História Love Story - Spin Off (EM REVISÃO) - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Abo, Bangtan Boys (BTS), Boy Love, Boyxboy, Daejun, Jikook, Jikook Abo, Namjin, Spin-off, Taegi
Visualizações 106
Palavras 3.202
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Famí­lia, Festa, Ficção, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


AVISO: Capítulo +18

Boa Leitura! ^^

Capítulo 27 - 27 - SooWoo


Fanfic / Fanfiction Love Story - Spin Off (EM REVISÃO) - Capítulo 27 - 27 - SooWoo

“Intimidade é você se sentir tão à vontade com outra pessoa como se estivesse sozinho.”Martha Medeiros

WooHyun P.O.V's

Estou namorando SooYoung há alguns meses, mas ainda não me acostumei com seu jeito pentelho de agir quando está fora da supervisão de um adulto. Enfim, essa viagem vai servir para estreitar relações com meus cunhados, vai me deixar mais tranquilo antes do retorno das aulas, e acima de tudo vai servir para que minha alfa e eu possamos ter um momento íntimo sem medo. Daesung e Jun não nos julgará por isso, enfrentaram tanta coisa ao longo dos anos de relação que acabam se saindo como cúmplices de nós dois.

E foi isso que houve durante o jantar. A garrafa de vinho apenas contribuiu para nos deixar mais leves, além de nos livrar da vergonha. Durante conversas animadas Juntas expôs parte da intimidade do casal, nada muito detalhado, apenas a intensidade que foi a viagem de ambos para a Austrália na virada de ano. Sim, conseguiram vencer a barreira de Jeon Jungkook, tiveram que enfrentar muito aquele alfa para serem felizes à sua maneira. Não sou a melhor pessoa para opinar, afinal não convivi com meus pais para saber se sentiriam ciúmes ou não.

Bom, talvez a preocupação de minha mãe Jennie justifique isso, não foi a toa que ela ficou quase dez minutos me dizendo sobre o uso de preservativos, enquanto me ajudava a juntar as coisas na mala. Apesar de ser o ômega da relação, toda essa responsabilidade acaba caindo em mim, e mesmo que SooYoung faça o uso diário de pílulas anticoncepcionais, o medo e o bom senso acabam me fazendo usar preservativo na hora do ato. Afinal, ainda que minha alfa ou eu não tenhamos problemas de saúde, o uso deles impede transmissão de algumas doenças.

Jun e eu decidimos lavar as louças já que o jantar ficou por conta dos alfas. Depois de tudo seco e em seu devido lugar, decidimos nos juntar aos dois que estavam distraídos com um jogo de tabuleiro qualquer. Apenas disse a SooYoung que iria para o quarto, apesar de não estar com sono, meu corpo exigia um pouco de descanso. No entanto, enquanto estava tomando meu banho senti uma dor na área pélvica, me lembro de senti-la apenas próximo aos períodos de ciclo, porém, desta vez o meu adiantou em muito. O único problema é que não estamos sozinhos, mesmo que o outro alfa da casa já tenha marcado seu ômega, ainda me sinto inseguro.

– Woo?! – Ouvi quando alguém gritou meu apelido. – Cunhadinho?!

– Eu... Eu já vou sair, Jun. – Pedi fazendo de tudo para controlar meus gemidos e meus feromônios.

– WooHyun, você est... – Sua frase parou no meio, mesmo sendo um ômega JungHyun percebeu meu estado. – Vou chamar a Soo para te ajudar.

Não tive como negar, preciso dela. Ainda trancado dentro do banheiro me via perdido entre aquela dor e a sensação de prazer que assolava meu corpo. Não esperei por muito tempo, logo ouvi a porta do quarto sendo trancada e o aroma forte de minha namorada invadindo o ambiente. Acho incrível como Soo consegue passar da imagem da menininha delicada para a pose de alfa quando a necessidade lhe cobra isso.

– Bae, abra a porta, por favor. – Pediu mantendo o tom de vez sério, ao menos aquelas poucas palavras foram o bastante para fazer meu corpo inteiro se arrepiar.

Sem hesitar destranquei a porta e a vida entrar em seguida. Seu olhar de luxúria percorreu todo meu corpo, logo fui empurrado em direção à parede mais próxima. SooYoung assumiu as rédeas da situação, arrebentando os botões da camisa em meu corpo enquanto enchia meu abdômen e meu peitoral de chupões. Minhas roupas não demoraram a atingir o chão, seguida pelas suas que não se importou nem um pouco em ficar nua em minha frente. Virou costume, meses de relação, já dormimos juntos e tomamos banho por diversas vezes, nem eu sei explicar porque ainda tenho um pouco de vergonha.

– Soo... Calma, por favor. – Pedi tendo sua atenção logo em seguida. – Preciso buscar o preservativo no quarto.

– Eu já trouxe, Bae. – Ela apontou para o balcão de mármore da pia. Estive tão entregue e distraído com seus toques, que nem sequer reparei quando ela deixou os preservativos ali. – Posso continuar agora.

– Calma. – A mais nova se afastou me observando um pouco impaciente. – Você vai me marcar?

– Você quer ser marcado? – SooYoung indagou passando a língua entre os lábios avermelhados por seu batom.

– Se estiver pronta, eu também estarei. – Respondi sentindo sua respiração bem próxima ao meu pescoço, onde em seguida ela arrastou as presas com carinho fazendo minha pele se arrepiar.

– Eu sempre estive pronta, Bae. – Disse ela deixando alguns beijos em meu maxilar e chupões em meu pescoço. – Estava apenas esperando seu pedido, meu ômega.

Aquilo me arrepiou ainda mais, no entanto, não consegui segurar o gemido quando uma de suas mãos tocou meu membro fazendo movimentos de vai e vem. SooYoung estava me tocando como nunca antes, de forma mais intensa, sensual, cheia de luxúria. Já passam períodos de ciclo juntos, sempre respeitando a questão da marca, agora quero me tornar seu ômega assim como desejo que ela seja minha alfa. Enfrentaremos o mundo se for possível, somos destinados um ao outro e isso as pessoas precisam entender.

Então apenas fechei os olhos e me entreguei às suas vontades. Sentia seus lábios percorrendo minha pele, marcando cada centímetro como assim desejava. Foi quando o prazer ficou maior, abri os olhos e encarei minha garota bem ali, de joelhos em minha frente, me chupando sem receio e com todo desejo expelido em suas ações. A dor havia sido esquecida, o prazer que ela passou a me causar provou ser bem maior que qualquer incômodo.

Não me importei com os barulhos altos, tão pouco se os outros dois iriam nos ouvir. Naquele momento tudo o que me importava era livrar meu corpo do calor e do desejo insano. Parece coisa de outro mundo quando os desejos do nosso lado lobo prevalecem, nós ômegas nos tornamos mais atraentes e os alfas ficam importantes. Logo senti meu corpo inteiro tremer, os músculos se contraíram e meu orgasmo foi expelido contra a boca de minha namorada. Soo passou a achar isso exatamente sensual, tanto que nem sequer importa mais com o gosto ruim.

– Quer continuar aqui ou ir para cama? – A mais nova sussurrou enquanto deslizava o preservativo em meu membro e aproveitava para massageá-lo um pouco mais?

– Vamos continuar aqui. – Respondi ainda me recuperando do orgasmo de agora a pouco.

SooYoung então se virou para mim, apoiou suas mãos no balcão de mármore e empinou seus quadris em minha direção. Logo entendi o que era para fazer, e foi segurando meus desejos e a vontade de gozar novamente que a penetrei. Sensação indescritível, nem sei dizer quando tivemos um momento tão intenso e selvagem como esse. Segurando fixamente sua cintura fina, comecei as estocadas fortes e fundas, no auge do desespero lhe arrancando gemidos extremamente altos.

A necessidade falou mais alto, a fome de prazer me deixou um pouco descontrolado, e tudo apenas melhorou quando ela implorou por mais. Como ômega, talvez não consiga ser tão intenso quanto alguém de seu status, mas faço o possível para deixá-la satisfeita. Então me afastei, ouvindo sua reclamação por um leve período antes de pegá-la nos braços e colocá-la sobre o balcão da pia. Atiramos todos os cosméticos no chão, a bagunça foi generalizada, mas nada que se compare ao suor em nossos corpos e os cabelos desalinhados. Voltei a penetrá-la ali, sentindo suas unhas grandes e afiadas afundarem em meus ombros.

Gosto de apreciar essas marcas no espelho na manhã seguinte, saber que consegui lhe preencher de forma que deixou lembranças em minha pele. Nossos gemidos se misturaram no ambiente, SooYoung apenas me mantinha próximo ao seu corpo, onde pudesse gemer ao lado de meu ouvido para me provocar. Nunca conseguirei descrever a sorte que tenho ao encontrar essa mulher, alguém com uma personalidade incrível e segura de si. Não digo pelo status que porta, Soo têm seus raros momentos de insegurança, digo por sempre assumir as responsabilidades quando isso soa necessário.

– Soo... Hum... Eu amo... Amo você. – Falei com a voz entrecortada, entre gemidos e respiração completamente desregulada.

– Bae. – A mais nova chamou tendo minha atenção. – Você é tão perfeito.

Não tive tempo de reagir, minhas bochechas até esquentaram, mas diante do que estávamos fazendo aquilo não parecia nada. Apenas senti quando seus lábios cobriram os meus, sua língua invadiu minha boca e ali deu-se início a outro beijo avassalador. SooYoung e sua mania de ser tão intensa a ponto de fazer duas almas se tocarem. Foi amor desde o primeiro instante, a primeira palavras. Ainda me recordo de como me senti quando ela me encarou daquela maneira na casa de minhas mães, uma alfa que parecia querer me agredir pelo simples fato de tê-la assustado. Quem diria que meses depois estaríamos nessa situação? Prestes a ter nossas vidas ligadas para sempre por conta de uma marca.

Almas gêmeas, nem sempre dois predestinados nasceram no mesmo lugar. Em nosso caso, quilômetros separam nossos países, mas por intermédio do destino aqui estamos. Não houve problemas com o idioma, já que aprendi a falá-lo bem novo, quando percebi que Lalisa e Jennie fariam de tudo para me adotar. A distância não é mais um empecilho, para SooYoung e eu nunca foi. Nada e nem ninguém consegue separar dois corações que nasceram para ficarem juntos. O tempo passa, a distância pode ou não existir, porém, em algum momento da vida ambos irão se encontrar e viverem a história que a eles foram reservada.

Me assustei quando SooYoung me empurrou para trás, no entanto, a alfa apenas me guiou para sentar na beirada da banheira, ali se sentou em meu colo voltando a penetrar meu membro em sua entrada. Vi meu mundo dar uma volta de trezentos e sessenta graus quando ela começou a rebolar naquela posição. Envolveu suas pernas em minha cintura para ter um pouco mais de equilíbrio. Sentia meu limite próximo, assim como o dela também chegou. Minha namorada chegou ao orgasmo primeiro, senti quando meu membro foi pressionado e de certa forma atado por sua intimidade.

Foi tudo tão de repente. Meu orgasmo, a sensação mágica que senti, a pontada no pescoço e finalmente a enxurrada de sentimentos que veio junto. Senti algo quente escorrendo por minha pele, e finalmente escarei minha namorada, ou melhor, minha alfa. Sensação indescritível, vontade de chorar misturada a vontade de rir. Consegui perceber de forma estranha seus batimentos acelerados, a mancha de sangue em seus lábios e o quanto ela ficou atônita por um tempo. Precisamos esperar por um tempo para conseguir sair, durante a marca ela me atou com força por isso a intensidade.

– Eu te amo, meu ômega. – Disse ela acariciando meus cabelos.

– Você me marcou, Soo. Eu sou seu ômega, agora. – Ainda estava sem acreditar em tudo aquilo. – Você... Eu te amo tanto.

– Você é tão fofo, Bae. – A mais velha disse seguindo até o chuveiro e ajustando a temperatura da água. – Vem aqui para eu cuidar de você.

Aceitei aquele pedido, mas antes tirei o preservativo o jogando no cesto de lixo. Tomamos um banho demorado, sem importar com hora ou as pessoas lá fora. Trocamos carícias e beijos, sei que o ciclo ainda continuar, porém, agora que tenho sua marca acredito que tudo ficará menos insuportável. SooYoung cuidou de mim como um bebê, me pergunto de onde aquela alfa tirou tanta força. Depois daquele momento limpamos o banheiro e nos vestimos para dormir, no entanto, após tanto esforço nada melhor que assaltar a geladeira.

A segui até a cozinha, nos deparamos com Daesung e JungHyun deitados no tapete em frente a lareira. O ômega estava deitado sobre o corpo do alfa, estavam cobertos apenas por um fino lençol, o que deixou bem evidente o que fizeram ali. Não se importaram com nós dois, talvez imaginaram que não fossemos mais sair do quarto hoje. Consegui convencer a SooYoung de não acordá-los, então simplesmente fizemos alguns sanduíches, pegamos dois copos de suco e voltamos para os quarto.

– Soo, o que está fazendo? – Indaguei ao vê-la deixar o prato de sanduíches sobre o aparador e pegar seu celular. – Não faça isso, sua maluca.

– Calma, Bae. Preciso de um trunfo para chantagear esses dois. – Disse tirando uma foto do casal adormecido no chão. – Olha que lindos, se enquadram tão bem na lente.

– Você é uma cobra, amor. – Respondi entrando em seu jogo.

– Filha de Jeon Jimin com um veneno duas vezes mais mortal. – Brincou guardando o aparelho e voltando a pegar o prato. – Amanhã será um grande dia.

Fomos direto para o quarto, ali terminamos de lanchar e escovamos os dentes antes de ir dormir. Adormecemos rápido por conta do cansaço, ainda temos alguns dias de viagem antes de precisar voltar e enfrentar todos pela marca. No entanto, SooYoung me garantiu que seu pai não tentará me matar por conta disso, ainda que não tenha sentido algum já que foi ela quem afundou os dentes em meu pescoço. De certa forma vamos enfrentar tudo juntos, como um casal que sempre somos e seremos para o resto de nossas vidas. Já imagino uma reação diferente de minha mãe alfa, comemorando emocionada pelo filho marcado por uma pessoa incrível. Já disse que Lalisa Omma costuma ir contra tudo o que julgam ser o politicamente correto? Acaba deixando minha mãe ômega maluca por conta disso.

•••

Nossa noite foi calma, e já pela manhã acordei com minha alfa me trazendo mimos. Tive direito a café na cama e sexo matinal graças ao ciclo, o lado positivo é que a marca me deixou mais desinibido. Assim que tomei um novo banho me vesti para encarar meus cunhados, Daesung se calou em um canto, apesar de estar escondendo um sorrisinho suspeito. Porém, JungHyun não fez questão alguma de esconder suas pretensões, assim que me sentei no sofá o mais novo puxou a minha camisa deixando evidente a marca recém-deixada ali. Então pacientemente esperei por seu surto, e esse não demorou a encher a casa com seu escândalo.

– Daesung?! SooYoung enfiou as presas nele! – JungHyun gritou chamando a atenção de todos. – Meu Deus, estou chocado.

– É uma marca, Jun. Você tem uma, achei que soubesse. – Daesung disse indiferente, sabíamos que era apenas para provocar o mais novo, por essa razão as risadas tomaram conta do ambiente. – O que foi?

– Você afunda minha animação, Daesung. – O ômega disse encarando o namorado. – Se continuar agindo como Jungkook appa vou pedir divórcio.

– Jun, vocês nem casaram ainda.

– Cale a boca, Jeon SooYoung. Pare de apoiar esse cretino. – Disse o mais novo visivelmente irritado. – Floquinho?! Vem meu filho, deixa esses infelizes aí.

– Santo Cristo, nem parece que fez sexo ontem. – SooYoung murmurou fazendo os dois encará-la.

– Nós não...

– Claro, só decidiram dormir pelados em frente a lareira. – Ambos arregalaram os olhos. – Não mudem de assunto, nem sei se tenho coragem de pisar mais naquele tapete.

– Nós estávamos praticando umas posições novas em frente a lareira. Yoga, você conhece? – O alfa perguntou deixando as bochechas de JungHyun avermelhadas. – Yoga nos ajudou muito, principalmente Jun na hora de se desembolar nas posições do Kamasutra.

– Kim Daesung!? – JungHyun já estava igual um tomatinho enquanto riamos desesperadamente. – Seu filho da...

– A boca, anjinho. – Ele provocou o mais novo a ponto de receber uma almofadada no meio da cara.

– Vai se foder, seu babaca! – Naquele momento me senti mal por ter rido. Principalmente porque JungHyun pegou o cachorrinho e correu para varanda aos prantos.

– Pegou pesado, Daesung. – Disse lhe fazendo refletir um pouco sobre aquilo. Apesar de estarmos acostumados a certas intimidades, além de JungHyun ser um pouco escandaloso, fazer aquilo o expôs ao ridículo.

– Vai acertar as coisas com ele ou eu corto seu pau fora, pivete! – SooYoung gritou fazendo o alfa seguir correndo atrás de seu noivo.

Minha namorada gosta de bagunça, mas até um certo ponto. Mexer com alguém da família, principalmente seu gêmeo e fazê-lo chorar é como assinar um atestado de óbito. No entanto, assim que Daesung foi atrás e ouvimos os gritos do mais novo seguidos de dois tapas, tive a certeza que o alfa entendeu o recado. SooYoung apenas me tirou dali e me levou para a varanda dos fundos, em um lugar onde não poderíamos ouvir aquela discussão, tão pouco ver a reconciliação. Apenas tivemos a certeza que houve uma, e bem rápida por sinal, quando Floquinho chegou onde estávamos.

O resto da manhã foi em contato com a natureza, repondo as energias com uma boa brisa e beijos apaixonados. Apesar de ter medo quando aceitamos essa viagem, acabou se tornando mais especial do que poderíamos imaginar. SooYoung é a garota mais perfeita ao qual meus olhos se fixaram, sempre foi a única para mim, o que vivemos de madrugada foi apenas a confirmação de tudo isso.

– Bae, não fique imaginando como vai ser quando voltarmos. – A alfa murmurou segurando meu rosto entre suas mãos. – Meus pai precisa entender que os filhos foram feitos para casar.

– E os genros para serem castrados, mortos e atirados em uma vala todos esquartejados. – Respondi fazendo ela dar uma gargalhada. – Estou brincando, amor. Eu sei que apesar de tudo, dos surtos e talvez ameaças de castração, irei sair vivo dessa.

– Se Jungkook appa encosta em você, meu bem. Tia Lisa castra ele sem dó, piedade ou resquício de arrependimento. – Tive que concordar. – Crime sem premeditação por motivo de ódio.

– Nossos pais podem entrar em guerra e nós dois aqui fazendo piadas. – Deixei inúmeros beijos em suas bochechas. – Por isso eu te amo, minha marrentinha preferida.

– Se houver outra, Kim WooHyun, eu mesma trato de eliminar. – Minha alfa respondeu deixando uma leve mordida em meu pescoço, quase como marcação de território. – Você é meu, e eu sou sua. Entendeu?

– Com todas as letras, palavras e sentidos, minha rainha.

– Gosto assim. – Respondeu selando meus lábios em seguida.

Não há palavras no mundo para descrever o que essa mulher se tornou para mim. Sei que estamos apenas no início de uma longa relação, mas já sinto a felicidade pelas coisas que o futuro nos reserva. Assim que aquele beijo se encerrou, voltei a abraçá-lo, no entanto, senti que algo estava diferente. Um pouco que não observei enquanto ainda estava em alvoroço. Sua pele quente, porém, não sentia que aquilo era coisa de rut. Conseguiria saber se fosse por conta dos desejos que encobrem o corpo, diferente disso, minha alfa parecia cansada.

– Soo, você está com febre.

– É normal, Bae. Isso acontece com frequência, mas estou bem. – Disse ela como se não fosse nada.

– Que frequência, SooYoung.

– Ah, sei lá. Toda semana, não fico parando para observar isso. – Aquilo me deixou abismado. Se ela não se preocupa, quer dizer que os pais não foram informados. – Vou conversar com Jiminnie appa quando voltarmos, está bem?

– Isso não me deixou mais aliviado, meu amor. – Expliquei a abraçando novamente. – Por favor, me avise se sentir algo mais.

– Está bem, Bae.

     Voltamos a nos abraçar, e durante horas aquilo ficou em minha cabeça. Motivo o suficiente para pedir aos anjos que não seja nada grave. Que tudo fique bem, minha marrentinha.


Notas Finais


Beijos e até o próximo capítulo! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...