História Love Story - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Got7
Visualizações 283
Palavras 1.892
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Só pra esclarecer, a fanfic é curtinha e vai ter apenas 8/9 capítulos!

Capítulo 4 - Destinados?


Fanfic / Fanfiction Love Story - Capítulo 4 - Destinados?


  - Se me der licença. - A garota se curvou e eu assenti, a observando ir limpar os cacos de vidro e líquido que Jaebum havia deixado cair.
Era Jaebum. Mas ele estava acompanhado de alguém que eu não conhecia. Um garoto que eu jamais havia visto.


  - Yo-ungjae? - Jaebum sussurrou mais para si mesmo do que para mim.


  - Você o conhece, Bum? - O garoto que estava ao seu lado perguntou. Jaebum concordou com os olhos arregalados, o olhando rapidamente.
Eu permanecia em pose estátua. Era surreal que Jaebum estivesse em minha frente! Impossível! Senti minha vista turva e um enjoo forte subiu no mesmo instante, minhas pernas perderam a força em segundos e pensei que estava prestes a desmaiar.


  - Youngjae? - Jaebum disse mais uma vez, dessa vez mais assustado.


  - Ele está bem? - Disse o que estava a seu lado.


  - Irei para meu quarto, licença. - Avisei sem mais nem menos, ignorando a preocupação alheia. 


  Contudo, assim que entrei em meu quarto, não se passaram dois minutos até que viesse um dos médicos do castelo me examinar. Provavelmente Jaebum havia o chamado.


  - Não foi nada demais, não se preocupe. - Disse o homem de jaleco branco, guardando um de seus aparelhos. - Provavelmente uma crise de ansiedade. Você viu algo, mocinho? -  Neguei, mentindo. Eu odiava ter que mentir, era doloroso, mas eu não tinha outra opção.


  - Eu estou bem. - Respondi no mesmo momento em que Jaebum entrou no quarto. 


  - Então já estou indo. - O homem se levantou da cama em que me examinava. - Até mais tarde. Se for preciso, Youngjae, tome alguns chás. - Concordei.


  Observei Jaebum esperar o homem se retirar do quarto. Ele parecia calmo, ou eu pensava isso até observar suas mãos suadas. Quando o homem se retirou do quarto, o Im logo fechou a porta com pressa, e eu tentava conter meu nervosismo.


  - Jae... - Disse quase em um sussurro. - Eu senti tanta sua falta! - Foi aí que vi a cena que eu temia ver a muito tempo. Jaebum desmoronando em lágrimas. Ele correu até a cama, me abraçando com aquele abraço apertado que só ele tinha.


  Não consegui retribuir aquele abraço. Meu coração sangrava, pois eu sabia que ele iria me deixar novamente. Enquanto ele tentava aproveitar o agora, eu pensava no final, pois seria apenas uma ilusão, algo passageiro.


  - Fazem quatro anos. - Jaebum sussurrou novamente, separando o abraço e agora acariciando meu rosto.


  - Pare. - Respondi. Jaebum logo teve uma expressão confusa, se perguntando se havia feito algo errado. - Por que? Por que você está fazendo isso?


  - Isso... ? 


  - Sim. Por que me tratar assim? - O empurrei para que ele se separasse de mim. - Você vai embora de novo. - Jaebum abaixou a cabeça, agora fitando seus próprios dedos. - Não precisa se aproximar de mim como antes e cavar uma ferida maior.
    
  - Eu sei.


  - Então... por favor, não se aproxime de mim. 


  - Eu não posso! Eu não te vejo faz anos, Youngjae. 


   - Eu te esperei por quatro anos. - disse, se afastando pouco a pouco de mim. - Esperarei por mais.


   - Eu também te esperei. - Respondi seco e direto. - Mas já sou grande o suficiente para entender que é algo impossível, por mais que meu coração grite por você. Eu esperei ansiosamente por notícias suas. Eu sonhava com você. 

  - Youngjae...


  - Me deixe sozinho, por favor. - Meu coração sangrava cada vez mais. Durante muito tempo eu sonhava pelo dia em que o reencontraria, mas agora que realmente está acontecendo eu consigo pensar nos verdadeiros riscos. Nós jamais poderemos ficar juntos. Jaebum é filho do Rei do Japão, que jamais aceitaria um romance entre seu filho e outro homem, considerando o que JB disse na carta. Eu sou filho do Rei da Austrália, que assim como Jaebum, terei que orgulhar meu povo e tomar grande decisões. 


  Eu não queria ter esse destino. Eu não queria ter me apaixonado pelo Im há anos atrás.


  - Vou te deixar descansar, Youngjae. - Foi a última coisa que Jaebum dissera antes de se retirar daquele cômodo. 


  E também, foi quando eu me desmanchei em lágrimas, encolhido entre os lençóis brancos e almofadas. Minhas lágrimas deixavam suas próprias marcas nos tecidos finos. Meu rosto estava vermelho assim como meus olhos. Passava a mão várias vezes no cabelo, frustrado. 
Jackson me visitou em seguida, logo perguntando o que eu havia sentido e o que teria acontecido. Jackson era uma pessoa extremamente preocupada quando se tratava de mim. O assegurei de que estava tudo bem e que não não foi nada demais.


  - Me prometa que vai se cuidar mais! - Ele pediu, segurando minha mão. - Você está muito teimoso nos últimos dias.


  - Bobo. - sorri sem graça. - Prometo. Sim.


  Quando a tarde decidiu nos deixar e a lua se fez presente, informei que não estava me sentindo bem para descer para jantar, assim, fui servido em meu próprio quarto. Confesso que não comi quase nada do que ali continha. Meu pai havia me avisado sobre eu dever socializar, o que eu planejava fazer até acontecer os imprevistos, se é que me entendem. Apenas aproveitei o momento em que todos estavam em um só lugar para observar as estrelas da varanda. Atravessei o corredor, indo diretamente para aquele pequeno espaço.


  Primeiro eu contava as estrelas, depois comecei a tentar encontrar imagens entre elas. Passei um bom tempo perdido naquilo, até perceber que alguém me observava na entrada.


  - Sabia que estaria aqui. - Se aproximou. - Ainda temos muito o que conversar.


  - Pedi para que não se aproximasse de mim. 


  - Por que você continua sendo tão teimoso, Youngjae? - Jaebum parecia frustrado. 


  - Porque se eu me deixar levar, o sofrimento será maior mais tarde! Para nós dois! Você sabe. - Desviei o olhar do Im, matendo meu olhar novamente para o céu.


Jaebum nada respondeu. Ele se sentou ao meu lado na varanda e agora também observava as estrelas. Ficamos em silêncio por um bom tempo até que Jaebum decidiu que o silêncio deveria ser quebrado.


  - Você está lindo. - ele disse, sem olhar para mim.


  - Sem piadas. 


  E então eu o vi sorrir. Aquele sorriso. O sorriso mais lindo que eu já havia visto. O sorriso que guardei em minha memória por tanto tempo.
Jaebum continuava com a mesma personalidade. Era como um adolescente em corpo de um adulto. 


  - Quantas estrelas tem no céu? - Perguntou, fitando as mesmas.


  - Eu contei apenas 122. - O respondi inocentemente. 


  - Então teremos que avisar aos pesquisadores que só existem 122 estrelas no céu.


  - Bobo. - gargalhei. - Você continua o mesmo idiota. 


  Aí Jaebum me olhou com aquele seu olhar penetrante. Talvez eu estivesse delirando, mas suas iris pareciam mais escuras do que antes e elas me analisavam como se conseguissem ver minha alma.


  - Quantos anos você tem agora, Jae? 


  - Dezenove. - Respondi, ainda o olhando.


  - Ainda é novo. Um adolescente! 


  - E você tem vinte! - Respondi indignado.


  - Isso é muita coisa!


  - Um ano de diferença seu idiota! - Retruquei, Jaebum parecia não se abalar com minhas respostas e isso me frustrava. 


  - Me perdoe então. - Por que eu sentia que já havia visto algo assim antes vindo dele? - Irei te dar um presente como recompensa. Feche os olhos.


  Eu sabia o que ele queria fazer. Jaebum estava tentando terminar o que não conseguimos há anos atrás.


  - Não sou o mesmo bobo de antes. - Gargalhei. - Não caio mais em suas armadilhas, Im Jaebum.


  - Acho que falhei. - Ele riu, desviando o olhar para o piso. - Está tarde, devemos entrar.


  - Não está tão tarde assim.


  - Está. Entre antes que fique resfriado, se não eu terei que cuidar de você. - Juro que senti meu coração cair ao ele terminar a frase, evitando o olhar.


  Jaebum me deu um boa noite e desejou que eu dormisse bem. Corri para meu quarto me sentindo eufórico. Eu  estava feliz, mas minha mente insistia em me lembrar que aquilo não duraria e que seria como as outras vezes, ou que eu não deveria ter cedido, pois eu o amaria mais ainda, e no final, ele iria embora.


  Mas meu coração estava apaixonado. 


[...]


  A claridade através das cortinas brancas avisavam que já havia amanhecido. Me levantei, meu corpo ainda dormia aparentemente. Com um pouco mais de esforço, consegui sair da cama e ir me arrastando para o banheiro. Lavei o rosto e penteei meus fios bagunçados. Estava prestes a descer quando me lembrei que estava em outro castelo e que ali havia mais Reis, Rainhas, príncipes e princesas. Então corri de volta para o banheiro, me enfiando naquela água gelada para me despertar por completo. Em seguida vesti uma camisa simples cor rosa bebê, junto a uma calça branca e sapatos também brancos.


  Assim que coloquei a cabeça para fora do quarto, pude avistar Jaebum conversando novamente com aquele garoto que eu não conhecia. Ele não havia percebido minha presença, então também fingi que não o vi. Sou um pouco orgulhoso, talvez.


  - Oh, Youngjae! Bom dia. - Ele correu em minha direção exibindo um sorriso, puxando meu pulso com não muita força. - Dormiu bem?


  - Muito bem. - Retribui o sorriso. 


  - Preciso te apresentar o Jinyoung. - fez sinal para que o garoto que estava um pouco distante se aproximasse de onde estava. - Esse é o Jinyoung. Jinyoung, esse é o Youngjae.


  - Prazer - Foi a primeira coisa que Jinyoung disse. - Olha, Jaebum, agora eu te entendo.


  - O que você entende? - Perguntei confuso. 


  - O motivo dele chorar tanto quando lembrava de você. - Minhas bochechas tomaram um tom rubro tão rápido quanto o tapa que Jaebum desferiu no braço do rapaz. - Ai! - Jinyoung massageava o lugar.


  - Ele fala demais. - Jaebum revirou os olhos. - Youngjae, esse imbecil aqui é o meu guarda-costas.


  - Ah, sério? Eu também tenho um. O conheci faz pouco tempo, mas ele é uma pessoa ótima. - Jaebum arqueou uma das sobrancelhas e eu não entendi o motivo - Aliás, olhe ele ali! - Apontei para o canto. - Ele costuma a me observar quando eu nem mesmo percebo.


  - Olá. - Jackson disse assim que ficou ao meu lado. Jaebum apenas balançou a cabeça como resposta.


  - Olá! - Jinyoung o respondeu empolgado.


  - Precisa de algo, Youngjae? Posso ir buscar. 


  - Você é meu guarda-costas Jackson, não meu empregado. - Sorri. - Mas acima de tudo é meu amigo. 


  - Então - Uma voz em um tom maior que o nosso iniciou a frase. Era Jaebum. - Youngjae, estava pensando em te chamar para um piquenique.


  - Príncipe Choi, eu poderia saber quem é ele? - Perguntou Jackson, sem se importar de perguntar na frente de nós, inclusive do Im. Jaebum cruzou os braços no mesmo instante e revirou os olhos. Ele não parecia ter ido com a cara do Jackson.


- Um amigo de infância. Não se preocupe. - Acariciei seu ombro. - E sim, Jaebum. Eu aceito ir. - Respondi o convite de segundos atrás.












Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo! Até o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...