História Love Story (Fase I) - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Eleven (Onze), Mike Wheeler
Tags Fillie, Finn Wolfhard, Millie Bobby Brown, Noah Schnapp, Nollie, Sadie Sink, Stranger Things
Visualizações 110
Palavras 1.363
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


31 favs @(@+#-#&&##;! quem é essa gente toda aqui???????????????????

Eu confesso que desanimei um pouquinho porque tive menos comentários dessa vez, porém tive, então por essas pessoas que gostam dessa fanfic eu decidi continuar. Afinal de contas, faltam só três capítulos pra ela terminar mesmo.

Espero que gostem desse capítulo, é isto. ❣️💖💗🥀🍒💗

P.S: Obrigada pela inspiração no nome do capítulo, The Neighbourhood.

Capítulo 5 - Sadder days


Abriu os olhos com cuidado, as pálpebras estavam pesadas, como se fossem toneladas. Tentou organizar todos pensamentos em sua mente, como sempre fazia ao acordar, pra depois perceber que não estava em sua cama.


A cabeça de Finn estava encostada entre o ombro e o pescoço de Millie e ele dormia profundamente. Os braços da Brown cobriam o corpo do garoto em um abraço aconchegante e aquilo era a posição mais confortável do mundo pra ela. O garoto parecia alheio a qualquer coisa e dormia profundamente. O corpo de Mary ainda se encontrava no sofá, coberto por um lençol. Finn tinha a respiração leve e Millie passou a observá-lo enquanto dormia. Os cabelos estavam mais desgrenhados que o normal e isso o deixava mais lindo ainda. Sua feição era serena. Millie se remexeu um pouco para poder assim, ter uma de suas mãos livres. Acariciou o rosto de Finn, passando as mãos cuidadosamente por suas sardas. Subiu as mãos afim de acariciar seus cabelos e sorriu quando ele se mexeu um pouco sobre ela.


– Seria loucura eu dizer que amo você? – Sussurrou, ainda acariciando seu rosto. E abaixando-se um pouco mais afim de alcançar o rosto do garoto, encostou seus lábios ao dele em um selinho rápido. Sorriu ao ver que ele também sorria levemente. – Porque eu amo você, Wolfhard. Eu realmente amo você.


Tirou os braços de onde estavam, soltando-se do abraço com o menino. Levantou-se e, antes que pudesse procurar o que queria, levou Finn até um sofá que havia ao lado do onde sua mãe se encontrava. Era meio estranho, na verdade. Deixá-lo ali, sozinho com o corpo da mãe. Mas precisava voltar ao castelo, antes que os pais acordassem e vissem que esta não havia dormido lá. Seria um escândalo.


Deitou confortavelmente Finn sob o sofá, cobrindo-o com um pano que havia ali. Aquela manhã fazia frio. Em seguida, vasculhou a casa, bagunçada por conta do dia anterior, atrás de um papel e uma pena. Não demorou muito para que achasse, acomodando-se sobre a mesinha de centro e escrevendo uma carta. Ao terminar, dobrou o papel, deixando ao lado do menino que ainda dormia profundamente.


Já sabia o caminho de volta ao castelo, e felizmente, de dia não lhe parecia tão assustador. Avistou as torres do castelo e preocupou-se ao lembrar que teria que entrar pelas portas do fundo. Tomou cuidado ao empurrar a grande porta de madeira, com medo que ela fizesse barulho. A sua surpresa foi tamanha quando, ao entrar na cozinha, deparou-se com Amy e Noah dormindo profundamente sob uma das mesas. Sorriu ao ver o noivo ali, mas tratou de ir embora antes que um dos dois acordassem. Sem sucesso.


– Millie? – Ouviu a voz de Noah chamá-la. – Por Deus, Millie, onde você estava? Você enlouqueceu?


– Desculpe. – Ela disse. Apontou para Amy, que ainda dormia. – Você contou…?


– Claro que não. Mas você precisa ser mais cuidadosa, Millie. Sorte a sua seus pais ainda estarem dormindo. – Ele a repreendeu mais uma vez. – Você esteve com ele até agora?


Ela assentiu. Noah continuou olhando-a, meio incrédulo.


– Você realmente enlouqueceu.


– A mãe dele morreu, Noah! Ele precisa de mim.


Saiu de fininho, tentando ao máximo não fazer barulho. Não fez questão de olhar para o Schnapp, que continuou estático, tentando processar o que a noiva havia dito.


**************


Abriu a porta da taberna em um estrondo, fazendo com que todas a olhassem. Ela não deu a mínima. Costumava chamar atenção pela aparência exagerada. Cabelos ruivos, olhos azuis e sardas que salientavam seu rosto. Usava um vestido amarronzado que, mesmo maltrapilho, caia bem nesta. O homem por trás do balcão, dono do local, olhou-a da cabeça aos pés.


– Você é…? – Ele questionou, o sorriso debochado nos lábios.


– Vi o cartaz na porta. Precisam de garçons por aqui, sim? – Ela ignorou sua pergunta, olhando-o fixamente.


– Não sei se é qualificada para o cargo, mocinha.


A ruiva gargalhou alto, atraindo a atenção dos homens ali.


– Porque sou uma mulher? Faça-me o favor. – Ela disse, inclinando-se para se aproximar mais ainda do homem. – Não sou nenhuma princesinha. Estou acostumada com lugares piores que esse.


– Qual o seu nome? – O homem perguntou, encarando os olhos azuis penetrantes da garota, dando-se por vencido.


– Sadie. Sadie Sink. – Ela sorriu. – Quando eu começo?


***********


Abriu os olhos com dificuldade, devido a noite difícil que teve. Provavelmente foi acordado umas três vezes devido aos pesadelos que tinha, sempre sendo acalmado por Millie, que dormia abraçada a ele.


Olhou ao redor da casa, procurando por ela. Tudo o que achou foi um papel dobrado ao seu lado. Tentando ignorar o fato de sua mãe ainda estar ali, coberta por um lençol, ele abriu o papel, lendo as palavras escritas na letra delicada de Millie.


Meu amor,


Mil desculpas por não estar ao seu lado ao acordar. Precisavas sair cedo. Infelizmente, meus pais não aprovariam o escândalo da princesa já noiva dormir fora. Pra mim, foi a melhor noite que já tive.


Voltarei assim que puder. Não sairei do seu lado agora. Caso não tenha ouvido o que eu falei enquanto dormia, eu realmente amo você.


Da sua princesa,


Millie.


Sorriu ao passar os olhos pela última linha da carta. Precisava vê-la de novo. Precisava dizer que a amava. Como num passe de mágica, Finn levantou a cabeça, deparando-se com Millie, que sorria levemente pra ele. Usava um vestido preto longo, e seus cabelos estavam cobertos por um véu pequeno. Apesar da ocasião para aquela vestimenta ser triste, ela continuava deslumbrante.


Correu até a menina, abraçando-a. Não conseguia mais chorar. No entanto, sentir o abraço aconchegante da Brown o fazia melhor.


– Sente-se melhor? – Ela perguntou, ainda agarrada a ele. Ele sorriu entre o abraço apertado.


– Eu amo você. – Ele disse. Ela, por outro lado, não disse nada. O menino soltou-se do abraço para olhá-la nos olhos. – Eu também amo você, Brown.


Ariel vinha acompanhado de outros homens, afim de levar o corpo de Mary para o quintal. O enterro não demorou demais. Finn não queria que prolongassem. Afinal de contas, já havia sofrimento demais ali. Ao final do enterro, os homens foram embora, deixando o casal a sós. O Wolfhard ainda estava sentado sob o recém túmulo da mãe, enquanto ainda era abraçado pela amada.


– É engraçado como as coisas podem mudar tanto em tão pouco tempo. – Finn se pronunciou pela primeira vez. Millie o olhou, curiosa.


– O que quer dizer com isso?


– Até semanas atrás eu era só um cara que trabalhava pra sustentar a mãe. Hoje, aqui estou eu… – Ele tornou a olhar para o túmulo da mãe, depois para a Brown novamente. – Completamente apaixonado por uma princesa.


Ela sorriu, aproximando seu rosto do dele. Finn abaixou a cabeça, tornando a olhar o anel de brilhantes que cobria o dedo anelar da mão direita de Millie. Suspirou.


– E seu noivo?


– O que tem ele?


– Ele não desconfia? – Millie continuou o olhando. – Digo, sobre suas saídas do castelo…


Millie sorriu levemente, deixando o garoto confuso.


– Na verdade, eu e Noah somos amigos. Ele não interesse amoroso em mim. Antes mesmo de nascermos, nossos pais nos prometeram em casamento. Sabe como é essa coisa chata. Nobre deve ficar com nobre. Ele até sabe de você, na verdade.


O menino arregalou levemente os olhos, assustada. A Brown, por outro lado, sorriu, encostando sua cabeça no ombro do amado.


– Mas…


– Não se preocupe, amor. Noah não seria capaz de trair minha confiança.


****************


Kelly andava de um lado pro outro, inquieta. O seu marido, por outro lado, observava a cena, estático. Ao lado, Noah se preocupava ao ver a reação da futura sogra.


– ONDE ELA ESTÁ? – Gritou, assustando os dois homens no local. Amy continuava a observar a cena de longe. Bruscamente, a rainha virou-se para o Schnapp, que assustou-se. – Você sabe onde a Millie está, não é?


– Não, srta, eu… – O local foi tomado pelo silêncio quando Millie entrou no castelo, deparando-se com o escândalo e assustando-se ao saber que se tratava dela. A mãe olhou-a da cabeça aos pés e Millie pôde jurar, que nunca havia visto tanta raiva na mesma pessoa ao mesmo tempo.


– Agora você vai explicar pra mim. E principalmente para o seu noivo. – Apontou para Noah. – Onde esteve.


Millie engoliu em seco. Era agora ou nunca. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...