1. Spirit Fanfics >
  2. Love will remember (Ten -NCT) >
  3. Capítulo 8

História Love will remember (Ten -NCT) - Capítulo 9


Escrita por: e Angiekz


Notas do Autor


Voltei amores 😍

Em breve estarei atualizando as minhas outras histórias okay!?♥️

Boa leitura =)

(PS: O que tiver entre parentese é um pensamento do Ten)

Capítulo 9 - Capítulo 8


Fanfic / Fanfiction Love will remember (Ten -NCT) - Capítulo 9 - Capítulo 8

Olhava para frente com as pernas encolhidas perto do peito vendo Li andar de um lado para o outro, enquanto abria a boca e fechava varias querendo dizer algo mais não conseguia por ser orgulhosa de mais. Suspirei irritada vendo ela me olhar e respirar fundo.

— Desculpas! - Pediu e abaixou a cabeça envergonhada por estar me pedindo desculpas, nunca tinha ouvido a garota pedir desculpas.

— Como? - Perguntou e a olhei vendo ela suspirar mais uma vez.

— Desculpa! - Pediu mais uma vez em alto bom tom para que eu pudesse ouvir dessa vez, ri incrédula e a olhei com a sombrancelha arqueada.

— Isso é uma piada? - Perguntei me levantando e andando até a porta abrindo-a vendo ela me segurar pelo pulso e me conduzi até a cama de solteiro me pondo sentada e se ajoelhando na minha frente.

— É sério! - Falou e hesitou em levantar o olhar para mim. — Eu sei que eu errei, me desculpa. Você é minha melhor amiga tem anos, as vezes eu piso na bola com você mesmo. Mais me perdoa vai, não custa nada! - Colocou um biquinho fofo nos lábios e me olhou com os olhos marejados, revirei os olhos empurrando ela e me levantando da cama novamente seguindo em direção a porta.

— Tudo bem. Eu te desculpo e volto a ficar com você aqui no quarto novamente. - Falei vendo ela abrir um sorriso. — Mais você me conhece e sabe como que eu sou! - Avisei vendo ela assentir freneticamente. — Se pisar na bola comigo mais uma eu nunca mais olho na sua cara! - Deixei claro abrindo a porta vendo ela levantar e me abraçar. — Sem abraços! - Falei fazendo com que ela se afastasse.

— Ah, claro. Desculpas! - Pediu e deixei o quarto pegando meu celular checando as horas e entrando um pouco nas minhas redes sociais. Mais parei ao ouvir uma voz um tanto quanto conhecida por mim.

— Onde vai? - Levantei meu olhar para frente e vi o namorado da minha amiga ali parado enquanto me olhava com a sombrancelha arqueada.

— E isso te interessa? - Perguntei tombando a cabeça para o lado com um sorrisinho presunçoso nos lábios vendo ele revirar os olhos e bufar impaciente, passei por ele esbarrando em seu ombro escutando ele reclamar. Eu realmente não estava com saco. — Babaca! - Reclamei em alto bom som para que ele pudesse ouvir.

— Eu escutei! - Gritou da porta do quarto onde eu me encontrava minutos atrás.

— Era para ouvir! - Falei e entrei dentro do elevador indo para o Hall do hotel em seguida indo em direção a cafeteira do outro lado da rua. Atravessei a rua e entrei no lugar escutando o sino tocar indicando que havia entrado um cliente novo. Sorri ao observar o local eu realmente amava aquela cafeteria. Sentei numa mesa afastada e pedi um café enquanto esperava, fazia desenhos imaginários na mesa pensando o quanto minha vida estava virada de cabeça para baixo.

A sensação ainda era contínua em mim, a sensação de que já conhecerá aquele lugar e eu o conhecia. Eu achava. Eu tinha essa sensação desde que o vi pela primeira vez na vida. Droga, porque ele tinha que ser o namorado da minha melhor amiga? Suspirei pesado jogando os cabelos para trás e ergui os olhos para cima vendo o rapaz em quem eu havia me entregado minha presilha no segundo dia em que eu havia chegado aqui.

— Sozinha? - Perguntou e assenti, apontei com a cabeça a cadeira a minha frente e ele se sentou sorrindo. — O que anda fazendo? - Perguntou e arquiei as sombrancelhas. — Não nós conhecemos ainda! - Assenti. — Prazer. - Sorriu. — Me chamo Lucas e você? - Perguntou sorrindo amigável.

— S/N, prazer! - Sorri e ele fez o mesmo. — Como vai? - Perguntei educadamente após um silêncio vindo tanto da minha parte quanto da dele.

— Ótimo e você? - Perguntou e eu relaxei na cadeira pensando se devia ou não falar a verdade.

— Bem! - Falei quase inaudível e vi ele sorrir enquanto negava com a cabeça. — O que foi? - Perguntei inocentemente.

— A quem está tentando enganar? - Perguntou e eu suspirei eu realmente mentia mal.

— A mim mesma. - Ri. - Talvez, eu acho. Não sei! - Dei de ombros e observei sua expressão confusa no rosto.

— Muitos problemas? - Assenti.

— As vezes eu só queria sumir sabe? - Perguntei e vi ele assentir. — Ou sei lá, dormir e ver que tudo isso não passava de um pesadelo! - Suspirei e tomei um pouco do café.

— Tem planos para hoje a noite? - Neguei. — Vou te levar em um lugar para se divertir, topa? - Aceitei pois talvez eu realmente precisava me divertir um pouco, desde que eu havia chegado aqui, tudo estava indo por água a baixo. Antes mesmo se eu tivesse continuado na Coreia. Vi o rapaz a minha frente se levantar e me entregar um pedaço de guardanapo com seu número. — Te pego as oito horas, okay!? - Assenti sorrindo e me despedi do rapaz voltando minha atenção ao meu café quente a minha frente.

— Podemos conversar? - Perguntou uma voz a minha frente e o olhei vendo Ten parado com o olhar vago totalmente perdido. — Por favor! - Tornou a pedir após receber meu silêncio como resposta.

— Não posso, tô ocupada! - Me levantei indo até o caixa e pagando pelo meu café em seguida indo em direção a saída, olhei para a mesa que estava a minutos atrás e vi Ten sentado de cabeça baixa provavelmente pensando na vida. Balancei a cabeça e parei na porta de saída. Pensei, se devia ou nao dar uma chance de escutar ele, talvez ele tinha uma replicação e eu estava aqui sendo egoísta pensando somente em mim. Não fora isso que minha mãe me ensinou a vida toda. Balancei a cabeça e voltei para trás me sentando aonde eu estava e suspirei chamando a atenção do rapaz a minha frente.

— Olha, eu realmente não tô afim de discutir hoje! - Avisei vendo ele assenti brevemente. — O que você quer? - Perguntei e vi ele suspirar fiz o mesmo.

— Desculpas! - Pediu e eu assenti. — Eu não sei, tô confuso! - Falou.

— Nois dois estamos confusos! - Falei. — Eu me sinto culpada por gostar do namorado da minha melhor amiga e você se sente culpado por não saber o que está acontecendo! - vi ele assentir e relaxar os ombros sentando um pouco mais relaxado na cadeira.

De certa forma eu estava certa. Eu me sentia mais que culpada por gostar dele, minha mãe nunca havia me ensinado algo assim. Eu me sentia culpada por gostar do namorado da minha melhor amiga e suja por ter beijado ele e egoísta por querer que ele fosse somente meu. Aliás eu sempre soube desde o início que ele nunca seria meu. E ele se sentia culpado por não saber o que está acontecendo, e o que sente. Já perdi a conta de quantas vezes eu me perguntei se ele amava Li como eu o amava. Já pensei eu largar tudo isso para trás e voltar para a Coreia, mais não. Algo me prendeu a ele e eu simplesmente não conseguia dizer não.

— Porque não larga ela? - Perguntei após alguns minutos em silêncio, eu tinha medo da resposta, eu tinha medo de que tudo isso fosse apenas um jogo. — Porque? - Perguntei novamente já sentindo meus olhos marejar, seu olhar e o seu silêncio deixava tudo pior e o meu medo aumentava a cada instante.

— É complicado! - Disse e eu soltei uma risada. — Mais eu realmente te quero! - Falou e novamente eu soltei uma risada cheia de irônia. — Você não acredita em mim? - Perguntou e neguei com a cabeça.

— Como você quer que eu acredite em você? Como você quer que eu realmente acredite que você me quer? - Perguntei e seguei uma lágrima que escorreu pela minha bochecha. — Como você quer que eu acredite em você? Se você não conversa comigo, não se abre comigo. Simplesmente diz que é complicado e não dá ao menos uma explicação plausível para isso. Não se sente culpado por me deixar assim? - Perguntei.

— S/N… - Suas palavras saíram baixas. — Por favor. - Pediu. — Eu realmente não queria te meter em tudo isso! - Falou. — Daqui a alguns dias irei pedir Li em casamento! - Falou e tentou segurar minhas mãos, mais as afastei as tirando da mesa. Assenti.

— Então apenas me diga se o que sente por mim é real ou se é apenas um jogo. — Apoiei meus braços na mesa, eu já estava cansada e mais do que decidida. — Se for real, nós daremos um jeito. Todos nós. Mais se não for. - Realmente dizer aquilo estava me doendo, seria esse momento onde eu desistiria de tudo e seguiria a minha vida? — Por favor Chittaphon. Apenas me deixe ir! - E novamente eu temi pela sua resposta.

— É apenas um jogo! - Assenti limpando as lágrimas. — E eu odeio perder. — Está livre para ir!

— Obrigada! - Agradeci me levantando e saindo da cafeteira atravessando a rua pegando caminho novamente para o hotel.

" Porque eu a amo e não posso fazê-la feliz!"


Notas Finais


Simplesmente acontece: https://www.spiritfanfiction.com/historia/simplesmente-acontece-jungwoo-nct-20602397

Love Without limits: https://www.spiritfanfiction.com/historia/simplesmente-acontece-jungwoo-nct-20602397

Eternal love: https://www.spiritfanfiction.com/historia/eternal-love-woozi-seventeen-21018237

Fxxk It: https://www.spiritfanfiction.com/historia/fxxk-it-g-dragon-bigbang-20781689

E aí gostaram? Comentem o que acharam... Vai ser muito importante para poder me incentivar a continuar escrevendo.

Thank you 💗😘

Até o próximo capítulo!!!😙❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...