História Lovers ( Romance Gay) - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Romance Amor Drama Gay
Visualizações 15
Palavras 1.955
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Vorteiiii😚💖

Aproveitem bastante esse capítulo lindo de bonito 💖

Capítulo 9 - Mudanças e arrependimentos.


Fanfic / Fanfiction Lovers ( Romance Gay) - Capítulo 9 - Mudanças e arrependimentos.

POV- Narradora.

Os dois foram as pressas para o quarto do Christian, Eles necessitavam de sentir o calor um do outro. Christian teve o corpo encostado contra a parede fria, ele chiou pela sensação, mas fora calado quando os lábios de Oliver envolveram os seus. O beijo era faminto e apaixonado, as bocas travavam uma batalha para terem mais contato.

Oliver era um tanto experiente e mordiscava os lábios do outro enquanto as mãos permaneciam por de baixo da camisa do menor, acariciando e o arranhando de leve a fim de vê-lo arrepiado. Ambos estavam muito excitados.

Não demorou para que Christian fosse arrastado para a cama, sendo jogado na mesma com certa rudeza, e gemeu ao acolher Oliver entre as pernas. Christian mostrou um tanto de timidez assim que Oliver lhe tirou a camisa.

Por Deus, Oliver estava deveras encantado pela beleza surreal do menor, o abdômen não tão definido, a pele leitosa ele era simplesmente lindo por inteiro, então. Oliver o adorou com a boca, alternava entre lamber e chupar o pescoço do menor, explorando cada pedaço daquele local, era realmente gostoso e Christian gemia durante o processo. E Oliver o achava erótico demais.

Os lábios de Oliver desceram para os mamilos já enriçados de Chris, ele passou a língua e sugou o esquerdo, fazendo Christian gemer e agarrar sua cabeça e seus cabelos, que ficavam entre os dedos.

Ele demorou um bom tempo, afim de deixar o corpo do menor em sua memória.

Oliver subiu os lábios para os de Christian e eles voltaram a se beijar, o ar sempre faltando, mas eles não se importavam. Em um ato de coragem, Chris levou as mãos para a barra da camisa de Oliver, e ele se viu a tirando, jogando a camisa em algum canto junto da sua.

Christian sentiu as mãos do moreno sobre o fecho de sua calça. Ele estava amavelmente corado. Oliver decerá a calça do menor juntamente com a boxer, o deixando completamente nu todo para si.

A ereção de Chris bateu no seu ventre, Oliver a ignorou e afastou bem as pernas do menor.

Oliver ficará um tanto pensativo sobre dar um beijo grego em Chris, havia um tanto de receio da sua parte, talvez o menor não se sentisse a vontade sendo exposto de tal maneira. Mas assim que encontrará a entrada de Chris se contraindo lentamente, não resistiu e passou a língua, repetindo o ato vezes seguidas, cada vez com mais habilidade.

Christian — Jesus... P-porra.

Christian gemia e forçava a cabeça do moreno contra seu corpo. Ele se viu querendo algo mais e começou a se masturbar.

Oliver se sentiu no céu ao escutar a voz de Chris gemendo seu nome, numa fala completamente enrolada pois o prazer era o ponto alto.

Christian gozaria em qualquer momento.

Mas Oliver não queria parar.

Ele lambeu mais algumas vezes. Bateu no criado mudo ao lado da cama, retirando um tubo de lubrificante e um preservativo.

O moreno dispôs um tanto de lubrificante em dois de dedos e os introduziu no interior apertado do menor, esperou até que Christian se acostumasse com a invasão e começou a estocar os dedos dentro do menor. Este o puxou para cima, beijando-o com vontade. As línguas saboreando uma a outra, ambos desejavam ter a posso daquele beijo nada romântico, mas quente e com anseio de algo.

A jeans que Oliver veste, está um tanto incômoda e ele resolve que já está na hora de livrar-se daquele pequeno empecilho. Ele o fez a tirando junto a boxer e jogou em algum canto.

Por um momento Oliver observou o ser embaixo de si, lábios inchados, olhos fechados desfrutando do mais puro prazer carnal, os cabelos levemente bagunçados ele pode se considerar deveras sortudo naquele instante.

Ele lambuzou seu pênis com o lubrificante, vendo que Christian estava pronto para te-ló. Se alinhou em frente a pequena entrada do menor, introduziu apenas a glande tirando-a e botando algumas vezes até que ela contraisse em vontade.

A visão de Oliver com os cabelos bagunçados e chamando pelo seu nome era de longe a mais excitante da sua vida.

Christian sentiu sua entrada ser invadida e gemeu primorosamente, dolorosamente, dado um certo tempo Oliver passou a investir ora lento ora bruto em seu interior. As peles se colidindo e soltando sons eróticos eram as únicas coisas ouvidas naquele quarto acompanhado apenas dos gemidos de ambos.

Eles estavam uma bagunça e revoltos, os rostod corados, os olhos dilatados, os peitorais liso subindo e descendo entre ofegos.

As estocas passaram a serem ritmadas um tanto rápido e forte depois calmo e preciso acertando sua próstata múltiplas vezes, a glande de Oliver acariciava-o deliciosamente. Christian se contraia ao redor do moreno o deixando a beira de seu orgasmo.

Oliver notou o quão desesperado Chris estava então perceberá que em poucos estímulos o loiro havia gozado em seu próprio abdômen se apertando ao redor do o seu pênis. Com mais uma estocada Oliver teve seu orgasmo.

Ambos estavam deitados depois do longo prazer que tiveram, Christian escutava as batidas rápidas do coração do Oliver, E o mesmo acariciava os fios loiros do menor :

Oliver - Como vai ser a partir de agora?.- perguntou curioso por uma resposta.

Christian pareceu refletir bastante antes de dar uma resposta:

Christian - Não podemos mais negar que entre nós não existe algo bem maior do que uma linda amizade, ainda mais depois do que fizemos, então poderíamos oficializar ou esperar mais um pouco, você quem sabe.- disse por fim.

Oliver - se fosse por mim eu já estava namorando com você muito antes, seria desde a primeira vez que eu te vi.- disse e deu um beijo carinhoso sobre a cabeça do loiro.

Christian - Então namorados?.- perguntou com um sorrisinho de lado.

Oliver - Com toda certeza, namorados.- confirmou sorridente.

Alguns minutos depois os dois se encontravam um sono cheio de sonhos apaixonados. Chris foi o primeiro a acordar e ao ver do seu lado a pessoa que mais lhe fazia feliz em toda a vida, deu um sorriso de orelha a orelha, Mas infelizmente sua felicidade foi substituída por angústia ao ver seu pai parado na porta de seu quarto:

Bruce - O que está acontecendo aqui? Não me diga que você dormiu com um homem, eu não posso acreditar nisso.- gritou raivoso.- Eu sabia que você não tinha jeito, Mas sua mãe ainda quis apostar em sua mudança. Você nasceu bixa por causa dela, E sempre vai ser assim, você não é mais meu filho, saia da minha casa imediatamente.- Disse e fechou a porta com toda a força que possuía.

Christian se encontrava em lágrimas enquanto o Oliver tentava assimilar tudo que acabou de acontecer :

Oliver - Você não merece passar por isso, você vai morar comigo.- disse e acolheu o menor em seus braços.

Christian - Eu não sei o que seria de mim se você não tivesse entrando na minha vida.- disse entre soluços.

Oliver - Você continuaria sendo a pessoa maravilhosa que você é.- disse dando um beijo na testa do mesmo.- Eu sempre vou está aqui por você.

POV- Tyler.

Depois de ver como o Nate ficou ao ler a carta que a tia dele tinha escrito, Meu coração se partiu em dois, eu não podia mais brincar com ele, eu tinha que contar toda a verdade para ele e desisti dessa aposta ridícula. Eu já vinha pensando nisso antes mesmo de todo o acontecido com a tia dele, ele é um menino tão doce e maravilhoso, não merece ter alguém tão desprezível como eu ao lado dele:

Nate - você ficou pensativo do nada, o que foi que aconteceu?.- perguntou me olhando com seus lindos olhos verdes, enquanto sua cabeça estava deitada sobre minhas pernas.

Tyler- As vezes isso acontece comigo, não é nada demais.- disse tentando o convencer de minha resposta. - Posso lhe fazer uma pergunta?

Nate - Você acabou de fazer.- disse e sorriu, Seu sorriso é tão lindo.- mas pode fazer outra.

Tyler - Você perdoaria alguém que foi capaz de trair sua confiança por algo tão ridículo?.- perguntei receoso.

Nate - No Primeiro momento eu odiaria muito essa pessoa, Mas se essa pessoa se arrependesse de verdade e fosse capaz de tudo para me conquistar novamente, Eu talvez desce uma segunda chance a ela.- disse decidido.- mas porque essa pergunta assim do nada? Algum amigo seu te traiu?

Tyler - Quase isso, Mas esquece isso, você já tem muito com que se preocupar.- disse e comecei a fazer cafuné nele. Meia hora depois eu cheguei em casa, eu me sentia tão sujo por ter feito essa aposta tão besta por causa do meu ego.

Eu peguei a primeira garrafa de whisky que meu pai guardava na prateleira dele e comecei a tomar, Eu só queria me esquecer o quão insensível eu era, então bebi como se fosse meu último dia de vida.

POV- Nate.

Eu estava achando o Tyler tão estranho quando ele saiu daqui de casa, seu semblante carregava uma certa dor, eu não queria que ele estivesse pegando minhas dores para ele, Então resolvi ligar para ele. Na quinta vez tentando ligar para ele eu pude ouvir sua voz, Mas ela parecia está carregada, era como se ele tivesse…

" Você está bêbado?"

" Eu gosto tanto da sua voz doce, E-ela…me acalma"

" Me diz por que você está bebendo?"

" Porque eu sou um covarde de merda, E-eu sou um egoísta miserável"

" Eu estou indo para sua casa agora, até eu chegar não faça nenhuma idiotice"

" Não posso fazer algo mais idiota do que eu já fiz com…"

Não pude ouvir o final porque a ligação caiu, Eu agradeci aos céus por saber aonde era casa dele. Peguei o carro que a minha tia me deixou e dei partida no mesmo, eu estava muito preocupado com o que o Tyler poderia fazer, ele não estava no juízo perfeito dele.

Não estacionei o carro direito e fui logo bater na porta da casa, mas a mesma se encontrava somente encostada, entrei as pressas e vi que a casa estava em um breu só. Abri a porta de todos os quartos e banheiros que aquela casa tinha, E só no final eu encontrei o quarto do Tyler, Meu coração se angustiou ao ver ele jogado no chão do quarto chorando e com uma garrafa de whisky do seu lado:

Nate - O que está acontecendo? Porque você está assim?.- perguntei o levantando do chão.

Tyler - Você veio, Eu queria tanto te ouvir uma última vez.- disse e me abraçou forte.

Nate - Porque uma última vez? Nós sempre vamos nós ver e eu sempre vou falar com você.- disse sem entender o porque dele está agindo dessa forma.

Tyler - Não depois de você descobrir o quanto eu sou desprezível e egoísta, Você nem vai querer olhar na minha cara.- disse passando a mão pelo rosto afim de limpar algumas lágrimas que caia.

Nate - Para com isso, você não é desprezível e muito menos egoísta, você me mostrou ser uma pessoa maravilhosa me ajudando a passar por tudo que aconteceu esses dias, antes eu pensava que você realmente era isso tudo, mas agora eu vejo que não é, Você é bem diferente.- disse segurando seu rosto para que ele olhasse em meus olhos.

Tyler - Eu gosto tanto de você, mas eu não posso mais fazer isso.- disse fechando os olhos, então eu não me aguentei e juntei nossos lábios em uma beijo cheio de significado.

Eu queria demostrar para ele o quanto ele era especial para mim, e sempre vai ser.


Notas Finais


Quero dedicar esse capítulo para a @loufuckstyles28 que fez com muito carinho o smut maravilhoso💕💕💕
Muito talentosa ela💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...