História Low Self-esteem - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Super Junior
Personagens Choi Siwon, Heechul, Kim Jongwoon, Lee Donghae, Lee Hyukjae "Eunhyuk"
Tags Donghae, Eunhae, Eunhyuk, Haehyuk, Hyukjae, Super Junior
Visualizações 328
Palavras 6.401
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Surpresa! Eu fiquei a semana inteira cogitando de postar esse capítulo adiantado, mas não tive tempo (às vezes eu esquecia também lol) dai me pediram hoje à noite no curiouscat e cá estou eu 2:47 da manhã deixando esse presente pro domingo de dia dos pais de vocês ;3;
Baixem a luminosidade do celular, tranquem a porta do quarto, peguem os lenços (não é pras lágrimas KK) e boa leitura <3

Capítulo 10 - Ten


Quando entramos no apartamento de Donghae, ele deixou a sacola com o nosso almoço em cima da bancada da cozinha e se virou pra mim, me puxando pela cintura e atacando meus lábios com os seus em um beijo quase desesperado.

- Donghae… - tentei falar entre o beijo - V-você não tá com fome?

- Tô. Mas quero a sobremesa primeiro.

Dito isso, ele segurou minhas pernas e me puxou pro seu colo. Eu envolvi seu pescoço e sua cintura enquanto ele me segurava pela bunda e adentrava o corredor.

Entramos no seu quarto e ele me jogou na cama, já tirando sua blusa antes de ajoelhar do meu lado e enfiar a mão por dentro da minha roupa, acariciando minha barriga e subindo pro meu peito. Eu suspirei e ergui o tronco pra que ele tirasse minha blusa também e depois Donghae deitou por cima de mim.

-Você não tem noção da vontade que eu tava de sentir você de novo - ele disse enquanto apertava minha cintura e beijava meu pescoço - Ontem você não me acordou quando foi deitar… eu queria tanto te chupar antes de dormir.

Eu gemi só de ouvir aquilo. Sua voz estava grave e um pouco arrastada e nossos peitos em contato direto só ajudava a me fazer queimar de dentro pra fora.

- Não queria te incomodar - falei, descendo minhas mãos até a sua bunda e a apertando.

- Pode me incomodar sim. Você pode me incomodar a hora que você quiser - ele ondulou o quadril, fazendo nossas ereções se roçarem e eu gemi, já totalmente entregue, como sempre.  

- Donghae…

- Ontem eu ainda conseguia sentir você dentro de mim - falou perto do meu ouvido - A cada passo eu me comprimia no vazio, querendo que fosse em volta de você.

Gemi de novo e rolei na cama, ficando por cima dele. Eu já estava ofegante só pelo tesão que sentia. Ajoelhei no meio das pernas dele e levei minhas mãos até suas coxas, as apalpando, enquanto beijava e lambia seu peito. Donghae segurou meu cabelo e projetou o quadril pra cima, querendo que eu o tocasse ali. Eu sorri e desci minhas mãos até sua virilha, o alisando ali por cima da calça.

- Tira minha roupa - pediu e eu assenti.

Ergui meu tronco, abri sua calça e a puxei junto com a cueca até despi-lo completamente.

- Agora faz um showzinho pra mim - me encarou com um sorriso de canto e segurou seu pau, o massageando lentamente.

- Você não está falando sério, né? - perguntei segurando a risada nervosa que queria escapar.

- Nunca falei tão sério na minha vida.

Donghae encostou o pé no meu peito e desceu pela minha barriga até o volume na minha calça, o alisando. Eu soltei o ar e o segurei pelo tornozelo, afastando seu pé de mim e deixando um beijo na parte de cima antes de repousá-lo no colchão. Me levantei e parei ao lado da cama, meus olhos fixos nos de Donghae enquanto eu abria o botão da minha calça. Ele sorriu e desviou o olhar pras minhas mãos, observando atentamente enquanto eu me despia. Empurrei o jeans até metade das minhas coxas e comecei a apalpar meu pau por cima da cueca. Não fiz muito show, mas valeu apenas aquilo quando vi sua cara. Donghae mordeu o lábio e sentou na beirada da cama, comigo entre as suas pernas e seu rosto na altura da minha virilha. Ele abraçou minhas coxas e encostou a cara em mim, roçando sua bochecha e boca no meu pau. De alguma forma, aquilo era muito excitante de ver e sentir. Então ele colocou a língua pra fora e passou por toda a minha extensão. Eu segurei seu cabelo e nossos olhares se encontraram. Donghae sorriu e puxou minha cueca até tirá-la junto com a minha calça e eu chutei as duas pro lado. Me arrepiei quando senti suas mãos subindo pra minha bunda e a apertando enquanto ele umedecia os lábios antes de cobrir meu pau com a sua boca. Eu gemi e minhas pernas tremeram quando senti a textura da sua língua passar por cada veia saltada e pela fenda da minha glande. Ele começou a fazer um vai e vem lento com a cabeça, me engolindo inteiro até roçar a ponta do seu nariz na minha pélvis. Eu respirei fundo e coloquei as mãos em seus ombros, deixando que ele fizesse o que queria comigo.

Além do prazer de tê-lo me chupando, ainda havia o bônus do quão erótica era a cena dele o fazendo de olhos fechados, saboreando aquilo como se fosse a melhor coisa que já provou na vida. Parece muito prepotente, mas era exatamente essa cara que ele fazia. A boca de Donghae era tão quente e sua língua tão macia que eu sentia espasmos toda vez que ele me tinha fundo em sua garganta. Subi minhas mãos até sua cabeça, segurando seu cabelo e comecei a movimentar meu quadril, entrando e saindo de sua boca devagar. Donghae abriu os olhos e me encarou enquanto eu fodia sua boca tão lentamente que parecia mais uma tortura comigo mesmo; e eu gemi vendo seus lábios vermelhos e inchados pelos movimentos que havia feito enquanto a saliva começava a escorrer pelo seu queixo. Depois, me retirei de sua boca e ele segurou meu pau, circulando seus lábios com a glande antes de descer e chupar minhas bolas, deixando sua língua roçar no meu períneo enquanto o fazia.

- Ah, Donghae - gemi e suspirei, sentindo todo meu corpo se arrepiar com o toque úmido e macio.

Ele se afastou, se inclinando em direção à mesa de cabeceira e pegando uma camisinha e o lubrificante. Abriu o pacote e deu um beijo na minha glande antes de cobrir meu pau com a proteção e se arrastar pro meio da cama.

Vi quando ele pegou o lubrificante pra passar em seus dedos e tomei o tubo de sua mão.

- Eu quero fazer isso - disse antes de grudar minha boca na dele e chupar seu lábio.

Me ajoelhei no meio de suas pernas, passei o gel em dois dedos e enfiei o primeiro - que entrou com certa facilidade e ele gemeu, arqueando as costas e me puxando pela nuca pra beijar minha boca enquanto eu movimentava meu dedo dentro dele. Era tão gostoso como o interior de Donghae era quente e macio; mais até que a sua boca. Ele começou a suspirar e já estava relaxando, então enfiei o segundo e ele abafou um gemido, mordendo o lábio. Eu me abaixei e lambi seu períneo enquanto o penetrava e o sentia relaxar.

- Pode enfiar mais um, Hyukjae - pediu ofegante.

- Já? Tem certeza?

Donghae afirmou com a cabeça e eu passei lubrificante em mais um dedo, o penetrando com certa dificuldade. Ele gemeu quando os três dedos entraram e eu tive um espasmo. Mordi meu lábio antes de segurar seu pau e enfiá-lo na boca, o chupando enquanto o alargava.

- Mais fundo… - pediu baixinho e eu forcei mais meus dedos, os curvando até encontrar o que queria.

Senti o pau de Donghae mexer na minha boca ao mesmo tempo em que ele gemia e arqueava as costas quando encontrei sua próstata. Fiquei a massageando e me deliciando com o gosto e os gemidos dele, até seu pre gozo escorrer na minha língua e suas pernas tremerem apoiadas nos meus ombros. Me afastei, tirando meus dedos de dentro dele e seu pau da minha boca e peguei o lubrificante, passando na camisinha.

Assim que terminei, senti suas mãos em meu ombro me empurrando até minhas costas baterem no colchão. O encarei surpreso e Donghae tinha uma expressão de puro desejo no rosto. Ele ajoelhou em volta de mim e segurou meu pau, sentando nele devagar, até sua bunda tocar nas minhas coxas. Nós dois soltamos um gemido e ele não demorou pra começar a rebolar e sentar em mim. Suas mãos em meu peito e seu pau batendo na minha barriga enquanto ele subia e descia, gemendo e suando.

- É tão bom ter você fundo assim dentro de mim - falou quando diminuiu a velocidade e começou a sentar com mais força.

Eu não sabia o que era mais prazeroso: sua voz me dizendo aquilo, sua cara de tesão, o barulho da sua bunda batendo na minha coxa ou o aperto dele em volta de mim. Provavelmente era a mistura de tudo, e era ainda melhor ver sua testa suando e seu topete desmanchando, começando a grudar a franja ali. Levei minha mão até lá e empurrei seu cabelo pra fora do rosto, o segurando e puxando Donghae na minha direção. Ele desceu as mãos do meu peito pro colchão e grudou seu corpo no meu. Eu olhei em seus olhos antes de beijá-lo na boca, lambendo e chupando sua língua; segurei sua bunda com as duas mãos e apoiei os pés na cama, forçando meu quadril pra cima e o fodendo enquanto ainda tinha minha boca na sua. Eu engoli seus gemidos e dei alguns tapas na carne macia; e me arrepiava sempre que ele gemia mais alto quando eu encontrava sua próstata. Seu pau escorria e melava nossas barrigas que o pressionavam naquele vai e vem que eu nos proporcionava.

Donghae se ergueu, saindo de cima de mim e me puxando pelo braço. Ele deitou de barriga pra cima e abriu as pernas. Eu soltei quase um rosnado e fui pra cima dele, o penetrando de uma vez e voltando a velocidade que estava antes.

- Ah, Hyukie - gemeu - M-mais…

- Mais o quê, Donghae?

- Mais fundo…

Ergui meu tronco e segurei suas coxas, me enfiando devagar até o final.

- Ah… isso - suspirou e eu vi quando ele se arrepiou.

Abafei um gemido e comecei a penetrá-lo, quase retirando e enfiando tudo de uma vez; começando devagar e acelerando aos poucos. Nessa posição eu atingia sua próstata mais vezes e estava quase explodindo cada vez que ele se comprimia em volta de mim.

Donghae segurou seu pau e começou a se masturbar, gemendo e se contorcendo até gozar em seu peito e barriga. Ver aquilo me fez chegar ao orgasmo também, preenchendo a camisinha até perder as forças. Eu sentei sobre os meus calcanhares, ainda com meu pau dentro dele e alisei suas coxas. Donghae estava de olhos fechados, respirando fundo e com um sorrisinho nos lábios. Eu sorri e fiz menção de me retirar, mas ele me segurou.

- Não… - sua voz saiu manhosa e ele ainda estava de olhos fechados - Fica dentro de mim mais um pouco - pediu e se comprimiu.

Eu dei uma risada fraca e mordi meu lábio, permanecendo ali e observando meu pau amolecendo e os músculos do corpo de Donghae se comprimindo e me expulsando até que só ficasse a ponta da camisinha lá dentro. Por alguma razão, aquilo era gostoso de se ver e eu suspirei antes de puxar o plástico de dentro dele e o retirar de mim também, dando um nó e o colocando sobre a mesa de cabeceira.

Apoiei minhas mãos no colchão ao lado do tronco de Donghae e observei a porra quase seca em sua barriga e peito. Vê-lo daquele jeito me fazia querer lambê-lo inteiro. Ele finalmente abriu os olhos pra me encarar.

- Oi - sorriu.

- Olá - sorri de volta e me aproximei, beijando sua boca rapidinho.

- Essa sobremesa valeu pra um banquete inteiro - disse alisando minha cintura e eu ri.

Antes que eu dissesse qualquer coisa, meu estômago roncou e Donghae arregalou os olhos, gargalhando em seguida. Eu corei e me afastei, rindo de nervoso.

Merda de estômago.

Donghae se sentou na cama e segurou meu rosto com as duas mãos, me beijando e chupando meu lábio, finalizando com um selinho.

- Se veste e vai esquentando a comida no microondas. Eu vou me limpar - disse, se levantando da cama e mancando um pouco até a porta.

- Prometo ser mais gentil da próxima vez - falei brincando e ele soltou uma risada.

- Da próxima vez quem vai estar mancando vai ser você, baby - falou da porta e piscou pra mim antes de sumir pelo corredor.

Eu me arrepiei e mordi o lábio, tentando espantar o pensamento de ser fodido por Donghae. Então, vesti minha blusa e minha cueca, indo pra cozinha.

Lavei a mão, dividi o arroz em duas tigelas e coloquei uma de cada vez no microondas.

A segunda estava quase acabando quando Donghae surgiu, também vestindo apenas uma blusa e uma cueca e me abraçou pela cintura, encaixando o rosto no meu pescoço e me cheirando.

- Eu devo estar com cheiro de suor - falei.

- Está… mas também tá com cheiro de roupa lavada e perfume. E de lubrificante - riu e se afastou.

- O cheiro de lubrificante deve tá impregnado em você isso sim - falei retirando a segunda tigela do microondas.

- É um saco ter que se limpar depois - suspirou, pegando uma das tigelas e uma colher e indo pra mesa - O único lado bom é que ainda estou meladinho se você quiser uma segunda - falou e chiou quando sua bunda bateu no assento da cadeira.

- Estou vendo como você tá prontíssimo pra outra - eu ri e coloquei minha tigela e minha colher sobre a mesa, indo até ele e beijando sua testa - Eu te machuquei? - perguntei afagando seus cabelos e ele sorriu, negando com a cabeça.

- É só incômodo normal, não se preocupa. É que fazia um bom tempo que eu não era passivo.

- Quer uma massagem depois? - perguntei roçando meu nariz em sua bochecha e dando beijinhos em sua mandíbula.

- Hum… eu vou aceitar sim, mas só mais tarde - virou o rosto pra encontrar meus lábios e me beijou.

Foi um beijo lento e preguiçoso, apenas nossas línguas se roçando e ele chupando a minha antes de finalizar com um selinho e uma mordida no meu lábio inferior.

- Quer que eu pegue algo pra você beber? - ofereci, me afastando e indo em direção à geladeira.

- Se for assim toda vez que você for o ativo eu vou aceitar ser o passivo mais vezes - falou e eu ri, mostrando o dedo do meio pra ele, que respondeu me mandando um beijo - Pega uma sprite pra mim - pediu e eu assenti, pegando uma pra mim também.

Voltei pra mesa e nós almoçamos em silêncio, sorrindo um para o outro como dois babacas apaixonados.

- Que horas são, baby? - Donghae perguntou quando estávamos terminando.

- Não sei… meu telefone ficou no bolso da calça. Vou pegar.

Fui até o quarto, busquei o telefone e o papel com o número do consultório que Yesung me deu e voltei pra cozinha, suspirando enquanto sentava na mesa novamente.

- O que é isso? - Donghae perguntou e eu ergui meu olhar pro seu rosto.

- Yesung me deu o número de uma psicóloga…

- Você vai ligar agora?

- Não sei… eu falei com a minha mãe mais cedo e ela disse que eu podia marcar uma sessão, mas - bufei - Odeio ter mais uma coisa pros meus pais pagarem. Quando eu saí de casa não era isso que eu tinha em mente.

- Eu entendo… mas é só até você arrumar outro emprego. É bom que você tem seus pais te apoiando agora - ele repousou sua mão sobre a minha e eu sorri fraco pra ele.

- Eu quero muito um emprego logo. Aceitaria, literalmente, qualquer coisa que me ajudasse a pagar, pelo menos, as sessões.

Donghae afirmou com a cabeça.

- São uma e meia, aliás - falei as horas e ele ralhou.

- Tenho que ir embora daqui a pouco. Tenho uma reunião às três.

Eu fiz bico e ele riu.

- Desculpa, baby, mas podemos nos ver depois da sua aula. Eu te busco na faculdade e te deixo em casa.

- Além de um namorado arrumei um motorista particular?

- É - ele riu - E um fotógrafo - piscou, puxando minha mão que ainda estava sob a sua e a beijando - Preciso tomar um banho pra tirar o cheiro de lubrificante e porra. Você quer me esperar e nós ligamos pro consultório juntos?

Afirmei com a cabeça e levantamos. Donghae me deu um beijo rápido nos lábios e seguiu para o banheiro. Eu coloquei a louça suja na pia e a lavei rapidamente, deixando secar no escorredor. Depois fui até o quarto e vesti minha calça, voltando pra sala e me sentando no sofá à tempo de ver Donghae saindo do banheiro com uma toalha enrolada em seu quadril.

- Eu jamais vou cansar dessa vista - falei e ele me encarou do corredor, rindo e andando rebolando em direção ao quarto.

Eu senti uma fisgada dentro da cueca e quis fodê-lo novamente, mas não daria tempo e não queria correr o risco de deixá-lo mais dolorido.

Logo ele surgiu devidamente vestido e perfumado e se sentou ao meu lado.

- Então…?

- Hum… ok, acho que é só ligar, né? - falei, discando o número e colocando o telefone no ouvido.

- Consultório SungKyun, boa tarde.

- Ah… oi, boa tarde. E-eu queria marcar uma consulta com a psicóloga… Doutora Park.

- Particular ou pelo plano de estudante?

- Plano de estudante?

- O senhor é universitário?

- Sou.

- Tem um programa voltado pra estudantes universitários, o preço é diferenciado. Em qual faculdade o senhor estuda?

- Korea University.

- Estudantes dessa universidade tem 50% de desconto. Mas eu preciso que o senhor venha marcar pessoalmente e traga alguns documentos.

- Quais?

- Identidade, comprovante de residência e a carteira da faculdade, comprovando que o senhor é aluno.

- Vocês funcionam em quais horários?

- Horário comercial normal.

- Pode me passar o endereço?

- Claro.

- Espera um instante - tirei o telefone do ouvido - Me arruma uma caneta? - pedi e Donghae puxou uma de sua bolsa - Pode falar.

-  559 Dohwa-Dong, Mapo-Gu, Seul - anotei atrás do papel que estava anotado o telefone.

- Tudo bem, obrigado.

- De nada, tenha uma boa tarde.

- Você também.

Desliguei e encarei Donghae, sorrindo.

- Eles tem um plano universitário que dá 50% de desconto… me sinto menos culpado de gastar o dinheiro dos meus pais agora.

Ele riu e acariciou meu rosto.

- Você quer mesmo um emprego, né, baby?

- Muito… - suspirei e deitei a cabeça no seu ombro.

Donghae afagou meus cabelos e olhou seu relógio de pulso.

- Eu tenho uma chave extra na mesinha perto da porta. Se quiser, pode ficar aqui até a hora de ir pra faculdade, mas eu preciso ir pra não me atrasar pra reunião.

- Tudo bem, eu vou descer com você. Tenho que ir em casa buscar meu material.

- Eu te deixo lá então. É caminho.

Assenti e levantei, o seguindo até a porta.

///

Donghae me deixou em casa com um breve beijo de despedida e eu subi, encontrando Yesung no sofá.

- Não foi trabalhar hoje? - perguntei, me sentando na poltrona.

- Pela enésima vez, Hyukjae, segunda é meu dia de folga - relembrou irritado enquanto mudava de canal.

- Eu esqueço - respirei fundo, criando coragem - Woon… eu liguei pro consultório.

- E aí? - ele desviou o olhar da TV e encontrou o meu.

- Eles tem desconto pra universitário, mas tem que ir até lá levar os documentos.

- Você vai lá quando?

- Hoje antes da aula.

Ele assentiu e voltou a assistir TV. Suspirei e levantei, indo até meu quarto buscar os documentos.

Eu não queria ir sozinho, mas também não queria ter que pedir… por que Yesung tinha que ser tão raso e lerdo?

Peguei meu telefone e disquei o número de Siwon.

- Oi, Hyuk.

- Wonnie, você está ocupado?

- Pra você nunca - eu sorri - Precisa de algo?

- É que eu preciso ir no consultório marcar minhas sessões com a psicóloga, mas Donghae está em uma reunião e não pode ir comigo…

- Vai agora?

- Eu preciso só pegar os documentos e juntar o material pra ir direto pra faculdade.

- Eu vou só tomar um banho e passo aí pra te buscar.

- Ok… obrigado, Sisi - falei e ele riu.

- Só você pra me chamar assim e eu ainda me dispor a te servir.

- Acho que esse apelido desperta algum tipo de submissão em você.

- Cala a boca - rimos.

- Até daqui a pouco.

Eu desliguei e me senti mais leve só de ter alguém pra ir comigo - por mais que fosse só pra marcar as consultas. Siwon sequer perguntou onde era o consultório, eu poderia ter marcado em um lá na porra de Busan e, ainda assim, ele iria comigo. Sorri feliz e comecei a juntar minhas coisas. Tomei um banho rápido, só pra dar uma refrescada porque eu ainda sentia que exalava cheiro de sexo e me vesti, pegando minha mochila e indo pra sala.

Yesung desligou a TV e se levantou do sofá.

- Está pronto? - perguntou.

- Hum? Pra quê?

- Pra irmos no consultório, ué.

- Ué…?

- …?

- V-você vai comigo?

- Lógico, Hyukjae. Achou que eu deixaria você ir sozinho?

Achei.

- Er… - cocei minha nuca e desviei da almofada que ele tacou em mim.

- Yah! Você acha que eu sou um lixo assim de amigo?!

- Ué, você não disse nada! Como eu ia adivinhar?!

- Por que você acha que eu perguntei quando você ia?!

- Eu sei lá?!

- Você é uma anta mesmo! Vamos logo! - disse, pegando sua mochila do chão e indo pra porta.

- Siwon está vindo me buscar.

- Você preferiu ligar pro Siwon do que-- Aish - deu um tapa na minha cabeça.

- Ai - reclamei e empurrei seu ombro, passando pela porta e descendo rápido as escadas pra que ele não me alcançasse.

Chegamos lá em baixo à tempo de ver o carro de Siwon estacionando e Heechul descendo a janela do carona com um sorriso no rosto.

- O que significa isso? - perguntei parado ao lado do carro.

- Estamos prontos pra caravana rumo ao seu tratamento - ele disse e vi a cabeça de Siwon surgir do lado.

- Ele me viu passando de carro e quase se jogou na frente, me obrigando a falar aonde eu estava indo.

Suspirei. Isso é bem a cara de Heechul.

- Bom, acho que vamos todo mundo, né.

Pra quem não queria ir sozinho, eu tinha até gente demais comigo agora. Mas eu não estava incomodado. De certa forma, até me sentia um pouco melhor por saber que todos os meus amigos me apoiavam.

Entrei no banco de trás com Yesung e coloquei o endereço no GPS de Siwon. Iniciamos nossa jornada - a qual pensei que seria tranquila -, mas, logo, vi Heechul ligando o rádio e pegando o cabo AUX, o conectando em seu telefone.

- Lá vem… - Yesung resmungou baixinho.

E lá veio mesmo… Heechul colocou sua coletânea de girl groups pra tocar e nós bufamos à princípio, mas logo estávamos os três - salvo Siwon - urrando Lion Heart a plenos pulmões.

- Parece que estamos em uma road trip e não indo no médico - Siwon comentou rindo da nossa tentativa de abrir em vozes e eu desafinando, recebendo um soco de Yesung.

- Temos que manter o humor do nosso bebê - Heechul comentou.

Eu senti meu interior se aquecendo com aquilo, mas fingi não estar prestando atenção enquanto implicava com Yesung.

Chegamos uns dez minutos depois e Siwon estacionou. Os três sentaram nos banquinhos da área de espera enquanto eu fui até o balcão.

- Boa tarde - cumprimentei e a recepcionista me respondeu com um sorriso doce.

- Em que posso ajudá-lo?

- Eu liguei mais cedo, sobre as sessões com a doutora Park.

- Ah, da Korea University?

- Isso!

- O senhor trouxe os documentos?

- Sim - os empurrei sobre o balcão e ela pegou.

- Espere um minuto que vou fazer umas cópias, tudo bem? - assenti - Enquanto isso, preencha essa ficha, por favor? - me entregou uma prancheta com um questionário e eu a peguei, me sentando perto dos meus amigos e começando a responder.

Eles permaneceram quietos o tempo inteiro e eu estava grato, mas apreensivo ao mesmo tempo. Falta de costume, eu acho.

Quando terminei de preencher e voltei para o balcão, a recepcionista me entregou de volta meus documentos e pegou a prancheta.

- O senhor já se consultou alguma vez? - neguei - Funciona assim, eu vou marcar uma sessão pra você vir e conversar com a doutora e, baseado nessa sessão, ela vai decidir quantas sessões semanais o senhor precisa. E, então, fechamos o plano da melhor forma que o senhor puder pagar. Seja mensal ou quinzenal - assenti - A primeira consulta não é cobrada. Ela tem um horário livre na quinta-feira às quatro da tarde.

- Perfeito. Pode marcar.

- Tudo bem, senhor Lee Hyukjae - falou enquanto digitava algo no computador - Se precisar remarcar, peço que ligue pra cá, pelo menos, com três horas de antecedência, ok?

- Ok.

- Quando vier, basta apresentar sua identidade e a carteira da faculdade aqui na recepção.

- Tudo bem. Obrigado.

- De nada. Tenha um bom dia.

- Bom trabalho - sorri e me virei pros meus amigos, os chamando com a cabeça e indo em direção à saída.

Entramos no carro novamente e seguimos em direção à faculdade.

- Marquei a primeira consulta pra quinta-feira.

- Quer que a gente venha com você? - Heechul perguntou.

- Não… tudo bem. Não posso pedir que venham comigo toda vez.

- Mas aqui é meio longe, Hyuk - Siwon falou, me encarando pelo espelho retrovisor - Eu posso te trazer.

- N--

Quando fui contestar, meu celular tocou em meu bolso e eu o peguei, vendo que era Donghae me ligando.

- Oi, Hae - atendi.

- Baby! O que está fazendo?

- Eu vim no consultório marcar minha consulta.

- Sozinho?!

- Não. Siwon veio comigo… e Heechul… e Yesung - falei e ele riu.

- Ah, que bom então! Pra quando marcou a consulta?

- Quinta às quatro.

- Está combinado, então.

- O quê?

- Eu vou te levar, ué. Eu disse que te ajudaria, te levaria e te buscaria em todas as suas sessões.

- Mas, Hae, é meio distante…

- Mais um motivo pra eu não te deixar ir sozinho. Você disse que me deixaria te ajudar… - eu não precisa vê-lo pra saber que estava fazendo bico.

- Eu sei… mas não quero te atrapalhar.

- Hyukjae, você nunca vai me atrapalhar, sabe por quê?

- Hum…

- Porque você é minha prioridade no momento. O que vier que não seja de você é que vai me atrapalhar. Agora, deixa de graça e esteja pronto às três em ponto quinta-feira.

Eu não consegui conter meu sorriso e senti meu interior quase entrando em combustão.

- T-tá…

- Te vejo mais tarde, baby - ouvi um barulho de beijo e quase lacrimejei de tão idiotamente apaixonado que eu estava por ele.

- Até mais tarde… - sussurrei e desliguei o telefone.

- O QUE ELE DISSE?! - Heechul berrou ajoelhado no banco de frente pra mim.

Eu me sobressaltei e voei pra cima de Yesung em busca de proteção.

- Seu crackudo demente! Que susto caralho - berrei, me desvencilhando de Jongwoon em seguida.

- O que ele disse?! - repetiu.

- Ainda por cima é fofoqueiro!

- O que. Ele. Disse.

- Argh ele vai me levar na consulta quinta-feira!

- Parabéns, ele não faz mais que a obrigação - disse, se sentando novamente.

- Ele não está aqui, pode ser fangirl dele à vontade - impliquei.

- Não sei do que você está falando - Heechul pegou seu celular e foi desbloquear a tela.

Seu papel de parede era uma colagem com diversos famosos - em maioria mulheres -, mas vi um rosto familiar assim que bati o olho.

- YAH! MEU NAMORADO ESTÁ NO SEU PAPEL DE PAREDE - gritei, tentando pegar o aparelho de sua mão, mas ele desviou.

- NÃO OUSE TOCAR NO MEU TELEFONE, LEE HYUKJAE!

- Por que você tem meu namorado no seu papel de parede? Isso é muito esquisito, Heechul!

- Em minha defesa, ele está aqui há um mês. Não posso fazer nada se você decidiu namorar um dos caras mais gostosos da Coreia.

- Meu deus isso é TÃO estranho - cobri o rosto com as mãos, sentindo a vergonha me engolir.

- Hoje em dia eu até esqueço que Donghae é famoso - Siwon comentou do nada.

- Eu nunca nem pensei nele sendo famoso. Tanto que me assustei quando, no nosso primeiro encontro, ele veio me falar que, se fossemos ficar juntos, eu teria que lidar com matérias sobre nós em sites de fofoca.

- E é por isso que eu queria boicotar essa merda - Heechul explicou, suspirando em seguida - Mas, quando vi vocês dois naquela sessão de fotos… a maneira com que ele te olhava e você sorria livremente como se só existisse ele naquela rua movimentada… perdi a coragem. O que vocês têm é muito lindo, meu lado romântico não me permite atrapalhar.

Eu sorri e abaixei a cabeça, sentindo meu rosto corar.

- Vocês têm sorte de só lidar com o lado fofo deles dois - Yesung comentou - Enquanto que eu sou obrigado a ver Donghae nu na minha cozinha domingo de manhã.

- YAH - gritei e soquei seu braço.

Heechul e Siwon gargalharam enquanto eu xingava Kim Jongwoon de tudo possível.

///

Levamos Heechul até em casa e depois seguimos pra faculdade. Ainda estava cedo, então Siwon estacionou o carro e seguimos pra nossa cafeteria favorita.

Eu estava bebendo meu smoothie de morango quando chegou uma mensagem de Donghae.

Donghae: quero te ver logo… essa hora não passa.

Eu sorri.

Hyukjae: eu não me importaria de matar essa aula, sabe…

Donghae: é de quê?

Hyukjae: cultura empreendedora

Donghae: por que você está tendo matéria do quinto período no sétimo?

Hyukjae: … eu repeti

Donghae: ENTÃO EU ACHO BOM VOCÊ ASSISTIR ESSA AULA TODINHA

Suspirei.

Por que Donghae tinha que ser tão certinho?

Hyukjae: vou pensar no seu caso

Donghae: você tem aula com aquele professor estrangeiro Arthur?

Hyukjae: sim

Donghae: eu conheço ele

Donghae: vou saber se você matar aula e vou te dedurar

Hyukjae: DONGHAE >:(

Donghae: boa aula baby <3 tenho uma coisa pra te contar depois

Hyukjae: O QUE

Hyukjae: DONGHAE

Hyukjae: ME RESPONDE

Hyukjae: FALA O QUE É MERDA

Hyukjae: QUE ODIOOOOOOOOOOO

Hyukjae: é isso. Terminamos.

Donghae: <3

Hyukjae: -’-

- Vamos? - Siwon falou, se levantando.

Eu gemi e levantei relutante, trazendo meu copo de smoothie comigo e seguindo em direção ao campus com os dois.

Quando a aula acabou, eu sequer me despedi deles, pegando minha mochila e voando pra saída, virando na rua lateral onde o carro de Donghae já estava estacionado. Eu entrei e bati a porta, me virando pra ele ofegante.

- O que é?! - perguntei e ele se sobressaltou.

- O quê…?

- Lee Donghae, não se manda uma mensagem daquela pra uma pessoa ansiosa e espera que ela vá ficar OK depois! - reclamei - O que você tem pra falar comigo?!

Ele riu e pegou minha mão, a beijando e se inclinando pra beijar minha boca em seguida, mas eu me afastei; me arrependendo assim que vi seu olhar triste.

- Me fala o que é e eu até te dou um boquete no caminho pra casa - cruzei os braços e ele riu novamente.

- Yesung não vem com a gente?

- Eu não sei. Nem me desp-- AAH - gritei, levando um susto com a batida na janela ao meu lado.

Me virei e vi Yesung acenando. O vidro desceu - provavelmente foi um feito de Donghae - e ele enfiou seu cabeção pra dentro.

- Oi, Donghae.

- Oi, Yesung. Entra aí, vou levar vocês pra casa.

- Ah, ótimo.

Encarei Donghae com um olhar de morte e ele apenas acariciou minha mão, como se me pedisse paciência. Rosnei e cruzei os braços novamente, ficando calado por todo o trajeto.

Assim que chegamos, Yesung agradeceu e saltou do carro sem sequer me esperar. Ele deve ter notado meu humor - me conhecia o suficiente pra saber identificar.

- Ei - ouvi a voz de Donghae antes de senti-lo beijando meu pescoço.

- Estou esperando.

Donghae suspirou.

- Eu queria conversar sobre isso com você numa boa, de preferência à sós e no seu quarto.

- O que você quer conversar que precisa de tanta preparação? Vai me pedir em casamento? Me convidar pra um culto? Propor sessões de BDSM?! O QUÊ?!

- Calma, Hyukjae.

- NÃO ME PEDE CALMA EU TO UMA PILHA DE NERVOS, MERDA!

- Ok. Vou falar - disse com as mãos erguidas em rendição - Lembra que eu disse que tinha uma reunião hoje de tarde?

- Sim.

- Eu fui encontrar os diretores de uma agência de modelos - virei meu rosto para encará-lo - Eu estava marcado pra apresentar pra eles umas fotos que eu havia tirado pra agência e, também, me pediram indicações de novos modelos - ele mordeu o lábio nervoso e eu pedi pra que ele continuasse - Indo direto ao ponto… eu mostrei suas fotos.

Arregalei os olhos e senti meu queixo caindo.

- VOCÊ O QUÊ?!

- Calma, Hyukjae. Não surta, por favor. Eu sei que devia ter pedido sua permissão, mas… - suspirou, passando a mão pelo cabelo - Eu estava com tanta pressa e decidi tudo no caminho pra lá, já que eu tinha suas fotos no meu tablet e… enfim. Você estava tão triste querendo um emprego, eu só quis ajudar. Não fica bravo, por favor.

Eu não sabia o que pensar. Ao mesmo tempo que estava desesperado, não conseguia sentir raiva de Donghae. Primeiro porque a carinha que ele fazia era fofa demais. Segundo porque eu estava dementemente apaixonado por ele. E terceiro porque… bem, ele só queria me ajudar.

- Tá, mas… não deu em nada, né?

Donghae coçou sua nuca, encarando o freio de mão entre nós e eu senti vontade de sacudi-lo pra que ele falasse logo.

- E-então… eles gostaram muito das fotos. Querem fazer uma entrevista com você e, talvez, te contratar.

- O QUÊ?! - gritei.

- Mas, se você não quiser, tudo bem - Donghae se adiantou - Eu sei que é um grande passo pra você. Você é tímido e tem os problemas com a sua auto estima… e-eu entendo. Mas achei que devia te contar antes de recusar porque pode ser uma oportunidade muito boa pra você iniciar uma carreira.

- CARREIRA? COMO MODELO, DONGHAE? VOCÊ FUMOU MACONHA, POR ACASO?

- Hyukjae - pegou minha mão, a trazendo para si e acariciando-a - Eu trabalho com isso há anos. Eu sei reconhecer um talento natural quando vejo um. Você pode nunca ter pensado nisso, mas você tem talento pra ser modelo fotográfico. Por mais tímido que seja, você consegue reproduzir as poses bem e é muito fotogênico.

- Donghae - suspirei, tentando não gritar - Eu fico à vontade porque é você me fotografando! Você acha mesmo que eu vou conseguir posar pra outra pessoa?

- Nós podemos dar um jeito nisso. Eu sou praticamente fotógrafo oficial deles. Sempre que vão fazer algum catálogo eles me chamam, a não ser que seja algo específico fora da minha alçada ou alguma revista muito renomada, que exija a própria equipe, mas, à princípio, podemos tentar arranjar de você fotografar comigo, até pegar experiência.

- Donghae… - neguei com a cabeça, puxando de volta minha mão que ainda estava entre as suas e me encolhendo - E-eu não sei… isso é muito pra mim. Eu não acho que conseguiria.

- Você não precisa me responder agora, baby - levou sua mão até meu rosto e acariciou minha bochecha - Eu vou ter outra reunião com eles na próxima segunda-feira. Você tem essa semana inteira pra pensar sobre isso, mas… por favor, não recusa logo de cara. Pode ser uma oportunidade de, pelo menos, você ter um emprego enquanto não encontra algo na área que você quer.

Assenti, abaixando a cabeça e soltando o ar devagar. Aquilo era demais pra mim.

Eu. Modelo. Isso nunca passou sequer remotamente pela minha cabeça. Eu acho que iria surtar assim que visse alguma revista com a minha cara. Sem condição.

- Ei - ouvi a voz de Donghae me tirando dos meus devaneios e o encarei - Eu queria ficar com você um pouquinho antes de ir embora - sorriu enquanto acariciava meu rosto com as costas da sua mão e eu fechei os olhos, apreciando o carinho.

- Quer subir?

- Não posso demorar.

- Vai ser rapidinho…

- Sei - ouvi sua risada e abri os olhos - Que tal você dormir lá em casa hoje?

- Tem certeza? - perguntei um pouco sem graça porque ainda não tinha dormido lá.

- Claro! Você é meu namorado, ué - riu - E lá vamos ter mais privacidade.

- Pra que, Lee Donghae? - perguntei e vi quando ele sorriu.

- Tirar umas fotos no estúdio, lógico - falou em tom de deboche.

- Idiota - soquei seu braço - Vou pegar uma muda de roupas lá em cima e já volto.

- Não precisa - segurou meu pulso quando eu fui sair - Eu te empresto uma roupa. Ou você pode dormir sem - sugeriu enquanto se inclinava na minha direção e beijava meu pescoço.

Eu me arrepiei e assenti. Não estava raciocinando mais naquela hora. E, mesmo que estivesse, eu teria aceitado porque tudo que eu queria era passar mais tempo com ele.

Donghae beijou meus lábios rapidamente e se afastou, ligando o carro e seguindo pra sua casa.


Notas Finais


O Donghae... ele é insaciável D: e o Hyukjae é outro.
Um pequeno atrito entre eles porque, né, acontece ><
Espero que gostem e até segunda <3
~elfasy


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...