1. Spirit Fanfics >
  2. Lúcida Loucura >
  3. Pelos olhos de uma criança

História Lúcida Loucura - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Espero que gostem.

Capítulo 11 - Pelos olhos de uma criança


Pelos olhos de uma criança

 

Pvo Max Thunderman

Foi um choque ver meus pais jogando aquelas malditas fotos na mesa, eles já sabiam e descobriram da pior maneira possível, ah se eu descubro quem é esse bastardo, eu juro que acabo com ele. Sou desperto dos meus devaneios pela voz do meu pai.

“Vamos, expliquem logo isso.” – sua voz estava alterada e eu realmente estava com medo do que ele poderia fazer.

“Max e eu estamos apaixonados, ninguém pediu por isso, mas aconteceu e eu não vou me afastar dele.” – minha irmã falou e pude ver a raiva dos meus pais aumentar.

“Já chega dessa brincadeira sem graça, não estou com humor pra isso. Acabou a palhaçada, falem de uma vez o motivo dessa piadinha idiota antes que eu perca o que me resta de paciência.” – minha mãe parecia se controlar para não lançar raios na gente.

“Phoebe já disse, nos amamos e estamos juntos, não é piada nenhuma, não queríamos que descobrissem assim, planejávamos falar com vocês com calma e depois com as crianças, tentar explicar esse sentimento que cresceu em nós. Só que as coisas foram atropeladas e aqui estamos frente a frente, então pai e mãe eu estou apaixonado pela minha irmã gêmea e ela por mim, estamos namorando e vocês não vão nos separar nunca.” -  tomei a palavra e agi como o homem que eu seria dali em diante para minha namorada.

“Vocês enlouqueceram, estão doentes só pode. São irmãos não podem namorar isso me deixa enojado, vocês vão se separar agora antes que cheguem até uma cama.” – meu pai praticamente gritava, Phoebe e eu trocamos um olhar ao ouvir a última frase e ele sacou na hora. “Vocês transaram? Eu não acredito nisso, não se importam com seus irmãos e com seus pais? Não ligam se vamos virar chacota e as pessoas iram apontar para nós e nos chamar de família das aberrações? São egoístas á esse ponto.” – Hank espumava de raiva, minha mãe estava chocada, porém, estava atenta as reações do meu pai.

“Não somos egoístas e muito menos aberrações, apenas queremos ficar juntos, me importo muito com vocês e meus irmãos, mas isso não significa que vou deixar o sangue falar mais alto nessa situação, amo todos vocês, só que tenho amor próprio também não vou desistir da minha felicidade só porque você só consegue pensar em reputação e não em ver seus filhos felizes.” – Phoebe cuspiu as últimas palavras, ela estava com raiva, mas eu podia ver lágrimas ameaçando cair de seus olhos devido às palavras duras do nosso pai, e aquilo me fez ferver por dentro.

“Escute o que está falando, não tem o direito de nos ofender mesmo que indiretamente, já disse que não vamos nos separar, grite o quanto quiser me ofenda o quanto quiser, mas se a fizer chorar, eu esqueço que você é meu pai e não respondo mais por mim.” – falei no mesmo tom sustentando seu olhar.

“Calma vocês dois, assim não vamos chegar à lugar algum... Hank...” – minha falava quando foi interrompida.

“Ora seu moleque, só por que está tendo um caso nojento com a sua irmã já acha que é homem? Vou te ensinar a me respeitar.” – vi quando ele fechou sua mão em punho, mas não me movi apenas fechei os olhos e esperei pelo contato que nunca veio, ouvi um grito e imediatamente abri os olhos.

Era minha irmã que de alguma forma se colocou na minha frente e recebeu todo o impacto daquele soco, eu me desesperei quando a vi no chão com o rosto sangrando, eu só conseguia ver vermelho na minha frente e quando já estava pronto para partir pra cima do meu pai e fazê-lo pagar, uma quinta voz me impede.

“Parem com isso todos vocês. Olhem em volta e pensem sobre o que estão fazendo.” – era o Billy, acho que ele ouviu a discussão, quer dizer, acho que boa parte dos vizinhos ouviu também.

Olhei em volta e percebi que minha mãe estava horrorizada com o que me pai tinha feito, e o mesmo parecia um pouco perdido, como se agora a ficha que tinha acertado a Phoebe tivesse caído. Mas ele não se abalou por muito tempo e voltou a se pronunciar.

“Felizes agora? Expondo o seu irmão a essa pouca vergonha? Que belo exemplo estão dando. Billy, suba agora eu não quero você no mesmo ambiente que seus irmãos enquanto eles estiverem fazendo essas coisas erradas.” – falou e eu me senti mal em saber que afastariam nossos irmãos da gente.

“Não, eles não estão fazendo nada de errado, vocês estão, estão julgando os dois só por que eles se gostam, eles não fizeram nada de errado e nem machucaram ninguém. Fala de exemplo quando você parte pra agressão física? Quando você não escuta seus filhos, quando os ofende e os acusa quando em tese teria que ser o primeiro a defendê-los? Que tipo de exemplo é esse, como quer que eu seja um bom pai no futuro se agora só está me mostrando a maneira errada de amar um filho?” – Billy terminou chorando, e o resto de nós não estava muito longe disso.

“Billy, meu filho, isso não é assunto pra criança e só estamos exercendo o direito de expressar a opinião que quisermos.” – Hank tentou parecer calmo, mas não funcionou.

“Eu já sabia que meus irmãos estavam juntos e os apoiei porque amar não é errado, dar e receber um amor tão puro como o deles é uma dádiva, deveriam estar felizes por eles se fazerem felizes, mas não, preferem causar dor com essas palavras de ódio, você pode sim falar o que quiser, quantas vezes quiser, mas não do jeito que você quiser, não esconda a empatia em um lugar qualquer da mente e se coloque no lugar deles, tudo que eles ouviram machuca, ainda mais dito pela pessoa que deveria mostrar amor a eles acima de qualquer coisa. Olha bem pra você pai, veja a que ponto você chegou, tem certeza que eles são às aberrações?” – meu pai ficou sem palavras. “E eu posso sim ser uma criança, mas consigo entender melhor que vocês que lutar pelo amor é muito melhor que lutar para impedi-lo. Boa noite, vocês dois podem contar comigo sempre.” – falou e saiu Phoebe e eu só podemos lhe lançar um sorriso em agradecimento.

“Venha meu amor, vamos para o covil eu vou cuidar de você.” –a ajudei a se levantar e fomos em direção ao meu quarto, ainda consegui ouvir  meu pai querendo protestar contra isso, mas minha mãe deu uma dura nele dizendo que  ele já tinha feito demais por uma noite.

Assim que chegamos coloquei minha irmã sentada na cama e fui buscar o kit de primeiros socorros, depois de limpar o corte constatei que por sorte não precisaria de pontos, fiz um pequeno curativo e ela me agradeceu com um selinho. Tomamos um rápido banho separadamente e ela pegou uma das minhas camisetas para dormir, depois de já estarmos acomodados na cama, eu perguntei:

“Você está bem, amor?” – ela estava pensativa.

“Estou sim, apenas repassando o dia na minha cabeça, o que vai acontecer agora?” – indagou me olhando.

“Eu não sei, ma seu não vou desistir de nós. Eu te amo.”- lhe dei um beijo casto. “E o Billy também não vai desistir.” - ri e ela me acompanhou.

“Ele foi um anjo, o nosso anjo. E eu também te amo.” – vi que ela já lutava contra o cansaço e resolvi fazer apenas mais uma pergunta.

“Por que entrou na minha frente, amor?” – eu precisava entender.

Ela sorriu e sussurrou à resposta no meu ouvido, eu sorri também e agradeci, ela se aninhou no meu peito e logo já estava dormindo, eu ainda pensava em sua resposta e sabia que eu jamais esqueceria o que ela me disse, as coisas estavam ruins, mas pelo menos eu estava com a mulher da minha vida nos meus braços e isso aquecia meu coração e me dava as forças necessárias pra batalha do próximo dia, logo depois desse pensamento entrei no mundo dos sonhos.


Notas Finais


A frase que a Phoebe diz pro Max no fim eu não coloquei de propósito, vocês são saber qual é no último capítulo.
Até mais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...