — me levou até uma mesa e arrumou a cadeira para eu poder sentar. — Obrigada!

— Eu sei que sou péssimo com cantadas, mas isso não foi uma, eu apenas disse a verdade.

— Sejam bem-vindos. Podem escolher o que desejam. — ele entregou o cardápio e se distanciou um pouco de nós. O local era bem chique pelo que parece e isso me deixava preocupada pois eu daria prejuízo para Chanyeol e talvez o dinheiro que trouxe não iria ajudar muito.

— Chanyeol, não acha que aqui é muito caro? Se você quiser a gente pode procurar outro lugar menos caro e…

— Dinheiro não é problema pra mim. Eu posso pagar tudo que quiser, então escolha seu prato.

— Você tem certeza? — ele assentiu. — Então escolha você mesmo o que deseja comer. Tudo está bom pra mim.

— Uh, tem um prato que você vai gostar. Pode trazer duas porções de Baby Back Ribs? — O garçom apenas anotou enquanto ele olhava mais um pouco do cardápio.

— Algo para a bebida? — perguntou para Chanyeol.

— Você bebe, ______?

— Bem, eu completei dezoito anos recentemente.

— Então, apenas duas taça de vinho com pouco álcool por favor. — entregamos o cardápio para o garçom que nos deixou a sós no momento. — Então você completou dezoito anos agora? — assenti. — Muito novinha não acha?

— Que idade você tem? Mais de trinta por acaso? — ele riu fraco.

— Eu tenho vinte e dois anos. Não sou muito velho para você, não é?

— Idade perfeita pra mim. — ele sorriu e baixou sua cabeça. — O que você faz da vida?

— Eu passo metade do meu tempo trabalhando junto com meus amigos. E algumas vezes, quando tenho tempo livre, saio pelo mundo.

— Deve ser chato. Meu pai também passa o dia trabalhando e às vezes nem dorme em casa por causa de seu trabalho. Deve ser difícil trabalhar nos Estados Unidos, um país puxado como esse.

— Você faz alguma coisa? Trabalha? Estuda? Faculdade?

— Eu entrei na faculdade esse ano, então vai demorar um pouco para me livrar. Mas pretendo trabalhar no tempo livre. — terminei de falar quando o garçom voltou com a bebida que Chany havia pedido, nos serviu e saiu logo em seguida, deixando a bebida ao nosso lado. — Você mora com seus pais ou sozinho?

— No momento eu moro sozinho. Mas pretendo morar com alguém futuramente. — levei um gole do vinho até minha boca e percebi que havia pouco álcool como ele pediu. — Você mora com sua mãe, certo? Pretende morar sozinha no futuro mais próximo?

— Sim. É por isso que desejo trabalhar, para morar sozinha e parar de depender de meus pais. Quero ser independente e ter tudo sozinha, com meu dinheiro.

— É assim que tem que pensar senhorita, _____. Ser independente é a melhor coisa do mundo. Eu digo isso, porque sei como é bom comprar tudo com seu dinheiro.

— Sim e…

Antes mesmo que eu pudesse terminar de falar, ouvi barulhos de alguma coisa perfurando as vidraças do restaurante e foi quando percebi que se tratava de tiros. Eu fiquei apavorada na hora, tanto que levei minhas mãos até minha cabeça e baixei meu corpo em tentativa de me proteger. Mas senti meu corpo ser puxado com força para baixo da mesa e eu acabei indo para onde Chanyeol estava.

— O que é isso Chanyeol? A gente vai morrer, não vai? — perguntei e senti meus olhos lacrimejarem por causa do medo que eu senti. Nunca passei por isso na vida e eu sabia que tinha pessoas mortas com esses tiros que não paravam por nada.

— Não, não vamos morrer. — ele disse e levantou minha cabeça para poder encará-lo. —Eu vou te tirar daqui, ok?

— Mas como? A saída é pelo lado de onde vem.

— Apenas confia em mim está bem? — ele pediu, mas eu não assenti. Eu estava com medo de acabar morrendo. — Ei, olha pra mim. — levantou meu rosto novamente. — Confia em mim por favor. Eu não vou deixar nada acontecer com você.

— Está bem. — ele sorriu em forma de me passar conforto e segurou minha mão. Puxou meu corpo para me lado oposto, mas ainda fomos agachado por aquela direção, os tiros não param e eu queria saber o motivo disso está acontecendo, ainda mais em um restaurante tão chique como o que eu estava no momento.

Pude avistar a saída dos funcionários no outro lado, mas no lugar de agora, os tiros não podiam chegar, então ele me levantou e me puxou para fora do restaurante. A gente correu muito, o que deixava bem nítido que agora os tiros não era mais ouvido ou que eles pelo menos pararam. Chanyeol parou de correr assim que virou uma rua e me encostou na parede uma casa e me analisou um pouco.

— Você está bem? Se machucou?

— Eu estou bem, só um pouco apavorada e sem saber o porque disso tudo.

— Eu irei buscar meu carro apenas amanhã, então vou te levar para casa agora. — assenti e ele segurou forte minha mão. — Me desculpe pelo encontro ter acabado assim.

— Hey, você não tem culpa de nada Chanyeol, foram aquelas pessoas que acabaram com nosso encontro. E também, terá muitos encontros nossos pela frente não é mesmo?

— Sim, mas esse era o primeiro e acabou dessa forma. — ele resmungou e viramos em outra rua, mas agora era a de minha casa. — Espero que aceita sair comigo outra vez.

— Eu vou sim! Basta ligar para mim e marcar que eu estarei lá para mais um encontro nosso. Sem medo ok?

— Ok. — paramos em frente à minha casa e eu fiquei de frente para o menino. — Então, você está entregue senhorita.

— É olha que ainda não é onde horas. Mas já estou em minha casa. — rimos. — Acho que agora acabou o encontro.

— Não estamos esquecendo de nada? — eu rir um pouco e me aproximei dele, e foi na mesma hora que o garoto segurou minha cintura e beijou meus lábios em seguida. Suas mãos apertaram minha cintura e me trouxeram para mais perto do mesmo.

— Eu preciso entrar Park Chanyeol. — comentei entre o beijo e em então me soltou. — Tenha uma boa noite senhor.

— Boa noite senhorita. — roubou um beijo meu e eu sorri de lado.

— Tome cuidado Park. Quando chegar em sua casa me ligue avisando que está Bem, por favor! — ele assentiu e me esperou entrar dentro de casa. Mas antes de fechar a porta fiz um sinal com a mão e ele retribuiu. Tranquei minha porta e observei ele da cortina de casa, mas que saiu logo em seguida e fechei a cortina. — Espero te ver outro dia, Park Chanyeol.


Notas Finais


MEU DEUS FOI MUITA COISA PARA UM CAPÍTULO. 😨
Me digam o que acharam por favor meus bebês 💞

Fanfic nova com YoonGi: https://www.spiritfanfiction.com/historia/drive-imagine-min-yoongi--bts-12527257

Perfil: @Sweetback


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...