1. Spirit Fanfics >
  2. LOVE Triangle (VKook) >
  3. Surtos

História LOVE Triangle (VKook) - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Oiii, tudo bem?
Espero que gostem e se apaixonem ainda maaais
BOA LEITURA

XOXO

Capítulo 6 - Surtos


Fanfic / Fanfiction LOVE Triangle (VKook) - Capítulo 6 - Surtos

Como planejado, assim que a aula acabou fui rápido para o jornal. Estava claro ainda e por sexta-feira, muito movimentado, algumas pessoas já indo embora, outras indo correndo para arrumar as malas, outras pessoas se despedindo aqui e ali, tanto movimento que passei despercebido até entrar no jornal. 

- Postei mais alguma coisa que você não gostou? - dei de cara com a tal Annie. 

- Eu que chamei ela. - disse Taehyung saindo de uma das salas. 

- Hum... então são amigos? - perguntou ela com um enorme tom de inveja. 

- Sim, somos. - disse Taehyung e eu dei um leve sorriso para ela. - Pode vim, Amabile. 

- Ei, ei, ei... - chamou atenção Annie, então parei no meio do caminho e olhei para trás. - Nós não permitimos "amigas" no local de trabalho. 

- Mas e os seus namorados? - perguntou Taehyung e isso a deixou furiosa. - Não vai demorar, só vou entregar uma coisa a ela. - voltei a andar e entrei na sala que Taehyung estava. 

- Vai me "entregar" algo? - perguntei curiosa e ele deu um leve sorriso. 

- Sim! - ele disse e me entregou um envelope branco. - São um presente! 

- Nossa... - eu disse surpresa, peguei o envelope com cuidado e ele estava um pouquinho quente. Comecei a abrir e por algum motivo meus olhos se encheram de lágrimas. - Taehyung, eu não acredito... você revelou as fotos! - eu disse super feliz. Dentro do envelope estavam as fotos que ele tinha tirado de mim no Museu de Arte da Universidade. Estavam lindas, olhei uma por uma com um enorme sorriso nos lábios e os olhos marejados. 

- Você gostou? - perguntou Taehyung depois que eu terminei de ver as fotos. 

- Ta brincando? - eu perguntei levantando os olhos para ele que me olhava sorrindo. - Eu amo foto revelada, elas estão lindas! 

- Sério? Eu também amo foto revelada! - disse ele sorrindo e surpreso.

- Ai Tae, muito obrigada mesmo! - eu disse e o puxei para um abraço apertado. No começo percebi que ele ficou sem jeito, mas logo me abraçou forte pela cintura. 

- Não precisa agradecer! - ele disse e percebi que ele sorria. Depois daquele presente eu o convidei para ir comer alguma coisa e fomos em uma cafeteria ali perto da universidade. Comemos algumas coisinhas e tomamos cappuccino. Conversamos um pouco e posso dizer que foi um momento muito agradável, todo momento com Taehyung era agradável, eram momentos de conforto, de paz, a minha mente se via livre de problemas. 

- Acho que amanhã de manhã vou para casa. - disse Taehyung depois de terminar seu cappuccino. 

- Você mora muito longe? - perguntei o olhando. 

- Uma horinha daqui... - ele disse. 

- Você não parece estar muito animado. - eu disse a ele e ele suspirou. 

- Estou porque quero ver meus pais, eles não são muito bons com o idioma, quero ver como eles estão se virando, mas... sei lá, tem alguma coisa que me prende aqui. - ele disse me olhando nos olhos e eu fiquei sem ar por um tempo. 

- Taehyung... - eu o chamei no automático. 

- Hum? 

- Seus olhos são lindos. - eu disse sem nem perceber e ele sorriu. 

Taehyung me deixou na frente do prédio e nossa despedida foi breve. Ele precisava ir arrumar suas coisas e eu fiquei com vontade de ir ver meus pais também, ele falava tão bem de seus pais que me fez sentir um aperto no coração, as vezes achava que não dava tanta atenção a minha mãe e para o meu pai, mas não tinha como eu ir, já tinha marcado com JK que sairia com ele no sábado. Tudo bem que ele teria que entender o motivo, mas eu resolvi ficar esse final de semana e já avisei logo a minha mãe que no próximo final de semana eu iria para casa. O dia seguinte chegou e de manhã consegui ver pela janela a ida de Taehyung, parecia estar bem indeciso e por alguns segundos jurei que ele tinha olhado para mim na janela, mas devia ser fruto da minha imaginação. Esse final de semana, Giulia ficaria comigo, no domingo nós sairíamos e faríamos compras no shopping, seria tudo perfeito. 

"Pode ser às 17h?" - perguntou JK por mensagem. 

"Claro!" - respondi. - "Mas vamos para onde?" 

"vamos dar uma volta no bairro, vista uma roupa confortável". - ele disse e eu pensei mil coisas até a hora chegar. Coloquei uma roupa confortável como ele pediu e assim que deu o horário, desci e fui para onde combinamos de nos encontrarmos. 

- Você sempre ansiosa pra me ver? - perguntou JK vindo em minha direção. 

- Eu só não gosto de chegar atrasada! - eu disse sorrindo. 

- Continuo achando que está ansiosa para me ver! - ele disse empinando o nariz, me fazendo rir. 

- Vamos logo, estou ansiosa para conhecer a cidade! 

- Tudo bem, calma! - ele disse sorrindo. - Eu só preciso pegar uma coisinha muito importante pro nosso passeio, me espera aqui! 

Poucos minutos depois, Jungkook aparece empurrando duas bicicletas e eu não quis nem saber de onde ele tirou elas. 

- Ah, entendi o por quê das roupas confortáveis! - eu disse sorrindo e indo ajudar ele com uma das bicicletas. 

- Exatamente! - ele disse sorrindo. - Tive que arranjar uma pra você, não queria que você ficasse desconfortável no guidão. 

- Ah... - deu pra perceber na hora que foi uma implicância com o dia em que Taehyung me levou no museu, JK viu que só estávamos com uma bicicleta, agora por que aquela implicância? - Eu não ligo pra isso! 

- Mas eu me importo! - ele disse me olhando e eu tinha até pensado em retrucar, mas fiquei quieta olhando pra ele que logo sorriu. - Vamos.

No começo, foi um pouco difícil, tivemos que passar por umas ruas movimentadas e eu sou péssima na bicicleta quando tem muito movimento, mas estava seguindo JK, então foi mais tranquilo do que eu imaginei, mas ainda assim difícil, depois, JK nos levou para um ciclovia maravilhosa que passou por lagos, praças, escolas, até chegarmos onde ele queria me levar de fato, um parque... o sol já estava se pondo, o que deixou tudo ainda mais lindo. Deixamos as bicicletas encostadas em uma árvore e fomos andando para o gramado. JK se abaixou e tirou a mochila das costas, abriu a mochila e pegou uma toalha de piquenique. "Ah pronto", pensei comigo mesma lembrando do piquenique que tive com Taehyung. Já estava preparando o meu celular para ligar para a ambulância, mas ele me chamou, interrompendo meus pensamentos. 

- Vem cá, o pôr do sol daqui é lindo. - disse ele se sentando e me esperando sentar ao seu lado. E assim fiz. - A gente quase perdeu. 

- Uau... - os meus olhos brilharam com aquele céu laranja lindo. - É lindo demais. 

- Sim, eu costumava vim aqui quando estava estressado ou confuso! - disse ele e eu o olhei um pouco desconfiada, como ele podia saber que eu estava estressada ou confusa? Jungkook me olhou e piscou pra mim, sorri e voltei a olhar o pôr do sol. Aquilo me deixou um pouco pensativa, em como ele conseguia perceber tantas coisas em pouco tempo de convivência. 

- E você está estressado ou confuso agora? - eu perguntei pra tentar tirar algo dele. 

- Não! - ele disse sorrindo. - Só achei que seria um bom lugar pra ficar com você. 

- Então você gosta da minha companhia, é?! - eu disse brincando.

- Sim! - ele falou sério mas sorrindo. O que fez meu sorriso se tornar mais tímido e real. - Eu gosto de você, Amabile. Eu ainda não tenho certeza do porquê, mas tudo o que eu penso em fazer, é com você que eu me imagino fazendo. 

- Eu também gosto da sua companhia, JK. - eu disse olhando pra ele. 

- Sei que é bem cedo pra dizer essas coisas, mas a verdade é que desde o dia que a gente se conheceu e você me encheu de conselhos e confiança, você tem sido a minha inspiração, as suas palavras me ajudaram bastante e eu vejo muito isso em você... força, coragem, foco, paixão... 

- Para! - eu disse o interrompendo. - Você vai me deixar sem graça. 

- Ninguém nunca disse essas coisas pra você? - perguntou ele e eu neguei com a cabeça. - Fico feliz de ser o primeiro. 

- Naquele dia, eu só disse a verdade, você tem que seguir os seus sonhos, só você pode se impedir. - JK apenas sorria ao me ouvir. - Não precisa se declarar pra mim! - eu disse zoando. 

- Ahhh, eu falo coisas bonitas pra você e você fica me zoando? - ele diz rindo. 

- Não, pode dizer sempre que quiser, sem problemas! - disse rindo. - Achei fofo. 

- Eu sou um poço de fofura né? - ele disse sorrindo. 

- Você é um poço de metidez, eu não faço nem ideia se essa palavra existe, mas é isso mesmo.. você se acha! - eu disse rindo. 

- E você gosta! - ele disse me olhando e com um sorriso cafajeste hipnotizante. Os segundos passavam e passavam e ainda nos olhávamos nos olhos, o frio na barriga começou a subir quando percebi que nossos corpos se inclinavam um de encontro ao outro. Os olhos fixos nos meus, comecei a sentir a respiração dele se misturar com a minha, nossos olhos quase fechavam quando o celular dele começou a tocar e eu me afastei rapidamente com o coração dando milhões cambalhotas por segundo. Minhas mãos começaram a suar e eu tive que disfarçar para que ele não olhasse meu rosto vermelho. Já JK não disfarçou nada a sua indignação, soltou um suspiro longo e se endireitou. 

"Oi, mãe". - ele atendeu o telefone. Ele ouviu com um pouco de impaciência e logo desligou. Me olhou e deu um leve sorriso, eu ainda olhava para a ultima luz que o sol fazia ali. JK beijou meu ombro e se levantou, chamando minha atenção pra ele. 

- Vamos! - ele estendeu a mão para mim e me ajudou a levantar. 

- Onde a gente vai? - perguntei ajudando ele a dobrar a toalha. 

- Vamos ver minha mãe. - ele disse e eu gelei. 

- Oi? - perguntei e ele riu. 

- Calma, ele está em um restaurante aqui perto e me chamou para comer com ela. - ele disse pegando as coisas dele. 

- Mas, olha como eu to! - eu disse com um pequeno medo de conhecer a mãe dele. Eu a imaginava como aquelas riconas ignorantes e malvadas. 

- Relaxa, não precisa se preocupar com isso. - ele disse sorrindo. - Você está ótima! 

Subimos nas bicicletas e a cada pedalada eu ficava ainda mais nervosa. De vez em quando JK olhava para trás e sorria para mim. Havia uma batalha de pensamentos na minha mente, primeiro vinha o que tinha acontecido minutos atrás, ou melhor, o que quase aconteceu, JK tão perto de mim, aquele clima, aquela sensação, o coração acelerado, depois vem o nervosismo de encontrar com a mãe de JK, que na minha cabeça era uma rica má. Ainda sobrava espaço para pensar em Taehyung, será que o que estava acontecendo era certo? Se ele soubesse do que "quase aconteceu" ele morreria de raiva. Mas por que eu estou tão preocupada com isso? Eu não estou comprometida com ninguém. 

- Chegamos! - disse JK. O restaurante era simplesmente lindo. Os carros estacionados em seu estacionamento só deixavam ainda mais claro o que a estrutura dele nos mostrava: era um lugar para ricos. 

- Jk... - eu comecei a dizer. 

- Já disse que não precisa se preocupar. - ele disse me interrompendo. - Olha como eu estou, ta tudo bem! 

- Sua mãe vai ter uma péssima impressão, eu nem fui convidada... 

- Bora! - ele disse me puxando pelo braço. Ele quis segurar minha mão, mas eu a puxei e coloquei no bolso de trás da minha calça. Ele contraiu os lábios escondendo seu sorriso e voltou a procurar por sua mãe, assim que ele a achou, fomos andando até ela. 

- Oi mãe! - disse JK se aproximando da mesa, a mãe dele se levantou e o abraçou forte. Ali eu já estava totalmente sem jeito. 

- Uh, você trouxe uma amiga? - ela perguntou surpresa. - Desculpa perguntar assim querida, é que ele nunca me apresentou amiga nenhuma! 

- Não, tudo bem! - eu disse um pouco tímida. 

- Ela é especial! - disse JK sorrindo e eu quis dar um tapa nele, mas me segurei, sua mãe arqueou uma sobrancelha surpresa e sorriu para mim. JK puxou uma cadeira para mim e logo se sentou ao meu lado. - Então... essa é a Amabile e esta é minha mãe. 

- É um prazer, Amabile! 

- É um prazer conhecer a Senhora também! - eu disse tentando não parecer tão surpresa por ela não ser uma bruxa. A beleza de JK com certeza veio dela. Ela é deslumbrante. Agora tinha medo de conhecer o pai e me apaixonar por ele. 

- Bom, onde se conheceram? - perguntou ela sorrindo e deu um gole em seu vinho. 

- Foi em uma... festa! - eu disse sem saber se podia contar sobre a festa na casa dela. 

- Ah, na festa de primeiro dia da universidade? - perguntou ela animada. 

- Sim! - eu concordei, JK não falava nada, mas já olhava o menu. 

- Nós sempre deixamos JK dar essa festa, todos os anos, é quase um ritual, mas dessa vez, depois da festa ele disse que não faria mais festa, foi uma surpresa para nós, assim como foi quando ele quis entrar na faculdade, todo decidido, levamos um susto! 

- Foi  ela que me encorajou. - disse JK sem tirar os olhos do manu. 

- Você é a garota que ele tanto falou? - ela se surpreendeu e JK coçou a garganta como quem dizia "mãe, shiu". 

- Eu já escolhi o meu! - disse ele fechando o cardápio e passando-o para mim. 

- Não, e-eu não estou com fome! - eu disse morrendo de vergonha. 

- É claro que tá! - disse JK sorrindo e abrindo o cardápio na minha frente, eu o olhei e os meus olhos eram como metralhadoras. - Ai! - ele murmurou assim que sentiu o beliscão que deu em sua coxa, mas ele soube disfarçar. Pedi um dos pratos mais baratos, por que eu não sou doida. Passamos aquele inicio de noite conversando, comendo boa comida, ouvindo a mãe de Jungkook contar as histórias de infância dele, matando JK de vergonha. No final das contas, a mãe dele não era um monstro, ela foi muito simpática comigo, ela parecia ser tão jovem quase da minha idade, tanto na aparência como no modo de se expressar. Lembrava muito Jungkook. 

Assim que terminamos, nos despedimos e fomos para casa de JK, apenas guardar as bicicletas, eu preferi ficar do lado de fora esperando por ele, mesmo com ele insistindo para que eu entrasse, neguei. Ele voltou com uma barra de chocolate e a dividiu comigo, voltamos andando para a universidade. Comecei a me lembrar de cada momento do meu dia, tudo foi incrível, mesmo odiando não estar com uma roupa adequada para conhecer a mãe de JK, eu amei conhecer ela. 

- O que está pensando? - perguntou ele enquanto andávamos de volta para a Universidade. 

- Nos momentos que eu tive vontade de te bater! - eu disse e comi um pedaço do chocolate. 

- Por falar nisso, aquele beliscão doeu, ta? - ele disse rindo. 

- Você mereceu! - eu disse rindo. - Teve sorte da sua mãe estar lá com a gente. 

- Ah para, vai falar que você não gostou de ter já jantado? Já ta comendo a sobremesa, nada melhor! - disse ele se deliciando com o chocolate dele.

- O jeito que você fala de comida é impressionante, fala com tanta paixão! - eu disse e começamos a rir. Mas ele estava certo, eu não me arrependi, comi em um restaurante caro, uma boa comida, com pessoas legais, agora já estava voltando pra o dormitório comendo um docinho, tudo ótimo. 

Jungkook não queria ir embora, e eu percebi que foi ali que os meus sentimentos por ele estavam se igualando ao que eu sentia por Taehyung, como era possível? Não faço ideia, tinha pensado até em conversar com uns professores de psicologia da universidade pra ver que eu conseguia entender um pouco do que estava acontecendo. No mesmo momento que eu estava com Jungkook, eu queria estar com Taehyung. Era assustador. A paixão mexe com a cabeça de qualquer um, não importa o quão focado você seja ou quão sério você seja, a paixão vem como uma bola de boliche e derruba todos os seus pinos. 

- Você vai me contar tudinho! - disse Giulia assim que entrei no quarto. 

 


Notas Finais


Não dei nome a mãe do JK pq não queria ficar inventando muito, até pq até onde eu sei ninguém sabe o nome dos pais deles, mas enfim rsrsrsrs espero que gostem!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...