História Loverboy - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Voltron: O Defensor Lendário
Personagens Keith, Lance, Takashi "Shiro" Shirogane
Tags Keith, Klance, Lance, Pole Dance, Stripper, Universo Alternativo
Visualizações 310
Palavras 1.555
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, LGBT, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi meu amores!

Nem eu tô acreditando que eu tô postando uma fic com mais de 1k! E ainda por cima de pole dance/stripper! Nas notas finais tem o link do vídeo que eu me inspirei para fazer a coreografia.

Quando eu vi o Lance dançando na corda na série, eu só pensava em quanto eu precisava fazer uma fic sobre pole dance com ele e cá estou!

Enfim, boa leitura!

Capítulo 1 - It's so crazy right now


Se perguntassem como Keith parou em um Strip Club direcionado ao público gay, jamais saberia como responder e isso era exatamente o que pairava em sua mente ao tempo em que se sentava na cadeira mais próximo do palco, mas já que estava alí, aproveitasse então o show.


O lugar era mal iluminado propositalmente, já que o foco era para estrela da noite chamado de Loverboy. O striper latino, segundo o garçom que lhe entregou uma dose de whisky, nascera para ser o centro das atenções, quando estava no palco mal se podia respirar com a coreografia carregada no erótico.


A sua bebida estava quase acabando quando o palco se iluminou e as caixas de som vibraram ao início de Crazy in Love. Os estalares dos saltos ficavam cada vez mais alto, até que finalmente o moreno ficara visível aos olhos de todos. A única coisa que o mesmo vestia era uma boxer azul, uma camisa branca solta que ia até a metade do seu abdômen e grandes saltos dourados. O stripper tinha um corpo levemente malhado, certamente, devido a todos os treinos de dança e de brinde uma bunda redondinha, onde fez Keith se sentir um pervertido ao perceber que queria tirar aquela boxer somente com os dentes e tocar a pele morena das coxas firmes do dançarino com fervor.

Loverboy de início, começara a girar lentamente ao redor da barra, como se observar-se o seu público, os olhos azuis cravaram-se em Keith – aquele garçom realmente falara a verdade, esqueceu-se rapidamente como era respirar ao esvair o último fôlego com um suspiro estagnado até que se virou ficando de costas ao público e começou a fazer movimentos que lembravam um S perfeito, enquanto delicadamente descia ao encontro do chão, mas antes de chegar, levantou-se e se içou, pendurando-se pela sua perna e braço esquerdo, enquanto girava. Keith naquele momento entreabriu os lábios, parecia tudo surreal demais, aquele latino nascera para o pole dance.


Loverboy descia pela barra e quando o ritmo da música direcionava para o refrão, sentou-se de joelhos com as pernas formando um W e logo em seguida ficando de quatro com a bunda empinada, aquela cena com certeza seria o mais perfeito exemplo de sensualidade e ficou ainda mais perfeito quando novamente aqueles olhos fixaram-se em si, quase podia se ver afogado naquele mar de luxúria que os olhos azuis lhe proporcionaram, com um sorriso sacana o dançarino levantou-se.


A coreografia estava quase no fim e o moreno ficava cada vez mais audacioso nos movimentos, principalmente após retirar a blusa branca que já grudava em seu corpo por conta do suor fino sobre a pele. O Mullet se tornava cada vez mais maravilhado, quando achava que o dançarino não poderia o surpreender e o excitar mais, aquele homem pareceu ler seus pensamentos e provar que estava errado. Havia ficado tão impressionado, que não se lembrava mais do copo vazio na sua mão direita, mas quem poderia o julgar? Uma ereção e um stripper na sua frente, era meio difícil de se lembrar do álcool.


O último movimento do latino fora ficar de quatro e se movimentar lentamente para si, tocar o seu queixo e piscar. O toque queimou sua pele e um arrepio percorreu sua coluna, ao tempo que uma gota fina do próprio suor escorria por sua bochecha e a saliva abrangente em sua boca descia por sua garganta. E assim que a música acabou, o stripper se levantou jogando beijos para a plateia e sumindo de vista de todos.


Keith não tivera coragem de se levantar, estagnado na cadeira em que havia sentado, já que sua ereção pulsava dolorosa em suas calças. Sem notar, o mesmo garçom de antes apareceu ao seu lado rindo.


“Vejo que gostou do show e parece que Lance gostou de você, pediu para que eu te desse um recado”


De olhos arregalados, Mullet sentiu-se tenso a vontade de saber tal recado o consumia a medida em que a curiosidade intensificava, praticamente implorou para que o garçom contasse sobre o que o strepper que despertou seu interesse o havia dito, tão envolto de seus sentimentos e expectativas que mal percebeu que acabara de descobrir o verdadeiro nome do dançarino, não que aquilo importasse no momento, mas num futuro próximo, importaria.


“Ele disse que saí às 2 da manhã, ou seja, daqui 5 minutos. Ele vai sair pela parte de trás”


Keith ignorando a ereção, se levantou e começou a rumar para os fundos do Clube, não havia se despedido daquele garçom de franja branca, mas Keith apostou que ele entendia, prioridades acima de tudo.


Enquanto caminhava já no lado de fora, tentava regular a respiração e acabar com aquela ereção, não achava que era uma boa primeira impressão, mas como podia se a imagem dos olhos fixos em si ou daquela maravilhosa bunda empinada rebolando, o impediam tão fervorosamente de reduzir a ereção.


Quando encostou a cabeça no muro do Clube, pensou em se masturbar mas, levando em consideração que já havia bebido bem mais do que duas doses de whisky, sua resistência estava de certa forma baixa, ou seja, cansaria após o orgasmo e não daria certo com aquele latino.


“Puta que pariu, o que faço com esse pau duro?!”


“Se quiser, posso resolver isso para você, Mullet-boy”


Keith não pode deixar de soltar um grito fino ao ouvir a voz de… Lance? Era esse o nome que o garçom disse? Acreditava que sim.


“Pare de rir! Você me deu um susto, Lance!” – arriscou-se na última parte, queria confirmar se estava certo. O latino riu mais um pouco e por fim, expirou o ar para recuperar o fôlego que havia perdido nas gargalhadas.


“Vejo que Shiro contou meu nome. Ele adora estragar surpresas, mas você não! Você me fez a melhor surpresa!”


Lance lentamente se aproximava, como se ainda andasse no palco, mas nessa versão havia mais roupas para infelicidade de Keith. Ninguém soube quem tomou a iniciativa do beijo, porém lá estavam suas línguas em uma mistura de uma dança eloquente, infelizmente o ar se fez ausente e tiveram que se separar.


“Aliás, qual o seu nome?” –  perguntou o moreno enquanto deixava beijinhos pelo pescoço alvo, para logo em seguida deixar um chupão na clavícula.


“Keith” –  disse entre gemidos, já que as mãos do stripper arranhava seu abdômen e o coreano puxou seu par para outro beijo lascivo.


As mãos experientes de Lance chegaram aos cós da calça e habilmente as desabotoando. Interrompeu o beijo e se pôs de joelhos, enquanto trocavam olhares intensos, o latino abaixou a peça final e lambeu os lábios. O pré-gozo escorria por toda a extensão do membro e se pois a iniciar uma masturbação lenta.


A cada ida e volta, Keith ficava cada vez mais corado e começava de forma involuntária a fazer movimentos com seu quadril. O Mullet precisava de mais e Lance queria o fazer implorar.


“Lance…” – gemeu manhoso


“É só falar o que você quer. Diga Keith.”


Me chupa


E sem nem pensar duas vezes abocanhou o membro pulsante de Keith, começando com um vai e vem lento, se atentando em saborear cada parte molhada do pênis alheio ao tempo em que suas mãos se ocupavam em massagear as bolas necessitadas de atenção que vibravam a poucos toques. Keith mordia o lábio inferior para que não gemesse tanto já que a troca de olhares era intensa e gemer, poderia os atrapalhar de várias formas e a sensação de ver cada vez mais o seu pênis sumir na boca de Lance, com certeza o levava a loucuras e tirava seu fôlego já escasso.


Keith se arriscou a levar uma das mãos trêmulas para os cabelos do dançarino e quando percebeu que este havia sorrido ao retirar o membro e abrir a boca, deixando a língua para fora e protegendo os dentes com os lábios para que não machucasse o pênis do seu par, sentiu suas pernas tremerem. O coreano começou a ditar o ritmo, fazendo o favor de se afundar na garganta quente de Lance, mas respeitando o limite imposto pelo mesmo que tinha as mãos em suas coxas em busca de apoio.


Keith estocou contra a garganta do striper se demorando numa leve perca de sentidos causado pelo prazer de ter a boca quente e experiente do outro em torno de seu pau, porém, nada foi tão prazeroso ao presenciar a lágrima grossa dos olhos de Lance escorrendo por sua bochecha e o barulho de engasgo que o de joelhos e presenteou. Keith jogou sua cabeça para trás e um gemido rouco ficou preso em sua garganta, ao tempo em que seus olhos se fechavam o coreano gozou demoradamente sobre os lábios vermelhos e inchados de Lance, que o proporcionou mais uma visão dos deuses ao vê-lo lamber os lábios sujos de gozo.


Lance se levantou sorrindo e beijou Keith lentamente, enquanto fazia-o saborear seu próprio gosto melado na ponta de sua língua.


“Gostou meu Mullet-boy?” dessa vez o coreano percebeu a leve informação que ganhara e também notou o tom rouco em que a voz do striper saira.


“Foi incrível” quando Keith ia inverter as posições e pagar um boquete para o latino, esse o impediu.


“Hoje não, mas quem sabe amanhã? É meu dia de folga… Me dá seu celular, vou te dar o meu número” –  entregou em menos de 1 segundo depois que se ajeitou.


“Aqui” –  o contato havia sido salvo, não pode deixar de sorrir com isso.


“Te vejo amanhã?”


“Com certeza! Você me deve um boquete!”


Notas Finais


Link do vídeo: https://youtu.be/nnz7LG6BnwE

Eu queria agradecer imensamente a duas pessoas que me possibilitaram levar em frente o projeto, Lory e Tony.
@fsxmoon tu fez milagre na betagem e ela ainda me acompanhou até às 3h da manhã pra que eu terminasse a fic.
@Haru-chin é o que fez essa capa MARAVILHOSA! E ainda por cima é um bb!

Muito obrigada a todos vcs que leram e que me ajudaram!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...