História Love shot ( TAEKOOK - VKOOK ) - Capítulo 7


Escrita por: e Guktae_05

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, TWICE
Personagens Byun Baek-hyun (Baekhyun), Dahyun, Do Kyung-soo (D.O), Huang Zitao (Tao), Jeon Jungkook (Jungkook), Jihyo, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Jong-in (Kai), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Mina, Nayeon, Oh Se-hun (Sehun), Park Chan-yeol (Chanyeol), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Tzuyu, Wu Yifan (Kris Wu), Zhang Yixing (Lay)
Tags ¡tae Bottom! ¿guk Top?, Bangtan Boys (BTS), Chanbaek, Kaisoo, Taegguk
Visualizações 449
Palavras 4.021
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, LGBT, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeong Haseyo!🌌💙

Sentiram minha falta? Estão ansiosos? Querem mais? Vocês estão bem? Sobreviventes ainda existem nesse lugar?

Boa leitura cupcakes;🤭🌷

Capítulo 7 - Mais uma confissão;


Fanfic / Fanfiction Love shot ( TAEKOOK - VKOOK ) - Capítulo 7 - Mais uma confissão;


Eu estava dentro do escritório do clube tentando lidar com a nova confusão que surgiu de repente entre uma das meninas e um dos meus homens que acham que são os fodas da situação. 

Recentemente, acabei por descobrir a gravidez de uma das meninas do clube e essa espera um filho de Oh Sehun, infelizmente as coisas estão ficando tensas nesse lugar e tudo porque o cara não quer saber de assumir as responsabilidades.

Acho que minhas regras ultimamente vem sendo quebradas de uma forma que me estressa e eu juro que não irei medir esforços para meter bala nesse povo e ajudar Jihyo com o bebê. Na verdade eu fui abandonado pelo meu pai. Eu sei como é não desejar ser assumido, até porque minha mãe foi alguém que assumiu a responsabilidade de cuidar de mim e infelizmente foi morta na minha frente aos meus oito anos de idade.

Soltei um suspiro cansado, vestindo minha jaqueta do clube, andando para fora do escritório ao ouvir gritos e agitação do lado de fora me deixando preocupado com a situação. Andei em passos rápidos para o bar do clube, vendo Sehun apontando um revólver na cara da Jihyo me fazendo sacar o meu revólver rapidamente e apontar na cara dele ao engatilhar.

— Sehun abaixe essa arma e vamos conversar civilizadamente.—pedi com o tom de voz sério para mostrar quem é que manda.

— Essa vagabunda não vai mais arrancar um tostão meu e esse filho nojento dela não será um desgosto para a minha honra nesse local.—falou no mesmo tom que eu e apenas suspirei.

— Larga a arma ou morre Oh Sehun. Ela está grávida, esperando um filho seu e você ao invés de estar assumindo, fica maltratando uma vida.—ralhei impaciente com a situação e pelo modo que ele falou sobre ter a honra inexistente.

— Ela é apenas mais uma puta desse clube Jungkook, mais uma desejando se dar bem e você está do lado dela cara.—reclamou totalmente irritado.

— Não importa a profissão dela nesse lugar e sim a vida da criança que ela está carregando em seu ventre.—ditei levando a arma na cabeça dele. — Você vai voltar ao seu trabalho, obedecer a essa ordem e não irá nunca mais se aproximar da Jihyo.—ordenei rígido por ver que ele pode fazer algo com a garota ou o bebê.

Sem receber uma resposta, vi Sehun guardar a sua arma no cós, esbarrando no meu ombro como forma de me desafiar e saindo em passos duros para fora do clube. Ouvi o barulho de motor de uma das motos e sim, o desgraçado saiu, deixando todos pasmos com a situação e Jihyo abalada.

Olhei para a garota que estava trêmula, bebendo um copo d'água e me olhava com os olhos banhados em lágrimas. Me aproximei calmamente, tocando os ombros dela e sorrindo mínimo pelo modo assustado que ela se encontra nesse momento.

— Sehun não irá fazer nada com o bebê e nem com você. Eu irei manter a minha palavra e por favor não chegue mais perto desse homem Jihyo.—falei compreensivo e mantendo minha firmeza.

— Obrigado Jeon, eu realmente não merecia essa proteção por ser realmente uma prostituta, mas agradeço de coração.—falou fazendo uma breve reverência.

— Irei proteger o seu filho e o manter a salvo nesse clube.—afirmei me afastando brevemente e andando para fora.

Segui em direção a minha casa, encarando o caminho não tão distante e refletindo sobre a questão de ter uma prostituta grávida dentro de um clube com um bando de motoqueiros e outros homens que são assassinos de aluguel.

Neguei com a cabeça, adentrando a residência, fechando a porta e andando em direção a cozinha calmamente. Cheguei no cômodo em total silêncio, me encostando no batente da porta ao ver que Taehyung está cozinhando algo e pelo cheiro me fez sentir a necessidade de comer alguma coisa já que não tomei café da manhã hoje.

Analisei atentamente a roupa do mais novo, mordendo o lábio inferior por ver o shorts curto da cor branca e uma camiseta da mesma cor amarrada até uma parte acima e deixando a barriga amostra. Sem me conter, andei até ele, chegando por trás e deixando um beijo no pescoço de pele alva.

— O cheiro está ótimo baby.—sussurrei no ouvido dele e vendo sua pele se arrepiar.

— Gukkie que susto você me deu.—disse sorrindo abertamente. — Poxa eu estou tão distraído aqui preparando o almoço e adiantando as coisas para te ajudar. Menos um afazer na sua lista.—deu de ombros enquanto mexia a carne na panela.

— Está caprichando mesmo, mas irei avaliar na hora e será igual você faz comigo ok?—falei acariciando a cintura com a pele amostra.

— Sem toques Gukkie por favor.—pediu enquanto cozinhava a carne.

— Tudo bem, não irei ultrapassar a linha de limite que foi colocada entre nós depois de tudo que fizemos, porque o senhor Kim Taehyung está cheio dos não me toque. Eu já entendi.—falei me afastando completamente dele.

Eu percebi que mais vale me afastar, do que fazer ele ficar chateado com algo que eu disser ou fazer. Tudo que eu menos quero é vê-lo chorar por mim e pelas minhas atitudes impulsivas, por isso aprendi a me afastar.

Taehyung me dá autocontrole sem nem mesmo fazer muito e mesmo que seja bom, as vezes nem sempre é o suficiente e isso as vezes me assusta muito. Me deixa preocupado ao ponto de desejar se afastar, mas ainda sim estaria o machucando e então prefiro evitar discussões piores.

— Jungkook por favor, não faz assim comigo.—choramingou manhoso. — Você sabe muito bem o porquê disso e sabe ainda mais que os meninos podem aparecer a qualquer momento.

— Eu já entendi Taehyung, não preciso ficar ouvindo suas desculpas e faz o favor de não ficar se explicando.—mandei andando para fora da cozinha.

Hoje realmente não é o meu dia e muito menos é algo que eu possa suportar já que parece que uma avalanche de problemas decidiu surgir de repente.

— Gukkie não fica assim.—ouvi a voz do Kim ao vir até mim no sofá, se sentando no meu colo e abraçando o meu pescoço.

— Não Tae está tudo bem.—tentei soar firme em minhas palavras.

— Não está não. Pare de querer mentir para mim, pois eu sei quando algo está errado e você só fica dessa forma quando algo está acontecendo.—ditou em um tom sério. — O que está acontecendo para você ficar tão irritado dessa forma?—perguntou acariciando o meu cabelo.

Eu não sei dizer se eu que sou fraco aos encantos desse garoto ou se ele que tem um posse enorme sobre mim. Mas de uma coisa eu tenho certeza. Eu adoro quando ele fica dessa forma comigo.

— É problemas do clube bebê, mas que anda ultimamente testando a minha paciência e me faz se estressar fácil.—disse simplista.

— Você sabe que pode confiar em mim para contar não é mesmo?—comentou olhando nos meus olhos. — Seja o que for, eu estou aqui para te ouvir e ajudar, mesmo que não seja tão útil.

— Ei não fale assim, você sabe que é útil sim. Me ajuda bastante e ainda me ajudou esses dias com os meus pesadelos.—falei em protesto ao que ele dizia de si mesmo em um modo de se ofender. — Mas é complicado e você iria se assustar se eu te contasse exatamente tudo que acontece.—expliquei suspirando cansado.

— Ou talvez eu só vá opinar e aconselhar em um modo mais prático já que Jeon Jungkook não costuma receber lições de moral de um adolescente.—brincou cutucando as minhas bochechas com os dedos indicadores.

— 'Tá bom, você venceu Tae.—disse rindo nasalado da situação. — Estou com dois problemas sérios e não tenho para quem recorrer no momento já que os meninos estão trabalhando.—suspirei pesaroso.

— Pode falar. Ou você quer ir para o quarto afim de ficarmos a sós?—sugeriu me fazendo negar com a cabeça ao ver o sorrisinho dele.

— Nem vem. Hoje não tem leite para você. Mamou faz apenas três dias e já quer de novo?—provoquei soltando um riso fraco ao vê-lo corar.

— JUNGKOOK SEU…—gritou tampando o rosto com as mãos totalmente envergonhado.

— Calma amor, eu só estou brincando com você e a sua carinha foi a melhor do dia, então já me recompensou.—comentei abraçando a cintura fina do Kim.

— Hm babaca.—xingou-me emburradinho. — Então o que está te deixando revoltado e até mesmo explosivo ultimamente?—perguntou deitando a cabeça em meu ombro direito.

— Primeiramente vem um caso do qual ferrou todos nós da última vez, que foi há uma semana atrás, quando havíamos chegado em casa e Hoseok havia dito que deu problema com uma das negociações e isso gerou uma baita confusão dentro do clube da qual você ficou sabendo e eu pedi desculpas por ter te acordado aquele dia durante a madrugada.—falei vendo Taehyung assentir com a cabeça enquanto me analisava. — E o segundo é sobre uma das garotas do clube estar grávida. Sehun  é um dos meus homens que engravidou Jihyo a dançarina da casa.—contei dando de ombros.

— Sobre o primeiro assunto devo aconselhar que investigue, você mesmo disse que chamaram a polícia da última vez no aeroporto, então recomendo que tome cuidado a partir de sempre.—falou encarando um ponto aleatório da sala de estar. — Até porque sabemos o que isso pode gerar caso você for preso e em como irá sofrer lá dentro, isso é tudo que eu não quero. Mesmo que a sua profissão seja arriscada, desejo sempre poder ver a porta sendo aberta e você chegando em casa depois de mais um serviço feito.—confessou com um bico nos lábios.

— Então isso quer dizer que você se preocupa comigo?—perguntei vendo ele assentir enquanto eu deixava um beijo sobre esse bico adorável. — E não deseja me ver morrer ou se machucar no trabalho?—tornei a perguntar, vendo as mesmas ações feitas antes e um curto suspiro dos lábios dele.

— Exatamente isso!—exclamou voltando sua atenção para mim. — Agora sobre a garota que está grávida, fale para ela vir ficar comigo se desejar, até porque deve ser difícil criar ou gerar um bebê no ambiente em que ela vive. E fale também que eu estarei aqui para dar o devido apoio, ninguém merece passar por situações assim sozinho.—disse sorrindo terno.

— Você realmente existe Taehyung?

— É claro que eu existo. Enlouqueceu de vez foi?—comentou de cenho franzido.

— Tae você viu o que está me pedindo para fazer?—perguntei vendo a carinha confusa dele. — Você acabou de dizer que irá ajudar Jihyo com a criança e deseja dar o seu apoio para ela.

— E daí Jungkook? Eu sou assim 'tá bom? Minha natureza não me permite dar as costas quando as pessoas mais precisam e mesmo que eu seja taxado como trouxa, pelo menos a minha parte estarei fazendo.—ditou se ajeitando sobre o meu colo.

— Já disse o quanto eu tenho orgulho de você baby? De como você é a pessoa mais pura e bondosa nesse planeta?—questionei levando meus lábios para o pescoço de pele bronzeada do mais novo e deixando breves selares.

— Você me fala isso todos os dias ao acordar e diz antes de ir dormir, até quando chego da faculdade animado.—disse enumerando as coisas ditas nos dedos.

— Então saiba que jamais irei deixar de te lembrar amor. Nem mesmo por um segundo se me permitir.—sussurrei contra a pele quentinha do mais novo e dando um leve chupão.

— Gukkie por favor.—choramingou tombando o pescoço para o lado e me dando mais acesso.

— Deixa eu fazer apenas uma marquinha?—pedi com um bico nos lábios e totalmente com a cara de cachorro que caiu da mudança.

— Aigoo faz logo e depois some daqui por favor.—resmungou me fazendo sorrir de canto pelo jeito fofo que Taehyung fica ao estar bravo.

Me aproximei do pescoço dele novamente, depositando beijos molhados no local e vendo a pele se arrepiar. Ousei a passar a ponta da minha língua, sentindo os dedos do Kim apertando meus ombros e assim marquei a pele dele não somente com um chupão, mas encerrei com uma mordida no final, ouvindo o arfar surpreso que ele soltou dentre os lábios.

— Agora eu posso voltar ao trabalho e me resolver na vida.—comentei satisfeito por ver a marca roxa e mediana na pele bronzeada do mais novo e por estar bem amostra do jeito que eu desejava.

— Abusado, eu falei que deixei me marcar e não que era para morder.—protestou me dando um leve tapa no braço.

— 'Tá bom birrento, agora deixe eu ir e mais tarde estou de volta para ler a história que eu havia prometido.—falei dando um tapa na coxa direita de Taehyung, deixando a marca vermelha da minha palma em sua pele e alisei o local, ousando a subir a mão até a bunda dele. — Se os meninos chegar e você estiver com essa roupa eu vou ficar muito puto.—avisei de sombrancelha arqueada.

— E quem disse que eu estou vestido assim para chamar a atenção de alguém? Saiba que eu estou em casa e que irei ficar a vontade sim.—retroucou se levantando do meu colo, empinando a bunda e andando de um jeito provocante.

— Bom saber seu danado!—exclamei me levantando em um pulo do sofá, andando até o Kim e dando um tapa firme nessa bunda empinada. — Da próxima vez eu arranco a sua roupa e você desfila nu para mim.

— Nem nos seus sonhos eu deixaria você fazer algo desse tipo amor.—falou me fazendo sorrir pelo jeito debochado que me chamou.

— Mas não terá nem uma exclusiva? Ou quem sabe você empinar essa bunda no meu pau?—perguntei curioso com a situação ao vê-lo se debruçar no balcão e apenas me aproximei por trás de seu corpo.

— Esqueça Jeon, vá trabalhar e pare de me atiçar sabendo que não irá até o fim.—ralhou mexendo o quadril em direção ao meu.

Mordi o lábio inferior pelo modo que estamos, sentindo a bunda dele próxima da minha pélvis e me fazendo ficar tentado com essa mania que ele adquiriu.

— Já foi Jungkook?—debochou empinando mais um pouco a sua bunda e fazendo essa se encostar no meu pau ereto, me fazendo engolir a seco. — Você se anima tão fácil quando se trata de mim Gukkie.

— É porque você não tem noção do quanto eu te quero agora.—respondi com o meu tom firme, agarrando a cintura fina e prensando minha ereção na bunda alheia.

— Eu tenho sim. Não faz porque não quer.—deu de ombros ao retrucar e com isso puxei o quadril dele de encontro ao meu com força, fazendo ele gemer com meu ato.

— Então porque você não me alivia? Vem mamar de novo ou quem sabe sentar com força?—provoquei próximo do ouvido dele.

— O que eu ganho por fazer isso? Absolutamente nada, então tchau.—resmungou me fazendo rir nasalado. — Do que está rindo?

— Você quer me tocar não é mesmo? Quer testar a minha paciência e ver tudo que é capaz de fazer comigo.—falei de um modo firme, abrindo as pernas torneadas dele e o fazendo se debruçar no balcão.

— Mas eu não estou fazendo nada. Não quero te testar amor, eu quero você mesmo e desejo por mais.—confessou com a voz manhosa.

— Porra Taehyung, você leva qualquer homem ao delírio com esse seu jeitinho inocente e voz manhosa.—ralhei virando ele de frente para mim e atacando os seus lábios com gloss de morango.

Senti os braços dele em volta do meu pescoço, agarrando meus fios negros com os dedos nervosos e apenas tratei de atacar esses lábios gostosos que ele possuí em um beijo desejoso.

Segurei firme na cintura de Taehyung, suspendendo ele do chão e o colocando sentado no balcão. Sorri contra esses lábios macios do mais novo ao sentir ele abrir as pernas para me abrigar no meio dessas e assim fiz, agarrando na nuca dele com firmeza e tombando a cabeça para o lado afim de ter mais contato possível.

Ouvi o resmungo que o Kim emitiu quando ousei tocar a ereção dele, sentindo seu corpo estremecer com esse contato e continuei dando leves apertos somente para ouvi-lo arfar contra a minha boca em meio ao nosso ósculo. Senti as pernas dele se entrelaçando no meu quadril, me puxando para mais perto e assim fiz sem findar o nosso contato.

Ter Taehyung desse jeito está se tornando um vício. Começamos com uma conversa simples, brincamos e no final termina com ambos excitados. Mesmo que eu tente negar, estou o desejando, mas não irei adiante com isso porque da última vez machuquei a pessoas que pensei existir amor e com isso acabei me afastando de todos para um relacionamento mais profundo.

Eu passei a ter mais sexo sem compromisso e mais aventuras, memso que eu deteste e que não me sinta satisfeito. A verdade é que eu não somente desejo Taehyung, como também estou tendo um tipo de sentimento por ele e isso me assusta muito. Me assusta pelo fato de que eu não sei qual será a reação dele ao me conhecer de verdade, muito menos irei arriscar para vê-lo se chatear e por culpa da minha insegurança, não passamos de beijos e estimulações orais.

Encerrei nosso contato com uma mordida no lábio inferior do mais novo, juntando as nossas testas e tendo nossas respirações se mesclando em meio ao nosso ofego.

— Jungkook se eu te pedisse para continuar e ir até o fim…você o faria? Ficaria comigo mesmo? Me levaria adiante como uma vez disse que me assumiria?—perguntou contra os meus lábios.

— Sim Tae. Faria tudo isso, você não tem noção do quanto eu quero, mas por favor dê o meu tempo, faz anos que não sinto algo tão intenso como esse sentimento que você está me proporcionando e eu preciso me habituar para não correr riscos de você se chatear comigo.—confessei acariciando a cintura de pele quente com as pontas dos meus dedos.

— Eu vou te dar Gukkie-ah, saiba que estarei aqui sempre para você e toda vez em que chegar em casa irei te receber nos braços e te acolher em meu carinho.—falou deixando um afago nas minhas madeixas negras.

— Obrigado de verdade por entender que esse meu lado é uma parte horrível de mim e que parte dos meus pesadelos envolve o que aconteceu no passado.—sussurrei depositando um breve selar nos lábios inchados de Taehyung.

— Estarei aqui para te ouvir e se te servir de consolo, eu também tenho um passado que escondo, não é porque estou sorrindo que eu estou bem.—aconselhou deixando um beijo na minha testa. — Vamos superar juntos, lutar juntos e ficar juntos. Eu creio que somente assim iremos ter uma vida feliz e sem o passado para afligir o nosso presente.

— Você é tão único e especial na minha vida. Um anjo do qual nunca esperei que teria e agora só quero proteger.—falei abraçando o corpo magricela dele e o tirando de cima do balcão.

— Vem almoçar comigo então. Vamos se distrair e você me conta as coisas que mais gosta na vida ok?—sugeriu abrindo esse sorriso geométrico que tanto sou bobo.

— Pode colocar mais um prato na mesa porque eu vou ficar com você.—respondi tocando em seu rosto e sorrindo também.

— Eu não sou o melhor exemplo na culinária, mas confesso que tentei dar o meu melhor e que aprendi com a minha mãe antigamente.—comentou beijando a minha bochecha.

— Saiba que eu amo tudo que você faz e que irei ficar satisfeito com o rango.—disse rindo nasalado ao vê-lo fazer uma careta e me dar um leve tapa.

— Vamos logo Jungkook.—negou com a cabeça andando para a cozinha e apenas o segui.

Como prometido o almoço se seguiu com nós dois se conhecendo melhor e sempre buscando um meio de fazer um ao outro rir. Taehyung está mais solto ultimamente, se mostra um pouco mais animado do que no primeiro dia em que chegou e por um lado isso me agrada, pois sei que eu sou o motivo de estar dando uma vida diferenciada e até mesmo mais colorida ao garoto de cabelos castanhos cumpridos e sorriso perfeito.

Poder conhecê-lo melhor é algo que me fez refletir sobre a sua vida. Taehyung não teve muitas emoções depois da morte da mãe, mas mesmo assim buscou se empenhar no que gosta e conseguiu ingressar como bolsista na universidade veterinária da cidade e isso já me faz se sentir orgulhoso o suficiente por ver o empenho e dedicação que ele possuí com suas vontades. 

No final do almoço apenas lavamos nossa louça, guardamos tudo no devido lugar e deixamos os outros pratos sobre a mesa para quando os meninos aparecerem em casa. Percebi que Taehyung iria subir e apenas o segui, vendo os passos calmos até o quarto dele, me fazendo segui-lo em silêncio total, admirando cada traço desse jovem garoto. 

Me encostei no batente da porta, vendo ele me olhar com a sombrancelha arqueada e apenas ri soprado, andando até ele e abraçando a cintura fina.

— Eu sei que estamos indo com calma e que já fizemos isso umas duas vezes, mas eu ainda tenho vergonha você sabe.—disse com as bochechas rosadas.

— Você quer a sua privacidade para trocar de roupa?—perguntei vendo ele abaixar a cabeça soltando um riso fraco. — Ei  Tae não precisa ficar assim ok? Se quiser eu saio.

— Não Gukkie.—falou rapidamente e segurando nos meus braços. — Eu não fico tímido porque não desejo que me veja seminu, mas sim porque eu faço isso para alguém que eu sinto atração e mesmo assim me sinto frágil ainda em relação ao meu físico.—confessou suspirando pesaroso.

— Apenas me escute ok?—pedi vendo ele assentir com um aceno de cabeça e apenas sorri. — Você é maravilhoso, seu corpo é perfeito para mim e somente para mim amor. O seu sorriso é reluzente, seus olhos são cheios do brilho das estrelas, suas manias é o que te fazem único e sua personalidade é o que te torna especial. Eu te admiro pelo que você é de verdade e não por aquilo que as pessoas falam.—confessei olhando profundamente nos olhos lacrimejantes do mais novo.

— Jungkook…—sussurrou limpando os cantos dos olhos e com um sorriso nos lábios. — Aí meu Deus você…—parou de falar me abraçando apertado e escondendo o rosto em meu peito.

— Se é o que você está pensando sim. Eu acabei de me declarar e pode não ser o modo mais romântico possível, mas saiba que eu desejei você ouvindo essas palavras da minha boca.—falei sincero ao retribuir o abraço e apertar o corpo dele sobre o meu.

— Obrigado por tudo. Obrigado de verdade pelo que vem fazendo e principalmente por ser o meu amor.—disse levantando a cabeça para me encarar nos olhos. 

Ouvir Taehyung agradecer desse jeito por algo que eu desejei mesmo que ele soubesse fez com que meu coração se sentisse agitado de repente e isso só se intensificou mais quando ele selou nossos lábios em um beijo simples.

Não importa os problemas adiante e nem mesmo o que a vida nos proporciona, portanto que eu mantenha o meu amor seguro e de preferência nos meus braços. Eu vou além, não importa o que aconteça, irei superar tudo que me aflige e os problemas da vida serão apenas histórias de aprendizagem para o meu futuro. Será apenas mais uma confissão e mais um passo a frente para poder ter coragem de dizer tudo o que eu desejo nessa vida.






Eu acho que me apaixonei por Kim Taehyung…





Notas Finais


Eii cupcakes 🤭🌷

↓ Link da roupa que o Tae estava vestindo quando JK entrou na cozinha abaixo ↓

https://i.pinimg.com/originals/b5/31/75/b53175fcb37becaf53eafe9516c6d5c4.jpg

Espero que tenham gostado e que tenham aproveitado bastante baby's.

Amo muito vocês e agradeço todo amor e carinho que tem com a minha história e com a minha pessoa, nhaww…🐼💕 @Snow_Kim seguem lá meu segundo perfil anjos.🤭

Até o próximo capítulo!

Beijos e se cuidem anjos🌸💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...