1. Spirit Fanfics >
  2. Lua de Sangue - Long Imagine Jeon Jungkook >
  3. Prólogo

História Lua de Sangue - Long Imagine Jeon Jungkook - Capítulo 1


Escrita por: Sorcha_Niamh

Notas do Autor


Como alguns podem perceber, sim, está estória é uma reescrita. Eu espero que esta nova versão seja melhor que a anterior.
Este capítulo é o prólogo, ou seja, o primeiro contato. Aqui vocês conhecerão um pouco da vida da S/n e o que a motivou a abandonar a antiga vida dela.
Boa leitura e até as notas finais <3

Capítulo 1 - Prólogo


“They say that love is forever

Your forever is all that I need

Please stay as long as you need

Can't promise that things won't be broken

But I swear that I will never leave

Please stay forever with me” 

 

“Dizem que o amor é para sempre

O seu para sempre é tudo que eu preciso

Por favor, fique o tempo que precisar

Não posso prometer que as coisas não vão ser destruídas

Mas eu juro que eu nunca vou embora

Por favor, fique comigo para sempre”

 

O refrão de James Dean & Audrey Hepburn, do Sleeping with Sirens, explodia em meus fones, enquanto meus olhos encaram a vista da janela do ônibus. O dia chuvoso e frio aumentava a sensação de solidão e o sentimento de partida, abandono. Deixei para trás toda uma vida que fazia sentido total para mim, para seguir agora um destino incerto por um caminho tortuoso, sem nenhuma apologia à estrada de terra esburacada que o ônibus está circulando nesse exato momento. 

Consegui tudo o que queria em minha vida, desde um emprego que paga bem até o marido perfeito. Bom, eu achava que era a vida que eu sonhei desde criança, e foi, por um curto período de tempo. Foi questão de 10 anos até eu perceber que tudo aquilo era uma ilusão completa. O emprego que tanto sonhei me exigia praticamente as poucas 24 horas do meu dia e os meus preciosos 7 dias da semana, o que me fazia ansiar para ganhar o dinheiro, mas não me dava chance para aproveitar o que eu recebia pelo “trabalho escravo”. O meu marido perfeito, que eu acreditava tanto que me amava, era a pessoa que usufruia de uma parte desse montante que eu ganhava mensalmente, e fazia questão de gastar com uma única coisa: sua única e verdadeira amante. 

Quando me dei conta que meu emprego não era mais a minha vibe e que eu poderia fazer totalmente o oposto da minha vida, me demiti imediatamente e fui correndo sugerir ao meu querido marido para pegar essas economias e saírmos explorar o mundo. Mas quando eu cheguei em casa aquele dia, aquele fatídico dia, ele estava deitado na nossa cama abraçado com aquela mulher, aquela vaca, vadia, vagabunda, puta, sem vergonha. Que ódio que me deu. Eu nem sequer esperei ele dizer qualquer coisa, saí da casa e parti sem rumo pela cidade na esperança de momentaneamente acalmar a minha raiva.

Passei a noite em um hotel e não preguei o olho um minuto sequer pensando em tudo o que eu havia feito da minha vida. Foi para isso que eu me matei de trabalhar dia após dia naquele hospital? Foi para isso que eu trabalhei em dois empregos para pagar o cursinho e conseguir entrar na faculdade? Foi para isso que eu desisti de ser mãe e me dedicar ao meu marido e aos nossos “sonhos”? Foi para isso?....

No dia seguinte eu saí bem cedo do hotel e fui para a última visita em minha casa. Por sorte o meu digníssimo não estava lá, então peguei todas as minhas coisas e enfiei no meu carro. Saí dali batendo a porta da frente, para nunca mais voltar. Desci a serra e segui para a casa que tínhamos no litoral, precisava pensar em como faria a partilha dos bens. Tínhamos comunhão parcial de bens, ou seja, só o que tínhamos em ambos os nossos nomes deveriam ser compartilhados, o que era separado era só meu ou só dele. Pensei em deixá-lo sem nada, como vingança pelo que ele me fez, mas sinceramente eu não gostaria de conviver com o fantasma dele me rodeando com sua presença. Tomei a minha decisão definitiva horas depois, optando por deixá-lo com todos os bens, incluindo o carro, e exigir apenas a casa de campo. 

Subi a serra novamente esperando meu advogado retornar a minha ligação avisando a data e horário da reunião de divórcio, que seria dali dois dias. Quando cheguei ao tribunal ele tentou conversar comigo, mas eu sabia que seria apenas para não perder a gorda mesada que ele recebia quando estava casado comigo. O juiz procedeu a reunião sem muitos rodeios, afinal, não teria disputa por bem algum, já que eu optei por ficar com apenas uma propriedade e deixar o resto para o meu ex-cônjuge. Tudo terminou exatamente do jeito que eu queria, sem nenhum pendente com meu ex-marido e um ponto final nesse casamento de fachada que vivemos por uma década. 

Foi assim que eu decidi me livrar de muitas coisas pessoais minhas e comprei as passagens de ônibus direto para a cidade onde fica a minha casa de campo. O dinheiro me fez extremamente feliz nesses 10 anos de casamento, eu não vou negar. Mas chegou a um ponto em que não faz sentido continuar sofrendo tanto para receber essas notinhas verdes e ver a minha vida passar como um flash em frente aos meus olhos. 

Já estou perto do meu destino agora, o cansaço desse estresse da última semana está começando a aparecer. Só quero chegar em casa e tomar um bom banho e cair na cama.

 

{...}

 

Saltei do ônibus na rodoviária da cidade e rapidamente tratei de pegar um táxi para a minha nova casa. É estranho pensar que a casa que eu passava as férias, é agora a minha nova casa. Preciso me acostumar com essa ideia. O caminho foi rápido até a casa, que fica mais à frente da cidade, na região das montanhas. Chegando em casa eu tratei de pagar rapidamente o taxista e me apressei para entrar em casa. Estava tudo escuro como era de se esperar, afinal já era tarde da noite e o gerador de energia da casa está desligado, mas parece que a escuridão está mais forte hoje, como se a atmosfera da montanha estivesse pesada, como se algo estivesse se escondendo sobre a densa relva ao redor da casa, na floresta. Apressadamente eu liguei o gerador e entrei em casa, trancando a porta da frente. 

Todos os móveis estão cobertos com lençóis brancos, o cheiro de mofo misturado a naftalina invade minha respiração e tusso levemente. Essa casa precisa de uma faxina urgente. Subo as escadas para o andar superior, sofrendo para carregar minhas duas malas de viagem não tão pesadas assim, preciso me exercitar mais. Abro a janela do quarto que eu dormiria esta noite, saindo na sacada, e aproveito para inspirar o ar puro da montanha. As lágrimas que até então se mantinham presas, agora encontraram a oportunidade para se libertarem das amarras da minha determinação. Eu tentei ser forte, eu tentei disfarçar que isso não me afetou, que foi só um tropeço no caminho… Mas tropeçar em um abismo e não cair, é impossível.

Me permiti chorar e gritar o quanto meu coração exigiu, ninguém me ouviria de qualquer modo. Xinguei meu ex-marido de todos os palavrões possíveis e existentes e me amaldiçoei internamente por me importar tanto com esse canalha. Mas não posso ser muito dura comigo mesma, uma década de casamento é bastante coisa e não pode ser apagada em questão de dias. 

Limpo as lágrimas do meu rosto e vou para o banheiro tomar um banho frio, uma tentativa de reduzir as marcas que esse divórcio me deixou. Depois de pronta retorno ao quarto em uma camisola simples de seda, uma das poucas coisas que mantive comigo antes de me mudar, e me deito na cama. O sono não demora a vir e me permito mergulhar no oceano dos sonhos, pelo menos por hoje…

 

 

 

{...}


Notas Finais


Foi isso meu povo. Logo mais o primeiro capítulo será lançado, aguardem mais emoção.

Por favor, não deixem de visitar o meu perfil para mais conteúdo do Jungkook e de outros membros do BTS.
Deixo também a indicação dos perfis das minhas best’s a @JMWard e a @Man_wol, elas são demais gente, sério.

Se gostou não deixe de favoritar e caso queira também não deixe de participar nos comentários.

Beijos da Unnie <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...