História Love on the brain - Spideypool - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias Deadpool, Homem-Aranha
Personagens Peter Parker (Homem-Aranha)
Tags Peter Parker, Spideypool, Wade Wilson
Visualizações 137
Palavras 2.263
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente antes de tudo

Notícias boas:
Vai ser 5 anos depois
E vou aumentar a quantidade de capítulos bônus, pq quero seguir um linha com calma. ( talvez uns 5)

Notícias ruins:
Não tem Lemon nesse cap
A receita básica dessa fica eh drama mexicano. Entao já sabem, mas esse cap provavelmente será o mais sério, os demais serão mais leves

Capítulo 24 - Trégua


Peter tinha um trabalho de fotógrafo, naquela sexta a tarde, ele não queria deixar Elle, tinha se apegado completamente a garotinha de 3 anos que ele e Wade tinham adotado. As coisas aconteceram muito rápido, quando ainda em período de adaptação, Wade foi promovido e se tornou sócio do escritório de direito em que trabalhava. Como o seu sonho era um dia se tornar juiz, ele abraçou a promoção e assim toda a organização que tinham feito para cuidar de Elle foi para o espaço, fazendo Peter tomar quase toda a responsabilidade da garota. O que normalmente levava os dois a discussão nos últimos tempos. 
Wade sempre trabalhava muito, pegando pro Bono atrás de pro bono, porque ele queria ajudar o máximo de garotos que eram como ele. Mas desde a promoção, Wade tinha levado a palavra “viciado em trabalho” para outro nível. 
Mesmo assim, Peter tentava compreender que Wade queria dar a Elle o conceito de pai, que ele nunca havia tido na vida. E que também que ele deveria estar completamente assustado, em ser um bom pai, considerando a importância que isso tinha  dada sua história, deveria ser assustador a chance de falhar. 
Mas trabalhar feito um condenado só pra comprar zilhões de presentes, sem ser o próprio presente, não era o que Peter acreditava ser o melhor dos caminhos. 

Peter suspirou cansado pensando em tudo isso, enquanto tocava a campainha de Al. 
Al abriu a porta já esticando os braços para que Peter entregasse Elle pra ela. 
Quando a garotinha viu Al ela esticou os braços rindo e gritando querendo ir para o cola da velha senhora. 
Al começou a rir, assim que sentiu a garotinha em seus braços 
- Quem é garotinha que a vovó Al mais ama no mundo, quem é? 
A garoto ria, e Peter se sentiu confiante em deixá-la lá. 
Ele falou pra Al, enquanto colocava as coisas numa cadeira no meio da casa. 
- Al cuidado com as bitucas pela casa, as coisas dela estão aqui, e a regra máxima...
Al cortou ele, em tom maçante
- Não conte para May, acima de qualquer coisa. 
Peter riu 
- Isso mesmo, você e tia May são mais infantis que Elle quando o assunto é ficar com ela. E May tinha médico hoje, não queria que ela desmarcasse, mesmo sendo a vez dela de ficar com Elle

Al sorriu em direção à garotinha, girando com ela nos braços, enquanto cantarolava
- Vovó Al e muito mais legal que vovó May, vovó Al é muito mais legal que vovó May. 

Peter deu um beijo na testa da senhora e se preparou para partir, não queria chegar atrasado no ensaio. 

Al falou alto assim que ele alcançou o arco da porta
- Peter você e Wade estão bem com o processo? 

Peter olhou pra senhora sem entender, e ela percebeu pelo silêncio que tinha falado demais. 
- Eu disse para Wade que não sou boa com segredos. 
Ela disse mais pra si mesma, mas isso só serviu pra intrigar ainda mais Peter
- Que processo Al?

Ela coçou a cabeça enquanto colocava a garotinha num cercado improvisado com sofás. 

- Garisson Kane foi solto, e Wade está auxiliando a promotoria para colocá-lo novamente atrás das grades. 
Peter era excelente em decifrar pessoas, mas Al era realmente péssima em guardar segredos, havia algo mais ali pela forma que ela mexia os lábios nervosamente
Peter provocou
- E, o que mais Al? 
Al soltou as palavras junto com o ar irritada pela boca grande 
- Foi a Vanessa quem contou isso para Wade, e foi ela quem pediu também a ajuda dele com isso. 

Peter  sentiu o gosto da bile na boca, ele não ficou magoado ou chateado, ele ficou puto. 
Ele podia ser ciumento às vezes, mas mentira era algo intolerável. 
Aquele cara tinha sequestrado e surrado Peter, tinha dado um tiro no peito de Wade, e quase o matado, Peter se sentia no direito de saber que o Wade tinha se envolvido com aquilo de novo. 
Eles tinham uma filha agora, e isso poderia ser perigoso. 
Al recomeçou a falar calmamente
- Peter vocês ficarão sozinhos pelos próximos dias, enquanto eu e May levaremos Elle a praia, então podem conversar sobre isso com calma. 

Peter olhou pra ela, e fúria estampava sua cara. 
- iremos conversar sim, mas não será com calma. 

E dizendo isso partiu para sua sessão de fotos. 

Peter e Nat tinham um negocio de fotografia juntos, e quando Peter chegou ela ja explicava aos clientes como a sessão funcionaria. 
Horas depois de bater diversas fotos, a sessão acabou, e Nat se juntou a Peter guardando as coisas, bastante confusa, pela forma quieta que Peter agira durante todo o dia. 
- Peter você está bem? 
Peter apenas balançou a cabeça positivamente, não queria conversar com Nat e ter sua raiva dispersada, ele queria ainda estar cheio dela quando chegasse em casa. 
Nat continuou tentando quebrar o clima que ela não fazia ideia do porque tinha se instalado. 
- E então Petey, agora que vocês já tem a guarda de Elle, quando vão criar vergonha e casar? 
Aquilo enfureceu Peter, de repente ele precisava muito gritar com Wade. Por isso sem responder disse que precisava partir. 
Foi até a casa de Al, deu um abraço e um beijo na filha, repassou todos os cuidados necessários na viagem e ate chorou ao sair da casa, lembrando ser aquela e primeira noite que passaria longe de seu bebê desde a adoção. 
Era quarta feira, e ela e May viajariam para a casa de praia que a tia comprara alguns anos antes, logo após a aposentadoria, na quinta pela manhã. 
Já Peter e Wade tinham combinado ir no sábado de manhã, e assim comemorariam os 6 anos que estavam juntos, em família. 
Peter chegou em casa e sentou na poltrona da sala, no escuro, aguardando silenciosamente como uma cobra pronta para dar o bote. 
Passado algumas horas, Peter começou a cochilar no sofá, até cair em sono profundo. 
Já eram 01:00 da manhã quando Wade chegou em casa torcendo para que Peter estivesse acordado, o tempo que tinham juntos era escasso, e Wade acabava optando por passar com a filha, fazendo ser impossível ter conversado com Peter, sobre o processo de Kane, Wade sabia que ele iria surtar, então queria ter tempo para aquilo. 
Como ele sabia que Elle estaria com May e Al nos próximos dias, isso daria a Wade o tempo que precisava para conversar com Peter. 
Era tanta a sua ansiedade que entrou na sala sem acender a luz, infeliz pela probalidade de Peter já estar dormindo no quarto, ele caminhou silenciosamente em direção a ele, parando ao ouvir a respiração pesada que vinha da poltrona da sala, encontrando Peter dormindo numa posição dolorida. 
Aquilo partia o coração de Wade constantemente, não dar a Peter a atenção que ele merecia, mas logo ele se estabilizaria no novo cargo e poderia passar mais tempo com a família. 
Ele se aproximou de Peter, beijando calmamente seu pescoço sussurrando
- acorda Baby boy, hora de ir pra cama
Peter se espreguiçou sonolento
- “Wake me up, when September ends” 

Aquela era outra coisa da rotina, que matava Wade por dentro, Peter cantava aquela música de manhãzinha, desde que ele tinha sido promovido, como um mantra de alguém que queria que aquela fase de distância entre eles acabasse logo. 

Assim que Peter terminou a frase, ele lembrou por qual motivo seu pescoço estava doendo tanto, e imediatamente ele olhou no relógio, era uma hora da manhã. 
E ele pulou do sofá, estreitando o olhar para Wade, até que os olhos ficaram finos como uma linha, desafio e indagação alcançaram Wade o deixando confuso. 
- Você estava na Al se despedindo de Elle? 
Wade abaixou a cabeça triste
- Não, acabei de sair do escritório não quis acorda-lá mas amanhã bem cedo antes do trabalho eu passo lá. 
Peter cruzou os braços, e Wade se preparou para a enxurrada de cobranças. 
- Wade, quanto tempo de qualidade, sem estar, correndo, saindo, ou falando no telefone você passou ao lado da sua filha nos últimos dias? 
Wade amarrou a cara, era como se Peter não entendesse, aquela era só uma fase, uma fase que logo passaria
- Peter, não seja injusto, eu estou tentando...
Peter não deixou ele terminar, fazendo seu caminho até o quarto
- Ela disse Papa Wade hoje. 
Wade abriu um sorriso imenso e aquilo quebrou um pouco da raiva de Peter
- Ele disse meu nome? 
Agora era o momento que Peter se desmanchava e ria junto com o namorado, mas não hoje, hoje ele tinha mais motivos para mantê-lo frio ao poder daquele sorriso. 
- Talvez de tanto ouvir falar de você, porque duvido que ela saiba quem seja. 
As palavras atingiram Wade duramente. 
- Peter, por favor...
Peter colocou as mãos na cintura cansado daquilo
- “é temporário” - Ele imitou o outro - to cansado de ouvir isso, se não tinha tempo para Elle, não deveria ter aceitado adota-la. 

Aparentemente Peter aprendera como dar socos, chutes e até tiros só com as palavras exatamente como Wade fazia quando eram mais novos. 
 Peter virou de costas a caminho do quarto, se olhasse Wade naquele momento, completamente destruído, ele não seria capaz de continuar. 
- E tem mais Wade Wilson, pegar o caso do Kane, sem me avisar, que tipo de merda passa pela sua cabeça? Passa que isso é perigoso para Elle? E só mais uma coisa, eu espero que você não fique de muita conversa com a Vanessa, se não, da próxima vez não vai dormir no sofá como hoje, vai dormir lá fora. 

E dizendo isso bateu à porta sem dar chance de resposta. 

Wade socou o aparador perto dele, explodindo vidro pra todo lado, quando um porta retrato dos três caiu no chão, cortando a mão de Wade. 
Ele praguejou alto, sem se importar, sua vontade era socar a porta do quarto até Peter abri-la, ele não tinha o direito de ter dito o que disse, colocando Wade contra a parede daquele jeito, colocando em dúvida se ele realmente queria ou não Elle, se ele levava ou não a sério a importância dos cuidados com a garota. 
Peter era tão injusto em suas palavras. 
Olhou pra mão ensangüentada, ele precisaria correr até o pronto socorro e tomar uns pontos, aquilo não parava de pingar e já tinha manchado todo o carpete. 
Derrotado ele foi até o quarto e bateu na porta
- Peter, Eu preciso que me leve ao hospital, cortei minha mão. 

Peter praticamente já estava com a porta aberta ao fim da palavra hospital. 
Ele olhou Wade, de repente toda raiva evaporara deixando apenas a preocupação. 
Segurou a mão do outro, enrolando uma toalha, enquanto pegava a chave do carro e partia em direção à garagem. 
- Wade, você está bem tirando a mão? Não tá sentindo nada? 
Peter queria saber se ele estava tendo um ataque de pânico, fazia anos que Wade não tinha ataques de pânico, mas tanta coisa mudou em tão pouco tempo, e depois de tudo que Peter havia dito, ele se sentiria um merda cheio culpa se o outro tivesse tido um ataque. 
Wade o olhou com calma, eles já estavam dentro do carro, Peter dirigia rápido pro hospital, completamente desperto como se tivesse tomado um monte de energéticos. 
Wade esticou a mão que não estava ferida apertando a coxa de Peter. 
- Eu estou bem. 
O melhor sobre o relacionamento deles, era que existiam coisas que eram gritos de trégua, e era respeitado pelos dois, a raiva sempre podia esperar.
Peter olhou pra ele pelo canto do olho, ele estava cansado, cansado de diariamente discutir com Wade, ele só queria beija-lo como se não houvesse amanhã, transar com ele, e depois preparar o melhor café da manhã, enquanto Wade acordava Elle e corria pelos corredores da casa brincando. 
- Desculpa Wade, eu não devia ter dito o que eu disse. Eu só estou tão cansado. 
Wade suspirou triste
- Eu sei Petey, eu só, não sei como fazer diferente, sempre um caso depois o outro e eu vou empurrando, eu sinto muito, eu não deveria ter escondido o negócio do Kane também, eu não sei como consertar. 
- Comece ligando para o seu sócio avisando que amanhã você estará de folga, e amanhã mais calmo, sentaremos e conversaremos sobre tudo isso. 
Wade apertou a mão que começava incomodar enquanto Peter estacionava o carro, e corria para o outro lado para ajudá-lo a descer do carro e ser atendido. 


Duas horas depois Peter estava cochilando ainda sentado na cadeira do hospital quando Wade apareceu com a mão enfaixada, e deixou um beijo no canto de sua boca, o despertando. 
- Tudo bem bela adormecida, um beijinho seu e estarei em ótimas condições. 

Wade disse sorrindo para Peter acordando. 
- quantos pontos Bad Boy? 
O apelido de adolescência trazendo luz para o peito de Wade. 
- Vamos, meu sócio mandou mensagens, amanhã preciso levantar cedo. 
Peter se colocou em pé num pulo
- Wade pro amor de Deus, Eu entendo o quanto você tá preocupado em ajudar os outros, mas, precisa pensar em fazer bem pra você, não vai adiantar ajudar os outros se acabar infeliz e sozinho. 

Wade deixou o queixo cair 
- era uma brincadeira. 
Os dois ficaram em silêncio alguns segundos enquanto entravam no carro e pegavam o caminho caminho de volta. 
Wade criou coragem pra perguntar o que apertava seu coração
- Peter, você quis dizer no hospital, que... que pensa em se separar? 
 

 

 


Notas Finais


Genteeeee, o que acharammm?????
Eu to muito ansiosa, se vcs não gostaram eu deleto o cap, juro, pq não me perdoaria por estragar essa história.
Eu não consigo apagar o cap anterior eu amei tanto as mensagens! Obrigada!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...