História Low Self-esteem - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Super Junior
Personagens Choi Siwon, Heechul, Kim Jongwoon, Lee Donghae, Lee Hyukjae "Eunhyuk"
Tags Donghae, Eunhae, Eunhyuk, Haehyuk, Hyukjae, Super Junior
Visualizações 153
Palavras 6.748
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Segunda chegou finalmenteeee ><
Hoje coloquei foto no cap só pra vocês verem como o Hyuk tava lindo na sessão de fotos desse dia!!
Revisar esse cap me deixou soft e me deu mais vontade ainda de protegê-lo.
Espero que gostem.
Boa leitura <3

Capítulo 9 - Nine


Fanfic / Fanfiction Low Self-esteem - Capítulo 9 - Nine

Donghae estava a uns cinco metros de distância de mim, com sua câmera em mãos, me encarando e sorrindo bobo. Meu semblante devia estar espelhando o seu, pois eu sentia minhas bochechas doendo. Comecei a caminhar em sua direção e ele ergueu a câmera, batendo algumas fotos de mim. Eu ri e coloquei a mão na frente da lente quando estava à um passo dele e Donghae baixou a máquina, agora olhando diretamente pra mim.

- Eu poderia te fotografar pro resto da minha vida - soltou a câmera, a empurrando com a alça para o lado e acabou com a distância entre nós.

Sua mão foi até o meu rosto, acariciando minha bochecha com o polegar e seus lábios tocaram os meus - tão delicadamente que fazia cócegas. Eu ri e abaixei a cabeça, apenas para sentir ele tocando meu queixo e erguendo meu rosto novamente. Olhei em seus olhos e, antes que perdesse a coragem, o beijei. Sua boca estava salgada e eu devia estar com gosto de gloss, mas não nos importamos. Eu abracei sua cintura e ele o meu pescoço. Não sei quanto nos demoramos ali, provavelmente atraindo olhares raivosos, mas eu não tive tempo de pensar naquilo. Tudo se resumia à ele. Lee Donghae. Meu pensamento e meu coração estavam dominados por ele e somente ele. No fundo, eu sempre soube que estaria perdido no segundo em que esse homem me correspondesse e ali, naquele momento, foi quando me perdi de vez. Naquele início de tarde de um domingo qualquer, em um dos lugares mais bonitos de Seul, eu me perdi pra Lee Donghae.

- Eu estou perdidamente apaixonado por você - ele disse contra os meus lábios.

Pensei que tivesse sido minha consciência, mas, ao abrir os olhos, vi que Donghae me encarava em expectativa após findar nosso beijo. Eu levei alguns segundos para processar o que ele tinha acabado de falar.

- Não quero te assustar, mas… é. Eu estou perdida e irrevogavelmente apaixonado por você - repetiu e eu senti que meu coração ia explodir de tão forte que ele batia.

- Donghae…

- Shh - negou com a cabeça, encostando a testa na minha e fechando os olhos - Eu não preciso que você me corresponda agora, mas eu vou fazer de tudo pra merecer você.

- Você já me tem - falei e ele abriu os olhos me olhando assustado, me fazendo rir - Desde o primeiro sorriso, Lee Donghae, desde a primeira foto sua que eu vi e me tocou - peguei suas mãos e as trouxe pra minha boca, beijando-as - Eu já era seu.

- Hyuk…

Eu sorri e o beijei novamente.

- Você quer tirar mais fotos? - perguntei.

- Quero… mas podemos almoçar antes, se você quiser.

- Vamos tirar as fotos que você quiser e, em troca, você me leva pra comer o churrasco que prometeu na nossa sessão passada.

Donghae riu e concordou, me pegando pela mão me arrastando pela cidade.

Nós fotografamos na frente de prédios que sequer eram pontos turísticos - alguns eram simples edifícios comerciais, mas Donghae achava algo de especial ali e me enfiava em alguma pose com algum ângulo doido seu. Teve uma hora que peguei a câmera da sua mão e comecei a fotografá-lo. Descobri que ele era tímido demais quando estava do outro lado da lente e bati diversas fotos da sua carinha constrangida.

- Ok, acho que por hoje já deu, né? - falou, pegando a câmera da minha mão e a guardando.

- Sim, quero meu churrasco - bati palmas e ele riu.

- Vamos, meu bolinho de arroz - segurou minha mão, entrelaçando nossos dedos e começou a caminhar em direção ao restaurante.

Minha mão estava suando - não sabia se de nervoso ou calor -, mas ele não se importou.

Almoçamos tranquilamente e eu não poderia estar mais satisfeito por estar comendo carne depois de tanto tempo.

Andamos até o carro de mãos dadas também e eu já começava a me acostumar com a ideia de estar com Donghae em público.

Fomos pra minha casa e eu o chamei pra subir comigo, já que, provavelmente, meus amigos estavam lá pra falarmos sobre a sessão e ele aceitou. Eu agradeci mentalmente por isso já que não queria me despedir ainda.

Assim que abri a porta, Heechul e Yesung avançaram em mim, arrancando meu celular do meu bolso e tagarelando ao mesmo tempo coisas que eu não conseguia entender. Vi Siwon no sofá revirando os olhos e cobrindo o rosto com a mão, parecendo contrariado e encarei Donghae sem entender nada. Ele deu de ombros, também não sabendo o que estava acontecendo.

- Devolve meu celular - pedi, estendendo a mão.

- Não. Hoje você vai ficar sem internet - Yesung falou.

- Na verdade, você vai ficar sem internet até segunda ordem - Heechul disse, guardando meu celular e voltando pra sala.

- Que merda é essa? Devolve meu celular!

- Hyuk - Siwon chamou sério e eu franzi o cenho - Senta aqui - pediu, batendo no lugar vago ao seu lado e eu assenti.

Donghae e Yesung ficaram em pé próximos da gente e aquilo estava começando a me estressar.

- Vocês estão muito estranhos. O que houve? - perguntei e Siwon suspirou.

- Saiu uma matéria sobre vocês dois em um blog pequeno de fofoca - avisou e Donghae já sacou o celular, se retirando da sala.

- E dai? O que diz na matéria? Eles expuseram minha identidade?

Os três se entreolharam e eu comecei a sentir enjoo de nervoso.

- Eu acho melhor você não procurar sobre isso, Hyukjae - Yesung avisou - Pro seu bem.

- O que falaram de mim? Eu quero saber.

- Você não precisa saber. É um monte de mentira e babaquice - Heechul falou irritado e eu sabia que devia ser algo que me faria mal pra tirá-lo do sério assim.

- Eu quero ver.

- Hyuk… - Siwon pegou minha mão e eu o encarei - Você tem o direito de ver, mas, por favor, quero que me prometa que não vai absorver nada do que tem ali.

- QUE MERDA, SIWON, NÃO É PRA ELE VER NADA! - Heechul berrou, se levantando.

- Ele tem o direito de ver! É sobre ele!

- NÃO INTERESSA! NÃO VAI FAZER BEM PRA ELE!

- Calem a boca - gritei com a voz um pouco trêmula - Siwon, me mostra, por favor.

Heechul rosnou e saiu, indo em direção à cozinha.

Siwon sacou seu celular e desbloqueou a tela, me entregando com a matéria já aberta.

“A queda de Lee Donghae” era o título.

Havia uma foto nossa de mais cedo andando de mãos dadas pelo centro e outra da gente abraçado - eu estava sorrindo e minhas gengivas estavam à mostra. Até que não estavam tão ruins… nós ficávamos bem juntos.

Rolei a tela e li o pequeno texto que havia ali.

“Nosso fotógrafo LGBT favorito acaba de exibir seu novo boy. Uma pena que ele não soube manter o nível. Lee Donghae é conhecido por ter affair com diversos artistas masculinos, alguns até que ele teve envolvimento profissional primeiro, então, de bobo ele não tem nada. Mas, parece que seu gosto está começando a decair um pouco - ou muito. Hoje de manhã ele foi visto fotografando um modelo totalmente desconhecido e, ao terminar, descobrimos que, na verdade, era mais um de seus casinhos. Imagina nossa surpresa quando vimos o rosto do indivíduo--” foi então que parei de ler. Eu não podia mais. Já sentia meu peito comprimindo meu pulmão e eu parecia que ia sufocar. Estava hiperventilando novamente.

Yesung tirou o telefone da minha mão e eu apenas me deixei tombar pro lado de Siwon e ele me abraçou. Eu usava todas as minhas forças pra segurar as lágrimas e, quando a primeira escapou, vi Donghae surgindo do corredor novamente. Seu semblante estava carregado e ele parecia irritado como eu nunca o tinha visto antes. Ele sentou do meu outro lado e se inclinou sobre mim, beijando meu ombro.

- Eles vão tirar a matéria do ar. Eu já cuidei de tudo - sussurrou, acariciando minha perna sem desgrudar o rosto do meu braço - Me desculpa por isso, Hyukjae. Eu vou consertar tudo, eu prometo.

- N-não foi culpa sua - falei enquanto chorava, mas sem encará-lo. Eu estava com muita vergonha.

- Foi sim… eu te expus sabendo das consequências, não devia ter feito isso.

- Donghae, vai embora, por favor - pedi e senti ele se retesando, ainda encostado em mim.

- Eu… tudo bem, Hyuk. Se é isso que você quer… - se afastou e levantou, parando na minha frente.

Eu segurei na barra de sua blusa e fiz menção para que ele se abaixasse. Me afastei de Siwon, ficando com o tronco ereto e encarando Donghae agachado na minha frente.

- Eu não estou com raiva de você - acariciei seu rosto e vi que já formavam lágrimas em seus olhos - Eu só preciso de um tempo sozinho… eu to com vergonha - minha voz fraquejou e eu voltei a chorar.

- Tudo bem, baby, eu vou te respeitar. Mas, se precisar de mim, eu vou estar no carro, lá em baixo.

- Não… vai pra casa.

- Não. Se você me gritar eu quero chegar o mais rápido possível. Eu não vou ficar em paz se estiver tão longe de você.

- Então fica aqui… eu vou pro meu quarto.

- Eu não quero invadir seu espaço…

- Não está. Só me deixem sozinho um pouco - pedi, dando um beijo no seu rosto e me levantando em seguida.

Passei por Heechul no corredor e ele me entregou uma caneca com chocolate quente. Eu sorri e ele me abraçou forte, beijando minha cabeça em seguida.

- Ficaremos aqui esperando por você - disse.

Eu assenti e entrei no meu quarto, trancando a porta em seguida.

A verdade era que eu não tinha muito o que pensar. Eu só queria me esconder, como sempre fazia.

Dei um gole no chocolate, colocando a caneca ainda cheia sobre a mesinha de cabeceira e deitei na minha cama. Afundei a cara no travesseiro, berrando nele até sentir minha garganta arranhar. E então eu chorei. Chorei de babar e escorrer catarro; chorei de doer meu peito e secar minha garganta; chorei até não ter mais lágrimas e ser só eu gemendo e soluçando de raiva e agonia. E adormeci.

Acordei com uma dor de cabeça que não cabia em mim e eu mal conseguia abrir os olhos de tão inchados. Olhei em volta, procurando meu celular e então lembrei que Heechul o havia confiscado. Bufei e me levantei, destrancando a porta do quarto e indo até o banheiro.

Já entrei lá de cabeça baixa e puxei minha toalha, cobrindo o espelho. Eu estava com medo da minha própria reação se me visse do jeito que eu provavelmente estava e no estado de espírito que eu me encontrava. Lavei meu rosto e o sequei com a toalhinha que ficava ali perto. Meu nariz já havia desentupido e eu conseguia respirar normalmente, mas minha garganta ainda estava muito seca. Fui até a cozinha e me sobressaltei quando vi Donghae fechando a geladeira com uma garrafa de água em sua mão. Ele me viu e seu olhar suavizou no mesmo instante, mas não moveu um músculo sequer. Provavelmente respeitando meu espaço. Aquilo me fez sorrir e eu caminhei em sua direção, envolvendo meus braços em sua cintura e afundando meu rosto no seu peito. Ele abraçou meus ombros e eu me senti tão confortável que era quase como um colo de mãe ali. Eu estava em casa. Respirei fundo, inalando seu cheiro gostoso e me inebriando com ele.

- Eu amo seu cheiro - falei.

- É? Você tem passe livre pra me cheirar quando e pelo tempo que quiser.

Eu sorri.

- Não vale pedir o passe de volta depois.

- Eu jamais faria isso - ele beijou minha cabeça e apertou mais o abraço.

- Dorme comigo hoje? - pedi e ele respirou fundo, parecendo aliviado.

- Com uma condição - eu me afastei para encará-lo.

- Qual?

- Me dá um beijo - pediu.

Eu sorri e assenti.

- Mas, primeiro, deixa eu beber água - falei, colocando um copo pra mim e sendo agraciado pelo frescor do líquido.

Quando terminei, Donghae já me esperava com um bico nos lábios. Eu ri e segurei seu rosto, beijando sua boca em seguida.

- Hum, sua boca tá molhada e geladinha - falou entre o beijo e o aprofundou mais.

Eu gemi e deixei que sua língua me invadisse e se enroscasse na minha, enquanto eu grudava meu corpo no dele. Donghae desceu as mãos pelas minhas costas, passando pela minha bunda até minhas coxas e as puxou, me erguendo em seu colo e me apoiando sobre o balcão da cozinha. Ele chupou meu lábio inferior e desceu aos beijos pelo meu queixo e pescoço, puxando a gola da minha blusa e mordendo meu ombro. Eu gemi e segurei no seu cabelo.

- Bom, acho que vou ter que me acostumar com esse tipo de coisa.

Empurrei Donghae com tanta força devido ao susto, que suas costas bateram na geladeira atrás dele. Em seguida ouvi a risada de Yesung.

- Porra, Jongwoon - xinguei, descendo do balcão e puxando minha blusa pra esconder o volume que tinha na minha calça.

- Em minha defesa, eu não sabia nem que você tinha levantado. Vim ver se Donghae precisava de ajuda pra achar a água. Pelo visto, eu estava certo, ele precisava de ajuda pra tirar você de cima dele - debochou, pegando a garrafa e dois copos e voltando pra sala.

Encarei Donghae e ele estava rindo baixinho.

- Que foi, idiota? - perguntei e ele negou com a cabeça.

- Você quase me assassinou e ainda me xinga.

- Ninguém mandou ficar de assanhamento no meio da minha cozinha.

- Você estava odiando mesmo - falou manhoso e arrastando as mãos pelo meu corpo novamente.

Eu me arrepiei e coloquei a mão em seu peito, o afastando novamente.

- Guarda esse fogo pra mais tarde - falei e segui pra fora da cozinha, recebendo um tapa na bunda no caminho e segurando o riso.

Meus amigos ainda estavam lá e pararam de falar assim que eu entrei na sala. Todos me encaravam e eu não sabia se era preocupação ou se Yesung estava contando o que havia acabado de presenciar.

Constatei que era o primeiro quando Heechul se levantou, vindo até mim e me abraçando novamente. Eu sorri e o abracei de volta.

- Está melhor? - perguntou ao se desvencilhar de mim e eu assenti.

- Temos que conversar - falei olhando pra todos e me sentei na poltrona.

Donghae e Heechul se expremeram com os outros no sofá de três lugares.

- Bom - comecei - Eu não quero fazer um discurso nem nada, mas vocês já sabem que eu tenho problemas de auto estima. Heechul sabe disso desde muito tempo e, aparentemente, contou pra vocês dois - indiquei Yesung e Siwon - E eu acabei me abrindo um pouco com Donghae. Eu sei o quanto vocês se preocupam e zelam pelo meu bem estar e eu percebi que, desde que as crises voltaram, elas parecem muito mais fortes que antes. Eu parei de me machucar fisicamente, mas parece que estou muito pior emocionalmente - suspirei, me esforçando pra continuar - Eu nunca consegui me relacionar com ninguém por causa disso. Porque eu tinha vergonha de mim e medo da pessoa que estava comigo sentir o mesmo. Até eu conhecer você - encarei Donghae e ele sorriu fraco - Você é incrível… estar com você parece tão certo, tão real e maravilhoso, que nem mesmo meus demônios conseguiram me convencer a me afastar de você - ponderei por um tempo sobre o que falar em seguida - Essa matéria que saiu sobre nós me machucou muito, eu ainda tô me sentindo envergonhado e exposto, mas… - engoli o nó em minha garganta e sustentei o olhar de Donghae, procurando por apoio, e o encontrei, me sentindo seguro novamente - Mas eu não vou deixar isso acabar com uma das melhores coisas que já me aconteceu - suspirei e abaixei a cabeça - Eu vou me tratar. Amanhã vou procurar um psicólogo e vou começar a tratar essa minha insegurança e ansiedade e eu vou lutar pra ficar bem e poder ter um relacionamento saudável com vocês - ergui meu olhar e vi que todos tinham lágrimas nos olhos - Que isso?

- Merda, Hyukjae, eu tô de corretivo - Heechul choramingava enquanto tentava impedir que as lágrimas escorressem.

- Você é um arrombado - Yesung xingou, tentando disfarçar a voz trêmula.

- Te amo tanto - Siwon levantou e sentou de lado no meu colo, me abraçando.

Eu o abracei de volta e comecei a rir.

Meus amigos são muito imbecis, mas são os melhores imbecis do mundo.

Quando ele levantou, meu olhar encontrou o de Donghae e ele estava sorrindo - parecia orgulhoso. Eu sorri de volta e, por um segundo, só existia nós dois naquela sala.

- Agora me conta sobre a sessão - Siwon me arrancou de meus devaneios enquanto se sentava no chão próximo dos meus pés.

- Eu já contei a primeira parte - Heechul avisou - De vocês dois não conseguindo disfarçar a tensão sexual um com o outro e quase se comendo na frente da equipe inteira.

- MENTIRA - gritei - Seu arrombado! Fomos muito profissionais!

- Não minta para si mesmo dessa forma, Lee Hyukjae.

Olhei para Donghae em busca de suporte e ele estava rindo.

- Eu juro que estava tentando - disse - Mas Hyukjae ficou lindo demais com aquele cabelo. Obrigado, Heechul.

- Finalmente alguém que aprecia meu trabalho - revirou os olhos enquanto balançava a perna cruzada por cima da outra.

- Depois que vocês foram embora nós tiramos mais algumas fotos, mas foi bem de bobeira mesmo. Na verdade, foi tudo bem de bobeira, até porque esse ensaio não vai ser publicado em lugar nenhum - dei de ombros.

- Vocês querem ver? - Donghae ofereceu e eu arregalei os olhos.

- NÃO! - respondi antes de todo mundo.

- Por que não? - me olhou com aqueles olhinhos tristes.

- Não, Hae…

- Ai, sem gracinhas vocês dois - Heechul interrompeu - Eu quero ver sim como ficou minha obra prima.

Donghae me encarou novamente, buscando confirmação e eu apenas assenti uma vez. Não adiantaria teimar com Heechul. Ele levantou e pegou a câmera. Yesung o ajudou a conectar o HDMI na TV para vermos lá e se sentou no chão em frente. As fotos começaram a passar e eu senti meu rosto esquentando. Meus amigos não diziam nada e eu agradeci mentalmente por isso. Não era novidade nenhuma que tinham ficado incríveis, graças ao talento de Donghae.

Eu mantive meu olhar na TV o tempo inteiro, até que ele terminasse e desligasse a câmera.

- Uau - ouvi na voz de Yesung e olhei pra ele, esperando alguma gracinha - Hyukjae… você sabe mesmo modelar - seus olhos estavam quase arregalados - Isso é incrível!

- Quê?

- Hyuk - Siwon chamou e eu o encarei - Você sabe que eu sou a pessoa que mais te apoia no mundo, mas, mesmo assim, essas fotos me surpreenderam. Ficaram realmente muito boas.

- Mas daí vocês têm que elogiar o Donghae, gente - apontei e ele deu um tapa na minha mão - Ai!

- Já te falei que isso é mérito seu. Quem tá nas fotos é você! - falou emburrado e eu segurei pra não sorrir. Ele era tão fofo.

- Realmente eu trabalho muito bem - Heechul disse - Mas até pra mim foi meio impressionante. Meu chuchu é mesmo um modelão da porra. Parabéns, Donghae, não fez mais que a sua obrigação de fotografá-lo.

Donghae riu.

- Obrigado, Heechul.

Eu revirei os olhos, mas tinha um sorriso nos lábios. Logo Donghae se aproximou de mim, sentando de lado no meu colo e deitando a cabeça no meu ombro. Eu o envolvi com meus braços e me recostei na poltrona, aconchegando nós dois.

- Estou com fome - Siwon anunciou e todos concordamos.

- Vamos pedir comida. Não tem nada aí porque não fizemos compras ainda - Yesung avisou.

- Pizza? - Heechul sugeriu.

- Queria comida tailandesa - Donghae comentou.

- Não dá pra sair com essa gente rica - Heechul debochou.

- E-eu posso pagar… se vocês não se importarem - Donghae disse tímido.

- Você não devia ter feito isso - falei baixinho pra ele, já conhecendo os amigos que eu tinha.

- Bom, nesse caso... - um sorriso já brincava no rosto de Heechul.

- Você não vai explorar meu namorado, Kim Heechul.

Eu só percebi o que eu tinha falado quando senti o corpo de Donghae ficar rígido nos meus braços e os três pares de olhos dos meus amigos me encararem em surpresa. Eu abria e fechava a boca tentando balbuciar algo, mas nada saía.

- Quando foi isso?! - Heechul quase urrou.

- N-não é isso, foi só modo de falar! - expliquei.

- Eu acho bom eu ser o primeiro a saber quando vocês decidirem oficializar isso aí. Ouviu, Lee Donghae?

- Por mim já pode oficializar - disse e eu me virei para encará-lo ainda deitado em meu ombro - O quê?

- Por acaso você está me pedindo em namoro, Lee Donghae? Depois de um encontro?

- Em minha defesa, já saímos umas três vezes fora esse encontro oficial - se desencostou do meu peito pra me olhar melhor - E eu não vejo pra que esperar já que eu tenho certeza que gosto e quero continuar com você. Você quer continuar comigo?

- Q-quero…

- Você gosta de mim? - afirmei com a cabeça, sentindo meu rosto arder - Então, quer namorar comigo?

- Cala a boca. Você é muito idiota… quero.

Donghae soltou uma gargalhada gostosa e segurou meu rosto, enchendo minha boca de beijinhos.

- Essa foi a coisa mais viada que eu já presenciei - Heechul disse com uma voz afetada fingindo emoção.

- Eu sabia que o Donghae não ia aguentar nem o início da semana pra se declarar - Siwon deu de ombros - Então, vamos pedir comida tailandesa mesmo?

- Se o Donghae for pagar, eu como até pedra - Yesung disse e eu deveria concordar.

Éramos os mais fodidos financeiramente da rodinha e ainda inventamos de morar juntos.

- Não se preocupem, eu conheço um restaurante ótimo perto daqui - Donghae falou, sacando seu celular.

- Às vezes eu esqueço que esse cara era da mesma faculdade que a gente - Siwon comentou.

Donghae anotou tudo que iríamos querer e, depois, ligou para o tal restaurante. Ele estava começando a pesar em meu colo, então invertemos as posições. Talvez tivesse sido um erro porque assim ele conseguia me molestar mais facilmente.

Eu estava tranquilamente sentado sobre suas pernas, de costas pra ele e deitado em seu peito quando senti sua mão subir pela lateral da minha coxa até adentrar minha blusa e ele começar a alisar a pele da minha cintura. Seus dedos estavam frios, o que me causou um arrepio gostoso e fez eu me remexer em seu colo - automaticamente roçando minha bunda na sua semi ereção. Arregalei os olhos e o encarei.

- Sossega - sussurrei, não querendo chamar a atenção dos meus amigos que assistiam atentamente o programa que passava na TV.

- Não tô fazendo nada - disse sorrindo e escorregando a mão que estava na minha cintura pra lateral da minha coxa, a apertando.

- Dois podem jogar esse jogo, Lee Donghae - ao dizer isso eu rebolei discretamente em seu colo, pressionando mais minha bunda contra a sua semi ereção e o vi mordendo o lábio, provavelmente segurando um gemido.

- Não sabe brincar não desce pro play, Hyukjae - choramingou, soltando minha coxa e relaxando as costas no encosto da poltrona.

Eu ri vitorioso e me recostei nele novamente.

Nossa janta chegou e comemos sentados no chão em volta da mesa de centro da sala mesmo. Eu e meus amigos costumávamos fazer aquilo normalmente, mas, agora, tinha Donghae comigo e era… diferente. Agora parecia mais completo, mais certo. Meu coração estava em paz e acelerava toda vez que nossos olhares se encontravam e ele me dava um sorrisinho, ou alguém o fazia gargalhar - o que não era difícil - ou quando sua mão tocou na minha e ele me fez um carinho sutil. Todas aquelas coisas tão pequenas e simples me faziam sentir bem como nunca antes.

- Baby - o ouvi sussurrando perto do meu ouvido - Está tarde e eu preciso sair daqui cedo amanhã… acho que já vou deitar.

- Eu só vou ajudar Yesung com a louça e já vou, tá? - avisei e ele assentiu, deixando um beijo no meu rosto e se levantando em seguida.

- Boa noite, gente - desejou pra todos de uma vez.

- Boa noite - respondemos e observei ele sumir pelo corredor.

Eu nunca cansaria de admirar aquela bunda.

- Uma coisa é certa - Heechul começou - A bunda dele é fora do comum de tão gostosinha. Acho que só Siwon consegue competir.

Todos riram e eu taquei uma almofada na cara dele.

- Respeita meu namorado, merda.

- Mas é um elogio! Muito verdadeiro, por sinal.

- Não tá na sua hora também não, Heechul?

Ele checou seu relógio de pulso.

- Pior que está… Siwonie, você não quer ser cavalheiro e me acompanhar até em casa? Está perigoso na rua a essa hora.

Siwon riu.

- Claro, Chul. Eu te levo em casa.

Diferente de nós universitários fodidos, Siwon tinha uma situação financeira um pouco melhor. Seu pai havia lhe dado um carro quando passou pra faculdade e ele recebia uma mesada para poder mantê-lo, além de seu salário no estágio.

Os dois ajudaram eu e Yesung a recolher os lixos e colocar a louça na pia antes de se despedirem e irem embora. Eu lavei o que estava sujo enquanto Yesung secava e guardava.

- Vocês não conversaram sobre o que vão fazer com as suas fotos? - ele perguntou depois de um tempo de silêncio.

- Como assim?

- Ele não vai mandar pra nenhuma revista, agência, nada?

- Não conversamos sobre isso e eu não acho que seria uma boa ideia. Eu não sou, nem nunca pensei em ser modelo. Quando eu falava sobre isso de ser artista eu estava brincando… não tenho emocional nem auto estima pra esse ramo. Muito menos beleza.

- Hyukjae, já te falei que você tem sim visual pra ser modelo. Depois de ver essas fotos, então, tive certeza. Você é muito fotogênico. Não sabíamos disso até hoje porque você simplesmente se recusava a tirar foto de si mesmo.

Sacudi os ombros.

- Sei lá, Yesung… eu só quero um emprego logo. Agora que Donghae e eu estamos namorando, não quero ficar dependendo dele pra quando formos sair. Sem contar que minhas economias tão secando e preciso te ajudar com as contas.

- Por enquanto eu consigo dar uma segurada. Por agora, acho melhor você focar no seu tratamento. Acho que conheço uma psicóloga pra te indicar. Meu irmão costumava ir nela e ela é muito boa.

Afirmei com a cabeça, lhe entregando o último prato e fechando a bica.

- Me passa o telefone dela depois… amanhã vou ligar pra minha mãe pra conversar sobre isso.

Ele assentiu, terminando de secar o prato e me entregando o pano pra eu me secar.

Caminhamos pelo corredor juntos e nos despedimos quando ele entrou no quarto e eu no banheiro. Tomei um banho rápido pra me livrar de vez da maquiagem e suor do dia inteiro e escovei os dentes, indo pro meu quarto em seguida.

Abri a porta devagar e vi um corpo todo esparramado sobre a minha cama. Sorri e fechei a porta, me aproximando devagar até o armário e buscando uma blusa qualquer e uma cueca. Pendurei a toalha na maçaneta da porta e fui até a cama.

Donghae estava todo coberto, só dava pra ver sua testa e os cabelos bagunçados sobre o travesseiro. Não havia espaço pra mim ali, eu teria que acordá-lo. Me abaixei e passei os dedos pelos seus fios macios, o ouvindo resmungando baixinho.

- Hae, só me da um espacinho - pedi.

Demorou uns três segundos e ele se encolheu pro canto. Eu levantei o edredom e me enfiei debaixo dele, apreciando o calor que emanava do corpo de Donghae. Afundei a cabeça no travesseiro e me virei de lado para abraçá-lo. Minha mão tocou seu ombro e notei que ele estava sem blusa. Dei um sorrisinho e desci pelas suas costas, o ouvindo gemer e se arrastar pra mais perto de mim. Envolvi sua cintura com um braço e enfiei o outro debaixo do travesseiro, relaxando pra poder dormir também.

///

Comecei a despertar do nada. Me revirei na cama ainda de olhos fechados e comecei a tatear o colchão à procura do corpo quente que passou a noite do meu lado, mas só encontrei vazio. Me forcei a abrir os olhos e vi que não tinha ninguém deitado comigo. Isso já havia acontecido outras vezes, com outros caras, mas, dessa vez, doeu um pouco. Eu sabia que ele teria que sair cedo, mas pensei que, pelo menos, ele me daria um beijo de bom dia.

Não estávamos namorando nem há 24 horas e eu já estava nesse sentimentalismo todo. Patético.

Bufei e me afundei mais nos lençóis, pretendendo acordar só depois do almoço, apesar de não saber nem que horas eram.

Quando estava quase caindo no sono, ouvi minha porta abrindo devagar, mas não quis me mexer. Devia ser Yesung querendo roubar mais um par de meias meus - francamente, nunca vi alguém perder tanta meia assim.

No entanto, senti o lençol sendo levantado e o colchão afundando; um par de braços envolveu minha cintura e me arrepiei quando um nariz roçou na minha nuca, cheirando meu cabelo em seguida. Sorri ainda de olhos fechados e me virei sem sair do seu abraço, encaixando o rosto no seu pescoço e sentindo seu cheiro e seu calor.

- Bom dia - Donghae sussurrou antes de deixar um beijo no meu ombro.

- Hum - resmunguei porque estava cedo demais pra falar.

- Só vim te dar um beijo porque se não vou me atrasar. Ainda preciso passar em casa pra me arrumar.

- Uhum - concordei mesmo não querendo, mas não tinha forças pra falar por causa do sono.

- Quer almoçar comigo? Tenho um tempinho hoje entre duas reuniões - concordei com a cabeça - Agora vou parar de falar porque você, claramente, não é uma pessoa diurna.

Senti que ele ia levantar e agarrei a gola de sua blusa, grudando seu corpo no meu novamente.

- Hyukie… - resmungou, me abraçando de novo - Eu vou me atrasar - disse enquanto não fazia esforço nenhum pra se levantar.

Eu sorri e me enfiei debaixo dele, abraçando sua cintura e beijando seu pescoço. Donghae suspirou e enfiou a mão no meu cabelo, puxando fraco e roçando seu corpo no meu, que já estava com uma ereção matinal.

Quando ia morder seu ombro, Donghae se afastou, sentando na cama e segurando minhas mãos nas suas. Abri um dos meus olhos com muita dificuldade e o encarei. Ele se aproximou, deixando um beijinho nos meus lábios e outro no meu maxilar.

- No almoço eu cuido disso - sussurrou e apertou meu pau por cima da cueca, me fazendo gemer - Bom dia, baby - retirou a mão e se levantou.

Fiz um esforço a mais pra abrir os dois olhos e vê-lo caminhando até a porta. Ver Donghae de costas andando era sempre um prazer.

Ele parou antes de fechar a porta, apenas com a cabeça pra dentro do quarto.

- Deixei café pronto pra você. Não levanta muito tarde - disse e jogou um beijinho no ar.

Logo eu estava sozinho e com muita vontade de mijar por ter acabado de acordar e ter sido levemente estimulado.

Desisti de voltar a dormir e me levantei, indo até o banheiro. Lavei meu rosto e fiz meu xixi antes de ir pra cozinha e encontrar Yesung na mesa com um jornal na mão e uma caneca de café na outra.

Yesung era desses caras que acordava cedo, iam até a padaria comprar pão fresco e pegar o jornal do dia pra passar, pelo menos, uma hora tomando café e lendo as notícias. Era um hábito saudável até, mas eu ainda estranhava ver alguém da minha idade, da nossa geração, fazendo algo que está se tornando tão obsoleto.

- Bom dia - desejei e ele arriou o jornal, me olhando espantado.

- O que você está fazendo já acordado?

- Donghae me acordou.

- E vocês não terminaram depois disso?!

Ri soprado, pegando o leite da geladeira e sentando na mesa, buscando uma caneca limpa sobre ela.

- Ele só foi se despedir e eu acabei despertando quando fui mijar.

- É estranho ver você com namorado - comentou dando um gole no seu café.

- Estranho por quê? - misturei leite no meu café e bebi um pouco.

- É que eu estava acostumado a ver caras diferentes deixando seu quarto, eles nunca me dignavam um olhar sequer e você sempre acordava muito mais mal humorado do que antes de transar com eles. Hoje, além de ser um rosto conhecido, Donghae me ajudou a preparar o café, se despediu de mim ao ir embora e, além de você ter acordado cedo, ainda está de bom humor. Por mais que seja estranho, é um estranho bom. Acho que esse relacionamento vai fazer bem pra você e te ajudar no seu tratamento.

- Você é psicólogo agora? - perguntei brincando. Eu tinha um sorriso no rosto.

- Yah, só aceita meu elogio, idiota - ergueu de novo seu jornal e eu não pude mais encará-lo - Aliás, peguei o número da médica do meu irmão pra você - disse, empurrando um pedaço de papel em minha direção.

- Obrigado, Yeye - levantei e baguncei seu cabelo, pegando minha caneca e o papel e indo pro meu quarto.

Peguei meu celular sobre a mesinha de cabeceira e voltei pra sala, me sentando no sofá e discando o número da minha mãe.

- Hyukjae? - atendeu com uma voz preocupada.

- Sim, mãe. Aconteceu alguma coisa?

- N-não… é que estranhei você ligando a essa hora. Já pensei que fosse alguma tragédia.

Eu ri e neguei com a cabeça.

- Para de graça, velha.

- Me respeita, garoto - respondeu, mas também estava rindo.

- Como estão as coisas?

- Está tudo bem, filho. Sua irmã apareceu pra almoçar aqui ontem e perguntou de você.

- Diz que estou precisando de dinheiro, se ela tiver, pode me procurar.

- Você está cada dia mais terrível.

Nós rimos, mas eu logo suspirei, querendo ir direto ao ponto.

- Mãe, queria falar sobre uma coisa com a senhora…

- O que houve?

- É que… eu estou querendo começar a ir no psicólogo…

Ouvi o suspiro do outro lado da linha e imaginei que ela estivesse indo se sentar, como fazia quando ficava preocupada com algo.

Eu lembro de como ela ficava quando eu chegava da escola com alguma advertência por ter quebrado algum espelho e do seu olhar preocupado sempre que parava pra observar minhas mãos. Ela sempre teve consciência de que eu tinha algum problema, mas achou que seria apenas uma fase difícil, como todo adolescente tem. Tivemos algumas conversas e eu sempre prometia que eram apenas acessos de raiva, nada que ela devesse se preocupar.

Quando eu saí de casa, já não tinha aqueles episódios há um tempo e, como ela sempre tinha notícias de mim, mesmo morando sozinho, provavelmente ela achou que eu estava “curado”.

- Psicólogo, filho?

- Sim, mãe. Eu estou precisando muito. Não estaria te pedindo isso se não fosse mesmo algo necessário.

- Mas você conhece algum?

- Meu colega de quarto indicou a médica do irmão dele. Estou pensando em ir lá mais tarde.

- Eu vou falar com o seu pai, tá?

- Desculpa trazer mais esse fardo pra vocês. Prometo que vou arrumar um emprego logo, não importa o que seja.

- Não se preocupe com isso, Hyukjae. Sua saúde vem em primeiro lugar, sempre.

Eu sorri e quis que ela estivesse ali pra poder abraçá-la.

- Você é a melhor velha do mundo, sabia?

Ela riu e eu percebi que estava com saudades da sua risada.

- Você é um pentelho, mas é o meu favorito também.

- Estou com saudades. Vou aparecer aí nesse final de semana, tá?

- Vai vir almoçar?

- Sim… e eu devo levar um convidado…

- O QUÊ?!

Afastei o telefone pra não ficar surdo.

- Lee Hyukjae, você está dizendo o que eu acho que está dizendo?!

- Calma, mãe, eu ainda preciso conversar com ele. Começamos a sair esse fim de semana, não quero assustá-lo.

- Mas vocês já estão namorando?

- Tecnicamente sim.

- Como tecnicamente? Ele pediu ou não?

- Pediu.

- E você aceitou?

- Aceitei.

- Então estão namorando! Quero conhecê-lo!

- E-eu vou perguntar pra ele se tudo bem…

- Ele é da sua faculdade? Qual o nome dele? Ele trabalha?

- Mãe… é Donghae. Agora preciso ir. Depois nos falamos.

- Você é um estraga prazeres!

- E você uma velha fofoqueira - falei rindo - Beijo, mãe. Te amo.

- Também te amo.

Desliguei o telefone e terminei de beber meu café com leite frio.

Voltei pra cozinha e Yesung estava tirando a mesa. Eu lavei e sequei a louça, já que ele e Donghae fizeram o café e depois fui tomar um banho.

Comi sucrilhos com leite enquanto assistia TV e fiquei morgando até meu celular tocar.

Era uma mensagem de Donghae.

Donghae: estou indo pegar o carro e vou te buscar pra almoçarmos

Donghae: esteja pronto em 20 minutos

Hyukjae: que autoritário >:(

Donghae: esteja pronto em 20 minutos por favor meu denguinho <3

Hyukjae: agora sim sz

Eu ri e levantei pra vestir uma roupa mais decente. Coloquei alguns anéis e passei perfume. Baguncei meu cabelo com a mão e respirei fundo ao me olhar rapidamente na frente do espelho.

Me adiantei pra pegar minha carteira, celular e chave.

- Yesung, vou sair com o Donghae, mas volto de tarde pra ir pra faculdade - gritei na porta de seu quarto.

- Ok - ouvi sua resposta e segui pra porta.

Quando cheguei na calçada, Donghae estava estacionando em frente ao meu prédio. Entrei pela porta da frente e sentei no banco do carona. Quando me virei, só tive tempo de vê-lo se aproximando e tomando meus lábios com os seus em um beijo lento e quase preguiçoso. Segurei seu rosto com as mãos e me inclinei em sua direção, querendo me pressionar mais contra ele. Nossas línguas se roçavam quando senti sua mão na minha coxa e puxei seu cabelo em reflexo. Donghae gemeu na minha boca e chupou meu lábio, findando o beijo.

- Oi, baby - me cumprimentou e me deu mais um selinho antes de se afastar.

- Oi… - eu ainda ficava muito sem ação quando ele me beijava assim.

- Vamos almoçar lá em casa? Eu já comprei arroz frito de kimchi pra gente e umas cocas - apontou as embalagens no banco de trás.

- Que namorado eficiente.

Por alguma razão, a palavra ainda tinha um peso estranho na minha língua, mas, ao mesmo tempo, eu sentia um friozinho na barriga ao me referir à Donghae assim.

- Eu já te disse que sou precavido - sorriu e piscou pra mim.

- Por que não almoçamos aqui em casa?

- Hum… - se aproximou, encaixando o rosto no meu pescoço - Porque eu quero ficar sozinho com você um pouco - e deixou um beijo ali, fazendo eu me arrepiar.

- Entendi… tá.

- Ótimo - beijou meu ombro e se afastou, começando a dirigir em direção à sua casa.  


Notas Finais


hohoho mais um final pra deixar vocês na expectativa uwu
até semana que vem
~elfasy


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...