História Loving you's a bloodsport. - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias The 100
Personagens Clarke Griffin, Lexa, Raven Reyes
Tags Alycia, Clexa, Eliza, Elycia, The 100
Visualizações 93
Palavras 2.588
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Ficção, Ficção Científica, LGBT, Luta, Romance e Novela, Sci-Fi, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi pessoal, eu estou meio hesitante com esse capítulo mas resolvi postar mesmo assim, espero que gostem.

Capítulo 5 - Arkadia it's not your home now.


Fanfic / Fanfiction Loving you's a bloodsport. - Capítulo 5 - Arkadia it's not your home now.

A situação parecia piorar a cada dia em Arkadia, as pessoas trabalhavam intensamente e podia se ver o desespero evidente em seus rostos a cada dia que se passava ou a cada dia em que a mercadoria parecia chegar cada vez menos. Já havia se passado uma semana que tínhamos embarcado nessa maldita aventura e eu passava constantemente o meu tempo com Abby na enfermaria já que ela fazia questão de me estudar cabo a rabo logo depois que lhe disse que não havia ideia alguma do que acontecerá comigo, já Lindsey parecia se encaixar perfeitamente naquele lugar e passava o seu tempo com Monty ou Clarke pelos corredores enquanto conversavam algo que ela fazia questão de enfatizar que não poderia me contar ainda, ela parecia preocupada de verdade.

Clarke havia me evitado toda a semana e eu mal podia a culpar, sempre percebia vez ou outra o seu olhar em mim mas parecia mais invenção da minha mente já que a loira mal aguentava ficar dois segundos no mesmo lugar que eu sem me lançar um olhar tristonho e magoado, eu compreendia o seu lado de qualquer forma, eu também não gostaria que minha antiga namorada morta voltasse como se nada tivesse acontecido.

Eu estava deitada sobre a maca improvisada da sala de Abby que também parecia preocupada com alguma coisa, ela não conversava muito comigo além do necessário e eu odiava isso já que ela era uma das únicas amigas que eu tinha aqui além de Lindsey e Monty que procurou se aproximar de mim a algum tempo a pedido de minha amiga, eu realmente fiquei feliz com isso e ele era um garoto legal.

- Essa sua cara de preocupação não ajuda muito a distinguir se eu estou morrendo ou não. – Brinquei para tentar amenizar o clima pesado instalado no lugar o que pareceu funcionar já que ela deu um sorriso de lado antes de voltar a atenção para mim que brincava com a barra da blusa quadriculada.

- Acho que só estou cansada. – Eu apenas concordei sutilmente enquanto me levantava e me sentava sobre a cama, ficar sem celular parecia um sacrifício agora, eu estava em total tédio naquele lugar, quando eu sempre procurava alguma coisa pra fazer eu era afastada de forma nada sutil pelas pessoas, as vezes ajudava Monty e Lindsey mas eles logo esqueciam de mim e voltavam para o seu trabalho. – Mas como está se sentindo hoje, querida?

- Muito bem eu acho, só sentindo um incômodo na parte do abdômen, mas nada muito preocupante. – Ela me analisou de Cabo a Rabo enquanto se aproximava de mim.

- Vamos ver isso então, talvez eu possa fazer alguma coisa.- Ela passou a mão sobre o meu rosto de forma maternal e me perguntei a razão pela qual ela mantinha uma relação tão amigável comigo as vezes, por mais que não tivéssemos assuntos no dia a dia era reconfortante saber que alguém não me achava uma esquisitona. Eu apenas concordei e ela sorriu. – Onde sente a dor?

- Bem aqui, mas como eu disse, não é algo pra se preocupar. – Levantei a regata até a altura de meus seios enquanto revelava a grande cicatriz que aparecerá na manhã em que tudo começou, Abby pareceu perder o fôlego quando viu a cicatriz, ela analisou de forma calma e eu estudava todas as suas expressões de forma atenta.

- Bom, aparentemente está tudo bem, mas parece estar infecionando por ficar tão exposta assim quando ainda está em cicatrização. – Ela parecia procurar as palavras certas enquanto falava comigo e minha expressão calma a fazia ficar cada vez pior, Abby andou até uma pequena estante perto da maca e pegou alguns curativos e começou a preparar tudo enquanto limpava de forma cuidadosa e gentil a grande cicatriz que agora tinha tons azulados e negros em sua volta. Ela parecia incomodada com algo enquanto colocava cuidadosamente o curativo. – Prontinho, só tenha cuidado quando for refazer o curativo, posso pedir Clarke para refazer para você quando precisar.

Só a menção de seu nome eu já ficava inquieta e sentia o meu rosto esquentar, eu não gostaria de manter tanto contato assim com ela o que era recíproco da sua parte em relação a mim, mas eu sabia que uma hora a gente teria que se falar de novo mas o pensamento de a encara-la tão frágil novamente fazia um enjoo subir pela minha garganta.
Eu não sabia exatamente o que Abby queria falar com isso já que eu ficava aqui todos os dias e ela poderia facilmente trocar meu curativo ou eu mesma poderia com um pouco de dificuldade já que que ali não havia um espelho decente.

- Porque? Você não pode? – Indaguei curiosa enquanto arrumava a minha regata novamente em meu corpo e balançava minhas pernas de forma infantil já que a maca era mais alta que o chão. Meu tom estava evidentemente nervoso e ela arqueou uma sobrancelha em minha direção.

- Claro que posso, mas seria melhor para as duas se voltassem a se falar. – Suspirei, de alguma forma ela tinha razão e todo aquele gelo – por mais que eu nunca fosse admitir em voz alta – estava me incomodando de verdade. Mas eu não poderia chegar perto dela sem ser uma boba ou ficar com uma carranca no rosto já que por onde ela andava o cão de guarda dela a seguia por todo o canto, até considerei a hipótese de lhe dar uma coleira escrito "Bellamy, o cão idiota" de presente, mas não acho que eu encontre uma por aqui. – E com isso você arranjaria uma bela desculpa para falar com ela.

Ela estava mesmo jogando a filha dela na minha direção? Isso foi uma das raras situações na qual a mãe de uma pessoa na qual eu estava afim realmente gostava de mim. Clarke era uma boa pessoa e procurava sempre o melhor para o seu povo e eu admirava isso nela e como ela era forte por aguentar tantas coisas, assim como admirava cada pessoa daquele lugar. Mas eu não podia chegar perto dela, não seria justo comigo e muito menos com ela deixar esse sentimento tomar conta de mim, de alguma forma eu me sentia suja quando os sentimentos da outra invadia os meus e causava uma grande explosão na minha mente.

- Huh, vamos ver. – Disse simples enquanto me deitava novamente na maca e fechava os meus olhos enquanto sentia minha cabeça latejar.

[...]

Bellamy estava parado como o bom idiota que era ao lado de Clarke que parecia nervosa com alguma coisa, provavelmente sobre aquela coisa na qual Lindsey me escondia a uma semana o que me deixava frustrada e levemente traída. Monty estava sentado na grama ao meu lado enquanto mexia em alguma planta com um meio sorriso, ele usava um boné desgastado e seu rosto estava vermelho por conta de pequenos raios solares que caiam sobre nós. Ele parecia esperançoso e amigável naquela tarde e me questionei se era por vê-lo com uma garota dias atrás, eu mal pude ver o rosto da garota que logo correu para se esconder enquanto um Monty seminu se escondia de mim e Lindsey que ria sem parar.

- Sabe, eu realmente não queria chegar nesse assunto, mas acho que eu estou curioso demais para segurar a minha língua. – Ele começou a falar meio hesitante e eu o instiguei a continuar por mais que eu soubesse o que ele realmente queria saber, ou o que todos queriam saber, e talvez até eu realmente quisesse. – Como isso aconteceu? Digo, um dia você era comandante e no outro vejo a Clarke chegar arrasada dizendo que você havia morrido e depois de meses você volta como se nada tivesse acontecido, é no mínimo estranho.

- Eu queria muito saber responder essa pergunta também, Monty. – Disse enquanto colocava a mão sobre meu rosto para tapar o sol que vinha diretamente em meus olhos, o garoto me olhou confuso e atordoado.

- Você não sabe? – Eu apenas neguei com a cabeça e ele suspirou pesado enquanto me olhava incrédulo. – Isso é no mínimo estranho, mas do que se lembra?

- Pra ser sincera, quase nada. – Monty ainda me olhava chocado, talvez ele esperasse a qualquer instante que eu risse de sua cara de idiota afirmando que eu lembrasse quem eu era. Bom eu sabia exatamente quem eu era naquele momento e sabia varias coisas sobre ele já que o assistira em um programa de televisão que passava a vários anos atrás, mas isso eu com certeza não falaria para ele. – Eu acordei e aqui estava eu, viva e com frio, eu estava totalmente assustada como nunca estive e por mais que eu esteja aqui sã e salva eu ainda me sinto assim com todos esses olhares reprovadores em minha direção.

Monty pareceu pensar por algum tempo, ele parecia afetado pelas minhas palavras e eu me controlava para não chorar naquele momento com varias pessoas transitando entre a gente na parte externa de Arkadia, porem permanecíamos dentro do muro. Ele me olhou rapidamente e deu seu melhor sorriso antes de retirar o seu boné e ajeita-lo em minha cabeça.

- Isso era do meu pai, ele sempre me deu forças quando eu precisava e acho que você precisa disso bem mais que eu agora. – Eu abri o meu maior sorriso antes de me jogar em seus braços em um abraço apertado que ele correspondeu rapidamente. Monty era sem duvidas a minha pessoa favorita.

- Se você não fosse tão gay eu com toda certeza diria que vocês dois combinam. – Lindsey disse fazendo com que tivéssemos que quebrar o abraço para encara-la, Monty tinha um sorriso contido no rosto e eu o fitava incrédula alternando o olhar de Lindsey e ele que pareciam ser um complô para me fazer ter momentos humilhantes a todo instante.

Antes que eu pudesse retrucar a sua provocação notei que Bellamy e Clarke estavam ao seu lado e corei violentamente com o olhar que a garota lançava na minha direção, ela parecia se lembrar de alguma coisa enquanto seus olhos analisavam instintivamente o meu corpo de forma feroz, mas ao perceber o meu olhar envergonhado ela rapidamente se lembrou da situação na qual estava e corou da mesma forma que eu antes de tentar desviar o seu olhar.

- E você deveria arranjar algo para fazer além de me humilhar, Raven. – O nome saiu de forma sarcástica sobre meus lábios o que fez Lindsey me lançar um olhar fulminante e cheio de ameaças, sorri internamente por ter conseguido provoca-la e todos riam da sua cara de indignação, menos Bellamy que parecia chateado por eu ter ao menos nascido.

- Pelo menos ela está fazendo alguma coisa diferente de algumas pessoas por aí. – Bellamy se meteu no meio da conversa e eu pude sentir algo se remexer dentro de mim e pode ter certeza que não era uma boa coisa. Todos pareceram surpreso com a sua explosão repentina, mas se mantearam calados e sem graça enquanto olhavam para mim.

- Talvez se as pessoas não estivessem tentando me expulsar eu ajudaria com alguma coisa. – Disse simples enquanto ajeitava o boné e me levantava rapidamente, eu realmente não queria ficar ali. Ele riu como se fosse a coisa mais engraçada do mundo e logo depois voltou a me fuzilar com o olhar.

- Todos estão desconfortáveis com você aqui. – Ele apontou para algumas pessoas que pareciam entretidos na nossa pequena discussão que se calaram rapidamente quando eu os olhei. – Ninguém te quer aqui, Lexa.

- Bellamy! – Clarke o repreendeu, mas ele nem lhe deu atenção, eu apenas revirei os olhos e comecei a andar em direção contraria na qual eles estavam, minha cota de paciência com babacas já havia esgotado nesse dia.

- Eu preferia quando estava morta. – Ouvi a repreensão de todos na direção de Bellamy, virei rapidamente e o encarei incrédula assim como todos ali. Ele tinha os cabelos bagunçados e o rosto vermelho por conta da grande raiva na qual passava pelo seu corpo. Respirei fundo e decidi que não era o melhor continuar com toda aquela confusão desnecessária. – Aposto que todos aqui preferem, você nos traiu por conta de seu povo e por qual razão eu acreditaria que não faria novamente? QUAL É PESSOAL, ISSO PODE SER UM GOLPE, UM GOLPE DESSA MALDITA MENTIR...

Antes que ele pudesse continuar a sua frase eu voei em sua direção com um soco rente ao seu nariz que o fez cair sobre o chão. Eu estava espumando de raiva em sua direção, eu o via como um verme no chão e mal sentia a minha mão latejando por conta da grande quantidade de força na qual coloquei ali. Por mais que eu quisesse colocar toda a minha culpa na minha hospede seria uma mentira da minha parte dizer que toda a raiva que eu estava sentindo de Bellamy fosse só por sua causa, ele era um imbecil e estava mais do que escrito na cara dele.

Bellamy se levantou rapidamente, seu nariz sangrava de forma monstruosa mas ele não podia se incomodar menos quando avançou na minha direção, eu senti seu punho colidir contra o meus rosto e podia dizer que ficaria um roxo bem bonito abaixo do meu olho, a dor estava latejante e insuportável, mas a minha raiva estava a ponto de mata-lo se pudesse, mais um pouco e eu viraria o Huck em sua pior forma.

- Sua mãe nunca te ensinou a nunca bater em uma garota, Blake? – Falei de forma sarcástica enquanto cuspia o sangue acumulado em minha bochecha em sua direção, ele pareceu se enfurecer ainda mais e logo tentou me acertar algumas vezes mas eu sempre defendia ou me esquivava, até que finalmente acertei o seu estomago com um chute o jogando para longe, voei em sua direção e lhe acertava socos seguidos em seu rosto, ele tentava revidar a todo instante mas eu parecia furiosa demais para parar, parecia injusto agora, mas eu não parava.

Ele já estava tonto e mais um pouco ele acabaria desmaiado, podia sentir as pessoas gritando o meu nome ao fundo até sentir alguém me puxando em sua direção, era Clarke.

-LEXA PARE, POR FAVOR. – Ela pediu enquanto segurava o meu rosto fazendo a encara-la e então tudo pareceu se clarear, eu tinha deixado ceder, ela tinha ganhado mais uma vez. Sai rapidamente do corpo desacordado de Bellamy que agora era socorrido por algumas pessoas, me arrastei rapidamente em desespero até sentir a fria parede contra minhas costas, eu olhava minhas mãos que haviam sangue a cobrindo e tentava a todo custo limpa-las em minha regata que agora era banhada por sangue.

Clarke se aproximou junto com Lindsey, elas olhavam preocupadas em minha direção e a cada passo que elas davam eu me encolhia ainda mais sobre a parede fria do lugar.

- Lexa, está tudo bem, ele vai ficar bem. – Clarke falou enquanto se aproximou ainda mais. Eu sentia o medo em seu olhar, medo de que eu fizesse algo pior e eu mal podia a julgá-la, meu coração batia freneticamente e a dor em minha mão parecia aumentar a cada instante. Eu não podia ficar perto dela ou de qualquer pessoa, eu mal podia controlar uma simples discussão sem que no final a maldita coisa dentro de mim ganhasse e se tornasse uma assassina de primeira.

- Sai de perto de mim, eu não quero falar com você. – Me levantei rapidamente enquanto corria o mais rápido possível para o quarto no qual dividia com Lindsey que agora me seguia chamando o meu nome, mas por mais que fosse reconfortante ser chamada pelo meu nome novamente eu estava com medo demais para virar, eu estava me sentindo suja.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...