1. Spirit Fanfics >
  2. Love, the best weapon >
  3. Miss Conner?!

História Love, the best weapon - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura 💜

Capítulo 1 - Miss Conner?!


Jennie e Lisa, duas adolescentes de dezoito anos, abaixadas esfregavam o chão do banheiro do orfanato onde moravam. Não era uma tarefa fácil e muito menos legal ter que esfregar todo aquele piso com apenas uma esponja. A superior das duas havia dito que só sairiam do banheiro quando o cômodo estivesse todo limpo, então rapidamente começaram a esfregar todo os lugares sujos. A loira reclamava a cada esfregada no chão sujo, e Jennie revirava os olhos a cada reclamação da outra.

— Lisa! Tem como você parar de reclamar e só esfregar esse chão?! — esbravejou a morena.

— Mas Jen! Eu não queria está fazendo isso! — reclamou mais uma vez. 

Outra coisa era que as duas adolescentes eram namoradas. As duas se conheceram dentro do orfanato e suas histórias de vida eram parecidas – ambas haviam sido abandonadas pelos pais e acabaram indo parar naquele lugar. A amizade das duas foi ficando cada vez maior, e um romance logo nasceu daquela amizade. Só que hoje algo, ou melhor, alguém iria mudar a história dessas duas garotas. Mas, especificamente para Lalisa. A vida das duas garotas era consideravelmente boa. Elas só tinham que sobreviver juntas. 

A porta foi aberta bruscamente, assustando as garotas dentro do cômodo. Logo uma das mulheres que ali trabalhava foi vista. 

— Lalisa, tem uma mulher que deseja ver você — disse ríspida e grossa. A mais nova se levantou bem rápido e arrumou o seu vestido meio molhado. —  Vamos. Rápido!

E assim a mulher pegou Lisa pelo braço e a levou em direção a tal mulher que a agradava. Jennie não ficou nem um pouco feliz pela a atitude de tal, mas a pobre adolescente não podia fazer nada. A loira foi arrastada até uma sala, onde geralmente as pessoas se encontravam com as crianças que queriam adotar. 

Então, iria ser assim? Jennie e Lisa nunca mais iriam se ver? Porque dependendo da pessoa que estivesse atrás daquela porta, esse seria o momento em que as garotas se separariam. A funcionária rapidamente abriu a porta, e dentro da sala se encontrava uma mulher. Ela estava sentada em uma cadeira, que continha uma mesa à sua frente. 

— Olá, Lalisa Monaban — disse a mulher. Lisa, meio relutante, entrou na sala e se sentou na cadeira a frente da mulher. A moça a sua frente era nova, tinha cabelos pretos e longos, rosto bem marcado e fino. — Sentiu saudades, minha menina? — Saudades? A tailandesa enrugou a testa. Desde quando ela conhecia aquela mulher a sua frente? A adolescente notou que a moça do orfanato havia saído, o que só deu mais medo. Aquela mulher estava começando a lhe assustar, ela queria sua namorada agora. — Não me reconhecer, amor? Sou eu, Conner. Miss Conner. — sorriu torto.

Lisa se desesperou. Então, aquela era a famosa Miss Conner? Ela já tinha ouvido muito sobre essa mulher, uns diziam que ela era uma bruxa que trabalhava para o rei, e outras diziam que ela que havia matados várias crianças do reino. Só que ninguém sabia ao certo quem falava a verdade. Lisa só sabia que a mulher a sua frente a dava calafrios. Jennie sempre dizia: “Miss Conner, ela é uma autêntica bruxa sem vassoura, chapéu ou verrugas, ela finge ser boa, mas na verdade não passa de um monstro incapaz de se importar com pobres crianças de rua como nós, órfãos”. E Lisa acreditava nela, apesar de nunca ter presenciado nada do gênero. Com medo, a loira decidiu agir rápido.

— Perdão, mas eu não a conheço. Com licença, tenho que voltar aos meus afazeres. — não deu chances para a mulher responder e saiu rapidamente da sala. Lisa correu para o banheiro novamente, tinha que conta tudo para Jinnie. 

Miss Conner sorriu.

— Finalmente lhe achei, minha menina.


[...]


— Você tem realmente certeza que foi isso que escutou, Lisa? Você pode ter escutado errado, vai que o nome era apenas parecido. —  já era de noite e Jinnie arrumava a cama das duas enquanto Lisa terminava de colocar sua roupa para ambas dormirem. A mais alta revirou olhos ao escutar aquilo, ela estava o dia todo querendo fazer a morena acreditar em si, mas a mais velha sempre dizia que aquilo era apenas invenção sua, que ela apenas havia escutado o nome da mulher errado. 

—  Olha Jennie, você acredita se você quiser. Mas, eu escutei certo sim quando ela disse seu nome. E outra, por que ela falaria coisas do tipo “Sentiu saudades, minha menina?” ou “Não me reconhece, amor? Sou eu Conner. Miss Conner”  Vai me dizer que isso também não é estranho? Ela falava como se me conhecesse! 

— É, até que nesse quesito você está certa — disse Jennie. — Isso tudo é muito estranho.

Lisa afirmou com a cabeça e foi se deitar em sua cama. Jennie apagou as velas e também se deitou em sua cama, mas não antes de ir até a outra e a dar um pequeno beijo, lhe desejou boa noite e foi respondida igualmente. Logo as duas estavam deitadas e em poucos minutos já estavam no mundo dos sonhos. Só que as meninas não sabiam, que enquanto dormiam, eram observadas do lado de fora, por algo, ou melhor; alguém. Uma mulher de cabelos pretos para ser mais específico.

— De uma vez por todas, você será minha novamente, Lalisa — sussurrou a mulher. Antes de abaixar seu capuz e se afasta um pouco da propriedade. — Jeon Jungkook, essa é a sua deixa. Pegue Lalisa e Kim Jennie também. A menina Jennie irá aprender a não ficar com o que é dos outros nunca mais. — o garoto de cabelos pretos que ali se encontrava, apenas assentiu e andou em direção ao orfanato. Jeon era um homem forte e novo, um ajudante da denominada bruxa. — Depois dessa noite meu amor, estaremos novamente juntas. 

Depois de alguns minutos, o Jeon aparece novamente, só que dessa vez com o corpo das duas garotas em ambos os ombros largos. Com cuidado, colocou as adolescentes deitadas em um cavalo que ali se encontrava junto a bruxa. Depois ambos os quatro partiram em direção a mansão de Miss Conner, onde ao chegarem, as garotas foram presas e Miss esperou o dia amanhecer; para que seu plano finalmente tivesse início.  


[...]


A noite logo passou e o dia chegou, junto com ele Jennie e Lisa despertaram. Ambas estavam com dores no corpo; e ao abrirem os olhos, perceberam que elas não se encontravam em suas camas. Mas, sim, em um cômodo completamente sujo e fedorento. Com seus pulsos amarrados a uma corda, juntamente com as pernas. A mais nova se desesperou, afinal, onde elas estariam?

— Jennie! — gritou Lisa. — Onde nós estávamos?! Que lugar é esse e por que estamos presas?! — o medo havia tomado conta de si. 

— E você acha que eu sei, Lisa?! — Jennie esbravejou com a mais nova. — O que temos que fazer agora é manter a calma e tentar soltar essas cordas — disse tentando de algum modo tranquilizá-la. 

— Ficar calma?! Como você quer que eu fique calma numa situação dessas?! O que você tem na cabeça para dizer uma coisa dessas?! Tudo o que eu menos consigo fazer no momento é ficar calma! — grossas lágrimas já caiam pelo rosto de Lisa. — Eu estava dormindo e quando acordo me encontro aqui! Neste lugar asqueroso e fedorento! Jennie! Calma não vai ajudar em nada! — gritou por fim.

A Kim respirou fundo e parou de tentar se soltar das cordas, coisa que ela estava tentando fazer enquanto Lisa tinha seu pequeno surto. A morena já estava acostumada com o temperamento da mais nova, ela sempre teve que lidar com situações como essa, onde a mais alta surtava e começava a gritar com ela.

— E você acha que eu não sei de tudo isso que você acabou de dizer, Lisa? Eu também não sei onde estamos, não sei que lugar é esse e como viemos parar nele! — olhou para ela e continuou. — Mas se desesperar não irá nós levar a lugar nenhum! Temos que respirar e pensar — Jennie viu Lisa começar a chorar com mais força. — Olha para mim, coração — ela a olhou. Seu rosto estava pintado em um vermelho vivo. — Não chora, certo? Nós vamos conseguir sair desse lugar. De alguma maneira nós duas iremos sair daqui, mas para fazermos isso. Você primeiro tem que se acalmar! Respire fundo — Lisa fez o que foi mandado, seus lábios tremiam pelo choro recente, e a mais nova fazia de tudo para que eles parassem de tremer. Suas mãos amarradas também tremiam de leve, mas como a mais velha disse, elas tem que se acalmar e pensar. — Isso coração, respire fundo e se acalme.

— Eu estou com medo Jen — segredou baixinho. 

— Eu sei, coração. Mas, você tem que ficar calma, nós vamos dar um jeit…

A porta do cômodo foi aberta bruscamente, assustando as duas garotas presas ali dentro e cortando a fala de Jennie. Logo um rapaz apareceu, o mesmo que havia trago-as até aquele lugar deserto. O mesmo as olhou e sorriu sínico. Ele parecia gostar do sofrimento das garotas.

— Vejo que acordaram, moças — sua voz era grossa demais para seu rosto e traços. — Miss Conner vai ficar feliz em saber disso — disse e riu escandalosamente, logo saiu do cômodo, deixando as duas meninas sozinhas novamente.

— Jennie! Foi ela! Eu disse que aquela visita tinha sido estranha! — Lisa voltou a gritar. — Eu disse que ela era aquela bruxa que você contava as histórias! Eu estava certa o tempo todo, e você não acreditou! — bufou alto e se remexeu no chão, de forma inquieta. 

— Certo, Lisa! Você estava certa! — esbravejou também. — Mas agora não é hora de você ficar falando que estava ou não certa! — ela está certa naquele quesito. Então, a Manoban apenas se calou — Agora nós temos que tent…

Mais uma vez a porta abriu. Cortando novamente a fala de Jennie, que bufou impaciente.

— Olá, Lalisa. — a voz da mulher entrou pelos ouvidos das duas órfãs, as fazendo estremecer no lugar. A mulher sorriu abertamente e caminhou em direção a citada. — Sentiu saudades? Eu estava morrendo de saudade de você, minha vida — levou sua mão até a bochecha de Lisa e acariciou o local. Mas, a menina logo afastou seu rosto bruscamente, ela não gostava do toque daquela mulher em qualquer área do seu corpo. — Oh, não precisa me tratar assim, desse jeito você me magoa — disse com uma falsa tristeza. Em todo esse momento, a bruxa parecia ignorar a existência da Kim naquela sala. E isso estava estranho, porque Jennie estaria ali se a bruxa parecia querer apenas a sua namorada? — Olha só o que temos aqui… — sua existência pareceu ser notada para a Conner, que andou em sua direção, fazendo o barulho dos seus sapatos ecoar por todo o cômodo sujo. — Kim Jennie, a mulher que roubou o coração da minha garota — disse com raiva. A morena a encarou com o cenho franzido. O que aquela mulher queria dizer com aquilo?

— Perdão? — perguntar Jennie baixo. A confusão era notável em seu rosto, assim como o de Lalisa.

— Ora, não se faça de tonta, menina insolente! — pegou o rosto de Jennie pelas as bochechas, apertando as maçãs do seu rosto com força, a fazendo encarar a bruxa nos olhos. — Você vai pagar bem caro por isso. — deu um tapa estalado no rosto da menor, fazendo essa virar o pescoço para o lado contrário de tamanha a força.

— Jennie! — gritou Lisa se remexendo no chão. — Não faça isso com ela! Sua bruxa asquerosa! — falou raivosa.

— Não diga isso, minha vida. Não proteja essa imunda que está nos separando. Que está separando o nosso amor! — a bruxa falou com convicção.

— Eu nunca a vi em toda a minha vida! — a loira grita. — Então pare de me chamar de vida como se já tivéssemos sido íntimas! — a raiva já a consumia toda. — E outra, nós nunca estivemos juntas! Então, logo Jennie não está nós separando de nada! — gritou por fim.

Jennie sentia sua bochecha queimar tamanha a força do tapa que havia levado. Sua mandíbula está doendo muito, com certeza seu rosto está marcado com todos os dedos da bruxa. 

— Não diga asneiras, minha vida. Em breve você se lembrará de mim — disse e caminhou em direção a porta. — Em poucas horas meu feitiço estará pronto. E nós duas estaremos juntas finalmente. — olhou para as duas já no batente da porta. — E você, Kim Jennie... — a encarou com ódio. — Você sumirá das nossas vidas para sempre!

Dizendo isso, saiu do cômodo com um grande estrondo na porta. As duas garotas se olharam e falaram ao mesmo tempo:

— Temos que sair daqui! 


[...]


Miss Conner continuava a folhear o velho livro. A enciclopédia que lia se chamava “Livro dos Condenados”, um antigo livro que guardava muitos segredos: magias, rituais, invocações e coisas do tipo. Aquele era um livro perigoso, ele tinha uma magia extrema em cada folha feita de pele humana. Sua capa era marrom, com um símbolo vermelho bem no centro. Um símbolo de proteção.

— Senhora Miss? — Jungkook apareceu em sua sala — Rosé está a aguardando no salão. 

A bruxa sorriu.

— Ótimo! — disse e seguiu para o local onde a outra bruxa a aguardava.

A mansão era grande, o lado de fora podia ter a visão acabada, um tanto abandonada, mas por dentro era realmente uma linda e bem cuidada mansão. Ao chegar no salão, se deparou com uma mulher de cabelos ruivos e longos, com a aparência de fogo.

— Olá, Rosé. Há que devo sua visita? — perguntou um tanto rude, afinal a mulher a sua frente havia interrompido sua leitura. 

— Por favor, me diga que Lalisa Manoban e Kim Jennie não estão aqui! — gritou com raiva.

Rosé era a bruxa pessoal do rei Min Yoongi. Ela e a Miss eram grandes amigas, e Rosé sabe bem que a bruxa a sua frente pode fazer de tudo para recuperar a reencarnação do seu amor.

— E desde de quando eu devo satisfações de meus atos para você?! — esbravejou também.

Rosé soltou uma risada sarcástica.

— Você me deve satisfações desde o momento em que roubou o meu livro! — a ruiva disse calmamente, dando um certo medo para Miss Conner, ela sabia das coisas que a outra é capaz de fazer. — Você sabe que Min Yoongi trata as duas meninas como filhas! Ele mesmo as salvou da morte certeira depois da invasão do Norte!

— Eu sei! Mas, eu não poderia ficar sem fazer nada vendo o amor da minha vida na frente de meus olhos! — gritou. — Você sabe o quanto eu procurei por ela, Rosé! Sabe o quanto eu sofri todas as vezes em que ela morreu!

— Sim, eu sei. Mas Lisa não é ela. Apenas é parecida!

— Você está enganada! Eu vejo que é ela pelos os seus olhos! Nunca esqueci o brilho único que somente os olhos de minha amada tem!

Rosé suspirou fundo. Aquilo está a irritando.

— Conner, você sabe que nunca mais conseguirá acha ela novamente! — jogou a verdade no ar. — Então para qu…

— Chega! — cortou-a com um único grito. — Não irei admitir que você fale essas asneiras bem aqui na minha frente! — os olhos da Conner começaram a tomar uma coloração avermelhada, sua alma demoníaca estava tomando conta de si. — Saia da minha casa agora! SAIA! 

Rosé a olho, a ruiva não tinha medo da outra bruxa. E ela não era a única.

— Eu irei. Mas saiba, que você irá se arrepender de todos os seus atos. 

E, assim saiu a passos rápidos do cômodo, logo saindo da mansão.


[...]


— Vamos, Lisa! — disse Jennie entredentes. — Se você demorar, iremos ser pegas! 

Depois de várias tentativas, Jennie conseguiu se soltar das cordas. Como? Ela havia achado um pequeno pedaço de vidro no canto do cômodo. E isso foi o suficiente para que ela cortasse as cordas que as prendiam e logo fez o mesmo com Lalisa. Elas escutaram os gritos e se apressaram para sair, tinham que aproveitar que a bruxa Miss estava ocupada com uma suposta visita. 

As duas garotas andavam em passos silenciosos pelos corredores do casarão, em busca da saída dos fundos. Uma porta feita de madeira escura foi logo avistada. As garotas sorriram ao ver finalmente a saída daquela prisão.

Por sorte a porta se encontrava destrancada, facilitando ainda mais a saída das garotas. E já do lado de fora, puderam ver finalmente o sol tocando suas bochechas. A noite já estava sendo anunciada com o pôr do Sol.

Ao passarem por outras portas, ouviram gritos de pessoas, ou criança. A voz de um homem também era escutada. Era a mesma voz do homem que foi velas. Lisa e Jennie tinha que, de algum modo, salvar as crianças, mas não podiam fazer isso sozinhas. A contragosto, tinham que sair e deixar as pobres crianças ali, apenas para chamar ajuda para elas.

— Jennie, será que a bruxa Miss Conner realmente é do mal? Você escutou tudo o que ela falou! Ela estava apenas me confundido com o amor dela! — Lisa comentou enquanto as duas andavam de forma silenciosa para fora das terras. E ao ouvir a pergunta, a morena a olhou incrédula.

— Lalisa, estamos falando de Miss Conner, ela é uma autêntica bruxa sem vassoura, chapéu ou verrugas. Ela finge ser boa, mas na verdade não passa de um monstro incapaz de se importar com pobres crianças de rua como nós, os órfãos. Não fugimos daquela masmorra em vão! — mais uma vez ela estava certa.

— A mansão de Miss Conner, ou melhor dizendo, o hospício para crianças que ela vem gerindo todos esses anos precisa ser descoberto por Min Yoongi! Só ele poderá nos ajudar a resgatar os outros órfãos, mas como iremos a seu encontro? — perguntou mais para si mesma.

De entre a vegetação cerrada para a altura das meninas, avistaram uma égua negra como carvão, o animal era enorme e, resumindo, era maravilhosamente assustadora. Arrepiaram-se com a ideia de montar aquele ser majestoso.

— Está pensando no mesmo que eu, amor? — os olhares se fixaram naquele momento. Lisa sorriu concordando com um simples aceno. 


[...]


As portas da grande sala foram abertas, dando assim para avistar o trono real, onde Min Yoongi estava sentado enquanto falava com um guarda real. Jung Hoseok entrou e seguiu em direção ao Rei, tinha um comunicado para fazer. Hoseok também era parte do exército do Rei Min, ele era comandante geral do exército. Sendo assim, o braço direito do Rei.

— Majestade! — disse o Seok se curvando com a mão direita no peito e logo voltando para a posição normal. — Gostaria de dar um comunicado, se o senhor me permitir. 

— Claro — disse o Rei. — Senhor Wang, peço que se retire — o outro apenas assistiu e fez reverência para o Rei, saindo logo do cômodo real. Jackson Wang é o seu novo cozinheiro, já que o antigo, tinha sido morto após ter quase matado o Min envenenado. — O quem tem a dizer, Jung? 

Um de meus homens veio me informar que as garotas Kim Jennie e Lalisa Manoban estão pedindo para lhe ver, Majestade.

Min Yoongi o olhou com o cenho franzido. O que as garotas queriam, afinal? 

— Hm, mande-as entrar — disse.

— Sim, Majestade! — o Jung respondeu e fez referência, logo saindo da sala do trono.

Em poucos minutos, as duas garotas entraram meio afobadas no cômodo. Tinham as suas roupas sujas assim como algumas partes do corpo, os cabelos um pouco bagunçados, deixando o rei Min ainda mais confuso.

— O que desejam, minhas garotas? — Yoongi não conseguiu evitar sorrir ao ver as meninas. 

As garotas fizeram reverência antes de olharem novamente para o rei. Min Yoongi, um Rei de idade nova, tinha cabelos pretos, pele clara e lábios rosados. Sua grande e linda coroa de rubis, seu manto real era azul como a noite com pequenos detalhes pretos e brancos, Yoongi era um belo rapaz, ninguém poderia negar o óbvio.

— Rei Min! Nós duas temos uma coisa de grande importância para lhe contar! — disse a Kim, tudo muito rapidamente — Esse assunto é urgente! — Yoongi via pelos olhos da garota que ela não mentia. E isso só fez com que ele ficasse ainda mais curioso. Afinal, o que seria de talvez extrema urgência?

— Oh, se é assim. Podem começar a conta.

— Enquanto nós estávamos no orfanato, uma mulher veio procurar por mim… — e assim Lisa e Jennie começaram a narrar toda a história que viveram nesse dia corrido. Yoongi escutava tudo atentamente enquanto apoiava seu queixo em sua mão, que repousava no braço de seu trono. 


[...]


Rosé andava com pressa pelos corredores do palácio, seu rei havia a chamado para um assunto de extrema urgência. E aos chegar na sala do trono, viu Jennie e Lisa.

— Oh, meu Deus! — disse e correu até as garotas. Tocou todas as partes do corpo das mesmas para saber se não tinham nenhum ferimento.

— Rosé! — o Rei a chamou de forma séria.

— Sim, meu senhor? — se virou para o seu superior, lhe fazendo uma reverência.

— Você conhece, Miss Conner? — foi direto ao ponto

— Sim, meu senhor. Eu era uma antiga amiga da Conner. Mas, depois que ela se apoderou de uma alma demoníaca, eu mesma quebrei nossos laços — disse com um olhar triste. 

— E você por acaso, sabe como a matar? — perguntou o moreno.

— Sei, senhor. — respondeu logo de imediato. Rosé não queria se submeter aquilo, mas se matar a Conner era a única saída para evitar mais crianças sequestradas e mortas, ela teria que fazer isso. — Para se matar uma bruxa, apenas basta quebrar o pescoço. E depois a queimar, para que nenhum feitiço dentro dela a reviva novamente — disse por fim.

— Então ótimo! — sorriu o rei — Você estará encarregada de matar Miss Conner — Rosé o olhou um pouco assustada.

— Como o senhor desej…

Um grande estrondo cortou a fala da ruiva. E em seguida, pela a porta aberta a imagem de Miss Conner surge.

Onde está ela?! — gritou enfurecida. — Me  a devolva! AGORA! — Yoongi se levantou de seu trono e empunhou sua espada. Mas, a bruxa de cabelos pretos foi mas rápida — Levita-te! — depois de ditas, todos, com exceção de Rosé, voaram contra a parede mais próxima. Yoongi, Jennie e Lisa tentam se soltar, mas seus corpos estavam presos no local. O moreno estava preso em uma coluna perto de seu trono, e perto de si a Kim era presa contra a parede. Já a loira, foi presa da parede a frente deles, a deixando do outro lado da sala, distante dos outros dois humanos ali presente.

— Conner! — gritou Rosé enfurecida. — Você tem que parar com isso! Você não é a mesma, essa alma demoníaca irá a matar! Por favor, pela a nossa antiga amizade, não faça nada!

— Ah, minha cara Rosé — começou a bruxa de cabelos negros. — Nossa amizade acabou a partir do momento em que você me trocou por esse reizinho! — gritou enfurecida.

— Mais respeito com o seu Rei! Sua bruxa insolente! — gritou Min Yoongi. Miss Conner apenas o olhou e estalou os dedos, o eco do corpo sendo jogado com tudo no chão assustou a todos, menos a bruxa de cabelos negros, que tinha um largo sorriso moldado nos lábios.

— Não! — gritou a ruiva. — O que você fez com ele?! — Conner apenas riu, aquilo estava sendo uma ótima brincadeira.

— Não se preocupe, minha amiga. Seu rei está apenas tirando um cochilo.

Rosé a olhou com fúria.

— Agora já chega! — gritou, e em segundos o corpo de Miss Conner se encontrava jogado ao chão. Foram apenas preciso duas palavras em latim, e Rosé a arremessou para o outro lado da sala. — Eu não vou deixar que você machuque mais ninguém!

Misso Conner começou a rir histericamente, uma grande risada sarcástica e maligna. Conner gostava da maneira de Rosé, sempre destemida. Jennie e Lisa ainda estavam presas, mas por Conner ter sido atacada. Elas puderam sentir que o poder que as prendiam estava um pouco mas fraco.  

— Rosé, minha cara Rosé — começou se levantando do chão, limpando suas vestes. — Você não deveria ter feito isso — disse e outra pronúncia foi escutada junto a um estalos de dedos, logo o corpo da outra bruxa estava em chamas. A ruiva começou a gritar. Seu corpo toda estava em chamas, tudo queimava e ardia. — Nunca subestime Miss Conner — foram as últimas palavras que Rosé escutou até morrer queimada pelas chamas. As duas garotas encaram a cena assustadas, seus corações estavam acelerados, e suas respirações ofegantes. — Hum, onde paramos Lalisa? — olhou para a citada. A mais nova chorava, ela estava com medo, muito medo. — Oh minha querida, não chores — foi andando em sua direção. — Ela merecia isso, ela queria nos separar! E eu nunca deixaria ninguém fazer isso… — disse enquanto passava os dedos longos e magros pelo rosto da jovem. — Você ficou ainda mais bonita com o passar dos séculos — olhou para os lábios da outra. — Que falta eu senti desses lábios — se aproximou enquanto falava pegou Lisa pela a nuca, colando seus lábios de uma maneira bruta. A bruxa invadia a boca da menor sem nenhuma permissão, ela tentava a todo custo se soltar das mãos da bruxa. Conner se separou dos lábios da mais nova satisfeita. — Eu te amo tanto, Lalisa. — passou a mão em seus cabelos.

Mas eu não te amo! — gritou a tailandesa.

— Ama sim, minha vida. Você está apenas confusa — disse e atacou os lábios da menina novamente. A bruxa apenas tinha se esquecido da presença de outra pessoa no cômodo. Um pequeno movimento não foi visto por ela. E em segundos tudo mudou. — AAAAAAAH! — gritou a bruxa. Jennie havia se aproveitado da distração e também que a Conner tinha esquecido de si e abaixado o seu poder, a deixado livre. Jennie pegou a espada de Min Yoongi que estava perto de si, e com passos lentos se aproximou da bruxa, logo enfiando a espada bem na sua cabeça, fazendo metade da ponta sair por sua boca. Lisa teve seu corpo livre e saiu de perto da bruxa, rastejando no chão assustada. Miss Conner começou a se engasgar com seu próprio sangue. Sua boca estava vermelha, e ela não conseguia respirar por causa da lâmina da espada que ainda estava li. Jennie se afastou e pegou Lisa pelo braço a trazendo para perto de si. Miss Conner começou a tossir, e seu corpo logo caio com força no chão, fazendo um grande barulho de impacto ecoar pelo cômodo real. Agora sim. A grande bruxa mais temida estava finalmente morta, com a espada do Rei enfiada em seu crânio. 

J-Jennie — gaguejou Lisa a abraçando ainda mais forte — V-você a ma-atou… — a mais nova estava completamente em choque.

Shhh, calma, anjo. — alisou os cabelos da outra. Jennie se sentou no chão, suas pernas estavam bambas, colocou Lisa em seu colo, fazendo a mais nova colocar o rosto no vão de seu pescoço — Deu tudo certo, amor. Tudo acabou… — disse chorando aliviada. O pesadelo finalmente havia acabado. Ela prometeu a si mesma que faria de tudo para proteger quem amava, a morena já estava cansada de perder pessoas importantes na sua vida.

E-eu te amo, Jen — sussurrou Lisa.

Jennie sorriu e prontamente respondeu: — Eu também te amo, Lalisa — ambas ficaram ali no chão, aguardando o rei acordar para assim salvar as outras crianças e dá um fim definitivo para o cativeiro de crianças que Miss Conner havia construído. 

O reinado de Miss Conner finalmente teve o seu fim. E mas uma vez, o amor de Jennie e Lisa ganhou a batalha.







Notas Finais


E então? Gostaram?!

Eu confesso que me arrisquei um pouco escrevendo algo tão grande, coisa que eu não sou acostumada a fazer, e também eu nunca tinha escrito algo sobre bruxas e tals.

Sabe, espero que não tenha ficado ruim!

Quem pegou a referência a série Supernatural, vai ganhar um beijo! 💋

↪Capa: @iSweetGirl
↪Betagem: @Dominatrix_021

Obrigada meus amores por terem arrumado um pouco do seu tempo para fazerem a capa e a betagem da fanfic, amo vocês!

Bom, um beijinho no coração de vocês, e bye 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...