História Lovers of chance - Capítulo 53


Escrita por: ~

Visualizações 53
Palavras 1.179
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Harem, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


pequeno porque eu prometi que sairia um hoje ainda

2\8

voa leitura

Capítulo 53 - Omnis Hell Nihil - Capitulo 8


Fanfic / Fanfiction Lovers of chance - Capítulo 53 - Omnis Hell Nihil - Capitulo 8

~ Omnis hell nihil ~

 

Tudo ou nada

 

 

 

Depois de me lavar pra não infeccionar os ferimentos dela, eu comecei a limpar e passar remédio em cada um dos cortes sentindo meu coração se despedaçar a cada soluço que ouvia escapar de sua boca. Ela estava tão sensível, tão machucada, tão agoniada...

Eu sentia a agonia dela...eu a sentia mas não podia entender o tamanho da sua dor...

Minha vontade era de andar ate a casa dela e matar os pais dela...tão brutalmente quanto a surra que ela recebeu.

Eu só queria poder tirar toda a sua dor e transferir para mim...mas nem assim eu acho que ela melhoraria.

Seu olhar é perdido e vazio...contem tanta dor num só olhar, numa só expressão. Isso me deixa tão desesperada.

Eu não sei o que fazer. Muito menos o que falar, tenho medo de machuca La em apenas olhar pra ela.

Termino de limpar e passar os remédios observo seu corpo sentindo meus olhos lacrimejarem. Abaixo a cabeça tampando meu rosto

- me perdoa...eu...eu deveria estar do seu lado...- sinto seus dedos acariciarem meus cabelos, levanto o olhar pra ela vendo um sorriso fraco em seus lábios

- tudo bem...isso não importa vic...eu só quero dormi...você pode me deixar dormi ? – perguntou com a voz fraca, mordo meu lábio sentindo os mesmos trêmulos

- claro Ana. Claro que você pode dormi. – ajudo ela a levantar e coloco ela na cama após pega la no colo. Vejo ela se encolher na cama e dormi na mesma hora, a cubro com um lençol e ligo o ar voltando pro banheiro.

Respiro fundo sentindo meus olhos lacrimejando mais e mais

Como uma mãe pode fazer isso com uma filha ??? que desgraça de família é essa ???

Ofego sentindo meu pulmão queimar, soco a parede sem força e ligo o chuveiro esfregando meus olhos

- porque...logo com ela!! Porque tem que ser ela ??? – pergunto chorosa não sei a quem sentindo a água gelada cair sobre minhas costas e cabelo. Ensaboo meu corpo lembrando de todas as vezes que ela chorava em meu colo, de todas as vezes que ela narrava tudo o que ele fazia e me arranhava dizendo o quanto doía tanto psicologicamente e fisicamente, das vezes que ela simplesmente me abraçava e ficava quieta sentindo meu carinho, das vezes que ela se cortava no meu banheiro, das vezes em que me ligava de madrugada chorando querendo que eu fosse busca La em casa, de todas as vezes que eu vi o quão destruída tudo aquilo a deixava...

Porque diabos ela não me deixa contar ao meu pai...

Porque diabos ela tem tanto medo daquele maldito...

Porque diabos ninguém nunca percebeu nada...

É tudo tão sufocante pra mim...imagine pra ela...

 

 

Termino o banho sentindo meu rosto dormente, pego uma toalha dobrada na pia, começo a me secar e enrolo ela na cintura e saio do banheiro, me arrepio por completa ao sentir o frio que estava o quarto, aumento os graus do ar condicionado e solto uma lufada de ar esfregando meus braços.

Visto uma cueca e uma camisa longa e folgada, olho pra ela encolhida, ando ate seu corpo e a cubro com outra coberta.

Esfrego meus olhos bocejando sinto meu estomago roncar e me aproximo do rosto dela. Deixo um beijo na testa dela e saio do quarto fechando a porta lentamente. desço as escadas encarando o chão sentindo um aperto no coração ao lembrar de como ela entrou aqui em casa

 

- vic...ela ta bem ?? – olho pra mei que estava na porta da cozinha com uma expressão preocupada e angustiada

- não, ela não ta bem mei que pergunta é essa garota ?? você viu o estado dela! Como ela pode esta bem ??? – encaro ela indignada. Ela da um sorriso amarelo e pede desculpas, solto um suspiro e olho pra cima – eu não vou deixar ela sair daqui...não mesmo

- foi a mãe dela que fez aquilo ?? – olho pra aihara e aceno confirmando a expressão dela se torna raivosa e ela sai andando pela cozinha praguejando

Nego com a cabeça e ando ate a geladeira, abro a mesma tirando algumas coisas pra comer. Faço alguns sanduiches junto de alguns pedaços de torta com Nescau, boto em uma bandeja e subo pro quarto.

 

Ponho a bandeja no meu criado mudo e fico olhando pra ela, observo ela por um tempo ate sentir meus olhos pesarem, deito do lado dela e abraço seu corpo com delicadeza escuto ela murmura algumas coisas e enfio meu rosto no seu cabelo cheirando o mesmo

- eu to aqui...sou eu Ana...não precisa se preocupar – sussurro e sinto seu corpo de imediato relaxar, sorrio fraco sentindo o sono me dominar

 

 

 

 

Escuto alguns barulhos estranhos, forço os olhos a fecharem e abraço mais forte o corpo da Ana sentindo ela se encolher. Os barulhos continuam o que me faz soltar um muxoxo enraivado, abro os olhos encarando a porta do meu quarto ouvindo os barulhos de coisas sendo arrastadas pra La e pra ca, reviro os olhos e volto a enfiar meu rosto nos cabelos da loirinha, escuto ela bocejar e abro os olhos, vejo ela virar o corpo de olhos fechados e grudar em mim.

Droga...eu me esqueci que ela tem sono pesado.

Observo o rosto dela e acaricio o mesmo sentindo ela relaxar. Sorrio boba e escuto a porta ser aberta lentamente

- vic...? – olho pra lucoa após ouvir seu sussurro, aceno pra ela, ela entra no quarto com um cuidado exagerado

- lucoa, pode cair uma bomba dentro de casa, ela não acorda querida – ela solta uma gargalhada e nega com a cabeça, sorrio pra ela e ela observa a Ana

- o que a mei e a aihara disse é...verdade ? – aceno com a cabeça e ela respira fundo – quer que eu de queixa anônima ?

- deixa ela acorda e a gente resolve isso...por enquanto vamos deixar ela dormi ok ? – ela concorda e olha pra porta

- como você já faltou hoje, quando estiver disposta a sair da cama, vem me ajudar a pintar a casa...o Roger ta com um fogo no cu querendo pintar a casa – nego com a cabeça e encaro ela irritada

- então é por isso que estão arrastando coisas pra La e pra ca !! isso me acordou !! – rosno baixinho e ela da uma risadinha

- perdão, não foi nossa intenção....foi a intenção do Roger – pego um travesseiro e antes de jogar nela ela sai correndo do quarto e fecha a porta.

- idiota..- resmungo e olho pra Ana, vejo ela sorrir e me abraçar com mais força. Não consigo ficar seria e acabo sorrindo também.

Abraço ela com mais força e enfio meu rosto no pescoço dela cheirando o mesmo, sentindo seu cheiro embriagante me entorpece.

- eu te amo Ana...te amo tanto...- sussurro fechando meus olhos aos poucos sentindo o sono me dominar novamente

- eu também te amo vic...

Sua voz embreagada pelo sono ecoou pela minha mente me fazendo sorrir enquanto o sono me dominava

Ela me ama...

 

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...